Home // Archive by category "Asperger"

Autismo e toque (não TOC!)

Autism may stem—in part—from a disordered sense of touch

A disrupted sense of touch causes autismlike behaviors in mice.

ploughmann/iStock

Autism may stem—in part—from a disordered sense of touch

Sociability may be skin deep. The social impairments and high anxiety seen in people with autism or related disorders may be partly due to a disruption in the nerves of the skin that sense touch, a new study in mice suggests.

Autism spectrum disorders are primarily thought of as disorders of the brain, generally characterized by repetitive behaviors and deficits in communication skills and social interaction. But a majority of people with autism spectrum disorders also have an altered tactile sense; they are often hypersensitive to light touch and can be overwhelmed by certain textures. “They tend to be very wary of social touch [like a hug or handshake], or if they go outside and feel a gust of wind, it can be very unnerving,” says neuroscientist Lauren Orefice from Harvard Medical School in Boston.

An appreciation for this sensory aspect of autism has grown in recent years. The newest version of psychiatry’s bible, the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, includes the sensory abnormalities of autism as core features of the disease. “That was a big nod and a recognition that this is a really important aspect of autism,” says Kevin Pelphrey, a cognitive neuroscientist at The George Washington University in Washington, D.C., who was not involved in the work.
Read more [+]

Sobre a seleção sexual em favor dos machos beta (e gama?)

 

download

Mais uma teoria de barzinho que poderia ser verdadeira:

A pergunta é: se os machos alfa são favorecidos pela evolução, porque não somos todos machos alfa (na verdade eles são uma minoria da população masculina).

Tenho duas hipóteses complementares sobre isso, todas baseadas no poder de escolha das mulheres.

Primeiro, parece ser muito mais provável que um macho alfa seja violento com sua mulher (porque eles são mais violentos em geral). Assim, mesmo que as mulheres possam sentir desejo por um macho alfa, se forem um pouco mais racionais irão preferir um macho beta (ou gama) que cuide bem delas e dos  filhotes, seja gentil, etc (hoje é o “Dia da Gentileza”, 13/novembro).

Segundo, isso tem a ver com o processo de neotenia que as mulheres impuseram aos homens (neotenia é o que aconteceu durante a domesticação do cão a partir do lobo – favorecimento de caracteres infantis).

Ou seja, se a mulher escolher um macho mais infantil (que não é macho alfa, claro!) , ela terá mais domínio sobre ele, ao fazer o papel de mãe dele e não apenas de parceira sexual. Mulheres maternais são atraentes para os homens (eles gostam de carinho e serem cuidados, comidinha na boca etc) e essa é a mesma raiz do Complexo de Édipo. Na verdade é uma simbiose mutualística, a mulher domina o esposo=filho e o macho é melhor tratado pela esposa=mãe. Essa teoria explica porque os homens (em geral) são bem menos maduros que as mulheres (especialmente na adolescência) e os marmanjos parecem apenas mudar de brinquedos quando crescem:  carrinho vira carrão, jogo de bola vira futebol, brincadeiras de luta e guerra vira filmes de ação e Star Wars.

É claro que, como toda hipótese de psicologia evolucionária, esta sempre tem suas exceções.

Vale notar que o machismo e o patriarcalismo visam primeiramente retirar esse poder de seleção sexual das mulheres (via casamentos arranjados) , a fim de favorecer os machos alfa. Com o fim do patriarcalismo me parece que os machos beta e gama serão cada vez mais favorecidos (embora algumas mulheres reclamem que já não se fazem homens como antigamente, tipo Aragorn e Legolas da Sociedade do Anel). Mas vale lembrar que eles tiveram poucos filhos em comparação com os machos gama Hobbits.

