Comentários no blog Mensageiro Sideral de Salvador Nogueira

As letrinhas ficaram tão pequena que não dá mais para ler, assim continuo aqui.
Salvador, eu sou solidário à sua estupenda ação de divulgação científica da Astronomia (e de Star Trek, by the way). E vejo como é irritante e desgastaste a interação com comentaristas pseudo-religiosos aqui (tipo Apolinário etc.). Eu nem sei porque você se dá ao luxo de responder a eles (eu ficaria quieto), bom talvez você tenha a mesma filosofia de interação com o leitor do jornalista cristão e mui paciente Reinaldo Lopes. O que eu queria dizer é que assisto essa sua batalha há muitos anos e nunca manifestei muito minha opinião. Mas como estou trabalhando com divulgação cientifica também, gostaria de fazer colocações sobre jornalismo cientifico que poderão gerar algumas reflexões suas talvez. Sei que você é uma pessoa racional e Bayesiana (ou seja, muda de opinião conforme a evidência ou os argumentos lógicos), então quem sabe isso poderia gerar uma interação mais proveitosa com o pessoal religioso que fica comentando aqui no seu blog.
Osame Kinouchi – 10/11/2017 6:06 pm Responder
Vou dar um exemplo anedótico: há seis anos me apaixonei por uma mulher (Rita) basicamente porque ela decorava o celular com um app que mostrava fotos do Hubble. Ela também quis me conhecer pelo fato de eu ser físico e a primeira conversa num café foi iniciada por ela, sobre um novo tipo de buraco negro que ela tinha lido na Folha (teria sido você o reporter?). Ela tinha aquela comportamento usual (social), no sentido: Dorme com Deus, Deus te proteja, Vá com Deus etc. Citou uma vez um versículo (“Os Céus manifestam a Gória de Deus”) como uma das motivações que ela tinha para ler o seu blog na Folha.
Bom, depois de eu falar que as fotos do Hubble eram de cores falsas, e que o tamanho do universo era apenas a prova de nossa insignificância, num Universo sem sentido, ela perdeu a fé. Junto com essa perda, ela deletou o app do Hubble no celular, não lê mais reportagens de Astronomia, não lê mais o seu blog.
Osame Kinouchi – 10/11/2017 6:12 pm
Bom, eu apenas gostaria de sugerir a você que ficar enfatizando que a Astronomia mostra como somos poeira de estrelas (ou seja, lixo espacial), infinitamente pequenos, desprezíveis, com uma curta vida sem sentido, em um Universo também sem sentido e fruto do puro acaso não é a melhor maneira de entusiasmar as pessoas pela ciência. Exigir que as pessoas que gostam da beleza da Astronomia precisem tirar uma carteirinha de ateu para continuar gostando do assunto, senão seriam desonestos intelectuais, com cérebros contaminados por memes religiosos destrutivos, me parece totalmente fora de propósito. Nosso objetivo como divulgadores da ciência é fazer com que as pessoas vejam a beleza da mesma, se interessem, se disponham a apoia-la (mesmo continuando religiosas, como é o caso do Reinaldo Lopes). Ou seja, o objetivo mínimo seria transformar fundamentalistas religiosos em religiosos moderados e esclarecidos como Reinaldo, que gostam de ciência e a apoiam. Não tenho certeza se afirmar que o mundo seria bem melhor sem as religiões (como foi feito – ou quase – no post sobre Star Trek Discovery) vai atrair mais gente para o campo científico. Na verdade, pode ser um poderoso instrumento para alienar ainda mais as pessoas da ciência. Bom, é isto o que penso, mas imagino que você também tenha uma opinião bem pensada sobre isso…
Osame Kinouchi – 10/11/2017 6:21 pm
Osame, eu não disse jamais que somos infinitamente pequenos e desprezíveis, com uma curta vida sem sentido. Jamais. Nem acho que esta seja a mensagem da ciência. Pelo contrário. No “Conversa com Bial” de que participei, foi evocada essa noção do “pequenos e desprezíveis”, e eu rebati veementemente. Disse que, ao mesmo tempo em que somos pequenos comparados ao Universo, somos grandes porque podemos compreender o Universo. O Universo é muito maior que o ser humano, mas, ao mesmo tempo, cabe no interior de nossa mente, o que é notável e nos impõe uma sublime responsabilidade: sermos os biógrafos do Universo, ou pelo menos os biógrafos do Universo, segundo nosso ponto de vista particular. Esta é uma ideia que já planejo desenvolver com mais vagar há alguns anos e, salvo alguma bola de efeito na minha direção, deve ser tema do meu próximo livro.
Quem cria a falsa dicotomia entre “ser religioso” ou “ser desprezível segundo a visão fria da ciência” é você. Ela não existe.
No mais, sempre defendi aqui não o ateísmo, mas a separação rigorosa entre a religião e a ciência. A religião fala de verdades subjetivas, a ciência fala de verdades objetivas. O tema do blog é ciência, e não acho salutar misturar com religião. Sigo a linha dos “magistérios não interferentes” de Stephen J. Gould. Acho o jeito certo de fazer divulgação científica. Não é pregação; é ciência.
Aliás, interessante você mencionar o Reinaldo José Lopes. É meu amigão de longa data, e admiro de fato como ele é capaz de separar uma coisa da outra na cabeça dele, mas acho temerário — e não é segredo para ninguém, inclusive ele — misturar ciência e religião no mesmo balaio, no mesmo espaço de comunicação. Quando eu fui editor de Ciência e Saúde do G1, o Reinaldo tinha dois espaços separados: o Visões da Vida, sobre biologia evolutiva, e o Ciência da Fé, para falar de temas religiosos. Eu fiz questão que assim o fosse porque é minha convicção que os temas são como água e óleo, não se misturam. Não deveriam se misturar.
De volta à Folha, o Reinaldo conseguiu costurar as duas coisas numa só, na forma do atual Darwin e Deus. Continuo achando inadequado. Seria como se eu decidisse fazer deste blog um espaço sobre astronomia e futebol. Nada contra futebol. Adoro futebol. Mas não faria jamais. Porque não me parece adequado misturar dois temas completamente diferentes. Para isso, criaria dois blogs, permitindo que quem goste de futebol leia sobre futebol, e quem goste de astronomia leia sobre astronomia. Faz sentido para mim.
Resumo da ópera: não tenho nada contra religião. Tenho restrições ao fundamentalismo religioso, que julgo socialmente nocivo. Mas a religiões? De jeito nenhum. Cada um no seu quadrado, com toda liberdade.
Mas, não, não vou misturar ciência com religião como uma “isca” para atrair mais leitores para o lado da ciência. Acho, na melhor das hipóteses, inefetivo, e na pior, desonesto. O desafio que me imponho é justamente mostrar que o mundo natural — e nossa compreensão dele — já é razão suficiente para nos animarmos e acharmos que nossa vida tem sentido, um belo propósito auto-imposto, sem precisar recorrer a noções sobrenaturais. A julgar pelo fato de que este blog tem uma boa audiência regular, acho que a coisa está caminhando bem. 😉
Salvador Nogueira – 
Concordo com você, Salvador… Ciência e Religião não se misturam. Seu amigo Reinaldo José Lopes tenta misturar os dois e seu blog ficou muito esquisito. Li o livro do Reinaldo “Deus, como ele nasceu” e minha avaliação é a de que ele começou bem, tratando da questão historicamente, mas o terço final do livro me pareceu mais uma tentativa de evangelização do que de esclarecimento histórico. Decepcionante, a meu ver.

