Home // Posts tagged "science education"

Nosso universo vai congelar como uma cerveja super-resfriada…

SCIENTIFIC METHOD / SCIENCE & EXPLORATION

Finding the Higgs? Good news. Finding its mass? Not so good.

“Fireballs of doom” from a quantum phase change would wipe out present Universe.

by  – Feb 19 2013, 8:55pm HB

A collision in the LHC’s CMS detector.

Ohio State’s Christopher Hill joked he was showing scenes of an impending i-Product launch, and it was easy to believe him: young people were setting up mats in a hallway, ready to spend the night to secure a space in line for the big reveal. Except the date was July 3 and the location was CERN—where the discovery of the Higgs boson would be announced the next day.

It’s clear the LHC worked as intended and has definitively identified a Higgs-like particle. Hill put the chance of the ATLAS detector having registered a statistical fluke at less than 10-11, and he noted that wasn’t even considering the data generated by its partner, the CMS detector. But is it really the one-and-only Higgs and, if so, what does that mean? Hill was part of a panel that discussed those questions at the meeting of the American Association for the Advancement of Science.

As theorist Joe Lykken of Fermilab pointed out, the answers matter. If current results hold up, they indicate the Universe is currently inhabiting what’s called a false quantum vacuum. If it were ever to reach the real one, its existing structures (including us), would go away in what Lykken called “fireballs of doom.”

We’ll look at the less depressing stuff first, shall we?

Zeroing in on the Higgs

Thanks to the Standard Model, we were able to make some very specific predictions about the Higgs. These include the frequency with which it will decay via different pathways: two gamma-rays, two Z bosons (which further decay to four muons), etc. We can also predict the frequency of similar looking events that would occur if there were no Higgs. We can then scan each of the decay pathways (called channels), looking for energies where there is an excess of events, or bump. Bumps have shown up in several channels in roughly the same place in both CMS and ATLAS, which is why we know there’s a new particle.

But we still don’t know precisely what particle it is. The Standard Model Higgs should have a couple of properties: it should be scalar and should have a spin of zero. According to Hill, the new particle is almost certainly scalar; he showed a graph where the alternative, pseudoscalar, was nearly ruled out. Right now, spin is less clearly defined. It’s likely to be zero, but we haven’t yet ruled out a spin of two. So far, so Higgs-like.

The Higgs is the particle form of a quantum field that pervades our Universe (it’s a single quantum of the field), providing other particles with mass. In order to do that, its interactions with other particles vary—particles are heavier if they have stronger interactions with the Higgs. So, teams at CERN are sifting through the LHC data, checking for the strengths of these interactions. So far, with a few exceptions, the new particle is acting like the Higgs, although the error bars on these measurements are rather large.

As we said above, the Higgs is detected in a number of channels and each of them produces an independent estimate of its mass (along with an estimated error). As of the data Hill showed, not all of these estimates had converged on the same value, although they were all consistent within the given errors. These can also be combined mathematically for a single estimate, with each of the two detectors producing a value. So far, these overall estimates are quite close: CMS has the particle at 125.8GeV, Atlas at 125.2GeV. Again, the error bars on these values overlap.

Oops, there goes the Universe

That specific mass may seem fairly trivial—if it were 130GeV, would you care? Lykken made the argument you probably should. But he took some time to build to that.

Lykken pointed out, as the measurements mentioned above get more precise, we may find the Higgs isn’t decaying at precisely the rates we expect it to. This may be because we have some details of the Standard Model wrong. Or, it could be a sign the Higgs is also decaying into some particles we don’t know about—particles that are dark matter candidates would be a prime choice. The behavior of the Higgs might also provide some indication of why there’s such a large excess of matter in the Universe.

But much of Lykken’s talk focused on the mass. As we mentioned above, the Higgs field pervades the entire Universe; the vacuum of space is filled with it. And, with a value for the Higgs mass, we can start looking into the properties of the Higgs filed and thus the vacuum itself. “When we do this calculation,” Lykken said, “we get a nasty surprise.”

It turns out we’re not living in a stable vacuum. Eventually, the Universe will reach a point where the contents of the vacuum are the lowest energy possible, which means it will reach the most stable state possible. The mass of the Higgs tells us we’re not there yet, but are stuck in a metastable state at a somewhat higher energy. That means the Universe will be looking for an excuse to undergo a phase transition and enter the lower state.

What would that transition look like? In Lykken’s words, again, “fireballs of doom will form spontaneously and destroy the Universe.” Since the change would alter the very fabric of the Universe, anything embedded in that fabric—galaxies, planets, us—would be trashed during the transition. When an audience member asked “Are the fireballs of doom like ice-9?” Lykken replied, “They’re even worse than that.”

Lykken offered a couple of reasons for hope. He noted the outcome of these calculations is extremely sensitive to the values involved. Simply shifting the top quark’s mass by two percent to a value that’s still within the error bars of most measurements, would make for a far more stable Universe.

And then there’s supersymmetry. The news for supersymmetry out of the LHC has generally been negative, as various models with low-mass particles have been ruled out by the existing data (we’ll have more on that shortly). But supersymmetry actually predicts five Higgs particles. (Lykken noted this by showing a slide with five different photos of Higgs taken at various points in his career, in which he was “differing in mass and other properties, as happens to all of us.”) So, when the LHC starts up at higher energies in a couple of years, we’ll actually be looking for additional, heavier versions of the Higgs.

If those are found, then the destruction of our Universe would be permanently put on hold. “If you don’t like that fate of the Universe,” Lykken said, “root for supersymmetry”

Brasileiros = japoneses?

Foto: Meu filho Raphael Osame Kinouchi, loirinho descendente de japoneses…

Estava lendo os comentários internacionais de uma TED Talk quando me deparei com isso:

Nick Bikkal. Engraçado que tudo o que está assinalado em vermelho me parece extremamente familiar…

Eu sou um estrangeiro vivendo há 20 anos no Japão. Tenho 2 crianças no sistema escolar. No jardim de infância eu estava muito bem impressionado com os professores daqui. Eles passavam horas preparando as aulas do dia seguinte. Os professores realmente se importavam com seus alunos. Mais tarde, eu me tornei um pouco menos impressionado. Minha filha foi um dos poucos estudantes que ajudaram a obter que uma professora fosse expulsa porque ela mandava mensagens de texto enquanto dava aulas.

Crianças nessa idade começam a ir para os Juku, cursinhos. Eles são BIG BUSINESS aqui. Suspiro! Nos níveis HS JHS as crianças continuam indo aos  Jukus, para que possam passar por um teste para que eles possam entrar em uma escola melhor na próxima nível

 O objetivo é chegar a uma das universidades renomadas. O objetivo das universidades é produzir um servidor público ou um empregado de uma empresa de nome como a Sony ou Panasonic, etc. Lá você acaba trabalhando muitas horas extras … nem sempre pagas.