 

 

Folha de S.Paulo – Ciência – Estudo genético liga inteligência a risco de ter autismo

sexta-feira, 27 de março de 2015

As mesmas alterações de DNA que tornam uma pessoa propensa a desenvolver autismo –transtorno mental que afeta a sociabilidade e comunicabilidade–
Continua: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2015/03/1608776-estudo-genetico-liga-inteligencia-a-risco-de-contrair-autismo.shtml

Endocanabionóides e autismo

Em 2010, neste blog, eu conjecturei que talvez um defeito no sistema endocanabinoide poderia estar relacionado ao autismo (minha evidencia era apenas o fato de que a cannabis produz efeitos antagonicos ao autismo, como maior sociabilidade, maior deriva no foco de atenção, redução de ansiedade e comportamento obsessivo (se a teoria de Crick-Mitchison sobre sono REM estiver certa)  etc.

Inclusive neste post eu anunciava que essa ideia poderia gerar um novo tratamento para o autismo.  Desde então, parece que pesquisas confirmaram tais hipóteses. É pena que eu não tinha condições (colaboradores em  neurobiologia do autismo) para pesquisar tal assunto, muito menos publicar. Leia a seguir sobre essas novas pesquisas. Read more [+]

Revisitando a geek syndrome

The Geek Syndrome and Autism: Revisited

The Geek Syndrome and Autism: Revisited

The “Geek Syndrome” is a theory for the rising number of autism diagnoses that doesn’t have anything to do with vaccines or environmental factors. About a decade ago, Wired magazine suggested that the notable increase in autism cases among the computer programmers and engineers in Silicon Valley was because those who inhabit those “geek warrens” have a “genetic predisposition” for autism. Now, under Rosa Hoekstra of the Open University in Milton Keynes in the UK, researchers have found that in Eindhoven, a city that is the heart of the Dutch information technology industry, autism is diagnosed in twice as many children as in cities of the same size.

In the Wired article, Cambridge University psychology professor Simon Baron-Cohen described the autistic mind as having a “proclivity for systematizing” while, due to the lack of a theory of mind, autistic persons are “mindblind” and lack empathy. Baron-Cohen would go on to write a book promoting a theory of autism as an example of the “extreme male brain,” saying that the male brain is “systematizing” while the female one is “empathizing.” These theories are well-known but controversial (and his most recent book on empathy and the problem of evil contains some troubling theorizing about autism)

Hoekstra’s study, which was published in the Journal of Autism and Developmental Disorders, looked at the autism prevalence in 62,000 children in three Dutch cities. Eindhoven, Haarlem and Utrecht all have populations of about a quarter of a million; only Eindhoven has a heavy concentration of IT workers. As noted in New Scientist:

In Eindhoven, where 30 per cent of all jobs are in IT and computing industries, there were 229 cases of autism-spectrum disorders per 10,000 school-age children. This was more than double the corresponding figure of 84 in Haarlem and four times the figure of 57 in Utrecht. Each city has half as many IT jobs as Eindhoven.

By contrast, all three cities had the same prevalence of two other childhood psychiatric conditions unrelated to autism, namely attention-deficit hyperactivity disorder (ADHD) and dyspraxia.

Hoekstra notes that other reasons for the higher prevalence rate in Eindhoven could be greater awareness and the availability of better services. It’s been almost ten years since the Wired article on “the Geek Syndrome” was published and autism has certainly gotten a lot of attention in the public eye.

Some of Baron-Cohen’s earlier research found that fathers and grandfathers of children with autism are more likely to be engineers and scientists, and that mathematicians are more likely to have siblings on the autism spectrum.  Other studies in the UK, Japan and the Netherlands have found a higher than usual rate of autistic traits among engineering, science and mathematics students.

In my own household, the gender aspects of Baron-Cohen’s “extreme male brain” theory are reversed. I count several engineers (including my mother’s father, a civil engineer who was a bridge inspector for the state of California), computer programmers and IT types. There’s nary an engineer (or any one in the science or medical fields) in my husband’s family. Indeed, Jim tends to be more of what Baron-Cohen would call “empathetic,” with an intuitive feel for people’s (certainly Charlie’s) moods and states of mind. I’m no scientist myself, but definitely have “systematizing” tendencies, which helped me learn the complex grammar of ancient languages and music like Bach’s fugues (whereas, if Jim hadn’t become a historian, he had thoughts of being a courtroom lawyer, a profession that everyone in my family shies away from). I’ve often thought that if things had turned out differently, and I hadn’t discovered Latin and Greek in middle school, I could have been a coder. Charlie himself is quite the systematizer.

