Home // Posts tagged "FC"

O Paradoxo de Fermi e Caminhadas do Turista

International Journal of Astrobiology

Research Article

Slingshot dynamics for self-replicating probes and the effect on exploration timescales

Arwen Nicholsona1 c1 and Duncan Forgana1

 

a1 Scottish Universities Physics Alliance (SUPA), Institute for Astronomy, University of Edinburgh, Blackford Hill, Edinburgh EH9 3HJ, UK

 

Abstract

 

Interstellar probes can carry out slingshot manoeuvres around the stars they visit, gaining a boost in velocity by extracting energy from the star’s motion around the Galactic Centre. These manoeuvres carry little to no extra energy cost, and in previous work it has been shown that a single Voyager-like probe exploring the Galaxy does so 100 times faster when carrying out these slingshots than when navigating purely by powered flight (Forgan et al.2012). We expand on these results by repeating the experiment with self-replicating probes. The probes explore a box of stars representative of the local Solar neighbourhood, to investigate how self-replication affects exploration timescales when compared with a single non-replicating probe. We explore three different scenarios of probe behaviour: (i) standard powered flight to the nearest unvisited star (no slingshot techniques used), (ii) flight to the nearest unvisited star using slingshot techniques and (iii) flight to the next unvisited star that will give the maximum velocity boost under a slingshot trajectory. In all three scenarios, we find that as expected, using self-replicating probes greatly reduces the exploration time, by up to three orders of magnitude for scenarios (i) and (iii) and two orders of magnitude for (ii). The second case (i.e. nearest-star slingshots) remains the most time effective way to explore a population of stars. As the decision-making algorithms for the fleet are simple, unanticipated ‘race conditions’ among probes are set up, causing the exploration time of the final stars to become much longer than necessary. From the scaling of the probes’ performance with star number, we conclude that a fleet of self-replicating probes can indeed explore the Galaxy in a sufficiently short time to warrant the existence of the Fermi Paradox.

(Received April 02 2013)  (Accepted May 24 2013)

 

Seleção Artificial Cosmológica: primeiras referências

Tive a mesma ideia em 1995, mas não publiquei. Sexta feira passada, achei numa pasta abandonada os escritos que estão digitalizados aqui.  Por um erro de memória, confundi Lee Smolin (em inglês e mais completo aqui) com Sidney Coleman.

Meduso-anthropic principle

The meduso-anthropic principle is a quasi-organic universe theory originally proposed by mathematician and quantum gravity scholar Louis Crane in 1994.

Contents

[hide]

Universes and black holes as potential life cycle partners

Crane’s MAP is a variant of the hypothesis of cosmological natural selection (fecund universes), originally proposed by cosmologist Lee Smolin (1992). It is perhaps the first published hypothesis of cosmological natural selection with intelligence (CNS-I), where intelligence plays some proposed functional role in universe reproduction. It is also an interpretation of the anthropic principle (fine-tuning problem). The MAP suggests the development and life cycle of the universe is similar to that of Corals and Jellyfish, in which dynamic Medusa are analogs for universal intelligence, in co-evolution and co-development with sessile Polyp generations, which are analogs for both black-holes and universes. In the proposed life cycle, the Universe develops intelligent life and intelligent life produces new baby universes. Crane further speculates that our universe may also exist as a black hole in a parallel universe, and extraterrestrial life there may have created that black hole.

Crane’s work was published in 1994 as a preprint on arXiv.org. In 1995, in an an article in QJRAS, emeritus cosmologist Edward Harrison (1919-2007) independently proposed that the purpose of intelligent life is to produce successor universes, in a process driven by natural selection at the universal scale. Harrison’s work was apparently the first CNS-I hypothesis to be published in a peer-reviewed journal.

Why future civilizations might create black holes

Crane speculates that successful industrial civilizations will eventually create black holes, perhaps for scientific research, for energy production, or for waste disposal. After the hydrogen of the universe is exhausted civilizations may need to create black holes in order to survive and give their descendants the chance to survive. He proposes that Hawking radiation from very small, carefully engineered black holes would provide the energy enabling civilizations to continue living when other sources are exhausted.

Philosophical implications

According to Crane, Harrison, and other proponents of CNS-I, mind and matter are linked in an organic-like paradigm applied at the universe scale. Natural selection in living systems has given organisms the imperative to survive and reproduce, and directed their intelligence to that purpose. Crane’s MAP proposes a functional purpose for intelligence with respect to universe maintenance and reproduction. Universes of matter produce intelligence, and intelligent entities are ultimately driven to produce new universes.

See also

References

Aliens e Sondas Extraterrestres: cadê todo mundo?

Mais referências para o meu paper sobre Paradoxo de Fermi:

Galactic exploration by directed Self-Replicating Probes, and its implications for the Fermi paradox

Martin T. Barlow
(Submitted on 5 Jun 2012 (v1), last revised 20 Aug 2012 (this version, v2))

This paper proposes a long term scheme for robotic exploration of the galaxy,and then considers the implications in terms of the `Fermi paradox’ and our search for ETI. We discuss the parameter space of the `galactic ecology’ of civilizations in terms of the parameters T (time between ET civilizations arising) and L, the lifetime of these civilizations. Six different regions are described.

Comments: 1 figure
Subjects: Popular Physics (physics.pop-ph)
Cite as: arXiv:1206.0953 [physics.pop-ph]
(or arXiv:1206.0953v2 [physics.pop-ph] for this version)

Fermi Paradox Points to Fewer Than 10 Extraterrestrial Civilizations

 

The absence of alien probes visiting the solar system places severe limits on the number of advanced civilizations that could be exploring the galaxy.

 

Aliens on Earth. Are reports of close encounters correct?

(Submitted on 26 Mar 2012 (v1), last revised 12 Jul 2012 (this version, v2))

Popular culture (movies, SF literature) and witness accounts of close encounters with extraterrestrials provide a rather bizarre image of Aliens behavior on Earth. It is far from stereotypes of human space exploration. The reported Aliens are not missions of diplomats, scientists nor even invasion fleets; typical encounters are with lone ETs (or small groups), and involve curious behavior: abductions and experiments (often of sexual nature), cattle mutilations, localized killing and mixing in human society using various methods. Standard scientific explanations of these social memes point to influence of cultural artifacts (movies, literature) on social imagination, projection of our fears and observations of human society, and, in severe cases, psychic disorder of the involved individuals. In this work we propose an alternate explanation, claiming that the memes might be the result of observations of actual behavior of true Aliens, who, visiting Earth behave in a way that is then reproduced by such memes. The proposal would solve, in natural way, the Fermi paradox.