Salvador, falando em Darwin, você acredita que A Origem das Espécies ainda sobrevive sem precisar de alguns adendos? Tipo Einstein?
Não. Mas nem Einstein resiste sem adendos. De qual Einstein você está falando? Do proponente da mecânica quântica ou do crítico da mecânica quântica? Do cara que inventou a constante cosmológica ou do cara que repudiou a constante cosmológica?
A teoria de Darwin resiste ao teste do tempo como a relatividade geral de Einstein. Ambas continuam a nossa melhor palavra sobre seus respectivos domínios. Mas, claro, todas elas já justificaram adendos e têm limitações. A seleção natural não contempla fenômenos como a epigenética, que tem aspectos lamarckistas e fala de características adquiridas e então passadas adiante. A relatividade geral também não se presta à quantização, o que parece ser incompatível com o que sabemos sobre a natureza do mundo atualmente.
A Origem das Espécies é uma obra-prima da ciência, figurando facilmente ao lado de obras como os Principia de Newton e a relatividade geral de Einstein. Ela deu sentido à biologia, do mesmo jeito que os Principia deram sentido ao movimento, e Einstein deu sentido ao espaço-tempo e à gravidade.
A maravilha da ciência é que ela não precisa ser perfeita. Basta ser efetiva. Com efetividade, ela vai se aperfeiçoando. Não sei se algum cientista algum dia terá a palavra final sobre qualquer coisa. Mas é fato que o poder explicativo vai aumentando. A teoria de Darwin tem enorme poder explicativo e preditivo. A relatividade de Einstein também. São pilares sólidos, sobre os quais outros cientistas se apoiam para explorar as fronteiras do conhecimento.
Li com atenção o trecho em que você diz ” O Universo é muito maior que o ser humano, mas, ao mesmo tempo, cabe no interior de nossa mente, o que é notável e nos impõe uma sublime responsabilidade: sermos os biógrafos do Universo, ou pelo menos os biógrafos do Universo, segundo nosso ponto de vista particular”.
Na década de 80, li um livro pouco difundido, chamado “Sexta-Feira ou Os Limbos do Pacífico”. Eu o carreguei durante algumas décadas, até que ele se perdesse em uma de minhas incontáveis mudanças de endereço. O autor, Michael Tournier, faz o que alguns chamariam de releitura do Robinson Crusoé, de Daniel Defoe. Não penso assim: é antes uma busca do “entorno”, uma tentativa de entender o Universo. Não no sentido astronômico, mas no sentido existencial. Mas é interessantíssimo, e se, como você disse acima, pretende escrever uma “biografia humana sobre o Universo”, recomendo que você o leia (caso já não o tenha lido). Vou tomar a liberdade de citar uma parte de “Notas Críticas do Romance Sexta-Feira ou Limbos do Pacífico, de Michael Tournier (1967)”.
http://www.revistaacademicaonline.com/products/notas-criticas-do-romance-sexta-feira-ou-limbos-do-pacifico-de-michael-tournier-1967/ ):
“outrem pode ser um objeto (qualquer objeto no campo perceptivo) ou sujeito (ainda que fosse outro sujeito para um campo perceptivo), mas sua teoria ainda repousa nas categorias de sujeito e objeto, em que outrem é aquilo que me constitui como objeto quando me olha e, se converte em objeto quando o olho.
Esse clássico dualismo esboroa aqui, pois o problema não é mais colocado entre sujeito e objeto, mas numa estrutura diferente – um mundo com outrem (outrem não é o outro, ele é uma condição que estabelece um possível envolvido, e um mundo na ausência de outrem (sem a estrutura que torna os mundos possíveis)”.
Acho que seria quase impossível você abordar o tema que se propõe para o próximo livro, “salvo alguma bola de efeito”, sem uma “pega” filosófica. Fica a dica do livro do Tournier.
Um grande abraço
No meu comentário acima, falei de filosofia e existencialismo. Poderia parecer fora de contexto, num blog de Astronomia e Astrofísica.

Mas tive uma razão para isso. Você fala de uma biografia humana sobre o Universo. Você fala de uma responsabilidade que temos para escrevê-la. Entendo perfeitamente: somos inteligentes, somos tecnológicos, e conseguimos fazer o universo caber em nossa mente. E ainda: não conhecemos ninguém mais (que não o Homo sapiens) capaz de tomar essa tarefa para si.

Proponho uma hipótese, que está longe de ser impossível: um dia, a vida na Terra se extingue, por acidente natural ou não. Associo a essa hipótese, outra, mais improvável na minha (humilde, mas sem modéstia alguma) opinião: não existe outra inteligência tecnológica no Universo. Repito: improvável, não acredito nisso. Por uma mera questão estatística: o Universo é grande demais e tem tempo demais para ter gerado vida inteligente apenas aqui.

Mas prosseguindo com a soma das duas hipóteses: vida (um dia) extinta na Terra, e nenhuma outra inteligência no Universo. Então tudo perde o sentido.

Antes: e a incerteza da mecânica quântica, como ficaria sem um Observador? Indefinida e sem relação causa-efeito para todo o sempre? E mais arrasador ainda: para que um Universo sem um Observador? Que diferença faria existir ou não o Universo sem um Observador?

Você gosta do termo “questão metafísica”, e podemos usá-la aqui. Mas também é uma questão existencial, “sartreana” ou “pós-sartreana”. E foi por isso que me lembrei do livro do Michael Tournier.