I’ve also wrote a bit more extensively about Charlie himself and Baron-Cohen’s “extreme male brain” theory of autism here and his theory of autism and mind-blindness here, with the caveat that these are theories that many do not agree with. Still, I find them helpful as we continue to try to understand why Charlie does what he does: He doesn’t just make arrangements like the one below without a lot of thought and care.

headphone suite

Read more: http://www.care2.com/causes/the-geek-syndrome-revisited.html#ixzz2RO5G7aZW

Ayn Rand: Razão, Egoísmo, Capitalismo

Half-length monochrome portrait photo of Ayn Rand, seated, holding a cigarette

I am not primarily an advocate of capitalism, but of egoism; and I am not primarily an advocate of egoism, but of reason. If one recognizes the supremacy of reason and applies it consistently, all the rest follows.

[127]

    Ayn Rand

Alguns amigos meus acreditam que se possa criar uma Ética a partir da Biologia (ou melhor, dos sentimentos empáticos de um mamífero hipersocial). Outros acham que a base seria a Razão, não as emoções.  Os Objetivistas, uma espécie de seita filosófica hiperracionalista (tenho quase certeza que sua guru Ayn Rand sofria de Transtorno de Personalidade Esquizóide), acham que a primeira opção é simplesmente dar um verniz biológico à ética judaico-cristã e seus derivados seculares (onde se prioriza a cooperação em vez da competição).

Muitos amigos ateus têm me reportado que a doutrina de Rand tem se espalhado em sua comunidade via Facebook (muita gente pedindo para que “Curtir” páginas de Rand.). Muitois não percebem que Rand, via seu discípulo Alan Greenspan, foi a grande influência ideológica que nos levou à nova Grande Depressão mundial e, possivelmente, a uma nova extrema-direita anarquista estilo Tea Party. Ou seja, no ideário de Rand, temos a sequência Razão -> Egoísmo -> Capitalismo Selvagem -> Caos Social. Ou talvez a egocentrismo de Rand esteja antes desta sequência…

This article is from TOS Vol. 3, No. 3. The full contents of the issue are listed here.

The Mystical Ethics of the New Atheists

Alan Germani

In the wake of the religiously motivated atrocities of 9/11, Sam Harris, Daniel Dennett, Richard Dawkins, and Christopher Hitchens have penned best-selling books in which they condemn religious belief as destructive to human life and as lacking any basis in reality.* On the premise that religious belief as such leads to atrocities, the “New Atheists,” as these four have come to be known, criticize religion as invalid, mind-thwarting, self-perpetuating, and deadly. As Sam Harris puts it: “Because each new generation of children is taught that religious propositions need not be justified in the way that others must, civilization is still besieged by the armies of the preposterous. We are, even now, killing ourselves over ancient literature. Who would have thought something so tragically absurd could be possible?”1 Read more [+]

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

Sobre gênios e demônios criativos

Material para o workshop sobre criatividade. Se encaixa bem na teoria da mente bicameral de Julian Jaynes.

Na USP, a Psicologia da Religião estuda agora o Ateísmo

Mais material para o livro sobre @teismo = estudo científico origens do ateísmo

Laboratório do IP analisa religiosidade e ateísmo do ponto de vista psicológico

Publicado em ComportamentoUSP Online Destaque por Diego Rodrigues em 22 de agosto de 2012   

Dinâmica psicológica de indivíduos religiosos e ateus é foco de estudos no IP Foto: Wikimedia

Como entender os fenômenos religiosos? Qual a ação da religião na psique das pessoas? Estudos do Instituto de Psicologia (IP) da USP buscam responder questões como essas, utilizando as abordagens da psicologia. Desde 2000, por iniciativa do professor Geraldo José de Paiva, o Laboratório de Psicologia Social da Religião concentra essas pesquisas.

O grupo é formado por 12 pessoas, todos doutores e doutorandos. Não apenas da USP. Instituições de ensino como a PUC e o Mackenzie trabalham em pareceria para desenvolver  pesquisas concretas sobre o fenômeno religioso. Alguns dos colaboradores do Laboratório têm ainda formação diversa,  como pós-graduação em Ciência da Religião, e em Semiótica, que é o estudo dos sistemas de significação.

