Home // Posts tagged "swine flu"

Pânico ajuda a evitar epidemias

the physics arXiv blog
How Media Reports Influence Pandemics
Posted: 01 Jul 2010 09:10 PM PDT
Up-to-data media reports about the way an infectious disease is spreading could dramatically reduce the severity of an outbreak, according to a new mathematical model
The widespread fear that various pandemics are set to devastate the human race has led to another kind of outbreak: a rash of models predicting how various diseases will spread through society.
These models are valuable. They allow governments to estimate how badly their society will be influenced and to make emergency plans accordingly. They also allow authorities to test the efficacy of various strategies for controlling an outbreak, such as restricting travel and closing down social meeting places like restaurants and schools.
Now Anna Mummert at Marshall University and Howard Weiss at Georgia Tech examine the effectiveness of another tool: the media. They point out that announcements in the media have a powerful effect on the behaviour of individuals. During the 2003 SARS outbreak, for example, the US Centre for Disease Control and Prevention recommended that travel to SARS infected areas should be restricted. The announcement was widely reported in the media and the number of travellers to these areas dropped dramatically.
At the same time, a rumour spread through New York city that a restaurant worker in Chinatown had died from the disease, a rumour that was also covered by various media outlets. The rumour turned out to be false but that didn’t stop the numbers of visitors to Chinatown also dropping dramatically.
Mummert and Weiss argue that these kinds of media reports cause people to “self-isolate”: to not travel, to wear face masks and reduce their exposure to crowds. And that can have a significant effect on the progress of a disease.
To test their hypothesis, they simulated the effect of an outbreak of Ebola fever in the West Virginia town of Huntington which has a population of 50,000. They used a standard model which counts the number of susceptible and infected individuals and the number of “removed” individuals, those that either die or recover and become immune, and models the rate at which people jump from one pool to another.
They also add one additional assumption to this model: that the number of individuals who self-isolate increases with the number of infections reported by the media.
So the idea is that public health agencies constantly update the media about the number of infections, which then immediately pass on the information to the general population.
When that happens, the result is a dramatic decrease in the severity of the outbreak. And the more up-to-date the information, the greater this effect.
The reason for the decrease in severity is that self isolation effectively makes people immune because they cannot get the disease. Mathematically, they get transferred from the “susceptible” to the “removed” pool, without passing through the infected stage.
The researchers compared this to the situation in which the news is held back, or delayed by a few crucial hours or days. In this case the decrease in severity is not nearly so dramatic
“We conclude that the best policy for limiting infectious disease outbreaks is to get the news out loud and quickly,” says Mummert and Weiss.
That’s certainly a worthy conclusion, not least because the public deserves to know what’s going on.
But the role of self isolation needs to be studied in much greater depth before its true value can be gauged. For a start, the assumption that a self isolated individual is no longer susceptible may not be strictly true. That individual can still become infected later, when necessity requires a trip to the supermarket, for example.
Neither do Mummert and Weiss gauge the effect of rumours that turn out to be untrue. If these cause people to become unnecessarily self isolated, then that could have important consequences. One of these might be that people are less likely to self isolate the next time they hear a rumour, whether true or not. In that case, media reports of rumours that turn out to be untrue could make future outbreaks more severe.
Interesting stuff but clearly, there’s more work to be done.
Ref: arxiv.org/abs/1006.5028: Get the News Out Loudly and Quickly: Modeling The Influence of the Media on Limiting Infectious Disease Outbreaks

A gripe suína veio para ficar

Chineses apresentam nova genética da gripe suína

Pesquisadores identificaram mutações em oito genes do H1N1 que podem, eventualmente, contaminar seres humanos

Thiago André, especial para o iG | 17/06/2010 16:33

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A

Foto: Getty Images

Porco é alimentado em fazenda de Hong Kong: vigilância para evitar uma nova variação do H1N1

A vigilância global de suínos deve ser intensificada por conta de uma suposta reorganização dos genes do vírus influenza A (H1N1), causador da gripe suína, em animais de um matadouro na China. A recomendação, em artigo publicado na revista Science, é de um grupo de cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Hong Kong e do Instituto Internacional de Infecção e Imunidade, na cidade de Shantou.

Durante o monitoramento de porcos em um matadouro de Hong Kong, os pesquisadores verificaram, em janeiro deste ano, a existência de um novo rearranjo genético do H1N1: as análises confirmam que o vírus é uma variação do causador da pandemia em 2009. Para facilitar a identificação da suposta nova cepa caso ela venha, eventualmente, a contaminar seres humanos, os chineses caracterizaram oitos genes do vírus que teriam apresentando mutações.

Segundo o estudo, nos últimos dez anos três grandes linhagens do vírus Influenza são prevalentes em suínos, conhecidas como “classical swine H1N1” (CS), “european avian-like H1N1″ (EA), e “triple-reassortant H1N2” (TRIG). A partir dessas linhagens, os cientistas chineses descreveram o novo rearranjo de oito genes do vírus.

“Nossos resultados mostram que, desde em 2009, a introdução do vírus H1N1 em suínos tem proporcionado muitas possibilidades de rearranjo genético. Outros vírus, entre os quais H5N1 e H9N2, também têm sido ocasionalmente isoladas de suínos na Ásia, o que abre novas possibilidades para a adaptação de novos genes da gripe aviária em mamíferos”, apontam os pesquisadores.

Gripe Suína: editorial da Nature

Editorial

Nature 463, 135-136 (14 January 2010) doi:10.1038/463135b;

Published online 13 January 2010

Lessons from a pandemic

It is time to assess what worked, and what didn’t, in the global efforts to cope with swine flu.

The world’s response to the H1N1 flu pandemic over the past ten months suggests that the lessons learned from dealing with severe acute respiratory syndrome (SARS) and the threat of H5N1 avian flu have paid off. Researchers worldwide freely shared and published data covering the genetics, virology and epidemiology of the H1N1 virus in almost real time.

Most national and international health agencies reacted swiftly and generally communicated openly with the media and the public. But the response also revealed serious weaknesses. The sobering fact is that humans were lucky with this pandemic. Most cases have been mild, yet health services were still often stretched to capacity. And the fact that vaccines were too few, too late, would have been catastrophic if the virus had been more lethal.
Health authorities in Mexico deserve credit for promptly alerting the world to the first outbreaks and acting to slow the spread of the disease, despite clear economic impacts from lost tourism and closed businesses. The transparency of the US Centers for Disease Control and Prevention (CDC) in Atlanta, Georgia, also deserves recognition. The agency’s open sharing of data helped set the tone of the international response. Such moves gave other nations a head start in reinforcing surveillance efforts and trying to slow the initial spread of the virus to win time for a vaccine to be prepared.

More waves of H1N1 flu will come, but its health impact will diminish as more people obtain natural immunity. Public-health officials around the globe can take some comfort in the fact that, for now, the virus seems less deadly than they had feared. They can also take pride in having struck a good balance between uncertainty, taking action and minimizing economic impacts and social disruption. Informing the public about the nature and severity of the disease was a tremendous challenge — especially when it came to explaining the uncertainties surrounding the severity, epidemiology and pathology of the virus.

In the United States, the initial communications were overseen in large part by Richard Besser, acting director of the CDC at the time (see page 150). It was a challenge he and the agency rose to admirably. The news media and flu bloggers also generally responded well. Despite their well-known fascination with worse-case scenarios, mainstream news outlets for the most part did a good job of not sensationalizing the threat, and of debunking individuals and organizations looking to sow unfounded doubts about vaccine safety and the necessity of a robust public-health response.

Unfortunately, official efforts to build trust in the pandemic response were not helped by overly optimistic predictions of how much and how quickly vaccines would be available. This underscores a significant technological deficiency: the reliance on a small number of suppliers, with almost all vaccines made by growing the virus in eggs, a process that takes around six months to get shots into production. The spread of H1N1 flu around the world in a matter of weeks highlights the need to develop novel vaccines, which would a provide quicker turnaround, and for government incentives to encourage manufacturers to move away from egg-based production.

