Home // Posts tagged "Astrobiologia"

O Paradoxo de Fermi e Caminhadas do Turista

International Journal of Astrobiology

Research Article

Slingshot dynamics for self-replicating probes and the effect on exploration timescales

Arwen Nicholsona1 c1 and Duncan Forgana1

 

a1 Scottish Universities Physics Alliance (SUPA), Institute for Astronomy, University of Edinburgh, Blackford Hill, Edinburgh EH9 3HJ, UK

 

Abstract

 

Interstellar probes can carry out slingshot manoeuvres around the stars they visit, gaining a boost in velocity by extracting energy from the star’s motion around the Galactic Centre. These manoeuvres carry little to no extra energy cost, and in previous work it has been shown that a single Voyager-like probe exploring the Galaxy does so 100 times faster when carrying out these slingshots than when navigating purely by powered flight (Forgan et al.2012). We expand on these results by repeating the experiment with self-replicating probes. The probes explore a box of stars representative of the local Solar neighbourhood, to investigate how self-replication affects exploration timescales when compared with a single non-replicating probe. We explore three different scenarios of probe behaviour: (i) standard powered flight to the nearest unvisited star (no slingshot techniques used), (ii) flight to the nearest unvisited star using slingshot techniques and (iii) flight to the next unvisited star that will give the maximum velocity boost under a slingshot trajectory. In all three scenarios, we find that as expected, using self-replicating probes greatly reduces the exploration time, by up to three orders of magnitude for scenarios (i) and (iii) and two orders of magnitude for (ii). The second case (i.e. nearest-star slingshots) remains the most time effective way to explore a population of stars. As the decision-making algorithms for the fleet are simple, unanticipated ‘race conditions’ among probes are set up, causing the exploration time of the final stars to become much longer than necessary. From the scaling of the probes’ performance with star number, we conclude that a fleet of self-replicating probes can indeed explore the Galaxy in a sufficiently short time to warrant the existence of the Fermi Paradox.

(Received April 02 2013)  (Accepted May 24 2013)

 

Planetas extra-solares, Kepler 62 e o Paradoxo de Fermi local

Conforme aumentam o número de planetas extra-solares descobertos, também aumentamos vínculos sobre as previsões do modelo de percolação galática (Paradoxo de Fermi Local).
A previsão é que, se assumirmos que Biosferas Meméticas (Biosferas culturais ou Tecnosferas) são um resultado provável de Biosferas Genéticas, então devemos estar dentro de uma região com pucos planetas habitáveis. Pois se existirem planetas habitados (por seres inteligentes) por perto, com grande probabilidade eles são bem mais avançados do que nós, e já teriam nos colonizado.
Como isso ainda não ocorreu (a menos que se acredite nas teorias de conspiração dos ufólogos e nas teorias de Jesus ET, deuses astronautas etc.), segue que quanto mais os astronomos obtiverem dados, mais ficará evidente que nosso sistema solar é uma anomalia dentro de nossa vizinhança cósmica (1000 anos-luz?), ou seja, não podemos assumir o Princípio Copernicano em relação ao sistema solar: nosso sistema solar não é tipico em nossa vizinhança.  Bom, pelo menos, essa conclusão está batendo com os dados coletados até hoje…
Assim, é possível fazer a previsão de que uma maior análise dos planetas Kepler 62-e e Kepler 62-f revelará que eles não possuem uma atmosfera com oxigênio ou metano, sinais de um planeta com biosfera.

Persistence solves Fermi Paradox but challenges SETI projects

Osame Kinouchi (DFM-FFCLRP-Usp)
(Submitted on 8 Dec 2001)

Persistence phenomena in colonization processes could explain the negative results of SETI search preserving the possibility of a galactic civilization. However, persistence phenomena also indicates that search of technological civilizations in stars in the neighbourhood of Sun is a misdirected SETI strategy. This last conclusion is also suggested by a weaker form of the Fermi paradox. A simple model of a branching colonization which includes emergence, decay and branching of civilizations is proposed. The model could also be used in the context of ant nests diffusion.

03/05/2013 – 03h10

Possibilidade de vida não se resume a planetas similares à Terra, diz estudo

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Com as diferentes composições, massas e órbitas possíveis para os planetas fora do Sistema Solar, a vida talvez não esteja limitada a mundos similares à Terra em órbitas equivalentes à terrestre.

Editoria de arte/Folhapress

Essa é uma das conclusões apresentada por Sara Seager, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), nos EUA, em artigo de revisão publicado no periódico “Science“, com base na análise estatística dos cerca de 900 mundos já detectados ao redor de mais de 400 estrelas.

Seager destaca a possível existência de planetas cuja atmosfera seria tão densa a ponto de preservar água líquida na superfície mesmo a temperaturas bem mais baixas que a terrestre. Read more [+]

Espírito Natalino: Doe para o [email protected]

Alguns teóricos da conspiração acham que Jesus era um ET e a estrela de Belém era um UFO. Já outros conspiracionistas creem firmemente que Jesus nunca existiu. OK, também tem aqueles que acham que Jesus era filho de Maria com um soldado romano. E, por que não, ele poderia ser um viajante do tempo também! Bom, eu sei que você tem que escolher entre alguma das teorias (e dizer por que a sua é melhor que a do vizinho), mas em todo caso, com espírito Natalino, doe para o…

SETI@home
 

 


Winter 2012
Dear OsameKinouchi:In 2012, Americans spent more than $6 billion on political campaigns. (That’s 15,000 times the annual [email protected] budget). And during the presidential campaign, none of the candidates mentioned [email protected] even once.

That’s OK. We understand that SETI isn’t a federal priority, and that no flood of federal dollars will be headed our way. But we hope that we’re still one of your priorities. [email protected] and the rest of the Berkeley SETI projects depend on your donations in order to keep going.

If you’ve already donated this fall, we thank you. If you haven’t, or if you liked the process so much you’d do it again, please consider making a donation by going to this link:

http://setiathome.berkeley.edu/sah_donate.php

We promise we won’t spend it on commercials.

– Eric Korpela, [email protected] Project Scientist

 

 

 

 

 

 


The University of California is a nonprofit educational and research organization governed by the provisions of Section 501(c)(3) of the Internal Revenue Code. Donations are tax deductible for residents of the United States and Canada.

Os deuses de Richard Dawkins

File:NASA child bubble exploration.jpgMy personal theology is described in the Gifford lectures that I gave at Aberdeen in Scotland in 1985, published under the title, Infinite In All Directions. Here is a brief summary of my thinking. The universe shows evidence of the operations of mind on three levels. The first level is elementary physical processes, as we see them when we study atoms in the laboratory. The second level is our direct human experience of our own consciousness. The third level is the universe as a whole. Atoms in the laboratory are weird stuff, behaving like active agents rather than inert substances. They make unpredictable choices between alternative possibilities according to the laws of quantum mechanics. It appears that mind, as manifested by the capacity to make choices, is to some extent inherent in every atom. The universe as a whole is also weird, with laws of nature that make it hospitable to the growth of mind. I do not make any clear distinction between mind and God. God is what mind becomes when it has passed beyond the scale of our comprehension. God may be either a world-soul or a collection of world-souls. So I am thinking that atoms and humans and God may have minds that differ in degree but not in kind. We stand, in a manner of speaking, midway between the unpredictability of atoms and the unpredictability of God. Atoms are small pieces of our mental apparatus, and we are small pieces of God’s mental apparatus. Our minds may receive inputs equally from atoms and from God. This view of our place in the cosmos may not be true, but it is compatible with the active nature of atoms as revealed in the experiments of modern physics. I don’t say that this personal theology is supported or proved by scientific evidence. I only say that it is consistent with scientific evidence.  Freeman Dyson

Parece que Dawkins está rumando para uma posição similar à de Gardner, Clément Vidal e outros da comunidade Evo-Devo Universe.