O sistema é muito politizado. Não há moral, educação espiritual. (O “Senso comum”  japonês é algo que deve ser entendido aqui). Japoneses, como as pessoas têm visto especialmente nos esportes internacionais são muito nacionalistas. Eles não se preocupam tanto com os eventos. O que é importante é que se uma equipe representa seu país, eles devem ganhar. Suspiro.

Educação baseada em livro, regurgitando o que é dito pelo professor, memorização, etc, todos fazem parte da dieta de escolaridade. Conhecimento prático, pouco. O objetivo é o de ser um membro funcional da sociedade produtora de consumo. Depois de algumas gerações estudando Inglês, a língua internacional, relativamente poucos conseguiram domina-lo, e muito menos estão confiantes com o idioma. Ensinar é uma indústria de US $ 20 bilhões. É negócio. Eu quero vender meu livro e meu sistema de ensino a você.

É um país muito pacífico, que precisa de um novo paradigma. Eu gostaria que eles pudessem virar na direção do sistema finlandês. Tão popular aqui que o governo finlandês tem / tinha (?) Uma página de seu sistema de ensino em japonês. Qualquer que seja. É um trabalho em andamento, eu digo. 🙂

Historiadores da Ciência rejeitam a tese de conflito entre Ciência e Religião

Mais material para o meu livro sobre Ateísmo 3.0

Conflict thesis

From Wikipedia, the free encyclopedia
For a socio-historical theory with a similar name, see Conflict theory.

Conflict: Galileo before the Holy Office, byJoseph-Nicolas Robert-Fleury, a 19th century depiction of the Galileo Affair, religion suppressing heliocentric science.

The conflict thesis is the proposition that there is an intrinsic intellectual conflict between religion and science and that the relationship between religion and science inevitably leads to public hostility. The thesis, refined beyond its most simplistic original forms, remains generally popular. However, historians of science no longer support it.[1][2][3][4]

Contents

Read more [+]

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

Ciência como Brincadeira

Pelo fim do ensino de ciências e pelo fim do PhD!

Freeman Dyson sugere em um dos seus livros que ensinar a força ciências para os estudantes do ensino médio é detrimental (é como força-los a ler Machado de Assis), produzindo ojeriza na maior parte dos estudantes. Ele propõe  usar a grade horária para que o estudante aprenda “linguagens” (Matemática, Lógica, Computação e a língua nativa, com ênfase em redação). 

As ciências naturais seriam aprendidas de forma espontânea por apenas os alunos interessados, na forma de clubes de ciência (astronomia, física, química, biologia etc.). Tais alunos, altamente motivados, poderiam ser treinados para participar de competições e olimpíadas, como as que temos atualmente no mundo todo e no Brasil. Ou seja, ciência é para quem quer aprender, como um esporte intelectual, gerando prazer pela própria atividade e pelas recompensas alcançadas.

Ele também acha que o PhD deveria ser extinto, a fim de que os recém graduados ingressassem direto em pesquisa (em colaboração com orientadores) mas sem prazos bem definidos. Prazos impõe que, no auge da capacidade mental dos estudantes, lhes propomos apenas problemas científicos medíocres, factíveis de serem realizados em 2 ou 4 anos. Um desperdício de tempo e energia mental.

Brasil vence Olimpíada Iberoamericana de Física 2012 Read more [+]

Sobre gênios e demônios criativos

Material para o workshop sobre criatividade. Se encaixa bem na teoria da mente bicameral de Julian Jaynes.

Para que servem os ateus?

 

Coelhos = religiosos, raposas = ateus?

Estou achando que preciso correr para escrever o meu livro intitulado “Deus e Acaso”, baseado em postagens deste blog. Alguns dos temas do livro já estão sendo discutidos em papers recentes, parece que existe um interesse cada vez maior sobre o assunto. Ver por exemplo o artigo abaixo, que foi um target article em um número inteiro dedicado a discussões desse tipo na revista Religion, Brain & Behavior.

What are atheists for? Hypotheses on the functions of non-belief in the evolution of religion

DOI: 10.1080/2153599X.2012.667948

Dominic Johnsona*
pages 48-70

Version of record first published: 27 Apr 2012

Abstract

An explosion of recent research suggests that religious beliefs and behaviors are universal, arise from deep-seated cognitive mechanisms, and were favored by natural selection over human evolutionary history. However, if a propensity towards religious beliefs is a fundamental characteristic of human brains (as both by-product theorists and adaptationists agree), and/or an important ingredient of Darwinian fitness (as adaptationists argue), then how do we explain the existence and prevalence of atheists – even among ancient and traditional societies? The null hypothesis is that – like other psychological traits – due to natural variation among individuals in genetics, physiology, and cognition, there will always be a range of strengths of religious beliefs. Atheists may therefore simply represent one end of a natural distribution of belief. However, an evolutionary approach to religion raises some more interesting adaptivehypotheses for atheism, which I explore here. Key among them are: (1) frequency dependence may mean that atheism as a “strategy” is selected for (along with selection for the “strategy” of belief), as long as atheists do not become too numerous; (2) ecological variation may mean that atheism outperforms belief in certain settings or at certain times, maintaining a mix in the overall population; (3) the presence of atheists may reinforce or temper religious beliefs and behaviors in the face of skepticism, boosting religious commitment, credibility, or practicality in the group as a whole; and (4) the presence of atheists may catalyze the functional advantages of religion, analogous to the way that loners or non-participants can enhance the evolution of cooperation. Just as evolutionary theorists ask what religious beliefs are “for” in terms of functional benefits for Darwinian fitness, an evolutionary approach suggests we should also at least consider what atheists might be for.

TED Talk sobre criatividade

Interessante, mas fiquei com a impressão que no Brasil o pêndulo está voltado para o outro lado… Como fazer para equilibrar o futebol com as olimpíadas de matemática?

 

2o Salão Nacional de Divulgação Científica aceitou a comunicação oral da Juliana Kinouchi

METÁFORAS BIOLÓGICAS NO DISCURSO JORNALÍSTICO

JULIANA MOTTA KINOUCHI (1) – COLÉGIO METODISTA
ROBERTO MITSUO TAKATA – MESTRADO EM BIOLOGIA (USP)
ANGÉLICA APARECIDA MANDRÁ – PSICOPEDAGOGA – UNIVERSIDADE CLARETIANAS DE BATATAIS
OSAME KINOUCHI – DOUTORADO EM FÍSICA – PROF. LIVRE-DOCENTE USP (ORIENTADOR)




Meu primeiro paper na Revista Brasileira de Ensino de Física

Scientific Metaphors in the journalistic discourse

(Submitted on 6 Jun 2010 (v1), last revised 23 Jun 2010 (this version, v3))

Scientific education and divulgation not only amplify people’s vocabulary and repertory of scientific concepts but, at the same time, promote the diffusion of certain conceptual and cognitive metaphors. Here we make some hypothesis about this process, proposing a classification in terms of visible, invisible, basic and derived metaphors. We focus our attention in contemporary and classical physics metaphors applied to psychological and socio-economical phenomena, and we study two exemplar cases through an exhaustive exam of the online content of large Brazilian journalistic portals. Finally, we present implications and suggestions from the cognitive metaphor theory for the scientific education and divulgation process.