Na primeira parte do livro ele está só, em uma ilha, que poderíamos chamar de Terra. Ele entra numa caverna, onde fica provido de som e luz. E se pergunta: será que o que torna o mundo possível, o que faz o mundo existir, é a minha percepção dele? Será que ele deixa de existir quando não posso testemunhá-lo e não tenho um outro testemunho de sua existência?

Estou sendo grosseiro, e apelando em excesso para minha memória. Li o livro pela última vez há bem mais de uma década. Mas me recordo que essa era a essência da primeira parte do livro, antes que um “outro” chegasse à ilha.

Enfim, foi o que me levou à audácia de te recomendar a leitura do livro. Porque mais que pertinente, é assustadoramente atual, embora escrito em 1967. E repito: podemos chamar de questão metafísica, mais a seu gosto, ou questão existencial…não importa. Importa é que uma biografia humana do Universo terá que contemplar essa questão, concorda?

De longe, será, se “nenhuma bola de efeito” te desviar desse projeto, seu livro mais completo e desafiador. E querendo ou não, você estará criando uma “Escola”. Merecerá meu mais profundo respeito, sem demagogia.

Mais um abraço, desta sua testemunha desde os tempos das “Pensatas”

Eduardo de Castro – 
Opa, legal saber que você está por aí desde os velhos tempos das Pensatas! Foi uma longa estrada! 🙂
Então, essa coisa de perder o sentido é, com o perdão do trocadilho, relativa. Se, como Einstein já disse, o tempo é uma “ilusão persistente”, tanto faz se deixarmos de existir e com ele nossa explicação do Universo. No espaço-tempo, ela sempre existe, porque o tempo é tão somente mais uma dimensão. O espaço-tempo torna tudo atemporal, em certo sentido.
Outro aspecto interessante é que, de novo, pensando no tempo, a história que podemos recontar sobre o Universo hoje não se escora somente em nossa capacidade de narrá-la, mas no fato de que ainda vivemos numa época cósmica em que as pistas do passado estão por aí. Mas podemos perfeitamente imaginar uma civilização emergindo um gigalhão de anos no futuro que veria sua galáxia isolada em meio a um fundo completamente escuro, e nenhuma radiação cósmica de fundo detectável para lhes contar que o Universo nasceu num Big Bang.
Por fim, lembremos que somos capazes, hoje, de construir monumentos que podem sobreviver a nós por bilhões de anos. As Voyagers estão aí, vagando pela Via Láctea, e não me deixam mentir. Quase certamente sobreviverão mais tempo que nossa civilização. E espero que lancemos outras “Voyagers” ainda, maiores e melhores, antes de decretarmos o nosso fim — tornando nossa “pegada” muito mais longeva que nossa própria existência.
Abraço!

Respondendo ao Eduardo de Castro, que imaginou a possibilidade de um dia não haver nenhum ser inteligente no Universo,”vida (um dia) extinta na Terra, e nenhuma outra inteligência no Universo. Então tudo perde o sentido.”
Está correto, tudo perde o sentido, pois quem cria um sentido (objetivo) para as coisas somos nós, seres inteligentes. Na verdade, o Universo apenas existe, nós apenas existimos (por enquanto), não há um sentido exterior a nós, apesar do desejo de muitos, que ele exista.
Radoico – 
Discordo de você ao mesmo tempo que discordo dele. O fato de termos existido já criou um sentido. E apagar a nossa existência não apaga o sentido, do mesmo modo que a morte de um cientista ou um poeta não apaga a sua obra. Somos parte da história do Universo, e a história do Universo não vai mudar se sumirmos amanhã. O que acho encantador e surpreendente — e o verdadeiro sentido do Universo, por assim dizer — é que o Universo gera criaturas capazes de lhe dar um sentido. Nós somos meramente a bola da vez, e mesmo que sejamos a única bola de todo o jogo, ainda assim o feito não é menos impressionante. O Universo é tão rico que é capaz de gerar seu próprio sentido — através de criaturas como nós. Não é incrível?
Salvador Nogueira – 
O erro foi todo seu, ao tirar essa falsa conclusão de que o tamanho do Universo era apenas prova de nossa insignificância. 😛
Salvador Nogueira – 
Eu agradeço, Osame. É um assunto muito interessante, e tenho prazer em travar discussões como esta que estamos tendo.
Tenho essa preocupação de não gerar antagonismo entre ciência e religião. Até porque considero um falso antagonismo. Disse isso com todas as letras no post que fiz sobre evolução.
“Este é um assunto dos mais controversos: a origem das espécies, desde as bactérias mais simples até os orgulhosos seres humanos. A razão básica da confusão é que algumas pessoas querem fazer crer que existe um conflito intrínseco entre a teoria da evolução pela seleção natural e as religiões. É mentira.
“A ciência, aliás, não é inimiga da religião. As duas são naturalmente complementares, e existe beleza no equilíbrio — admirá-las igualmente pelo que são, tentativas de contextualizar a existência humana respectivamente nos níveis natural e espiritual.
“Uma diferença importante entre elas é que a ciência, por sua própria natureza, se propõe a estabelecer (tanto quanto possível) fatos objetivos. Já a religião fala de “verdades” pessoais. Por isso cada um de nós pode ter suas próprias crenças, mas temos todos em comum uma única ciência. E também é por isso que neste texto, daqui em diante, vamos discutir apenas ciência.”
(Aqui o post completo: http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2014/05/26/cinco-provas-da-evolucao-das-especies/)
Salvador Nogueira – 
Pois é, que pena que Rita não lê mais seu blog e deletou o app do Hubble. Mas só para confirmar: as fotos são de cores falsas ou não?
Osame Kinouchi – 
Essa é uma pergunta complicada. Podem ser ou não.
O Hubble, como todo telescópio profissional de ponta, tem diversos filtros. Ele tem filtros de cor real e amplo espectro, que se aproximam do azul, verde e vermelho que enxergamos, e ele tem filtros especiais, de espectro estreito, focados em detectar fenômenos específicos. Esses filtros vão do infravermelho até o ultravioleta, embora se concentrem na luz visível. Então a maior parte do que vemos nas imagens do Hubble é, em princípio, luz que enxergaríamos.
Contudo, dependendo da composição de filtros (e da intenção da composição), a imagem resultante pode estar mais próxima ou mais distante do que veríamos com os próprios olhos.
Veja o que diz um documento do STScI sobre isto:
“In some cases, the resulting images may be relatively close to a visually accurate rendering of the target, provided the filter/detector response matches the human visual system model, and taking into account the enhancement afforded by optics and detectors. In most cases, the rendering is a visualization of phenomena outside the limits of human perception of brightness and wavelength. Nevertheless, the goal in producing presentation images remains to stay honest to the data, and to avoid misleading the viewer, but also to produce an aesthetically pleasing image.”
Ou seja, as imagens são REAIS. Mostram coisas que estão lá. Não é arte de Photoshop. A única diferença é que o Hubble enxerga melhor que a gente, e em muitos casos a imagem traduz em cores que podemos ver algumas cores reais do Universo que não podemos ver. É interessante notar que existe todo um esforço de equilibrar estética, realidade e ciência. Por exemplo: se estamos vendo um filtro específico, de banda estreita, mas que está perto do azul, ele será representado em azul na imagem final, e não, digamos, em vermelho.
Da mesma maneira, se as imagens incorporam ultravioleta e infravermelho, o ultravioleta vai ser violeta, e o infravermelho vai ser vermelho. E por isso vemos estrelas azuis azuis e estrelas vermelhas vermelhas nas imagens do Hubble.
A “realidade” das cores fica mais evidente ainda quando o Hubble é usado para ciência planetária. Quando você vê uma foto de Marte feita pelo Hubble, pode constatar que a cor é bem aproximada daquela que você veria com os próprios olhos.
De novo, como no outro caso, o grande lance da ciência é que você precisa explicar. Claro, se você resume a ópera com “é tudo cor falsa, é tudo de mentira”, você não está fazendo um favor à ciência. Mas se você resume a ópera como “é tudo verdade, as cores aproximam o que veríamos com os próprios olhos, mas ao mesmo tempo permitem aos astrônomos enxergar coisas que estão lá, mas nossos limitados sentidos não podem ver”, a coisa fica muito mais bonita e poética.
Veja como, a exemplo do seus comentários anteriores, apresentar a ciência não significa diminuir o ser humano. Você pode ver o copo meio vazio e pensar, “poxa, o Hubble me mostra que meus olhos, longe de ser aquela maravilha divina, são uma porcaria bem limitada, comparada ao espectro eletromagnético total”. Ou você pode ver o copo meio cheio e pensar, “poxa, a ciência, uma invenção humana, criada pelo cérebro humano, permite que a gente construa olhos melhores que o nosso, como o Hubble, e enxergue em sua plenitude a beleza do Universo, e isso é uma coisa incrível, algo que já justifica a existência humana como algo que vale a pena no Universo”.