Human Gods

After two hours of conversation, Professor Dawkins walks far afield. He talks of the possibility that we might co-evolve with computers, a silicon destiny. And he’s intrigued by the playful, even soul-stirring writings of Freeman Dyson, the theoretical physicist.

In one essay, Professor Dyson casts millions of speculative years into the future. Our galaxy is dying and humans have evolved into something like bolts of superpowerful intelligent and moral energy.

Doesn’t that description sound an awful lot like God?

“Certainly,” Professor Dawkins replies. “It’s highly plausible that in the universe there are God-like creatures.”

He raises his hand, just in case a reader thinks he’s gone around a religious bend. “It’s very important to understand that these Gods came into being by an explicable scientific progression of incremental evolution.”

Could they be immortal? The professor shrugs.

“Probably not.” He smiles and adds, “But I wouldn’t want to be too dogmatic about that.”

O melhor livro de divulgação científica que encontrei em quarenta anos de leituras

Depois escrevo minha resenha…

A REALIDADE OCULTA – Universos paralelos e as leis profundas do cosmo
Brian Greene
R$ 59,00 Comprar
R$ 39,00 E-Book
Indique Comente
É necessário estar logado para utilizar este recurso. Acompanhe

Meio século atrás, os cientistas encaravam com ironia a possibilidade de existirem outros universos além deste que habitamos. Tal hipótese não passava de um delírio digno de Alice no País das Maravilhas – e que, de todo modo, jamais poderia ser comprovada experimentalmente. Os desafios propostos pela Teoria da Relatividade e pela física quântica para o entendimento de nosso próprio universo já eram suficientemente complexos para ocupar gerações e gerações de pesquisadores. Entretanto, diversos estudos independentes entre si, conduzidos por cientistas respeitados em suas áreas de atuação – teoria das cordas, eletrodinâmica quântica, teoria da informação -, começaram a convergir para o mesmo ponto: a existência de universos paralelos – o multiverso – não só é provável como passou a ser a explicação mais plausível para diversos enigmas cosmológicos.
Em A realidade oculta, Brian Greene – um dos maiores especialistas mundiais em cosmologia e física de partículas – expõe o fantástico desenvolvimento da física do multiverso ao longo das últimas décadas. O autor de O universo elegante passa em revista as diferentes teorias sobre os universos paralelos a partir dos fundamentos da relatividade e da mecânica quântica. Por meio de uma linguagem acessível e valendo-se de numerosas figuras explicativas, Greene orienta o leitor pelos labirintos da realidade mais profunda da matéria e do pensamento.

“Se extraterrestres aparecessem amanhã e pedissem para conhecer as capacidades da mente humana, não poderíamos fazer nada melhor que lhes oferecer um exemplar deste livro.” – Timothy Ferris, New York Times Book Review

Em Alfa Centauri B, planeta com massa igual à da Terra

Acredito que o Paradoxo de Fermi tem um poder heurístico ainda inexplorado. Ou seja, o Paradoxo pode ser usado como evidência (a ser explicada) contra possibilidades ou especulações científicas tais como Inteligência Artificial, Viagens por Túneis de Minhoca ou Máquinas do Tempo. Ele estabelece afirmações de impossibilidade similares ao enunciado da segunda lei da Termodinâmica em termos de impossibilidade de se criar uma máquina do Moto Perpétuo.

Por exemplo, seja R(t) o raio de detecção de civilizações extraterrestres, ou seja, um raio (que depende do tempo) no qual nossa tecnologia é capaz de detectar tais civilizações. Podemos afirmar a partir desse conceito que não existe nenhuma civilização mais avançada que a nossa em um raio menor que R(t), dado que ela teria tido tempo de nos detectar e possivelmente nos colonizar.

Por outro lado, seja R_c o raio de colonização da civilização galática mais próxima do Sol e seja D a distância entre o centro dessa civilização e o Sol. Pelo Paradoxo de Fermi (“Onde está todo mundo?”), podemos concluir que D > R_c, a menos que o processo de colonização não seja descrito por uma difusão simples mas sim por uma difusão anômala, talvez fractal, de modo que a Terra se situa dentro de uma bolha vazia, não colonizada. Sendo assim, podemos concluir que não existem civilizações avançadas próximas de nós.

Também podemos prever que não estamos em uma região típica da Galáxia (em termos de densidade de planetas habitáveis). O mais provável é que estamos em uma região atípica (similar ao Deserto do Saara aqui na Terra) onde os planetas habitáveis e habitados são raros.  Ou seja, eu posso prever com algum grau de confiança que o telescópio Kepler vai detectar uma distribuição de planetas atípica (em termos de massa, distância da estrela central, presença na zona habitável da estrela – onde é possível haver água líquida etc.). Ou seja, vai ser muito difícil achar nas proximidades do Sol um planeta tipo Terra, situado na zona habitável de uma estrela mais velha que o Sol, pois tal planeta possivelmente seria habitado e sua civilização já teria  tido um monte de tempo para nos colonizar. 

Por outro lado, podemos usar o Paradoxo de Fermi para eliminar a possibilidade de Inteligencia Artificial Forte Auto-reprodutiva (sondas de Von Newman ou Monolitos Negros do filme 2010). Se tais sondas fossem factíveis de serem criadas, elas estariam já aqui.

Bom, a alternativa à todos esses argumentos baseados no Paradoxo de Fermi é que eles realmente já estão aqui: podemos elaborar todo tipo de raciocínio conspiratório à la Arquivo X para tentar justificar a pergunta básica de porque os ETs, se realmente existem, não entram em contado conosco. Uma hipótese menos conspiratória seria que eles são antropólogos bonzinhos que já aprenderam que toda civilização inferior é destruída ou no mínimo absorvida culturalmente, pela civilização superior após um contato (Hipótese Zoo).

Finalmente, o Paradoxo de Fermi aumenta o ceticismo em relação à viagens com velocidade superluminal, warp drives etc. E uma versão temporal do Paradoxo pergunta: se é possível construir máquinas do tempo, onde estão os visitantes temporais? 

17/10/2012 – 05h05

Pesquisadores encontram planeta vizinho que é gêmeo da Terra

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

É provavelmente a notícia mais esperada desde que o primeiro planeta fora do Sistema Solar foi descoberto, em meados dos anos 1990. Finalmente foi encontrado um planeta que tem praticamente a mesma massa da Terra.

E a grande surpresa: ele fica ao redor de Alfa Centauri, o conjunto estelar mais próximo do Sol. Read more [+]

Landis e a abordagem de percolação para o Paradoxo de Fermi

Published in Journal of the British Interplanetary Society, London, Volume 51, page 163-166 (1998).
Originally presented at the NASA Symposium “Vision-21: Interdisciplinary Science and Engineering in the Era of Cyberspace” (NASA CP-10129), Mar. 30-31, 1993, Westlake, OH U.S.A.


The Fermi Paradox: An Approach Based on Percolation Theory

Geoffrey A. Landis

NASA Lewis Research Center, 302-1
Cleveland, OH 44135 U.S.A.


Abstract

If even a very small fraction of the hundred billion stars in the galaxy are home to technological civilizations which colonize over interstellar distances, the entire galaxy could be completely colonized in a few million years. The absence of such extraterrestrial civilizations visiting Earth is the Fermi paradox.

A model for interstellar colonization is proposed using the assumption that there is a maximum distance over which direct interstellar colonization is feasable. Due to the time lag involved in interstellar communications, it is assumed that an interstellar colony will rapidly develop a culture independent of the civilization that originally settled it.