Ateus

A mais recente pesquisa do Laboratório analisa diferenças entre religiosos e ateus. Os pontos estudados dizem respeito aos processos de enfrentamento das dificuldades, o bem-estar psicológico e fatores de personalidade. O grupo busca verificar se o enfrentamento dos problemas é influenciado pela opção religiosa; se há correlações entre fatores de personalidade e as opções religiosas feitas por cada indivíduo; e se o bem-estar é afetado por estas opções. Read more [+]

Gentileza gera Gentileza

Gentileza teria fundamentos genéticos, sugere estudo

AFPPor Rouf Bhat | AFP – 23 horas atrá

CONTEÚDO RELACIONADO

  • Homem ajuda idoso a atravessar uma ponte improvisada sobre a enxurrada que arrastou a estrada entre Leh e Srinagar, na Caxemira indianaHomem ajuda idoso a atravessar uma ponte improvisada sobre a enxurrada que arrastou …

Pessoas dotadas de um certo traço genético são mais gentis e carinhosas do que as demais e esta característica pode ser rapidamente identificada por estranhos, revelou um estudo publicado esta segunda-feira nos Estados Unidos.

Esta variação é relacionada com a ocitocina, gene receptor também conhecido como “hormônio do amor” porque costuma se manifestar nas relações sexuais e incita comportamentos sociais como união e empatia.

Cientistas da Universidade do estado do Oregon desenvolveram um experimento no qual 23 casais, cujos traços genéticos eram conhecidos dos pesquisadores mas não dos observadores, foram filmados.

Pediu-se a um dos membros do casal que contasse ao outro sobre um período de sofrimento de sua vida. Os observadores deviam abservar o ouvinte por 20 segundos, com o som desligado.

Na maior parte dos casos, os observadores conseguiram identificar quais ouvintes tinham o “gene da gentileza” e quais não, revelou a pesquisa, cujos resultados foram publicados na edição de 14 de novembro do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

“Nossas descobertas sugerem que até mesmo a variação genética mais sutil pode ter impacto tangível no comportamento das pessoas e que estas diferenças comportamentais são rapidamente notadas pelos demais”, explicou o principal autor do estudo, Aleksandr Kogan, estudante de pós-doutorado da Universidade de Toronto.

Nove entre 10 pessoas, consideradas “menos confiáveis” pelos observadores neutros tinham a versão A do gene, enquanto 6 entre os 10 considerados os “mais pró-sociais” tinham o genótipo GG.

Os participantes da pesquisa foram testados antecipadamente e identificados como detentores dos genótipos GG, AG ou AA para a sequência de DNA do gene receptor de ocitocina (OXTR).

As pessoas com duas cópias do alelo G foram geralmente consideradas mais empáticas, confiáveis e amorosas. As dotadas dos genótipos AG ou AA tenderam a dizer que se sentiam menos confiantes de modo geral e menor sensibilidade parental. Pesquisas anteriores demonstraram que estes indivíduos também apresentavam um risco mais elevado de desenvolver autismo.

“Nosso estudo questionou se estas diferenças se manifestam em comportamentos rapidamente detectáveis por estranhos e demonstrou que são”, explicou.

No entanto, nenhum traço genético pode prever totalmente o comportamento de uma pessoa e é necessário fazer mais pesquisas para descobrir como esta variação afeta a biologia comportamental

Explicado o motivo de porque os homens tem mais neurônios que as mulheres!

