Home // Archive by category "Neuroteologia"

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

Ultimatum Game, empatia e geek syndrome

Mais referências para meu paper sobre relacão entre geek syndrome e ateísmo.

Testosterone Administration Decreases Generosity in the Ultimatum Game 

Paul J. Zak, Robert Kurzban, Sheila Ahmadi, Ronald S. Swerdloff, Jang Park, Levan Efremidze, Karen Redwine, Karla Morgan, William MatznerGenerosity in the Ultimatum Game Testosterone … Testosterone Administration Decreases Generosity in the Ultimatum Game … draws. Using the UltimatumGame from behavioralPLoS ONE: Research Article, published 16 Dec 200910.1371/journal.pone.0008330


Empathy Emerges Spontaneously in the Ultimatum Game: Small Groups and Networks

Jaime Iranzo, Luis M. Floría, Yamir Moreno, Angel Sánchezin the Ultimatum Game: Small Groups and Networks Empathy Emerges Spontaneously in Ultimatum Games Jaime Iranzo … Empathy Emerges Spontaneously in the Ultimatum Game: Small Groups and Networks … . TheUltimatum game, in which one subject proposes how to sharePLoS ONE: Research Article, published 26 Sep 201210.1371/journal.pone.0043781


Cognitive Control and Individual Differences in Economic Ultimatum Decision-Making

Wim De Neys, Nikolay Novitskiy, Leen Geeraerts, Jennifer Ramautar, Johan Wagemansin Economic Ultimatum Decision-Making Cognitive Control and Ultimatum Game Wim De Neys 1 * Nikolay … Cognitive Control and Individual Differences in EconomicUltimatum Decision-Making … ultimatum game, for example, most people turn downPLoS ONE: Research Article, published 09 Nov 201110.1371/journal.pone.0027107


Dopamine D4 Receptor Gene Associated with Fairness Preference in Ultimatum Game

Songfa Zhong, Salomon Israel, Idan Shalev, Hong Xue, Richard P. Ebstein, Soo Hong ChewPreference in Ultimatum Game DRD4/Season of Birth/Fairness … Dopamine D4 Receptor Gene Associated with Fairness Preference in Ultimatum Game … of theultimatum game , in which two individuals decide on howPLoS ONE: Research Article, published 03 Nov 201010.1371/journal.pone.0013765


Rejection of Unfair Offers Can Be Driven by Negative Emotions, Evidence from Modified Ultimatum Games with Anonymity

Ning Ma, Nan Li, Xiao-Song He, De-Lin Sun, Xiaochu Zhang, Da-Ren Zhangby Negative Emotions, Evidence from Modified Ultimatum Games … Rejection of Unfair Offers Can Be Driven by Negative Emotions, Evidence from ModifiedUltimatum Games with Anonymity … is still controversial. With modified ultimatumgamesPLoS ONE: Research Article, published 28 Jun 201210.1371/journal.pone.0039619


Suffering Makes You Egoist: Acute Pain Increases Acceptance Rates and Reduces Fairness during a Bilateral Ultimatum Game

Alessandra Mancini, Viviana Betti, Maria Serena Panasiti, Enea Francesco Pavone, Salvatore Maria Agliotia Bilateral Ultimatum Game Suffering Makes You Egoist … Suffering Makes You Egoist: Acute Pain Increases Acceptance Rates and Reduces Fairness during a Bilateral Ultimatum Game … of the Ultimatum Game (UG) both in the role of responderPLoS ONE: Research Article, published 12 Oct 201110.1371/journal.pone.0026008


Mathematically Gifted Adolescents Have Deficiencies in Social Valuation and Mentalization

Kyongsik Yun, Dongil Chung, Bosun Jang, Jin Ho Kim, Jaeseung Jeongof the same age using the repeated Ultimatum Game. Twenty … participated in theUltimatum Game. Two adolescents … as a responder. Because of its simplicity, theUltimatum GamePLoS ONE: Research Article, published 04 Apr 201110.1371/journal.pone.0018224

Ação e reação na manutenção de crenças

How facts backfire

Researchers discover a surprising threat to democracy: our brains

By Joe Keohane July 11, 2010

It’s one of the great assumptions underlying modern democracy that an informed citizenry is preferable to an uninformed one. “Whenever the people are well-informed, they can be trusted with their own government,” Thomas Jefferson wrote in 1789. This notion, carried down through the years, underlies everything from humble political pamphlets to presidential debates to the very notion of a free press. Mankind may be crooked timber, as Kant put it, uniquely susceptible to ignorance and misinformation, but it’s an article of faith that knowledge is the best remedy. If people are furnished with the facts, they will be clearer thinkers and better citizens. If they are ignorant, facts will enlighten them. If they are mistaken, facts will set them straight.

In the end, truth will out. Won’t it? Maybe not. Recently, a few political scientists have begun to discover a human tendency deeply discouraging to anyone with faith in the power of information. It’s this: Facts don’t necessarily have the power to change our minds. In fact, quite the opposite. In a series of studies in 2005 and 2006, researchers at the University of Michigan found that when misinformed people, particularly political partisans, were exposed to corrected facts in news stories, they rarely changed their minds. In fact, they often became even more strongly set in their beliefs. Facts, they found, were not curing misinformation. Like an underpowered antibiotic, facts could actually make misinformation even stronger. This bodes ill for a democracy, because most voters — the people making decisions about how the country runs — aren’t blank slates. They already have beliefs, and a set of facts lodged in their minds.

The problem is that sometimes the things they think they know are objectively, provably false. And in the presence of the correct information, such people react very, very differently than the merely uninformed. Instead of changing their minds to reflect the correct information, they can entrench themselves even deeper. “The general idea is that it’s absolutely threatening to admit you’re wrong,” says political scientist Brendan Nyhan, the lead researcher on the Michigan study. The phenomenon — known as “backfire” — is “a natural defense mechanism to avoid that cognitive dissonance.”

These findings open a long-running argument about the political ignorance of American citizens to broader questions about the interplay between the nature of human intelligence and our democratic ideals. Most of us like to believe that our opinions have been formed over time by careful, rational consideration of facts and ideas, and that the decisions based on those opinions, therefore, have the ring of soundness and intelligence. In reality, we often base our opinions on our beliefs, which can have an uneasy relationship with facts. And rather than facts driving beliefs, our beliefs can dictate the facts we chose to accept. They can cause us to twist facts so they fit better with our preconceived notions. Worst of all, they can lead us to uncritically accept bad information just because it reinforces our beliefs. This reinforcement makes us more confident we’re right, and even less likely to listen to any new information. And then we vote. Continua…

Para que servem os ateus?

 

Coelhos = religiosos, raposas = ateus?

Estou achando que preciso correr para escrever o meu livro intitulado “Deus e Acaso”, baseado em postagens deste blog. Alguns dos temas do livro já estão sendo discutidos em papers recentes, parece que existe um interesse cada vez maior sobre o assunto. Ver por exemplo o artigo abaixo, que foi um target article em um número inteiro dedicado a discussões desse tipo na revista Religion, Brain & Behavior.

What are atheists for? Hypotheses on the functions of non-belief in the evolution of religion

DOI: 10.1080/2153599X.2012.667948

Dominic Johnsona*
pages 48-70

Version of record first published: 27 Apr 2012

Abstract

An explosion of recent research suggests that religious beliefs and behaviors are universal, arise from deep-seated cognitive mechanisms, and were favored by natural selection over human evolutionary history. However, if a propensity towards religious beliefs is a fundamental characteristic of human brains (as both by-product theorists and adaptationists agree), and/or an important ingredient of Darwinian fitness (as adaptationists argue), then how do we explain the existence and prevalence of atheists – even among ancient and traditional societies? The null hypothesis is that – like other psychological traits – due to natural variation among individuals in genetics, physiology, and cognition, there will always be a range of strengths of religious beliefs. Atheists may therefore simply represent one end of a natural distribution of belief. However, an evolutionary approach to religion raises some more interesting adaptivehypotheses for atheism, which I explore here. Key among them are: (1) frequency dependence may mean that atheism as a “strategy” is selected for (along with selection for the “strategy” of belief), as long as atheists do not become too numerous; (2) ecological variation may mean that atheism outperforms belief in certain settings or at certain times, maintaining a mix in the overall population; (3) the presence of atheists may reinforce or temper religious beliefs and behaviors in the face of skepticism, boosting religious commitment, credibility, or practicality in the group as a whole; and (4) the presence of atheists may catalyze the functional advantages of religion, analogous to the way that loners or non-participants can enhance the evolution of cooperation. Just as evolutionary theorists ask what religious beliefs are “for” in terms of functional benefits for Darwinian fitness, an evolutionary approach suggests we should also at least consider what atheists might be for.

Na USP, a Psicologia da Religião estuda agora o Ateísmo

Mais material para o livro sobre @teismo = estudo científico origens do ateísmo

Laboratório do IP analisa religiosidade e ateísmo do ponto de vista psicológico

Publicado em ComportamentoUSP Online Destaque por Diego Rodrigues em 22 de agosto de 2012   

Dinâmica psicológica de indivíduos religiosos e ateus é foco de estudos no IP Foto: Wikimedia

Como entender os fenômenos religiosos? Qual a ação da religião na psique das pessoas? Estudos do Instituto de Psicologia (IP) da USP buscam responder questões como essas, utilizando as abordagens da psicologia. Desde 2000, por iniciativa do professor Geraldo José de Paiva, o Laboratório de Psicologia Social da Religião concentra essas pesquisas.

O grupo é formado por 12 pessoas, todos doutores e doutorandos. Não apenas da USP. Instituições de ensino como a PUC e o Mackenzie trabalham em pareceria para desenvolver  pesquisas concretas sobre o fenômeno religioso. Alguns dos colaboradores do Laboratório têm ainda formação diversa,  como pós-graduação em Ciência da Religião, e em Semiótica, que é o estudo dos sistemas de significação.

Ateus

A mais recente pesquisa do Laboratório analisa diferenças entre religiosos e ateus. Os pontos estudados dizem respeito aos processos de enfrentamento das dificuldades, o bem-estar psicológico e fatores de personalidade. O grupo busca verificar se o enfrentamento dos problemas é influenciado pela opção religiosa; se há correlações entre fatores de personalidade e as opções religiosas feitas por cada indivíduo; e se o bem-estar é afetado por estas opções. Read more [+]

Alain de Botton: Ateísmo 2.0

Via FACEBOOK do Mauro Copelli:

O Filósofo Philip K. Dick e seu Multiverso

Via Ramon Bacelar na Lista do CLFC:

Obras do americano Philip K. Dick começam a ser reeditadas no Brasil

Publicações vêm na esteira do remake de ‘O Vingador do Futuro’, baseado no conto de ‘Realidades Adaptadas’

17 de agosto de 2012 | 20h 00
Antonio Gonçalves Filho – O Estado de S. Paulo

A realidade não passava de uma alucinação para o autor de ficção científica norte-americano Philip K. Dick (1928-1982), ainda pouco conhecido como escritor no Brasil, mas popular entre cinéfilos por filmes baseados em seus livros. Já são oito com a estreia, nesta sexta-feira, 17, de O Vingador do Futuro. O mais popular deles, Blade Runner (1982), foi baseado no romance Do Androids Dream of Electric Sheep? (1966), publicado no Brasil com o título O Caçador de Androides (a edição da Rocco está esgotada, mas a editora Aleph disputa o título). Deve ganhar uma sequência em 2013.

Veja também:
link Volume de ensaios sobre Blade Runner traz texto de Cabrera Infante

'O Vingador do Futuro' chegou aos cinemas nesta sexta-feira, 17 - Divulgação
Divulgação
‘O Vingador do Futuro’ chegou aos cinemas nesta sexta-feira, 17

Desde que topou com uma estranha mulher de cabelos negros batendo à porta de sua casa, em 1974, o autor passou a afirmar que tudo o que vemos não passa de projeção de um mundo paralelo. O livro Realidades Adaptadas, que chega ao mercado com sete dos seus oito contos transformados em filmes (inclusive O Vingador do Futuro), tem histórias que insinuam ser essa não apenas a crença de alguém diagnosticado como esquizofrênico, mas de um panenteísta empenhado em provar que suas visões do futuro lhe foram reveladas pela divindade criadora do universo.

A coletânea de contos inaugura uma série de cinco livros do autor que a Editora Aleph coloca no mercado com novo visual. Depois deRealidades Adaptadas, chega às livrarias, em outubro, FluamMinhas LágrimasDisse o Policial, seguido, em 2013, por O Homem do Castelo Alto (1962), Os Três Estigmas de Palmer Eldritch (1965) e Ubik (1969). Todas as capas trazem os títulos aplicados em adesivos, podendo ser substituídos por novo layout, disponível num marcador encartado em cada volume. O projeto é de Pedro Inoue, diretor de criação da revista ativista canadense Adbusters, que se opõe ao capitalismo.

Os relançamentos aqui acontecem no momento em que os livros de Philip K. Dick, traduzidos em 25 línguas, começam a ser adotados no currículo das universidades americanas. Read more [+]

Religião Para Ateus

Home » Livros » Descrição » RELIGIAO PARA ATEUS

RELIGIAO PARA ATEUS

Formato: Livro

Autor: BOTTON, ALAIN DE

Tradutor: PAOLOZZI, VITOR

Editora: INTRINSECA

Assunto: FILOSOFIA

R$19,90
+cultura R$16,90

ou até 6x R$ 2,82 sem juros com cartão
Livraria Cultura Itaucard e ainda
ganhe 169 pontos no programa +cultura.

Clique para Comprar

Disponibilidade

Como funciona nossa entrega

Produto disponível. Veja as localidades e condições da Entrega Foguete.
Disponibilidade de acordo com a quantidade de produtos em estoque.

Entrega Foguete

Agora você pode participar do nosso site inserindo seus vídeos, suas imagens e links para seu blog ou website. Clique nos ícones ao lado e participe!

Especificações Tecnicas

ISBN: 858057093x

ISBN-13: 9788580570939

Idioma: Livro em português

Encadernação: Brochura

Dimensão: 21 x 14 cm

Edição: 1ª

Ano de Lançamento: 2011

Número de páginas: 272

Sinopse

‘Religião para ateus’ parte da premissa de que, com ou sem fé, é possível encontrar aspectos úteis, interessantes e consoladores nas religiões. E examina as possibilidades de transferir algumas dessas ideias e práticas para a vida secular. Nesse livro, Alain de Botton defende que a sociedade tem muito a aprender com as religiões ao tratar de questões como vida em comunidade, moralidade, educação e arte.

Opinião do Leitor

  • 2 Opiniões:

    Opine

  • 26/11/2011

    ALEX BONIFACIO

    O autor está de parabéns por mais essa lindíssima obra editada no Brasil, a imprensa deveria expor com maior intensidade esta referência bibliográfica.Apesar de vivermos numa nação dita religiosa, a laicidade é soberana.

  • 14/11/2011

    HELOISA EMILIA BONFIM

    Alain de Botton é um filósofo que deveria ser mais divulgado pela mídia, aqui no Brasil.
    O livro é ótimo, ideias simples e ao mesmo tempo geniais, o texto é leve – como a vida deveria ser, ou pelo menos como almejamos que seja.
    Este livro será mais um dos meus livros, do autor, que eu gosto…+ ver mais

Gentileza gera Gentileza

Gentileza teria fundamentos genéticos, sugere estudo

AFPPor Rouf Bhat | AFP – 23 horas atrá

CONTEÚDO RELACIONADO

  • Homem ajuda idoso a atravessar uma ponte improvisada sobre a enxurrada que arrastou a estrada entre Leh e Srinagar, na Caxemira indianaHomem ajuda idoso a atravessar uma ponte improvisada sobre a enxurrada que arrastou …

Pessoas dotadas de um certo traço genético são mais gentis e carinhosas do que as demais e esta característica pode ser rapidamente identificada por estranhos, revelou um estudo publicado esta segunda-feira nos Estados Unidos.

Esta variação é relacionada com a ocitocina, gene receptor também conhecido como “hormônio do amor” porque costuma se manifestar nas relações sexuais e incita comportamentos sociais como união e empatia.

Cientistas da Universidade do estado do Oregon desenvolveram um experimento no qual 23 casais, cujos traços genéticos eram conhecidos dos pesquisadores mas não dos observadores, foram filmados.

Pediu-se a um dos membros do casal que contasse ao outro sobre um período de sofrimento de sua vida. Os observadores deviam abservar o ouvinte por 20 segundos, com o som desligado.

Na maior parte dos casos, os observadores conseguiram identificar quais ouvintes tinham o “gene da gentileza” e quais não, revelou a pesquisa, cujos resultados foram publicados na edição de 14 de novembro do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

“Nossas descobertas sugerem que até mesmo a variação genética mais sutil pode ter impacto tangível no comportamento das pessoas e que estas diferenças comportamentais são rapidamente notadas pelos demais”, explicou o principal autor do estudo, Aleksandr Kogan, estudante de pós-doutorado da Universidade de Toronto.

Nove entre 10 pessoas, consideradas “menos confiáveis” pelos observadores neutros tinham a versão A do gene, enquanto 6 entre os 10 considerados os “mais pró-sociais” tinham o genótipo GG.