Comments: In portuguese, 20 pages, 2 figures, new version submitted to RBEF
Subjects: History of Physics (physics.hist-ph); Physics Education (physics.ed-ph); Popular Physics (physics.pop-ph); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:1006.1128v3 [physics.hist-ph]


Mensagem encaminhada ———-

From: “Fernanda Ostermann”
To: “Osame Kinouchi”
Date: Tue, 13 Jul 2010 11:17:15 -0300
Subject: [RBEF]
Prezado Osame,
É com prazer que comunicamos a aceitação do seu artigo “Metáforas científicas no discurso jornalístico” para publicação na RBEF. Seguem os dois pareceres. Essa aceitação é condicionada ao atendimento das solicitações de revisão dos avaliadores. Após nos ser enviada a versão revisada, daremos início ao processo de publicação.
Atenciosamente,
Profa. Dra. Fernanda Ostermann – Equipe Editorial
Prof. Dr. Cláudio José de Holanda Cavalcanti – Equipe Editorial
——————————————————
Avaliador A:
Título/Title:
Metáforas científicas no discurso jornalístico
Parecer:
O trabalho é claro e relevante na medida em que traz um enfoque inovador sobre o uso de metáforas científicas ao abordá-las como parte da linguagem comum e da divulgação científica e ao propor uma forma diferente do que vem sendo proposto no uso das mesmas no ensino.
Entretanto, apresenta inconsistência em relação ao estudo de casos proposto. A coleta de dados em 3 jornais diferentes não é relevante para o estudo, já que o autor não teve como objetivo interpretar as diferenças encontradas. As conclusões não se referem aos dados, o que deixa claro que o estudo não traz resultados relevantes em relação à interpretação desses dados. Sendo assim, sugere-se:
(1) A exclusão da expressão “estudo de casos” do trabalho, já que esta expressão diz respeito a um tipo de pesquisa qualitativa que tem como objetivo o conhecimento de uma realidade por meio do aprofundamento interpretativo dos dados.
(2)a reformulação da seção 4 no sentido de deixar claro ao leitor que se trata de um levantamento exploratório de metáforas jornalísticas.
Outros aspectos de conteúdo que devem ser revistos:
p. 14
Os autores devem justificar, trazendo a literatura pertinente, a sentença “As mais variadas justificativas para a divulgação científica e a popularização da ciência têm sido apresentadas ao longo do tempo. Entre elas destacamos:”
p. 15
Os autores devem explicar/descrever o que caracteriza a “moderna divulgação científica” e o significado de “spin-off não intencional”
p. 16:
A proposta dos autores ficará mais clara se na sentença “Em relação à educação e divulgação científicas, o uso de metáforas científicas por jornalistas, colunistas, intelectuais etc. produzirá um resultadoambíguo” for retirado o início “Em relação à educação e divulgação científicas”.
p. 17:
Os autores devem justificar por que o exercício sugerido seria interessante, na sentença: “Se possível, a elaboração de um mapa conceitual que ligue as expressões metafóricas com as metáforas cognitivas básicas das quais foram derivadas, na forma de uma rede de metáforas com nodos e ligações, seria um exercício interessante”.
p. 18:
Os autores devem justificar por que o referido processo seria uma ‘deturpação de conceitos científicos’ na sentença: “Esse processo não precisa ser visto como uma deturpação de conceitos científicos”
Aspecto de redação que deve ser revisto:
p. 16:
Corrigir a concordância na sentença “Para a prevenção desses efeitos de interferência, propomos que a natureza e a ubiquidade das MCI, especialmente as derivadas de metáforas cognitivas básicas, seja (sejam) reconhecida(s) e enfrentada(s) ativamente”.
——————————————————
——————————————————
Avaliador B:
Título/Title:
Metáforas científicas no discurso jornalístico
Parecer:
A proposta representa uma boa revisão da literatura pertinente ao tema, atualizada e clara. Sugiro somente que o(s) autor(es) avaliem o conceito de público leigo que na literatura atual de comunicação pública das ciências vem sendo questionado, uma vez que todos somos leigos, em alguma área, na sociedade da informação.
Este conceito reporta ao modelo de défict criticado no próprio manuscrito por ser centrado no conhecimento científico. Outra questão que pode melhorar o texto é a afirmação da inadequação das metáforas calcadas em modelos da física clássica. O texto é bastante interessante para deixar uma relação simplista entre a mecânica clássica e uma metáfora antiquada. Considero que os argumentos apresentados são mais ricos do que isso.
Recomendo a publicação com uma pequena revisão do texto principalmente nas regências verbais e pontuação.

Miguel Nicolelis: “Sinto-me decepcionado”

Miguel Nicolelis: “Sinto-me decepcionado”

Publicação: 11 de Julho de 2010 às 00:00
tamanho do texto A+ A-
O cientista brasileiro, Miguel Nicolelis, de 49 anos, é considerado um dos maiores pesquisadores do planeta na área de neurociências e, por diversas vezes, lembrado para o Prêmio Nobel. Ele lidera pesquisas que podem, por exemplo, representar avanços históricos no tratamento do Mal de Parkinson e implantou em Natal um Instituto Internacional de Neurociências (IINN), que já captou investimentos superiores a R$ 100 milhões e que pretende ser a semente da futura “Cidade do Cérebro”, uma estrutura científica, cultural, econômica e social estimada em mais de R$ 1 bilhão. Não faltam, portanto, motivos para estímulo na carreira de Nicolelis. No entanto, ele revela uma decepção: desde a instalação do IINN, há sete anos, o Instituto nunca recebeu o apoio devido dos poderes públicos estadual e municipal, nem dos políticos potiguares em geral. O neurocientista que acredita que a força do pensamento pode superar as barreiras geográficas e, de certa forma, provou isso instalando um centro de conhecimento de ponta em um Estado pequeno como o Rio Grande do Norte, não esperava deparar com o obstáculo da “falta de visão”. Miguel Nicolelis esteve em Natal na última semana e concedeu entrevista exclusiva ao repórter Wagner Lopes, da TRIBUNA DO NORTE, na qual falou sobre o projeto, as novidades e, principalmente, as dificuldades enfrentadas pelo IINN. 