Analysis of the H1N1 virus suggests that this new strain had been circulating in pigs for almost a decade, and probably jumped to humans months before it was detected in Mexico. That it was not spotted earlier is unacceptable. Public- and animal-health communities need to help increase surveillance for emerging diseases with pandemic potential. The danger now is that last year’s relatively mild pandemic will create a false sense of security and complacency. The reality is that next time we might not be so lucky — especially given that this time most of the world’s population, living as they do in developing countries, had no access to either vaccines or antiviral drugs. Governments and scientists would do well to redouble efforts to reinforce our pandemic defences, and to draw what lessons they can from this outbreak as a dry run for a more severe pandemic.

Gripe suína mata em Ribeirão Preto?

Adolescente de 16 anos morre com suspeita de gripe suína

Ele foi atendido na UBDS Sumarezinho e Santa Casa; secretaria diz que morte foi causada por hemorragia pulmonar interna

Da reportagem

Tamanho da LetraA-A+

Um adolescente de 16 anos morreu nesta terça-feira (25) à noite, em Ribeirão Preto, com suspeita de gripe suína – a H1N1. O adolescente é morador do bairro Jardim Paiva e morreu em casa.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde, o menino foi atendido na UBDS Sumarezinho, na última segunda-feira, e também na Santa Casa, nesta terça-feira. Em ambos hospitais, ele foi liberado.

Ainda de acordo com a assessoria, o adolescente morreu vítima de hemorragia pulmonar interna. Quatro tipo de doenças serão investigadas: dengue, H1N1, hantavirose e leptospirose.

O exame de dengue será feito pela USP de Ribeirão e deve sair em, no máximo, dois dias. Já o exame para identificar uma das outras três doenças será feito pelo instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, sem previsão para divulgação do resultado.

A principal diferença entre gripe suína e gripe comum

15/01/10 – 16h27 – Atualizado em 15/01/10 – 17h03

EUA estimam que nova gripe adoeceu 39 milhões a 80 milhões de americanos

Números referem-se ao período entre abril e 12 de dezembro de 2009.
Hospitalizações causadas pelo vírus H1N1 foram 173 mil a 362 mil.

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou nesta sexta-feira (15) seu boletim de avaliação do quadro epidemiológico da nova gripe. O órgão estimou que o vírus H1N1 adoeceu entre 39 milhões a 80 milhões de americanos e levou a 173 mil a 362 mil hospitalizações. O total de mortes causadas pela influenza foi de no mínimo 7.880 e no máximo 16.460.

O boletim do CDC confirma que pessoas com menos de 65 anos são mais gravemente afetadas pela doença. Cerca de 90% das hospitalizações estimadas e 88% das mortes foram de americanos com menos de 65 anos. No caso da gripe comum, a situação é inversa: 60% das hospitalizações e 90% das mortes são de pessoas com 65 anos de idade ou mais.


Referencia para o paper da Ariadne:


Scaling in the Global Spreading Patterns of Pandemic Influenza A and the Role of Control: Empirical Statistics and Modeling

Xiao-Pu Han, Bing-Hong Wang, Chang-Song Zhou, Tao Zhou, Jun-Fang Zhu
(Submitted on 8 Dec 2009)

The pandemic of influenza A (H1N1) is a serious on-going global public crisis. Understanding its spreading dynamics is of fundamental importance for both public health and scientific researches. In this paper, we investigate the spreading patterns of influenza A and find the Zipf’s law of the distributions of confirmed cases in different levels. Similar scaling properties are also observed for severe acute respiratory syndrome (SARS) and bird cases of avian influenza (H5N1). To explore the underlying mechanism, a model considering the control effects on both the local growth and transregional transmission is proposed, which shows that the strong control effects are responsible for the scaling properties. Although strict control measures for interregional travelers are helpful to delay the outbreak in the regions without local cases, our analysis suggests that the focus should be turned to local prevention after the outbreak of local cases. This work provides not only a deeper understanding of the generic mechanisms underlying the spread of infectious diseases, but also an indispensable tool to decision makers to adopt suitable control strategies.

Comments: 13 pages, 16figures
Subjects: Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:0912.1390v1 [physics.soc-ph]

Gripe Suína: Picos epidêmicos no BlogPulse

É possivel ser reinfectado pela Gripe Suína?

(Se quiser ler, clique na figura para aumentá-la)
Nos modelos epidêmicos tipo SIRS é comum assumir que o estado R equivale a um estado refratário absoluto. Mas é possível que o mesmo seja relativo, e que a reinfecção possa ocorrer nesse período. Verificar se isso têm consequências para o modelo da Ariadne…

Três chilenos são infectados duas vezes pela gripe suína

O vírus da gripe suína infectou duas vezes o mesmo paciente, como comprovou o Centro Clínico da Universidade Católica do Chile, onde foram registrados três casos com estas características.

Uma adolescente de 14 anos, uma mulher de 62 e um homem de 38 que já haviam contraído a doença novamente foram contaminados, de acordo com os especialistas Carlos Pérez, Marcela Flores e Jaime Labarca.

Nos três episódios, os doentes receberam tratamento com antiviral, após o contágio pela primeira vez e se recuperaram por completo, mas posteriormente voltaram a contrair o vírus, o que foi comprovado com os exames de PCR (Reação em Cadeia pela Polimerase), uma técnica avançada de biologia molecular.

No caso da adolescente, ela contraiu a doença 20 dias depois de receber alta, já a mulher adulta sentiu os sintomas passados 14 dias e o homem 18 dias mais tarde.

Os casos foram notificados ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que decidiu incluí-los na primeira edição de 2010 da revista especializada “Emerging Infectius Diseases”.

Em declarações ao jornal “La Nación”, o médico Carlos Pérez, um pelos responsáveis pela pesquisa, disse que os casos de uma nova contaminação por gripe, em qualquer de suas variantes, não são frequentes, por isso que este episódio servirá para os médicos não descartarem uma recaída em pessoas infectadas pelo vírus H1N1.

Esta situação serve de alerta ainda sobre a importância das pessoas que já contraíram a doença serem vacinadas, porque não têm garantida sua imunidade, acrescentou.

Segundo Pérez, estes foram os primeiros casos de recontágio de gripe notificados no mundo e até agora não se sabe a causa dos doentes terem contraído duas vezes a doença.

Gripe suína, analogias e novas idéias…

Isso poderia ser adaptado para o trabalho do Mairon onde os pulsos seriam radioterápicos?


How to Halt Disease with Limited Vaccine

Posted: 05 Jan 2010 09:10 PM PST

A new vaccination strategy can eliminate a disease with limited amounts of vaccine. But get the timing wrong and the disease could spread even faster

When you have a limited amount of vaccine, what’s the best way to use it to halt the spread of disease? That’s more than an academic question. A good vaccination strategy saves time, money and, of course, lives.

One line of thought is that to wipe out a disease, as many individuals as possible ought to be vaccinated. This eliminates the disease by brute force.

But today, Michael Khasin at Michigan State University in East Lansing and a couple of buddies suggest another strategy. They say that the timing of the vaccination is important too. In fact, it is possible to speed up the eradication of the disease with a series of periodic vaccination “bursts”. So when the amount of vaccine is limited, this is the best strategy.

The problem is that in large populations, disease dynamics can lead to a state in which a fraction of the population stays infected for a long time.

That’s just the result of the randomness of processes of infection, re-infection, the rate of recovery and the death rate (which epidemiologists euphemistically call the “removal rate”). This low level of “noise” keeps the residual infection ticking over.

However, bigger fluctuations can wipe out the disease entirely. That’s how vaccination works: it causes a big change in the rate of infection which leads to an exponential increase in the disease extinction rate.

What Khasin and co have done is show that the optimal vaccination protocol is a series of vaccine spikes and that this approach is model independent; ie it should work for any disease.