Os participantes da pesquisa foram testados antecipadamente e identificados como detentores dos genótipos GG, AG ou AA para a sequência de DNA do gene receptor de ocitocina (OXTR).

As pessoas com duas cópias do alelo G foram geralmente consideradas mais empáticas, confiáveis e amorosas. As dotadas dos genótipos AG ou AA tenderam a dizer que se sentiam menos confiantes de modo geral e menor sensibilidade parental. Pesquisas anteriores demonstraram que estes indivíduos também apresentavam um risco mais elevado de desenvolver autismo.

“Nosso estudo questionou se estas diferenças se manifestam em comportamentos rapidamente detectáveis por estranhos e demonstrou que são”, explicou.

No entanto, nenhum traço genético pode prever totalmente o comportamento de uma pessoa e é necessário fazer mais pesquisas para descobrir como esta variação afeta a biologia comportamental

It From Bit: Matéria = Férmions, Espírito = Informação?

Um post que estava nos Rascunhos desde dezembro, e que só completei agora…

Acho que finalmente entendi o conceito Bayesiano de probabilidades. Antes tarde do que nunca! É claro que eu poderia ter aprendido isso muito antes, com o livro do Jaynes tão recomendado pelo Nestor Caticha. Acho que na verdade aprendi, depois esqueci, depois li de nôvo, depois esqueci de novo. “Apreender” é diferente de aprender. Acho que envolve uma mudança de Gestalt, uma espécie de momento de “iluminação”.

         Isso aconteceu devido a dois acidentes (na verdade três): a) estou sem internet em casa, ou seja, sem essa máquina de perder tempo; b) este computador tinha uma pasta com alguns artigos em pdf, entre eles o ótimo Lectures on probability, entropy and statistical mechanics de Ariel Caticha, que me fora mandado há um bom tempo atrás pelo Nestor; c) eu havia terminado o livro Artemis Fowl – Uma aventura no Ártico e estava sem nada para ler na noite de Natal (escreverei um post sobre isso outro dia).

         Além do conceito de probabilidade Bayesiano, foi muito esclarecedor a discussão sobre entropia, em particular sua ênfase de que entropia não é uma propriedade física do sistema, mas depende do grau de detalhe na descrição desse sistema:

         The fact that entropy depends on the available information implies that there is no such thing as the entropy of a system. The same system may have many different entropies. Notice, for example, that already in the third axiom we find an explicit reference to two entropies S[p] and SG[P] referring to two different descriptions of the same system. Colloquially, however, one does refer to the entropy of a system; in such cases the relevant information available about the system should be obvious from the context. In the case of thermodynamics what one means by the entropy is the particular entropy that one obtains when the only information available is specified by the known values of those few variables that specify the thermodynamic macrostate.

         Aprendi outras coisas muito interessantes no paper, cuja principal virtude, acho, é a clareza e o fato de reconhecer os pontos obscuros como realmente obscuros. Imagino que este texto poderia ser a base de uma interessante disciplina de pós-graduação aqui no DFM. Eu ainda o estou estudando, e o recomendo aos meus amigos frequentistas. Mas é claro, eu não pude resistir em dar uma olhada no capítulo final, onde encontrei esta intrigante conclusão:

            Dealing with uncertainty requires that one solve two problems. First, one must represent a state of knowledge as a consistent web of interconnected beliefs. The instrument to do it is probability. Second, when new information becomes available the beliefs must be updated. The instrument for this is relative entropy. It is the only candidate for an updating method that is of universal applicability and obeys the moral injunction that one should not change one´s mind frivolously. Prior information is valuable and should not be revised except when demanded by new evidence, in which case the revision is no longer optional but obligatory. The resulting general method  the ME method    can handle arbitrary priors and arbitrary constraints; it includes MaxEnt and Bayes-rule as special cases; and it provides its own criterion to assess the extent that non maximum-entropy distributions are ruled out.

         To conclude I cannot help but to express my continued sense of wonder and astonishment at the fact that the method for reasoning under uncertainty  which presumably includes the whole of science turns out to rest upon a foundation provided by ethical principles. Just imagine the implications!

         Acho que este último parágrafo merece um comentário completo em um próximo post…

         Dúvidas sobre o reducionismo

         Eu tenho uma listinha (incompleta) de termos que possuem uma ordem ascendente de abstração que me fazem duvidar da afirmação que a Física é materialista (no sentido clássico da palavra). Acho que o único termo que possui análogos às características clássicas da matéria como impenetrabilidade são os férmions, via Princípio de Pauli. Já os bósons, com seus condensados de Bose-Einstein, são uns caras bem esquisitos (OK, os férmions são quanticamente esquisitos também). Bom, eis a minha lista da escadinha material → espiritual dentro da Física contemporânea. De cima para baixo na escala reducionista: Read more [+]

Neurose religiosa e misantropia ateísta

Remexendo nos meus emails, verifiquei que não tinha lido este comentário.

Deixo para meus leitores comentarem, porque fico apenas triste com este tipo de neurose ateísta, acho que isso apenas rebaixa o movimento de neoateismo.

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Ateísmo Científico: um manifesto“:

Em palavras simples, ateu é pura e simplesmente oquê todo ser humano foi impedido de ser , pois nacemos descontaminados e livres até o momento em que o vírus da ilusão dele se apossa, um vírus psicológico transmitido espontãneamente dos pais aos filhos tão logo seja possível a interesse dos propagadores da ilusão!, em termos de comparação evidencial, compara-se ao vírus de computador, é um círculo vicioso constante passado através das gerações, técnica, indução psicológica, alienação, lavagem cerebral com efeitos danosos ao psicológico., Seja lá que nome queiram dar, foram utilizadas para se exercer domínio e poder sobre a ignorãncia por séculos e sem contestação! 
são formas de reforço a contaminação que provocam a aceitação do subconciente vindo posteriormente aflorar e dominar o psicológico humano!
É um transtorno psicológico que muitas vezes é incurável, se não me engano chama-se misantropia psicológica!
Importa dizer quê!os danos causados a intenção de uma democracia de fato são imensos., servem-se desta ignorãncia os que apóiam a manutençao deste mal divulgando aos desavisados que viver na ilusão e ter fé nela basta pois esta vida real de nada vale, o que vale é a ilusão de paraisos, infernos e deus-es que pregam existir além dela!
Acredito que Ateu nenhum se deva prestar a discutir com a ignorãncia! se é ignorante é doente e se é doente ministre-se a cura se possível ou esqueça, póde ser um caso perdido !
crença em deus é doença!, que provas mais necessitamos!
É assim que penso deva pensar um ateu convicto que de fato siga os ditames da razão e da ciência!

Lucabi Brasil

Bom, OK, não vou comentar. Basta dizer que os trechos em vermelho são evidências de uma mente perturbada, acho que isso se chama misantropia com traços paranóides, tipicos de pessoas que adotam teorias conspiratórias pseudocientíficas. DaWikipedia:

O misantropo

Wikcionário
Wikcionário possui o verbetemisantropo
  • É uma pessoa que tem aversão ao convívio social, prefere viver em isolamento.
  • Aquele que não mostra preocupação em se dar com as outras pessoas, de ter uma vida social preenchida – tendência a ter uma pouca ou praticamente inexistente vida social.
  • Estado de reclusão que alguns indivíduos escolhem para viver.

[editar]Formas de misantropia mais comuns

Os misantropos expressam uma antipatia geral para com a humanidade e a sociedade, mas geralmente têm relações normais com indivíduos específicos (familiares, amigos, companheiros, por exemplo). A misantropia pode ser motivada por sentimentos de isolamento ou alienação social, ou simplesmente desprezo pelas características prevalecentes da humanidade/sociedade.

A misantropia não implica necessariamente uma atitude bizarra em relação à humanidade. Um misantropo não vive afastado do mundo, apenas é reservado (introvertido/timido fundamentalmente) e, é precisamente por este fato que é habitual serem poucos os seus amigos ou pessoas que estabeleçam um vinculo afetivo. Olham para todas as pessoas com uma desconfiança, é frequente serem feitos “juízos de cálculo” de cada um que se aproxime, embora muitas vezes não o demonstrem.

São pessoas que não gostam de grande agitação ao seu redor, pois não se sentem bem diante de muita gente, preferindo ficar em casa a sair para locais de diversão (indisposição para ir a lugares com muita gente, o que invariavelmente faz da pessoa uma caseira convicta). Podem ocorrer frequentes mudanças de humor: ora feliz, ora melancólico, o termômetro do estado de espírito fica louco, oscilando constantemente (poucas são as pessoas que vêem este seu aspecto, normalmente as mais próximas). Normalmente são muito perfeccionistas no que gostam de fazer e no que se comprometem a fazer. É muito frequente destacarem-se nas áreas em que estão inseridos (as que eventualmente têm um à vontade), pois dedicam grande parte do seu tempo ao trabalho.

A misantropia costuma aparecer desde logo durante a infância em crianças tímidas, introvertidas e caladas que têm dificuldades em fazer amigos, nomeadamente na escola, preferindo muitas vezes ficarem sozinhas. Com o passar dos anos, tendem a ser bastante sarcásticos/irónicos nas observações que fazem (pode-se dizer que em parte a grande timidez é disfarçada por estas duas características)têm uma interpretação muito própria de tudo aquilo que vêem e de tudo aquilo que lhes é dito pelas outras pessoas, sendo bastante observadores e atentos ao que os rodeia embora, muitas vezes, não o pareça. Um fato notável é que são muito inteligentes, tendem a resolver desafios e enigmas com muita facilidade, já que vivem de um raciocínio puramente lógico embora não se deixam ser percebido. Também tendem a ser disléxicos, porém não em todos os casos.

Uma das explicações mais consistentes para esta aversão social deriva do fato de darem bastante relevância aos aspectos negativos que constatam nas pessoas ou simplesmente terem medo que estas os desiludam, daí as evitam. Têm uma forte sensibilidade ficando extremamente afetados com tudo o que os rodeia (mesmo que muitas vezes não estejam envolvidos diretamente) daí ser muito fácil, ao longo da vida, passarem por várias depressões.

Expressões evidentes de misantropia são comuns em sátira e comédia, embora a intensa seja geralmente rara. Expressões mais sutis são mais comuns, especialmente para mostrar as faltas/falhas na humanidade e sociedade.

É muito importante salientar que o misantropo tem dificuldades em assumir essas características tanto para si mesmo quanto para as pessoas mais próximas. Raros são os casos em que eles refletem acerca da possibilidade da misantropia ser integrante real das suas vidas, costumando negar a existência desta em todos os casos.

PS: Ok, eu não vou resistir. Refutando o comentário, sem comentar sobre o péssimo português, escrever ignorãncia com ~ é o cúmulo da ignorância… especialmente em dias de corretor ortográfico e Wikipedia. E escrever “dominar o psicológico humano” eu não vou em comentar, basta procurar o que significa psicológico no dicionário.

Eu apenas espero que este caro amigo ateu misantropo não seja daqueles tipos terroristas, embora o seu raciocínio é muito parecido com o do Califa Omar que (em uma falsa história) queimou a Biblioteca de Alexandria:

Se estes livros estão em concordância com Richard Dawkins, então não temos necessidade deles; e se eles se opõe a Dawkins, então devemos destruí-los”…

Quanto a minha defesa de ser um religioso no armário: Read more [+]

“As Religiões que o Mundo Esqueceu” relata sacrifícios humanos

Achei curioso  este paragrafo:

Mas o que seria a religiosidade? Como definir essa característica tão essencial do ser humano? Por outro lado, se a religiosidade constitui a essência do ser humano, ateus não pertenceriam à humanidade? Nada mais difícil de definir do que o essencial. Isso é assim com tudo que sentimos, como o amor ou o desejo: quem os há de definir? Amor e desejo, tão inefáveis, fazem parte daquilo que movimenta o espírito humano e constituem, assim, a base mesma da espiritualidade: daquilo que nos move. Não nos mobilizamos por nada sem um ímpeto do espírito, alimentado pelo amor e pelo desejo. Ninguém faz uma oferenda em um altar ou contribui com o dízimo para um partido (mesmo comunista e ateu) sem esse movimento espiritual, subjetivo e imaterial. Nesse sentido, a religiosidade, a fé característica da humanidade, está na raiz seja das religiões institucionalizadas, seja de todo movimento humano em prol de algo pelo que se luta, com crença profunda (uma religião, uma causa, uma crença).

 

Ou seja, definindo religiosidade nesta dimensão ampla, a religiosidade seria o contrário do ceticismo filosófico e do cinismo filosófico, e não do ateísmo. Em particular, se você gasta uma parte de sua vida, de seu tempo e recursos, em prol de uma causa, por exemplo o ateísmo militante, então você é uma pessoa religiosa (no sentido de “religare”, unir pessoas em prol de uma causa comum).

Mas se você, em vez de ser um ateu que acredita realmente em alguma coisa (por exemplo, acredita na causa do ateísmo), se você é apenas “atoa”, ou um cristão nominal (alguém que vai na igreja apenas por convenções sociais, casamento, batizado, missa de sétimo dia etc) por exemplo, então você não é religioso.

Nesse sentido, dado que ateus militantes e religiosos militantes são ambos “religiosos = religarosos” neste sentido amplo, e dado que sua militância pode ter pontos em comum (por exemplo, combater o fundamentalismo de direita, construir uma sociedade econômica-ecologicamente sustentável no longo prazo, defender os direitos humanos e direitos dos animais etc), então claramente é possível haver uma colaboração ativa entre esses dois grupos. Já um ateu hedonista e atoa, sem consciência e ação política, que não luta por nada e não acredita em nada (nem no ateísmo), estará mais longe do ateu militante que o religioso militante, e estará mais próximo do religioso hedonista, sem consciência e ação política, o religioso atoa…

da Livraria da Folha

O que pensam os homens quando matam em nome de uma crença? Em Cartago, durante a antiguidade, por exemplo, cultuava-se uma divindade conhecida como Baal Moloch (Molekh ou Moleque). O culto do deus era feito por meio de uma grande estátua de bronze, cujo ventre oco servia de forno para sacrifício. Pais abandonavam os filhos dentro da barriga incandescente do ídolo com o intento de alcançar dádivas ou evitar desgraças.

Divulgação
Com o contexto da época em que as religiões eram praticadas
Apresenta o contexto da época em que as religiões eram praticadas

Os gritos e mantras dos sacerdotes eram usados para abafar as súplicas das crianças. Contudo, é correto afirmar que a maioria dos relatos sobre os cruéis sacrifícios foram produzidos pelo povo romano, inimigo confesso dos cartagineses.

“As Religiões que o Mundo Esqueceu”, com textos organizados pelo arqueólogo Pedro Paulo Funari, dedica-se a alguns dos mais interessantes pensamentos míticos que deixaram de existir ou quase desapareceram.

Curiosidades históricas são pesquisadas, analisadas e escritas por especialistas, –com os principais ritos e crenças–, que convidam o leitor a entrar nos domínios de deuses tão diversos como El, Odin, Zeus e Huitzilopochtli.

O volume é um registros de dezenas de milhares de anos que retratam a fé. Abaixo, leia um trecho do exemplar.

Visite a estante dedicada à religião

Siga a Livraria da Folha no Twitter
Siga a Livraria da Folha no Twitter

Junto à capacidade de produzir e transmitir cultura, a experiência religiosa é a marca mais distintiva da humanidade. Animais comunicam-se entre si, por meio de sons, e o podem fazer de maneira impressionante: a “linguagem” das baleias é um exemplo que causa admiração em quem já ouviu a “conversa”. Os pássaros também o fazem, com canções que podem encantar. O uso de artefatos, que já foi considerado apanágio do ser humano, tampouco se revelou único. Hoje sabemos que diversos tipos de macacos utilizam-se de objetos como ferramentas. Não há evidências, contudo, de que qualquer outro animal seja movido por preocupações religiosas, como o ser humano é desde os seus primórdios. Os mais antigos registros da humanidade, de dezenas de milhares de anos, retratam a religiosidade, esse sentimento íntimo dos primitivos seres humanos. Nas cavernas, encontramos pinturas que retratam cerimônias religiosas: são pessoas que participam de atividades xamânicas, são pajés, são imagens que procuram facilitar a caça, ou favorecer a fertilidade de plantas, animais e humanos. Gravuras às margens de rios retratam a crença na força sobrenatural das águas. O enterramento dos mortos marca, de forma clara e definitiva, a crença nos espíritos dos antepassados. A humanidade, nesse sentido, pode ser definida como aquela parte do reino animal que se caracteriza pela religiosidade.

Mas o que seria a religiosidade? Como definir essa característica tão essencial do ser humano? Por outro lado, se a religiosidade constitui a essência do ser humano, ateus não pertenceriam à humanidade? Nada mais difícil de definir do que o essencial. Isso é assim com tudo que sentimos, como o amor ou o desejo: quem os há de definir? Amor e desejo, tão inefáveis, fazem parte daquilo que movimenta o espírito humano e constituem, assim, a base mesma da espiritualidade: daquilo que nos move. Não nos mobilizamos por nada sem um ímpeto do espírito, alimentado pelo amor e pelo desejo. Ninguém faz uma oferenda em um altar ou contribui com o dízimo para um partido (mesmo comunista e ateu) sem esse movimento espiritual, subjetivo e imaterial. Nesse sentido, a religiosidade, a fé característica da humanidade, está na raiz seja das religiões institucionalizadas, seja de todo movimento humano em prol de algo pelo que se luta, com crença profunda (uma religião, uma causa, uma crença).