Conto meu nesta coletânea – Lançamento dia 25 de novembro

Resultado de imagem para galaxias ocultas livro illuminare

7ª TARDE LITERÁRIA – EDITORA ILLUMINARE
 
Biblioteca Viriato Correa – Vila Mariana – SP
 
25 de Novembro – 14:00 – 2017
 
Lançamento nacional das antologias:

* Policial à brasileira – contos policiais.
Organização Tito Prates / Rô Mierling
Participação especial
Victor Bonini – escritor e repórter da Rede Globo.

* Galáxias Ocultas – contos de ficção científica
Organização Rô Mierling
Participação Marcelo Milici – criador do site Boca do Inferno e autor do livro Medo de Palhaço.

* 7 Pecados Capitais – Vol. II – Contos Secretos
Organização Rô Mierling
Participação Especial
Mônica Raouf El Bayeh – psicóloga e cronista do jornal Extra
Paul Richard Ugo – escritor e assessor editorial.

Apresentação dos últimos lançamentos da Illuminare.
Bate-papo com os autores da Illuminare.
Distribuição de brindes literários.
Autógrafos e vendas de exemplares.

 
CASO VOCÊ SEJA UM DOS AUTORES DOS LIVROS ACIMA E QUERIA ESTAR NO EVENTO – FAVOR CONFIRMAR PRESENÇA ([email protected] – até 5 de nov, as 22:00)  PARA DIVULGAÇÃO E SEPARAÇÃO DOS EXEMPLARES DOS LIVROS.
 
 
LINK DO EVENTO

Paper de cientometria quentinho do forno

Highlights

We discuss centrality indexes in the bipartite scientific papers-authors networks.

We propose a new index (the K-index), which is simple to calculate and outperforms the Hirsch h-index in several aspects.

The K-index correlates better with Nobel prizes than any of the other indexes furnished by the Web of Science (WoS) platform.

The K-index is related to connections to the hubs of the scientific citation and social networks.

The outliers in the K vs h plane contain interesting information that can be used for scientific prizes prediction.

Abstract

We introduce a new centrality index for bipartite network of papers and authors that we call K-index. The K-index grows with the citation performance of the papers that cite a given researcher and can seen as a measure of scientific social recognition. Indeed, the K-index measures the number of hubs, defined in a self-consistent way in the bipartite network, that cites a given author. We show that the K-index can be computed by simple inspection of the Web of Science platform and presents several advantages over other centrality indexes, in particular Hirsch h-index. The K-index is robust to self-citations, is not limited by the total number of papers published by a researcher as occurs for the h-index and can distinguish in a consistent way researchers that have the same h-index but very different scientific social recognition. The K-index easily detects a known case of a researcher with inflated number of papers, citations and h-index due to scientific misconduct. Finally, we show that, in a sample of twenty-eight physics Nobel laureates and twenty-eight highly cited non-Nobel-laureate physicists, the K-index correlates better to the achievement of the prize than the number of papers, citations, citations per paper, citing articles or the h-index. Clustering researchers in a K versus h plot reveals interesting outliers that suggest that these two indexes can present complementary independent information.

Keywords

Scientometrics
Hirsch index
Lobby index
Complex networks
Node centrality
Citation network
Web of science
Social recognition
Scientific prizes

Cisnes

Cisnes

Cisnes são eternos companheiros

Assim me contaram os românticos

Ah! Você é tão bela como um cisne

Sonhei ser seu amante para sempre

Nadaríamos sobre Lua trêmula e prateada

Nossos pescoços formando um longo beijo

Dividiríamos tudo, tempo e espaço

Escondidos da chuva, entrelaçados

Um dia teríamos filhotes nos seguindo

E na velhice não nos faltaria companhia

Tudo isso sonhei, desde que te conheci

Mas sonhos são sonhos, apenas sonhos

Pois você é uma graciosa cisne branca

E eu sou um solitário cisne negro

Design Inteligente e ficção científica

Design Inteligente e ficção científica

POR REINALDO JOSÉ LOPES

Recebi do físico e divulgador científico Osame Kinouchi Filho, professor da USP de Ribeirão Preto, um texto muito interessante, meio sério, meio jocoso, abordando o debate em torno da ideia de DI (Design Inteligente (criacionismo repaginado antievolução, como sabemos) e a criação de um centro sobre o tema na Universidade Presbiteriana Mackenzie. O prisma adotado por Kinouchi é inusitado: o da ficção científica. Confiram o que ele diz abaixo e divirtam-se!