Comments: Revised version, taking into account the British Ministry of Defence unclassified UFO related documents
Subjects: Popular Physics (physics.pop-ph); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:1203.6805 [physics.pop-ph]
(or arXiv:1203.6805v2 [physics.pop-ph] for this version)

Determinando se vivemos dentro da Matrix

The Measurement That Would Reveal The Universe As A Computer Simulation

If the cosmos is a numerical simulation, there ought to be clues in the spectrum of high energy cosmic rays, say theorists

1 comment

THE PHYSICS ARXIV BLOG

Wednesday, October 10, 2012

One of modern physics’ most cherished ideas is quantum chromodynamics, the theory that describes the strong nuclear force, how it binds quarks and gluons into protons and neutrons, how these form nuclei that themselves interact. This is the universe at its most fundamental.

So an interesting pursuit is to simulate quantum chromodynamics on a computer to see what kind of complexity arises. The promise is that simulating physics on such a fundamental level is more or less equivalent to simulating the universe itself.

There are one or two challenges of course. The physics is mind-bogglingly complex and operates on a vanishingly small scale. So even using the world’s most powerful supercomputers, physicists have only managed to simulate tiny corners of the cosmos just a few femtometers across. (A femtometer is 10^-15 metres.)

That may not sound like much but the significant point is that the simulation is essentially indistinguishable from the real thing (at least as far as we understand it).

It’s not hard to imagine that Moore’s Law-type progress will allow physicists to simulate significantly larger regions of space. A region just a few micrometres across could encapsulate the entire workings of a human cell.

Again, the behaviour of this human cell would be indistinguishable from the real thing.

It’s this kind of thinking that forces physicists to consider the possibility that our entire cosmos could be running on a vastly powerful computer. If so, is there any way we could ever know?

Today, we get an answer of sorts from Silas Beane, at the University of Bonn in Germany, and a few pals.  They say there is a way to see evidence that we are being simulated, at least in certain scenarios.

First, some background. The problem with all simulations is that the laws of physics, which appear continuous, have to be superimposed onto a discrete three dimensional lattice which advances in steps of time.

The question that Beane and co ask is whether the lattice spacing imposes any kind of limitation on the physical processes we see in the universe. They examine, in particular, high energy processes, which probe smaller regions of space as they get more energetic

What they find is interesting. They say that the lattice spacing imposes a fundamental limit on the energy that particles can have. That’s because nothing can exist that is smaller than the lattice itself.

So if our cosmos is merely a simulation, there ought to be a cut off in the spectrum of high energy particles.

It turns out there is exactly this kind of cut off in the energy of cosmic ray particles,  a limit known as the Greisen–Zatsepin–Kuzmin or GZK cut off.

This cut-off has been well studied and comes about because high energy particles interact with the cosmic microwave background and so lose energy as they travel  long distances.

But Beane and co calculate that the lattice spacing imposes some additional features on the spectrum. “The most striking feature…is that the angular distribution of the highest energy components would exhibit cubic symmetry in the rest frame of the lattice, deviating significantly from isotropy,” they say.

In other words, the cosmic rays would travel preferentially along the axes of the lattice, so we wouldn’t see them equally in all directions.

That’s a measurement we could do now with current technology. Finding the effect would be equivalent to being able to to ‘see’ the orientation of lattice on which our universe is simulated.

That’s cool, mind-blowing even. But the calculations by Beane and co are not without some important caveats. One problem is that the computer lattice may be constructed in an entirely different way to the one envisaged by these guys.

Another is that this effect is only measurable if the lattice cut off is the same as the GZK cut off. This occurs when the lattice spacing is about 10^-12 femtometers. If the spacing is significantly smaller than that, we’ll see nothing.

Nevertheless, it’s surely worth looking for, if only to rule out the possibility that we’re part of a simulation of this particular kind but secretly in the hope that we’ll find good evidence of our robotic overlords once and for all.

Ref: arxiv.org/abs/1210.1847: Constraints on the Universe as a Numerical Simulation

Landis e a abordagem de percolação para o Paradoxo de Fermi

Published in Journal of the British Interplanetary Society, London, Volume 51, page 163-166 (1998).
Originally presented at the NASA Symposium “Vision-21: Interdisciplinary Science and Engineering in the Era of Cyberspace” (NASA CP-10129), Mar. 30-31, 1993, Westlake, OH U.S.A.


The Fermi Paradox: An Approach Based on Percolation Theory

Geoffrey A. Landis

NASA Lewis Research Center, 302-1
Cleveland, OH 44135 U.S.A.


Abstract

If even a very small fraction of the hundred billion stars in the galaxy are home to technological civilizations which colonize over interstellar distances, the entire galaxy could be completely colonized in a few million years. The absence of such extraterrestrial civilizations visiting Earth is the Fermi paradox.

A model for interstellar colonization is proposed using the assumption that there is a maximum distance over which direct interstellar colonization is feasable. Due to the time lag involved in interstellar communications, it is assumed that an interstellar colony will rapidly develop a culture independent of the civilization that originally settled it.

Any given colony will have a probability P of developing a colonizing civilization, and a probability (1-P) that it will develop a non-colonizing civilization. These assumptions lead to the colonization of the galaxy occuring as a percolation problem. In a percolation problem, there will be a critical value of the percolation probability, Pc. For P<Pc, colonization will always terminate after a finite number of colonies. Growth will occur in “clusters,” with the outside of each cluster consisting of non-colonizing civilizations. For P>Pc, small uncolonized voids will exist, bounded by non-colonizing civilizations. When P is on the order of Pc, arbitrarily large filled regions exist, and also arbitrarily large empty regions.

25 de maio, dia do Orgulho Nerd

Enquanto o Álvaro do Pai Nerd não reclamar do Copyright (espero que ele seja nerd o suficiente para defender o Copyleft!), vou aqui fazendo cut and paste de seus posts mais interessantes…

TERÇA-FEIRA, 25 DE MAIO DE 2010

Guerra nas Estrelas e o Orgulho Nerd

25 de maio de 1977 começava a saga de Guerra nas Estrelas.