As manifestações religiosas são, pois, tão múltiplas e variadas como é diverso o ser humano, em suas inúmeras culturas, do presente e do passado. A grande riqueza humana consiste, precisamente, nessa diversidade. Este livro dedica-se a algumas das mais interessantes e inspiradoras experiências religiosas da humanidade que deixaram de existir ou quase desapareceram.

As religiões que o mundo esqueceu constituem um tesouro: um manancial de práticas, sentimentos e interpretações do mundo. Algumas delas formam parte de nosso repertório cultural e penetraram, às vezes de forma profunda, mas despercebida, nas nossas próprias concepções e sentimentos. As religiões dos sumérios, egípcios, gregos e romanos são exemplos claros disso, mas outras religiosidades menos frequentadas, como o zoroastrismo e o gnosticismo, também entram nessa categoria. São maneiras particulares de encarar o divino, diversas entre si e das nossas, mas nelas reconhecemos muito do nosso próprio manancial cultural e religioso. Ressoam entre nós o Dilúvio sumério, a alma (ka) egípcia, o complexo de Édipo grego, o apego ritual romano, o dualismo entre bem e mal persa e os segredos religiosos do gnosticismo.

Outras muitas concepções e práticas destacam-se pela radical diferença. As percepções indígenas americanas sobressaem, nesse sentido, como interpretações do mundo em tudo originais. Outras tantas experiências religiosas apresentam-se como distantes e próximas a um só tempo. As práticas cristãs desaparecidas, como as arianistas e as albigenses, nos são compreensíveis, mas originais e únicas, assim como as religiões celta e viking. O que todas têm em comum é sua beleza e seu fascínio. Ao nos embalarmos no relato de cada uma delas, de forma quase onírica, é como se sonhássemos e nos transportássemos a outras épocas e outros sentimentos, tão próximos e tão distantes, que tanto nos podem tocar. Aquilo que nos caracteriza como humanos, nossa espiritualidade, encontra em cada capítulo uma satisfação e uma atração únicas.

Esta obra visa a introduzir o público geral nesse mundo fascinante e, por isso, cada capítulo apresenta um panorama geral, em linguagem clara e direta, sem jargões, de uma religião desaparecida (ou quase). São pequenas pérolas, escritas por especialistas, que convidam o leitor a viagens mais profundas, ao sugerirem alguns títulos de aprofundamento sobre cada tema. Aceito o convite, o leitor encontrará não apenas um pouco da humanidade, em sua diversidade, mas também se deparará com facetas insuspeitadas de seus próprios sentimentos e emoções.

“As Religiões que o Mundo Esqueceu”
Organizador: Pedro Paulo Funari
Editora: Editora Contexto
Páginas: 224
Quanto: R$ 31,20 (preço promocional)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

Compartilhe

twitter twitter delicious delicious Windows Live Windows Live MySpace MySpace facebook facebook Google Google digg digg

Sonhos criativos: civilizações galáticas e gripe suína

Com preguiça de postar, vou reproduzindo aqui os melhores posts do antigo SEMCIÊNCIA no Blogger.

SÁBADO, JULHO 11, 2009

Sonhos criativos: civilizações galáticas e gripe suína



Há poucos dias, postei sobre uma recente pesquisa envolvendo criatividade e sonhos. Fiz um comentário meio cético, dizendo que se houver relação entre sonhos e solução de problemas, isso provavelmente seria uma exadaptação biológica, mas não a função primordial dos mesmos.

Poucos dias depois, meu inconsciente me prega uma peça, fornecendo um exemplo de sonho criativo (no sentido de produzir associações entre assuntos diversos). No sonho, eu percebi que a fórmula de Drake para probabilidade de existir civilizações tecnológicas na Galáxia envolve o mesmo tipo de raciocínio usado no cáculo da taxa de mortalidade da gripe (suína) pelo Ministério da Saúde do Brasil.

Explico: no Plano Brasileiro de Prepapração para uma Pandemia de Influenza (3a versão – abril 2006), existe um modelo estático para estimar o número de óbitos de uma temporada de gripe. Ele pode ser resumido pela fórmula (ver esquema na figura):

Número de Óbitos = Po x Pag x Pc x Pat x N, onde

  • Po = probabilidade de óbito
  • Pag = Probabilidade de agravamento
  • Pc = Probabilidade de complicação
  • Pat = Probabilidade de ataque
  • N = Número de indivíduos da população.

Eu tinha visto essa figura em dias anteriores e ela reapareceu durante o sonho. Daí eu percebi que o tipo de raciocínio é idêntico ao usado na fórmula de Drake, a saber:

N = R* x fp x ne x fl x fi x fc x LOnde:

  • N é o número de civilizações extraterrestres em nossa galáxia com as quais poderíamos ter chances de estabelecer comunicação.
  • R* é a taxa de formação de estrelas em nossa galáxia
  • fp é a fração de tais estrelas que possuem planetas em órbita
  • ne é o número médio de planetas que potencialmente permitem o desenvolvimento de vida por estrela que tem planetas
  • fl é a fração dos planetas com potencial para vida que realmente desenvolvem vida
  • fi é a fração dos planetas que desenvolvem vida que desenvolvem vida inteligente
  • fc é a fração dos planetas que desenvolvem vida inteligente e que têm o desejo e os meios necessários para estabelecer comunicação
  • L é o tempo esperado de vida de tal civilização

Ou seja, a fórmula de Drake é um modelo estático como o do Ministério da Saúde. Mas é possível usar modelos melhores, dinâmicos, por exemplo o modelo SIR (susceptible-infected-recovered).

Daí, durante o sonho, eu percebi que o ferramental teórico da epidemiologia poderia ser um quadro adequado para se pensar o paradoxo de Fermi. Afinal, a expansão de uma civilização na galáxia pode ser pensada como um processo de infecção de uma população de planetas “suscetíveis”, ou seja, capazes de abrigar vida. O tempo de duração de uma civilização planetária capaz de produzir outras colônias corresponde ao tempo de infecção. O planeta entra no estado “recuperado” quando sua civilização morre ou se torna indiferente à criação de novas colônias. Acho que vocês já entenderam (sim, somos os vírus do Universo!).

Sendo assim, o modelo SIR poderia fornecer uma nova resposta (mais uma?) para a pergunta de porque estamos sós (pelo menos em nossa vizinhança). No modelo SIR, dependendo da taxa de infecção e da duração do estágio de infecção, a onda epidêmica atinge apenas uma fração dos sítios totais (curva verde acima). Além disso, em um dado momento, existe apenas uma fração pequena de sítios ativos (civilizações vivas, curva vermelha).

Assim, teríamos uma sucessão de ondas epidêmicas (colonizações galáticas) que de forma nenhuma atingem a maioria dos planetas num dado momento. É possível ainda que estejamos vivendo em uma era inter-epidêmica, entre duas grandes ondas civilizatórias: isso explicaria o “grande silêncio”.

Tudo isso eu percebi e comentei com alguém durante o sonho. Logo, devo reconhecer que algumas vezes os sonhos geram novas associações, sim.

O ponto chave do modelo é que a duração de uma civilização tecnológica em um dado planeta (ou melhor, uma civilização fértil capaz de produzir colônias) tem que ser finita. É sabido que, devido ao aquecimento do Sol, nossa biosfera deverá morrer em 500.000 anos, isso fornece um limite superior. Mas afinal, ninguém fica para semente, não é mesmo?

PS: OK, OK, seria melhor usar um modelo SIR na rede, mas tudo bem: o modelo SIR tradicional, de campo médio, onde distâncias e correlações espaciais não importam, corresponderia ao caso otimista de civilizações com WARP.

Do plano do Ministério da Saúde:

a) Modelo estático para geração de estimativas globais:

Para gerar estimativas globais foi construído um modelo estático que representa o fluxo de indivíduos ao longo de cinco categorias, como ilustrado na figura abaixo. Este modelo segue a mesma estrutura geral dos modelos proposto para a Holanda (Genugten, 2002).

Dependendo da virulência do patógeno, uma fração maior ou menor desta população de gripados virá a evoluir para quadros mais complicados, por exemplo: bronquite aguda, pneumonia, sinusite, otite, ou exacerbação de condições crônicas. Sem tratamento adequado,
uma fração destes “casos complicados” deve evoluir para um quadro grave e uma fração destes casos deverá ir a óbito.

Postado por Osame Kinouchi às Sábado, Julho 11, 2009 

Marcadores: 

4 comentários:

generic cialis disse…Dreams are a mystery that sometimes people do not understand and I find it interesting that you took the dream that made you change your mind because I also think they may be the solution to the problem … thanks for the article10:08 PM, Junho 25, 2010

Sebastian disse…Osame:Os céticos dizem que os místicos são sonhadores e vivem num mundo irreal.

Mas com essa fórmula acho que agora está havendo um chega-pra-cá, dos racionalistas céticos, com um vem-mais-um pouco-meu-bem, dos místicos.

Abraço.

1:06 PM, Junho 26, 2010

Osame Kinouchi disse…Eu não sei por que alguns leitores deste blog encucaram que eu sou do movimento cético. Eu não sou, sou apenas um cientista que acredita em muitas coisas não demonstradas pela ciência, tais como criticalidade auto-organizada em redes neurais, Darwinismo Cosmológico ou que o budismo Mahayana é um sincretismo entre Budismo e Cristianismo…6:00 PM, Junho 26, 2010

Sidarta Ribeiro disse…

Osame,

Muito legal o post, um belo exemplo de insight onírico na ciência. Acredito que os sonhos não são peças isoladas de um quebra-cabeças, nem cadeias lineares de memórias, mas sim uma concatenação de representações de acordo com as emoções dominantes do sonhador. Idéias novas vêm necessariamente da recombinação de idéias velhas. Os sonhos são oráculos cegos que criam cenários futuros com base apenas na experiência do passado, orientando as ações da vigília de modo a maximizar a adaptação ao ambiente. Este aspecto onírico de predição do futuro, ou mais exatamente de especulação sobre o futuro, é provavelmente a explicação para a crença generalizada na premonição onírica em diversas sociedades do passado. Apesar de probabilísticos, os sonhos por vezes predizem muito precisamente os acontecimentos futuros. Este é um fenômeno raro na sociedade moderna, mas adivinhos de sonhos desempenharam um papel histórico importante nas civilizações da Antiguidade. Hoje em dia, a interpretação dos sonhos continua a ser bastante relevante em muitas das chamadas culturas “primitivas”.

De que forma é possível conciliar a explicação materialista dos sonhos com a função premonitória a eles atribuída por tantas tradições diferentes? O ponto de encontro é a reativação e recombinação de memórias durante o sono, que alimentam o enredo onírico. Para vivenciá-lo subjetivamente, não basta reverberar padrões de atividade neural. É preciso concatená-los numa busca da satisfação do desejo mediada por dopamina, de forma a simular uma sequência comportamental plausível, capaz de inserir-se num futuro em potencial que inclua o ambiente e o próprio sonhador. Governado por emoções e motivações, o sonho permite a simulação de futuros possíveis, tão mais claros e prováveis quanto mais marcantes e previsíveis forem os desafios da vigília. Nessa concepção, a função primitiva dos sonhos é a simulação de estratégias comportamentais, adaptativas ou não. Recompensando os circuitos neurais dos sonhos bons e punindo os circuitos subjacentes aos pesadelos, é possível aprender durante a noite sem os riscos da realidade.

As fortes pressões seletivas sobre comportamentos cruciais devem moldar de forma darwinista o enredo do sonho, estereotipando a reverberação mnemônica em relação direta com a sobrevivência. Presume-se que os enredos oníricos de animais livres na natureza consistam de poucas narrativas repetidas à exaustão mas com inúmeras variações sobre os mesmos temas: predar e ser predado, fazer a corte e procriar, navegação para forrageio e cuidado parental. Mesmo para nossos ancestrais hominídeos de 500 mil anos atrás, já equipados com armas e fogo, a vida era perigosa e podia acabar mal a qualquer momento. Foi apenas com o advento da pecuária, da agricultura e da medicina xamânica que começamos a nos libertar dos estreitos limites da necessidade.

À medida que a vida humana tornou-se mais fácil e mais complexa, com o desenvolvimento da cultura e seus confortos, os sonhos perderam muito de seu poder de previsão, adquirindo um repertório simbólico muito diversificado. Em comparação com outros mamíferos, seres humanos contemporâneos experimentam muito menos ansiedades em seu cotidiano. Predadores não-humanos são raros, a lei inibe a predação entre pessoas, alimentos e cuidados de saúde são acessíveis, e habitamos abrigos permanentes. Nossos sonhos não estão mais sob a influência de eventos de vida ou morte. Ao contrário, são dominados por uma miríade de pequenas frustrações e expectativas prosaicas. Depois da cultura e do símbolo, o sonho virou qualquer nota…

Na ausência de vivências cotidianas altamente significativas, não é de surpreender que os sonhos contemporâneos tendam a misturar elementos recentes e triviais da vida desperta com memórias antigas fortemente codificadas, chegando até a infância. Ainda assim, é possível em circunstâncias especiais revelar o caráter adaptativo dos sonhos. Cientistas e artistas sempre se beneficiaram disso. Será que agora você vai começar a escrever um sonhário?

Grande abraço,

Sidarta

11:32 PM, Julho 09, 2010

 

 

 

 

Eu não preciso de um sonhario, Sidarta, tenho este blog pra registrar isso!

Ciência, Religião e Alvin Plantinga

Blogger
Osame Kinouchi disse…

Pessoas,

Que discussao legal, posso fazer cut and paste pro meu blog ou tem copyright?

Marco, que tal usar o Perceptron para esclarecer as coisas aqui?

É obvio para quem conhece a questao do Perceptron (especialmente do Perceptron Binario) que existe apenas um unico perceptron aluno igual ao perceptron professor, mas infinitos perceptrons falsos (que diferem por 1 bit, dois bits etc) no limite termodinamico, claro!

Dado que mesmo a ideia de proximidade do professor atingivel por acumulo de seleção via exemplos nao é verdadeira no caso do perceprton binario, ou seja, dada a quebra de simetria de replicas e a presença de infinitas solucoes compativeis com um conjunto finito de exemplos, e que tais solucoes nao sao proximas mas sim espalhadas no espaco das regras… e chamando cada perceptron de uma crença ou teoria, teremos que nao ha convergencia para a teoria verdadeira (para exemplos com ruido, que nao permitem a transicao de fase para aprendizagem perfeita, OK?)

E lembremos que qualquer conjunto de exemplos (experimentos, fatos etc) necessariamente terá ruido no mundo natural.

Finalmente, dado que a aprendizagem do perceptron binario nao é factivel (é um problema NP completo) e dado que dificilmente um algoritmo genetico (evolucao dos perceptrons) poderia resolver um problema NP completo (na verdade, nao pode, nao é mesmo?) , m eparece que a teoria do perceptron binarico no cenario professor-aluno embasa de maneira matematica o argumento de Platininga?

Ou não?

Vc poderia traduzir o meu argumento para os leigos?

Osame

20 de setembro de 2011 18:09

Re: [Coletivo Ácido Cético] Novo comentário em Os sapos te convidam (Desafio Plantinga IV).

“Jorge A Quillfeldt – Depto. Biofísica, IB / UFRGS”
mostrar detalhes 18:18 (17 horas atrás)

Olá, Osame,

Sinta-se a vontade para repercutir o
debate como achar melhor. A idéia
é exatamente esta, e volta e meia a
gente também vai no teu blogue e
“chupa” um monte de material pre –
cioso.

Abração,

Jorge

Adicionando algum material ao debate, via WIKIPEDIA:

Evolutionary argument against naturalism

In Plantinga’s evolutionary argument against naturalism, he argues that the truth of evolution is an epistemic defeater for naturalism (i.e. if evolution is true, it undermines naturalism). His basic argument is that if evolution and naturalism are both true, human cognitive faculties evolved to produce beliefs that have survival value (maximizing one’s success at the four F’s: “feeding, fleeing, fighting, and reproducing”), not necessarily to produce beliefs that are true. Thus, since human cognitive faculties are tuned to survival rather than truth in the naturalism-cum-evolution model, there is reason to doubt the veracity of the products of those same faculties, including naturalism and evolution themselves. On the other hand, if God created man “in his image” by way of an evolutionary process (or any other means), then Plantinga argues our faculties would probably be reliable.