One problem, however, is that the effect depends strongly on the period of the vaccination pulses. Get this right and the extinction rate of the disease rises exponentially. Khasin and co say there is a kind of resonance effect when the vaccine pulse sequence is close to the characteristic period of oscillations of the disease itself.

But this works both ways. Get the period wrong and you can actually reduce the disease extinction rate. In that case, you can worsen the outbreak.

Nevertheless, this is potentially important work. Vaccines are often in short supply, perhaps because they are expensive, dangerous to store in large amounts, as in the case of anthrax, or have a limited shelf life because the infectious agent regularly mutates as it does for flu.

It may also help lead to a more equitable distribution of vaccines. When scientists developed a vaccine for swine flu last year, the initial thinking was that individuals would need two shots to be properly inoculated. Rich western countries scrambled to buy in enough of the stuff to treat their own populations.

Later, it emerged that one shot should be sufficient, leaving many countries with huge stockpiles which they are currently selling off at bargain rates to developing countries.

Perhaps more efficient vaccination strategies could allow a fairer distribution from the start.

Ref:arxiv.org/abs/1001.0170: Speeding Up Disease Extinction With a Limited Amount of Vaccine

Meu comentário sobre as previsões do Rainha Vermelha para gripe suína

Átila do blog Rainha Vermelha fez suas “previsões” para a gripe suína em 2010. Coloquei o seguinte comentário no post:

Ótimas previsões. Precisariamos agora considerar se a concentração populacional (na 25 de março e no metro, por exemplo) e os transportes aéreos, não conhecidos em 1918, poderiam compensar a questão da I Guerra e da falta de antibióticos.


Afinal, se a causa de morte principal é pneumonia viral (e não pneumonia bacteriana), então antibióticos são inúteis. Além disso, a gripe de 1918 matou no mundo todo, enquanto que o conflito basicamente se deu na Europa.

Assim, enquanto possibilidade teórica, imagino que uma onda de gripe suína mutante com letalidade de 1% não seja tão implausível assim. A questão seria: em um mundo hipertecnológico e interconectado como o nosso, qual seria o impacto social e econômico de uma gripe com letalidade de 1% ? Em especial, qual seria o impacto sobre o sistema de saúde brasileiro?


Acho que isso seria um bom trabalho para estatísticos (esses parentes “sérios” dos astrólogos e advinhos…)

PS: Você conhece alguma teoria sobre por que um aumento de letalidade poderia ser bom para a disseminação de um vírus? Será que o aumento da letalidade é apenas um epifenomeno de um aumento do período de transmissão T (ou seja, uma pessoa em um estado mais grave transmitiria o virus por mais tempo), e é o parâmetro T que seria maximizado durante subsequentes ondas epidêmicas?

Uma coisa interessante daquele estudo recente dos chineses é que T pode durar até 17 dias [não sei se transmissão equivale a deteção por teste de RT-PCR, mas arrisco aqui, me corrijam por favor], ou seja, a variância é grande. Será que existe correlação positiva entre T e a gravidade da infecção nos pulmões?


ABSTRACT

Background The first case of 2009 pandemic influenza A (H1N1) virus infection in China was documented on May 10. Subsequently, persons with suspected cases of infection and contacts of those with suspected infection were tested. Persons in whom infection was confirmed were hospitalized and quarantined, and some of them were closely observed for the purpose of investigating the nature and duration of the disease.

Methods During May and June 2009, we observed 426 persons infected with the 2009 pandemic influenza A (H1N1) virus who were quarantined in 61 hospitals in 20 provinces. Real-time reverse-transcriptase–polymerase-chain-reaction (RT-PCR) testing was used to confirm infection, the clinical features of the disease were closely monitored, and 254 patients were treated with oseltamivir within 48 hours after the onset of disease.

Results The mean age of the 426 patients was 23.4 years, and 53.8% were male. The diagnosis was made at ports of entry (in 32.9% of the patients), during quarantine (20.2%), and in the hospital (46.9%). The median incubation period of the virus was 2 days (range, 1 to 7). The most common symptoms were fever (in 67.4% of the patients) and cough (69.5%). The incidence of diarrhea was 2.8%, and the incidence of nausea and vomiting was 1.9%. Lymphopenia, which was common in both adults (68.1%) and children (92.3%), typically occurred on day 2 (range, 1 to 3) and resolved by day 7 (range, 6 to 9). Hypokalemia was observed in 25.4% of the patients. Duration of fever was typically 3 days (range, 1 to 11). The median length of time during which patients had positive real-time RT-PCR test results was 6 days (range, 1 to 17). Independent risk factors for prolonged real-time RT-PCR positivity included an age of less than 14 years, male sex, and a delay from the onset of symptoms to treatment with oseltamivir of more than 48 hours.

Conclusions Surveillance of the 2009 H1N1 virus in China shows that the majority of those infected have a mild illness. The typical period during which the virus can be detected with the use of real-time RT-PCR is 6 days (whether or not fever is present). The duration of infection may be shortened if oseltamivir is administered.

Autópsias mostram que H1N1 lesiona o pulmão

SÃO PAULO – Os resultados das primeiras autópsias de brasileiros que morreram por causa da gripe suína mostram um cenário de danos ao organismo que remonta às epidemias de influenza de 1918, 1954 e 1968: destruição dos alvéolos pulmonares, hemorragia alveolar, inflamação necrótica dos bronquíolos e sinais de falência múltipla dos órgãos. Os exames indicam também ter havido uma resposta exagerada do sistema imunológico contra o vírus, o que acabou por prejudicar os pulmões das vítimas.


No trabalho inédito de análise dos tecidos de 21 pessoas mortas pelo H1N1, cientistas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) apontam ainda que os piores danos pulmonares ocorreram na única paciente grávida analisada, o que confirma a importância da priorização dada a essas pacientes durante a epidemia.
O estudo foi publicado em outubro na revista científica “American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine” e é um dos primeiros a revelar o resultado de autópsias de vítimas da nova gripe. “Em um cenário em que poucas autópsias foram realizadas, o estudo demonstra a extrema utilidade do procedimento (…) para o conhecimento da nova doença”, afirmam os autores do trabalho, liderados por Thais Mauad. “Mostramos que o pulmão é o órgão mais afetado, o que não é diferente das outras pandemias.”
Além disso, explica a pesquisadora, em alguns pacientes ficou demonstrado que o corpo, sem conseguir combater eficazmente o agente patogênico, tenta conter a replicação viral com um “armamento” imunológico tão pesado que acaba por lesionar os próprios pulmões.
Segundo o trabalho, os mortos pela gripe suína tinham em média 34 anos e eram em maioria homens. Além disso, 76% tinham comorbidades – problemas crônicos, como doenças cardíacas -, o que confirma que a infecção nesse público é muito perigosa. Os sintomas mais comuns foram falta de ar e febre, o que também condiz com as definições oficiais de casos graves. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Lung Pathology in Fatal Novel Human Influenza A (H1N1) Infection

Thais Mauad1, Ludhmila A. Hajjar2, Giovanna D. Callegari1,Luiz F. F. da Silva1, Denise Schout3, Filomena R. B. G. Galas2,Venancio A. F. Alves1, Denise M. A. C. Malheiros1,Jose O. C. Auler, Jr.2, Aurea F. Ferreira1,Marcela R. L. Borsato1, Stephania M. Bezerra1,Paulo S. Gutierrez4, Elia T. E. G. Caldini1,Carlos A. Pasqualucci1,5, Marisa Dolhnikoff1 andPaulo H. N. Saldiva1

1 Department of Pathology, 2 Department of Anesthesiology, 3 Department of Preventive Medicine, Epidemiology Service, Hospital das Clínicas, 4 Laboratory of Pathology—Heart Institute, Hospital das Clínicas, and 5 Autopsy Service of Sao Paulo City, São Paulo University, São Paulo, Brazil

Correspondence and requests for reprints should be addressed to Thais Mauad M.D., Ph.D., Department of Pathology, São Paulo University Medical School, Av. Dr. Arnaldo, 455 room 1155, CEP 01246-903 São Paulo SP, Brazil. E-mail: [email protected]

Rationale: There are no reports of the systemic human pathology of the novel swine H1N1 influenza (S-OIV) infection.