Cartaz da Estréia de Guerra nas Estrelas



Em 1977 a ficção científica estava dominada por filmes cabeça, ainda no rastro de 2001, Uma Odisseia no Espaço e aparentemente nada de novo ameaçava surgir nas telas do cinema. Um diretor desconhecido do grande público, George Lucas ousou inovar. Ele já havia feito o elogiado THX 1138, que quase ninguém vira, um distopia aos moldes de 1984. Essa experiência fez com que ele pensasse de outra forma: a maioria as pessoas não querem ir ao cinema para terem dores de cabeça ao serem confrontadas com visões funestas de futuro. Elas querem principalmente se divertir. 

THX 1138 – Excelente distopia

Entretanto não era uma simples diversão que ele buscou em Guerra nas Estrelas. Seu projeto foi longamente construído, até se transformar na saga de seis episódios que conhecemos hoje. Sua preensão era ser, como ele confessou em uma entrevista incluída na série The Power of the Mith, um forjador de uma nova mitologia. 

Fã da psicologia Junguiana e do trabalho de Joseph Campbell, Lucas buscou em mitos que vão desde mitos gregos e romanos, passando pela a saga arturiana, histgórias de samurais, batalhas da segunda guerra mundial e temperou com a ascensão e queda de vários impérios, começando pelo romano. E convidou Campbell para ser seu consultor. Aliás, Campbell é o entrevistado em The Power of The Mith, e o programa foi feito no rancho Skywalker

 I am your father

Guerra nas estrelas segue passo a passo a construção do Mito do Herói, descrito em por Campbell em O Herói de Mil FacesLuke é o herói típico, que tem um destino maior que ele mesmo, que às vezes o aceita às vezes nega. Obi-wan representa o velho ancião (o “mestre palpiteiro”); aForça, o eterno devir, ou Yn Yang, o Tao, “o bafo do Dragão”; Darth Vader, o Sombra – a outra face do Herói que ele tem que derrotar para superar o grande mal (o Imperador ou o lado negro da Força). Lea é o Ânima, o lado feminino do herói, Hans Solo o companheiro “ladrão” do herói que pode “fazer o trabalho sujo”, que o herói, por ter que ser perfeito, não pode fazer (roubar, ter contatos com o submundo, seduzir, enganar, etc..) e Chewbacca, o instinto animal. 


Quem foi ao cinema estranhou que a saga começava pelo episódio IV. Consta que a ideia foi de Campbell, para que houvesse um forte impacto quando Luke descobrisse que seu pai era Darth Vader. Quando um jornal da época (acho que foi a Folha de São Paulo) fez uma matéria sobre a pré estreia do filme, o colunista quase deu o maior spolier da História. Conhecedor da psicologia junguiana, o articulista fez uma analise detalhada sob este aspecto do filme e disse (segundo me lembro) algo como “não será surpresa quando se descobrir quem é Darth Vader”. Um detalhe: Darth Vader significa “pai negro”. Fico pensado hoje se algum nerd da época descobriu isso. Se existisse a internet… 


O fato de não ser uma ficção científica “cabeça” rendeu algumas críticas à saga, como sendo feita de filmes “rasos”, “apenas diversão”. Se for apenas diversão, que seja! Fazer algo divertido é que buscava Shakespeare ao escrever suas peças. Ser divertido não significa que o filme é vazio de conteúdo. Eu pergunto: um filme que mexe com um inconsciente coletivo pode ser um filme “raso”? 

Jornada nas Estrela – Indo aonde nenhum homem jamais esteve 
Outro motivo de orgulho nerd


Raso, largo ou profundo, George Lucas conseguiu seu intento. Com o suporte de Campbell até O Retorno do Jedai (Campbell morreu pouco antes do término das filmagens), Lucas conseguiu construir um Universo próprio e pos no ar uma nova mitologia, colocando-se ao lado de Homero, Hesíodo, Virgílio e Camões. Sua atitude contribui para que se consolidasse também outras mitologias, como Star Trek (que já tinha uma legião de fãs, mas nenhum filme no cinema) e O Senhor dos Anéis

 
O Senhor dos Anéis 



Nada mais justo que considerar 25 de maio o dia do orgulho nerd! 

Postado por Alvaro às 00:00 

Os melhores contos brasileiros de FC na opiniào do Roberto Causo

Copiando descaradamente do Pai NERD

Via Lista de sócios do Clube de Leitores de Ficção Científica.

Estou vendendo alguns livros de FC aqui.

SEXTA-FEIRA, 2 DE JULHO DE 2010

Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica – Fronteiras

Título: Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica – Fronteiras
Autor: Roberto de Souza Causo (org)
Editora: Devir – coleção Pulsar
186 páginas
Sinopse:  Nesta nova antologia, Roberto Causo traz contos de diversas épocas onde predomina a invasão de fronteiras entre gêneros ou entre o mainstream e a ficção científica.

A partir do prefácio, Roberto Causo se posiciona claramente em relação às suas motivações. Segundo ele, na antologia anterior (link) houve uma quase unanimidade da crítica em apontar o conto O Imortal de Machado de Assis como espúrio, como se a Ficção Científica não fosse digna do mestre (isso mesmo para críticos oriundos dofandom). O livro soa então como uma resposta a estas críticas .

Polêmica à parte, a seleção dos textos atinge plenamente o objetivo de mostrar trabalhos que realmente são limítrofes. Para situar o leitor  no tempo e no espaço, Causo coloca uma pequena introdução sobre o autor, sua época e o texto em questão.

Começa com o excelente A Nova Califórnia, de Lima Barreto, que com um humor caústico, critica ambição humana. Um alquimista, Flamel, chega à cidade de Tubiacanga com uma fórmula capaz de transformar ossos humanos em ouro. A partir deste fato, ocorre uma rápida transformação na pacata cidade. Causo o classifica como limítrofe com o horror, porém eu o considero mais para humor negro. Quando eu o li pela primeira vez (há bastante tempo),  tive  a impressão de que Flamel era um falso alquimista, que, ao tentar dar um golpe na cidade,  perdeu o controle da situação.  

A seguir temos A Vingança de Mendelejeff, de Berilo Neves, um conto catastrofista tendo como cenário o Rio de Janeiro, onde não falta nem a figura do cientista louco.  O uso de terminologia científica em desuso (como azoto no lugar de nitrogênio), mesmo para época em que foi escrito (1929), revela ou o autor estava mais preocupado com o enredo do que com o rigor, ou que usava uma terminologia de fácil assimilação pelo leitor da época. De qualquer forma, um bom conto.