Adriano AbreuMiguel Nicolelis é considerado um dos maiores pesquisadores do planeta na área de neurociências

Miguel Nicolelis é considerado um dos maiores pesquisadores do planeta na área de neurociências
Em junho foi assinada pela UFRN a ordem de serviço (R$ 32 milhões) para a obra dos dois primeiros prédios do futuro Campus do Cérebro, em Macaíba. Isso mostra um projeto já consolidado?

Sem dúvida. O Campus deve ser um dos maiores investimentos do Ministério da Educação no momento. Existe um interesse de todas as partes para que esteja concluído no próximo ano. Vamos ter um instituto de pesquisas e uma escola de ensino regular funcionando nesses prédios. 

E o que os governos locais podem fazer para contribuir?

Acho que precisa de quase tudo. Esse é hoje o maior projeto científico do Brasil. Com certeza o de maior repercussão fora do país, tanto que conseguimos doações inéditas. Ainda tenho por mim que nem o estado, nem o município têm ideia de que esse projeto pode ser um agente transformador da economia local. 

Há problemas?

Algo que podemos mencionar é que há sete anos a sede do instituto funciona nessa rua de terra (Francisco Luciano, em Candelária, próximo à empresa Via Sul). Entra prefeito, sai prefeito, nos prometem o asfalto, e nada muda. Recebemos gente do mundo inteiro, ganhadores do Prêmio Nobel, embaixadores de outros países, e a rua continua deste jeito. O que as pessoas pensam quando vêm a Natal, com todos os problemas que a cidade tem, e veem uma iniciativa desse tamanho em um rua de terra? As pessoas dos Estados Unidos, da Europa, do Japão, visitam esses prédios e ficam maravilhadas. E a primeira pergunta que fazem é como é que o governo local não asfalta nem a rua.

E quando se fala em turismo na cidade deveria se pensar também nesse público selecionado?

Esse turismo atual não traz dinheiro nenhum. Vejo esses ônibus de turismo andando por Natal, fazendo “city tour”, deixando migalhas na cidade e às vezes deixando problemas seríssimos, que nem vale a pena citar, enquanto a gente tenta criar uma economia de conhecimento que pode trazer bilhões de reais ao longo do tempo. E tudo é difícil, tudo é uma dificuldade. As pessoas falam, nos tratam muito bem, sou muito bem recebido, mas do ponto de vista operacional, se isso fosse feito no estado de São Paulo, em outro estado, outro país… Essas demandas são mínimas e não estamos pedindo nada de outro mundo. São 200 metros de asfalto. A RN que chegava no instituto lá em Macaíba foi recuperada, mas não tinha mais condições de passar automóveis. Havia risco de mortes devido às crateras. Eu mesmo perdi dois pneus do carro nas idas até lá. Mas aqui na frente do instituto, aqui em Natal, eu categorizaria como uma vergonha. O município também nos pediu um projeto para outra escola aqui em Natal (o IINN já conta com uma na Cidade da Esperança). Fizemos o projeto e nunca tivemos resposta. Então me pergunto se as pessoas não percebem a importância disso. Acho que depois de sete anos não há muitas dúvidas de que somos sérios.

Se não fosse o benefício social proporcionado à população, o senhor já falaria em arrependimento por instalar o Instituto em Natal?

Olha, não digo arrependimento porque a população de Natal tem sido muito carinhosa e nossos mil alunos, mais os quinhentos da nova escola, mais os 1.200 da escola de tempo integral, nos mantêm estimulados, a todos nós que trabalhamos. Somos mais de 100 pessoas que vieram do Brasil inteiro para cá, mas nunca imaginei o grau de desinteresse que a gente encontraria do poder público. 

Decepção talvez?

Diria que em quase oito anos, que a gente completa em março, com exceção da UFRN e da nova administração e, pontualmente, da administração passada de Macaíba, realmente me sinto decepcionado com o poder público e a classe política local.

Falta entendimento da importância do projeto ou falta interesse em apoiá-lo?

É uma ótima pergunta. Esse é um projeto que já é o maior investimento, não tem nada feito no Rio Grande do Norte, do ponto de vista tecnológico, com um grau de investimento desse montante. Só o MEC, que é uma fração do projeto, já investiu R$ 42 milhões e tem a perspectiva de dobrar esse investimento. Os investimentos todos que estamos trazendo para Natal não têm nada igual no Estado. Ouso dizer que, com a exceção da Petrobras, não tem nenhuma outra iniciativa capaz de transformar a economia do estado de uma economia primaria, de um turismo com baixo valor agregado, uma economia agrária, em uma economia baseada em conhecimento e tecnologia, que transformaria completamente o perfil do Rio Grande do Norte. Sendo que o experimento educacional que promovemos já é reconhecido pelo MEC como uma grande iniciativa. Inauguramos agora uma escola na Bahia e, de cara, tivemos um investimento alto do governo de lá. Então fico pensando, poxa, a gente focou aqui, criou o instituto aqui, trouxe tudo para cá, e tem outros estados dispostos a levar a gente para lá, oferecendo tudo que a gente não tem aqui. A escola em Serrinha (BA) é maravilhosa. O governador da Bahia veio aqui, nos recebeu lá. Aceitou o nosso projeto, que era de R$ 5 milhões. Nunca tivemos nada parecido aqui. Fico imaginando: será que os governantes não pensam em como criar empregos de valor agregado, educar o povo?

Natal e o Rio Grande do Norte podem perder muitas estruturas que poderiam ser erguidas aqui e vão sendo atraídas por outros Estados?

Sim. A gente não vai desistir nunca, mas às vezes dá um desânimo. Não pelo que a gente faz, porque o que está sendo feito é maravilhoso, as crianças, nossos cientistas, as mulheres que recebemos em nosso centro de saúde. E Natal com tantos problemas de saúde e a gente com um centro tão moderno e não conseguimos parcerias.

E hoje o senhor vê alguma forma de convencimento dos políticos em relação à importância do Instituto ou de mostrar o que é o IINN?

O mundo inteiro sabe o que é. Todas as revistas mundiais, os órgãos de imprensa mundiais sabem. A inauguração da escola em Serrinha foi matéria de capa da Folha de São Paulo, maior jornal do país. Vira e mexe o projeto está sendo mostrado nas TVs daqui e de fora do Brasil. Tenho falado sobre o projeto e, onde chego, as pessoas já me perguntam sobre o Instituto de Natal. E não estou falando em qualquer lugar, falo na Academia Francesa de Ciências, na Universidade de Harvard, onde fui convidado só a falar sobre o instituto, que é um experimento que até os americanos estão interessados em entender o que está acontecendo aqui. Sinto uma total e completa falta de visão de futuro. Não tenho nenhuma filiação partidária, então posso falar que os políticos brasileiros, pelo menos os que vejo atuar aqui, têm uma visão muito provinciana, imediatista, de assistencialismo, em função de problemas que aparecem agudamente e ninguém pensa que vamos ter filhos, netos e eles vão precisar de empregos e de uma qualidade de vida melhor que a nossa.   

