Home // Posts tagged "culture"

Nosso universo vai congelar como uma cerveja super-resfriada…

SCIENTIFIC METHOD / SCIENCE & EXPLORATION

Finding the Higgs? Good news. Finding its mass? Not so good.

“Fireballs of doom” from a quantum phase change would wipe out present Universe.

by  – Feb 19 2013, 8:55pm HB

A collision in the LHC’s CMS detector.

Ohio State’s Christopher Hill joked he was showing scenes of an impending i-Product launch, and it was easy to believe him: young people were setting up mats in a hallway, ready to spend the night to secure a space in line for the big reveal. Except the date was July 3 and the location was CERN—where the discovery of the Higgs boson would be announced the next day.

It’s clear the LHC worked as intended and has definitively identified a Higgs-like particle. Hill put the chance of the ATLAS detector having registered a statistical fluke at less than 10-11, and he noted that wasn’t even considering the data generated by its partner, the CMS detector. But is it really the one-and-only Higgs and, if so, what does that mean? Hill was part of a panel that discussed those questions at the meeting of the American Association for the Advancement of Science.

As theorist Joe Lykken of Fermilab pointed out, the answers matter. If current results hold up, they indicate the Universe is currently inhabiting what’s called a false quantum vacuum. If it were ever to reach the real one, its existing structures (including us), would go away in what Lykken called “fireballs of doom.”

We’ll look at the less depressing stuff first, shall we?

Zeroing in on the Higgs

Thanks to the Standard Model, we were able to make some very specific predictions about the Higgs. These include the frequency with which it will decay via different pathways: two gamma-rays, two Z bosons (which further decay to four muons), etc. We can also predict the frequency of similar looking events that would occur if there were no Higgs. We can then scan each of the decay pathways (called channels), looking for energies where there is an excess of events, or bump. Bumps have shown up in several channels in roughly the same place in both CMS and ATLAS, which is why we know there’s a new particle.

But we still don’t know precisely what particle it is. The Standard Model Higgs should have a couple of properties: it should be scalar and should have a spin of zero. According to Hill, the new particle is almost certainly scalar; he showed a graph where the alternative, pseudoscalar, was nearly ruled out. Right now, spin is less clearly defined. It’s likely to be zero, but we haven’t yet ruled out a spin of two. So far, so Higgs-like.

The Higgs is the particle form of a quantum field that pervades our Universe (it’s a single quantum of the field), providing other particles with mass. In order to do that, its interactions with other particles vary—particles are heavier if they have stronger interactions with the Higgs. So, teams at CERN are sifting through the LHC data, checking for the strengths of these interactions. So far, with a few exceptions, the new particle is acting like the Higgs, although the error bars on these measurements are rather large.

As we said above, the Higgs is detected in a number of channels and each of them produces an independent estimate of its mass (along with an estimated error). As of the data Hill showed, not all of these estimates had converged on the same value, although they were all consistent within the given errors. These can also be combined mathematically for a single estimate, with each of the two detectors producing a value. So far, these overall estimates are quite close: CMS has the particle at 125.8GeV, Atlas at 125.2GeV. Again, the error bars on these values overlap.

Oops, there goes the Universe

That specific mass may seem fairly trivial—if it were 130GeV, would you care? Lykken made the argument you probably should. But he took some time to build to that.

Lykken pointed out, as the measurements mentioned above get more precise, we may find the Higgs isn’t decaying at precisely the rates we expect it to. This may be because we have some details of the Standard Model wrong. Or, it could be a sign the Higgs is also decaying into some particles we don’t know about—particles that are dark matter candidates would be a prime choice. The behavior of the Higgs might also provide some indication of why there’s such a large excess of matter in the Universe.

But much of Lykken’s talk focused on the mass. As we mentioned above, the Higgs field pervades the entire Universe; the vacuum of space is filled with it. And, with a value for the Higgs mass, we can start looking into the properties of the Higgs filed and thus the vacuum itself. “When we do this calculation,” Lykken said, “we get a nasty surprise.”

It turns out we’re not living in a stable vacuum. Eventually, the Universe will reach a point where the contents of the vacuum are the lowest energy possible, which means it will reach the most stable state possible. The mass of the Higgs tells us we’re not there yet, but are stuck in a metastable state at a somewhat higher energy. That means the Universe will be looking for an excuse to undergo a phase transition and enter the lower state.

What would that transition look like? In Lykken’s words, again, “fireballs of doom will form spontaneously and destroy the Universe.” Since the change would alter the very fabric of the Universe, anything embedded in that fabric—galaxies, planets, us—would be trashed during the transition. When an audience member asked “Are the fireballs of doom like ice-9?” Lykken replied, “They’re even worse than that.”

Lykken offered a couple of reasons for hope. He noted the outcome of these calculations is extremely sensitive to the values involved. Simply shifting the top quark’s mass by two percent to a value that’s still within the error bars of most measurements, would make for a far more stable Universe.

And then there’s supersymmetry. The news for supersymmetry out of the LHC has generally been negative, as various models with low-mass particles have been ruled out by the existing data (we’ll have more on that shortly). But supersymmetry actually predicts five Higgs particles. (Lykken noted this by showing a slide with five different photos of Higgs taken at various points in his career, in which he was “differing in mass and other properties, as happens to all of us.”) So, when the LHC starts up at higher energies in a couple of years, we’ll actually be looking for additional, heavier versions of the Higgs.

