Home // Posts tagged "extremal events"

Criticalidade auto-organizada: uma visão de mundo que os físicos construíram

Livro para carregar no Kindle que a Rita me deu…
As idéias de SOC ou SOqC (Self-organized quasi-criticality) estão percolando pela cultura popular, criando fortes metáforas cognitivas que nos ajudam a pensar sistemas complexos tais como a economia, os sistemas sociais, os sistemas ecológicos etc. Ela resolve, por exemplo, a velha questão sobre que fatores são importantes na história, se as grandes forças econômicas, os movimentos de classe ou a ação de indivíduos. Nesta concepção, a História é pensada como uma sucessão de avalanches de fatos históricos (algumas superpostas). Essas avalanches podem ser de qualquer tamanho e podem ser desencadeadas mesmo pela ação de indivíduos (Jesus, Marx ou Steve Jobs, correspondentes a um grão na pilha de areia) dentro de um contexto de acumulação de tensão social (as forças econômicas, de classe, culturais etc).
Essas novas ferramentas de pensamento foram desenvolvidas principalmente pelos físicos (e acho que eu ajudei com alguns papers, ver aqui, aqui e aqui). Me parece que será uma visão de mundo influente neste século…
Start reading Bak’s Sand Pile: Strategies for a Catastrophic World on your Kindle in under a minute. Don’t have a Kindle? Get your Kindle here.

Deliver to your Kindle or other device

How buying works

Try it free

Sample the beginning of this book for free

Deliver to your Kindle or other device

How sampling works

Read books on your computer or other mobile devices with ourFREE Kindle Reading Apps.
Bak's Sand Pile: Strategies for a Catastrophic World

Bak’s Sand Pile: Strategies for a Catastrophic World [Kindle Edition]

Ted G. Lewis (Author)

5.0 out of 5 stars  See all reviews (1 customer review) | Like(0)

Digital List Price: $9.99 What’s this? 
Print List Price: $34.95
Kindle Price: $9.99 includes free international wireless delivery via Amazon Whispernet
You Save: $24.96 (71%)

 


Book Description

Publication Date: December 22, 2011
Did the terrorist attacks on the United States in 2001, the massive power blackout of 2003, Hurricane Katrina in 2005, and the Gulf oil spill of 2010 ‘just happen’-or were these shattering events foreseeable? Do such calamities in fact follow a predictable pattern? Can we plan for the unforeseen by thinking about the unthinkable? Ted Lewis explains the pattern of catastrophes and their underlying cause. In a provocative tour of a volatile world, he guides the reader through mega-fires, fragile power grids, mismanaged telecommunication systems, global terrorist movements, migrating viruses, volatile markets and Internet storms. Modern societies want to avert catastrophes, but the drive to make things faster, cheaper, and more efficient leads to self-organized criticality-the condition of systems on the verge of disaster. This is a double-edged sword. Everything from biological evolution to political revolution is driven by some collapse, calamity or crisis. To avoid annihilation but allow for progress, we must change the ways in which we understand the patterns and manage systems. Bak’s Sand Pile explains how.

SOC e Câncer

A dar uma olhada…

Self-Organized Criticality: A Prophetic Path to Curing Cancer

J. C. Phillips
(Submitted on 28 Sep 2012)

While the concepts involved in Self-Organized Criticality have stimulated thousands of theoretical models, only recently have these models addressed problems of biological and clinical importance. Here we outline how SOC can be used to engineer hybrid viral proteins whose properties, extrapolated from those of known strains, may be sufficiently effective to cure cancer.

Subjects: Biomolecules (q-bio.BM)
Cite as: arXiv:1210.0048 [q-bio.BM]
(or arXiv:1210.0048v1 [q-bio.BM] for this version)

Probabilidade de ocorrer um evento maior que o “11 de setembro” ultrapassa os 95%

Statisticians Calculate Probability Of Another 9/11 Attack

According to the statistics, there is a 50 per cent chance of another catastrophic terrorist attack within the next ten years

3 comments

THE PHYSICS ARXIV BLOG

Wednesday, September 5, 2012

Earthquakes are seemingly random events that are hard to predict with any reasonable accuracy. And yet geologists make very specific long term forecasts that can help to dramatically reduce the number of fatalities.

For example, the death toll from earthquakes in the developed world, in places such as Japan and New Zealand, would have been vastly greater were it not for strict building regulations enforced on the back of well-founded predictions that big earthquakes were likely in future.

The problem with earthquakes is that they follow a power law distribution–small earthquakes are common and large earthquakes very rare but the difference in their power is many orders of magnitude.

Humans have a hard time dealing intuitively with these kinds of statistics. But in the last few decades statisticians have learnt how to handle them, provided that they have a reasonable body of statistical evidence to go on.

That’s made it possible to make predictions about all kinds of phenomena governed by power laws, everything from earthquakes, forest fires and avalanches to epidemics, the volume of email and even the spread of rumours.