Any given colony will have a probability P of developing a colonizing civilization, and a probability (1-P) that it will develop a non-colonizing civilization. These assumptions lead to the colonization of the galaxy occuring as a percolation problem. In a percolation problem, there will be a critical value of the percolation probability, Pc. For P<Pc, colonization will always terminate after a finite number of colonies. Growth will occur in “clusters,” with the outside of each cluster consisting of non-colonizing civilizations. For P>Pc, small uncolonized voids will exist, bounded by non-colonizing civilizations. When P is on the order of Pc, arbitrarily large filled regions exist, and also arbitrarily large empty regions.

The São Paulo Advanced School of Astrobiology

 

 

Research Articles

Claudia A.S. Lage, Gabriel Z.L. Dalmaso, Lia C.R.S. Teixeira, Amanda G. Bendia, Ivan G. Paulino-Lima, Douglas Galante,Eduardo Janot-Pacheco, Ximena C. Abrevaya, Armando Azúa-Bustos, Vivian H. Pelizzari and Alexandre S. Rosado

Editorial

A solução de percolação para o Paradoxo de Fermi

Parece que a idéia de Geoffrey A. Landis para resolver o Paradoxo de Fermi vai ser conhecida como solução de Percolação. Branislav Vukotic e Milan M. Cirkovik implementaram recentemente um modelo de automata celulares para descrever o processo de colonização galática. Uma das conclusões foi a de que a hipótese de colonização percolativa é consistente com o modelo. Ou seja, não é uma prova que a idéia esteja correta, mas sim que é uma idéia viável e não foi refutada pelas simulações. Nas palavras dos autores:

The porosity of large  = 3 clusters in our simulations (Fig. 6), coupled with low V/V0 (Fig. 11), demonstrates how this still seems acceptable within the ”Copernican” framework, thus essentially confirming the conclusions of Landis (1998) and Kinouchi (2001), but with addition of catastrophic reset events.

Astrobiological Complexity with Probabilistic Cellular Automata

B. VukotićM. M. Ćirković
(Submitted on 15 Jun 2012 (v1), last revised 25 Jun 2012 (this version, v2))

Search for extraterrestrial life and intelligence constitutes one of the major endeavors in science, but has yet been quantitatively modeled only rarely and in a cursory and superficial fashion. We argue that probabilistic cellular automata (PCA) represent the best quantitative framework for modeling astrobiological history of the Milky Way and its Galactic Habitable Zone. The relevant astrobiological parameters are to be modeled as the elements of the input probability matrix for the PCA kernel. With the underlying simplicity of the cellular automata constructs, this approach enables a quick analysis of large and ambiguous input parameters’ space. We perform a simple clustering analysis of typical astrobiological histories and discuss the relevant boundary conditions of practical importance for planning and guiding actual empirical astrobiological and SETI projects. In addition to showing how the present framework is adaptable to more complex situations and updated observational databases from current and near-future space missions, we demonstrate how numerical results could offer a cautious rationale for continuation of practical SETI searches.

Comments: Added minor language corrections, 37 pages, 11 figures, 2 tables; “Origins of Life and Evolution of Biospheres,” accepted for publication
Subjects: Instrumentation and Methods for Astrophysics (astro-ph.IM); Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG); Computational Physics (physics.comp-ph)
Cite as: arXiv:1206.3467v2 [astro-ph.IM]

Persistence solves Fermi Paradox but challenges SETI projects

Osame Kinouchi (DFM-FFCLRP-Usp)
(Submitted on 8 Dec 2001)

Persistence phenomena in colonization processes could explain the negative results of SETI search preserving the possibility of a galactic civilization. However, persistence phenomena also indicates that search of technological civilizations in stars in the neighbourhood of Sun is a misdirected SETI strategy. This last conclusion is also suggested by a weaker form of the Fermi paradox. A simple model of a branching colonization which includes emergence, decay and branching of civilizations is proposed. The model could also be used in the context of ant nests diffusion.

Comments: 2 pages, no figures, v2 with corrected definition of branching ratio
Subjects: Disordered Systems and Neural Networks (cond-mat.dis-nn); Statistical Mechanics (cond-mat.stat-mech)
Cite as: arXiv:cond-mat/0112137v1 [cond-mat.dis-nn]

Mais planetas do tamanho da Terra

Nasa encontra dois planetas do tamanho da Terra

GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO

Criado para caçar um planeta gêmeo da Terra, o telescópio espacial Kepler já encontrou, pelo menos, dois “primos”. A Nasa (agência espacial americana) anunciou a descoberta de uma dupla que tem quase o mesmo tamanho do nosso planeta.

Veja planetas descobertos pelo telescópio espacial Kepler
Galáxias formam desenho de rosa no espaço; veja

  Associated Press  
A partir da esq., o Kepler-20e, Vênus, a Terra e o Kepler-20f; veja galeria com mais planetas descobertos pela Nasa
A partir da esq., o Kepler-20e, Vênus, a Terra e o Kepler-20f; veja galeria com mais planetas descobertos pela Nasa

Os dois novatos orbitam uma estrela do mesmo tipo do Sol, localizada a quase 950 anos-luz da Terra e são, até agora, os dois menores planetas já registrados fora do Sistema Solar.

Um deles é ligeiramente menor do que a Terra. O Kepler-20e tem 0,86 vez o raio terrestre. Já seu companheiro, o Kepler-20f, tem praticamente o mesmo tamanho. Seu raio é só 0,03 vez maior.

Os cientistas acreditam que os dois planetas sejam rochosos, como a Terra, e tenham uma composição química parecida com a do nosso planeta.

Apesar das semelhanças, ambos são provavelmente quentes demais para abrigar vida. Eles estão bem próximos da sua estrela, a uma distância relativamente menor até a que a de Mercúrio com o Sol.

Por conta disso, em Kepler 20e a temperatura fica em torno de escaldantes 760°C. Já o Kelpler-20f, com 430°C, é um pouco mais ameno, mas ainda infernal.

“Essa descoberta é um marco, pois se trata de planetas muito pequenos. Os pesquisadores estão refinando cada vez mais sua capacidade de localização”, diz Carolina Chavero, pesquisadora de astronomia e astrofísica do Observatório Nacional.

Além da dupla, a estrela Kepler-20 também têm outros três planetas ligeiramente maiores em sua órbita.

O trabalho foi publicado na versão on-line da revista “Nature”.

 

Astr

Nasa descobre planeta que pode ser habitável

Kleper 22-b já é chamado de ‘Terra 2.0’ por ambos terem características similares.

ônomos da Nasa (agência espacial americana) confirmaram nesta segunda-feira a existência de um planeta com características similares à da Terra, em uma “zona habitável”, girando em torno de uma estrela ainda desconhecida.

 

 

O Kepler 22-b tem 2,4 vezes o tamanho da Terra e está situado a 600 anos luz de distância. A temperatura média da superfície é de 22º C.

 

Ainda não se sabe a composição do Kepler 22-b, se é feito de rochas, gás ou líquido. O planeta já é chamado de “Terra 2.0” pelos cientistas da Nasa.

 

Durante a coletiva de imprensa, em Moffet Field, na Califórnia, a astrônoma Natalie Batalha disse que os cientistas ainda investigam a possibilidade de existência de mais 1.094 planetas, alguns deles em zonas “habitáveis”.

 

Descoberta

 

A descoberta do novo planeta foi feita a partir das imagens do telescópio espacial Kepler, projetado para observar uma faixa fixa do céu noturno que compreende até 150 mil estrelas.

 

O telescópio é sensível o suficiente para ver quando um planeta passa na frente da estrela em torno da qual gira, escurecendo parte da luz da estrela.