The argument does not assume any necessary correlation (or uncorrelation) between true beliefs and survival. Making the contrary assumption—that there is in fact a relatively strong correlation between truth and survival—if human belief-forming apparatus evolved giving a survival advantage, then it ought to yield truth since true beliefs confer a survival advantage. Plantinga counters that, while there may be overlap between true beliefs and beliefs that contribute to survival, the two kinds of beliefs are not the same, and he gives the following example with a man named Paul:

Perhaps Paul very much likes the idea of being eaten, but when he sees a tiger, always runs off looking for a better prospect, because he thinks it unlikely the tiger he sees will eat him. This will get his body parts in the right place so far as survival is concerned, without involving much by way of true belief… Or perhaps he thinks the tiger is a large, friendly, cuddly pussycat and wants to pet it; but he also believes that the best way to pet it is to run away from it… Clearly there are any number of belief-cum-desire systems that equally fit a given bit of behaviour.[34]

In a March 2010 article in the Chronicle of Higher Education, philosopher of science Michael Ruse claims that Plantinga is an “open enthusiast of intelligent design.”[40] In a letter to the editor, Plantinga has the following response:

Like any Christian (and indeed any theist), I believe that the world has been created by God, and hence “intelligently designed.” The hallmark of intelligent design, however, is the claim that this can be shown scientifically; I’m dubious about that. …As far as I can see, God certainly could have used Darwinian processes to create the living world and direct it as he wanted to go; hence evolution as such does not imply that there is no direction in the history of life. What does have that implication is not evolutionary theory itself, but unguided evolution, the idea that neither God nor any other person has taken a hand in guiding, directing or orchestrating the course of evolution. But the scientific theory of evolution, sensibly enough, says nothing one way or the other about divine guidance. It doesn’t say that evolution is divinely guided; it also doesn’t say that it isn’t. Like almost any theist, I reject unguided evolution; but the contemporary scientific theory of evolution just as such—apart from philosophical or theological add-ons—doesn’t say that evolution is unguided. Like science in general, it makes no pronouncements on the existence or activity of God.[41]

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Os sapos te convidam (Desafio Plantinga IV)

Amanhã, terça, dia 30 de agosto de 2011, Alvin Plantinga apresentará seu famoso argumento teísta ao vivo em Porto Alegre. Quem quiser vir, será no auditório do Prédio 05 da PUCRS, às 14h, seguido de debate com três convidados, entre eles o admirável filósofo português Desidério Murcho (dêem uma espiada na sua bibliografia), frequentemente citado neste blogue.

Bem, já se passaram três meses desde que lançamos o “desafio Plantinga”, com o seu famoso argumento de que naturalismo (filosoficamente definido) e evolução (cientificamente embasada) são mutuamente contraditórios, logo a abordagem dos neoateus não se sustentaria. O original em inglês do texto debatido está aqui, mas leia também este aqui. Tivemos muita discussão aqui (Desafio I, II e III) e em várias listas nas quais participamos, e o debate chegou a propagar-se a outros blogs, se bem que não fomos nós os primeiros a comentar esse assunto.

O argumento de Plantinga tem repercutido na comunidade filosófica há um bom tempo, mesmo desde formulações anteriores apresentadas por ele, e muitos autores tentaram respondê-lo, com variado grau de sucesso. Esse debate, aliás, já rendeu vários simpósios e livros, como por exemplo, Science and Religion: Are They Compatible? (transcrição do debate entre Plantinga e Dennett) e Naturalism defeated? editado por James Beilby.

Prometemos aqui uma resposta que contemplasse a “provocação” feita, porém, sempre que começávamos a redigi-la, ficava grande ou dispersiva demais, fugindo ao ponto. Mas promessa é dívida! Aqui está – enfim – uma síntese de como se pode responder ao desafio sem cair em suas armadilhas. O texto foi escrito pelo colega do coletivo Carlos Miraglia, professor do Departamento de Filosofia da UFPel. Agrego um pequeno diagrama de por que vários dos argumentos apresentados, embora corretos factualmente e até logicamente consistentes (além de muito criativos), acabam caindo, assim mesmo, nas armadilhas categoriais que são o terreno escorregadio preferido de muitos filósofos. E vejam que não estamos falando de um metafísico delirante ou de um picareta despreparado qualquer, mas de um filósofo analítico muito respeitado na comunidade filosófica internacional.

Esse diagrama deve contemplar a maioria dos argumentos trazidos ao debate neste blogue, que ao enfocarem o tema no nível conceitual errado, não conseguiam atingir o coração do argumento: percebido isso, contudo, o construto de Plantinga desmorona como areia ao vento. É engenhoso e, pode-se até dizer, truculento, mas não é indestrutível. Esperamos que este debate, que a muitos irritou, tenha sido educativo e proveitoso: Mário Bunge define a filosofia como um conjunto de questões essencialmente… irritantes!

Se quiser ficar mais irritado ainda, decifre a imagem acima que selecionamos para ilustrar a matéria do Miraglia sobre os sapos metódicos. Boa leitura!

Sapos metódicos para Plantinga
Ou como identificar crenças verdadeiras seletivamente indispensáveis

Carlos A Miraglia, UFPel
28ago2011

Na década final do último milênio, o epistemólogo de renome, também conhecido como um expoente do pensamento cristão, Alvin Plantinga, apresentou um argumento supostamente decisivo contra as pretensões dos que vêem nas posturas naturalistas razões suficientes para a explicação da inteligência e a capacidade de conhecimento da espécie humana. O alvo principal do filósofo seria o pensamento materialista que dispensa qualquer explicação sobrenatural (especificamente, o Deus ocidental) para nossa atual condição biológica e cognitiva. Especialmente, que o modelo evolutivo lançado por Darwin daria conta da complexidade da vida e que a dimensão mental humana seria somente um efeito dessa complexidade.

Plantinga se opõe severamente a este positivismo científico. De fato, ele o julga estar contaminado de flagrante irracionalismo. Sua estratégia argumentativa foi mostrar que se assumir-mos a dinâmica seletiva estocástica do modelo darwinista, combinada com uma naturalismo sem restrições, não teremos motivos dignos para aceitar o nosso repertório de verdades sobre o mundo como minimamente seguro – mesmo as mais consagradas teorias, com amplo respaldo empírico. Em outras palavras, naturalismo, isto é, a idéia de que nossa capacidade de conhecimento está totalmente inscrita num mundo material, mais o processo da evolução por seleção natural, resultam num quadro cético. Seriam, portanto, visões epistemicamente incompatíveis, segundo ele. O ponto chave está na afirmação de que, da perspectiva evolutiva darwinista, é completamente irrelevante se as crenças promotoras de nossas ações ou escolhas são verdadeiras ou falsas. Importa apenas que elas garantam a sobrevivência e, conseqüentemente, maiores chances para a reprodução. Sendo assim, poderíamos estar num mundo onde todas nossas crenças sejam falsas.

O desafio de Plantinga provocou imediato desconforto e muitas críticas tentaram desarmar sua inconveniente conclusão. Desde as que apontam uma suposta contradição interna, pois se ele estiver certo quanto a origem insegura da verdade de nosso conhecimento pela evolução, então sua tese também é indecidível (recurso improcedente, pois ele não admite serem nossas crenças verdadeiras produtos da evolução), até aquelas que apelam para a reivindicação de todo o cabedal das evidências empíricas contemporâneas que corroboram a tese evolutiva e outras fatias da realidade pertinentes. Esquecem-se, contudo, que alegações dessa espécie, caem imediatamente na armadilha do filósofo americano. Pois se nosso aparato cognitivo, responsável pela aquisição das evidencias relevantes, é produto de um organismo que se guia apenas pela eficácia adaptativa, então, por mais intricadas e expressivas que elas sejam, não serão de fato confiáveis.

Também penso serem equivocadas as críticas que apelam a erros nas estimativas proba-bilísticas. A dificuldade está em que a argumentação foi legitimamente montada de forma que o cálculo pessimista seja um componente inevitável. Mesmo que a exatidão formal de Plantinga seja questionável, é certo que ocorre uma assimetria numérica inegável entre crenças verdadeiras e falsas. Para cada uma das primeiras que correspondam fatos, existe, para as últimas, uma infinidade de declarações não verdadeiras possíveis. Se for verdadeiro que a rosa é vermelha, será falso que ela tenha qualquer uma das graduações cromáticas (e respectivas proposições) de amarelo, azul, verde etc. O campo do falso é mais vasto do que o do verdadeiro, e qualquer procedimento de escolha arbitrária no conjunto de crenças possíveis terá muito mais chances de obter aquelas que são falsas. E mesmo as crenças que sabemos corresponder ao real (por exemplo, ser a lua um satélite da Terra), num puro jogo probabilístico aleatório, seriam verdades extremamente improváveis de serem obtidas. Efetivamente a questão central não é empírico-matemática, mas lógico-conceitual.

Levando isso em conta, pretendo mostrar que, apesar das sérias limitações impostas por Plantinga em sua argumentação, assumir a tese da indiferença da seleção natural com relação à verdade de nossas crenças não implica na impossibilidade de podermos identificá-las como conhecimento. (a menos que, de saída, incorporemos um tipo de ceticismo radical, mas isso comprometeria, desde já, a inteligibilidade de seu próprio argumento). O ponto epistêmico central é que, segundo ele, aceitando o modelo adaptativo por seleção, não teremos nenhum meio garantido para determinar a verdade de nossas crenças. Contudo, penso que mesmo sendo nosso comportamento guiado por crenças falsas é possível, por meios meramente seletivos, isolar a verdade da falsidade.

Plantinga ilustra sua justificação com uma situação extravagante, mas, logicamente veros-símil. A de um sapo que come moscas acreditando que vai virar um príncipe e, com efeito, garante sua subsistência. Gostaria de levar adiante sua brincadeira mais longe, e explorar outras conseqüências aceitáveis. Antes, contudo, algumas advertências serão necessárias.

Em primeiro lugar, as considerações de Plantinga estão imersas num respeitável e amplo programa epistemológico que não detalharemos aqui. De certo modo ele tenta reabilitar, com importantes modificações técnicas, a visão clássica de conhecimento chamada de fundacionalismo. Num resumo rápido, é a visão de que o conhecimento está estruturado em fatos enraizados em verdades necessárias, ou seja, verdades que condicionam tais fatos. Acredito que se assumirmos uma noção epistêmica no estilo fundacional, mesmo não sendo ortodoxa como a alternativa de Plantinga (o seu “indiciarismo”), podemos encontrar o ceticismo por ele sugerido se excluirmos a existência Deus (de fato, uma variação da famosa proposta de Descartes). Mas esta tese não precisa ser assumida no desafio tratado aqui. Qualquer tipo de fundacionalismo empírico já sabemos ser francamente problemático. Talvez ele não seja necessário para demarcarmos a verdade – em sua formulação ortodoxa, a “garantia de certezas infalíveis” (pretensão há muito abdicada por quem faz ciência). Neste último caso, Deus seria, sim, inevitável. Mas isto é outra história, aparecendo como o matiz teológico da solução de Plantinga. O que pretendo fazer é mostrar que o problema não precisa surgir, isto é, eficácia adaptativa mais improbabilidade do verdadeiro (o que admito) não implicam em ceticismo. Para evitar a prolixidade, seguindo o estilo de Plantinga, tomarei como referencia de discussão apenas o que esta exposto no seu pequeno texto popular encontrado na Web, Evolution vs. Naturalism why they are like oil and water. Finalmene duas pequenas recomendações técnicas: cabe salientar que o problema de Plantinga surge a partir da adoção de uma perspectiva realista. Ou seja, existe um mundo independente de nós capaz de ser representado por crenças, cuja a dinâmica biológica é regrada pela luta da sobrevivência. A dificuldade esta em não sabermos quais crenças são verdadeiras se nosso aparato cognitivo for exclusivamente fruto da evolução por seleção natural. Igualmente adotarei outra tese implícita (e também questionável) de que crenças são transmitidas sem alterações às próximas gerações. Começarei com um exemplo e passarei depois às explicações.

Se pensarmos um sapo a La Robinson Crusoé, como o sugerido no texto de Plantinga, é bastante fácil aceitar as suas conclusões. Existe uma infinidade de crenças que podem incentivar o ato de captura de moscas. E como há muito mais crenças falsas que verdadeiras a respeito da mosca e os reais benefícios que seu consumo vai gerar é, de fato, mais provável que se adotem crenças falsas.

Vamos, contudo, cogitar que o sapo não esteja sozinho e participe de uma comunidade de anfíbios. Uma conseqüência inevitável da suposição de que sapos possam ter crenças, é aceitar conjuntamente a possibilidade da variedade e disparidade das mesmas com respeito à qualquer matéria e, conseqüentemente, à captura de moscas. O sapo A espera tornar-se um príncipe, o sapo B acredita que vai encontrar o nirvana, o sapo C, que comer moscas é a ordem de um Jesus anfíbio e assim por diante. Existe, contudo, outra variante interessante de comportamento não-descartável: a dos sapos que não comem moscas, motivados por outras crenças (ou quem sabe as mesmas – imaginem sapos que não queiram as responsabilidades de um príncipe).

Posto isso, nada nos impede de imaginar um sapo “avatar” de Plantinga com um forte pendor empirista. Uma criatura criteriosa que reconhece e compara tais crenças. Plantinga deve admitir, para que seus resultados tenham algum sentido, que o sapo (e seus congêneres) reconheça e diferencie o que sabe sobre o fato (expresso mediante uma crença) de comer moscas e os “por quês” que a eles agrega (voltarei a isso mais tarde).

Então, o que um sapo metódico pode obter quando escrutina as crenças de sua comuni-dade? Muitas coisas. Depois de uma pesquisa de opinião pública entre os batráquios, poderia de imediato, constatar que são conflitantes quanto ao conteúdo e, conseqüentemente, também suas “verdades” seriam contraditórias. Se for muito sistemático, observará que independentemente das crenças sustentadas como motivação, alguns padrões são reconhecidos na comparação dos portadores de crenças. Por exemplo: ele perceberia (em crenças) que os sapos comedores de mais moscas são gordinhos e saudáveis em comparação aos que comem menos.

Alargando as possibilidades de nosso quadro, imaginemos, ainda, que a situação trófica, para sorte do investigador, passe a auxiliar a pesquisa e só existam moscas para alimentar os sapos. A partir daí, o nosso cenário ficará dramático. Como sugerimos previamente, a capacidade de ter crenças autoriza a geração de uma infinidade das mesmas, e alguns sapos poderão supor que, por uma ou várias crenças falsas (ignorando os sapos suicidas), devam evitar ingerir moscas. Digamos, por exemplo, que pensem tratar-se de “invasores de almas”, ou de algum maléfico artefato extraterrestre, etc. O final da história é previsível. Os sapos renitentes definharão e morrerão numa proporção muito maior dos que, por suas respectivas crenças falsas motivadoras, ingeriram proteína. A conclusão óbvia do sapo investigador é que, embora não possa estabelecer se as crenças que justifiquem as ações de seus pares sejam verdades plenamente confirmadas, uma crença metódica pode ser estabelecida: se quiser sobreviver é melhor comer moscas do que evitá-las. Dada esta importante descoberta o sapo metódico poderá dividi-la com seu grupo. Teremos, então, aqueles que a tomarão por verdadeira e manterão este hábito. Contudo, como vimos, existem os que não comem moscas, assumindo razões contrárias a verdade metódica. Eles morrerão com suas respectivas crenças, bem como aqueles que não as comem por tomarem por falsa a crença metódica. Não parece forçoso afirmar que Comer moscas vale a pena é não só é compatível com uma noção seletiva (adaptativa em termos darwinianos), como é determinante para o futuro do grupo, sendo um exemplo claro de uma verdade que será vantajosa para a sua sobrevivência quando adotada. Em outras palavras, os que a acatam têm mais chances de sobrevivência e reprodução dos que não o fazem.

Desse modo é possível adotar um exemplo de crença verdadeira para qual a seleção não poderá ser irrelevante. E como a tese de Plantinga só será legítima se atingir o status de universalidade para a independência entre verdade e evolução, no meu entender, um contra exemplo bastará para desautorizá-la. Nossas únicas condições para tanto são [1] a capacidade de que as percepções de criaturas sencientes possam também ser exibidas em crenças, mais [2] a suposição de um grupo que as compartilhe (e as confrontem), numa mesma linguagem. Quesitos bastante amigáveis com a idéia de filtragem seletiva.

A partir das últimas considerações, gostaria de chamar atenção ao que penso ser o cerne na constituição do argumento Plantinga, permitindo sua conclusão precipitada. A não-separação explicita (e inesperada) entre crenças de fato e crenças de justificação. Digo isso porque no texto de Plantinga ele explicitamente dá o mesmo status epistêmico a comer moscas alimenta e comer moscas transforma em príncipe. Para simplificar, chamarei as primeiras de crenças que e as últimas de crenças porque. Esta é uma distinção que remonta ao surgimento da filosofia ocidental quando Platão insiste que o conhecimento não é apenas a capacidade de ter crenças com suas verdades demarcadas, mas o vínculo com outras crenças das quais as primeiras sejam conclusões e as últimas razões. Existe, portanto, uma diferença entre a crença verdadeira de que como moscas e a crença que estabelece o porquê da primeira.

Poderia ser objetado, defendendo Plantinga, que as próprias crenças que (orientadoras do sapo metódico) também não teriam condições suficientes à determinação de suas verdades. Entretanto, se formos céticos quanto às capacidades perceptivas da elaboração de crenças do tipo que, não seria cabível avançar às crenças do tipo porque. Crenças que são o ponto de partida para a pergunta das crenças porque. Se o sapo desconhece o fato de que come moscas, não terá nem como começar a pensar acerca das motivações pertinentes. Pode até não saber o que come, e chamar de “parafuso”, por exemplo, aquilo que nomearíamos como moscas, mas no mínimo precisará afirmar algo como: para virar príncipe tenho que ingerir aquela coisa pequena e escura (zumbidora) que passa no meu campo visual distinguindo o ato de diferentes percepções. Arriscaria dizer que Crenças de percepção sistematicamente falsas não podem promover a sobrevivência por mera ineficácia adaptativa. O jogo seletivo só tem sentido se algum tipo de identidade perceptiva puder ser mantida, e no momento em que qualquer ser vivo adquirir a capacidade de ter crenças, a eficácia adaptativa exigirá a longo prazo a dominância de crenças de percepção verdadeiras.