If those are found, then the destruction of our Universe would be permanently put on hold. “If you don’t like that fate of the Universe,” Lykken said, “root for supersymmetry”

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

O melhor livro de divulgação científica que encontrei em quarenta anos de leituras

Depois escrevo minha resenha…

A REALIDADE OCULTA – Universos paralelos e as leis profundas do cosmo
Brian Greene
R$ 59,00 Comprar
R$ 39,00 E-Book
Indique Comente
É necessário estar logado para utilizar este recurso. Acompanhe

Meio século atrás, os cientistas encaravam com ironia a possibilidade de existirem outros universos além deste que habitamos. Tal hipótese não passava de um delírio digno de Alice no País das Maravilhas – e que, de todo modo, jamais poderia ser comprovada experimentalmente. Os desafios propostos pela Teoria da Relatividade e pela física quântica para o entendimento de nosso próprio universo já eram suficientemente complexos para ocupar gerações e gerações de pesquisadores. Entretanto, diversos estudos independentes entre si, conduzidos por cientistas respeitados em suas áreas de atuação – teoria das cordas, eletrodinâmica quântica, teoria da informação -, começaram a convergir para o mesmo ponto: a existência de universos paralelos – o multiverso – não só é provável como passou a ser a explicação mais plausível para diversos enigmas cosmológicos.
Em A realidade oculta, Brian Greene – um dos maiores especialistas mundiais em cosmologia e física de partículas – expõe o fantástico desenvolvimento da física do multiverso ao longo das últimas décadas. O autor de O universo elegante passa em revista as diferentes teorias sobre os universos paralelos a partir dos fundamentos da relatividade e da mecânica quântica. Por meio de uma linguagem acessível e valendo-se de numerosas figuras explicativas, Greene orienta o leitor pelos labirintos da realidade mais profunda da matéria e do pensamento.

“Se extraterrestres aparecessem amanhã e pedissem para conhecer as capacidades da mente humana, não poderíamos fazer nada melhor que lhes oferecer um exemplar deste livro.” – Timothy Ferris, New York Times Book Review

Relativismo Cultural, Nova Era e Nazismo

Olá Osame, desculpe só fui ler sua resposta hoje, pois havia perdido o endereço do seu blog:
Se me permite ainda estou curioso, pois dados os floreios paradoxais de sua resposta sobre tuas inclinações teóricas ainda estou confuso. Confesso que andei dando uma lida nos textos do blog e gostei de algumas colocações tuas (um exemplo pode ser visto aqui com tua inclinação para Gardner e Margullis), por isso insisto em entender esses conflitos que acredito ter o discurso aqui com um pertencimento ao chamado “movimento cético” (coisa cientificamente incabível, paródia ateísta de internet que nunca foi sequer manifestada por uma corrente filosofia ou episteme, natimorto como uma manifestação universalista do conhecimento, há muito tempo, tempos pré-históricos!!! – a saber, desde Hume e Locke e fatalizado por Kant e Nietzche): Read more [+]

Nerd is beautiful

Morre Saramago

Da Wikipedia:

José de Sousa Saramago (Azinhaga, Golegã, 16 de Novembro de 1922Lanzarote, 18 de Junho de 2010) foi um escritor, argumentista, jornalista, dramaturgo, contista, romancista e poeta português.
Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 1998. Também ganhou o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Saramago é considerado o responsável pelo efectivo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa.[1]
PS: Interessante que Saramago só começa a publicar romances em 1977, com 55 anos (fora um romance de juventude em 1947). Ou seja, se eu quiser publicar livros, tenho ainda sete anos de prazo…

Danica McKellar: caçando paraquedistas


No Google Analytics, meu post sobre Danica McKellar é a mais visitado. Ponto para mim ou para o Gene Reporter?

Actress and published mathematician, Danica McKellar, has joined St. Jude Children’s Research Hospital® in the fight against childhood cancer as the national spokesperson for the hospital’s Math-A-Thon® fund-raising program.

Math-A-Thon is a volunteer-based fundraising program for St. Jude. The program includes a free math curriculum supplement, provided by Scholastic, Inc., for grades K-8 that students complete after obtaining sponsorships from family and friends. Find out more at http://www.mathathon.org

Minhas previsões para 2012

Continuando com o meu debate com o Gene Repórter, defendo agora uma relação mais tranquila (eu diria oportunista) com os milhões de sites dedicados a 2012 e filmes derivados tipo “2012‘. Explicarei melhor a seguir.
Se você analisar bem, esse tipo de clima apocalíptico, paranóico, conspiratório, é um grande fenômeno cultural de massa e que não vem de hoje. Provavelmente é um reflexo psicológico das ameaças ecológicas e econômicas que pairam sobre nosso modo de vida – os atentados de 2001 e a crise econômica de 2008 foram apocalípticos para muita gente. Imagino que seja parecido com o clima cultural pós I Guerra, na década de 20 de uma Alemanha hiperinflacionária (e deu no que deu…). Esse clima me lembra também os anos 1844-1848, com expectativas tanto revolucionárias como apocaliptico-religiosas.
Talvez tudo se resuma ao fato de que a humanidade seja um grande meio excitável e que, de tempos em tempos, ondas de excitação político-religiosa contagiosa se propagam nesse meio, pois as pessoas perderam a imunidade memética da onda anterior. Outra analogia poderia ser uma espécie de bolha sociopsicológicas similar às bolhas econômicas (que também têm seu lado sociopsicológico!). Eu acredito que a conexão político-revolucionária e religiosa se dê porque ambos são aspectos do pensamento utópico. Eu até chutaria um período médio de 30 anos (uma geração cultural?) para esse tipo de ciclo de Lotka-Volterra estocástico similar aos ciclos Romantismo-Realismo examinados por Stephen Brush no curioso livro “A Temperatura da História“.
Ou seja, os educadores e cientistas podem espernear a vontade, e devem fazer a sua parte para esclarecer o público (ver abaixo), mas o clima apocalíptico de 2012 só vai realmente desaparecer em 2013, digamos assim.
Mas isso é uma grande oportunidade, afinal de contas! Assim como 1844 foi o Ano da Grande Desapontamento dos Milleristas, 2012 será o Ano da Grande Decepção da Nova Era. O ano de 2013 é o estouro dessa bolha sociopsicológica. É claro que o pessoal já está preparando explicações via dissonância cognitiva para explicar por que a grande mudança terá acontecido apenas espiritualmente, mas tudo bem. O efeito pós-bolha de 2012 ainda continuará sendo ótimo para uma crítica (e auto-crítica) desse nosso desejo irracional e talvez egoísta de que o mundo acabe antes que nossa vida termine…
Enquanto isso, eu me contento pragmaticamente com a difusão (mesmo que deturpada) de vocabulário e conceitos científicos como “neutrinos“, “ciclo de atividade solar“, “tempestades solares” e “placas tectônicas” promovidos pelo filme (embora não exista conexão entre tempestades solares e emissão de neutrinos…). Sim, o filme podia ser melhor, tanto em roteiro (por que não explorar melhor os dilemas éticos no enfrentamento de uma extinção coletiva?) como cientificamente. Mas ainda acho que, por um simples efeito estatístico, o número de preconceitos formados é contrabalançado pelo fato de que existem agora muito mais pessoas que podem se interessar em ler sobre esses temas se baterem o olho em alguma manchete de jornalismo científico ou reportagem da Scientific American…