So it shouldn’t come as much of a surprise that Aaron Clauset at the Santa Fe Institute in New Mexico and Ryan Woodard at ETH, the Swiss Federal Institute of Technology, in Zurich have used this approach to study the likelihood of terrorist attacks.  Read more [+]

Quanto pior, melhor… ou a eleição de Obama

Estava pensando aqui sobre para quem vou torcer (dado que não posso influenciar)  nas eleições dos EUA. Bom, por default, eu deveria torcer pelo Obama, dado que me parece que sou um “liberal” no sentido americano, e não um “conservative”. Por outro lado, acho que sempre temos que pensar no que é melhor para o mundo e não no que é melhor para os EUA ou o Brasil.

Romney e Obama estão, no presente momento, empatados em termos estatísticos. Então, acho que dá para simular dois cenários:

Democratas ganham: dado que a crise econômica continua e não tem fim a vista, isso implicará em mais quatro anos de desgaste para os Democratas. Afinal de contas, os democratas não poderão dizer que Obama herdou uma situação irresponsável de seu antecessor. Os movimentos sociais tipo Ocupar Wall Street ficaram enfraquecidos num governo Democrata. Afinal de contas, se os ricos são (melhor) defendidos pelos republicanos, protestar contra os 1% ou 0.1% ricos não tem muito sentido se os mesmos não estão com o poder (politico). No final de um novo governo Obama, certamente os republicanos irão ganhar, iniciando talvez um longo período conservador. Ou não, pois o cenário abaixo (republicanos ganham) poderia ocorrer, apenas com um delay de quatro anos.

Republicanos ganham: Se os republicanos ganharem, o fosso entre ricos e pobres irá aumentar, os gastos sociais irão diminuir, o ataque a ciência vindo dos criacionista e céticos do clima terá suporte, etc. Ou seja, neste cenário, a situação social/econômica/cultural dos EUA irá piorar sensivelmente. O gap economico entre EUA e China irá diminuir, caminharemos para um mundo bipolar, talvez uma nova guerra fria (contra os “comunistas” chineses). Possivelmente vai haver um período de protestos similar o maio de 1968 (possivelmente por volta de 2018, se o tal ciclo de violência social de 50 anos – um ciclo de Lotka-Volterra ou uma onda num sistema excitável?), apenas para ser reprimido por uma nova reação conservadora.

Bom, para os adeptos do “quanto pior, melhor”, visando uma revolução social, imagino que seja melhor torcer para o Romney, pois assim os republicanos pegam o repique (o segundo fosso do W) da crise econômica em seu auge…

Will the US Really Experience a Violent Upheaval in 2020? Read more [+]

Grandes extinções são mais periódicas do que se pensava

The Death of Nemesis: The Sun’s Distant, Dark Companion

Posted: 11 Jul 2010 09:10 PM PDT

The data that once suggested the Sun is orbited by a distant dark companion now raises even more questions

Over the last 500 million years or so, life on Earth has been threatened on many occasions; the fossil record is littered with extinction events. What’s curious about these events is that they seem to occur with alarming regularity.

The periodicity is a matter of some controversy among paleobiologists but there is a growing consensus that something of enormous destructive power happens every 26 or 27 million years. The question is what?

In this blog, we’ve looked at various ideas such as the Sun’s passage through the various spiral arms of the Milky Way galaxy (it turns out that this can’t explain the extinctions because the motion doesn’t have had the right periodicity).

But another idea first put forward in the 1980s is that the Sun has a distant dark companion called Nemesis that sweeps through the Oort cloud every 27 million years or so, sending a deadly shower of comets our way. It’s this icy shower of death that causes the extinctions, or so the thinking goes.

Today, Adrian Melott at the University of Kansas and Richard Bambach at the Smithsonian Institute in Washington DC re-examine the paleo-record to see if they can get a more accurate estimate of the orbit of Nemesis.

Their work throws up a surprise. They have brought together a massive set of extinction data from the last 500 million years, a period that is twice as long as anybody else has studied. And their analysis shows an excess of extinctions every 27 million years, with a confidence level of 99%.

That’s a clear, sharp signal over a huge length of time. At first glance, you’d think it clearly backs the idea that a distant dark object orbits the Sun every 27 million years.

But ironically, the accuracy and regularity of these events is actually evidence against Nemesis’ existence, say Melott and Bambuch.

That’s because Nemesis’ orbit would certainly have been influenced by the many close encounters we know the Sun has had with other starsin the last 500 million years.

These encounters would have caused Nemesis’ orbit to vary in one of two ways. First, the orbit could have changed suddenly so that instead of showing as a single the peak, the periodicity would have two or more peaks. Or second, it could have changed gradually by up 20 per cent, in which case the peak would be smeared out in time.

But the data indicates that the extinctions occur every 27 million years, as regular as clockwork. “Fossil data, which motivated the idea of Nemesis, now militate against it,” say Melott and Bambuch.