————–

Quero propor quatro idéias que podem tornar o debate bem mais divertido:

1)O DI é uma ideia de Ficção Científica (FC);
2)A clivagem que o DI promove não é entre teístas e ateus, pois podemos ter ateus que acreditam em DI e teístas que não acreditam em DI;
3)O DI é compartilhado por espíritas, ufólogos místicos e crentes da New Age, não é exclusividade de cristão e muito menos de protestantes;
4)O DI é apenas uma variante de um conjunto enorme de outras teorias de evolução, e não há indicação de que seja melhor do que o Teísmo Evolucionário do evangélico Francis Collins, pelo contrário.

Vejamos ponto por ponto:

O DI é uma ideia de Ficção Científica (FC): O DI é agnóstico sobre a natureza da inteligência que fez intervenções ao longo da evolução. Ora, quem não se lembra da evolução acelerada (DI) produzida pelo monólito negro em “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, de Arthur C. Clarke? Ou aquele que é tido como o conto mais conhecido de Isaac Asimov, “A Última Questão”, no qual uma mente surgida pela fusão de computadores com os humanos (a Singularidade?) encontra uma solução para reverter a segunda lei da Termodinâmica e cria um novo universo dizendo “Fiat Lux”?

Ou o Desígnio Inteligente de Golfinhos, Chimpanzés, Gorilas e Cachorros que atingem o nível humano feito por criadores humanos na série “Elevação”, de David Brin? Lembro também a obra-prima de Stanislaw Lem, “A Voz do Mestre” (bom título!), na qual o autor brinca com a possibilidade de que uma inteligência tecnológica preexistente ao nosso universo o tenha criado permeando-o com um feixe de neutrinos que facilita a emergência da vida. Ou seja, vamos dar o crédito a quem merece: o DI não é ideia de Behe e outros, mas originalmente de Asimov, Clark, Lem, Brin e inúmero escritores FC.

Lem chama esse tipo de ideia de Teologia dos Deuses falíveis (ou finitos). Que a inteligência do DI poderia ser um ET físico, falível e finito e não um ser sobrenatural como Deus é um fato reconhecido pelos proponentes do DI. A clivagem que o DI promove não é entre teístas e ateus, pois podemos ter ateus que acreditam em DI e teístas que não acreditam em DI: Como dito antes, a Inteligência do DI poderia ser um ET. Mais que isso, é mais provável que seja, pois isso a colocaria dentro de um um universo natural, não sobrenatural.

Ou seja, Marcos Eberlin [químico da Unicamp e defensor do DI] errou ao afirmar que “o problema é que a academia fechou a questão e não abre brecha para nenhum debate: só existe matéria, energia e espaço no Universo e acabou”. Primeiro, porque esse tipo de raciocínio paranoico e conspiratório sobre a academia é próprio de defensores dos Alienígenas do Passado (que também é DI) mas não de cientístas.

Segundo, porque poderíamos ter apenas matéria, energia e espaço (eu não esqueceria Informação, que é o conceito físico mais próximo de Espírito, e não energia como gosta o pessoal da New Age), e mesmo assim ter DI feito pela Inteligência de 2001 ou pelo Multivac de Asimov. Curiosamente, Clark, Asimov, Brin e Lem são todos ateus ou agnósticos, logo o DI não favorece uma visão de fé sobre a realidade mas sim uma visão cética e especulativa da realidade (é mais provável que Deus seja um ET!), não compatível com o Cristianismo.

O DI é compartilhado por espíritas, ufólogos místicos e crentes da New Age, não é exclusividade de cristão e muito menos de protestantes: o DI é vendido à comunidade protestante e evangélica como um conjunto de ideias vinculadas à ideias cristãs, ou que poderiam ser adotadas com proveito pelos cristãos (e judeus, e islâmicos?). Ao mesmo tempo, tais comunidades não se identificam com espíritas, ufólogos místicos, New Age e outras crenças.

Ora, ao tentar transpor uma visão religiosa e filosófica para o campo da ciência, o protestantismo do DI se identifica com o Espiritismo: quer ser não apenas uma religião, mas também uma ciência. Pois uma coisa é “acreditar que Deus fez o mundo”, de forma genérica e não especificada, dizendo que é um sentimento ou uma intuição (uma forma não cognitiva de fé), crença sem bases racionais, como faz por exemplo Marina Silva ou John Wesley, fundador do Metodismo, em seu memorável sermão “O Caso da Razão Imparcialmente Considerada“. Outra coisa é ser criacionista científico (de Terra jovem ou velha, de DI etc.), ou seja, afirmar que é capaz de fazer hipóteses capazes de passar por testes rigorosos, a ponto de que tais hipóteses um dia sejam aceites acima de qualquer dúvida razoável.

É o pecado de querer provar que Deus existe usando apenas a Razão. Tentar transformar religião, teologia e filosofia (que são campos válidos da academia, financiados pelo CNPq inclusive) em ciência, que se distingue dessas áreas assim como a Arte e a Política se distingue das mesmas e da Ciência, é confusão de domínios: é a definição de Pseudociência, cujo principal sintoma são as teorias conspiratórias que citei (os cientistas não concordam comigo porque ou estão me perseguindo ou não querem ver a verdade – que apenas eu fui capaz de ver com minha brilhante e superior mente intuitiva).

O DI é apenas uma variante de um conjunto enorme de outras teorias de evolução, e não há indicação de que seja melhor do que o Teísmo Evolucionário do evangélico Francis Collins, pelo contrário: quando se discute DI usualmente cai-se na falácia dualista: ou isso, ou aquilo. Mas na verdade existem inúmeras outras teorias possíveis de evolução com ou sem DI.

A mais importante é o Teísmo Evolucionário (TE) elaborado por cristãos dos mais diversos matizes, onde podemos citar o evangélico Francis Collins diretor do NHI americano. Uma versão um pouco mais suave pode ser encontrada nos escritos do físico cristão Freeman Dyson. A ideia é que os mecanismos de evolução puramente naturais, aceitos pelos biólogos agnósticos, devem ser vistos como os meios de Deus para criar (elaborar) o mundo ao longo de bilhões de anos.