Se o senhor não vê isso de parte do poder público, há alguma esperança em relação à iniciativa privada?

Bom, até agora a iniciativa privada do Estado também, com exceção de pequenas e pontuais parcerias, que começam, mas não tem continuidade… O único lugar do Brasil que não consegui estabelecer parcerias privadas de longo prazo foi no estado do Rio Grande do Norte.

E certamente a “Cidade do Cérebro” é uma oportunidade econômica relevante?

Isso. A ideia, além dos primeiros prédios, é termos outras iniciativas educacionais, culturais, científicas. E o último passo é construir um parque tecnológico e científico, a “Cidade do Cérebro”, alavancada no Campus do Cérebro. Estamos falando de um investimento de uma magnitude, falando de forma conservadora, da ordem de R$ 1 bilhão, entre nossos projetos e das empresas de fora do Brasil que estão dispostas a investir. Só que a gente às vezes traz contato do exterior e as pessoas não conseguem falar com ninguém aqui. Ou elas falam e não tem interlocutor no poder público. Continuo me perguntando: o que teria acontecido se tivéssemos levado esse projeto para o interior de São Paulo, ou para Salvador, ou para Belo Horizonte, ou Porto Alegre? Como a gente estaria sendo tratado? Como os governantes locais estariam vendo um projeto que já captou, com todos os investimentos, mais de R$ 100 milhões, chegando a quase R$ 125 milhões e com a perspectiva de atingir alguns bilhões de reais em toda sua vida?

Tivemos aqui, recentemente, a instalação do Instituto Internacional de Física… 

O Instituto de Física é um grande exemplo. Do ponto de vista acadêmico é uma enorme conquista para a região. Agora, é um instituto que não tem uma visão social, nem uma perspectiva de transformação econômica. De repente, não tem comparação. E uma das razões que o Instituto de Física veio para cá foi porque teve a noção, a informação, de que nós tínhamos vindo para cá e, por essa razão, se sentiu que havia condições de se estabelecer aqui. Mas o desbravador da porteira foi a gente. E a gente fica sabendo, por exemplo, que existe a possibilidade de se ter um curtume lá perto do Campus do Cérebro. Essa notícia está se espalhando e, se for verdade, é um atentado à lógica. Imagina a gente trazendo gente do mundo inteiro e alguém quer colocar um matadouro de boi do lado de nosso instituto, com urubu em volta, carcaça de animais. É pior que a rua de barro. Na rua de barro você pelo menos passa de trator. De onde saem essas ideias? Acho que nosso instituto não só trouxe um salto acadêmico e contribui, por exemplo, com o trabalho desenvolvido pelo professor Ivonildo (Rego) na UFRN, o MEC se dispôs a fazer investimentos que não tinha feito, a fazenda de Jundiaí que não utilizava seu potencial se transformou em um polo de investimentos. Temos um projeto educacional que pretende trabalhar as crianças desde o pré-natal até a pós-graduação, de maneira a preparar essas gerações do estado a serem líderes e atuarem na “Cidade do Cérebro”. 

Então o senhor não esperava essas barreiras políticas?

No fundo não acha que sejam barreiras políticas. O presidente entende o projeto, o ministro da Ciência, da Educação, o da Saúde. Os políticos que têm uma visão ampla do Brasil são os maiores apoiadores do projeto. Me contaram na Harvard que sempre que o presidente fala sobre projetos científicos, menciona o instituto, o que é uma honra muito grande. Ele veio aqui, viu as crianças, viu o que a gente está tentando fazer. Então não acredito que seja a falta de um diálogo político, acho que é falta de visão mesmo, de imaginar que a política moderna não é provinciana, é globalizada. É só andar na praia de Ponta Negra, ou pelo interior do estado, que você percebe que, ou as economias locais se inserem no mundo globalizado com aquilo que melhor temos a oferecer, que no caso brasileiro é o talento humano, ou a gente fica pra trás, só com as migalhas do sistema econômico e financeiro. A ciência, a tecnologia e o conhecimento é uma indústria que o Brasil ainda não expandiu, Pôr turista em ônibus para passear pela Via Costeira é migalha. Esse estado, esse povo, essa região, essa cultura, merecem muito mais.

E com relação às pesquisas, como andam os estudos?

As pesquisas continuam e temos resultados maravilhosos. Temos um cronograma na pesquisa de Parkison e resultados preliminares que confirmam nossos estudos do ano passado, em saguis. Temos de acabar, repetir, ter certeza absoluta. 

E quando começam os testes em humanos?

Se for repetido em todos os animais o mesmo resultado que tivemos no começo, e que foi o mesmo obtido em roedores, no início do próximo ano estaremos levando isso para a prática clínica. Seria um processo extremamente rápido, em dois anos de um estudo de roedores passando para o teste clínico e graças à comprovação que foi feita aqui (em Natal).    

E como está a vinda do supercomputador para Natal?

Há problemas de importação de equipamentos de grande porte, mas estamos solucionando os problemas e fazendo o que tem de ser feito, porque aqui leva mais tempo que em qualquer lugar do mundo. 

E isso já representa algum atraso no cronograma que haviam montado?

Não, já tínhamos previstos os trâmites burocráticos e agora é só um questão de preencher toda a papelada. É uma máquina enorme, de umas seis toneladas e de vários milhões de dólares. É um computador doado pelo governo suíço que já tem três anos, mas é uma máquina única. 

E qual a previsão agora?

Algum momento deste segundo semestre

Física na Veia é Pop

Do ótimo blog VIII Escola do CBPF:

Verdade, a Física é pop…

E não é de hoje! No final de 2008, a jornalista e blogueira Rosana Hermann (ela também física por formação) já detectava a popularidade da área e anunciava em seu blog “Querido Leitor”: “acho que a física vai virar moda”. De José Padilha, diretor de Tropa de Elite, a Steven Chu, então recém indicado ao cargo de secretário de Energia do governo Obama, não faltaram nomes de físicos que estivessem entre os famosos da época. Recentemente, o sucesso da série de tv americana The Big Bang Theory, já na terceira temporada e vencedora do People’s Choice Awards de 2009 como melhor série de comédia, tem comprovado que a Física pode ser o máximo e, inclusive, render boas risadas.


Nem tão famoso na época, porém já bem conhecido entre os estudantes e aficionados pela matéria, o físico
Dulcidio Braz Júnior, professor em São João da Boa Vista, interior de São Paulo, e apaixonado pela sala de aula, foi um dos lembrados pela jornalista por causa do blog Física na Veia! Criado em 2005, em comemoração ao Ano Mundial da Física, o blog apresenta a resolução de questões de física e reproduz notícias e curiosidades relacionadas à área.