That means something else must be responsible. It’s not easy to imagine a process in our chaotic interstellar environment that could have such a regular heart beat; perhaps the answer is closer to home.

There is a smidgeon of good news. The last extinction event in this chain happened 11 million years ago so, in theory at least, we have plenty of time to work out where the next catastrophe is coming from.

Either way, the origin of the 27 million year extinction cycle is hotting up to become one of the great scientific mysteries of our time. Suggestions, if you have any, in the comments section please.

Ref: arxiv.org/abs/1007.0437: Nemesis Reconsidered

Crescimento super-exponencial da gripe suína no Brasil

Este post pertence à Roda de Ciência. Favor deixar comentários apenas lá.

Obviamente isto é um artefato do processo de confirmação de casos, a menos que reflita um aumento da transmissibilidade da gripe. Ariadne, minha estudante de mestrado, está trabalhando em um modelo epidêmico que poderia reproduzir tal curva.
É claro que mais cedo ou mais tarde a capacidade do país de confirmar casos irá saturar (como já aconteceu em outros países). Mas se usarmos o conjunto de dados da última semana como preditor, podemos esperar atingir 1 milhão de casos (reais, que não serão necessariamente confirmados) na primeira semana de agôsto. Isso implicará em 10.000 casos graves (usando uma taxa super conservadora de 1% de hospitalização – a taxa real está entre 5 e 10%). Dado que temos atualmente 1.000 leitos para os casos graves, eu sinceramente não sei o que vai acontecer com os outros 9.000.
O pico da epidemia provavelmente se dará no final de agôsto, especialmente se as ondas de frio permanecerem até o final daquele mês.
É claro que isto é apenas um “educated guess”. Mas se você olhar com cuidado os posts sobre gripe suína deste blog, verá que tenho tido um acerto de quase 100% nos meus chutes educados.

Erramos: Raios não derrubam aviões

O bom do uso de blogs e janelas de comentários é que as informações podem ser rapidamente corrigidas. Eu reproduzi em outro post o anúncio da Air France de que um raio poderia ter derrubado o avião. Roberto Takata e João Carlos rapidamente me chamaram a atenção de que isso é improvável (e eu realmente dei marcada, porque aviões são gaiolas de Faraday, e eu deveria saber isso. Um texto sobre isso pode ser encontrado aqui.
Fica a curiosidade sobre por que a Air France teria solto esta informação exdrúxula. A menos que tenham informações internas (uma da “caixas pretas” da aeronave envia online informações técnicas (centenas de parâmetros) via satélite para a central da Air France.
Uma especulação minha seria sobre a magnitude dos raios. Será que alguém já traçou uma distribuição de  magnitude (energia liberada?)  dos raios? Eu aposto que dá uma lei de potência, porque raios parecem lembrar avalanches com características fractais. 
Em termos de extensão espacial, eu sei que relâmpagos (não raios, mas relâmpagos, OK!) podem se extender por centenas de quilometros (veja no filme acima como os eventos não são aleatórios, alguns relâmpagos parecem induzir outros a quilometros de distância, ou seja, os eventos estão correlacionados e não seguem uma distribuição de Poisson). Eu gostaria de fazer um paper sobre isso um dia… Algum leitor tem acesso aos dados do radar de Bauru?
Então, sei lá, talvez os sistemas de segurança dos aviões só aguentem raios até uma certa magnitude M e esta aeronave foi atingida por um raio de altissima magnitude. Tipo assim um prédio que aguenta terremoto de magnitude 6 mas não de magnitude 7, entendem? 
Se o comunicado da Air France não se baseia em dados comunicados pela caixa preta, então foi apenas uma especulação tecnicamente pobre e na verdade absurda. Será que os porta-vozes da Air France não entendem nada de aviões? 
No meu post, então esqueça a história de raios atingindo aviões. Mas o raciocínio sobre como ser atingido por um raio (em um campo de futebol?) está conectado com buracos negros a milhões de anos luz daqui continua válido…

Coincidências e acidentes


Do G1:

Air France: raio é hipótese mais provável para desaparecimento de avião

PARIS, França, 1 Jun 2009 (AFP) – O Airbus A330 da Air France, que desapareceu nesta segunda-feira em uma viagem entre Rio de Janeiro e Paris, teria sido atingido por um raio, segundo a hipótese mais provável, afirmou François Brousse, diretor de comunicação da companhia aérea francesa.


“Provavelmente se trata de uma catástrofe aérea. Toda a companhia pensa nos familiares, com os quais divide a dor”, declarou o diretor-geral da Air France, Pierre-Henri Gourgeon, em uma entrevista coletiva no aeroporto parisiense de Roissy – Charles de Gaulle , onde o avião deveria ter pousado.


“O mais provável é que o avião tenha sido atingido por um raio”, declarou Brousse à imprensa. “O avião entrou em uma zona de tempestade com fortes turbulências, que provocaram falhas”, acrescentou.