Objectives: The autopsy findings of 21 Brazilian patients with confirmed S-OIV infection are presented. These patients died in the winter of the southern hemisphere 2009 pandemic, with acute respiratory failure.

Methods: Lung tissue was submitted to virologic and bacteriologic analysis with real-time reverse transcriptase polymerase chain reaction and electron microscopy. Expression of toll-like receptor (TLR)-3, IFN-{gamma}, tumor necrosis factor-{alpha}, CD8+ T cells and granzyme B+ cells in the lungs was investigated by immunohistochemistry.

Measurements and Main Results: Patients were aged from 1 to 68 years (72% between 30 and 59 yr) and 12 were male. Sixteen patients had preexisting medical conditions. Diffuse alveolar damage was present in 20 individuals. In six patients, diffuse alveolar damage was associated with necrotizing bronchiolitis and in five with extensive hemorrhage. There was also a cytopathic effect in the bronchial and alveolar epithelial cells, as well as necrosis, epithelial hyperplasia, and squamous metaplasia of the large airways. There was marked expression of TLR-3 and IFN-{gamma} and a large number of CD8+ T cells and granzyme B+ cells within the lung tissue. Changes in other organs were mainly secondary to multiple organ failure.

Conclusions: Autopsies have shown that the main pathological changes associated with S-OIV infection are localized to the lungs, where three distinct histological patterns can be identified. We also show evidence of ongoing pulmonary aberrant immune response. Our results reinforce the usefulness of autopsy in increasing the understanding of the novel human influenza A (H1N1) infection.

Gripe suína favorece José Serra

OK, OK, cada blog com suas idiosincrasias. Enquanto todo mundo fala em COP-15 (que é Conferência das Partes 15 e não Copenhagen-15), Climagate etc (assuntos que provavelmente estarão esquecidos dentro de três meses) eu me adianto na agenda: o blog fala daquilo que será notícia daqui a seis meses.
Até agora, nos EUA, tivemos 50 milhões de casos, 200 mil internações e 10 mil mortos (ver reportagem do NYT aqui) . O Brasil tem mais da metade da população dos EUA, logo teremos após a segunda onda números similares. Eu não consigo acreditar que o nosso sistema de saúde consiga evitar um colapso. Além disso, o Ministério da Saúde está fazendo algumas apostas que podem não se concretizar:
1. A aposta de que a doença não se torne mais letal.
2. A aposta de que o vírus não sofra mutações suficientes para invalidar a atual vacina.
3. A aposta de que haverá vacinas em número suficiente na época certa (o que não ocorreu nos EUA).
4. A aposta de que a segunda onda chegará em meados do inverno (em vez do começo do inverno, como foi nos EUA).
Bom, eu também faço minhas apostas:
1. Aposto que a gripe chega antes do inverno (educated guess baseado em meus modelos computacionais de modelo SIRS com a Ariadne: nas primeiras ondas de um novo vírus, o que determina o intervalo entre dois picos epidêmicos é o período da Bifurcação de Hopf associada à oscilação global na população e não a sazonalidade (forçamento externo) na transmissão.
2. Aposto que o verdadeiro número de óbitos será manipulado estatisticamente em ano eleitoral.
3. Aposto que a jornalista Fernanda do MS vai ficar estafada e pedir demissão no ano que vem.
4. Aposto que a gripe suína vai ser o verdadeiro apagão da Dilma, e que isto irá favorecer muito a candidatura de José Serra (a menos que o atendimento médico em São Paulo se mostre muito defeituoso).

CDC Estimates of 2009 H1N1 Cases and Related Hospitalizations and Deaths from April-November 14, 2009, By Age Group

2009 H1N1

Mid-Level Range*

Estimated Range *

Cases

0-17 years ~16 million ~12 million to ~23 million
18-64 years ~27 million ~19 million to ~38 million
65 years and older ~4 million ~3 million to ~6 million
Cases Total ~47 million ~34 million to ~67 million
Hospitalizations
0-17 years ~71,000 ~51,000 to ~101,000
18-64 years ~121,000 ~87,000 to ~172,000
65 years and older ~21,000 ~15,000 to ~29,000
Hospitalizations Total ~213,000 ~154,000 to ~303,000
Deaths
0-17 years ~1,090 ~790 to ~1,550
18-64 years ~7,450 ~5,360 to ~10,570
65 years and older ~1,280 ~920 to ~1,810
Deaths Total ~9,820 ~7,070 to ~13,930

Gripe suína: dez mil mortes nos EUA


Talvez valesse a pena dar uma olhada nessa metodologia do CDC a fim de ver se poderia ser adaptada para o Brasil.

Deveríamos pelo menos fazer uma estimativa de ordem de grandeza do efeito da segunda onda. Eu proponho o seguinte: embora os EUA, por ser um pais temperado, tenham estações mais marcadas (e portanto estações de gripe melhor definidas), e tenha uma população maior, o efeito da gripe suína no Brasil não será menor, dado que:

a) a taxa de vacinação para o ano que vem será menor;

b) os serviços de saúde, especialmente de UTI, são bem piores;

c) a proporção de jovens e crianças é maior.

PS: Engraçado que os números dos EUA são totalmente compatíveis com as estimativas do plano de enfrentamento da Influenza divulgado pelo Hélio Schwartsman mas renegado pelo Ministério da Saúde e pela própria Folha. Veja sua recente coluna aqui na Folha Online. Será que a Folha não vai dar o braço a torcer para a coragem do Hélio?

Gripe suína já matou 10 mil nos EUA

10/1222:18AFP

A gripe suína já matou cerca de 10 mil pessoas nos Estados Unidos, incluindo 1.100 crianças, desde o início da epidemia provocada pelo vírus H1N1 no país, em abril passado, informou um funcionário da Saúde.

“Até 14 de novembro, morreram muito mais crianças e adultos jovens devido ao H1N1 do que na temporada normal de gripe (influenza)”, disse Thomas Frieden, titular do Centro para Prevenção e Controle de Epidemias (CDC, sigla em inglês). “Estimamos que ocorreram cerca de 50 milhões de casos, a maioria envolvendo adultos jovens e crianças, e mais de 200 mil internações” devido ao H1N1. “Lamentavelmente, houve cerca de 10 mil mortes, incluindo 1.100 crianças e 7.500 adultos jovens”.

2009 H1N1 Flu In The News

December 10, 2009 1:00 PM ET

How many 2009 H1N1 cases, hospitalizations and deaths are estimated to have occurred in the United States?

CDC developed a method to provide an estimated range of the total number of 2009 H1N1 cases, hospitalizations and deaths in the United States by age group using data on flu associated hospitalizations collected through CDC’s Emerging Infections Program. On November 12, 2009 CDC provided the first estimates for April through October 17, 2009 and committed to updating those estimates approximately monthly. On December 10, 2009, CDC issued updated estimates for the numbers of 2009 H1N1 cases, hospitalizations and deaths in the United States since the pandemic started in April 2009 through November 14, 2009.


  • CDC estimates that between 34 million and 67 million cases of 2009 H1N1 occurred between April and November 14, 2009. The mid-level in this range is about 47 million people infected with 2009 H1N1.
  • CDC estimates that between about 154,000 and 303,000 2009 H1N1-related hospitalizations occurred between April and November 14, 2009. The mid-level in this range is about 213,000 H1N1-related hospitalizations.
  • CDC estimates that between about 7,070 and 13,930 2009 H1N1-related deaths occurred between April and November 14, 2009. The mid-level in this range is about 9,820 2009 H1N1-related deaths.

A table showing this data by age group is available. In addition, background information on these estimates and information about the methodology used to generate these estimates also is available on the CDC web site.