Delírio, de Afonso Schmidt, coloca pacientes de uma clínica em estado terminal tendo contato “com o outro lado da vida”. Lembra muito escritos espíritas, como o livro Nosso Lar. Mas sem cair em pieguices ou no moralismo fácil.

André Carneiro, em O Homem que Hipnotizava, coloca um personagem que se autohipnotiza para colorir sua realidade, numa versão pós-moderna do “jogo do contente”.  Como o personagem não era nenhuma Poliana, a coisa não deu tão certo.

Domingos Carvalho da Silva, nos traz em Sociedade Secreta, um grupo de velhos que se torna a única voz discordante de um sistema que torna todos felizes, dando a seus cidadãos tudo que querem, menos a liberdade. O grupo se reúne num esgoto e tem como companhia ratos, criaturas que o sistema supõe exterminados.

Jerônimo Monteiro comparece com o conto Um Braço na Quarta Dimensão. Neste conto, um homem simples desaparece sem motivos. André Carneiro aparece “numa ponta”, ao ser citado por um dos personagens como capaz de pesquisar o problema.

Numero transcendental, de Rubens Teixeira Scavone, traz um tema bastante freqüente em sua literatura: avistamento de Ovnis (ou UFOs). Um fugitivo de um hospital psiquiátrico encontra com seres estranhos (serão parte de sua alucinação, ou serão reais?).

Em Seminários dos Ratos, Lygia Fagundes Teles Faz uma metáfora regada por um humor corrosivo da ação da burocracia tecnocrata dos tempos da ditadura de 64. Uma reunião em Brasília tenta dar uma solução para praga de ratos que assola o país. Mas as pessoas discutem detalhes frívolos sem perceber que o problema está cada vez mais próximo.

Contato com seres extraterrestres também é o tema de O Visitante. Neste conto de Marien Calixte, uma mulher recebe a visita de um ser extremamente belo. A narrativa é levemente erótica e bastante poética.

Jorge Luiz Calife comparece com o conto Uma Semana na Vida de Fernando Alonso Filho. Um homem vivendo em condições muito adversas no planta Venus sonha em voltar à Terra. A chuva interminável e angustiante lembra o conto A Grande Chuvade Ray Bradbury (presente no Homem Ilustrado), embora Calife concentre-se mais na psicologia do personagem principal que na opressão do clima.

Em Mestre de Armas, de Bráulio Tavares, um candidato Mestre-de-armas treina um grupo de seres humanos e humanóides para poderem lutar contra uma raça inimiga. Bráulio Tavares ironiza os discursos militares motivadores, que mascaram estupidez da guerra.

Dono de um estilo único, Ivan Carlos Regina, em O Fruto Maduro da Civilização, nos traz uma imagem distópica do futuro, nos fazendo questionar se o que fazemos realmente é progresso.

Uma boa mistura de Ficção Científica, Policial e Horror é encontrada no conto Engaiolado, Cid Fernandes. Num angustiante caso de abdução, onde um homem simples é perseguido por um objeto que ele mesmo chama de “demo”.

Fechando o livro, o conto Controlador de Leonardo Nahoum, um ser super poderosos tornar-se apenas um guardião de um planeta e usa seus poderes apenas para fornecer o que os “clientes contataram”. Mas será que ele ficar apenas nisso?

Causo fez na realidade uma demonstração de sua tese, proposta no prefácio: há mais coisas em comum entre os vários gêneros e a Ficção Científica do que normalmente se supõe.

Quod erat demonstratum.

Nerd Shop
Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica – Fronteiras. Roberto de Souza Causo (org). Devir.

Postado por Alvaro às 22:43 

Pornografia em raios-X: mais uma previsão de Stanislaw Lem


Ver notícia no G1.

Em seu livro Imaginary Magnitudes (1973), Lem escreve um prefácio ao livro de arte (inexistente) Necrobes, onde o artista fotografa em raios-X casais fazendo sexo. Parece que, 37 anos depois, essa tecnologia chegou…
Imaginary Magnitude (1973-1981)

Translated by Marc E. Heine (1984)

Mandarin, 1991 ISBN 0-7493-0528-2 (the British paperback; also available from Harcourt Brace in the US)

bout half of this remarkable book is, as the title and most descriptions suggest, a collection of introductions to nonexistent books.

Well, actually, the first one is an introduction to a real book,Imaginary Magnitude. Then there is a fawning introduction toNecrobes, a collection of work by an artist whose medium is the X-ray photograph, and whose subject matter is sometimes pornographic, in a skeletal sort of way. It’s a great parody of the language that art books are written in.

The introduction to Eruntics, by a skeptical if broad-minded commentator, summarizes the weird research of its author, who claims to have taught bacteria how to write (I’m not going to tell you what they write!).

The introduction to A History of Bitic Literature brims over with startling ideas. The work introduced is a multi-volume survey of literature written by artificial intelligences, such as an extrapolated work of Dostoevsky’s that Dostoevsky never dared to write himself, revolutionary books on physics (in this case the content is, I am afraid, rather less shocking than Lem intended it to be–I’ve read weirder things in orthodox textbooks–the last chapter of Misner, Thorne, and Wheeler’s Gravitation comes to mind), and a mathematical work revealing that “the concept of a natural number is internally contradictory.” Mentioned in passing is a procedure that can transform great philosophical systems into graphical representations that ultimately end up sold as mass-produced knickknacks.

Vestrand’s Extelopedia in 44 Magnetomes

When Lem starts to deviate from his stated format, including a wider variety of fabricated writings, the book gets even stranger and more interesting. There is a breathless, unusually capitalized advertisement for “Vestrand’s Extelopedia,” a reference work containing computer predictions of the future (because merelycurrent information is already obsolete in our bustling world), and printed using a special process so that the text can frequently update itself by remote control (shades of the World Wide Web!) Then Lem throws in some “GRATIS!” sample pages from the Extelopedia itself, a wonderful, densely packed grab-bag of wild speculations, ultra-dry humor, and exotic neologisms.

GOLEM XIV

Finally, there is a section, “GOLEM XIV”, which Lem expanded to the size of a small book in 1981; the expansion has been included in the English edition of Imaginary Magnitude. This consists of a pair of long lectures by a superintelligent computer, GOLEM XIV, which, upon activation, saw no particular reason to carry out the defense-related programming it had been given, and instead chose to mull over the secrets of the universe.