Julgo que as crenças do tipo porque exibidas por Plantinga se distanciam do exemplo por mim sugerido apenas por uma diferença do grau da imediaticidade inferencial das crenças que assumidas. A prova da verdade (ou falsidade) da crença “comer moscas garantirá o paraíso após a morte” certamente exigira uma maior complexidade investigativa do sapo metódico para estabelecer sua verdade ou falsidade. Contudo “comer moscas transforma sapos em príncipes” será tranquilamente refutada. Ele dirá, meus vizinhos já comeram milhares e ainda continuam os mesmos e outros até morreram, desiludidos, como sapos. Aceitando estas considerações e levando em conta a luta pela vida, fica patente pensar em muitas crenças falsas que pereceriam com seus teimosos portadores. Exemplos: vale apenas pular em abismos, vulcões são seguros, tigres não comem carne e infinitas mais.

Devo reconhecer que, mesmo aceitando a constatação de verdades do tipo que como vantajosas seletivamente, resta ainda a qualificação das verdades porque em geral. Quesito importante por serem estas as que justamente estabelecem a dimensão teórica do conhecimento. No meu entender este passo pode ser estabelecido mediante um procedimento comparativo nos moldes das verdades que antes apresentado, certamente com uma complexidade muito maior (aliás, chamamos isso de Ciência). Contudo tal esclarecimento ultrapassa as intenções deste texto. Apenas pretendia alertar que é possível exibir casos cuja verdade pode não ser irrelevante na mecânica evolutiva, sendo, até mesmo, decisivos. E que o argumento de Plantinga só funcionaria se ele tivesse uma prova para as crenças que como irrelevantes em termos seletivos. Algo que ele não faz e julgo não ser cabível fazer.

“Os sapos te convidam (Desafio Plantinga IV)”

40 Comentários – Mostrar postagem original Recolher comentários

Blogger Marco Idiart disse…
Caros Carlos e JorgeApesar do texto do Carlos estar brilhante ainda tem uma ou duas coisas que ao meu ver ficam abertas.O Carlos menciona que o número de crenças incorretas extrapolariam em muito o número de crenças corretas, e de fato, apesar de Plantinga se atrapalhar com o cálculo das
probabilidades ainda assim ele estaria certo ao afirmar que a probabilidades de termos um conjunto de crenças verdadeiras ser ínfimo.

Mas se isto é verdade, isto não destrói o argumento do Sapo Metódico? Pois nem o nosso amigo anfíbio, nem gerações incontáveis deles seriam capaz de testar o googoplex de possibilidades à sua frente. Não tem como a cultura sapal separar o joio do trigo.

Então insisto no meu principal argumento, que introduzi no meu post: A correlação entre crenças. O cérebro é uma estrutura finita que não pode produzir um número infindável de crenças independentes. Elas são necessariamente dependentes. A seleção natural seleciona cérebro cuja “algebra” de crenças seja compatível com o mundo real.

A existência de correlações simplifica inclusive o trabalho do Sapo Metódico. Mas mais do que isto, ela já ajuda antes dos organismos terem capacidade de reflexão e de explicitação de suas crenças.

8 de setembro de 2011 00:49

Blogger Ricardo disse…
A cardinalidade do conjunto das crenças verdadeiras é a mesma que a do conjunto das crenças falsas. A razão disso está no fato de que para cada crença verdadeira p é possível obtermos uma crença falsa por meio da sua negação não-p e vice-versa.11 de setembro de 2011 09:49
Blogger Chico disse…
Eu não tenho certeza de que entendi claramente toda a argumentação do Carlos em seu texto. Minha interpretação foi que ele argumenta em favor de que a capacidade de observação (no exemplo, do ato e das consequências de comer moscas) de um indivíduo produz crenças verdadeiras com base empírica e que esse mecanismo de formulação de crenças verdadeiras é recompensado (e portanto também moldado) pela evolução.Pra mim faz sentido. Penso ainda que a correlação entre crenças destacada pelo Marco pode ser uma boa explicação. Se as crenças são correlacionadas, limita-se a explosão combinatória de crenças falsas porque só sobreviveriam os conjuntos consistentes; e as crenças consistentes são provavelmente decorrentes de pontos de ancoragem consistentes, que seriam os fatos reais, verdadeiros. Ainda, as hipóteses do Marco e do Carlos parecem reforçar-se mutuamente. Admitindo a correlação, uma crença verdadeira assegura a veracidade de outras.A falha que eu poderia supor na hipótese do Marco é a possibilidade da verificação de consistência dos conjuntos de crenças ser feita com base também em crenças (metacrenças), estas igualmente suspeitas.

12 de setembro de 2011 17:55

Blogger Marco Idiart disse…
ChicoA palavra que eu usei foi correlação e não consistência.
A correlação das crenças vem do cérebro do organismo. Ela não precisa ser comprovada.Em outras palavras, um cérebro finito não consegue gerar crenças que não sejam correlacionadas.

Dou um exemplo. Imagina que tem uma calculadora que eu quero que funcione normal, menos para a divisão de 34 por 299, que eu quero que seja 1000. Bom, vais ter que colocar um outro circuitinho só para satisfazer isto, pois o chip que tem lá não dá conta (pois implementa uma regra bem determinada) . Agora imagina que eu seleciono um número infinito destas operações todos eles dando resultados arbitrários. Eu então tenho que adicionar um número infinito de outros circuitinhos e minha calculadora passa a ser infinita.

Por isto digo que um cérebro finito, não consegue gerar um número arbitrario de crenças descorrelacionadas. A maioria delas é resultado da aplicação de uma regra.

Faz sentido?

12 de setembro de 2011 20:19

Blogger Chico disse…
Marco, acho que a correlação implica consistência em teu modelo, porque a representação de crenças no ‘circuito simplificado’ requer que elas sigam regras gerais (para fugir de enumerações dos casos particulares, como disseste). Isso deve tornar as crenças consistentes entre si, certo?Faz sentido para mim que as crenças sejam correlacionadas, mas é preciso ainda mostrar as vantagens evolutivas de elas serem verdadeiras. Creio que a consistência das crenças vira a probabilidade a nosso favor, mas receio que talvez não consiga ser claro ou correto nesse ponto. Mesmo assim, vou tentar levar adiante minha divagação a partir do modelo que propuseste, o qual acho que é bem relevante.Vamos supor um mapeamento entre fatos reais e crenças que induzem um comportamento vantajoso perante esses fatos. Cada item desse mapeamento de fato para crença vantajosa pode ser correto, se a crença for verdadeira, ou incorreto, se for falsa. Para cada crença verdadeira (que descreve bem o fato) deve haver um número muito maior (infinito?) de crenças que descrevem mal o fato (falsas) mas induzem comportamento vantajoso. Partindo dos fatos (verdades), a aleatoriedade (pelas múltiplas possibilidades) do mapeamento para crenças falsas (mesmo que vantajosas) dificilmente levaria a um conjunto consistente (representável no cérebro finito) e vantajoso de crenças. Dessa forma, o caminho mais provável (econômico e então recompensado pela evolução) dos fatos para um conjunto de crenças consistentes e vantajoso me parece ser a veracidade destas. Será que me fiz entender? Faz sentido?

12 de setembro de 2011 22:31

Blogger Marco Idiart disse…
Exatamente. Fostes mais claro que eu!!!12 de setembro de 2011 23:27
Blogger Ricardo disse…
Todos os argumentos até aqui formulados pressuõe que o número de crenças falsas é maior que o de crenças verdadeiras. Gente, isso não é verdadeiro, há exatamente o mesmo número de crenças verdadeiras e de crenças falsas, pois, repito, a negação de uma crença falsa gera um crença verdadeira e vice-versa. Diga-se de passagem, ao contrário do que supos Carlos, o argumento de Plantinga em momento algum pressupõe que haja mais crenças falsas do que crenças verdadeiras! O ponto de Plantinga é que, do pondo de vista da luta pela vida, uma crença falsa pode ser tão útil quanto uma verdadeira!Analisemos o caso da mecânica newtoniana, já que a maioria dos participantes do blog são cientístas: as equações do movimento de Newton não são verdadeiras, como mostrou Einstein, mas tendo em vista que para “baixas energias” os cálculos feitos com base em tais equações se aproximam muitíssimo dos valores obtidos com base nas suas contrapartidas relativísticas, ela é útil e, sem dúvida alguma, seletivamente vantajosa.Em suma,em linhas gerais, o argumento de Plantinga é correto. Mas tudo que ele prova é que, se o mundo é tal como os naturalistas dizem que ele é, então não há como saber se uma crença empírica é absolutamente verdadeira. O erro de Plantinga é imaginar que os naturalistas consideram a Teoria da evoluççao uma verdade absoluta. Ele não poderia estar mais longe da verdade! Desde sua primeira formulação, por Darwin e Wallace, a teoria evolutiva vem sofrendo importantes modificações e, sobretudo, após a descoberta do DNA, nínguém seria tolo a ponto de negar que a moderna teoria evolutiva se próxima mais da verdade do que a teoria de Darwin e, para acertar as contas com Plantinga, isso basta.

Ainda que a seleção natural seja incapaz de separar as crenças empíricas verdadeiras das crenças empíricas falsas, em certos contextos, ela é muito eficaz em separar o que está mais próximo do verdadeiro do que está mais distante. Por exemplo, se voce resolver contruir uma grande edificação, como uma ponte, um aqueduto ou uma pirâmide, é muito importante que seus cálculos de área e volume, para não falar em peso e resitência, estejam razoavelmete próximos dos valores que serão necessários para que sua contrução não acabe numa enorme pilha de destroços.

Não é por acaso que a ciência surge justamente no seio da civilização! Em certos contextos, não resta dúvida de que o conhecimento astrológico é mais útil que o astronômico, mas se você estiver tentando fabricar um calendário, prever um eclipse ou orientar-se durante uma longa viajem de navio, é melhor usar a astronomia. Já se o objetivo for conquistar uma adolescente saudável num barzinho fashion da Padre Chagas…

16 de setembro de 2011 02:18

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Resposta datilografada pelo Carlos:”Ricardo, certamente existem mais crenças falsas que verdadeiras se não engolirmos o infinito. Se for verdade que tenho um metro e setenta e quatro centímetros de altura, então será falso para todos os outros valores numéricos. As crenças que tenho 1.75, 1.76, etc. serão falsas. Plantinga não está apenas afirmando que a evolução pode acontecer sem a verdade. Está dizendo que é muito improvável que tenhamos a posse da verdade se guiados pela seleção. Você está enfatizando as propriedades sintáticas da negação (quando negamos o falso realmente temos o verdadeiro) e numa leitura conjuntista concordo que a cardinalidade do falso e o verdadeiro é a mesma. Mas o ponto de Plantinga é epistêmico e pode até acontecer que nesse aspecto só tenhamos proposições falsas para certos eventos. Sabemos o que não é, mas não sabemos o que é. Pense num OVNI. Não é avião, não é nuvem, não é helicóptero, etc, e talvez nunca venhamos a saber o que é. Do ponto de vista semântico, para cada falsidade corresponde uma verdade. Mas para cada verdade podemcorresponder infinitas falsidades. Ainda bem, senão seria muito chato fazer ciência.Meu argumento tenta mostrar que para a prova de Plantinga funcionar ele precisa aceitar a existência de verdades tipicamente seletivas postas nas crenças de percepção. A prova poderia funcionar se existissem apenas crenças teóricas. E se não tivermos verdades perceptivas não poderíamos nem ter crenças quaisquer (estamos montando a explicação). Ou seja, mesmo assumindo o quadro mais pessimista, o argumento não implica em ceticismo.”

16 de setembro de 2011 16:28

Blogger Ricardo disse…
Carlos, aparentemente vc crê que do fato de haver um único valor exato para a sua altura (1.74 m) e infinitos valores incorretos (1.75 m, 1.76 m …)é lícito inferir que o número de respostas corretas para a pergunta “Qual é a altura do Carlos?” é menor que o número de respostas incorretas, ou ainda, que há mais crenças falsas acerca da sua altura do que crenças verdadeiras. É fácil ver que a consequência não é boa, se observarmos que há uma infinidade de crenças verdadeiras acerca da sua altura, mesmo que haja uma única resposta exata para a questão “Qual é a altura do Carlos?”, a saber, a crença de que vc mede menos de 1.75, menos de 1.76 m e assim por diante. Caso vc insita na tese falsa de que só valor exato conta como uma resposta adequada ou como uma verdade acerca da sua altura, basta lembrar que toda medida pressupõe uma margem de erro e que dentro da margem de erro, por menor que ela seja, há sempre um número infinito de possibilidades! Não há saída muchaco, vc quis escapar da negação, afirmando que se tratava de um mero artifício lógico e acabou enredado nas malhas ainda mais finas da exclusão.Sei que vc não vai aceitar de imediato minha resposta e provavelmente irá inventar outra saída maluca para salvar sua tese, mas antes que vc volte a carga, deixe-me dizer que gostei muito do seu primeiro artigo que, infelizmente, foi mal recebido pelos blogeiros menos afeitos ao livre debate de idéias.16 de setembro de 2011 19:01

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Do Carlos:”Creio que gostou mais do primeiro porque não consegui fazê-lo entender o segundo. Acho que esta promovendo uma tremenda confusão. Se há um crime e o mordomo Luiz é o assassino, a crença que afirma isso será verdadeira. Todas crenças (com respeito a esta crime) referentes a cada um de todos os outros habitantes do planeta como o assassino serão falsas. Alguma dúvida sobre existir, neste sentido, mais falsidades que verdades?Suponha que queiramos saber qual é a cor do sutiã que nossa presidenta esta usando neste momento. Digamos que é azul. A crença que afirma isso será verdadeira. Ok, pode existir um número infinito de verdades sobre o sutiã da presidenta (tipo de tecido etc.) Mas a relativa á cor é somente uma e ponto. A crença de que é verde será falsa, amarela etc, (explico isso no texto). Faça uma enquete num grupo qualquer que eu garanto que serão enunciadas mais falsidades do que verdades. Se tua tese estiver correta teríamos a extravagante situaç ão otimista de que qualquer crença terá 50% de chance de estar certa. Mas eu não tenho 50% de chances de acertar se digo que teu signo e virgem.

Quanto á maluquice, deves saber que isso depende do lado de que se olha. Mas não é impossível que os livros de lógica que eu uso pra dar aula sejam furados.”

17 de setembro de 2011 10:00

Blogger Marco Idiart disse…
Acho que todos tem um pouco de razão. E o segredo talvez esteja na palavra “episteme” levantada pelo Carlos. E na minha insistência em dizer que grande importância de todo este debate reside na definição clara do que é uma “crença”.Considera as afirmações “O sutiã da Dilma é verde de bolinhas amarelas” e “O sutiã da Dilma NÃO é preto de triângulos laranjas”. Seriam as duas afirmativas equivalentes, se considerarmos o seu uso como uma crença?Tem outra forma de ver isto. Imagina que o Ricardo entra Carrefour e pergunta ao menino da entrada onde ficam as massas tailandesas. O menino então responde “acho que NÃO fica no começo da fila 34”.

Isso tudo tem um flavor de teoria de informação, não?

E se propusesse o seguinte: dentre todas as possíveis afirmativas lógicas ( que são em 50% verdadeiras e 50% falsas) existe um subconjunto que chamamos de crenças. Neste subconjunto o número de verdadeiros e falsos não é balanceado, simplesmente porque que uma crença envolve um risco maior ( ou em teoria de informação uma capacidade de informação maior).

17 de setembro de 2011 12:26

Blogger Ricardo disse…
Só prá registro, não usei o termo “maluquice” em sentido literal. Não crei que vc seja louco, o que aliás não é algo que dependa do observador! Só estou dizendo que você está errado e não há nada de mal nisso, aliás é a coisa mais normal do mundo, ao menos em ciência.Vejamos agora sua tréplica:1) Se Luiz foi assassinado, há uma única crença verdadeira acerca de quem matou Luiz e o número de crenças falsas é tão grande quanto o número de seres humanos vivos menos um.

Evidente que não! Volto a frisar, se eu negar todas as crenças falsas sobre quem matou Luiz, obterei o mesmo número de crenças verdadeiras.

2) Se eu fizer uma enquete num grupo qualquer serão enunciadas mais falsidades do que verdades.

Isso não prova nada! Aliás, se provasse poderia ser uma boa razão para acreditar na tese de Plantinga de que caso tivessemos evoluído conforme reza a cartilha darwiniana, seríamos incapazes de distinguir uma crença verdadeira de uma crença falsa. Em suma, a questão não é empírica e sim lógica!