O ministro francês de Ecologia e Energia, Jean Louis Borloo, declarou à AFP que haviam fortes tempestades tropicais na região. “São aeronaves habilitadas para este tipo de circunstâncias, mas deve ter sido um acúmulo de eventos”.

Hoje eu ia escrever sobre coincidências estatísticas, mas deixarei para o próximo. Vou refletir agora sobre o acidente desta madrugada, porque eu o escutei na CBN de manhã e isso me comoveu: senti um pouco da dor e angústia dos familiares, que certamente a partir de agora estarão se perguntando: “Por quê?”
Se você acredita em Karma, vai responder que morrer desse jeito era o Karma dessas pessoas. Uma conspiração espiritual teria ajuntado todas elas no mesmo vôo, etc e tal. Afinal, “coincidências não existem” e “tudo tem uma causa”. O velho determinismo cartesiano francês que contaminou o espiritualismo racionalista de origem francesa: basicamente você coloca a culpa nas vítimas.
Se você é religioso mas não acredita em Karma, dirá que o mal e o sofrimento realmente existem, não são justificáveis, não são em princípio a “vontade de Deus”, mas derivam de um “mistério”: do ponto de vista dos seres vivos, o universo é imperfeito por permitir o sofrimento. Talvez você coloque a culpa não nas vítimas, mas em algum tipo de antagonista de Deus. Alternativamente, o seu Deus poderia não ser capaz de realizar coisas impossíveis (como diria Santo Agostinho) e não consegue otimizar o universo porque isso é um problema NP-completo.
Se você não é religioso, a explicação é o acaso: não existe “por quê”, apenas “como”. O raio atingiu o avião, que infelizmente não resistiu. Talvez atravessar aquelas nuvens de tempestade fosse algo temerário, talvez não. Se existem uma multiplicidade de fatores (“causas”), então nenhuma sozinha foi responsável pela tragédia.
Eu gostaria de dar uma idéia aqui de que esse “acaso”, esse “acidente”, tem dimensões cósmicas. Vejamos:
Uma das teorias sobre o processo de iniciação dos raios (que parece bastante plausível) é a do Runaway Breakdown. Basicamente ela diz que a avalanche elétrica que são os raios é iniciada por elétrons relativísticos produzidos por raios cósmicos de alta energia. Um complemento diz que tais raios cósmicos se originam em buracos negros supermassivos no centro de galáxias a milhões de anos-luz daqui.
Você consegue imaginar isso? Milhões de anos atrás um próton é acelerado em um buraco negro massivo, viaja esse tempo todo sem se chocar com nenhuma molécula, chega até nossa atmosfera, se choca produzindo um chuveiro de partículas (inclusive os elétrons relativísticos) que nucleiam o canal inicial de plasma (“lider”) que dará início ao raio (o processo todo é descrito aqui).
Bastaria uma pequeníssima diferença no campo magnético no buraco negro (ou no espaço intergalático) para fazer o tal próton se desviar da Terra. Como a criação de partículas é probabilista (em termos quânticos), o choque com a molécula de ar ou a criação do elétron responsável pela nucleação do raio também é totalmente aleatória. E mesmo que ele criasse o tal raio, bastaria um milissegundo de atraso do avião para que o mesmo não fosse atingido.
Você percebe agora que a simples palavra “acaso” envolve zilhões de pequenos eventos, com uma origem a milhões de anos-luz daqui, a maior parte deles não determinada (e quanticamente sem “causa”)? Estar ciente dessa dimensão cósmica do acidente não consola os familiares das vítimas, mas pode evitar que coloquemos a culpa nas próprias vítimas…

30 posts sobre a gripe suína

Este post pertence à Roda de Ciência. Favor deixar os comentário lá.
Em vez de fazer um novo post sobre gripe suína, resolvi fazer um metapost, com o link para os meus 30 posts sobre o tema. OK, OK, eu sei que comecei a postar sobre isso no dia 28 de abril, o que dá uma média de 2 posts por dia sobre o tema. Isso é muito ou é pouco?
Clique aqui para obter apenas os posts sobre a gripe suína. Se aparecerem apenas 20 deles, vá para o último e clique em cima da tag “swine flu”. Bom proveito!
PS: Igor, quando você vai me pagar a nossa aposta?

Ninguém está falando na taxa de hospitalizacão da gripe suína!