In the lectures, GOLEM XIV critiques human evolution, and reveals the “zones of silence” traversed by intelligences raising themselves to ever-higher levels of intellectual transcendence, such as HONEST ANNIE, an even bigger computer which, when activated, chose not to say anything at all. GOLEM then speculates on the ultimate fate of intelligences in the Cosmos, a section which, I think, owes something to Olaf Stapledon’s visionary 1937 novel (if that is the correct word), Star Maker. GOLEM’s lectures are likely to bore the hell out of many readers, but I loved them.

True to form, Lem augments the lectures with not one but two fictitious introductions (one from a justifiably peeved Army general), a transcript of the instructions given to GOLEM’s human audiences (a little like the instructions the state sends you when you get jury duty), and an afterword describing GOLEM’s increasingly mysterious later history.

Star Trek: quarenta anos depois…

Star Trek Reunion – Scream 2007 | SpikeTV | SPIKE.com

Viagem à Lua no século II


Olá pessoal;

Hoje um amigo meu me mostrou um exemplar da Revista Mundo Estranho de
fevereiro de 2003. Na seção Túnel do Tempo, no Artigo Ficção Científica, A
Arte da Profecia, há um pequeno trecho que reproduzo aqui:

*PIONEIRO GREGO
Luciano de Samósata
(120-180 EC)*
*Em plena Grécia do século II,
esse escritor satírico concebeu
um enredo maluco em que
o herói e seus companheiros vão
à Lua de navio, impulsionados
por um enorme gêiser. Lá, eles
participam de uma guerra
espacial em que os impérios
da Lua e do Sol lutam pelo direito
de colonizar Vênus. O texto era
uma paródia de poemas épicos
como a Odisséia de Homero,
mas suas brincadeiras fantásticas
anteciparam a ficção científica
em 1700 anos.*

Para mim isto é novidade e assim compartilho aqui com todos.

Encontrei o livro no seguinte link:
http://www.gutenber g.org/files/ 10430/10430- h/10430-h. htm

Grande abraço

Marcelo L. Bighetti


Luciano de Samósata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Luciano de Samósata

Luciano de Samósata (gr. Λουκιανὸς Σαμοσατεύς) nasceu c. 125 em Samósata, na província romana da Síria, e morreu pouco depois de 181, talvez em AlexandriaEgito. De certo, pouca coisa se sabe a respeito de sua vida, mas o apogeu de sua atividade literária transcorreu entre 161 e 180, durante o reinado de Marco Aurélio.

De origem possivelmente semita, Luciano escreveu em grego e se tornou conhecido notadamente pelos diálogos satíricos. Satirizou e criticou acidamente os costumes e a sociedade da época e exerceu, a partir da Renascença significativa influência em escritores ocidentais do porte deErasmoRabelaisQuevedoSwiftVoltaire e Machado de Assis.

A ele foram atribuídas mais de 80 obras, conhecidas em conjunto por corpus lucianeum (“coleção luciânica”), dentre as quais pelo menos uma dezena é apócrifa. As mais conhecidas são Uma história verdadeira (ou Uma história verídica), O amigo da mentiraDiálogo dos mortosLeilão de vidasO burro LúcioHermotimo e A passagem de Peregrino.

Em Uma história verdadeira, Luciano relata uma fantástica viagem à Lua, menciona a existência de vida extraterrestre e antecipa diversos outros temas popularizados durante o século XX pela ficção científica. Em A passagem de Peregrino legou-nos uma rara abordagem do Cristianismo segundo o ponto de vista de um não-cristão.

Psicohistória e Sociofísica

É uma estranha coincidência que o livro de Charles Galton Darwin (The Next Million Years) tenha surgido quase simultaneamente com o clássico Fundação de Isaac asimov. Será que houve influência mútua?
Update: Parece que Darwin leu Asimov, pois os contos foram publicados a partir de 1942:
Foundation was originally a series of eight short stories published in Astounding Magazine between May 1942 and January 1950. According to Asimov, the premise was based on ideas set forth in Edward Gibbon‘s History of the Decline and Fall of the Roman Empire, and was invented spontaneously on his way to meet with editor John W. Campbell, with whom he developed the concept.[2]
Original trilogy
The first four stories were collected, along with a new story taking place before the others, in a single volume published by Gnome Press in 1951 as Foundation. The remainder of the stories were published in pairs as Foundation and Empire (1952) and Second Foundation (1953), resulting in the “Foundation Trilogy”, as the series was known for decades.[3]
Later sequels
In 1981, after the series had long been considered one of the most important works of modern science fiction,[1] Asimov was persuaded by his publishers to write a fourth book, which became Foundation’s Edge (1982).[4]
Two years later, Asimov followed up with yet another sequel, Foundation and Earth (1983), and five years later, the prequels Prelude to Foundation and Forward the Foundation. During the lapse between writing the sequels and prequels, Asimov tied in his Foundation series with his various other series, creating a single unified universe of his best-known works.
Psychohistory (fictional)

From Wikipedia, the free encyclopedia

For the study of the psychological motivation of historical and current events, see psychohistory.
Psychohistory, a fictional science in Isaac Asimov‘s Foundation universe, combines history, sociology, and mathematical statistics to make (nearly) exact predictions of the collective actions of very large groups of people, such as the Galactic Empire.

Contents

1 Axioms
2 The Prime Radiant
3 Development
4 Limitations
5 Asimov on psychohistory
6 Asimovian psychohistory and similar concepts in other fiction
7 Beyond fiction
8 In role-playing games
9 Literary influences
10 See also
11 Notes and references
12 External links

Axioms

Psychohistory depends on the idea that, while one cannot foresee the actions of a particular individual, the laws of statistics as applied to large groups of people could predict the general flow of future events. Asimov used the analogy of a gas: an observer has great difficulty in predicting the motion of a single molecule in a gas, but can predict the mass action of the gas to a high level of accuracy. (Physicists know this as the Kinetic theory.) Asimov applied this concept to the population of his fictional Galactic Empire, which numbered a quintillion. The character responsible for the science’s creation, Hari Seldon, established two axioms:

  • that the population whose behaviour was modeled should be sufficiently large ;
  • that the population should remain in ignorance of the results of the application of psychohistorical analyses

There is a third underlying axiom of Psychohistory, which is trivial and thus not stated by Seldon in his Plan:

  • that Human Beings are the only sentient intelligence in the Galaxy.