 

As sombras são então investigadas a partir da imagem de outros telescópios até que a Nasa confirme se tratam-se ou não de novos planetas.

 

O Kepler 22-b foi um dos 54 casos apontados pela Nasa em fevereiro e o primeiro a ser formalmente identificado como um planeta.

 

Outros planetas habitáveis podem ser anunciados no futuro, já que há outros locais com características potencialmente similares à da Terra.

 

Água líquida

 

A distância que separa o Kleper 22-b da estrela ao redor da qual gira é 15% menor que aquela entre a Terra e o Sol.

 

Apesar de estar mais próximo da estrela, esta emite cerca de 25% menos luz em comparação ao sol, o que permite ao Kleper 22-b manter sua temperatura em um patamar compatível à existência de água líquida, ainda não confirmada.

 

O Kepler 22-b tem um raio 2,4 vezes maior que o da terra.

 

Uma outra equipe de cientistas do Seti (busca por inteligência artificial, na sigla em inglês) agora procura indícios de vida no planeta, como confirmou o diretor do instituto, Jill Tarter.

 

“Assim que encontremos algo diferente, separado, um exemplo independente de vida em outro lugar, vamos saber que isso (vida) é onipresente no universo”, disse Tarter. BBC Brasil

Ets inteligentes são raros?

Submitted by plusadmin on April 23, 2008
24/04/2008



AlienWatson thinks the other intelligent life evolving elsewhere in the Universe is unlikely.

A mathematician from the University of East Anglia has turned his gaze to the stars to try and answer one of humankind’s oldest questions — are we alone in the Universe? And the unfortunate answer is, well, probably.

Astrobiology is a field of science in which there is a great deal of public interest. It is the study of the origin, distribution, evolution and destiny of life wherever it’s found in the Universe, not excluding the Earth. Having never found life outside our own planet, it can also be speculative. Professor Andrew Watson has developed a mathematical model to examine the odds of intelligent life evolving on other Earth-like planets given how long humans took to evolve and how long the Earth has left before the Sun becomes too bright for life to survive.

In the article Implications of an anthropic model of evolution for emergence of complex life and intelligence, published in the February issue of Astrobiology, Watson postulates that for intelligent observers to evolve, a small number (n) of very difficult evolutionary steps must be passed. Once passed, evolution occurs quickly until the next stage is reached. Complex and intelligent life evolved quite late on Earth and Watson suggests that this may be because of the difficulty in passing these stages. He suggests that n is less than 10 and most likely equal to 4. These stages include the emergence of single-celled bacteria, bacteria with complex cells, cells allowing complex life forms, and intelligent life. These stages may also coincide with major changes in the Earth’s bio-geochemical cycle — this suggests that the so-called archean-proterozoic boundary, when simple non-nucleated single-celled organisms evolved to advanced and multi-celled life, and the proterozoic-phanerozoic boundary, when complex organisms evolved, might be critical stages.

Professor Watson argues that a limit to evolution is the habitability of the planet. Standard solar models predict that the Sun is brightening, and has increased its luminosity by 25% since the formation of the solar system. Our current biosphere needs temperatures less than 50 degrees Celsius to survive, which suggests that life only has about another billion years on Earth. This may seem a long time, but compared to the 4 billion years that life has already survived on the planet, Earthly-life is in its old-age. Watson argues that, if a planet is habitable for a set period of time, and life evolves early in this period, then such evolution is quite likely to occur on other similar planets. However, as we evolved late in the habitable period, he suggests our evolution is rather unlikely.

Watson derived probability distributions for each crucial evolutionary step. His model assumes that the evolutionary steps are intrinsically unlikely to occur in the time available and that each of the steps can only occur after the previous steps have occurred. All other evolution is assumed to occur rapidly. The critical steps are assumed to occur stochastically, with uniform but unequal probabilities $ \lambda _1 ... \lambda _ n $ . The property that they are intrinsically unlikely is expressed by the condition that the product $ \lambda _ i t_ h $ is very much less than 1 for all $ \lambda _ i $ , where $ t_ h $ is the habitable lifetime of the planet.

The probability of the first step occurring per unit time (t) is  

  \[  P_{1}(t) \propto \lambda _1,  \]    

where the symbol $\propto $ means proportional to. The joint probability density function of two events occurring, the first at time t’ and the second at a later time tis  

  \[  P_{1,2}(t,t') \propto \lambda _1 \lambda _2.  \]    

The probability of the second event occurring is therefore obtained by integrating over all values of t’ 

  \[  P_{2/2}(t) \propto \lambda _1 \lambda _2 \int _{0}^{t'} dt' = \lambda _1 \lambda _2 t,  \]    

where $ P_{2/2}(t) $ is the probability of the second event occurring in a sequence of two events. Following this through for further events, the probability of the nth event occurring in a sequence of nevents is  

  \[  P_{n/n}(t) \simeq K \prod _{i=1}^{n} \lambda _ i t^{n-1}  \]    

where $K$ is a normalisation factor and $\prod $ stands for the product over all values of $i$. Using fossil records, Watson estimated an upper limit for the probability of each step occurring as 10% — which gives the chance of intelligent life emerging as less than 0.01% over four billion years.

 

The work supports the Rare Earth hypothesis which postulates that the emergence of complex multicellular life (metazoa) on Earth required an improbable combination of astrophysical and geological events and circumstances. Watson argues that intelligence is one further unlikely step, and so it is even less common still.


Further Reading

Vida microbiana em Marte

  • Imagem da Nasa gerada por computador mostra parte de Marte

    Imagem da Nasa gerada por computador mostra parte de Marte

Vastas regiões nas profundidades do subsolo de Marte são suscetíveis para abrigar uma vida microbiana, anunciaram cientistas australianos que compararam as condições de vida no Planeta Vermelho com as da vida na Terra.

Apesar de apenas 1% do volume total da Terra (do núcleo à alta atmosfera) abrigar alguma forma de organismo vivo, a proporção alcançaria em tese 3% do volume de Marte, em especial nas regiões subterrâneas, segundo Charley Lineweaver, da Universidade Nacional da Austrália.

“O que estamos tentando fazer é, simplesmente, pegar todas as informações de que dispomos, uní-las e perguntar: ‘este conjunto é coerente com a vida em Marte?'”, destacou o astrobiólogo Lineweaver.

“A resposta é sim. Vastas regiões de Marte são compatíveis com a vida terrestre na comparação das temperaturas e da pressão terrestre com as que se encontra no planeta Marte”, completou.

A escassa pressão e as temperaturas de 60 graus centígrados abaixo de zero não permitiriam, por exemplo, a formação de água líquida na superfície de Marte, mas nas profundidades do subsolo, porém, existem condições para a existência de vida microbiana.

A presença de água em Marte, na forma de argila hidratada, foi constatada por sondas americanas lançadas desde a década de 1970, mas nenhum rastro de vida orgânica presente foi detectado até hoje.

A Nasa lançou recentemente o robô explorador Curiosity, o mais sofisticado e mais pesado já enviado a outro planeta, para investigar precisamente se a vida já existiu em Marte.

O robô deve pousar em Marte em meados de 2012 ao pé de uma montanha de 5.000 metros de altura na região marciana de Gale.

Ateus demasiadamente otimistas

Ernesto von Ruckert

Vicosa, MG, Brazil

www.ruckert.pro.br

Porque a luta entre ateus e teístas parece ser eterna, e no horizonte não se consegue prever o fim dessa luta? existem pessoas super bem formadas e bem informadas em ambos os lados, porque as opiniões se dividem e divergem tanto?