– O blog é a minha sala de aula na internet. Por meio dele, utilizo uma linguagem leve e de fácil entendimento sobre um assunto que é considerado árido para muita gente -, explica. A habilidade do professor em utilizar a internet para atrair estudantes ao universo da Física pode ser reconhecida pela marca de 1 milhão de visitas que o blog atingiu em novembro de 2009. O slogan “A Física é Pop!”, adotado desde então, surgiu inspirado no post de Rosana Hermann, que citamos no primeiro parágrafo.

A popularidade da física – e do blog do professor Dulcidio – não parou por aí. No início deste ano, o Física na Veia! foi escolhido pelo The BOBs (The Best of Blogs) como o melhor web blog em língua portuguesa. Organizado pelo grupo de comunicação alemão Deutsche Welle, um dos dez maiores do mundo, o prêmio reconhece blogs do mundo inteiro em diferentes categorias e se tornou referência como uma das premiações mais importantes da blogosfera mundial. A entrega do prêmio acontece hoje, dia 21 de junho, em Bonn, na Alemanha.


Neste ano, onze blogs brasileiros (entre mais de 8.300 sugeridos por internautas) foram candidatos ao prêmio. “O que mais me deixa feliz é que não sou celebridade, sou professor!”, comemora Dulcidio, que concorreu ao lado jornalistas e profissionais das áreas de comunicação, artes e tecnologia.

O professor Dulcidio estará na VIII Escola do CBPF compondo a mesa-redonda A prática da divulgação científica e as novas mídias sociais, que acontece dia 20 de julho, às 18h30, ao lado dos blogueiros Leandro Tessler (Cultura Científica) e Fernanda Poletto (Bala Mágica). Mediada pelo físico e divulgador Marcelo Knobel, da Unicamp, o objetivo dessa mesa-redonda é discutir o papel ativo dos blogs de ciência no trabalho de divulgação e educação científica, além de avaliar o poder das novas mídias de aumentar a participação da sociedade na discussão de temas da Ciência.

Um Brasil mais humano e menos exato

Humanidades puxam expansão da pós-graduação no Brasil

RICARDO MIOTO
DE SÃO PAULO

O doutorando brasileiro está cada vez mais interessado em Machado de Assis e menos em relatividade.

Ao menos é isso o que sugere um novo levantamento do governo. Ele mostra que a expansão da pós-graduação brasileira é puxada, em primeiro lugar, pelo aumento de doutores nas humanidades, e não nas ciências exatas e biológicas.

Em 1996, as ciências exatas e da Terra ocupavam o segundo lugar entre as áreas que mais formavam doutores no país, com 16,1%. Em 2008, caíram para o sexto lugar, com 10,6%.

O tombo das engenharias foi menor. A área se manteve como a quinta que mais forma doutores, mas a sua fatia caiu de 13,7% para 11,4%. Redução similar teve a área de ciências biológicas.

Editoria de Arte/Folhapress

“Se olharmos as áreas que cresceram menos, elas ainda cresceram muito”, diz Eduardo Viotti, que coordenou o estudo, realizado pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

“É difícil criar doutorados em áreas de ciências exatas, da Terra e engenharias. Eles exigem laboratórios, não são cursos que precisam apenas de cuspe e giz”, brinca.

“O custo mais baixo estimula as escolas particulares a abrir cursos nessas áreas. Os novos dados não me surpreendem”, diz o especialista em política científica Rogério Meneghini, coordenador de Pesquisas do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (Opas-OMS). [Dado o quadro abaixo que revela que as particulares quase não formam doutores, essa não parece ser uma boa explicação]

Não foi só por causa das particulares que o número de doutores disparou, porém. Nesses 12 anos, as universidades federais aumentaram em mais de cinco vezes o seu número de doutores.

Em 2005, aliás, elas ultrapassaram as estaduais e se tornaram as instituições mais importantes na pós-graduação do Brasil.

Algumas estaduais, porém, como a USP e a Unicamp, ainda concentram grande parte das matrículas no país (veja abaixo). E, apesar do crescimento das federais, o país ainda tem apenas 1,4 doutor por mil habitantes, enquanto os EUA têm 8,4, e a Alemanha, 15,4.

Editoria de Arte/Folhapress

MUDANÇA DE RUMO

Para Carlos Aragão, presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), a queda relativa na formação de quadros em ciências exatas é preocupante.

“Formar cientistas e engenheiros é fundamental para que exista inovação tecnológica nas empresas”, afirma.

Além disso, pondera, áreas estratégicas para o país precisam dessas pessoas, como o programa espacial, o programa antártico, a política nuclear, as questões que envolvem clima, energia e agricultura e o pré-sal.

Segundo ele, o CNPq tem procurado apoiar a formação de engenheiros e cientistas lançando editais voltados para essas áreas, assim como facilitando o acesso a bolsas a alunos que se interessarem pelas áreas. “É necessário corrigir essa distorção”, diz.

Os especialistas concordam, porém, que pode acontecer um movimento natural de fortalecimento das áreas que envolvem números.

“Nos últimos 20 anos o país não cresceu muito, não havia muito emprego ou interesse nas áreas de engenharia ou ciências da Terra. Direito, economia e administração, por exemplo, eram as áreas onde havia mais possibilidade de os doutores se empregarem”, diz Viotti.

Com a economia do país se aquecendo e com empregos sobrando nas áreas de infraestrutura, o próprio mercado de trabalho pode incentivar alunos a buscarem as áreas de exatas, portanto.

Era Pitágoras um charlatão?

Foto: Pitágoras defendendo o Vegetarianismo – Quadro de Rubens (1618-20)

Referência para meu artigo sobre o Pitágoras histórico.

Stanford Encyclopedia of Philosophy
Pythagoras
First published Wed Feb 23, 2005; substantive revision Fri Nov 13, 2009

Pythagoras, one of the most famous and controversial ancient Greek philosophers, lived from ca. 570 to ca. 490 BCE. He spent his early years on the island of Samos, off the coast of modern Turkey. At the age of forty, however, he emigrated to the city of Croton in southern Italy and most of his philosophical activity occurred there. Pythagoras wrote nothing, nor were there any detailed accounts of his thought written by contemporaries. By the first centuries BCE, moreover, it became fashionable to present Pythagoras in a largely unhistorical fashion as a semi-divine figure, who originated all that was true in the Greek philosophical tradition, including many of Plato’s and Aristotle’s mature ideas. A number of treatises were forged in the name of Pythagoras and other Pythagoreans in order to support this view.

The Pythagorean question, then, is how to get behind this false glorification of Pythagoras in order to determine what the historical Pythagoras actually thought and did. In order to obtain an accurate appreciation of Pythagoras’ achievement, it is important to rely on the earliest evidence before the distortions of the later tradition arose. The popular modern image of Pythagoras is that of a master mathematician and scientist. The early evidence shows, however, that, while Pythagoras was famous in his own day and even 150 years later in the time of Plato and Aristotle, it was not mathematics or science upon which his fame rested. Pythagoras was famous (1) as an expert on the fate of the soul after death, who thought that the soul was immortal and went through a series of reincarnations; (2) as an expert on religious ritual; (3) as a wonder-worker who had a thigh of gold and who could be two places at the same time; (4) as the founder of a strict way of life that emphasized dietary restrictions, religious ritual and rigorous self discipline.