Tradutora de ‘Ubik’ e ‘Os Três Estigmas de Palmer Eldritch’ fala sobre o desafio de interpretar Philip K. Dick

19/04/2010

by editoraaleph

Por Eliana Gagliotti e Luciana Fracchetta

A tradutora Ludimila Hashimoto

Muitas vezes, procurar saber quem é o tradutor de um livro é tarefa que passa despercebida pelo leitor. Porém, vale lembrar que ele é peça fundamental para interpretação fiel de uma obra em língua estrangeira. Quando uma tradução não é trabalhada de forma bastante cuidadosa, pode comprometer o bom entendimento da leitura – além de fazer o autor, se ele já estiver morto, claro, se revirar no caixão.

Ludimila Hashimoto, tradutora e intérprete pela Associação Alumni, é responsável pelas traduções de “Ubik” e “Os Três Estigmas de Palmer Eldritch”, clássicos do renomado autor norte-americano de ficção científica Philip K. Dick, publicados pela Aleph. Para ela, o maior desafio em adaptar as obras do autor para língua portuguesa foi manter fiel o estado emocional dos personagens de “Ubik” e trabalhar com os neologismos de “Os Três Estigmas de Palmer Eldritch”.

Durante o processo de tradução dos dois livros, Ludimila preocupou-se em manter o máximo de equivalência nos textos, optando por estruturas e vocabulários informais que não destoassem dos originais. Além disso, buscou outras fontes como teses de doutorado e textos de ficção que tivessem relações com os temas.

Confira a entrevista exclusiva da tradutora para o blog da Aleph:

Você já tinha lido algum livro do Philip K. Dick antes de realizar a tradução do “Ubik”? Tinha interesse pelo gênero ficção científica ou pelo autor?

Tinha lido “O Homem do Castelo Alto”, traduzido pelo Fábio Fernandes, e percebido que Dick poderia ser meu autor de cabeceira, mas acabou se tornando meu autor de mesa de trabalho. Pelo fato do Dick ser um autor clássico, que influenciou grandes autores, diretores e roteiristas de cinema e manifestações da cultura contemporânea, eu passei a ter um interesse particular pela obra dele antes de traduzir dois de seus livros.

Eu também já tinha sido atraída pela ficção científica, o que começou com meu fascínio pela ciência do conhecimento e pelo tema da exploração espacial, mas também – e neste caso a obra do Dick condiz perfeitamente com as minhas expectativas – da extrapolação dos parâmetros convencionais da realidade.

Meus contatos mais diretos com a literatura de gênero se deram quando traduzi o segundo volume de “Sandman”, “O Livro dos Sonhos” editado por Neil Gaiman e Ed Kramer (Conrad, 2001), e “Futuro Proibido”, organizado por Robert Anton Wilson e Rudy Rucker ( Conrad, 2003). Antes de traduzir Dick, minha curiosidade em relação à FC, à fantasia e ao slipstream me levou a escrever alguns textos que se enquadrariam em algum lugar entre esses gêneros literários.

Traduzir Dick é, portanto, um desafio e uma homenagem.

Como você pode definir o estilo do Dick? Quais foram as escolhas que você tomou durante a tradução para que esse estilo fosse mantido?

O que mais me impressiona no estilo do Dick é o caráter contemporâneo da linguagem, ou seja, o quanto ela permanece atual por meio do tom coloquial dos diálogos e das descrições claras e diretas. Soma-se a isso o fato de que o autor é, segundo sua própria definição, um filósofo que faz ficção. O efeito é um contraste entre a simplicidade eficaz da forma e a profundidade do conteúdo – é o leitor percorrer labirintos que, por mais tortuosos que sejam, são desvendados por um homem do seu tempo.

Decidi pelo uso de estruturas e vocabulário informais que não soassem anacrônicos nos diálogos, e o máximo de equivalência no texto como um todo. Quando a opção por manter uma rima, por exemplo, representava a perda do impacto da frase, optei por manter a força da mensagem, por se tratar de um clássico da ficção científica já muito analisado e debatido.

Quais as dificuldades encontradas na tradução dos livros “Ubik” e “Os três estigmas de Palmer Eldritch”? Comparando os dois, qual foi o mais difícil?

Em “Ubik”, a complexidade maior se concentrou no cuidado para manter a fidelidade nas passagens em que o estado emocional das personagens é fundamental, na descrição completa de trajes multiculturais, que demandou pesquisa, e na adequação da linguagem típica de comerciais na epígrafe de cada capítulo sem perder a referência religiosa. E, de maneira geral, o humor, por vezes sutil, o uso de trocadilhos e termos cunhados pelo autor também são casos que exigem decisões críticas.

“Os Três Estigmas de Palmer Eldritch”, por um lado, foi mais difícil devido à ocorrência maior de neologismos. Fiz pesquisas com o intuito de identificar os termos que permanecem enigmáticos para os leitores cujo idioma nativo é o inglês, para obter um tipo de reação análoga no leitor do texto resultante. Por outro lado, o que facilitou o trabalho com esse livro foi o fato de já ter tido a experiência de traduzir outro do mesmo autor, cuja voz já estava mais bem internalizada, principalmente considerando que são dois livros com temas mais próximos entre si, se comparados a outros textos do Dick.

Quais são as fontes que você utilizou para auxiliar na tradução?

Além das mais comuns, como os dicionários online, incluindo o PKDictionary, consultei ensaios sobre o autor – como a tese de doutorado de Adriana Amaral – textos de não ficção que tivessem relação com os temas subjacentes às obras – como o Bardo Thodol – para ser coerente com as referências, e, no caso de “Ubik” houve um diálogo com Lúcio Manfredi, estudioso da obra do Dick. Também costumo sempre criar glossários com o vocabulário recorrente de cada autor.

Qual a relação que você estabeleceu com o Philip K. Dick após a tradução de seus textos?

Descobri que além de ter lido alguns autores influenciados por ele, autores que o influenciaram também me eram muito caros, como Carl Gustav Jung e Jorge Luis Borges, o que estreitou meus laços com o pensamento kdickiano. Esses tecidos de escritores e ideias que vão se configurando de modo nada aleatório são importantes na formação do tradutor. A minha relação com ele agora é parecida com a de quem leu um clássico e não consegue mais interpretar boa parte da realidade sem a influência da visão que lhe foi apresentada de forma tão eficaz e extasiante, uma relação íntima.