Essa crença em um Deus criador e intencional, porém, não é tida como científica, mas filosófica. Ninguém da TE vai querer provar que Deus existe usando a Mecânica Quântica, por exemplo, como quer a New Age. O TE é um competidor formidável ao DI, pois não requer nenhuma intervenção inteligente (natural ou sobrenatural) durante a evolução: é totalmente compatível com o conhecimento biológico aceito pela comunidade científica.

É também a visão oficial da Igreja Católica e é ensinado na maioria dos seminários teológicos protestantes do Primeiro Mundo. Então o debate se torna: por que o DI é melhor que o TE? Se não é, por que o Mackenzie criou um núcleo de DI em vez de um núcleo de TE? Por que uma colaboração com o Discovery Institute em vez da Fundação Bio-Logos de Francis Collins? O Mackenzie deveria responder…

Assim, Marcos Eberlin erra também ao falar em apenas duas possibilidades. Usando a Ficção Científica, eu posso elaborar inúmeras possibilidades, por exemplo: uma inteligência vinda do futuro (uma Singularidade Humana) volta no tempo e cria por engenharia genética as primeiras bactérias, bem como todos os exemplos (flagelos, etc.) de complexidade irredutível pelo DI. O interessante desta ideia é que o elo causal se fecha em um bonito loop [laço] temporal como o Ourobouros [figura da serpente que morde o próprio rabo].

Sem contar os deuses astronautas que criaram os sumérios…

Etc., etc., etc. OK, mas… como testar ou distinguir entre essas várias ideias?

A ufologia mística não é mais plausível e tem mais evidências, atuais inclusive, do que o DI? Deveria o Mackenzie criar um núcleo sobre Alienígenas do Passado e Deuses Astronautas? Afinal, “todo mundo sabe” que YHWH, os anjos e Jesus eram ETs, certo? As própria Bíblia “prova” isso…

COMENTÁRIOS 26

Avatar do usuário

Novo paper submetido para ENTROPY

Self-Organized Supercriticality and Oscillations in Networks of Stochastic Spiking Neurons

Networks of stochastic spiking neurons are interesting models in the area of Theoretical Neuroscience, presenting both continuous and discontinuous phase transitions. Here we study fully connected networks analytically, numerically and by computational simulations. The neurons have dynamic gains that enable the network to converge to a stationary slightly supercritical state (self-organized supercriticality or SOSC) in the presence of the continuous transition. We show that SOSC, which presents power laws for neuronal avalanches plus some large events, is robust as a function of the main parameter of the neuronal gain dynamics. We discuss the possible applications of the idea of SOSC to biological phenomena like epilepsy and dragon king avalanches. We also find that neuronal gains can produce collective oscillations that coexists with neuronal avalanches, with frequencies compatible with characteristic brain rhythms.

Comments: 16 pages, 16 figures divided into 7 figures in the article
Subjects: Adaptation and Self-Organizing Systems (nlin.AO)
Cite as: arXiv:1705.08549 [nlin.AO]
(or arXiv:1705.08549v1 [nlin.AO] for this version)

O Papa e a corrupção

Piloto de Podcast

Ainda não temos nome. Ainda não temos formato. Nem assunto temos. Mas no último domingo, Antônio Carlos Roque, Luciano Bachmann, George Cardoso e eu fizemos um piloto, regado a muita comida e vinhos na casa do Roque.
Conversamos das 11h às 21h, Ufa! Mas só gravamos duas horas e meia. Vou colocar alguns pedaços para degustação. Se alguém tiver ideia para o nome do Podcast, deixe no comentário por favor!

Engels e a Complexidade

Nova versão do paper, possivelmente a ser publicado na Revista da Tulha – USP

A precursor of the sciences of complexity in the XIX century

The sciences of complexity present some recurrent themes: the emergence of qualitatively new behaviors in dissipative systems out of equilibrium, the aparent tendency of complex system to lie at the border of phase transitions and bifurcation points, a historical dynamics which present punctuated equilibrium, a tentative of complementing Darwinian evolution with certain ideas of progress (understood as increase of computational power) etc. Such themes, indeed, belong to a long scientific and philosophical tradiction and, curiously, appear already in the work of Frederick Engels at the 70’s of the XIX century. So, the apparent novelity of the sciences of complexity seems to be not situated in its fundamental ideas, but in the use of mathematical and computational models for illustrate, test and develop such ideas. Since politicians as the candidate Al Gore recently declared that the sciences of complexity have influenced strongly their worldview, perhaps it could be interesting to know better the ideas and the ideology related to the notion of complex adaptive systems.

Comments: 29 pages, no figures, in Portuguese
Subjects: Popular Physics (physics.pop-ph); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:physics/0110041 [physics.pop-ph]
(or arXiv:physics/0110041v2 [physics.pop-ph] for this version)

CineCiência

Tarde de autógrafos- Projeto mulah de Tróia

Sábado | 03 | dezembro
Tarde de autógrafos- Projeto mulah de TróiaTítulo: PROJETO MULAH DE TROIA
Autores: Osame Kinouchi / B. B. Jenitez
Editora: DRAGO EDITORIAL

Jenitez nos brinda com uma pérola da Ficção Científica de humor, uma bem dosada mistura de Umberto Eco e Planeta Diário: uma estória recheada de referências internas, coerentes do início ao fim e com um estilo impecável. Com descrições claras e pouca adjetivação, além de uma ironia finíssima, o autor brinca com a física, a cultura pop e a literatura, com um texto de uma clareza e um bom gosto tão grandes que mesmo um leigo em FC pode entender e gostar. Um trabalho bem escrito não pode ser analisado a fundo, basta que apenas seja lido. E esta estória precisa ser lida. Fábio Fernandes & José S. Fernandes.

Local: Ribeirão Preto
Horário: 16:00

osame-2

Uma entrevista sobre divulgação científica

cropped-osame-2.jpg

    Entrevista concedida à Juliana Oliveira, do curso de Licenciatura em Química da FFCLRP – USP
  1. Quando começou seu interesse por ciências?