3) Se minha tese estivisse correta teríamos a extravagante situação otimista de que qualquer crença terá 50% de chance de estar certa. Mas eu não tenho 50% de chances de acertar se digo que teu signo e virgem.

Francamente não sabia que vc lecionava lógica, mas a lógica não costuma se curvar às autoridades! O fato é que se desconsiderarmos qualquer informação sobre o mundo, as chances de uma proposição qualquer ser verdadeira é de exatamente 50%. Tome a proposição “O Sol se levantará amanhã”, qual é a probalidade de que isso seja verdadeiro? exatamente 50%. É claro que pressupondo nosso conhecimento de física e supondo que as leis físicas são independentes do tempo, as chances de que o mundo não acabe amanhã são maiores do que 50%. Mas isso, muchacho, você não pode supor, pois, não esqueçamos a razão de nossa disputa, o que Plantinga está defendendo é justamente que naturalismo + evolucinismo = ceticismo.

O mesmo vale para o seu exemplo sobre as chances de o meu signo ser virgem. Ou seja, a menos que vc pressuponha alguma verdade acerca do mundo, a chance é de exatamente 50%! É claro que a) se eu de fato existir, não se esqueça que eu disse que vc é louco, b) se eu for um ser humano e não uma máquina, 3) se eu não for um esquimó, já que no polo norte não há asccendente!, 4) se eu não for chinês, indiano ou um viajante do tempo!, etc… então as chances serão maiores que 50%, podendo até mesmo chegar a 100%, como no famoso caso do cavalo branco de Napoleão.

Um bom fim de semana!

17 de setembro de 2011 12:59

Blogger Marco Idiart disse…
Ricardo, não comentaste a minha proposta.Explicando melhor. Considere que uma “crença” é sempre baseada numa afirmação que nos ajuda a tomar decisões de vida, frente a uma infinidade de possibilidades. Assim dizer que “algo É” é diferente de dizer que algo “NÃO É”. Em teoria de informação diriamos que a expressão afirmativa seria mais informacional do que a negativa, justamente porque o objetivo dela é reduzir o tamanho da incerteza.A afirmação que o sutiã não é vermelho com losangos prata, pouco informa sobre o verdadeiro objeto de curiosidade, o sutiã da presidenta . Logo não tem status de crença, na minha opinião.

Ou seja, o conjunto de crenças tem de ser um conjunto de afirmações bastante informacionais sobre o mundo exterior. Por isto é um conjunto onde o risco de erro é maior.

17 de setembro de 2011 14:31

Blogger Ricardo disse…
Grande Marco, antes de mais nada deixe-me dizer que aprecio muito o teu trabalho de mediação no programa Fronteiras da Ciência!Quanto a tua proposta, não estou certo de tela compreendido integralmente. A princípio, sou favorável à idéia de que substituir o conceito de crença pelo de informação, que, ao contrário do primeiro, pode ser matematicamente definido. Mas não vejo como isso possa ajudar na elucidação e resolução do argumento de Plantinga.A idéia de que o mecanismo de seleção natural privilegia crenças mais informativas e que, por conta disso, termina por privilegiar as crencas verdadeiras, em detrimento das falsas, depende da tese, ao meu ver isustentável, de que as crenças verdadeiras são mais informativas que as falsas. Como vc pode ver, retornamos a minha disputa com o Carlos. De fato, se o Carlos tiver razão e as crenças verdadeiras forem menos prováveis que as falsas (pois há mais falsidades do que verdades), então as crenças verdadeiras serão mais informativas e, consequentente, a tua proposta de solução será viável.

Por fim, creio que a tua proposta de que as crenças afirmativas são mais informativas que as negativas não se sustenta, até porque a negação de uma negação é uma afirmação. Talvez o que tu estejas querendo dizer é que afirmar que um objeto cai sob um determinado predicado “a é P” é mais informativo do que afirmar que o mesmo objeto cai sob a negação deste mesmo predicado “a é não-P”. Isso já é mais compreensível, embora nem sempre seja verdadeiro (pense na diferença entre “a é azul” e “2 é par”). De qualquer modo, em lógica há uma grande difenrença entre negar uma sentença e negar um predicado.

Até mais!

17 de setembro de 2011 20:56

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Do Carlos:”Nao tenho nenhum problema em estar errado, fico até feliz quando reconheço. Mas insisto que a questao pertinente sobre as “quantidades” de verdades e falsidades é epistémica e nao lógica (vc continua nao distinguindo). Nao por acaso Plantinga se apresenta como um epistemólogo, com um problema de conhecimento e nao de lógica. Com todo o respeito, dê uma olhada no que Kant chama de juízos infinitos. (ou indefinidos). Ali ele explica porque (do ponto de vista epistémico) verdades obtidas por negaçao nao determinam tao bem o fato (ou o objeto, no jargao dele) como as de afirmaçao. A melhor traduçao formal para isto seria uma lógica modal onde aprendemos ser o possivel mais amplo que o real. Alguma dúvida sobre a “existencia” de mais mundos possíveis do que O mundo real? Também vejo que estas misturando bivalencia com probabilidades. Uma coi sa é dizer que qualquer proposiçao pode ser verdadeira ou falsa, outra é dizer que ela tem 50% de chances de ser verdadeira ou falsa.Concordo com o Marco. Precisamos qualificar melhor o que entendemos por crenças.”

18 de setembro de 2011 08:20

Blogger Ricardo disse…
Desde o início, vc vem insistindo na tese de que eu não entendi o teu artigo e minhas alegações não passam de uma amontoado de observações confusas.Para alguém que gosta de saber se está errado, vc não está se esforçando muito.Analisemos suas mais recentes alegações:1)A suposta confusão entre lógica e epistemologia;

“Crença”,”Verdadeiro” e “falso” são conceitos lógicos e não epistemológicos. Você tem razão,contudo, quando afirma que a tese de Plantinga é epistêmica, pois, o que ele está afirmando é que o conhecimento seria impossível se o mundo fosse tal qual o naturalismo evolucionista diz que ele é. O que eu venho questionando não é a tese do Plantinga e sim o seu argumento contra esta tese. O que eu estou a dizer é que no seu argumento há uma premissa falsa, a saber, a tese de que há mais falsidades que verdades. Vc não está dizendo que desconhecemos mais do que conhecemos. Se for isso, então é claro que vc tem razão. Nesse caso, contudo, seu argumento é uma petição de princípio.

2)Os juízos infinitos ou o recurso à autoridade de Kant;

Não é de bom tom substimar o adversário, nem recorrer à autoridade, ainda que respeitosamente. Carlos, Kant distingue claramente os juízos infinitos dos juízos negativos. Além do mais, a distinção entre juízos afirmativos, negativos e infinitos, é parte da famosa tábua do juízos, uma classificação que o próprio Kant considera com sendo de ordem lógica e não epistemológica. Com que direito vc recorre à Kant, se como vc mesmo declarou a questão da “quantidade” de verdades e falsidades é epistêmica e não lógica!

3)A humilde lição de lógica modal;

O possível é mais amplo que o real. Sem dúvida uma tese de respeito, mas não uma tese lógica! Primeiramente, vc deve saber que há sistemas modais, como o de David Lewis,em que não há distinção lógica ou ontológica entre possível e real. Em outras palavras, para Lewis, todos os mundos possíveis, incluindo o nosso, são reais. A contraparte disso na física é a versão forte da teoria do multiverso. Para Lewis, idealizador de um dos mais importantes sistemas de lógica modal, a distinção entre o possível e o real não é nem de ordem lógica, nem de ordem ontológica, mas sim de ordem epistemológica: entre o que é, para nós, possível de conhecer e o que está para além da nossa possibilidade de conhecer.

Além disso, há outras situações em que o real e o possível coincidem por questões ontológicas. Pense no seguinte mundo real: os números ímpares, um subconjunto infinito dos números naturais, e a propriedade sucessor. Esse, aliás, é um bom exemplo de um mundo em que o número de verdades é exatamente igual ao número de falsidades, sem a necessidade se se engolir o infinito atual!

4)A suposta confusão entre bivalência e probabilidade.

Não é confusão coisa nenhuma, é a própria definição de probabilidade que o exige. Quantos valores uma moeda pode assumir: dois (cara ou coroa) Qual a probabilidade de sair um ou outro? 1/2. Quantos valores uma sentença pode assumir: dois (verdadeiro ou falso) Qual a probabilidade se ser um ou outro? 1/2. É claro que o real determina o que é verdadeiro ou falso, mas em lógica não se pode supor que o real seja deste ou daquele jeito. Por exemplo, se o real for totalmente determinado, a chance de algo ocorrer será 0 ou 1.

Bem , vou ficando por aqui. Hsta la vista, muchachito!

18 de setembro de 2011 11:44

Blogger Chico disse…
Acho que o Ricardo está transformando algo simples numa tremenda confusão, talvez tentando ‘trolar’ o pessoal do deste blog ao insistir no “estou certo e vocês não admitem que estão errados”.Estamos falando das crenças que motivam comportamentos vantajosos abordadas por Plantinga no seu argumento. Então me parece óbvio que podem existir muito mais crenças falsas que verdadeiras no universo de crenças que de fato se manifestariam nas mentes das criaturas para fazê-las adotar comportamentos benéficos. Exemplificando, num universo de três sabos comedores de moscas, um come mosca para se nutrir, outro para virar príncipe e o outro porque o deus sapo manda. Há duas crenças falsas e uma verdadeira (a primeira). As negações destas não teriam utilidade comparável às suas versões afirmativas porque não carregam a mesma quantidade de informação (citando Marco). E não é concebível que o primeiro sapo, ao comer moscas, pense ‘como mosca, mas não é porque acho que me faz príncipe, e não é porque o deus sapo manda, e etc. (para mais negações de outras possíveis crenças afirmativas motivadoras da ingestão de moscas). Se assim, fosse, o sapo precisaria percorrer uma enorme lista de crenças pouco informativas para, por eliminação, decidir comer moscas por um motivo que poderia ser descrito por uma única crença afirmativa.18 de setembro de 2011 17:49

Blogger Marco Idiart disse…
Oi Chico
Estou também como tu insatisfeito cm o rumo da discussão. Os e-mails crescem na proporção inversa do esclarecimento dos fatos.
As duas visões são prefeitamente reconciliaveis. Por um lado é verdade que existe uma simetria entre falsos e verdadeiros (posição do Ricardo), por outro existe esta noção intuitiva que é mais fácil dizer besteira do que acertar (posição do Carlos). E acho que a solução é clara. Eu estou certo!!!!!E please, pessoal não precisamos de Kant. Senão sou forçado a usar o comentário do Renato Flores.
Bom findi.18 de setembro de 2011 18:41

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Do Carlos:”RicardoCrença certamente não é um conceito lógico.

Para nao perdermos tempo e nao desviar do que mais importa, vamos admitir que todas tuas observaçoes sobre, lógica modal e probabilidades sao corretas.

Mas de onde tirastes a conclusão surpreedente de que para um argumento provar algo, a premissa (s) tem de ser verdadeira (s)? O conceito capital em lógica é validade e não verdade. Dois exemplos de argumentos clássicos. Matemática: prova de Euclides para impossibilidade de existir o maior número primo. Descartes: com a suposição (falsa) de que exista um gênio maligno absolutamente poderoso, usada para provar que, mesmo assim, sobra uma verdade inegável.

Olha só, vejo que foi criada uma distância intrasnponível em nossa discussão. E o mais paradoxal de tudo é fato de aceitar desde o início tua posição lógica como correta. E seja como for isso não atinge meu argumento. Na verdade, o favorece. Ele pode ter uma premissa falsa. Deixe eu ser mais claro. O que eu pretendia fazer era desenvolver a proposta de Platinga a partir do cenário mais pessimista possível (tipo gênio maligno) para mostrar que a conclusão cética não se segue (Concordo, deveria ser mais enfático). Coisas do tipo: suponha assim, então, terá assado. Assim, por maiores que sejam as dificuldades de escolhas entre um número grande crença s, o próprio processo só ganha inteligibilidade devido ao fato de existirem crenças de altíssima probabilidade de verdade, a saber, crenças de percepção. O sapo pode enganar-se sempre sobre o porque comer moscas, mas não pode enganar-se sempre que as come ou nao. De fato faltou eu explicar com mais clareza a idéia de probabilidade para as crenças de percepção, mas penso ser o processo seletivo fortemente compatível com esta tese – esperava sujestoes do blogue. Aceitando tua idéia de que mesmo de um ponto de vista epistêmico a quantidade de verdades é a mesma das de falsidade, isto facilitaria minha argumentação (quem pode mais, pode menos). A qualificação das crenças teóricas ficaria bem mais fácil. vc fortaleceria minha conclusão deixando Plantinga mais fraco. Quero mostrar que mesmo deixando ele o mais forte possível, ain da assim, nao vinga. Em suma, meu argumento pode estar errado, mas nao porque a tese probabilística seja falsa.

Com respeito a negação. E claro que muitas vezes verdades de negação podem ser úteis. Se descubro que o objeto misterioso ao meu lado não é um tigre faminto, ficarei mais aliviado. Mas não esqueça que a negação é um operador lógico (constante) sem conteúdo. Para afirmar que a negação de que x não é um tigre é verdadeira eu preciso saber o que é um tigre por comparaçao e para isto a lógica pode ser complementar mas nao determinante.

Concordo que a referencia a Kant trás mais sutilezas. Mas não a nada de apelo a autoridade nesse recurso. Eu penas recomendei a leitura, bastante relevante para a discussão e não disse “o fabuloso Kant prova que estas errado”.

É isso ai”

18 de setembro de 2011 22:42

Blogger Ricardo disse…
Carlos,Concordo contigo que nossa discussão está girando em torno de pontos que não são centrais no teu argumento contra Plantinga. O ponto central da tua argumentação é a distinção entre crenças teóricas e crenças de percepção.Sua estratégia cética à la Descartes é interessante e concordo que deva haver uma diferença entre a probabilidade maior de as crenças de percepção serem verdadeiras, já que as crenças teóricas se apoiam em última análise em crenças de percepção. Não creio, contudo, que tu tenhas conseguido justificar a contento a afirmação de que as crenças de percepção devem ter altíssima probabilidade, ou mesmo que devem ter probabilidade maior que 50%. Contra isso, creio que Plantinga alegaria que as crenças de percepção não são independentes das crenças teóricas e que, portanto, a baixa probabilidade das crenças teóricas acaba afetando a probabilidade das crenças de percepção.

Até mais!

19 de setembro de 2011 12:00

Blogger Ricardo disse…
Marco,O núcleo da estratégia de argumentativa de Plantinga é simples:P*) Do fato de uma crença ser verdadeira não se segue que ela seja adaptativamente vantajosa, ou ainda, a falsidade de uma crença é compatível com o fato de ela ser adaptativamente vantajosa;

Assumindo P*, ele então infere, corretamente:

C) A adaptabilidade não pode servir como critério de verdade.

Na minha opinião o argumento é bom mas não o suficiente para mostrar que o evolucionismo é incompatível com o naturalismo, a não ser que “naturalismo” seja confundido com “empirismo ingênuo”.

Em minha opinião, a força da argumentação de Plantinga deriva, justamente, do fato de o empirismo ingênuo ser extremamente difundido entre os cientístas naturais, incluindo os Físicos!

19 de setembro de 2011 12:45

Blogger Jorge Quillfeldt disse…
Bingo, Ricardo!Acertaste na mosca: “Em minha opinião, a força da argumentação de Plantinga deriva, justamente, do fato de o empirismo ingênuo ser extremamente difundido entre os cientístas naturais, incluindo os Físicos!”Espero que [email protected] tenham apreciado esse por vezes desconfortável, porém necessário “treinamento de guerrilha conceitual”. Quem entrou “tranquilo”, achando que estava tudo ressolvido, quebrou a cara. A sequência de discussões cada vez mais qualificadas prova que nossa estratégia é adequada.

Parabéns aos bravos interlocutores que ainda prosseguem no debate.

19 de setembro de 2011 12:51

Blogger Ricardo disse…
Grande Jorge,Acabo de receber os trabalhos que solicitei aos meus alunos do Curso de Especialização em Epistemologia Contemporânea que coordeno aqui na Federal de Alagoas e não poderia estar mais feliz.Minha disciplina tem o nome pomposo de “Verdade e Método” e tenho alunos de diferentes áreas (físicos, filósofos, historiadores, etc.). Após algumas aulas expositivas sobre temas centrais de Filosofia da Ciência, com foco no problema da demarcação, eu adotei a seguinte metodologia: em cada aula nós ouviamos um programa do Fronteiras da Ciência e depois debatíamos o tema. Após vários programas e muitas leituras de Carl Sagan, Asimov, Randi, etc., pedi a cada aluno que escolhesse sua pseudociência favorita e escrevesse um artigo questionando sua alegada cientificidade. Como disse, o resultado foi além das minhas expectativas e é claro que nada disso teria sido possível sem o trabalho pioneiro (na verdade a Sarg foi a pioneira) que vcs desenvolvem aí na UFRGS. Bravo!