It remains controversial whether he also engaged in the rational cosmology that is typical of the Presocratic philosopher/scientists and whether he was in any sense a mathematician. The early evidence suggests, however, that Pythagoras presented a cosmos that was structured according to moral principles and significant numerical relationships and may have been akin to conceptions of the cosmos found in Platonic myths, such as those at the end of the Phaedo and Republic. In such a cosmos, the planets were seen as instruments of divine vengeance (“the hounds of Persephone”), the sun and moon are the isles of the blessed where we may go, if we live a good life, while thunder functioned to frighten the souls being punished in Tartarus. The heavenly bodies also appear to have moved in accordance with the mathematical ratios that govern the concordant musical intervals in order to produce a music of the heavens, which in the later tradition developed into “the harmony of the spheres.” It is doubtful that Pythagoras himself thought in terms of spheres, and the mathematics of the movements of the heavens was not worked out in detail. There is evidence that he valued relationships between numbers such as those embodied in the so-called Pythagorean theorem, though it is not likely that he proved the theorem.

Pythagoras’ cosmos was developed in a more scientific and mathematical direction by his successors in the Pythagorean tradition, Philolaus and Archytas. Pythagoras succeeded in promulgating a new more optimistic view of the fate of the soul after death and in founding a way of life that was attractive for its rigor and discipline and that drew to him numerous devoted followers.


1. The Pythagorean Question

What were the beliefs and practices of the historical Pythagoras? This apparently simple question has become the daunting Pythagorean question for several reasons. First, Pythagoras himself wrote nothing, so our knowledge of Pythagoras’ views is entirely derived from the reports of others. Second, there was no extensive or authoritative contemporary account of Pythagoras. No one did for Pythagoras what Plato and Xenophon did for Socrates. Third, only fragments of the first detailed accounts of Pythagoras, written about 150 years after his death, have survived. Fourth, it is clear that these accounts disagreed with one another on significant points. These four points would already make the problem of determining Pythagoras’ philosophical beliefs more difficult than determining those of almost any other ancient philosopher, but a fifth factor complicates matters even more. By the third century CE, when the first detailed accounts of Pythagoras that survive intact were written, Pythagoras had come to be regarded, in some circles, as the master philosopher, from whom all that was true in the Greek philosophical tradition derived. By the end of the first century BCE, a large collection of books had been forged in the name of Pythagoras and other early Pythagoreans, which purported to be the original Pythagorean texts from which Plato and Aristotle derived their most important ideas. A treatise forged in the name of Timaeus of Locri was the supposed model for Plato’s Timaeus, just as forged treatises assigned to Archytas were the supposed model for Aristotle’s Categories. Pythagoras himself was widely presented as having anticipated Plato’s later metaphysics, in which the one and the indefinite dyad are first principles. Thus, not only is the earliest evidence for Pythagoras’ views meager and contradictory, it is overshadowed by the hagiographical presentation of Pythagoras, which became dominant in late antiquity. Given these circumstances, the only reliable approach to answering the Pythagorean question is to start with the earliest evidence, which is independent of the later attempts to glorify Pythagoras, and to use the picture of Pythagoras which emerges from this early evidence as the standard against which to evaluate what can be accepted and what must be rejected in the later tradition. Following such an approach, Walter Burkert, in his epoch-making book (1972a), revolutionized our understanding of the Pythagorean question, and all modern scholarship on Pythagoras, including this article, stands on his shoulders. For a detailed discussion of the source problems that generate the Pythagorean Question see 2. Sources, below.

2. Sources

2.1 Chronological Chart of Sources for Pythagoras

300 CE Iamblichus
(ca. 245–325 CE)
On the Pythagorean Life (extant)
Porphyry
(234–ca. 305 CE)
Life of Pythagoras (extant)
Diogenes Laertius
(ca. 200–250 CE)
Life of Pythagoras (extant)
200 CE Sextus Empiricus
(circa 200 CE)
(summaries of Pythagoras’ philosophy in Adversus Mathematicos [Against the Theoreticians], cited below as M.)
100 CE Nicomachus
(ca. 50–150 CE)
Introduction to Arithmetic (extant), Life of Pythagoras (fragments quoted in Iamblichus etc.)
Apollonius of Tyana
(died ca. 97 CE)
Life of Pythagoras (fragments quoted in Iamblichus etc.)
Moderatus of Gades
(50–100)
Lectures on Pythagoreanism (fragments quoted in Porphyry)
Aetius
(first century CE)
Opinions of the Philosophers (reconstructed by H. Diels from pseudo-Plutarch, Opinions of the Philosophers [2nd CE] and Stobaeus, Selections [5th CE])
Pseudo-Pythagorean texts
forged
(starting as early as 300 BCE but most common in the first century BCE)
100 BCE Alexander Polyhistor
(b. 105 BCE)
his excerpts of the Pythagorean Memoirs are quoted by Diogenes Laertius
200 BCE Pythagorean Memoirs
(200 BCE)
(sections quoted in Diogenes Laertius)
300 BCE Timaeus of Tauromenium
350–260 BCE)
(historian of Sicily)
Academy Heraclides
(ca. 380–310)
Xenocrates
(ca. 396–314)
Speusippus
(ca. 410–339)
Lyceum
Dicaearchus
(ca.370–300)
Aristoxenus
(ca. 370–300)
Eudemus
(ca.370–300)
Theophrastus
(372–288)

Aristotle
(384–322)