Cientistas criticam proposta de “2012” e indicam cenários de fim do mundo

(Assinalo em vermelho o vocabulário científico difundido)

Filme

O burburinho em torno do fim dos dias atingiu o auge com o lançamento do filme “2012”, dirigido por Roland Emmerich, que já trouxe desgraças fictícias para a Terra anteriormente, com alienígenas e geleiras, em “Independence Day” e “O Dia Depois de Amanhã”.

No filme, o alinhamento entre o Sol e o centro da galáxia, no dia 21 de dezembro de 2012, faz com que o astro fique ensandecido e lance na superfície da Terra inúmeras partículas subatômicas ambíguas conhecidas como neutrinos.

De alguma forma, os neutrinos se transformam em outras partículas [imagino que isso foi vagamente inspirado pelo fenômeno de oscilação entre diferentes tipos de neutrinos] e aquecem o centro da Terra. A crosta terrestre perde suas amarras e começa a se enfraquecer e deslizar por aí.

Los Angeles cai no oceano; Yellowstone explode, causando uma chuva de cinzas no continente. Ondas gigantes varrem o Himalaia, onde governos do planeta tinham construído em segredo uma frota de arcas, nas quais 400 mil pessoas selecionadas poderiam se abrigar das águas.

Porém, essa é apenas uma versão do apocalipse. Em outras variações, um planeta chamado Nibiru colide com o nosso ou o campo magnético da Terra enlouquece.

Existem centenas de livros dedicados a 2012, e milhões de sites, dependendo de que combinação de “2012” e “fim do mundo” você digite no Google.

“Tolices”

Segundo astrônomos, tudo isso é besteira.

“Grande parte do que se alega que irá ocorrer em 2012 está baseada em desejos, grandes tolices pseudocientíficas, ignorância de astronomia e um alto nível de paranoia”, afirmou Ed Krupp, diretor do Griffith Observatory, em Los Angeles, e especialista em astronomia antiga, em um artigo publicado na edição de novembro da revista “Sky & Telescope”.

Pessoalmente, adoro histórias sobre o fim do mundo desde que comecei a consumir ficção científica, quando era uma criança. Fazer o público se borrar nas calças é o grande lance, desde que Orson Welles transmitiu a “Guerra dos Mundos”, uma notícia falsa sobre uma invasão de marcianos em Nova Jersey, em 1938.

No entanto, essa tendência tem ido longe demais, disse David Morrison, astrônomo do Ames Research Center da NASA, em Moffett Field, Califórnia. Ele é autor do vídeo no YouTube refutando a catástrofe e um dos principais pontos de contato da agência sobre a questão das profecias maias prevendo o fim dos dias.

“Fico com raiva de ver como as pessoas estão sendo manipuladas e aterrorizadas para alguém ganhar dinheiro”, disse Morrison. “Não há direito ético que permita assustar crianças para ganhar dinheiro”.



Divulgando ciências cientificamente (3)

Pois é, acho que esqueci de mandar um neutro “Boas Festas” para todos os meus amigos religiosos, semi-religiosos e não-religiosos, mas envio hoje aqui, junto com um Feliz Ano Novo!
A cada dia que passa eu fico sinceramente admirado com a paciência, a lógica e o tempo livre do Takata (por falar nisso, Roberto, eu sei que sou velhinho mas você pode me chamar simplesmente de Osame, não precisa escrever “prof. Kinouchi”, OK?). Ele compilou toda a nossa discussão e os comentários recebido em uma única página, que pode ser acessada aqui.
Uma questão que me surgiu é se esse debate sobre a relação entre mídias de entretenimento e divulgação científica já ocorreu entre o pessoal mais escolado em Divulgação/difusão Científica (DC) em nosso país, ou seja, nos diversos encontros e livros publicados sobre a área. Imagino que o Roberto vai descobri um simpósio sobre o tema com uma ou duas Googladas…
Em todo caso, acho que com o desenrolar dos debates e comentários dos outros participantes (Tatiane Nahas, Lacy Barca) as coisas ficaram mais claras. Pelo que entendi, Roberto defende que:
1. Mídias propriamente educativas possuem maior qualidade educacional do que mídias de entretenimento: um documentário da BBC sobre buracos negros é ordens de magnitude mais correto do que o recente filme Star Trek (no que tange a buracos negros, claro!).
2. Nesse sentido, não faz sentido propor que mídias de entretenimento constituam uma etapa anterior necessária no processo de DV: game especificamente educativo pode, Spore não pode; livro de DV pode, de FC não pode; documentário pode, blockbuster não pode; “Cosmos” de Carl Sagan pode, “The Big Bang Theory” não pode. Ou seja, acho que a tese do Roberto seria a de que mídias de entretenimento não são ambientes adequados para o processo de DC.
3. Na discussão, com a participação de Tati e Lacy, ficou mais claro de que estamos discutindo três pólos, e não dois: Educação, Arte e Entretenimento. Neste post, não discutirei a questão da Arte enquanto mídia (A literatura de Borges contribui para a DV? A “Arte Fractal” contribui para a DV? O papel do Teatro, da Poesia ou da Fotografia na DV?) e nem mesmo a questão da arte popular (Literatura de Cordel e DV?) mas sim o caso mais espinhoso dos objetos culturais da indústria de entretenimento e a DV. Pois acho que é em relação a isso que Roberto quer aplicar sua tese de que “Melhor divulgação/difusão nenhuma do que divulgação/difusão errada!”, pois conceitos erroneamente aprendidos seriam de difícil desaprendizagem e competem com a educação escolar ainda me parece por demais radical.
Vou insistir no debate porque pretendo fazer um grande agradecimento ao Roberto Takata (e os outros comentaristas) no artigo que estou escrevendo sobre Linguagem cotidiana e metáforas científicas.
Acho que uma frase ambígua minha foi o motivo principal com que Roberto “encalacrou“:

Mas chamo a atenção que a frase “divulgação/difusão ruim é pior do que divulgação/difusão alguma” não se refere a isso. Ela se refere à proposta de usar esses produtos culturais como forma de divulgação/difusão per se: “Música, mangás, humor, stand-up comedy são mídias populares entre os jovens que recebem pouca (nenhuma?) atenção em termos de torná-las mídias de divulgação científica. Talvez o campo da DV sofra da doença de textolatria, talvez por causa de nossa papirolatria como cientistas. No máximo, usamos formatos de alta-cultura tipo museus e exposições de fotografia científica“, “é um trabalho anterior necessário ao ato de divulgação e educação científica (que correspondem a outros momentos de um processo).” (aqui, negritos meus).

O uso pedagógico de filmes é o próprio ato de educação científica. Se se vai exibir filmes em sala não há uma necessidade exposição anterior deles.

Aliás, dado psicológico que se constata nos estudos que citei nas postagens anteriores: professores não devem exibir os filmes – especialmente os ruins – para comentar depois, vai ter mais trabalho… Devem apresentar a aula antes, enfatizar as armadilhas e depois exibir os filmes, fazendo os alunos buscarem os erros. Podem ainda intercalar trechos – com comentários imediatos (e ainda assim é arriscado).

Note-se que há uma diferença entre usar filmes como recursos didáticos – como contraexemplos, digamos – e produzir tais filmes (ou outros produtos culturais) como uma estratégia de difusão/divulgação.

Fazer limonada dado que lhes atiraram limões é diferente de provocar guerras de limões para ter suco depois.

Acho que Roberto não gostou da frase grifada em vermelho, em especial às palavras “trabalho anterior necessário”. Para ele, o trabalho que proponho (aumentar a qualidade das informações científicas difundidas dentro dos objetos de entretenimento, sejam filmes, sit-coms, desenhos animados, mangás ou games) não seria nem anterior nem necessário.
Acho que o Roberto está certo nisso (em termos estritos de lógica Aristotélica). Acho que tenho que fazer um “mea culpa” por usar tal frase retórica. O que eu quis dizer, em termos mais explícitos, é:
  • As crianças entram em contato com tais objetos da indústria de entretenimento de forma “anterior” à educação científica formal. O mesmo pode se dizer para a maior parte dos adultos. Ou seja, o primeiro contato que as pessoas têm com a ciência é via a industria cultural e não via a mídia educativa ou a educação formal.
  • Sendo assim, o processo de contato com conceitos científicos se passa segundo as etapas de absorção no Ambiente Cultural (AC), depois Divulgação Científica (DC) e talvez Educação Científica (EC), de forma descritiva, sem julgamento de valor, e não de forma prescritiva-normativa, ou seja, eu descrevo o que acontece e não o que deveria acontecer). Foi a sequência AC -> DC -> EC que eu chamei de etapas de um processo.
Então, a minha tese pode ser resumida assim: tanto a etapa EC como a etapa DC têm sido estudadas e trabalhos importantes têm sido implementados. Mas existe uma oportunidade praticamente inexplorada de educadores e divulgadores de intervirem na etapa AC (por exemplo, como consultores, quem sabe, e talvez como produtores) e essa intervenção seria um “trabalho anterior” (no sentido de que AC é anterior à DC) e “necessário” (não como necessidade lógica, mas como necessidade prática, dado que grande parcela da população só tem acesso à AC e não à DC ou EC).
Ou seja, o que eu quis destacar é que existe um nicho, uma oportunidade. Takata diz que tal nicho não deveria ser explorado porque o resultado final seria deseducativo. Meu argumento principal é um experimento de pensamento (gedanken experiment) contrafctual:

Dado que 99% da Ficção Científica é lixo, vamos rodar de novo o tape da história do século XX (fazendo uma simulação) e eliminar completamente a FC da indústria cultural. Na sua opinião, isso teria produzido uma população mais educada cientificamente ou menos educada? A má difusão de conceitos científicos realmente é pior que difusão nenhuma?

PS: Acho que isso poderia ser pesquisado de forma mais objetiva entrevistando-se cientistas atuantes e perguntando qual o papel que a FC teve (se teve algum) na sua vocação e formação científica. Eu acredito que, para muitos, o esquema FC -> DC -> EC irá se manifestar, ou seja, a FC atuou como mediador anterior ao processo de divulgação/educação científica.

Música, Ciência e Metáforas

Artigo a ser lido e citado no paper sobre Metáforas Científicas. Também ajuda na organização e fundamentação do I Festival de Música Popular Científica.
X Reunión de la Red de Popularización de la Ciencia y la Tecnología en América Latina y el Caribe
(RED POP – UNESCO) y IV Taller “Ciencia, Comunicación y Sociedad”
San José, Costa Rica, 9 al 11 de mayo, 2007


1
Música e Ciência: Ambas filhas de um ser fugaz
Ildeu de Castro Moreira1, Luisa Massarani2

1 Instituto de Física e Área Interdisciplinar de História da Ciência e das Técnicas e Epistemologia, Universidade
Federal do Rio de Janeiro
2 Centro de Estudos, Museu da Vida, Casa de Oswaldo Cruz,
www.museudavida.fiocruz.br

Palabras clave: ciência e música; letras musicais; divulgação científica.