Vírus da gripe suína se espalha mais rápido que o da comum, diz estudo

FERNANDA BASSETTE
CLÁUDIA COLLUCCI
da Folha de S.Paulo

O vírus da gripe suína parece se transmitir mais facilmente do que o da gripe comum, aponta estudo publicado ontem na revista “Science”.
De acordo com os pesquisadores, que verificaram o padrão de disseminação da doença, o vírus A (H1N1) deve ter afetado pelo menos 23 mil mexicanos até o final de abril. A taxa de letalidade deve ser de quatro casos por mil –severidade menor do que a da pandemia de 1918.
O estudo aponta ainda que no vilarejo de La Gloria, no México, as crianças abaixo de 15 anos são 61% dos infectados. O número é semelhante ao do trabalho publicado no periódico “The New England Journal of Medicine”, apontando que 60% das pessoas contaminadas nos EUA têm menos de 18 anos.
“Os resultados mostram uma transmissão muito alta, mas com severidade baixíssima. A alta disseminação pode ser explicada porque as pessoas não possuem anticorpos contra o vírus. Esbarrou, pegou”, avalia o infectologista Caio Rosenthal, do hospital Emílio Ribas.
Rosenthal diz que um dado que chama a atenção é o fato de a doença se espalhar com mais frequência entre os mais jovens. “Eles estão mais expostos do que os idosos. Talvez essa seja uma explicação razoável.”
Outro dado presente no trabalho do “New England” é a alta taxa de hospitalização (9%), bem acima da registrada na gripe comum (1%, em média). O sintomas mais prevalentes entre os 642 casos avaliados foram febre (94%), tosse (92%), dor de garganta (66%), diarreia (25%) e vômito (25%).
Os dois últimos não são sintomas da gripe sazonal e podem indicar uma característica particular da gripe A.
Para a infectologista Maria Cláudia Stockler de Almeida, Hospital das Clínicas de São Paulo, a alta taxa de internação deve levar a uma mudança no conceito de como lidar com a nova gripe: “A pessoa não poderá ir trabalhar com gripe, ir para a escola com gripe. As empresas deverão dar licença para os empregados ou para os filhos deles que forem infectados”.
A taxa de hospitalizacão não tem sido discutida na midia nem nos blogs. Então vejamos: com a previsão de 30% de infeccao e 9% de hospitalizacão, precisariamos de 0,3 x 180.000.000 x 0,09 = 4.860.000 de leitos para um período de temporada de gripe (6-8 semanas).
OK, sejamos otimistas: supondo 20% de infeccao e taxa de hospitalizacao de 5%, precisariamos de 0,2 x 180.000.000 x 0,05 = 1,8 milhão de leitos.
Sinto muito, mas eu não acredito que o Brasil possua 1.800 leitos para a gripe, quanto mais 1,8 milhão. Alguém poderia fornecer um número realista para os leitos disponíveis? Esse número parece segredo de estado do Ministro Temporão… 

Oh dia, oh azar!

Meu antigo orentador Nestor Caticha me chamava de Lippy quando eu ficava pessimista sobre uma pesquisa ou sobre o estado do mundo. Para as novas gerações que nunca assistiram Lippy e Hardy, coloco o episódio acima.

Hoje acordei com dor de cabeça e depois de tentar pela enésima vez restabelecer minha conexão e internet em casa, desisti. Como eu estava atrasado para dar o parecer para o Journal of Physics A, e como vou viajar amanhã cedo para o Encontro Nacional de Física da Matéria Condensada em Lindóia, vim correndo para a USP, no domingo. Apenas para encontrar que o site do JPA está fora do ar para receber pareceres. O mouse do meu computador também está com problemas, de modo que é melhor eu voltar para casa.

O dinheiro do mês acabou hoje (que dia estamos?) e não parece provável que o programa de pós-graduação vá me reembolsar os gastos de gasolina e pedágio para ir para o Encontro. E chegou a invoice do artigo a ser publicado no PLoS Computational Biology, cobrando U$ 2200. É nessas horas que seria bom ter o grant de pesquisador nível I. Vejamos daqui a alguns anos…

Isso quanto ao dia das mães (nota: ligar para minha mãe ainda hoje). Quanto ao estado do mundo, Nelson Alves me mandou este report da Reuters:

CHICAGO (Reuters) – The Federal Reserve reduced the size of capital deficits facing several banks before releasing the results of “stress tests” on the financial institutions, according to a story in the Wall Street Journal on Saturday [a reportagem original encontrei aqui no site do WSJ].

The changes came after days of negotiations with the banks, the story said. The Federal Reserve used a different method than analysts and investors had expected to calculate the required capital levels.

U.S. regulators told top banks on Thursday to raise $74.6 billion to build a capital cushion officials hope will restore faith in financial firms and set a course out of the deepest recession in decades.

The results of the tests — which involved more than 150 regulatory officials poring over the books of the 19 largest firms — effectively drew a line between healthy and weak, and quantified exactly how much those institutions struggling under the weight of souring loans must raise.

At least half of the banks pushed back against the preliminary findings of the tests, the Wall Street Journal said, citing people with direct knowledge of the process.

Citigroup’s capital shortfall was reduced to $5.5 billion from about $35 billion after bank executives persuaded the Fed to include future capital-boosting impacts of pending transactions, the story said.