Esta luta não é eterna. Eu prevejo a vitória do ateísmo em poucos milhares da anos. Pessoas inteligentes e informadas ainda não são atéias, simplesmente porque ainda não se debruçaram o suficiente no estudo dos fundamentos de suas crenças, como eu o fiz e como recomendo que todos o façam, bem como difundo, buscando esclarecer. Teístas, deístas, panteístas, politeístas e todos os que consideram a existência de deuses e espíritos não são necessariamente burros e nem ignorantes. Só não pensaram bastante, de modo científico e filosófico, sobre o tema. Quando o fizerem, posso quase garantir que se tornarão ateus. Às vezes seu objeto de estudo não tem ligação com esses questionamentos. Para se concluir pela inexistência de deus é preciso estudar, pelo menos, religião, história, cosmologia, neurociência, evolução e, principalmente, filosofia. Se a pessoa é inteligente e culta mas mexe com arte, literatura, música, administração, negócios, direito, economia, geografia, só história, engenharia ou outras coisas, pode não chegar a concluir pela inexistência de deus. Médicos podem concluir mais facilmente, se forem mais teóricos do que práticos.
Assim, com a disseminação do conhecimento a todas as pessoas. o que ocorrerá à medida que toda a pobreza for sendo extinta no mundo e toda a humanidade for próspera e instruída, o que acho que se dará em menos de cinco mil anos, as religiões e as crenças religiosas se extinguirão e todos serão ateus. Para mim, religiosos cultos e inteligentes, como o próprio Papa, em seu foro íntimo, são ateus.

Isso apareceu no meu Formspring, eu não entendo direito como essa rede social funciona, não tenho usado muito não.

Me parece que devo discordar. Dado que existem muitos cientistas e filósofos de alto calibre (como os ganhadores do prêmio Templeton) que certamente pensaram muito sobre o assunto e não são ateus, segue-se que o simples pensar científico e filosófico não produz automaticamente o ateísmo (na melhor das hipóteses produz o agnosticismo).

Sendo assim, mesmo se a educação atingisse um nível em que as pessoas tivessem a mesma inteligência e formação cultural que os ganhadores do prêmio Templeton, isso ainda não produziria uma massa de ateus.

Dado que a educação no mundo está aumentando mas a fração relativa de ateus está diminuindo (o que cresce é o número dos ateus declarados, ou seja, que já eram ateus mas saíram do armário) e o número de sem religião (ou seja, religiosos nominais, como os antigos católicos que iam na igreja apenas num batizado ou casamento, agora se dizem sem religião, o que provavelmente significa que são seguidores de algum tipo de crença New Age ou livros de auto-ajuda), me parece que a simples educação secular não é uma força suficiente para espalhar o ateísmo.

Assim, acho que o único meio concreto do Ateísmo crescer seria ser pró-ativo, proselitista, como é o caso de Richard Dawkins, por exemplo. Os ateus precisariam evangelizar, mandar missionários, criar igrejas seculares etc. Teriam que aprender com os neopentecostais como fazer isso de maneira eficiente (por exemplo, cantar músicas seculares em grupo, numa atmosfera de elevação espiritual, criar programas de TV com sermãos ateus etc.).

Como não vejo isso no horizonte, acho que Ernesto Von Ruckert deveria ser mais realista, não confundir um pensamento desejante (“ai, como seria bom se todo o mundo fosse ateu!”) com as sérias análises antropológicas, sociológicas, de psicologia evolucionária, demográficas, de dinâmica de população etc, necessárias para a análise científica da taxa de crescimento do ateísmo.

Da minha parte, acho que as populações de ateus e religiosos seguem uma dinâmica de Lotka-Volterra (ciclos predador-presa), de modo que ateísmos e neoateismos, renovaçãoes espirituais e grandes despertares seguem ondas quasi-periódicas, sem um trend concreto. Ou seja, o sistema não está indo para lugar nenhum, fica oscilando num ciclo eterno.

Acho que o assunto só se encerraria se encontrássemos que a civilização galáctica é ateia. Mesmo assim, não tenho certeza. O pessoal tem tanta fé que enviariam missionários para os outros planetas. Ai sim teríamos uma Igreja Universal do Reino de Deus…

O Paradoxo de Fermi local elimina tecnobiosferas em planetas próximos da Terra

O paradoxo de fermi local funciona assim: caso este planeta Kepler 22-b tivesse uma Tecnosfera, eles ja teriam chegado aqui (dado que 600 anos luz é pouco). Como nao chegaram, podemos supor que epler 22-b nao tem uma Tecnosfera.

Caso a emergencia de uma Tecnofera seja provavel dado o surgimento de uma Biosfera  (P = ?), podemos supor com probabilidade p = 1-P que Kepler nao tem uma Biosfera (isso pode ser averiguado examinando-se o espectro da atmosfera do planeta, em busca de oxigenio ou metano).

O.

5/12/2011 – 17h11

Nasa confirma existência de 1º planeta em zona habitável

A Nasa (agência espacial americana) confirmou uma notícia que há muito tempo era esperada: a existência de um planeta na chamada zona habitável. Isso significa dizer que o novo astro se encontra em uma região que propicia a formação de água em estado líquido em sua superfície e, por conseguinte, a possibilidade de abrigar vida.

NASA/Ames/JPL-Caltech
Ilustração artística do Kepler-22b, que possui um raio 2,4 vezes maior do que a Terra e está na zona habitável
Ilustração artística do Kepler-22b, que possui um raio 2,4 vezes maior do que a Terra e está na zona habitável

Chamado de Kepler-22-b, é um dos menores astros a orbitar a região de uma estrela similar ao Sol do nosso Sistema Solar e possui cerca de 2,4 vezes o raio da Terra.

Apesar de ser maior que a Terra, ele leva o equivalente a 290 dias terrestres para completar uma volta completa na estrela parecida com o Sol, embora ela seja um pouco menor e mais fria.

Só não se sabe ainda qual é a composição do Kepler-22-b –se é rochosa, gasosa ou líquida–, mas se sabe que está a 600 anos-luz de distância.

“Este é um marco importante (…) para se achar um gêmeo da Terra”, disse em Washington Douglas Hudgins, que faz parte do programa Kepler, o telescópio espacial que mantém um monitoramento de pelo menos 150 mil estrelas para poder classificá-los com exatidão.

Dos 54 outros candidatos a planetas que se encontram na zona habitável, conforme divulgado em fevereiro deste ano, somente o Kepler 22-b é o primeiro a ter confirmada sua classificação.

Além de ter encontrado o primeiro planeta habitável, o Kepler identificou também pelo menos mil novos corpos celestes que se enquadram como candidatos a planetas. A novidade é que, pela nova contagem, esse número é o dobro da anterior.

O estudo sobre o novo planeta será publicado no “The The Astrophysical Journal” em breve.

Astrobiologia perto de casa

24/11/2011 – 14h37

Estudo identifica astros com mais chances de abrigar vida extraterrestre

DA BBC BRASIL

A lua de Saturno Titã e o exoplaneta Gliese 581g estão entre os corpos celestes mais propensos à existência de vida extraterrestre, diz um artigo científico publicado por pesquisadores americanos.

O estudo da Universidade de Washington criou um ranking que ordena os planetas e satélites de acordo com a semelhança com a Terra e as condições para abrigar outras formas de vida.

Veja galeria de fotos

JPL/ STSI/Nasa
O exoplaneta Gliese 581g (em primeiro plano) foi considerado o mais parecido com a Terra; veja galeria de fotos
O exoplaneta Gliese 581g (em primeiro plano) foi considerado o mais parecido com a Terra; veja galeria de fotos

Segundo os resultados publicados na revista acadêmica “Astrobiology”, a maior semelhança com a Terra foi demonstrada por Gliese 581g, um exoplaneta –ou seja, localizado fora do Sistema Solar–, cuja existência muitos astrônomos duvidam.