Osame Kinouchi

Explicado o motivo de porque os homens tem mais neurônios que as mulheres!   http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2011/11/08/cerebros-de-criancas-autistas-tem-mais-neuronios/

www.jb.com.br

As crianças autistas têm mais neurônios e apresentam um cérebro mais pesado que as demais, revela um estudo publicado nesta terça-feira no Journal of the American Medical Association (JAMA).O estudo, baseado em análises de cérebros de crianças autistas …

 ·  · Compartilhar · há 8 horas
    • Mônica Guimarães Campiteli hahahahaha

      há 8 horas · 
    • Mauro Rebelo É muita cara de pau propor qualquer conclusão com base em um n=7

      há 8 horas · 
    • Osame Kinouchi Mauro, preciso ler o paper mas a coisa faz sentido: 1. Homens tem peo menos 4x mais tendencia ao autismo; 2. Homens tem mais neuronios no Pre frontal; 3. Homens sao conhecidos como “pequenos autistas”, porque tratam animais e pessoas (em especial mulheres) como se fossem objetos e maquinas (“Nossa, ela é uma máquina!”); 4. Sabe-se que o prunning neural (a apoptose de neuronios) é essencial para a conformacao e maturacao eficiente do cerebro na adolescencia; 5. Homem ns possuem um retardo maturacional caracteristico (compare um moleque de 16 anos com uma menina da mesma idade; 6. Seja a amostra aleatoria, seja 1/2 a probabilidade (hipotese nula) de um autista ter muito mais neuronios do que o controle, entao a probabilidade de se ter 7 autistas com mais neuronios (e NENHUM com menos!) que os controles é 1/2^7 = 1/128, ou seja, menos que 1%. Bom, se vc apostar que consegue tirar 7 caras em seguida num jogo de cara e coroa (e certamente vc consegue, com 1/128 de chance!) entao eu topo apostar! risos… Mas noto que eles viram apenas correlacao, porem acho que a conclusao nao eh esta, mas sim que, SE tais neuronio em excesso sao prejudiciais (o que vai de acordo com a teoria de prunning neural), ENTAO esse tipo de autismo (correlacionado com mais tecido no pre frontal) tem uma causa que remonta pelo menos ao utero materno, o que tambem parece ser bastante plausivel. Ou seja, nao existe aqui nenhum grande claim novo, todo mundo sabe disso, de modo que “little claims need little evidence…”

      há 13 minutos · 
    • Osame Kinouchi Autistas (Aspies como eu?) tambem tem mania de responder sem tato e delicadeza aos amigos, especialmente no facebbok, e acabam brigando com metade da blogosfera! risos Eu tenho quase certeza que esse menino da reportagem abaixo tem mais neuronios no pre-frontal: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,genio-da-matematica-de-14-anos-relata-desprezo-e-medo-de-bullying,795981,0.htm

      www.estadao.com.br

      O galês Cameron Thompson tem 14 anos e está estudando Matemática Aplicada na Ope…Ver mais
      há 9 minutos ·  · 
    • Osame Kinouchi Deixa eu fazer uma aposta antes de ler o artigo: os sete autistas sao meninos!

      há 6 minutos · 
    • Osame Kinouchi O link está aqui, comecando a ler:http://jama.ama-assn.org/content/306/18/2031.short

      jama.ama-assn.org

      Since this article does not have an abstract, we have provided the first 150 words of the full text.
      há 6 minutos ·  · 
    • Osame Kinouchi In this issue of JAMA, the report by Courchesne and colleagues documents an increase in neuron number in the prefrontal cortex (PFC) in male children and adolescents with autism.

      há 4 minutos · 
    • Osame Kinouchi BINGO! E BAZINGA!!!

      há 4 minutos · 

Increased Neuron Number and Head Size in Autism

  1. Janet E. Lainhart, MD;
  2. Nicholas Lange, ScD

[+] Author Affiliations

  1. Author Affiliations: Departments of Psychiatry, Pediatrics, and Neuroscience, The Brain Institute, University of Utah, Salt Lake City (Dr Lainhart); and Departments of Psychiatry and Biostatistics, Harvard University Schools of Medicine and Public Health, Boston, Massachusetts (Dr Lange).

Since this article does not have an abstract, we have provided the first 150 words of the full text.