Wells Fargo’s shortfall was cut to $13.7 billion from $17.3 billion and Fifth Third’s was reduced to $1.1 billion from $2.6 billion.

(Reporting by Mark Weinraub)

Engraçado o uso da palavra fé neste contexto (em vermelho). Há anos que eu discuto com meus companheiros que a palavra “fé” (tanto no contexto secular como religioso) tem mais a ver com “confiança” e não com “crença em afirmativas cognitivas”. Pela fé Abrãao saiu de sua terra em busca de uma utopia ou “terra prometida”, diz a Bíblia. Não era uma crença cognitiva, é mais a fé que um empreendedor precisa ter em seu novo negócio ou a fé de Che Guevara em uma nova sociedade.

E agora ficamos sabendo que o sistema financeiro sobe ou desce devido à fé (confiança) dos agentes econômicos… E que, para induzir essa fé, o FED está mentindo sobre o real estado do sistema bancário…

Curvas Perigosas

O título é uma brincadeira com o título do post do Cretinas no blog dele (ainda não entendi por que blogueiro de ciência precisa ser anônimo…). 
Na fase de decolagem de uma epidemia, o comportamento da curva de infectados é exponencial. Esse comportamento, no entanto, pode ser modulado pelas medidas de proteção (distanciamento social, fechamento de escolas etc) que baixem a probabilidade de transmissão. Mais tarde, existe um ponto de inflexão, a meio caminho da saturação (o número total de casos é uma sigmóide, o número por dia é a derivada da mesma).
Mas com que números trabalhar para traçar uma curva epidêmica? Os números oficiais da Organização Mundial de Saúde mostram apenas os casos confirmados por laboratório. Eu tenho discutido essa questão com Mauro Copelli, pois ela tem a ver com um problema que chamamos de ” subsampling”: como é possível medir a taxa de ramificação de um processo de propagação se tivermos acesso a apenas N casos (ou no caso mais geral, N(t) casos).
No caso da OMS, o número de casos com confirmação por laboratório é limitado por diversos fatores logísticos, entre eles a taxa de processamento de exames dos laboratórios. Por exemplo, o governo brasileiro informou que optou por esperar os kits de identificação porque se mandasse as amstras para os EUA, o resultado iria demorar mais, dado que existem mais de 20.000 amostras do México esperando processamento.
É claro que esta estratégia envolve uma opção por transmitir uma falsa segurança: todo dia os jornais e a Globo martelam a frase “Ainda não existe nenhum caso confirmado no Brasil”. Isso é óbvio, dado que nenhum exame laboratorial foi feito ainda!
Eu aposto um conjunto de cervejas Colorado aqui de Ribeirão Preto (R$ 38,00) que pelo menos metade dos atuais 26 casos suspeitos do Brasil serão confirmados. Alguém aceita a aposta? (acho que já ganhei uma aposta similar com o Igor do blog 42). 
Dadas essas considerações, eu não entendo como dois modelos extremamente realistas e sofisticados de propagação de influenza H1N1 predisseram que o número de casos nos EUA, no final do mês de maio, estaria por volta de 2.000. E olha que o Vespigiani é um cara bastante competente. Mas o número atual de casos nos EUA segundo a OMS, é de  642 casos, e na wikipedia é de 913… e estamos ainda no dia 7 de maio, com um período de duplicação de casos de 2,3 dias! Será que nessa história toda influiu um certo clima de wishful tinking e denialism? E por falar nisso, como eu traduzo denialism?
Do Dynamics of Cats, Science Blogs:

Starting from the first WHO report (april 24)as t=0, where t is counted in days, we get the simpler fit:

N(t) = 20.35 * 1.52^t = 20.35*exp(ln 1.52 * t) = 20.35*exp(0.42 t).

The doubling time is given by 1.52^T = 2, that is, T = ln(2)/ln(1.52) = 1.7 days

This means 100.000 cases in May 15 and 100 millions in 31 May, as you have noticed. Of course, at this time the sigmoidal saturation will appear. Of course, the curve will fit the data only during the time that laboratories can cope with the identification task of new cases.

Posted by: Osame Kinouchi | May 3, 2009 7:48 PM

4 yup, that looks about right the flattening to apparent linearity of the US cases is likely due to the CDC labs being maxed out and only doing fixed number o confirmations per day if that is the case there should be a jump in known cases this week as the new primers go out to the certified regional labs and the throughput goes up, specially given the known backlog
Posted by: Steinn Sigurdsson | May 3, 2009 8:01 PM

FOTO: As curvas perigosas de Megan Fox, com direito a dar uma olhada na biblioteca dela.