Previsões para 2010

Previsões para 2010 baseadas em chutes esclarecidos de um físico estatístico:

1. A segunda onda vai produzir mais óbitos do que a primeira, e vai pressionar o sistema de saúde de maneira mais forte.

2. O problema do Tamiflu continuará indefinido, sem que a Roche reabasteça o mercado farmaceutico brasileiro para que as pessoas possam comprar o produto em vez de depender do governo.

3. A curva epidêmica decolará antes do inverno, e da campanha de vacinação.

4. A segunda onda da gripe suína será um dos principais temas da campanha eleitoral: Serra vai dizer que foi um melhor ministro da saúde que Temporão, e Dilma vai minimizar (e o MS esconder) os números de óbitos e as estatísticas.

5. A gripe suína será o verdadeiro apagão do governo Lula.

A volta da gripe

Hélio Schwartsman, 44, é articulista da Folha. Bacharel em filosofia, publicou “Aquilae Titicans – O Segredo de Avicena – Uma Aventura no Afeganistão” em 2001. Escreve para a Folha Online às quintas.

Como de vez em quando ainda recebo mensagens de leitores me cobrando uma explicação para os 35 milhões de infectados pela gripe suína, conforme texto que elaborei para a edição impressa da Folha, acho que chegou o momento de escrever um “como ficou”, agora que a sétima cavalaria, ou melhor, os CDCs (a vigilância epidemiológica dos EUA), vieram em meu socorro.

Há duas semanas, a agência norte-americana anunciou ter desenvolvido um modelo que permite estimar o número de pessoas que já contraíram o vírus naquele país: no cenário mais benigno, 14 milhões sucumbiram ao novo H1N1; no pior, 34 milhões; o melhor palpite dos CDCs é de 22 milhões, ou 7,34% da população. As contas abarcam o período que vai do aparecimento do vírus, em abril, até 17 de outubro. Como nas seis semanas que se seguiram todas as unidades de vigilância de gripe dos EUA continentais registraram intensa atividade viral –o pico epidêmico parece ter ocorrido na última semana de outubro–, é certo que o saldo final ainda vai subir consideravelmente.

A menos que acreditemos que entre as realizações do presidente Lula encontra-se a blindagem do Brasil contra o vírus da chamada gripe suína, é razoável supor que algo não muito diferente ocorreu por aqui: na melhor hipótese, muitos milhões foram infectados.

Para os que não acompanharam ou não se lembram, em 19 de julho, a Folha publicou umareportagem de minha autoria na qual mencionava a existência de um estudo de 2006 do Ministério da Saúde intitulado “Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza 3ª versão” que propunha diferentes cenários para a próxima pandemia de gripe. De acordo com o modelo estatístico ministerial, entre 35 milhões e 67 milhões de brasileiros seriam afetados pelo vírus pandêmico (de 17,5% a 33,5% da população). De 3 milhões a 16 milhões desenvolveriam algum tipo de complicação e entre 205 mil e 4,4 milhões necessitariam de hospitalização. O texto dizia que o cenário mais benigno parecia ser o mais provável.

Foi um deus-nos-acuda. O Ministério da Saúde renegou o próprio trabalho; o ombudsman da Folha disse que a matéria era o “pior erro jornalístico” ocorrido durante seu mandato; a vanguarda do movimento lulista viu no texto mais uma tentativa de golpe contra o governo do PT; o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou que a reportagem era patética, pois aplicava ao H1N1 parâmetros válidos apenas para o H5N1, a gripe aviária.

Que o ombudsman e o público leigo não saibam bem qual é a dinâmica das gripes e os números típicos de períodos sazonais e pandêmicos, vá lá. O que me chocou foi a reação da burocracia sanitária. É lamentável que, ao menor sinal de contrariedade, o ministério abjure um estudo seu que era, por sinal, anormalmente bem feito. O mesmo vale para o comentário do ministro, que, ou não sabe bem o que é um modelo estático, ou ignora que os dois dados conhecidos para o H5N1 são 0% de taxa de transmissão entre humanos e mais de 60% de letalidade entre os casos contraídos de animais. Se o estudo tivesse de fato utilizado algum dos parâmetros do H5N1, ou não teríamos uma pandemia, ou, para colocar as coisas de modo positivo, o problema ambiental do planeta estaria em vias de resolver-se.

Como que a pôr uma cereja no bolo da desinformação, alguns dias depois da publicação da matéria diferentes lideranças do ministério começaram a dizer que a gripe sazonal mata, no Brasil, todos os anos, 70 mil pessoas. A cifra é tão pandemicamente exagerada que, ato contínuo, escrevi neste espaço uma coluna tentando mostrar que esses número não se sustenta por nenhum critério conhecido.

Bem, voltando ao estudo dos CDCs, além dos 22 milhões de infectados, ele estima que houve nos EUA entre 63 mil e 153 mil hospitalizações, mais provavelmente 98 mil. Já as mortes ficaram entre 2,5 mil e 6,1 mil, com um cenário intermediário de 3,9 mil. A faixa etária mais atingida é, como já se esperava, a dos jovens. Os óbitos pediátricos (menores de 18 anos) associados à gripe, que em períodos não pandêmicos ficam entre 60 e 80, já atingiram 540 até aqui.

É cedo para estimar o impacto da nova gripe sobre causas de morte não respiratórias, como as complicações cardiovasculares. Dado que a população mais idosa (e mais sujeita a esses óbitos) tem sido relativamente poupada pelo H1N1, que, de resto, praticamente tirou de circulação os vírus sazonais da influenza, é possível que o saldo final de mortos não se mostre muito mais elevado que o de um ano não pandêmico. No limite, poderíamos até ter uma situação paradoxal, em que o total de óbitos se reduz em relação a um ano típico. É claro que isso seria quase uma ilusão estatística, que desaparece quando se calculam não as mortes, mas os anos de vida perdidos.

Infelizmente, a metodologia dos CDCs não pode ser replicada no Brasil, pois depende de uma estrutura confiável de vigilância laboratorial dos vírus em circulação e de burocracia conscienciosa na contagem das internações hospitalares e suas causas. E, como a primeira passagem da nova gripe bem o demonstrou, nós não temos nem um nem outro.

De toda maneira, não há motivos para acreditar que o H1N1 de origem suína se comporte aqui de maneira muito diferente da registrada nos EUA. Na verdade, poderíamos até esperar que as coisas no Brasil tenham sido um pouco piores, pois enfrentamos o vírus sem vacina e eles conseguiram, nesta segunda fase, imunizar uma parte não desprezível da população.

O fato de a porção setentrional do Brasil ter clima tropical e não temperado é menos importante do que já se supôs. Até alguns anos atrás, acreditava-se que a gripe era um problema menor em países tropicais e subtropicais. Entretanto, estudos realizados principalmente em Hong Kong (que tem um sistema de saúde público bastante sofisticado, com excelente coleta de dados) sugerem que isso não é verdade. As taxas de óbitos associados à gripe ali são muito parecidas com as registradas nos EUA. Trabalhos feitos na Tailândia corroboraram esses dados. Ao que parece, o clima determina o ritmo das infecções (a estação gripal não é bem delineada em lugares quentes), mas pouco afeta o número de pessoas que acabam contaminadas em algum momento do ano. Alguns pesquisadores apostam que é nos trópicos que os vírus da gripe sofrem as mutações que os tornam pandêmicos.

É uma pena que o Ministério da Saúde tenha recaído no padrão de tentar controlar epidemias no grito, não na preparação. Até compreendo que, no momento mais agudo da crise, eles não desejassem nenhuma notícia que pudesse levar alguém a procurar um pronto-socorro. Queriam diminuir a pressão sobre o sistema (que bateu no limite em Estados como SP e RS) e evitar que pessoas não contaminadas acabassem de fato pegando o vírus em visitas inúteis aos hospitais. Só que a melhor maneira de atingir esses legítimos objetivos não é renegando os bons trabalhos científicos realizados (como o modelo estático para pandemias gripais) nem inventando novas e convenientes categorias estatísticas (como os 70 mil mortos). No longo prazo, surtos e governos passam; instituições ficam: vale mais a pena apostar na credibilidade, sem invencionices nem maquiagens. Vale lembrar que em abril, maio deveremos, no Sul e no Sudeste, enfrentar a segunda onda da gripe.