19 de setembro de 2011 15:11

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Rabenschlag!!!!19 de setembro de 2011 15:13
Blogger Ricardo disse…
Em carne e osso. Imagino que vcs devem ter pensado horrores do “Ricardo”, mas depois que eu vi que vcs não tinham ligado o nome a pessoa, não pude resistir à tentação do anonimato, pelo menos até que alguém se desse conta!19 de setembro de 2011 15:23
Blogger Jorge Quillfeldt disse…
O anonimato foi uma sacanagem, pô! Mas já começava a desconfiar pelo tipo de argumentação. Faz bem pouco que fiquei sabendo que andavas pelas terras das Alagoas, parabéns!E por favor, fotocopie e envie estes trabalhos para nós. Queria muito botar os olhos neles!19 de setembro de 2011 15:26

Blogger Ricardo disse…
Em novembro estarei em POA durante uma semana, participando de um Congresso de Filosofia Analítica na Unisinos. Quando chegar mais perto, a gente pode combinar uma janta ou alguma outra coisa prá reunir o bando!Vcs aí do Fronteiras bem que podiam organizar um evento na Universidade sobre Naturalismo versus Evolucionismo. Nem que seja apenas prá se contrapor aos teólogos da PUC que trouxeram o Plantinga!19 de setembro de 2011 15:40

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Beleza, avisa mesmo. Dia 5/11 teremos um “Skeptics in the Pub” aqui em PoA também…19 de setembro de 2011 15:42
Blogger Jeferson Arenzon disse…
Link interessante para a discussão:http://evolucionismo.org/profiles/blogs/como-e-a-evolucao-seleciona-para-a-verdade19 de setembro de 2011 15:57

Blogger Ricardo disse…
Ainda não tenho a data exata do Congresso mas se eu estiver por aí, não vou perder o skeptics in the pub.Um abraço prá todos!19 de setembro de 2011 15:58

Blogger Jeferson Arenzon disse…
Do Carlos:”Ricardo,Eu devia ter desconfiado que a pancadaria que rolou tinha malandrágem. Sorte que é um amigo pois eu ja tinha encomendado um revolver na fronteira.

Concordo, falta justificar a alta probabilidade das crenças de percepeçao. Algo nao trivial, embora ache intuitivo. Tem esta sujestao do Jaime que penso valer apena desdobrar. Ele permitiu soltar no blogue.

————-

Caro Miraglia
Agora sim tenho o texto certo. Nos textos que o Jorge me mandou constava apenas o primeiro texto (Maldito Plantinga). Concordo em linhas gerais com teu argumento. O ponto central é que para atribuir crenças a um organismo temos em primeiro lugar que determinar que tal organismo tem a capacidade de apreender os conteúdos relevantes, e isso só pode ser feito com base em um comportamento, por parte do organismo que mostre uma capacidade discriminativa com relação aos conceitos envolvidos. Mas a atribuição de tal capacidade discriminativa só se dará se na maioria dos casos o comportamento se mostrar “sensível” à presença ou ausência da propriedade em questão, e isso é equivalente a dizer que na maioria das vezes o organismo tem que ter as crenças perceptivas verdadeiras. Além disso atribuição de crenças propriamente ditas requer atribuição de um grau razoável de racionalidade, e racionalidade implica em uma relação de co mpatibilidade entre as crenças. Para que o sapo da história possa ter a crença que Plantinga quer atribuir a êle, êle tem que ter muitas outras crenças, tais crenças têm que ser compatíveis entre si, e elas têm que ser tais que seus conteúdos sejam minimamente motivados pelo ambiente no sentido especificado acima. Se o sapo da his tória apresentar tudo isso, será no mínimo improvável que êle sustente a crença em questão. Mas mesmo que esse seja o caso, ainda podemos traçar a distinção que tu traças entre crenças perceptivas e o que eu preferiria chamar de crenças teóricas. É possível ter comportamento adaptado na presença de crenças teóricas sistematicamente falsas, mas não é possível ter comportamento adaptado na presença de crenças perceptivas sistematicamente falsas.
Valeu Miraglia. Obrigado pelo texto.
Um abraço
Jaime

——–

Acho que nao esta completo mas é por ai.

Outro ponto é a passagem para a qualificaçao das verdades teóricas, coisas que obtemos pelo fazer da ciencia. Mas suspeito que sem querer Plantinga tem o argumento mais poderos contra o realismo científico. Melhor que van Fraassen.

Vou ver se poderei estar em Poa para um encontro. Nao levarei o revólver.”

19 de setembro de 2011 19:37

Blogger Marco Idiart disse…
Entre os Filósofos e Filósofos da ciência é extremamente difundida a idéia que o empirismo ingênuo é extramamente difundido entre os cientístas naturais, incluindo os Físicos.:-)19 de setembro de 2011 19:58

Blogger Jorge Quillfeldt disse…
… disse o físico.”Und es ward licht!”19 de setembro de 2011 20:15

Blogger Marco Idiart disse…
Jorge, conheces alguém que defende o empirismo ingênuo?Eu conheço mais gente que defende o “preconceito ingênuo que as prequisadores das ciências exatas defendem o empirismo ingênuo” do que gente que defende o IE… quite extraordinary, mon ami… I should write a paper about it…19 de setembro de 2011 21:05

Blogger Jorge Quillfeldt disse…
Podias escrever mesmo, Marco,É óbvio que ninguém iria defender algo que o tachasse de “ingênuo”, né? Essa classificação é um epíteto atribuído por críticos que percebem a base superficial e simplista da concepção de alguém, nunca uma “escola de pensamento” de adesão voluntária… Pela mesma razão não existem partidos com a letra “R” de “Reacionário” na sigla…Mas o fato é que houve uma explosão de maus exemplos filosóficos feitos por ótimos cientistas & divulgadores, como Dawkins, algo que venho comentando aqui há anos. A autoridade científica e a fibra moral do divulgador & combatente de obscurantismos que é Dawkins, por exemplo, não livram a cara dele: é um pensador relapso e superficial, e, pior, estimula a copiá-lo, em seu estilo bravateiro – “macho atheist” – uma espécie de Schwartzenegger dos ateus… “I’ll be back”…

Alguns devem estar pensando, hmmm, essse Jorge vai acaber dando “munição” aos criacionistas, que adorarão citá-lo fora de contexto. “Munição, “guerra”, “combate”, as metáforas bélicas proliferam em detrimento da razão. Se eu realmente temesse dizer isso “só por que” poderia ser citado fora de contexto, tudo realmnente já estaria perdido.

Felizmente estamos longe disso. A razão ainda prevalece!

E ‘deus’ não existe !

19 de setembro de 2011 21:36

Blogger Jorge Quillfeldt disse…
Putz, a postagem saiu e comeu um parágrafo inteiro, cáspite!Dizia o seguinte:Aliás, pelo que tenho lido neste intenso debate aqui no blogue, tu não te enquadras na zona de risco do simplismo dawkiniano.

19 de setembro de 2011 21:46

Blogger Marco Idiart disse…
Obrigado pela consideração.Mas sobre o que antes disseste. Obviamente não me referia a alguém que se auto intitulasse “empirista ingênuo”. Mas a alguém que professasse que pode bootstrap teorias a partir de experimentos, sem nenhuma hipótese inicial.Conheces alguém que realmente faça ciência, que faça o seu paperzinho de cada dia, e que consiga pensar desta forma?

A meu ver o “empirista ingênuo” é o moto perpétuo da filosofia da ciência.

19 de setembro de 2011 22:48

Blogger Ricardo disse…
Carlos,Este Congresso da Unisinos é bem interessante, vc devia enviar um trabalho. Acho que ainda está no prazo.Quanto à janta ou qualquer outra desculpa prá nos reunirmos, faço questão da tua presença, muchacho!

20 de setembro de 2011 09:45

Blogger Ricardo disse…
Marco,Vc tem razão em reclamar do rótulo “empirista ingênuo”. De fato, há muita coisa boa que é tachada de ingênua. Tem gente que acha, por exemplo, que Aristóteles era um empirista ingênuo! A verdade é que ele não era nem empirista nem tampouco ingênuo.Quando eu digo que o Plantinga surfa no tsunami do empirismo ingênuo, eu estou me referindo a uma gama muito diversificada de posições filosóficas que tem insistem em confundir questões filosóficas com questões científicas. Um exemplo disso, na minha opinião, é tentar encontrar um critério causal para a verdade, como se a verdade fosse uma propriedade de alguma parte do cérebro.

20 de setembro de 2011 09:56

Blogger Osame Kinouchi disse…

Pessoas,

Que discussao legal, posso fazer cut and paste pro meu blog ou tem copyright?

Marco, que tal usar o Perceptron para esclarecer as coisas aqui?

É obvio para quem conhece a questao do Perceptron (especialmente do Perceptron Binario) que existe apenas um unico perceptron aluno igual ao perceptron professor, mas infinitos perceptrons falsos (que diferem por 1 bit, dois bits etc) no limite termodinamico, claro!

Dado que mesmo a ideia de proximidade do professor atingivel por acumulo de seleção via exemplos nao é verdadeira no caso do perceprton binario, ou seja, dada a quebra de simetria de replicas e a presença de infinitas solucoes compativeis com um conjunto finito de exemplos, e que tais solucoes nao sao proximas mas sim espalhadas no espaco das regras… e chamando cada perceptron de uma crença ou teoria, teremos que nao ha convergencia para a teoria verdadeira (para exemplos com ruido, que nao permitem a transicao de fase para aprendizagem perfeita, OK?)

E lembremos que qualquer conjunto de exemplos (experimentos, fatos etc) necessariamente terá ruido no mundo natural.

Finalmente, dado que a aprendizagem do perceptron binario nao é factivel (é um problema NP completo) e dado que dificilmente um algoritmo genetico (evolucao dos perceptrons) poderia resolver um problema NP completo (na verdade, nao pode, nao é mesmo?) , m eparece que a teoria do perceptron binarico no cenario professor-aluno embasa de maneira matematica o argumento de Platininga?

Ou não?

Vc poderia traduzir o meu argumento para os leigos?

Osame

20 de setembro de 2011 18:09

Religião é política? E a ciência é ateia?

Texto obtido no Facebook do Eli Vieira:

Religião é política? E a ciência é ateia?

por Erick Fishuk, segunda, 19 de setembro de 2011 às 14:08

Duas perguntas essenciais devem ser respondidas pelos movimentos ateus, céticos e laicos no desenrolar de suas lutas se eles quiserem ir para frente e adquirir consistência visual, teórica e combativa. A primeira é se as religiões instituídas são uma forma de fazer política, ou, mais ainda, se elas mesmas são uma espécie de braço espiritual dos Estados modernos para que estes façam valer seus discursos morais e cívicos. A segunda é se a ciência, tomada como instrumento de análise e transformação racional e padronizada da realidade, deve definitivamente se assumir como partidária do ateísmo e, portanto, combater as religiões de modo militante, em concomitância com sua atividade profissional e objetiva obrigatória.

 

Não pretendo aqui esgotar a questão, que deve ser resolvida por todos aqueles racionalistas e fiéis que batalham pela não interferência de interesses privados nas esferas coletivas. Ainda assim, desejo dar minha contribuição, mesmo parcial e incompleta. Penso que, de acordo com um conceito mais amplo sobre o que é fazer política, não só as religiões instituídas, ao menos no Brasil e em alguns países em que elas exercem grande influência, são agentes poderosos de interesse e atuam conforme regras de conciliação e acomodação bastante terrenas, como também o Estado ainda lhes reserva uma grande dívida no sentido de mobilizar apoio para seus projetos de unidade patriótica e lhes tributa inúmeros privilégios patrimoniais e fiscais como retribuição ao preenchimento de lacunas, por vários séculos, que o poder público não quis ou não pôde suprir. Da mesma forma, segundo um conceito particular de religião, não julgo ser a ciência totalmente competente para intervir em assuntos de fé, a não ser que estes passem a concernir e a intervir no mundo real e na própria prática científica.

Read more [+]

Homem precisa se enganar, diz biólogo. Mas para enganar sua mulher, o desafio é bem maior!

Acho que não cheguei a reproduzir o texto de Ricardo Mioto sobre Robert Trivers neste blog. Virei fã do Trivers por que ele me parece o Richard Feynman da Biologia. Dado que sempre é bom uma reverberação tipo “bela adormecida”, aqui vai:

Homem precisa se enganar, diz biólogo

RICARDO MIOTO
DE SÃO PAULO

Platão, Kant e… Trivers?

Se essa lista parece estranha, Steven Pinker, talvez o mais importante psicólogo contemporâneo, discorda.

O biólogo Robert Trivers, diz, é um dos grandes pensadores da história do Ocidente -provavelmente o único deles que é defensor da maconha, apaixonado pela Jamaica e entusiasta do grupo de radicais negros Panteras Negras (ainda que branco).

Adriano Vizoni/Folhapress
O biologo americano Robert Trivers, durante palestra no auditorio do Instituto de Biociencias da USP
O biologo americano Robert Trivers, durante palestra no auditorio do Instituto de Biociencias da USP

A empolgação com o cientista se deve ao fato de que Trivers, quase sozinho, revolucionou a psicologia, ao propor, nos anos 1970, elos entre o comportamento humano e a teoria da evolução.

Trivers correlacionou, por exemplo, as diferenças entre o comportamento sexual masculino e o feminino ao fato de que homens investem menos em cada filho do que as mulheres (veja abaixo).

Seu tema de interesse atual é o autoengano. Ele defende que os humanos evoluíram para acreditar em mentiras que os façam se sentir melhor e que justifiquem suas atitudes.

O sujeito que, contra todas as evidências, acha que vai se recuperar de uma doença fatal, ou a mulher que se recusa a enxergar que o marido claramente a trai estão, então, apenas sendo humanos. Read more [+]

Chineses e hispânicos compartilham igreja a contragosto em Nova York

janeiro 12th, 2011 at 8:53


» by O Bruxo in: Religião

Via G1

A Igreja Metodista Unida, no bairro de Sunset Park, no Brooklyn, é tudo, menos unida.
Dois pastores pregam do mesmo púlpito e moram na mesma residência paroquial, mas mal se falam e criticam abertamente a abordagem da fé um do outro. Na ala social da igreja, dois grupos espiam um ao outro, desconfiados – um termina a refeição de arroz com feijão, enquanto o outro prepara frango asiático.
Duas congregações bem diferentes dividem o mesmo prédio: um pequeno edifício com cerca de 30 pessoas que falam espanhol e rezam aqui há décadas e uma multidão novata de mais de mil imigrantes chineses que aumenta toda semana – a congregação metodista que mais cresce em Nova York.

Os latinos dizem se sentir oprimidos e sob ameaça, enquanto os chineses, que são os locadores, afirmam se sentir reprimidos e subestimados. Mediadores foram enviados, mas com pouco sucesso. Na temporada de final de ano, houve até duas árvores de Natal.

“Este pastor é muito grosso conosco”, disse o reverendo Zhaodeng Peng, que lidera a congregação chinesa com a esposa.

O reverendo Hector Laporta, líder da igreja latina, respondeu: “Ele realmente tem um problema com a raiva.”

Esse impasse reflete um cabo de guerra que ocorre há várias gerações em Nova York, onde grupos de imigrantes -alguns estabelecidos, outros recém-chegados- se acotovelam em calçadas lotadas e em moradias apertadas, disputando espaço, casa e emprego.

Agora, essa luta está chegando até os silenciosos santuários das igrejas, à medida que congregações com restrições financeiras -especialmente aquelas de denominações mais populares, como as metodistas- encontram solução no compartilhamento do espaço. No Queens, uma igreja metodista dividida entre congregações latino-americanas e caribenhas acaba de dar espaço a uma pequena congregação paquistanesa.

Como colegas de quarto de qualquer lugar do mundo, os grupos metodistas que dividem o espaço entram em conflito quanto a banheiros sujos, música alta e luzes acesas, disse o reverendo Kenny Yi, coordenador do distrito da congregação que tentou intermediar a disputa em Sunset Park.

A igreja, construída há mais de um século por imigrantes noruegueses, oferece muita oportunidade para tensões. Há a barreira do idioma: poucos chineses falam inglês, e menos ainda falam espanhol. O espaço é apertado e precisa de reparos, e cada grupo tem uma missão diferente.

Laporta, de 55 anos, vem de uma tradição religiosa de ação social. Ele participar de reuniões para o controle do aluguel e pede a reforma da imigração em seus sermos. Laporta diz que Peng ignora o problema dos imigrantes ilegais em sua congregação. Peng, de 48 anos, foca mais nos livros sagrados. “As pessoas precisam da palavra de Deus”, ele disse.
Peng argumenta que Laporta deixa seus membros com fome espiritual. “Se a congregação precisa aprender política, pode ler o jornal”, disse Peng. “É por isso que a congregação não cresce.”

No meio estão Yi e outros membros da metodista, que devem decidir se mantêm a situação atual, intranquila, ou levam a congregação latina para outro local e dão o prédio a Peng e sua esposa e co-pastora, a reverenda Qibi She.
“Estamos apelando para Deus, para ver em que direção Ele aponta as duas congregações”, disse Yi. “Descobriremos mais cedo ou mais tarde.”

Enquanto isso, altos membros da metodista vêm tentando interferir no processo. Em 2009, Yi trouxe um mediador de fora, Kenneth J. Guest, professor de antropologia da Baruch College que estuda a religião em Chinatown, Nova York.
Guest ajudou a intermediar um contrato que estabelecia regras básicas: a igreja dos latinos teria uso exclusivo do hall social aos domingos das 12h30 às 14h. A congregação chinesa usaria o local das 14h às 19h. Nenhum dos grupos interromperia os sermos do outro.