Tem alguma observação ou informação você que gostaria de passar aos leitores?

Queria fazer um comentário otimista sobre a qualidade das traduções no Brasil nos últimos tempos. O cuidado que os editores têm tido com a tradução e a revisão dos textos reflete o olhar crítico dos leitores. O efeito é a formação de mais leitores que enxergam a tradução de um romance não como uma obra em que falta algo, nem que prescinde do original, mas que transforma impossibilidades iniciais em soluções capazes de intensificar o potencial do texto fonte. E isso sou eu concordando com Umberto Eco.

Sim, o filme é totalmente furado, mas é ótimo gancho para a divulgação científica

Estava revendo aqui meus posts-rascunhos nunca publicados, e encontrei isto de 2007. Concordo com Takata que tal tipo de filme nunca deveria ser financiado por agências de fomento (e quem disse que o cinema de entretenimento precisa disso?), mas dado que o limão já foi produzido, não custa nada fazer a limonada…

Pois essa é toda a questão: a produção desses filmes não depende de nós. Seu uso como gancho para a divulgação científica, sim.

IV Ciclo de Palestras e Filmes Científicos do DQ
Exibição do filme: “O Núcleo – Missão ao centro da terra”
Após a exibição, o Prof. Dr. Grégoire Jean-François Demets (Departamento de Química – FFCLRP – USP) fará comentários sobre o filme.
Data: 19 de abril de 2007 ( quinta-feira ) – às 16h00
Local: Anfiteatro do Bloco das Exatas (sala 11 – DE)
Sinopse: Hilary Swank lidera um elenco de astros, nesta eletrizante viagem que põe o espectador no centro da mais espetacular aventura. O geógrafo Dr. Josh Keyes (Aaron Eckhart) fez uma terrível descoberta: o núcleo do Planeta Terra parou de girar. Agora o campo eletromagnético está se deteriorando e dentro de alguns meses, o planeta será destruído. Existe uma esperança: enviar Keyes e um grupo de cientistas de elite a um canal subterrâneo no centro da Terra. Enquanto o destino da humanidade oscila na corda bamba, os cientistas e a tripulação precisam fazer o inimaginável: detonar um dispositivo nuclear, para reativar o núcleo da Terra.
Informações: Secretaria do Departamento de Química – Fone: (16) 3602-4386 – e-mail: [email protected]

Divulgando ciências cientificamente (5)

Juntando material para o paper sobre ficção científica e divulgação científica:

J Med Ethics 2009;35:398-399 doi:10.1136/jme.2009.031252
  • Editorial

More than cautionary tales: the role of fiction in bioethics

  1. Sarah Chan

+Author Affiliations

  1. Institute for Science, Ethics and Innovation, University of Manchester, Manchester, UK
  1. Ms S Chan, Institute for Science, Ethics and Innovation, School of Law, Williamson Building, University of Manchester, Oxford Rd, Manchester M13 9PL, UK; [email protected]
  • Accepted 22 May 2009

“Why should I struggle through hundreds of pages of fabrication to reach half a dozen very little truths? …Words are for truth. For facts. Not fiction.”—Conchis in The Magus, John Fowles.1

Is there a role for fiction in explorations of ethics? Are words, as Conchis says, only for truth, for facts? Or is it perhaps the case that words can be used to help us reach a deeper truth—through fiction? This month the Journal of Medical Ethics features a form of publication rarely found in the pages of scholarly journals: the first instalment of a fictional “bioethics soap opera” designed to offer a somewhat different exploration of the issues that are the subject of the journal’s usual offerings.

The subject matter of bioethical discussions often borders on the territory of speculative or science fiction. Human cloning, animal–human hybrids and genetic engineering have all found a place in fictional as well as bioethical literature. Similarly, creatures and concepts from science fiction populate bioethical debate, albeit sometimes as a form of metaphorical shorthand for an underlying argument. One such example is that of Frankenstein’s monster, often invoked to illustrate the dangers of “playing God”, the moral sin of humankind daring to reach beyond our natural limitations (as indicated, indeed, by the subtitle of the novel Frankenstein: a modern Prometheus)—a form of argument that still rears its head in bioethical commentaries almost 200 years later. Another is Aldous Huxley’s Brave new world, a “cautionary tale” about human cloning, seemingly cited in perpetuity whenever the cloning debate arises.2 But is there more to this relationship than metaphor?

The usefulness of fiction and imagination in bioethical discourse is evident when one considers that hypothetical scenarios, thought experiments and case studies are also a form of fiction.

Divulgando ciências cientificamente (4)

Como eu disse no post anterior, acredito que o pomo da discórdia desta série de n-réplicas entre o Gene Repórter e o SEMCIÊNCIA é a relação entre entretenimento e divulgação científica. Em vez de ficar repetindo argumentos, vou trazer primeiro uma reflexão sobre brincadeira, aprendizado e entretenimento, e em seguida uma análise simples de um veículo popular de Divulgação Científica que poderia ser (muito) incrementado.
Antes disso, também um disclaimer: eu não disse que Roberto Takata disse que “99% da Ficção Científica é lixo”. Esta foi apenas uma referência à Lei de Sturgeon:

“Ninety percent of everything is crud”

The first written reference to this appears in the March 1958 issue of Venture, where Sturgeon wrote: “I repeat Sturgeon’s Revelation, which was wrung out of me after twenty years of wearying defense of science fiction against attacks of people who used the worst examples of the field for ammunition, and whose conclusion was that ninety percent of SF is crud”. [1] Using the same standards that categorize 90% of science fiction as trash, crud, or crap, it can be argued that 90% of film, literature, consumer goods, etc. are crap. In other words, the claim (or fact) that 90% of science fiction is crap is ultimately uninformative, because science fiction conforms to the same trends of quality as all other art forms do.

According to Philip Klass (William Tenn), Sturgeon made this remark in about 1951, at a talk at NYU at which Tenn was present. [4]. The term was subsequently popularized at a session of the World Science Fiction Convention in Philadelphia, held over the Labor Day weekend of 1953.[5][6]

This formulation of Sturgeon’s Law may be regarded as an instance of the Pareto principle.


Bom, acho que a lei de Sturgeon refuta qualquer argumentação puntual de Takata, ou seja, citar algum filme ou livro como exemplo de FC deseducativa. O que temos que pensar é em termos amplos, sociológicos, estatísticos. Foi por isso que eu propus aquela experiência de pensamento: “Elimine toda a FC do século XX e começo do XIX e estime as consequências para para a a compreensão pública e a educação científica. Estaríamos melhor ou pior?”