In this issue of JAMA, the report by Courchesne and colleagues1 documents an increase in neuron number in the prefrontal cortex (PFC) in male children and adolescents with autism. Those findings build on Leo Kanner’s original observations2 in 1943 and 2 decades of recent research investigating macrocephaly in autism. Macrocephaly occurs in 20% of individuals with autism on average and is usually due to megalencephaly—abnormal enlargement of the brain during childhood.3 The enlargement is rarely present at birth; it develops during early childhood when head growth accelerates during the first 18 months of life.4 Mean total brain, lobar, white matter, and gray matter volumes, including volume of the cortex, are significantly increased by 2 to 3 years of age in children with autism when compared with typically developing and also nonautistic developmentally delayed individuals.5,6,7

Um exemplo de geek syndrome no TBBT

Metáforas físico-políticas

Uma das revoluções recentes na psicologia cognitiva é o reconhecimento de que pensamos metaforicamente, ou seja, que as expressões metafóricas que usamos refletem a presença de profundas metáforas cognitivas, metáforas usadas para mapear um domínio abstrato, difícil de ser pensado e conceitualizado, em um domínio concreto, já conhecido e familiar.

Dependendo da sua posição no espectro autista, você terá maior ou menor facilidade e apreciação pelo pensamento metafórico. Se você não entende e desconfia de metáforas, se você prefere pensar literalmente (se você acha que a Bíblia deve ser lida literalmente, por exemplo), isso pode ser um sinal de que você é um pequeno autista (“Todo homem é um pequeno autista”, me disse Ricardo Mioto!). Se você acha que consegue se expressar Cartesianamente apenas com idéias claras e distintas, não metafóricas, é um experimento interessante tentar fazê-lo. Nem Descartes conseguiu, por que idéias não são objetos físicos (não possuem massa ou emitem luz, por exemplo), não são claras ou escuras, nem distintas ou nebulosas. No presente texto, eu marquei em negrito os termos de natureza metáforica.

O espectro luminoso vai do vermelho ao violeta. O espectro político vai da extrema-esquerda à extrema-direita. Dado que tivemos quatro candidatos a presidente à esquerda de Dilma (alguns deles invísiveis talvez por serem infravermelhos!), chega-se à conclusão que o PT já não é vermelho mas sim amarelo. Dai temos o partido Verde (mistura de amarelo com azul), os tucanos azulados e o DEM violeta (violento?). A campanha de correntes de internet contra Dilma foi ultra-viole(n)ta: invisível (anônima) mas perigosa. Algumas pessoas dizem que existe condição periódica de contorno nesse espectro, logo a metáfora não é perfeita: não temos ondas de rádio nem raios X ou gama no espectro político.

O perigo de uma metáfora cognitiva como esta é que, assim como ela nos permite pensar sobre coisas abstratas (a política), ao mesmo tempo limita o nosso pensamento quando levamos a metáfora demasiadamente a sério. Por exemplo, os Verdes sentem que não são Centro, que não existem apenas Direita e Esquerda mas sim outras dimensões, e que o Ambientalismo se situa numa dessas dimensões ortogonais ao espectro político tradicional, que está à frente (de seu tempo?).

Se isso for verdade, deveríamos ter ambientalistas de esquerda e ambientalistas de direita. E, efetivamente, os temos, como ficou claro no apoios verdes à Dilma e Serra. Ou seja, o espectro político tradicional é apenas a projeção das posições políticas das pessoas sobre um dado eixo principal. Existem outros eixos, importantes para a política atual: o eixo de religiosidade (do militante religioso ao militante ateu, passando pelo centrão dos religiosos de domingo e o pessoal a toa). Existe a dimensão conservadorismo-inovação e a dimensão autoridade-liberdade, enfatizada pelos anarquistas de esquerda (do cristão Tolstói ao ateu Bakunin) e de direita (liberais e libertarians). Existem o feminino (Ying) e o masculino (Yang) enquanto conjunto de valores e comportamentos (não confundir com feminismo e machismo: existem homens femininos e mulheres masculinas). Existem um monte de eixos, de direções principais, de dimensões. O espaço das posições políticas é multidimensional, tais posições são vetores num espaço multidimensional (que duvido ser Euclidiano ou mesmo Afim, mas vá lá, tudo isso é apenas uma metáfora mesmo).