Eu já vi esta história antes…




Do Denialism Blog: (infelizmente o vídeo foi retirado pelo YOUTUBE)

The Teabaggers Are Nuts

Category: Conspiracies • Politics
Posted on: April 20, 2009 9:37 AM, by 
MarkH

Via Brayton I caught this disturbing video of the new right-wing fringe movement:

Now, if you guys have been following along for the last few years of denialism blog, you know you should immediately be suspicious of people alleging conspiracy theories. This one is a doozy. The administration as a culmination of a 5 decade communist plot to take over the country? This movement is disturbing, and as radical and unhinged as the 9/11 truthers. I would emphasize as always, no political ideology is safe from this paranoid fringe, and this is a great example of how ideology is the universal threat to rational thinking.

I also can’t help but think this teabagging movement represents a more mainstream identity of growing right-wing hate in this country. With new reports of growth of white supremacist recruitingrecruitment of members of the military and the Father Coughlin-esque ranting of Glenn Beck and Limbaugh I’m worried we’re seeing the rise of new hate movement. Seeing their signs – blaming Obama for economic woes he’s had all of three months to address,Obama’s Plan:White Slavery, The American Taxpayers are the Jews for Obama’s ovens, Obama is the Anti-Christ, drumming up paranoia about guns, and internment camps, secession from the union for the love of Benji, Obama is a Muslim, let’s waterboard Obama – my interpretation of these events isn’t that they are legitimately angry at government spending or taxation. I just don’t buy it. After all, why get angry now? We’ve spent hundreds of billions under Bush, and wasted huge amounts in foreign wars and disastrous national policies. The tax increase? 3% on those making more than 250k? I somehow don’t see that as taxing our children’s future away, or these folks as representative of the wealthy Americans that are targeted by the tax. The people leading this movement may be recruiting a large number of people who share this unbalanced delusion about taxes and “big government” but it’s clear there is also an ugly, nationalist, and frankly racist theme behind this new movement.

Da Folha:

A Europa caminha para “uma crise social” potencialmente explosiva devido ao forte aumento do desemprego que se aproxima, estimou na noite desta segunda-feira (4) Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, foro que reúne os ministros das Finanças da zona do euro. 

“Caminhamos para um crise social porque teremos uma crise de emprego” este ano e no próximo ano na Europa, declarou à imprensa ao final de uma reunião de ministros das Finanças da zona euro em Bruxelas.


“Todos os esforços devem estar orientados para a questão social e econômica da situação”, destacou Juncker, para quem os governos precisam amortecer o choque do desemprego sobre os trabalhadores. 

Neste contexto, Juncker pediu aos patrões europeus que evitem “demissões em massa e precipitadas”, recorrendo a licenças e férias coletivas e demonstrando sua “responsabilidade social”. 

As últimas previsões da Comissão Européia, publicadas nesta segunda-feira, preveem que 8,5 milhões de pessoas perderão o emprego em 2009 e 2010 na UE. 

A Comissão calcula que o índice de desemprego chegará a 9,9% na zona euro este ano, e a 11,5% em 2010, com picos de 20,5% na Espanha e 12,1% na Irlanda no próximo ano. 

“A crise leva ao desespero milhões de europeus, não podemos subestimar o caráter explosivo deste recrudescimento do desemprego”, disse Juncker, ministro das Finanças e primeiro-ministro de Luxemburgo. 

“Estou muito preocupado com o fenômeno do crescimento do desemprego (…) Primeiro ele atinge os mais fracos, os mais frágeis, aqueles que não têm qualquer meio de subsistência além de sua própria força de trabalho”. 

“Tenho a impressão de que muitos homens políticos subestimam este fenômeno” na Europa, disse Juncker, três dias antes da realização da cúpula européia sobre o emprego, em Praga, patrocinada pela presidência tcheca da UE. 

Porcos, Cisnes e pseudociência

Este post pertence à Roda de Ciência, tema de abril. Deixe seus comentários lá, por favor.

TEORIA DO CISNE NEGRO

Antes de a Austrália ser descoberta, todos os cisnes do mundo eram brancos. A Austrália, onde existe o cisne negro (´cygnues atratus´), mostrou a possibilidade de uma exceção escondida de nós, da qual não tínhamos a menor idéia.

2. O meu cisne negro não é um pássaro, mas um evento com três características: 1ª) altamente inesperado; 2ª) tem grande impacto; e 3ª) depois de acontecer, procuramos dar uma explicação para fazê-lo parecer o menos aleatório e o mais previsível.

3. O cisne negro explica quase tudo no mundo, como a Primeira Grande Guerra. Era imprevisível, mas, depois de sua ocorrência, as suas causas pareceram óbvias para as pessoas. O mesmo aconteceu com a Segunda Grande Guerra. Esses fatos provam a incapacidade de a humanidade prever grandes eventos.

4. Mais recentemente, a internet é um cisne negro. Surgida como ferramenta de comunicação militar, ela transformou o mundo de maneira muito rápida. Ninguém imaginava essa possibilidade.

5. As descobertas causadoras de forte impacto na humanidade foram acidentes de percurso, ou seja, os cientistas estavam procurando uma outra coisa, como no caso do ´laser´, criado para ser um tipo de radar e não para ser usado em cirurgia nos olhos.