PS – Faço públicos aqui meus agradecimentos ao professor Osame Kinouchi, físico estatístico, livre-docente da USP, por nossas discussões sobre a numeralha do Ministério da Saúde.

Gripe suína: O papel do rearranjo gênico

Tentando responder a pergunta do Cláudio, reproduzo abaixo um ótimo texto doÁtila Iamarino no Influenza A (H1N1) Blog. Fiquei apenas com uma dúvida: Rearranjo é o mesmo que cross-over?

13/11/2009

Diversidade do Influenza e o rearranjo

Escrito por Atila Iamarino

Uma das características mais importantes do Influenza a ser considerada no preparo para pandemias é o rearranjo. Uma mistura de genes de dois ou mais vírus diferentes capaz de gerar uma variedade nova. Como o novo Influenza A (H1N1).

ResearchBlogging.org

Embora as mutações tenham um papel importante na diversidade do Influenza, e contribuam bastante para que tenhamos de desenvolver novas vacinas anualmente, o rearranjo causa uma variação antigênica brusca (antigenic shift) que pode gerar um vírus completamente novo para nosso sistema imune.

O rearranjo é uma decorrência do ciclo do Influenza e de seus 8 genes. Quando o vírus entra na célula, seus genes se replicam no núcleo e saem dele para o citoplasma para poderem ser empacotados. Todos os 8 genes precisam entrar na nova partícula viral formada para que ela seja infectiva. Para isso, cada gene possui uma sequência sinal que interage com a proteína M1, que dá a estrutura da partícula viral. Mas este sinal é parecido mesmo em vírus distintos, e os genes de um podem ser empacotados junto de genes de outro.

rearranjo_

Quando dois Influenzas diferentes entram em uma mesma célula, seus genes podem se rearranjar na formação de novas partículas virais.

Com isso, nos raros eventos – raros em relação à infecções por um só vírus – em que dois Influenza diferentes entram na mesma célula, diferentes mosaicos de genes podem ser formados nas partículas que sairão. A maioria destas combinações não será viável, mas algumas entre as milhares podem ser infecciosas, e uma porcentagem menor ainda pode ser mais infecciosa do que os vírus originais. Este é o rearranjo.

A loteria do rearranjo, onde os genes são embaralhados e sorteados, pode originar linhagens de Influenza muito perigosas. Basta pensar na possibilidade do H5N1 altamente patogênico adquirir genes que o ajudem a se espalhar com mais eficiência, ou no caso do Influenza A (H1N1) adquirir genes que aumentem a gravidade da gripe que ele causa.

É desta forma que o Influenza tem se rearranjado e misturado genes em aves, porcos e humanos. E dado o estrago causado por estas variantes híbridas, este é um evento fundamental no surgimento de linhagens pandêmicas. O rearranjo tem a vantagem de trazer para seu genoma componentes inéditos.

Genes de vírus de mamíferos que já estão otimizados para crescer em uma temperatura corpórea do hospedeiro de cerca de 37°C, contra cerca de 40°C em aves, se misturam com novos HA e NA aviários que não serão nem um pouco reconhecidos pelo anticorpos. Uma mudança muito maior do que as mutações. Os porcos possuem um papel importante aqui. Eles não só convivem entre humanos e aves de criação como possuem ambos os tipos de receptor de membrana. Assim, podem ser infectados com vírus aviários e humanos e fornecer um ambiente com condições para que o híbrido se adapte ao nosso metabolismo.

São eventos como estes que deram origem aos vírus que causaram a maioria das pandemias de gripe. Embora o H1N1 de 1918 pareça ser um vírus que veio diretamente de aves para humanos – independente de ter passado por porcos antes ou não, provavelmente foi transmitido como um vírus inteiro – em 1957, um evento de rearranjo com um vírus aviário forneceu novas HA e NA que permitiram que o vírus causasse muito mais estrago, na chamada Gripe Asiática. Em 1968, novamente em um rearranjo, o vírus adquiriu uma nova Hemaglutinina aviária e causou a Gripe de Hong Kong.

Mesmo eventos de rearranjo dentro de uma mesma linhagem são capazes de causar doenças mais severas e falha na cobertura da vacina, como os surtos de gripe de 1947, 1851, 1997 e 2003. Os dois primeiros foram eventos decorrentes de rearranjos do H1N1 e os dois últimos do H3N2 humanos.

Agora em 2009 vivemos outro reflexo do rearranjo, desta vez em vírus suínos. Em 1918 o H1N1 aviário passou a circular tanto em humanos quanto em porcos, gerando linhagens distintas e presentes até hoje. Em 1997, um novo vírus suíno surgiu na América do Norte, de um triplo rearranjo, com uma combinação de genes de Influenza humanos (nosso H3N2 gerado em 1968), suínos e aviários. Trata-se do H1N2 suíno. – Os porcos da Europa estavam virtualmente livres de gripe até 1976, quando o H1N1 suíno foi trazido em um carregamento de porcos da América do Norte. Este foi rapidamente substituído por um H1N1 aviário em 1979.

Por fim, em 2008, o triplo rearranjado circulante em porcos na América do Norte se rearranjou novamente, com o vírus suíno H1N1 da Eurásia. Ainda não se sabe se este evento ocorreu em porcos ou em humanos. O mais provável é que tenha ocorrido em humanos, uma vez que ainda não encontramos porcos contaminados. Este novo Influenza A (H1N1) contaminou humanos e está causando a atual pandemia.

Fontes:

Palese, P. (2004). Influenza: old and new threats Nature Medicine, 10 (12s) DOI: 10.1038/nm1141

10.1056/NEJMp0904819

Morens, D., Taubenberger, J., & Fauci, A. (2009). The Persistent Legacy of the 1918 Influenza Virus New England Journal of Medicine, 361 (3), 225-229 DOI: 10.1056/NEJMp0904819

Gripe Suína: a segunda onda

A segunda onda epidêmica de gripe suína no Brasil deve chegar por volta de março, se o padrão observado no hemisfério norte for seguido. Duas notícias ruins apareceram hoje, e fico pensando se o Ministério da Saúde não deveria se preparar para vários cenários, mesmo alguns bem ruinzinhos (por exemplo, 1% de mortalidade e resistência do vírus ao Tamiflu).

Mutações do H1N1 encontradas na Noruega são as mesmas da Ucrânia e do Brasil.

Um novo comentário no site da Recombinomics demonstra claramente que a OMS assim como órgão políticos internacionais estão tentando minimizar a situação das mutações do H1N1. – Segue abaixo a tradução do comentário da OMS sobre o tema:

A descrição de um artigo analisando as diferenças de domínio de ligação ao receptor em seqüências da pandemia de 1918, a variante ” The New York tinha D225G”, possui a mesma alteração encontrada nas sequências encontradas em tecidos pulmonares de casos fatais de H1N1 no Brasil, Ucrânia e Noruega. O resultado demonstra claramente uma mudança na especificidade de receptor para D225G, que estava presente em A / New York/1/1918 e A/London/1/1919, demonstrando a mesma mudança que houve em 1918 tem sido descrita em 2009. Embora a OMS afirme que esta mudança “não foi significativa nas amostras Ucrânia”, a questão da mesma ser associada aos casos fatais e é motivo de preocupação. A preocupação foi reforçada pelo anúncio da Noruega, indicando que a mesma alteração foi encontrada em infecções pulmonares fatais de H1N1 lá também.