Ou seja, não podemos escapar das metáforas cognitivas, mas podemos usar uma metáfora pobre, unidimensional, ou uma metáfora rica, multidimensional. Talvez existam infinitas dimensões para caracterizar um ser humano, mas dizer isso não é muito útil. Precisamos fazer uma análise de componentes principais (PCA). Isso, de certa forma, já foi feito. Trata-se das dimensões morais de Haidt e outros. Falarei delas em outro post.

As metáforas não apenas permitem, configuram e, ao mesmo tempo, limitam nosso pensamento. Elas nos influenciam de outra forma. Elas nos afetam metaforicamente. Remetem a outras metáforas que por sua vez remetem a outras metáforas, trazendo associações subliminares. Usando a metáfora da rede (WWW), podemos dizer que o nosso pensamento, a nossa cultura, é organizada como uma rede de metáforas interligadas.

Por exemplo, eu tenho uma teoria sobre porque a Esquerda tem tanta dificuldade em conquistar e manter o poder nos países com eleições pluripardidárias. Não, não é apenas uma questão de incompetência de gerenciamento econômico ou força político-econômica da direita. Tem um lado simbólico, metafórico, que afeta o nosso psiquismo mais profundo, que nos influencia na hora em que vamos votar. Os nomes Esquerda e Direita são fruto de um acidente histórico (a disposição física das cadeiras na Assembléia durante a Revolução Francesa), mas é um daqueles acidentes congelados e difíceis de mudar. Além disso, a esquerda é vermelha, a direita é azul. Cores e lados. Algo linguisticamente e psicolologicamente básico.

Idéias associadas com Esquerda na linguagem comum: canhoto, canhestro, sinistro, impuro (antes da invenção do papel higiênico, usava-se a mão esquerda para limpar, reservando-se a direita para comer). Nunca ofereça a mão esquerda para um muçulmano: é considerada fortemente impura. Mas… então é óbvio que esquerdistas ficam em desvantagem profunda no mundo islâmico (e no nosso também). Os maus ficam à esquerda de Cristo. O caminho da perdição, na parábola bíblica, é o da esquerda.

Direita = direito, reto. Uma pessoa direita, honesta, confiável. Uma mulher direita, que não trai. A mão direita é a mão boa. Destro, destreza. Ele é meu braço direito.

Vermelho = fogo, sangue, destruição, morte. Vermelho de raiva. Cartão vermelho. Sinal vermelho. Botão vermelho. Perigo.

Azul = céu, tranquilidade, paz. Céu azul, sem núvens, transparente, sem tempestades.  Céu de brigadeiro. Mar azul, mar calmo. Tudo azul!

O Inferno é vermelho, o Céu é azul. O demônio é vermelho, Nossa Senhora veste azul e branco. Etc. etc. etc… ad infinitum.

É óbvio que a Direita se aproveita dessa vantagem simbólica, linguística, psíquica, na propaganda política e na propaganda do medo. “O Brasil não é vermelho, é azul, verde e amarelo!” A esquerda inteligente está reconhecendo isso: nas novas bandeiras da Dilma predominam o azul e o branco. O vermelho sumiu!

Nossas metáforas são mais poderosas do que supomos. Os memes mais fortes são os memes metafóricos (a idéia de Meme é uma metáfora, o Gene Egoísta é uma metáfora). Se somos feitos de memes, se somos os veículos para a reprodução de memes, então as metáforas são nossos deuses: onipresentes em nosso psiquismo, elas nos dominam, habitam em nós e dirigem nossas vidas.

E os deuses, o que são?

Metáforas.

Um jantar memorável (I)

Acho que é importante registrar na minha memória (vulgo este blog, dado que meu hipocampo está danificado) os detalhes daquele jantar do dia 30 de julho de 2010. Eu havia comentado com o Sidarta, após meu seminário no IINN-ELS, que queria conhecer o seu bebê e dar um alô para a Natalia. Comentei também que tinha combinado com o Bruno e a Michelle, que estavam me hospedando, preparar um jantar com comida indiana (o Dahl, acho que uma das poucas comidas que faço bem). Ele falou que gostaria de ir e que poderia levar o Robert Trivers (que tinha assistido o seminário).