Em seguida, no mesmo critério, vem o Gliese 581d, que é parte do mesmo sistema. O sistema Gliese 581 é formado por quatro –e possivelmente cinco– planetas orbitando a mesma estrela anã a mais de 20 anos-luz da Terra, na constelação de Libra.

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS

Um dos autores do estudo, Dirk Schulze-Makuch explica que os rankings foram elaborados com base em dois indicadores.

O ESI (sigla em inglês de Índice de Similaridade com a Terra) ordenou os astros conforme a sua similaridade com o nosso planeta, levando em conta fatores como o tamanho, a densidade e a distância de sua estrela-mãe.

Já o PHI (sigla de Índice de Habitabilidade Planetária) analisou fatores como a existência de uma superfície rochosa ou congelada, de uma atmosfera ou de um campo magnético.

Também foi avaliada a energia à disposição de organismos, seja através da luz de uma estrela-mãe ou de um processo chamado de aceleração de maré, no qual um planeta ou lua é aquecido internamente ao interagir gravitacionalmente com um satélite.

Por fim, o PHI leva em consideração a química dos planetas, como a presença ou ausência de elementos orgânicos, e se solventes líquidos estão disponíveis para reações químicas.

HABITÁVEIS

No critério de habitabilidade, a lua Titã, que orbita ao redor de Saturno, ficou em primeiro lugar, seguida da lua Europa, que orbita Júpiter.

Os cientistas acreditam que Europa contenha um oceano aquático subterrâneo aquecido por aceleração de maré.

O estudo contribuirá para iniciativas que, nos últimos tempos, têm reforçado a busca por vida extraterrestre.

Desde que foi lançado em órbita em 2009, o telescópio espacial Kepler, da Nasa (agência espacial americana), já encontrou mais de mil planetas com potencial para abrigar formas de vida.

No futuro, os cientistas creem que os telescópios sejam capazes de identificar os chamados “bioindicadores” –indicadores da vida, como presença de clorofila, pigmento presente nas plantas– na luz emitida por planetas distantes.

O Multiverso está na moda

Editorial Reviews

Amazon.com Review

There’s a reason “astronomically large” means “larger than the scale of ordinary life”: normal scales of time and space for astronomers involve millions of years and anywhere from thousands to quadrillions of kilometers. Even for astronomers, University of Michigan professor Fred Adams and his former student Greg Laughlin think big–really, really big–and their planning is really, really long-term.

In The Five Ages of the Universe, Adams and Laughlin present their vision of the history of the universe, from the big bang on. They’ve had to come up with a new unit of measure to make this timescape intellectually tractable: the “cosmological decade.” When the universe is 10 to the n years old, it is in the nth cosmological decade; we are now in the 10th, for instance. Each decade is thus 10 times as long as the one before.

All the stars will have stopped shining in the 14th cosmological decade, about 100 trillion years from now–which is a mind-bendingly long period of time by most standards. But Adams and Laughlin are just getting their speculations warmed up. They go on to fold, spindle, and mutilate your time sense as they discuss the Degenerate Era (out to decade 39), the Black Hole Era (to decade 100), and the possible creation of new universes in the Dark Era (after decade 101 or so). It’s the most fascinating, mind-expanding trip inside eternity you can read. –Mary Ellen Curtin

From Publishers Weekly

Piling one layer of speculation upon another yet retaining a disciplined, scientific approach, astrophysicists Adams (University of Michigan) and Laughlin (UC-Berkeley) take readers on a cosmic adventure to a time in the unimaginably distant future. They view time not in linear years but in logarithmic cosmological decades. We live early in the 10th cosmological decade, approximately 10 billion (10 to the 10th power) years since the Big Bang. For the first six cosmological decades, the Primordial Era, the authors explain, an intensely hot universe expanded and cooled. Elementary particles formed, followed by atoms and molecules. The stage was set for the present Stelliferous Era of galaxies, stars and planets that will continue through the 14th cosmological decade. Our universe will then be 10,000 times its present age, and even its slowest-burning stars will have used up their nuclear fuel. Stellar remnants will dominate the next 25 cosmological decades, the Degenerate Era. Following that will be the Black Hole Era, more than 60 cosmological decades long. The final chapter will be the Dark Era, a steadily diminishing, infinitely long decline toward universal equilibrium. The authors speculate on the survival of intelligent life through the entire history. They also discuss the evolution of universes in Darwinian terms. Many readers will reach their saturation point for conjecture well before those final sections, but others, especially science fiction buffs, will savor every lengthening, darkening, diminishing epoch leading to the authors’ concluding vision: the birth of new universes more than 100 cosmological decades after ours burst into existence. (June)
Copyright 1999 Reed Business Information, Inc.

See all Editorial Reviews

Eu queria ter a coragem do Milan M. Ćirković…

Web Corner

of

Milan M. Ćirković

 

 

Senior Research Associate

Astronomical Observatory of Belgrade

Volgina 7

11160 Belgrade-74

Serbia

&

Associate Professor

Department of Physics

University of Novi Sad

Trg Dositeja Obradovića 4

21000 Novi Sad

Serbia

 

Phone: +381-11-3089079

E-mail: [email protected]

 

 

 Serbian version coming soon!

 

Having some sort of web page since 1994 (long ago by Internet standards), I’ve recently concluded that all complicated and fancy webpage stuff is truly unnecessary and usually annoying. Therefore, I’ve decided to keep this page as simple as possible. While I haven’t yet reached the laudable simplicity of my colleague, pen-friend, and an outstanding polymath Cosma Shalizi, that certainly remains a goal worth striving for!

 

Professional interests of mine:

 

Astrobiology and SETI studies

Evolution of galaxies and baryonic dark matter

Philosophy of science, especially philosophy of cosmology and quantum mechanics

Future studies, in particular related to existential risks and transhumanism

History of physical sciences

 

Selected recent publications (sometimes only penultimate drafts are linked, the “official” versions could be accessed e.g., via KoBSON, one of the best things which happened in local science in decades!):

 

NEW! Two books of mine have appeared in recent months, notably  (Oxford UniversityPress) and  (University of Novi Sad). Do contact me for details!

NEW! Against the Empire. An essay considering a possible evolutionary pathways of advances extraterrestrial/future human civilizations.Journal of the British Interplanetary Society, vol. 61, in press (2008).

NEWOn the Timescale Forcing in Astrobiology. Branislav Vukotić and Milan M. Ćirković (2007): Serbian Astronomical Journal, vol. 175, pp. 45-50.

Evolutionary Catastrophes and the Goldilocks Problem. International Journal of Astrobiology, vol. 6, pp. 325-329 (2007).

Too Early? On the Apparent Conflict of Astrobiology and CosmologyBiology and Philosophy, vol. 21, pp. 369-379 (2006).

Physics vs. Semantics: A Puzzling Case of a Missing Quantum Theory. Foundations of Physics, vol. 35, pp. 817-838 (2005).

Adaptationism Fails to Resolve Fermi’s Paradox. Serbian Astronomical Journal (peruse HERE!), vol. 170, pp. 89-100 (2005) – with Ivana Dragićević and Tanja Berić-Bjedov.

 “Permanence” – An Adaptationist Solution to Fermi’s Paradox? Journal of the British Interplanetary Society, vol. 58, pp. 62-70 (2005) – recently featured in New York Review of Science Fiction, vol. 17, issue 202, pp. 1-6!

On the Temporal Aspect of the Drake Equation and SETIAstrobiology, vol. 4, pp. 225-231 (2004).

Agencies, Capacities, and Anthropic Self-Selection. Philosophical Writings, vol. 27 (Autumn 2004), pp. 43-62 (2004).