Como muitos de minha geração, creio que foi com o pouso da Apolo XI na Lua em 1969. Eu tinha apenas seis anos, mas ainda me lembro das imagens na TV. No ano seguinte, apareceu o cometa Benett, muito visível nos céus brasileiros, despertando meu interesse por astronomia. Acho que minha primeira mesada, com dez anos de idade, foi gasta com um livro de Astronomia (e outro de OVNIs…). Na mesma época, meu pai começou a comprar a coleção Os Cientistas, que vinha com experimentos a serem feitos. Acho que com doze anos eu já tinha meu telescópio, e fazia observações sistemáticas de manchas solares, fases de Vênus, anéis de Saturno, posição de Marte no céu e observação dos satélites de Júpiter. Aos treze anos, eu e um colega tentávamos fazer experimentos controlados de telepatia, clarividência e telecinesia. Aprendi a traçar gráficos e séries temporais plotando a frequência de relatos de OVNIs em função do tempo. Nunca deu em nada (claro!), mas aprendemos a fazer estatísticas e testes de significância. Nessa época acho que minha biblioteca já contava com cerca de cinquenta volumes, a maior parte de pseudociências (minha geração foi muito influenciada pelo livro O Despertar dos Mágicos, de Powels e Bergier e pela revista Planeta). Aprendíamos alguma coisa de ciência nesses meios, pois não havia muitos livros de divulgação científica propriamente dita. Ou seja, tudo se definiu antes dos treze anos de idade.

  1. Como começou seu interesse por divulgação científica?

Como leitor, como eu disse, primeiro foram os livros de pseudociências (que de um jeito ou outro nos estimulava como mistérios a serem solucionados cientificamente) e alguns livros de Astronomia. Mais tarde comecei a ler livros de Carl Sagan e outros. Não havia revistas de divulgação científica nem documentários, filmes ou museus de ciência. A revista Planeta, editada na época pelo escritor Ignácio de Loyola Brandão, mesmo com todo o seu pendor New Age e alternativo, trazia reportagens e notícias sobre ciência e tecnologia.

  1. Como você definiria divulgação científica e qual seria a importância da mesma para a sociedade atual?

Existem dois tipos de divulgação científica: o primeiro onde quem é mais favorecido são a ciência e os cientistas (divulgando seu trabalho, justificando os gastos públicos com a ciência, despertando novas vocações científicas, promovendo a educação e a cultura científica etc.) e o segundo em que o objetivo é empoderar o público leigo em ciências, fornecendo-lhes novos conceitos (e metáforas) para poder entender sistemas complexos como a sociedade, a economia, a história, a política etc. Dou um exemplo: se você procurar pela palavra pêndulo em um site de notícias como a FOLHA, Estadão ou G1, cerca da metade das vezes a palavra estará sendo usada como metáfora, tipo O pêndulo político oscilou do PT para o PSDB. Essa metáfora do pêndulo é pobre, reflete um conhecimento básico de física Newtoniana dado no ensino médio. Traduz uma ideologia mecanicista de como encarar a sociedade: outras metáforas Newtonianas aplicadas à sociedade são: forças sociais, equilíbrio de forças, tensão social, ruptura social, revolução, equilíbrio de poder etc. É uma mecânica estática, uma ideologia pobre, que constrange e limita o pensamento e a capacidade de pensar a sociedade de quem a está usando. Mas imagine que a divulgação científica familiarize o público com os conceitos de Caos, fractais, bacias de atração, pontos de bifurcação, transições de fase, auto-organização etc, temas hoje estudados pela Econofísica e Sociofísica. Um novo vocabulário, mais rico e poderoso, poderia ser usado para se pensar temas sociais, em vez de se usar a metáfora pobre e limitante do pêndulo, que envolve oscilações com período bem definido, é um sistema dinâmico de baixa dimensão etc.). Acho que o papel da cultura científica deveria ser empoderar as pessoas, e não apenas defender os interesses da ciência (uma tarefa válida também, mas não única). Tenho um artigo publicado sobre isso:

Metáforas científicas no discurso jornalístico

Rev. Bras. Ensino Fís. vol.34 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2012

  1. O jornalista brasileiro está preparado para fazer divulgação científica?

Os que se especializaram em jornalismo científico tem boa preparação. Podem aprender algo com os blogueiros de ciência (e os blogueiros de ciência tem algo a aprender com os jornalistas, por exemplo não confrontar e afastar seus leitores especialmente em temas delicados como Evolução). Dou como exemplo de ótimo jornalista científico o da FOLHA Reinaldo José Lopes, responsável pelo blog Darwin e Deus.

  1. Por que muitos pesquisadores não se interessam por essa atividade?

Muitos pesquisadores não leem livros e revistas de divulgação científica, e nem mesmo romances de ficção científica. Reclamam de falta de tempo, mas me parece ser mais uma característica pessoal (não leem livros de Literatura também, não são leitores). Daí não surge a aspiração para contribuir com essa atividade. Além disso, é muito mais fácil escrever um paper do que um artigo ou livro de divulgação científica, pois os mesmos têm que ter estilo agradável, despertar o interesse do leitor, usar uma linguagem especial, acessível e sem jargões. Isso não é fácil para o pesquisador típico.

  1. Segundo as últimas pesquisas, o youtube é a quarta mídia mais acessada pelos brasileiros. Qual o potencial dessa mídia social como você explicaria o aparecimento de um grande número de vlogs que abordam ciência e tecnologia como principal temática?

Sim, parece que está é a grande onda do momento. Aqui no Laboratório de Divulgação Científica e Cientometria estamos organizando, em nossa página, um portal que redirecione para todos os vlogs de ciência em português que pudermos encontrar. Já temos um portal parecido, o Anel de Blogs Científicos, para os blogs em português.

  1. Como a divulgação de ciência e tecnologia poderia contribuir para a educação formal?

É uma leitura (ou no caso dos vídeos) mais agradável e instigante que as aulas formais. Acho que ajuda na motivação dos alunos e no despertar de vocações científicas. No caso dos alunos que não se dedicarão à ciência, acho que ajuda muito na criação de um background mínimo de cultura científica (idealmente com aquele papel de empoderamento que citei). Acho também que os vídeos e em especial os livros (que se aprofundam mais) deveriam ser aproveitados pelo menos pelos professores de ensino fundamental e médio. A maior parte dos professores não conhece, por exemplo, as revistas Scientific American Brasil e Revista Mente e Cérebro, e nunca leu um livro de divulgação científica. Recomendo que, se o problema é falta de tempo, assistam os ótimos documentários de divulgação científica da BBC, NATGEO e NOVA, que podem ser encontrados no YOUTUBE, assim como os novos Vlogs de ciências tais como o Nerdologia.