Perguntei para a Michelle se eu podia fazer um jantar grande assim (eu estava pensando em convidar o Wilfredo Blanco, doutorando do Sidarta,  e sua esposa Débora – especialista em autismo da UFRN) e ela me disse que eu tinha toda liberdade, que a sua casa sempre estava cheia com o pessoal do IINN.

Bom, na sexta eu reencontrei o Ricardo Mioto da Folha na SBPC (ele tinha assistido o meu seminário na quinta por acaso), quando fui levar a Juliana para ela fazer a comunicação oral do Metáforas Científicas no Discurso Jornalístico. Achei que o Mioto podia se interessar pelo artigo, ele me pediu uma cópia etc. Daí achei que seria adequado convidá-lo para o jantar, ele poderia fazer uma entrevista com o Trivers (acho que ele já estava fazendo). Comentei com ele sobre a página da Wikipedia do Trivers, que era muito estranha por que continha informações bastante pessoais e um certo tom mítico (o Trivers me disse que não têm a menor idéia de quem pode ter escrito essa página). Read more [+]

Mais uma evidência conectando inteligencia e autismo

Socioeconomic gradients in autism cases may not be self-selected

JULY 13, 2010
by EcoPhysioMichelle

Throughout my life, I’ve often been told (usually by way of consolation) that autistic children are born to intelligent families. One of my two younger brothers has severe autism. I was very young when he was diagnosed, and for a while he was treated as though he had a speech and language disorder. If I had to guess, I would say that he was diagnosed around the age of 5-6. The earliest warning sign was that he didn’t start talking at the stage in development where that usually happens. While my brother is still fond of social interaction, his main symptom to this day (he’s now 23) remains an inability to carry a conversation. He uses language in a very crude manner, only stringing together 2-3 words at a time. “Go potty.” “All done.” “Hungry.” I have lots offeelings on this subject (believe me), but that’s not the point of this post.

ResearchBlogging.org

The dogma that autism is a disease of high(er) intelligence and socioeconomic status has been around since the first diagnoses for autism came out when my grandparents were kids. This is in opposition to the norm, where the prevalence of developmental disabilities is most often inversely related to socioeconomic status because parents in poor communities have fewer resources for parenting education and health services. In recent years, the argument that the higher prevalence of autism cases in families of higher socioeconomic status is self-selected; that is, parents with more access to resources and information about autism are more likely to seek out proper diagnosis and treatment for their child(ren).

In Socioeconomic Inequality in the Prevalence of Autism Spectrum Disorder: Evidence from a U.S. Cross-Sectional Study, Durken and colleagues studied datasets for several states from the Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network to see if there was a change in the prevalence of autism rates due to socioeconomic gradient between cases where the child had a prior diagnosis for an autism spectrum disorder and cases where there was no prior diagnosis.

We designed the present study to examine—among a large, diverse, population-based sample of 8-year-old children in the United States in which ASD case status was determined regardless of whether a child had a pre-existing ASD diagnosis—whether the prevalence of ASD is associated with SES and, if so, whether the association is consistent across subgroups defined by race/ethnicity, gender, phenotypic characteristics, diagnosis, and data sources.

The authors found strong evidence of a positively-correlated socioeconomic gradient in children with autism spectrum disorders. This gradient was weaker but remained a positive relationship in children without a prior diagnosis. This means that even in cases where the parents did not seek diagnosis for their child, there was still an increase in autism cases with increasing socioeconomic status, albeit a weaker one. This is evidence that, while the magnitude of the gradient may be self-selected, there is very likely still a positive relationship between socioeconomic status and prevalence of autism. The causes for this relationship remain to be explored, but one possibility could be the average reproductive age of highly educated females vs. less educated females and other hidden factors.


Durkin, M., Maenner, M., Meaney, F., Levy, S., DiGuiseppi, C., Nicholas, J., Kirby, R., Pinto-Martin, J., & Schieve, L. (2010). Socioeconomic Inequality in the Prevalence of Autism Spectrum Disorder: Evidence from a U.S. Cross-Sectional Study PLoS ONE, 5 (7) DOI:10.1371/journal.pone.0011551