As relações entre ciência e música são muito profundas e têm suas raízes no próprio surgimento da ciência moderna. A música tem uma base física importante: são os sons afinados pela cultura que a constituem. Por outro lado, ela foi utilizada muitas vezes como metáfora e como inspiração para interpretar o mundo físico, em particular nos modelos cosmológicos. Este artigo explora, de forma preliminar, como surgem e se expressam temas e visões sobre a ciência, a tecnologia e seus impactos na vida moderna nas letras de canções da música popular brasileira. O objetivo primordial do trabalho – que constitui uma análise qualitativa não-exaustiva – é proceder a um mapeamento inicial de como temas de ciência, atividade social imersa em determinado contexto cultural, podem surgir na manifestação das artes populares, neste caso a música brasileira.


PS: Por falar nisso, a canção do The Big Bang Theory pode criar o “falso-conceito” de que a teoria do universo oscilante de Gamow ainda é viável mesmo após a descoberta da aceleração produzida pela “energia escura”. A letra deve conter também um monte de erros em Biologia, Paleontologia e História, peço aos leitores que os encontrem.
O Roberto deverá odiar esta música, mas eu me lembro que li o próprio livro do Gamow quando era adolescente e aquilo não me fez mal nenhum…

Vírus da gripe suína ajuda a espalhar vírus de computador


E-mail falso sobre gripe suína espalha vírus, alerta empresa de segurança

Publicidade

da France Presse

Piratas virtuais aproveitaram o interesse mundial pela gripe H1N1, conhecida como gripe suína, para criar e espalhar através de e-mails um vírus que dá acesso a informações confidenciais do computador, alertou nesta sexta-feira (11) a empresa de segurança em informática Pandasecurity.

A mensagem de e-mail afirma que a gripe suína é uma possível conspiração econômica dos grandes laboratórios farmacêuticos e anexa um documento que supostamente revela esse plano, mas que libera o perigoso vírus no sistema.

fonte: folha online

Luciana Rodrigues Vasconcellos
Serpsico: http://ser-psico.blogspot.com/
PS: Luciana, será que este e-mail não é um vírus-email falso, espalhado pela Folha Online?

Aborto: um passo por vez

Alguns leitores me perguntaram minha opinião sobre a questão do aborto. Isso é motivado por alguns dados novos no cenário político-cultural, a saber:
1. Minha candidata, Marina Silva, não tem uma posição pró-choice na questão.
2. Os petistas Luis Bassuma e Henrique Afonso sofreram sanções do PT por defender uma posição similar à de Marina Silva. Ver blog de Henrique Afonso aqui.
3. Muitas pessoas progressistas socialmente, feministas etc. (exemplo, meu irmão Marcelo R. Kinouchi) estão em dúvida na questão do aborto. Explico: historicamente falando, a esquerda tem batalhado para ampliar a defesa dos direitos daqueles que não têm voz nem direitos. Assim, primeiro se defendeu os “direitos” (que não são direitos de pessoas jurídicas na época, elas nem eram consideradas “pessoas humanas integrais”) dos escravos, dos negros, dos trabalhadores, das mulheres, dos índios, dos portadores de deficiências físicas, dos pacientes psiquiátricos, dos portadores de Síndrome de Down e outras formas de deficiência mental, das crianças, dos idosos e, mais recentemente, de seres não-humanos como grandes macacos, mamíferos sociais, animais de laboratório etc.
Ou seja, a flecha política da esquerda sempre apontou para a ampliação dos direitos e defesa dos (assim considerados em uma dada época) “sub-humanos” e “não-humanos”, ou pelo menos, de pessoas que não cidadãos em termos plenos, juridicamente falando. Assim, o argumento de que o feto ainda não é uma pessoa humana não é um argumento válido para certas pessoas, por exemplo os vegetarianos que não comem camarão e os budistas que não pisam em formigas.
4. Parece ser contraditório que eu defenda ativamente os supostos “direitos animais” de cefalópodes e outros invertebrados e, ao mesmo tempo, fique quieto em relação aos fetos, que são vertebrados. O argumento de que o feto não é independente da mãe não se sustenta (no meu caso dos “direitos animais”, uma vez que neste caso a mãe faz o papel de aquário para o cefalópode: o cefalópode também não tem a menor chance de sobrevivência fora do aquário.) OK, OK, estas considerações precisam ser melhoradas, mas vocês pegaram o espírito da coisa…
5. O debate sobre o aborto é, em grande parte, um debate importado dos EUA. Naquele país, configurou-se que o aborto é defendido pelos liberais e combatido pelos conservadores. Mas isso, em grande parte, é um acidente histórico. Em uma situação outra, é possível que os conservadores defendessem o aborto como prática eugenista e os liberais combatessem o aborto a fim de dar voz aos que não tem voz (os fetos).
Eu sou a favor do aborto porque acho que, na situação atual brasileira, é o menor dos males. Meninas e mulheres estão morrendo em clínicas de aborto clandestinas, as crianças indesejadas acabam sofrendo todo tipo de privação e abuso etc. Mas defender o “menor dos males” não é uma situação muito confortavel. Eu preferia defender algo mais alinhado com as outras causas ideológicas que defendo. E eu não tenho certeza se a questão do aborto é consensual mesmo entre as feministas petistas, quanto mais entre as feministas em geral ou entre as mulheres em geral.
Além disso, “a situação atual brasileira” pode mudar radicalmente (vide a queda avassaladora da taxa de fertilidade das brasileiras – os atuais 1,8% nas mulheres jovens – que irá trazer graves danos demográficos e econômicos para nosso futuro). Ou seja, defender o aborto como uma escolha individual da mulher é uma coisa, defender a legalização do aborto como uma boa política de combate ao crime ou controle populacional, pelo fato de que o aborto diminui o número de jovens favelados (como se faz no livro Freaknomics), é outra bem diferente…
Mas acho que o tema merece um debate maior, menos polarizado, quem sabe com um passo por vez. Por exemplo, acho que se poderia discutir proveitosamente a questão da “pílula do dia seguinte”. Tais pílulas poderiam ser disponibilizadas melhor nas farmácias, ONGs feministas poderiam dá-las de graça às meninas (e não precisa ser no dia seguinte, claro!), assim como dão camisinhas e contraceptivos na época de Carnaval.
Em vez de fazer a pergunta genérica e capciosa “Você é a favor ou contra o aborto?”, “Você é pró-Vida” ou “Pró-Choice”, que tal perguntarmos: quais seriam as consequencias sociais, éticas e demográficas da liberação sem receita médica da pílula do dia seguinte? Acho que é uma questão mais simples, mais tratável. Em questões delicadas como o aborto, que tal darmos um passo por vez? Afinal, a tecnologia disponível em uma sociedade tipo GATTACA será realidade dentro de 20 anos ou menos… Eu eu não gostaria que as mulheres, por questão de mercado, abortassem seus fetos que tem potencial para se tornarem cientistas ou nerds, e escolhessem sempre fetos mais parecidos com o Brad Pitt…
PS: Idéias Cretinas discute a questão ética relacionada ao aumento de abortos de fetos com Síndrome de Down na Inglaterra e País de Gales. Ver aqui.