400 BCE Plato
(427–347)
500 BCE Pythagoras
(570–490)


4.2 Pythagoras as a Wonder-worker
Some have wanted to relegate the more miraculous features of Pythagoras’ persona to the later tradition, but these characteristics figure prominently in the earliest evidence and are thus central to understanding Pythagoras. Aristotle emphasized his superhuman nature in the following ways: there was a story that Pythagoras had a golden thigh (a sign of divinity); the people of Croton called him the Hyperborean Apollo (one of the god Apollo’s manifestations); the Pythagoreans taught that “of rational beings, one sort is divine, one is human, and another such as Pythagoras” (Iamblichus, VP 31); Pythagoras was seen on the same day at the same time in both Metapontum and Croton; he killed a deadly snake by biting it; as he was crossing a river it spoke to him (all citations are from Aristotle, Fr. 191, unless otherwise noted). There is a clear parallel for these remarkable abilities in the later figure of Empedocles, who promises to teach his pupils to control the winds and bring the dead back to life (Fr. 111). There are recognizable traces of this tradition about Pythagoras even in the pre-Aristotelian evidence, and his wonder-working clearly evoked diametrically opposed reactions. Heraclitus’ description of Pythagoras as “the chief of the charlatans” (Fr. 81) and of his wisdom as “fraudulent art” (Fr. 129) is most easily understood as an unsympathetic reference to his miracles. Empedocles, on the other hand, is clearly sympathetic to Pythagoras, when he describes him as “ a man who knew remarkable things” and who “possessed the greatest wealth of intelligence” and again probably makes reference to his wonder-working by calling him “accomplished in all sorts of wise deeds” (Fr. 129). In Herodotus’ report, Zalmoxis, whom some of the Greeks identified as the slave and pupil of Pythagoras, tried to gain authority for his teachings about the fate of the soul by claiming to have journeyed to the next world (IV. 95). The skeptical tradition represented in Herodotus’ report treats this as a ruse on Zalmoxis’ part; he had not journeyed to the next world but had in reality hidden in an underground dwelling for three years. Similarly Pythagoras may have claimed authority for his teachings concerning the fate of our soul on the basis of his remarkable abilities and experiences, and there is some evidence that he too claimed to have journeyed to the underworld and that this journey may have been transferred from Pythagoras to Zalmoxis (Burkert 1972a,154 ff.).

Cosmologia do Leite

Visualizing Cosmological Concepts Using the Analog of a Hot Liquid

E. Yusofi, M. Mohsenzadeh
(Submitted on 26 Jun 2010)

We have used the expansion process of hot milk, which has similarities with the cosmic expansion, to facilitate easier and better visualization and teaching of cosmological concepts. Observations of the milk are used to illustrate phenomena related to the Planck era, the standard hot big bang model, cosmic inflation, problems with the formation of structure, and other subjects. This innovative and easily implemented demonstration can enhance the learning of cosmological concepts.

Comments: 12 pages, 5 figures
Subjects: Popular Physics (physics.pop-ph); Cosmology and Extragalactic Astrophysics (astro-ph.CO)
Journal reference: AER(Astronomical Education Review),2010
Cite as: arXiv:1006.5159v1 [physics.pop-ph]

BBC – The Story of Science (2010) – partes 5 e 6

O grupo de alunos da Sociedade Racionalista USP convida:

Documentário em seis partes sobre como o avanço do conhecimento científico está entrelaçado com o caminho histórico da sociedade
Parte 5: What is the secret of life?
Parte 6: Who are we?
Legendas em Português
Data: dia 01 de Julho às 18 horas
Local: Anfiteatro Lucien Lison (Bloco Didático da FFCLRP USP)
Entrada franca
Site da Sociedade Racionalista USP:http://racionalistasusp.wordpress.com/

Acho que vamos ter que ensinar Mecânica Quântica para Biólogos…

Quantum Entanglement Holds DNA Together, Say Physicists

Posted: 27 Jun 2010 09:10 PM PDT

A new theoretical model suggests that quantum entanglement helps prevent the molecules of life from breaking apart

There was a time, not so long ago, when biologists swore black and blue that quantum mechanics could play no role in the hot, wet systems of life.

Since then, the discipline of quantum biology has emerged as one of the most exciting new fields in science. It’s beginning to look as if quantum effects are crucial in a number of biological processes, such as photosynthesis and avian navigation which we’ve looked at here and here.

Now a group of physicists say that the weird laws of quantum mechanics may be more important for life than biologists could ever have imagined. Their new idea is that DNA is held together by quantum entanglement.

That’s worth picking apart in more detail. Entanglement is the weird quantum process in which a single wavefunction describes two separate objects. When this happens, these objects effectively share the same existence, no matter how far apart they might be.

The question that Elisabeth Rieper at the National University of Singapore and a couple of buddies have asked is what role might entanglement play in DNA. To find out, they’ve constructed a simplified theoretical model of DNA in which each nucleotide consists of a cloud of electrons around a central positive nucleus. This negative cloud can move relative to the nucleus, creating a dipole. And the movement of the cloud back and forth is a harmonic oscillator.

When the nucleotides bond to form a base, these clouds must oscillate in opposite directions to ensure the stability of the stucture.

Rieper and co ask what happens to these oscillations, or phonons as physicists call them, when the base pairs are stacked in a double helix.

Phonons are quantum objects, meaning they can exist in a superposition of states and become entangled, just like other quantum objects.

To start with, Rieper and co imagine the helix without any effect from outside heat. “Clearly the chain of coupled harmonic oscillators is entangled at zero temperature,” they say. They then go on to show that the entanglement can also exist at room temperature.

That’s possible because phonons have a wavelength which is similar in size to a DNA helix and this allows standing waves to form, a phenomenon known as phonon trapping. When this happens, the phonons cannot easily escape. A similar kind of phonon trapping is known to cause problems in silicon structures of the same size.

That would be of little significance if it had no overall effect on the helix. But the model developed by Rieper and co suggests that the effect is profound.

Although each nucleotide in a base pair is oscillating in opposite directions, this occurs as a superposition of states, so that the overall movement of the helix is zero. In a purely classical model, however, this cannot happen, in which case the helix would vibrate and shake itself apart.

So in this sense, these quantum effects are responsible for holding DNA together.

The question of course is how to prove this. They say that one line of evidence is that a purely classical analysis of the energy required to hold DNA together does not add up. However, their quantum model plugs the gap. That’s interesting but they’ll need to come up with something experimentally convincing to persuade biologists of these ideas.

One tantalising suggestion at the end of their paper is that the entanglement may have an influence on the way that information is read off a strand of DNA and that it may be possible to exploit this experimentally. Just how, they don’t say.

Speculative but potentially explosive work.

Ref: arxiv.org/abs/1006.4053: The Relevance Of Continuous Variable Entanglement In DNA

Metáforas científicas (3)


Acho que essa versão 3 é a (quase) definitiva:

Scientific Metaphors in the journalistic discourse

(Submitted on 6 Jun 2010 (v1), last revised 23 Jun 2010 (this version, v3))

Scientific education and divulgation not only amplify people’s vocabulary and repertory of scientific concepts but, at the same time, promote the diffusion of certain conceptual and cognitive metaphors. Here we make some hypothesis about this process, proposing a classification in terms of visible, invisible, basic and derived metaphors. We focus our attention in contemporary and classical physics metaphors applied to psychological and socio-economical phenomena, and we study two exemplar cases through an exhaustive exam of the online content of large Brazilian journalistic portals. Finally, we present implications and suggestions from the cognitive metaphor theory for the scientific education and divulgation process.

Comments: In portuguese, 20 pages, 2 figures, new version submitted to RBEF
Subjects: History of Physics (physics.hist-ph); Physics Education (physics.ed-ph); Popular Physics (physics.pop-ph); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:1006.1128v3 [physics.hist-ph]

Força magnética entre dois condutores paralelos