Embora tenha havido comentários de que esta mudança foi “espontânea” e não se espalhou, a existência da mesma alteração em todos os quatro pacientes falecidos na Ucrânia, em dois locais distintos, indica que se espalharam, assim como a existência da mesma alteração em vários casos no Brasil e na Noruega. Embora o conceito de “mutações aleatórias” ter sido usada para explicar o repentino aparecimento do polimorfismo mesmo em fundos múltiplos, o aparecimento via recombinação é um argumento muito forte para a mesma alteração a aparecer em vários locais ao mesmo tempo.

A teoria de mutação espontânea, que é o fundamento da política da OMS e declarações sobre a importância das mudanças depende fortemente de uma seleção “componente”, argumentando que a mesma mudança continua aparecendo em diferentes origens por causa da pressão de seleção de cadeia. No entanto, esse mesmo fenômeno foi descrito por uma mutação silenciosa no H5N1, que não oferece nenhuma pressão de seleção claro. Da mesma forma, uma mudança silenciosa também foi encontrada no H1N1 em seqüências que tinham adquirido o marcador de resistência ao Tamiflu, H274Y. Assim, essas silenciosas seqüências de mudanças argumentam contra uma mutação por coincidência espontânea e posicionam que esta aquisição é simultaneamente adquirida por causa de um doador general comum.

O conceito de aquisição através de recombinação tem sérias implicações para a pandemia atual. Foi usado para prever a mudança D225G, em parte porque a mudança foi “em jogo” e aparecendo em julho/agosto de seqüências de freqüência crescente, embora as seqüências do H1N1 representam diferentes origens genéticas. Da mesma forma os grupos de resistência ao Tamiflu em Gales e na Carolina do Norte também são impulsionadas por recombinação, como aconteceu quando a mudança idêntica foi adquirida em H1N1 da gripe sazonal em doentes que não tomavam Tamiflu (oseltamivir).

Assim, o conceito de recombinação prevê que o receptor D225G com mudança domínio de ligação, e a mudança H274Y, que causa a resistência de Tamiflu, continuam a se espalhar através de recombinação.

– O texto original pode ser lido no site da Recombinomics

Papai Noel é um vetor de Gripe Suína?

EUA: crianças morrem seis vezes mais com gripe A

Bem escondidinho no último boletim disponível do Ministério da Saúde (19/outubro/2009) temos a informação de óbitos.
Entre os 17.219 casos confirmados de influenza pandêmica, 1.368 (8%) evoluíram para óbito. Cabe destacar que o acréscimo no número de óbitos em relação ao último boletim refere-se aos casos antigos de SRAG que tiveram confirmação laboratorial e que foram atualizados no SINAN. Segundo a data dos óbitos por influenza pandêmica, 53% (720/1.368) ocorreram entre 16 de julho a 16 de agosto de 2009 (Gráfico 6).
Outras informações:

EUA: crianças morrem seis vezes mais com gripe A

Números do CDC comparados com o registo de mortes da gripe sazonal

Quase quatro mil (3900) norte-americanos morreram com gripe A entre Abril e Outubro deste ano, entre os quais 540 crianças, informaram esta quinta-feira as autoridades sanitárias dos EUA, citadas pelo El País.

A média de crianças falecidas durante uma temporada normal de gripe sazonal é de 82, pelo que a taxa de mortalidade infantil sextuplicou.

Segundo o Centro de Prevenção e Controlo de Doença (CDC), esta é a pior temporada de gripe desde que há controlo de números (1997).

O vírus H1N1 já infectou 22 milhões de pessoas nos EUA, sendo que 98 mil tiveram de ser hospitalizadas. Oito destes 22 milhões eram crianças.

Com a gripe sazonal, 90 por cento das mortes correspondiam a pessoas com mais de 65 anos. Com a gripe A, 90 por cento das pessoas infectadas são adultos jovens e crianças.

Gripe Suína: o que podemos esperar para o Brasil em 2010?

Temos que aprender com a experiencia de outros países que já estão enfrentando a segunda onda. Em especial, a Ucrânia enfrenta uma epidemia em ano eleitoral. O Brasil enfrentará a mesma situação em 2010…

Mortos por gripe chegam a 135 na Ucrânia; epidemia pode adiar eleições

07/1110:23EFE

EFE - v1

Kiev, 7 nov (EFE).- As autoridades de saúde da Ucrânia informaram hoje que 135 pessoas já morreram de gripe no país desde meados de outubro, situação que pode forçar o adiamento das eleições presidenciais de janeiro.

Só nas últimas 24 horas, foram registradas 25 mortes por pneumonia ou outros problemas respiratórios, destacou o Ministério da Saúde.

Ao todo, 871.037 pessoas ficaram gripadas desde o início da epidemia, mais de 100.000 entre ontem e hoje. Em todo o país, há quase 40.000 ucranianos internados, 317 deles em estado grave.

As cidades mais afetadas pelo surto da doença continuam sendo a de Lviv (oeste), onde foram registradas mais 12 mortes, e a de Ivano-Frankovsky, com cinco óbitos.

Devido à rápida propagação da gripe por quase todo o território, a Presidência da Ucrânia disse que pode adiar até maio de 2010 as eleições presidenciais previstas para 17 de janeiro.

“Se o Governo não conseguir assumir o controle da epidemia de gripe, não será possível descartar a decretação de estado de emergência e o adiamento do pleito”, disse Igor Popov, subchefe do gabinete da Presidência.

Segundo o funcionário, a epidemia “mudou radicalmente o andamento da campanha eleitoral” e “colocou em dúvida a igualdade de oportunidades entre os candidatos e os direitos dos eleitores”.

“A quarentena está vigente nas regiões mais politizadas e não está em vigor em outras. A proibição de comícios prejudica mais os opositores, já que os candidatos governistas podem visitar as regiões em quarentena, se reunir com a imprensa, o que faz outros candidatos se sentirem discriminados”, acrescentou.

O presidente da Rada Suprema (Legislativo), Vladimir Litvin, também candidato à Presidência, apoiou o adiamento da votação.

Por sua vez, o líder da oposição Viktor Yanukovich, propôs a suspensão da campanha eleitoral, mas ninguém até agora defendeu a suspensão temporária da eleição. EFE

Lições da segunda temporada da gripe suína nos EUA

O que o Brasil pode aprender com a segunda temporada de gripe suína nos EUA.

1. A gripe não é sazonal (ainda), ou seja, o forçamento externo providenciado pela variação de temperatura ainda não teve tempo de deslocar a fase das epidemias (representadas por um oscilador extendido tipo modelo SIRS).

2. Isso significa que provavelmente a gripe irá chegar mais cedo (como está acontecendo com os EUA, em vez de chegar na época da gripe sazonal). Se acontecer no Brasil o que está acontecendo nos EUA, teremos um pico epidemico no outono, e não no inverno.

3. O suprimento de vacinas será insuficiente para conter o pico epidêmico.

4. O sistema de saúde, pressionado, irá entrar em colapso (especialmente o setor de tratamento intensivo).

5. Se o Brasil tiver um sistema de notificação tão sofisticado quanto o americano, então o número de óbitos está sendo subestimado por um fator quatro. Se o sistema brasileiro for pior, então a subestimação é maior.

6. Ou seja, fazendo uma pequena extrapolação dos eventos dos EUA (e corrigindo por um fator proporcional à população), teremos por volta de 100 mil internações de estados graves e 8 mil mortos (oficiais) nesta segunda temporada. Sim, eu sei, isso é um chute – ou melhor, um educated guess de um físico estatístico (e alguns blogueiros meus amigos já aprenderam a não fazer apostas com físicos estatísticos). O número de óbitos reais deverá ficar na casa dos 40 mil mortos.
PS: Caso o Igor do blog 42 ou o Carlos Hotta do Brontossauros em Meu Jardim discordem dessas afirmativas, eu terei o maior prazer em fazer uma “discussão pública” com eles, a ser finalizada nos bares do III EWCLiPo. Hummmm, eu achei este artigo aqui com as previsões para a gripe suína Hotta e do Átila. Muito divertido!