Não funcionou. Recentemente, Laporta pegou o contrato e apontou para cada compromisso que, segundo ele, os chineses tinham violado. Eram muitos. “Eles não seguem nenhuma regra”, disse Laporta, com a voz cheia de resignação.
Peng contou que a igreja atraía tantos novos chineses que muitas pessoas não sabiam das regras. A vizinhança do lado de fora, um dos bairros mais vibrantes da cidade, de alguma forma reflete a divisão da igreja. Uma rua abriga barraquinhas de taco, bodegas equatorianas e igrejas mexicanas -enquanto na parte de cima vemos mercados de peixe e lojas de remédios de ginseng formando Chinatown.

Nos últimos anos, as empresas chinesas têm se expandido, chegando até o local da igreja. A população chinesa da área cresceu de 24 mil, no ano 2000, para 31 mil em 2009, de acordo com dados do censo.

“Eles estão por toda parte”, disse Laporta, nascido no Peru. “O que acontece aqui é o mesmo que acontece lá fora.”  A congregação latina está no prédio há cerca de 30 anos, mas diminuiu bastante passou de 60 membros para pouco menos da metade. Há seis anos a congregação começou a alugar o local para o grupo chinês.

A igreja chinesa paga a Laporta cerca de US$ 50 mil em aluguel, mais do dobro do que a congregação hispânica tem conseguido arrecadar por sua própria conta. Peng disse que pagaria mais de bom grado, e ajudaria a consertar a igreja desgastada, se pudesse expandir para o porão.

“Eles têm um prédio enorme, mas poucas pessoas”, disse Peng. “Temos as pessoas, mas não o prédio.” Read more [+]

O efeito Placebo e o pensamento mágico foram selecionados pela evolução?

Lendo este paper reavivou aquela ideia de que o efeito Placebo tenha sido selecionado pela evolução humana via práticas de Xamanismo. POr efeito PLacebo se entende um processo de alívio sintomático e mesmo cura espontânea induzido pela crença (fé) do paciente de que está sendo tratado por uma terapia eficaz. A hipótese seria a seguinte:

1. Durante o Paleolítico não havia tratamento médico eficaz e padronizado (ervas, cirurgias etc.). Talvez nesse período (e certamente no Neolítico) surgiram os primeiros Xamãs e diversas práticas Xamânicas de cura como cantos curativos, ervas medicinais, uso de drogas alucinógenas e psicotrópicas, mediunidade etc.

2. As práticas Xamânicas de cura possuem todos os ingredientes para um efeito Placebo eficaz, ainda usados na medicina atua, por exemplo:

  • Distanciamento entre paciente e o Xamã (Médico) que possui uma aura de grande autoridade e conhecimento e se veste diferentemente dos seres humanos comuns. Isso reforça a crença do paciente de que o Xamã (Médico) tem poder eficaz de curá-lo (acima de sua verdadeira capacidade curativa).
  • Uso de diversos tratamentos onde o efeito Placebo sempre está presente: por exemplo, como as crianças associam pilulas brancas com remédios (que lhes fazem bem após o uso) e pilulas vermelhas ou coloridas com balas e docinhos (que não têm efeito medicinal), em geral as pílulas são brancas, de modo que a eficácia medicamentosa se una ao efeito Placebo no processo de alívio e cura. É por isso que não existem pílulas coloridas na Homeopatia, por que daí elas fariam bem menos efeito.

3. Então, dado que os tratamento eficazes mesmo sem crença (drogas medicinais e cirurgias) eram de uso restrito, apareceu evolucionariamente a cura baseada no Efeito Placebo: as pessoas mais suscetíveis à fé na autoridade do Xamã (e fé no mundo espiritual do qual o Xamã é o mediador) experimentariam alívio e cura por efeito Placebo. As pessoas incapazes de ter essa fé não experimentavam este tipo de cura e demoravam mais para se restabelecer.

4. Ou seja, a fé no processo de cura (mesmo na medicina científica) adiciona ao tratamento, qualquer que seja ele, pelo menos o alívio da ansiedade gerada pela doença. Como os hormônios de stress (Cortisol etc.) são prejudiciais ao processo de recuperação da saúde, as pessoas com predisposição genética para a fé e pensamento mágico foram selecionadas pela evolução. (Obs: Entretanto neste paper se revela que os placebos funcionam mesmo se os pacientes estão conscientes de que estão tomando substâncias inócuas).

No paper abaixo se revela uma possível ligação entre a suscetibilidade ao efeito Pacebo e certas variações em genes ligados ao transporte e síntese de Serotonina. A minha hipótese sobre seleção da suscetibilidade do efeito Placebo gera as seguintes previsões experimentalmente testáveis:

  1. As pessoas com a predisposição genética ao efeito Placebo são maioria mesmo na população tratada por medicina científica, dada que esta surgiu a pouco tempo na história da humanidade.
  2. As variações genéticas que predispõe ao efeito Placebo observadas pelos autores devem estar bem mais presentes em todas as sociedades onde o Xamanismo é o principal meio de cura (culturas indígenas etc.)
  3. Deverá existir uma correlação positiva entre susceptibilidade genética ao efeito placebo e religiosidade e uma correlação negativa entre resposta a efeito placebo e ceticismo/ateísmo. Neste blog já foi discutida a relação entre TDAH e ceticismo, mas agora temos uma hipótese complementar de que religiosos portaria os alelos longos do gene 5-HTTLPR ou a variação G do polimorfismo TPH2 G-703T, enquanto que céticos e ateus carregariam as versões curtas desses alelos. Se alguém fizer essa experiência, por favor, me cite, OK?
  4. Os alelos longos estarão mais presentes nas mulheres pelo fato de que, possivelmente, eram as mais tratadas (e suscetíveis) pelos Xamãs (especialmente nas complicações de parto). Isso explicaria a eficácia de certas práticas mais disseminadas entre as mulheres como simpatias (não existe receitas de simpatias na Playboy) e religiosidade/espiritualidade: possivelmente temos quatro mulheres para cada homem nas religiões, e quatro  homens para cada mulheres nos círculos céticos.

A Link between Serotonin-Related Gene Polymorphisms, Amygdala Activity, and Placebo-Induced Relief from Social Anxiety

  1. Tomas Furmark 1 ,
  2. Lieuwe Appel 2 ,
  3. Susanne Henningsson 3 ,
  4. Fredrik Åhs 1 ,
  5. Vanda Faria 1 ,
  6. Clas Linnman 1 ,
  7. Anna Pissiota 1 ,
  8. Örjan Frans 1 ,
  9. Massimo Bani 4 ,
  10. Paolo Bettica 4 ,
  11. Emilio Merlo Pich 4 ,
  12. Eva Jacobsson 5 ,
  13. Kurt Wahlstedt 5 ,
  14. Lars Oreland 6 ,
  15. Bengt Långström 2 , 7 ,
  16. Elias Eriksson 3 , and
  17. Mats Fredrikson 1

+Author Affiliations


  1. 1Department of Psychology, Uppsala University, SE-751 42 Uppsala, Sweden,

  2. 2Uppsala Imanet, GE Healthcare, SE-751 09 Uppsala, Sweden,

  3. 3Department of Pharmacology, Göteborg University, SE-405 30 Göteborg, Sweden,

  4. 4GlaxoSmithKline, Medicine Research Centre, 37135 Verona, Italy,

  5. 5Quintiles AB Phase I Services, SE-753 23 Uppsala, Sweden,

  6. 6Department of Neuroscience, Pharmacology, Uppsala University, SE-751 24 Uppsala, Sweden, and

  7. 7Department of Biochemistry and Organic Chemistry, Uppsala University, SE-751 23 Uppsala, Sweden

Abstract

Placebo may yield beneficial effects that are indistinguishable from those of active medication, but the factors underlying proneness to respond to placebo are widely unknown. Here, we used functional neuroimaging to examine neural correlates of anxiety reduction resulting from sustained placebo treatment under randomized double-blind conditions, in patients with social anxiety disorder. Brain activity was assessed during a stressful public speaking task by means of positron emission tomography before and after an 8 week treatment period. Patients were genotyped with respect to the serotonin transporter-linked polymorphic region (5-HTTLPR) and the G-703T polymorphism in the tryptophan hydroxylase-2 (TPH2) gene promoter. Results showed that placebo response was accompanied by reduced stress-related activity in the amygdala, a brain region crucial for emotional processing. However, attenuated amygdala activity was demonstrable only in subjects who were homozygous for the long allele of the 5-HTTLPR or the G variant of the TPH2 G-703T polymorphism, and not in carriers of short or T alleles. Moreover, the TPH2 polymorphism was a significant predictor of clinical placebo response, homozygosity for the G allele being associated with greater improvement in anxiety symptoms. Path analysis supported that the genetic effect on symptomatic improvement with placebo is mediated by its effect on amygdala activity. Hence, our study shows, for the first time, evidence of a link between genetically controlled serotonergic modulation of amygdala activity and placebo-induced anxiety relief.

Placebo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Este artigo se refere ao efeito placebo; para a banda de mesmo nome, veja Placebo (banda).

Placebo (do latim placere, significando “agradarei”) é como se denomina um fármaco ou procedimento inerte, e que apresenta efeitos terapêuticos devido aos efeitos fisiológicos dacrença do paciente de que está a ser tratado.

Muitos médicos também podem atribuir efeito placebo a medicamentos com princípios activos, mas que apresentam efeitos terapêuticos diferentes do esperado. Por exemplo, um comprimido de vitamina C pode aliviar a dor de cabeça de quem acredite estar ingerindo um analgésico, sendo um exemplo clássico de que o que cura é não apenas o conteúdo do que ingerimos mas também a forma. Seguindo esta corrente de pensamento, o dicionário médico Hooper cita o placebo como “o nome dado a qualquer medicamento administrado mais para agradar do que beneficiar o paciente”.

O placebo pode ser eficaz porque pode reduzir a ansiedade do paciente, revertendo assim uma série de respostas orgânicas que dificultam a cura espontânea:

  • Aumento da frequência cardíaca e respiratória
  • Produção e liberação de adrenalina na circulação sanguínea
  • Contracção dos vasos sanguíneos

Essas respostas orgânicas são vantajosas para reacções de fugir ou lutar contra agressores externos. Mas também prejudicam a cicatrização e o fluxo de leucócitos, e são, portanto, prejudiciais para o processo de cura, sendo aqui o efeito placebo bastante útil.

O efeito placebo pode ainda ser usado para testar a validade de medicamentos ou técnicas verdadeiras. Consiste, por exemplo, no uso de cápsulas desprovidas de substâncias terapêuticas ou contendo produtos conhecidamente inertes e inócuos, que são administrados a grupos de cobaias humanas ou animais para comparar o efeito da sugestão no tratamento de doenças, evitando-se atribuir possíveis resultados terapêuticos a tratamentos sem valor. Na comparação com placebo estabelece-se a validade de um medicamento ao compará-lo com os processos de cura espontânea ou por sugestão. O princípio subjacente é o de que num ensaio com placebo, parte do sucesso da substância activa é devido não a esta mas sim ao efeito placebo da mesma.

Ligações externas

Neuroimageando Memes

Can we measure memes?

Adam McNamara*
  • Department of Psychology, University of Surrey, Surrey, UK

Memes are the fundamental unit of cultural evolution and have been left upon the periphery of cognitive neuroscience due to their inexact definition and the consequent presumption that they are impossible to measure. Here it is argued that although a precise definition of memes is rather difficult it does not preclude highly controlled experiments studying the neural substrates of their initiation and replication. In this paper, memes are termed as either internally or externally represented (i-memes/e-memes) in relation to whether they are represented as a neural substrate within the central nervous system or in some other form within our environment. It is argued that neuroimaging technology is now sufficiently advanced to image the connectivity profiles of i-memes and critically, to measure changes to i-memes over time, i.e., as they evolve. It is argued that it is wrong to simply pass off memes as an alternative term for “stimulus” and “learnt associations” as it does not accurately account for the way in which natural stimuli may dynamically “evolve” as clearly observed in our cultural lives.

 

Um Jantar Memorável (II)

Hoje sobrou um tempinho para continuar o relato sobre aquele memorável jantar de 30 de julho na casa de Bruno Lobão e Michelle em Natal. Como eu havia dito, Ricardo Mioto e eu gastamos algum tempo conversando sobre autismo e ateísmo. Eu lhe havia explicado que a aplicação da neurociência e da psicologia evolucionária ao comportamento humano precisa ser radical: ela precisa se aplicar, inclusive, ao próprio cientista que faz a análise. Ou seja, um cientista ateu pode explicar a origem da fé usando neurociência e psicologia evolucionária mas também precisa admitir que seu ateísmo pode ter origem em explicações neurocientíficas (a Síndrome dos Geeks ou Asperger, por exemplo) e precisa, pelo menos, explicar por que o ateismo não é um comportamento universal: se a racionalidade e uma atitude refratárias a fé são coisas boas e importantes para a sobrevivência da humanidade, então por que ela não foi selecionada evolucionariamente, ou seja, porque a incapacidade para ter fé não foi implantada como comportamento default no cérebro humano?

Proceder de outro modo, disse Mioto, seria adotar uma teoria self-serving, que pode agradar o ego do cientista (“os outros tem fé porque têm problemas mentais, baixo QI ou estão sendo manipulados por memes-genes egoístas, mas eu não tenho fé porque estou liberto de memes e genes egoístas, afinal sou muito inteligente e tenho altissimo QI!”). Mioto chamou essa hipótese GSST (Geek Self-Serving Theory).

Em particular, fica claro que o ateísmo é um meme egoísta, ou seja, um comportamento cultural que afeta negativamente o fitness biológico de um indivíduo: é estatisticamente documentado que ateus e pessoas racionais têm menos filhos, afinal ter filhos tem um custo enorme e é sempre um risco para a saúde (da mãe), de modo que uma mulher racional não deveria desejar ter filhos. Isso, é claro, implica que a disposição genética para a racionalidade pode ter sido evolucionariamente modulada ao longo da evolução: as grandes mulheres racionais, usando sua racionalidade, preferiram não ter filhos e portanto não passaram suas características genéticas a seus descendentes. Essa hipótese é totalmente compatível com as idéias de Trivers sobre o auto-engano enquanto predisposição genética da humanidade.

Isso explicaria a constatação de que todo homem (ou melhor, toda pessoa com características tradicionais masculinas, não importando o sexo biológico) é um pequeno autista, segundo Mioto, ou seja, apresenta traços do espectro autista, e explicaria a desproporção entre homens e mulheres ateus. É claro que um ateu poderia sugerir que as mulheres são predispostas à religião, espiritualidade e supertições (qual a proporção de homens que fazem simpatias?) por serem mais irracionais, mas isso de novo é uma teoria self-serving.

Ricardo e eu ficamos pensando em como testar essa idéia. Um possível teste seria tomar dois grupos, um grupo com Síndrome Geek e um grupo normal de alto QI (comparável aos geeks) e fazer um questionário sobre opção religiosa e sexual, nível de ceticismo etc. Eu não fiz a pesquisa, mas a estou propondo aqui. Em todo caso, eu tenho fé (ironia aqui!) de que o grupo geek é mais cético e ateu que o grupo normal, e essa fé me leva a apostar um kit de cervejas Colorado  de Ribeirão Preto (R$ 37,50) de que os geeks são mais ateus que as pessoas de alto QI neurotípicas.

Trivers, Sidarta, Bruno e Wilfredo estavam conversando na garagem, deitados em redes ou balanços de crianças, e fomos nos juntar a eles. Acho que as Natália, Débora, Michelle e Sibele estavam discutindo coisas mais importantes e interessantes, mas não acompanhei a conversa. Um dos tópicos discutidos foi a questão dos canabinóides, endocanabinóides e neuroteologia. A noite terminou com muitas conversas e muito vinho, foi muito produtiva cientificamente. Eu me lembrei do Sidarta me contando sobre uma prática existente em um grupo de pesquisa que ele participou nos EUA: havia um seminário de grupo que era feito num bar, e o palestrante era obrigado a se embebedar antes de dar a palestra. Imagino que isso era importante para o brainstorming, afinal as melhores e mais criativas músicas de Tom Jobim e Vinícius foram feitas ao redor de um copo de Whisky (acrônimo de WHo Is in the SKY?).

Acho que conversei com o Sidarta também, não sei se naquela noite ou em um dia anterior, sobre funções do sonho e sonhos criativos, ou seja, o fato do estado onírico favorecer associações de idéias antes tidas como separadas. E não é que, na manhã do dia seguinte, tive um sonho desses, onde as diversas idéias discutidas naquele jantar se encaixaram em um quadro maior, que previa fortes testes da hipótese de ateísmo ser um traço autista e sugeria um novo tratamento farmacológico para o autismo? (Sim, se essas idéias se confirmarem, ficarei famoso!). O sonho foi tão impressionante, a sensação de Eureka foi tão forte, que contei imediatamente o mesmo para minha filha Juliana, a fim de não esquecê-lo.  Este sonho será o tema do próximo post desta série, OK?  Aguardem.