The Anthropic Principle and the Duration of the Cosmological Past. Astronomical and Astrophysical Transactions, vol. 23, pp. 567-597 (2004).

HIGHLY RECOMMENDED! Resource Letter PEs-1: Physical eschatology. (2003): American Journal of Physics, vol. 71, pp. 122-133 (2003).

 

Complete (and likely out-of-date!) CV with all publications is available here in .pdf format (345 Kb).

 

Current activities:

 

Currently preparing an academic book for Oxford University Press on “Global Catastrophic Risks” with Prof. Nick Bostrom as co-editor. To be published (hopefully!) by June 2008.

With Robert J. Bradbury, I am working on “migration hypothesis” a particular solution to Fermi’s paradox, attempting to join postbiological digital perspective to the current SETI studies. The latest version of the preprint can be read here. All comments are welcome!

In collaboration with Prof. Ivana Dragićević, I’m working on a critical study of the so-called Carter’s anthropic argument in astrobiology.

In collaboration with Ivana Damjanov, a grad student, I’m studying future star formation history of spiral disks, notably the duration of the era of conventional star formation (stelliferous era).

Some educational material related to the mini-course I teach on issues in philosophy of science can be found here (in Serbian).

With Drs. Zorica Cvetković and Zoran Knežević, I am preparing the Proceedings of the XIV National Conference of Astronomers of Serbia and Montenegro.

 

Bureaucracy:

 

I am PI of the project #146012 “Gaseous and Stellar Components of Galaxies: Interaction and Evolution” financed by the Ministry of Science of the Republic of Serbia in the 2006-2010 period, with 9 co-investigators… UPDATE: I have happily resigned as PI in favor of my great friend and collaborator, Dr. Srdjan Samurović, which will give me much more time to devote to research and other fun and games!

…and member of more professional organizations and societies than I really wish (or need!), so I won’t list them here.

 

 

Most frequently used Web resources:

 

NASA ADS Query Form

ArXiv preprints

Philosophy of science preprints

KoBSON – Konzorcijum biblioteka Srbije za objedinjenu nabavku (subsuming various individual services, like SCOPUS, JSTOR, etc.)

Astronomy journals

Web of Science

Physics Around the World

Amazon.com

 

Lighter stuff:

 

B92 – Internet, Radio i TV stanica

Apolyton Civilization Site

The Postmodernism Generator

 

 

More links on the dedicated page!

 

 

– friends and other interesting people

 

– useful links and resources

 

 

 

 

 

“The supreme accomplishment is to blur the line between work and play.”

                                                                                      Arnold J. Toynbee (1889–1975), British historian and philosopher

O Paradoxo de Fermi refuta a Inteligência Artificial Forte

Eu tenho um monte de amigos que acham que trabalhar com o Paradoxo de Fermi  é ficcção científica, mas ficam submetendo projeto para a FAPESP e CNPq para estudar Inteligencia Artificial, Robôs etc…

Entretanto, o Paradoxo de Fermi é um forte argumento contra a possibilidade de se construir um robô autoreplicante pensante (sondas de Vonn Neuman). Se tais sondas fossem possíveis, tipo Monolitos Negros de 2001 e 2010, elas já teriam tempo de se espalhar por toda a Galaxia e já teriam chegado até nós. Como isso não ocorreu, é impossível construir Sondas de Von Neuman, ou seja, Inteligência Artificial Forte.

Fermi paradox

From Wikipedia, the free encyclopedia
This article is about the absence of evidence for extraterrestrial intelligence. For the type of estimation problem, see Fermi problem. For the music album, see Fermi Paradox (album).

A graphical representation of the Arecibo message – Humanity’s first attempt to use radio waves to actively communicate its existence to alien civilizations

The Fermi paradox (Fermi’s paradox or Fermi-paradox) is the apparent contradiction between high estimates of the probability of the existence ofextraterrestrial civilizations and the lack of evidence for, or contact with, such civilizations.

The age of the universe and its vast number of stars suggest that if the Earth is typical, extraterrestrial life should be common.[1] In an informal discussion in 1950, the physicist Enrico Fermi questioned why, if a multitude of advanced extraterrestrial civilizations exists in the Milky Way galaxy, evidence such as spacecraft or probes is not seen. A more detailed examination of the implications of the topic began with a paper by Michael H. Hartin 1975, and it is sometimes referred to as the Fermi–Hart paradox.[2] Other common names for the same phenomenon are Fermi’s question (“Where are they?”), the Fermi Problem, the Great Silence,[3][4][5][6][7] and silentium universi[7][8] (Latin for “the silence of the universe”; the misspellingsilencium universi is also common).

There have been attempts to resolve the Fermi paradox by locating evidence of extraterrestrial civilizations, along with proposals that such life could exist without human knowledge. Counterarguments suggest that intelligent extraterrestrial life does not exist or occurs so rarely or briefly that humans will never make contact with it.

Starting with Hart, a great deal of effort has gone into developing scientific theories about, and possible models of, extraterrestrial life, and the Fermi paradox has become a theoretical reference point in much of this work. The problem has spawned numerous scholarly works addressing it directly, while questions that relate to it have been addressed in fields as diverse as astronomy, biology, ecology, and philosophy. The emerging field ofastrobiology has brought an interdisciplinary approach to the Fermi paradox and the question of extraterrestrial life.

Contents

[hide]

[edit]Basis

The Fermi paradox is a conflict between an argument of scale and probability and a lack of evidence. A more complete definition could be stated thus:

The apparent size and age of the universe suggest that many technologically advanced extraterrestrial civilizations ought to exist.
However, this hypothesis seems inconsistent with the lack of observational evidence to support it.

The first aspect of the paradox, “the argument by scale”, is a function of the raw numbers involved: there are an estimated 200–400 billion[9] (2–4 ×1011) stars in the Milky Way and 70 sextillion (7×1022) in the visible universe.[10] Even if intelligent life occurs on only a minuscule percentage of planets around these stars, there might still be a great number of civilizations extant in the Milky Way galaxy alone. This argument also assumes the mediocrity principle, which states that Earth is not special, but merely a typical planet, subject to the same laws, effects, and likely outcomes as any other world.

The second cornerstone of the Fermi paradox is a rejoinder to the argument by scale: given intelligent life’s ability to overcome scarcity, and its tendency to colonize new habitats, it seems likely that at least some civilizations would be technologically advanced, seek out new resources in space and then colonize first their own star system and subsequently the surrounding star systems. Since there is no conclusive or certifiable evidence on Earth or elsewhere in the known universe of other intelligent life after 13.7 billion years of the universe’s history, we have the conflict requiring a resolution. Some examples of which may be that intelligent life is rarer than we think, or that our assumptions about the general behavior of intelligent species are flawed.

The Fermi paradox can be asked in two ways. The first is, “Why are no aliens or their artifacts physically here?” If interstellar travel is possible, even the “slow” kind nearly within the reach of Earth technology, then it would only take from 5 million to 50 million years to colonize the galaxy.[11] This is a relatively small amount of time on a geological scale, let alone acosmological one. Since there are many stars older than the Sun, or since intelligent life might have evolved earlier elsewhere, the question then becomes why the galaxy has not been colonized already. Even if colonization is impractical or undesirable to all alien civilizations, large-scale exploration of the galaxy is still possible; the means of exploration and theoretical probes involved are discussed extensively below. However, no signs of either colonization or exploration have been generally acknowledged.