Novos livros de divulgação científica

download (2).jpg

A página de livros de divulgação científica no Anel de Blogs Científicos começou a ser atualizada por Allana Cogo, bolsista de Cultura e Extensão do LDCC. Veja os novos títulos aqui.

Já temos 178 livros em nossa lista. Se você quer recomendar um livro, coloque nos comentários dos posts de livros ali no ABC.

Para ver Blogs de ciência, clique aqui.

Em breve colocaremos Vlogs (Video-logs) de Ciência.

Paper do índice K saindo do forno

Resultado de imagem para hirsch index

A simple impact index for scientific innovation and recognition

We introduce a new scientometric index, inspired by the Lobby index from complex networks literature, that we call K-index. The K-index grows with the impact of the citing papers and can be thought of as a measure of scientific creativity and innovation. We show that the K-index can be easily computed from the Web of Science platform and presents several advantages over other bibliometric indexes. The K-index is robust to self-citations, is not limited by the total number of papers published by a researcher and is able to distinguish in a consistent way researchers that have the same h index but different scientific impacts: Einstein and Hirsch, for example. The K-index successfully detects a known case of inflated numbers for papers, citations and h index due to scientific career fraud. Finally, we show that, in a sample of twenty-nine physics Nobel laureates and thirty highly cited non-Nobel-laureate physicists, the K-index correlates better to the achievement of scientific prizes than the number of papers, citations, citations per paper, citing articles and the h index. Clustering researchers in a K versus h plot reveals interesting patterns that can be interpreted in terms of innovation and recognition.

Comments: 3 figures, 1 table
Subjects: Digital Libraries (cs.DL); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:1609.05273 [cs.DL]
(or arXiv:1609.05273v1 [cs.DL] for this version)

submetido ao Journal of Informetrics

B. B. Jenitez

B. B. Jenitez

B. B. Jenitez

Osame Kinouchi  é professor associado (livre-docente) da Universidade de São Paulo no Departamento de Física da FFCLRP. Tem experiência na área de Física Estatística e Sistemas Dinâmicos, atuando principalmente nos seguintes temas: neurociência computacional, meios excitáveis, redes neurais, automata celulares e criticalidade auto-organizada. Coordenador do Laboratório de Física Estatística e Biologia Computacional no Departamento de Física da FFCLRP-USP. Coordenador do Laboratório de Divulgação Científica e Cientometria do DF-FFCLRP-USP, é responsável pelo Anel de Blogs Científicos, com links para 400 blogs de ciência e pelo blog pessoal  SEMCIÊNCIA. Têm vários contos publicados na revista SOMNIUM do Clube de Leitores de Ficção Científica.

O conto Projeto Mulah de Tróia I ganhou o prêmio NOVA de ficção científica na categoria conto amador. Seu conto 

Demiurgo foi publicado no livro FC do B – Panorama 2010-2011, Tarja editorial, após seleção entre mais de 230 contos concorrentes. Publicou também O Beijo de Juliana – Quatro físicos teóricos conversam sobre crianças, ciências da complexidade, biologia, política, religião e futebol, pela Editora Multifoco.

Leia mais: http://www.dragoeditorial.com/products/b-b-jenitez/

Meu seminário no Imperial College

imperial-college-001

Por que você acredita que a Terra é uma esfera?

A fantasy map of a flat earth

They may have been disproved by science or dismissed as ridiculous, but some foolish beliefs endure. In theory they should wither away – but it’s not that simple

by Steven Poole

In January 2016, the rapper BoB took to Twitter to tell his fans that theEarth is really flat. “A lot of people are turned off by the phrase ‘flat earth’,” he acknowledged, “but there’s no way u can see all the evidence and not know … grow up.” At length the astrophysicist Neil deGrasse Tyson joined in the conversation, offering friendly corrections to BoB’s zany proofs of non-globism, and finishing with a sarcastic compliment: “Being five centuries regressed in your reasoning doesn’t mean we all can’t still like your music.”

Actually, it’s a lot more than five centuries regressed. Contrary to what we often hear, people didn’t think the Earth was flat right up until Columbus sailed to the Americas. In ancient Greece, the philosophers Pythagoras and Parmenides had already recognised that the Earth was spherical. Aristotle pointed out that you could see some stars in Egypt and Cyprus that were not visible at more northerly latitudes, and also that the Earth casts a curved shadow on the moon during a lunar eclipse. The Earth, he concluded with impeccable logic, must be round.

The flat-Earth view was dismissed as simply ridiculous – until very recently, with the resurgence of apparently serious flat-Earthism on the internet. An American named Mark Sargent, formerly a professional videogamer and software consultant, has had millions of views on YouTube for his Flat Earth Clues video series. (“You are living inside a giant enclosed system,” his website warns.) The Flat Earth Society is alive and well, with a thriving website. What is going on?

Read more [+]

Autismo e toque (não TOC!)

Autism may stem—in part—from a disordered sense of touch

A disrupted sense of touch causes autismlike behaviors in mice.

ploughmann/iStock

Autism may stem—in part—from a disordered sense of touch

Sociability may be skin deep. The social impairments and high anxiety seen in people with autism or related disorders may be partly due to a disruption in the nerves of the skin that sense touch, a new study in mice suggests.

Autism spectrum disorders are primarily thought of as disorders of the brain, generally characterized by repetitive behaviors and deficits in communication skills and social interaction. But a majority of people with autism spectrum disorders also have an altered tactile sense; they are often hypersensitive to light touch and can be overwhelmed by certain textures. “They tend to be very wary of social touch [like a hug or handshake], or if they go outside and feel a gust of wind, it can be very unnerving,” says neuroscientist Lauren Orefice from Harvard Medical School in Boston.

An appreciation for this sensory aspect of autism has grown in recent years. The newest version of psychiatry’s bible, the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, includes the sensory abnormalities of autism as core features of the disease. “That was a big nod and a recognition that this is a really important aspect of autism,” says Kevin Pelphrey, a cognitive neuroscientist at The George Washington University in Washington, D.C., who was not involved in the work.
Read more [+]

Atentado em boate é o pior nos EUA desde o 11 de Setembro

Atentado em boate é o pior nos EUA desde o 11 de Setembro; veja lista

DE SÃO PAULO

O atentado na boate Pulse, em Orlando, foi o pior da ataque terrorista desde o 11 de setembro nos Estados Unidos. Saiba quais foram os maiores e mais recentes ataques a tiros no país.

Read more [+]

Entrevista com o escritor Osame Kinouchi em Revista Literária Lusófona