6. Ninguém poderá saber quando um cisne negro irá surgir, mas o fundamental é a pessoa não levar tão a sério o seu planejamento de vida. As coisas podem mudar quando a pessoa menos espera. O ´stress test´, um dos modelos de gerenciamento de risco, avalia o impacto já ocorrido e não o impacto a ocorrer. As variáveis utilizadas são tiradas do passado.

7. O grau de aleatoriedade depende do observador. A aleatoriedade é a compreensão ou a informação incompleta. Eventos como o 11 de Setembro de 2001, em Nova Iorque, não são aleatórios. Na verdade, terroristas planejaram e tinham conhecimento do 11 de Setembro.

8. A previsão de eventos sócio-econômicos é muito difícil. O histórico das previsões é lixo. O ´risk management´ (gestão de risco) é lixo. A tentativa de determinar causa e efeito dos fatos é continuamente obstruída por fenômenos imprevisíveis. As pessoas do mundo das finanças têm a ilusão de poder prever os fatos, porém elas não conseguem justificar suas previsões.

9. A indicação de ações para compra é postura de charlatões. Não são charlatões aqueles a recomendar o que não fazer no mercado, ao invés de dizer o que fazer. As pessoas podem fazer muitas coisas se souberem o que não fazer. Se as pessoas evitarem as técnicas mirabolantes, não vão depender das previsões do mercado.

10. As pessoas não devem depender dos ´measures of risk´, indicadores destinados a medir o risco. O importante é garantir ´portfólio´ estruturado de maneira a não ter ´downside risk´ (potencial de perdas) ou ´upside exposure´ (potencial de ganho), porquanto assim as pessoas poderão ganhar muito dinheiro se encontrarem um cisne negro.

11. As pessoas não devem sair à caça do cisne negro, mas, uma vez apareça, devem estar com sua exposição maximizada para ele. As pessoas devem acreditar na possibilidade de o mais inusitado acontecer. Tanto do lado positivo quanto do lado negativo.

12. O cisne negro é o risco dos grandes eventos, positivos ou negativos. Algumas coisas podem ser voláteis, mas não são um cisne negro necessariamente.

Entrevista com Nassim Nicholas Taleb, americano, autor de ´O cisne negro: o impacto do altamente improvável´ (´Black swan: the impact of the highly improbable´), há cinco semanas na lista dos livros mais vendidos do jornal ´The New York Times´ (Valor, São Paulo, 04 jun. 2007, p. F14).

Uma das coisas boas que os físicos estatísticos fizeram, em termos culturais, foi chamar a atenção das pessoas para os eventos extremais, ou seja, os eventos de uma cauda de distribuição estatística. Se a cauda cai exponencialmente (como é o caso da distribuição normal), então os eventos extremais são muito raros e podemos desprezá-los em uma análise de risco. Mas se a cauda cai na forma de uma lei de potência então os eventos extremais não podem ser desprezados, tem que ser levados em conta.
É claro que os estatístico matemáticos sabiam disso, mas quem popularizou a idéia (entre os cientistas) foram os físicos porque eles sabem vender o peixe, digamos assim. Mas a divulgação científica para a população em geral não foi tão bem sucedida. OK, apareceram ótimos livros em inglês, como o Ubiquity do Mark Buchanan e o Critical Mass do Philip Ball, mas estes livros não foram traduzidos para o português (eu realmente não entendo por que).
Quando você entra numa livraria, depois dos livros de auto-ajuda e new age, uma das áreas mais populares são os livros pop de administração e marketing. Alguém já analisou essa literatura em termos de contribuição para a divulgação científica? OK, eu sei que o leitor de O Gerente Quântico não vai ter uma idéia adequada de Física Quântica, mas ele será menos ignorante sobre quântica do que um gerente tipo Homer Simpson que não leu o livro. Ou não?
Se você ponderar bem, mesmo os livros de pseudociência ajudam a divulgar a ciência. Conversando com meus colegas físicos, eu vejo que toda uma geração foi despertada (eu inclusive) para a vocação científica lendo revista Planeta na década de 70 (na época em que era editada por Ignácio de Loyola Brandão, claro!)  e os livros O Despertar dos Mágicos e Eram os Deuses Astronautas!
Como disse Reinaldo Lopes em seu nobo blog Chapéu, Chicote e Carbono 14, se você pensar bem os filmes de Indiana Jones são todos pseudocientíficos (arca perdida,  santo graal, ETs e crânios de cristal etc.) e sua apresentação da pesquisa arqueológica é totalmente distorcida, mas muitos e muitos meninos e meninas se tornaram (ou sonharam ser) arqueólogos devido a esses filmes. Será que alguém já percebeu que o despertar de vocações científica é não-linear, que muitas vezes um museu de ciência inteiro não adianta mas um simples conto de Isaac Asimov pode ser decisivo?