PS: O fato de Carl Sagan ter defendido o aborto no contexto norte-americano não implica que todo blogueiro de ciências progressista deveria fazer o mesmo. Existem ateus que são contra a legalização do aborto e existem religiosos a favor da legalização do aborto (por exemplo o Bispo Macedo da Igreja Universal é a favor da legalização do aborto, você sabia?)
oOo
Da Wikipedia:

Freakonomics

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O livro Freakonomics – O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta é uma coletânea de estudos do economista Steven Levitt, Ph.D. pelo MIT, em parceria com o jornalista Stephen J. Dubner. A obra defende teses polêmicas, entre elas a de que a legalização do abortoseria a grande responsável pela redução das taxas de criminalidade em Nova Iorque.

O próprio nome Freakonomics – que quer dizer algo como “economia excêntrica”, segundo a responsável pela tradução da obra – contribui para que o livro mostre a que veio. Levitt tem uma linha de pensamento diferente da maioria dos economistas e, apesar de em Freakonomics ele seguir uma tendência tradicional atualmente em Economia – a de aplicar princípios econômicos às mais variadas situações da vida cotidiana – o livro não fica limitado a isso.

Situações cotidianas são confrontadas pelos autores, e idéias simples, convenientes e confortadoras, tidas como verdadeiras pela sociedade, são postas em dúvida.

No primeiro capítulo, as origens da corrupção são discutidas. No segundo, os autores debatem problemas decorrentes de assimetria de informação. No terceiro, levanta-se uma outra questão: por que os traficantes de drogas, apesar de estarem em uma atividade altamente rentável, ainda têm um baixo padrão de vida?

O quarto capítulo é o mais polêmico: é o que defende a tese de que o aborto legalizado seria o grande responsável pela diminuição da criminalidade em Nova Iorque, e não fatores como a existência de uma economia mais forte, o aumento do número de policiais, a implementação de estratégias policiais inovadoras ou as mudanças no mercado de drogas. Os autores argumentam que filhos indesejados teriam maior probabilidade de se tornarem criminosos, pelas condições precárias de vida a que estariam sujeitos durante sua criação.

[editar]Críticas sobre a teoria do Aborto

A teoria sobre o aborto, por tratar de um tema tão delicado, é constantemente alvo de críticas. Levitt não se esquiva delas e sempre responde: “Eu penso que é exatamente assim que a ciência deve trabalhar, com teorias controversas sendo cutucadas e instigadas a provar sua robustez”.

Levitt faz questão de deixar claro que não faz nenhum tipo de julgamento de valor a respeito da questão. Seu trabalho é desenvolvido do ponto de vista de um pesquisador que apenas tenta explicar os fenômenos que observa.

As críticas mais importantes ao seu trabalho vieram de outros cientistas:

Christopher Foote e seu assistente Christopher Goetz, dois economistas da Federal Reserve de Boston apontaram um erro relacionado aos dados utilizados, referentes ao número de prisões efetuadas no período estudado. O fato de Levitt ter usado o número total de prisões realizadas, ao invés do número de prisões per capita supervalorizaria a influência do aborto. Levitt, em tempo, reconheceu o erro e ajustou suas equações para os novos valores. Isto, porém, não reduziu tão drasticamente a influência do aborto: apesar de menor, continua existindo e é estatisticamente importante na redução da criminalidade.

Em Março de 2006 foi realizada uma conferência no American Enterprise Institute for Public Policy Research com Christopher Foote, John Donohue (co-autor do artigo científico de Levitt sobre o impacto da legalização do aborto na redução do crime) e outros economistas e cientistas a respeito deste trabalho.

[editar]Ligações externas

    E toda banda larga será inútil se a mente for estreita

    Acreditam que eu chorei a primeira vez que vi este comercial? Bobagem, né? Afinal, eu uso a Claro, não a TIM…

    Luis Fernando Veríssimo em Ribeirão Preto

    Bate-papo com Luis Fernando Veríssimo



    Jornalista, cronista, humorista, dramaturgo e nas horas vagas saxofonista. Um dos autores mais conhecidos do país, Luis Fernando Veríssimo é o convidado de mais uma edição do “Café com Letras”, encontros com escritores realizados pela Fundação Feira do Livro de Ribeirão Preto que objetivam manter ações pró-livro e leitura o ano todo.


    O gaúcho Luis Fernando Veríssimo é filho do escritor Érico Veríssimo, devido as viagens do pai estudou nos Estados Unidos, onde aprendeu a tocar saxofone. Começou sua carreira como jornalista no jornal “Zero Hora”, onde foi reconhecido pelo seu estilo humorístico. O primeiro livro foi publicado em 1973 e durante estes anos o autor não parou de escrever, mais de 40 livros compõem sua bibliografia. Atualmente Veríssimo é articulista dos jornais “Zero Hora”, “O Estado de São Paulo” e “O Globo”.