The argument above may not hold for the universe as a whole, since travel times may well explain the lack of physical presence on Earth of alien inhabitants of far away galaxies. However, the question then becomes “Why do we see no signs of intelligent life?” since a sufficiently advanced civilization[Note 1] could potentially be observable over a significant fraction of the size of the observable universe.[12] Even if such civilizations are rare, the scale argument indicates they should exist somewhere at some point during the history of the universe, and since they could be detected from far away over a considerable period of time, many more potential sites for their origin are within range of our observation. However, no incontrovertible signs of such civilizations have been detected.

It is unclear which version of the paradox is stronger.[Note 2]

[edit]Name

In 1950, while working at Los Alamos National Laboratory, the physicist Enrico Fermi had a casual conversation while walking to lunch with colleagues Emil KonopinskiEdward Tellerand Herbert York. The men discussed a recent spate of UFO reports and an Alan Dunn cartoon[13] facetiously blaming the disappearance of municipal trashcans on marauding aliens. They then had a more serious discussion regarding the chances of humans observing faster-than-light travel by some material object within the next ten years, which Teller put at one in a million, but Fermi put closer to one in ten. The conversation shifted to other subjects, until during lunch Fermi suddenly exclaimed, “Where are they?” (alternatively, “Where is everybody?”)[14] One participant recollects that Fermi then made a series of rapid calculations using estimated figures (Fermi was known for his ability to make good estimates from first principles and minimal data, see Fermi problem.) According to this account, he then concluded that Earth should have been visited long ago and many times over.[14][15]

Um terço de estrelas tipo sol possuem planetas na zona habitável!

Acho que isso vai dar um upgrade para cima na Equação de Drake e deixar o Paradoxo de Fermi ainda mais premente…

the physics arXiv blog


One third Of Sun-Like Stars Have Earth-Like Planets In Habitable Zone

Posted: 26 Sep 2011 09:10 PM PDT

Astronomers have calculated the likelihood of finding Earth-like planets around other stars using the latest data from the Kepler mission

The Kepler orbiting observatory is specifically designed to find Earth-like planets around nearby stars.

Earlier this year, the Kepler team released the mission’s first 136 days of data and it has turned out to be a veritable jackpot. In that time Kepler looked at some 150,000 target stars and found evidence for 1235 potential exoplanets. That’s quite a haul.

Since then, most of the work on this database has been to identify the characteristics of all these exoplanets. But such a large dataset also allows for statistical analyses too, from which various projections can be made.

Today, Wesley Traub at the California Institute of Technology in Pasadena, reveals the results of just such a study. Traub has looked only at the stars that are most similar to the Sun, namely those with the classification F, G or K and worked out often various types of planets occur.

The results are straightforward to state. Traub says that mid-size planets are just as likely to be found around faint stars and bright ones. By contrast, far fewer small planets show up around faint stars. That’s almost certainly because small planets are more difficult for Kepler to see.

It’s also easier for Kepler to see planets that are closer to their stars because it looks for the tiny changes in brightness that these transits cause. That’s why almost a third of all Kepler’s detections orbit their star in less than 42 days. For the most part, these planets orbit too closely to be in the habitable zone.

What interests most astronomers is how many exoplanets orbit at a greater distance, inside the habitable zone. Most of these planets are too far away from their stars to have been picked up by Kepler yet. But Traub says his data analysis provides a way to work out how many their ought to be.

That’s because he’s found a power law that describes how the number of stars with a given orbital period. So all he has to do is assume a longer orbital period equivalent to being in the habitable zone to work out how many planets there ought to be at this distance.

Here’s the answer: “About one-third of FGK stars are predicted to have at least one terrestrial, habitable-zone planet,” he says.

So by this measure, there are plenty of other Earths out there.

Ref: arxiv.org/abs/1109.4682: Terrestrial, Habitable-Zone Exoplanet Frequency from Kepler

É possível um ecumenismo entre ateus e religiosos?

Bom, parece que Edward Wilson acredita que sim:

A CRIAÇÃO – Como salvar a vida na Terra

R$ 38,50 Comprar
  Indisponível
Indique Comente
É necessário estar logado para utilizar este recurso. Acompanhe

 

A Criação é um apelo para que deixemos o embate entre religião e ciência de lado para podermos salvar a vida no planeta, que nunca esteve tão ameaçada. Valendo-se de suas experiências como um dos biólogos mais destacados no cenário mundial, Edward O. Wilson prevê que, até o final do século, pelo menos a metade das espécies de plantas e animais da Terra poderá ter desaparecido, ou estará a caminho da extinção precoce.
Escrito em forma de carta a um pastor evangélico, A Criação demonstra que a ciência e a religião não precisam ser, necessariamente, antagonistas em guerra. Ao fornecer explicações a respeito dos motivos ambientais e espirituais para nos alarmarmos com a poluição, o aquecimento global e o rápido declínio da diversidade biológica do planeta, Wilson sugere que, se ciência e religião usarem de seu poder para forjar uma aliança fundamentada no respeito mútuo, relevando as diferenças metafísicas básicas e buscando alcançar objetivos práticos, alguns dos mais graves problemas do século XXI poderão ser resolvidos rapidamente.

“E. O. Wilson, talvez o maior biólogo da nossa geração, traz uma vida inteira de trabalho e de reflexão para esta obra. […] É um de seus livros mais perturbadores, mais comoventes e mais importantes.” – Oliver Sacks

Blogger Delicious Digg Facebook Google Myspace Netvibes StumbleUpon Technorati Twitter Wordpress

Enquanto isso, o Papa atual, mesmo sendo um conservador de direita e tradicionalista, abre a possibilidade de um diálogo com os Protestantes e os Islamicos. Ao mesmo tempo, Richard Dawkins ataca o astrônomo real Martin Rees por ele ter aceitado o prêmio Templeton (que é dado à personalidade mundial que mais contribuiu para o diálogo Ciência-Religião em cada ano.

 

FOLHA ONLINE         23/09/2011  09h36

Na Alemanha, Bento 16 defende diálogo com muçulmanos e protestantes

DA FRANCE PRESSE

O papa Bento 16 pediu nesta sexta-feira um melhor diálogo entre a cristandade e o Islã, no segundo dia de visita a seu país natal, onde também tem a intenção de enviar sinais de aproximação aos protestantes em favor do ecumenismo.

“Acho que uma colaboração fecunda entre cristãos e muçulmanos é possível”, afirmou o Papa ao receber, em Berlim, representantes do Islã na Alemanha. “Reconhecemos a necessidade (…) de progredir no diálogo e estima recíprocas”.

Na Alemanha, vivem entre 3,8 e 4,3 milhões de muçulmanos, que representam entre 4,6% e 5,2% de sua população.

Depois, Bento 16 partiu de Berlim para Erfurt, onde Martin Lutero estudou direito e teologia a partir de 1501, e foi ordenado sacerdote em 1507, depois de ter entrado na ordem dos monges agostinianos. Durante esses anos fundamentais, Lutero, que ainda era católico, refletiu sobre o que seria o começo da Reforma protestante.

O papa prestou homenagem a Lutero, ao enfatizar a paixão profunda pelas questões de Deus do promotor da Reforma Protestante, em um gesto simbólico em relação aos protestantes na cidade Erfurt (leste), onde surgiu este movimento.

“O que não dava paz (a Lutero) era o assunto de Deus, que era a paixão profunda e a força de suavida e seu total itinerario. (…) O pensamento de Lutero, sua espiritualidade inteira, estavam completamente centrados em Cristo”, declarou o Papa.

Depois de visitar a catedral desta pintoresca cidade medieval, Bento se reunirá a portas fechadas com 20 delegados da Igreja protestante alemã, e em seguida participará num serviço ecumênico no convento dos Agostinianos, ao lado de autoridades como a chanceler Angela Merkel, filha de um pastor protestante, e do presidente alemão, Christian Wulff, de religião católica.