28/10/2009 – 14h55

Filhas de Obama recebem vacina contra gripe suína nos EUA

Malia e Sasha Obama, as filhas do presidente americano, foram vacinadas contra a gripe suína, denominada oficialmente gripe A (H1N1), anunciou uma porta-voz da primeira-dama, Michelle Obama, no blog da Casa Branca.

O casal presidencial, por outro lado, deverá esperar para receber sua imunização, já que não faz parte de uma faixa da população americana com prioridade –grávidas, pessoas com saúde frágil e jovens com menos de 24 anos.

30/10/2009 – 19h06

Obama está frustrado com fabricantes de vacinas contra gripe suína

Uma disputa entre o governo dos Estados Unidos e fabricantes da vacina contra a gripe suína –como é chamada a gripe A (H1N1)–, chegou ao ápice nesta sexta-feira quando o presidente Barack Obama manifestou frustração pelo ritmo lento de produção.

Autoridades federais reduziram suas estimativas iniciais sobre a quantidade de vacinas que disponível de 40 milhões de doses até o fim de outubro para 26 milhões até esta sexta-feira.

Weekly 2009 H1N1 Flu Media Briefing
November 12, 2009, 1:30 p.m.
Audio recording (MP3)

Anne Schuchat: these estimates will give a single number and then a range, a lower and upper estimate around each number. And I want to tell everyone who is rapidly taking notes that the numbers I’m going to give you are under the CDC website under media information place. So for April through October 17th, we estimate the 22 million people have become ill from pandemic influenza. We estimate 98,000 people have been hospitalized so far through October 17th. And the upper and lower estimates on hospitalizations are from 63,000 to 153,000. We estimate that 3,900 people have died so far in the first six months of the pandemic from this virus. And the estimates there are from 2,500 up through 6,100 people having died so far.

We’ve been talking a lot about this pandemic being a younger person’s disease, that it’s disproportionately affecting children and young adults and relatively sparing the elderly, very different from seasonal flu. So I also want to give you some estimates for cases, hospitalizations and deaths for different age groups. So in children under 18, we estimate 8 million children have been ill with influenza, 36,000 hospitalized, and 540 children have died from this pandemic influenza. In the first six months of the pandemic for adults 18 to 64 years of age, we estimate 12 million cases, 53,000 hospitalizations, and 2900 deaths. For people 65 and over, we estimate about 2 million cases, 9,000 hospitalizations and about 440 deaths.

That’s a lot of numbers. Again, I remind thank you we’ve posted those numbers on our website so you can look in more detail. The website also has additional information about the methods that were used to derive these estimates for those who are interested. We will be updating the toll that the pandemic has taken these estimates about every three to four weeks. We don’t think we’ll be able to do this every week because it takes some time for information to be filled in, chart reviews involved and other data collection but we’re expecting about every three to four weeks to be able to update you on the full illness, hospitalizations and deaths the virus has had.

Gripe Suína: “I told you so, you damned fools!”


H. G. Wells (by himself) – 1866-1946

  • “I told you so, you damned fools.” – Epitáfio não inscrito em seu túmulo, dado que Wells foi cremado.

Questões:
1. O mesmo método estatístico será aplicado ao Brasil? Por que sim ou por que não?
2. Alguém duvida que, caso este método seja aplicado, o Brasil continuará sendo o campeão mundial em mortes absolutas por gripe suína em vez dos EUA?
3. Alguém duvida que, na próxima temporada de gripe, o Brasil se tornará o campeão mundial em mortes (por cem mil habitantes) de gripe suína? (Se você realmente duvida, aceita um kit Colorado no próximo EWCLiPo?). Na verdade, se o novo método for aplicado hoje, acredito que o Brasil já seria indicado como campeão mundial nessa categoria…
4. Quando a Folha irá suspender o regime de autocensura imposto principalmente por influência de seu ombudsman (que chamou a veiculação de tais dados de “irresponsável”) em relação aos dados estatísticos da gripe suína no Brasil?
5. Quando a Folha e o G1 irão fazer o update de seus mapas da gripe usando os novos dados do ultimo boletim epidemiológico do MS? Por que o acesso a esse boletim (de 19/outubro) está sendo dificultado na internet pelo MS?
12/11/2009 – 21h50

Novo método de cálculo quase quadruplica número de mortos por gripe suína nos EUA


A nova gripe causou 3.900 mortes nos Estados Unidos nos últimos seis meses, 540 delas entre crianças, informa um novo sistema de cálculo anunciado nesta quinta-feira pelo governo e que quase quadruplica a quantidade de vítimas de que se tinha notícia até agora.

Os novos números do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, em inglês) assinalam que, desde que se detectou o surto do vírus em abril até 17 de outubro, 22 milhões de americanos contraíram a doença, 98 mil foram hospitalizados e quase quatro mil morreram.

Esses dados contrastam com o número de mortes confirmadas pelo CDC na sexta-feira passada, quando se estimou que não mais de mil pessoas tinham sido mortas pelo vírus, entre elas 129 crianças.

O salto nas estimativas se deve, segundo a diretora do Centro de Doenças Respiratórias do CDC, Anne Schuchat, à implantação de um “sistema de apuração mais preciso”, que vai além de uma simples contabilização dos casos confirmados por laboratório.

Em coletiva de imprensa, Schuchat ressaltou que os números não representam um “agravamento repentino” da pandemia, mas são “fruto de um prolongado esforço das autoridades de saúde para refletir como a doença realmente afeta o país”.

A funcionária do CDC também comentou a situação do programa de vacinação nos EUA e assegurou que hoje a agência tem 41,6 milhões de doses disponíveis para que os estados solicitem.

No entanto, Schuchat reconheceu que o processo de distribuição está sendo “mais lento que o esperado” e que as oito milhões de doses que esperavam entregar nos centros autorizados esta semana “provavelmente não chegarão a tempo”.

A especialista destacou que o panorama de casos e mortes desenhado hoje pela agência se limita a seis meses, e que a situação “provavelmente piorará” entre dezembro e maio. EFE

12/11/2009 – 19h07

Gripe suína provoca pior temporada de gripe dos EUA desde 1997

A gripe suína, como é chamada a gripe A (H1N1), matou cerca de 3.900 americanos entre os últimos meses de abril e outubro, sendo mais de 500 crianças, disseram as autoridades sanitárias dos Estados Unidos na quinta-feira.

Novos dados mostram que a pandemia contaminou cerca de 22 milhões de americanos e obrigou à internação de 98 mil, de acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês). Entre as crianças, houve 8 milhões de casos, 36 mil internações e 540 mortes. Em uma temporada comum de gripe, morrem em média 82 crianças.

O CDC disse que o vírus H1N1 provocou a pior temporada de gripe nos EUA desde 1997, quando o monitoramento começou. “O que estamos vendo em 2009 é sem precedentes”, disse Anne Schuchat, diretora da entidade.

O CDC aconselha os médicos a tratarem rapidamente os casos severos com antivirais como o Tamiflu e o Relenza. Em casos especialmente graves, de pacientes internados, a prescrição é o Peramivir.

Schuchat salientou que a pandemia não está se agravando, mas lembrou que a coleta de dados sobre casos e mortes pode demorar. A cifra divulgada nesta quinta-feira não é uma contagem exata, e sim uma extrapolação com base em dados de dez Estados. A estimativa anterior do CDC era de 1.200 mortes nos EUA.

Em uma temporada normal de gripe, a doença mata 36 mil americanos e hospitaliza 200 mil. Mas 90% das mortes e hospitalizações são entre maiores de 65 anos. Com a gripe suína, 90% das vítimas são adultos jovens e crianças. Schuchat disse que a pandemia deve atravessar o inverno e chegar ao começo da primavera local. “Temos uma longa temporada de gripe pela frente”, afirmou.

A maioria dos casos confirmados de gripe atualmente é do H1N1. Ao contrário do que acontece com outras infecções, cerca de 30 por cento das pessoas que vão ao médico e fazem o exame realmente têm a doença pandêmica.