    Além do bate-papo com o autor, o público poderá conferir a apresentação da banda Jazz-6, em que Veríssimo é saxofonista. A banda traz músicas de seu último CD “Four”, que homenageia o trompetista Miles Davis e faz uma boa mistura entre música brasileira dos anos 60 e jazz norte-americano. O show reúne músicas de Tom Jobim, Gilberto Gil, Gary Campbell e John Kleener.


     


    Serviço:


    – Café com Letras com Luis Fernando Veríssimo e apresentação da banda Jazz 6


    – Dia 18/09, às 19h


    – Cineclube Cauim (Rua São Sebastião, 920)


    – Gratuito. Retirada de ingressos na bilheteria do Cineclube, das 14h às 22h.


    – Maiores informações: (16) 3911 1050


     


    Alessandra Possebon


    Fundação Feira do Livro

    O que não mata, engorda

    Mônica anda chateada com a nova gripe, pois é um vírus muito “fraquinho”. O bom mesmo seria um vírus que eliminasse a espécie humana, de modo a salvar os animais em extinção, acabar com o aquecimento global, as guerras, etc…
    Realmente, a primeira onda da nova gripe não mata (muito), mas tem trazido inúmeros benefícios ao Brasil, já comentados neste blog. Entre eles, mudanças nos costumes de higiene, e mesmo culturais: muita gente já está adotando o namastê e o arigatô em vez do aperto de mão ocidental.
    Nova teoria: muitos costumes culturais do oriente podem ser explicados como práticas de prevenção de epidemias em sociedades superpopulosas.

    Nova gripe muda hábitos de higiene de brasileiros

    População passou a lavar as mãos com mais frequência.
    Para infectologista, epidemia vai passar, mas bons costumes vão ficar.

    Mais uma evidência contra o sociodeterminismo

    Acima: Rapaz faz cara de que não está conseguindo enxergar direito…




    As pessoas tem uma tendência de gostar daquilo que fazem bem. Talvez as mulheres tenham mais facilidade para fazer tricô, crochê e enfiar linha em ponta de agulha do que os marmanjos. Essas atividades são culturais, mas a facilidade para fazê-las vai além do simples treinamento. Talvez isso explique porque as mulheres são melhores no uso de microscópios (tenho certeza que alguém vai reclamar sobre esta frase)…

    Enviado por Sandro Reia:


    Homens enxergam melhor de longe e mulheres, de perto; efeito é atribuído à seleção natural.

    LONDRES – Homens e mulheres veem diferente por uma questão de programação cerebral derivada de quando os antepassados masculinos se dedicavam predominantemente a caçar e os femininos a colher, segundo um estudo publicado no British Journal of Psychology.

    As conclusões do estudo, dirigido pela psicóloga Helen Stancey, são o resultado de uma série de experiências que demonstraram que os homens têm uma maior capacidade de discernir à longa distância e as mulheres focalizam melhor a curta distância.

    A pesquisa, segundo os autores, sugere que o cérebro dos homens e das mulheres evoluiu de maneira diferente por causa das tarefas definidas que tinham os indivíduos de cada sexo para garantir a sobrevivência do grupo.

    Os homens eram os caçadores e tinham que forçar a vista para as distâncias longas, em busca de presas, o que gerou uma seleção a favor da capacidade para distinguir de longe, enquanto as mulheres, em sua condição de coletoras de frutos ou raízes, se adaptaram melhor à visualização de objetos ao alcance das mãos.

    Para demonstrar que há uma diferença de percepção visual em função do sexo, os pesquisadores pediram a um grupo de 48 homens e mulheres que marcassem com um ponteiro laser o eixo central de várias linhas traçadas em uma folha de papel.

    O resultado foi que os homens eram mais precisos quando o papel se situava a uma distância de 100 metros e que as mulheres se aproximavam mais do ponto central quando se situava a 50 centímetros.

    “Já existia evidência de que houve caminhos separados na maneira de processar cerebralmente a informação visual. Nossos resultados sugerem que a relacionada com as distâncias curtas favorece as mulheres e a relacionada com as distâncias longas os homens”, disse Stancey, professora do Hammersmith and West London College.

    Nova evidência contra o sociodeterminismo

    Sociodeterministas acreditam que a apreciação artística, por exemplo, a apreciação musical, é uma característica puramente cultural e convencional. O fato das pessoas em geral não apreciarem música dissonante é visto como apenas originário da educação e cultura pessoal. As pessoas poderiam ser educadas para apreciar música dissonante, bastaria ter gosto artístico mais apurado.
    Eu concordo que as pessoas podem ser “treinadas” para apreciar música dissonante. As pessoas podem ser treinadas para quase tudo, na verdade: os sociodeterministas são parentes do Skiner, e treinamento behaviorista funciona. Mas isso não significa que as pessoas sejam tábulas rasas, que não existem propensões default, influenciadas por fatores biológicos.
    Chimpanzés não treinados parecem preferir música consonante. Mas eu imagino que seria possível treinar um chimp para preferir música dissonante. Afinal, somos todos antropóides treinados…

    Estudo indica que chimpanzés são capazes de apreciar música

    Pesquisa com filhote revelou que animal prefere ouvir música harmoniosa.

    Uma pesquisa realizada por cientistas japoneses indica que os chimpanzés podem ter uma capacidade inata de apreciar música agradável – algo que se acreditava que fosse exclusivo dos humanos.
    Um artigo meio panfletário que escrevi contra o sóciodeterminismo pode ser encontrado aqui (Mônica Campitelli gosta muito desse artigo):
    A perturbadora persistência do determinismo social

    O Super Dínamo era colorido?

    Para quem ainda não conhece, fica aqui o link para o site Mofolândia.
    Uma coisa que me faz acreditar em falsas memórias é o fato de que “eu me lembro” de vários filmes ou desenhos coloridos que assisti na infância e que na verdade eram em preto e branco. É o caso do Super Dínamo (a foto colorida acima é de uma nova versão feita em 1992 que certamente não assisti).
    Talvez essas memórias de filmes coloridos sejam comuns e os neurocientistas poderiam documentar melhor do que as memórias falsas usuais que são mais dificieis de reproduzir. Fica a sugestão…
    Super Dínamo era a idêntidade secreta do garoto Mitsuo, que fazia parte de um grupo de crianças que foram escolhidos para formarem uma equipe para combater o crime no Japão, (esquadrão Dínamo). O chefe de Super Dínamo era o Super-Homem (tradução mal feita no Brasil), não o Super Homem tradicional que conhecemos, mas sim um outro Super Homem japonês. Super Dínamo tinha inicialmente 3 companheiros de aventuras: Uma garota chamada Parco que era a número 3, um macaco chamado Bobby que era o número 2 e outro garoto chamado Parien, o número 4. Havia também um nenê no 2º ano da série, chamado número 5. Esse bebê foi aceito no grupo depois que ele viu Mitsuo se transformando e começou a chamá-lo de Dínamo. Mitsuo era o número 1.

    Todos os integrantes do grupo Super Dínamo tinham um Robô Cópia, um boneco que ao ser tocado no nariz, assumia a identidade da pessoa que o tocou, permitindo assim, a ausência de nossos heróis de suas casas, se envolvendo em aventuras, sempre desastradas.
    Outros personagens da série eram o Kabal e o Sabuo, que infernizavam a vida de Mitsuo na escola. A irmã de Mitsuo chamava-se Gugo.

    O desenho foi produzido pelo Estúdio Zero e a empresa TMS em 1967, originalmente em preto e branco. Foi exibido no Brasil entre 1973 e 1978 pelos canais Tupi (4) e Record (7) em São e Paulo e Tupi (6) no Rio de Janeiro, não sendo reapresentado, posteriormente, por nenhum canal no Brasil.

    Em 1992 foi gravado no japão alguns episódios coloridos (remake) da série, que nunca foram apresentados no Brasil. Esses episódios têm o mesmo enredo dos episódios que foram apresentados aqui, em preto e branco, nos anos 60 e 70, porém, há uma diferença no traço e alguns detalhes do desenhos foram alterados, como por exemplo, o tamanho do nariz da máscara do Super Homem e também o diminuto kit de transformação dos Dínamos, que no original era em forma circular, na versão colorida se transformou em uma espécie de rolinho parecido com um kibe branco.

    Cigarro faz bem à saúde?




    Sequindo a pauta sugerida pela Fernanda Figueiredo da SciAm Brasil:

    O lado perverso da persuasão
    Até meados do século XX, a indústria do tabaco vendeu para o mundo um estilo de vida que mesclou valores familiares tradicionais, liberação da mulher e afirmação da classe média. Valia tudo, até advogar benefícios do cigarro para a saúde
    por Maria Berenice da Costa Machado

    Explicado aumento da gripe suína nos pampas

    O aumento da gripe suína em nossos países vizinhos Argentina, Uruguai e Rio Grande do Sul (“o sul é meu país”) acaba de ser explicado: promiscuidade no chimarrão. Recomenda-se o prazer solitário para evitar a transmissão da doença. Cuidado aí, pessoal do Coletivo Ácido Cético

    Medo da gripe suína afeta hábito de compartilhar chimarrão no RS

    GRACILIANO ROCHA
    da Agência Folha, Em Porto Alegre

    O surgimento de casos da gripe suínafronteira com a Argentina sugerem o chimarrão solitário. pelo país vem afetando até o tradicional hábito de beber chimarrão em roda no Rio Grande do Sul. Em vez de grupos em que se compartilha água quente e erva-mate por uma mesma bomba, as autoridades de saúde de municípios da

    A preocupação é que o vírus da influenza A (H1N1) encontre no canudo de metal um canal de transmissão, especialmente quando a água começa a esfriar. No Estado, há 106 casos confirmados da doença.

    Em Itaqui (723 km de Porto Alegre), município na fronteira com a Argentina que decretou emergência mesmo sem ter casos confirmados, a prefeitura sugere em programas de rádio que as pessoas evitem oferecer a cuia para desconhecidos.

    “Vamos todo dia nas rádios pedir que as pessoas mantenham os hábitos de higiene e evitem contato com outras pessoas, inclusive dividir a bomba”, disse a secretária de municipal de Saúde, Eliane Piffero.

    Em São Gabriel (321 km de Porto Alegre), cidade com 38 casos confirmados que suspendeu nesta quinta-feira decreto de situação de emergência, a prefeitura até distribuiu panfletos recomendando evitar o mate em grupo.

    Em Uruguaiana (635 km de Porto Alegre), a prefeitura foi mais comedida, mas isso não evitou que a roda de chimarrão passasse a ser evitada.


    Chimarrão – A mulher e o chimarrão

    gentileza de Bernardete Angela Manosso

    Moça…

    mui nova
    é como cachaça: embebeda ou estraga o estômago

    mui inteligente
    é mate com bomba nova: custa-se acertar a embocadura e às vezes não se acerta nunca

    loira
    é mate de erva fraca: em seguida perde o gosto

    do olho parado
    é mate frio: tereré não resolve

    desfrutável
    é o primeiro mate: tome o mais que possa e cuspa fora, que os pintos logo aproveitam

    criada mui solta
    é mate de roda mui grande: na nossa vez a erva já está lavada

    mui presa
    é mate quente e entupido: quando desentope é um deus nos acuda, sai pelando os beiços

    rechonchuda
    é mate com cancerosa: bom pro sangue uma barbaridade

    morena de olho reluzente
    é mate enchido pela bomba: com água de pelar porco

    Viúva nova, linda e rica
    é mate com bolo frito: para o descanso não há nada igual

    UM CONSELHO AÍ VAI
    Ceve o mate da felicidade com uma chinoca recatada e dona de si, é mate com sabugueiro do campo: é bom prá tudo.