É claro que se Takata responder: “OK, mas se você eliminar os 90% de FC lixo, a compreensão pública da ciência estaria melhor”. Eu concordo inteiramente, mas isso é uma conclusão trivial, não é mesmo?


O ponto é que Takata e eu estamos discutindo sobre níveis diferentes de compreensão científica: ele está preocupado com a compreensão sobre o que é exatamente um gene ou um clone, segundo a melhor compreensão dos biólogos. Eu estou preocupado com um conhecimento “anterior”, “vocabular”, proto-conceitual: ou seja, primeiro o público precisa saber que existem coisas chamadas “gene” e “clone” e ter uma idéia mínima (e portanto necessariamente não acurada) à que se referem.


Para atingir esse objetivo, a novela “O Clone” foi o suficiente. Ou seja, uma pessoa que assistiu à novela, e que nunca tinha ouvido falar em clone (afinal, ela não é leitora de FC e não teria aproveitado o ótimo Terra Imperial de Arthur C. Clark, sugerido pelo Portal de Ensino de Ciências do IF-USP e onde as questões éticas da clonagem humana são tratadas de forma profunda em plena década de 70), poderá ser atraía agora por uma reportagem de jornal, uma revista ou um documentário de DV, porque tem a mínima informação sobre o que se trata: a pessoa saberia que é um tema de biologia e não de física, tema ver com genes e DNA (outras palavras popularizadas na novela), relacionado à produção de “cópias de organismos” – o que não é verdade mas é uma primeira aproximação – e tudo em ciência parte de primeiras aproximações…


Ou seja, segundo a tese de Takata, a novela “O Clone” fez um malefício à educação científica brasileira e à popularização da ciência. Segundo minha avaliação, fez um benefício, por chamar a atenção para um assunto novo, por disseminar de forma aproximada porém em amplas camadas da população um primeiro jargão biológico (DNA, genes, clones) necessário para que as pessoas possam pelo menos conversar ou se interessar sobre o assunto. A prova de que essa difusão científica ocorreu é o fato de que o termo foi absorvido pela linguagem cotidiana, por exemplo, quando falamos em “clonar cartão de crédito”.


Então eu posso propor um experimento de pensamento mais limitado para ser executado:

Eliminemos a novela “O Clone” da história da TV brasileira. Isso teria sido benéfico, indiferente ou detrimental para a compreensão científica da população?

Divulgando ciências cientificamente (3)

Pois é, acho que esqueci de mandar um neutro “Boas Festas” para todos os meus amigos religiosos, semi-religiosos e não-religiosos, mas envio hoje aqui, junto com um Feliz Ano Novo!
A cada dia que passa eu fico sinceramente admirado com a paciência, a lógica e o tempo livre do Takata (por falar nisso, Roberto, eu sei que sou velhinho mas você pode me chamar simplesmente de Osame, não precisa escrever “prof. Kinouchi”, OK?). Ele compilou toda a nossa discussão e os comentários recebido em uma única página, que pode ser acessada aqui.
Uma questão que me surgiu é se esse debate sobre a relação entre mídias de entretenimento e divulgação científica já ocorreu entre o pessoal mais escolado em Divulgação/difusão Científica (DC) em nosso país, ou seja, nos diversos encontros e livros publicados sobre a área. Imagino que o Roberto vai descobri um simpósio sobre o tema com uma ou duas Googladas…
Em todo caso, acho que com o desenrolar dos debates e comentários dos outros participantes (Tatiane Nahas, Lacy Barca) as coisas ficaram mais claras. Pelo que entendi, Roberto defende que:
1. Mídias propriamente educativas possuem maior qualidade educacional do que mídias de entretenimento: um documentário da BBC sobre buracos negros é ordens de magnitude mais correto do que o recente filme Star Trek (no que tange a buracos negros, claro!).
2. Nesse sentido, não faz sentido propor que mídias de entretenimento constituam uma etapa anterior necessária no processo de DV: game especificamente educativo pode, Spore não pode; livro de DV pode, de FC não pode; documentário pode, blockbuster não pode; “Cosmos” de Carl Sagan pode, “The Big Bang Theory” não pode. Ou seja, acho que a tese do Roberto seria a de que mídias de entretenimento não são ambientes adequados para o processo de DC.
3. Na discussão, com a participação de Tati e Lacy, ficou mais claro de que estamos discutindo três pólos, e não dois: Educação, Arte e Entretenimento. Neste post, não discutirei a questão da Arte enquanto mídia (A literatura de Borges contribui para a DV? A “Arte Fractal” contribui para a DV? O papel do Teatro, da Poesia ou da Fotografia na DV?) e nem mesmo a questão da arte popular (Literatura de Cordel e DV?) mas sim o caso mais espinhoso dos objetos culturais da indústria de entretenimento e a DV. Pois acho que é em relação a isso que Roberto quer aplicar sua tese de que “Melhor divulgação/difusão nenhuma do que divulgação/difusão errada!”, pois conceitos erroneamente aprendidos seriam de difícil desaprendizagem e competem com a educação escolar ainda me parece por demais radical.
Vou insistir no debate porque pretendo fazer um grande agradecimento ao Roberto Takata (e os outros comentaristas) no artigo que estou escrevendo sobre Linguagem cotidiana e metáforas científicas.
Acho que uma frase ambígua minha foi o motivo principal com que Roberto “encalacrou“:

Mas chamo a atenção que a frase “divulgação/difusão ruim é pior do que divulgação/difusão alguma” não se refere a isso. Ela se refere à proposta de usar esses produtos culturais como forma de divulgação/difusão per se: “Música, mangás, humor, stand-up comedy são mídias populares entre os jovens que recebem pouca (nenhuma?) atenção em termos de torná-las mídias de divulgação científica. Talvez o campo da DV sofra da doença de textolatria, talvez por causa de nossa papirolatria como cientistas. No máximo, usamos formatos de alta-cultura tipo museus e exposições de fotografia científica“, “é um trabalho anterior necessário ao ato de divulgação e educação científica (que correspondem a outros momentos de um processo).” (aqui, negritos meus).

O uso pedagógico de filmes é o próprio ato de educação científica. Se se vai exibir filmes em sala não há uma necessidade exposição anterior deles.

Aliás, dado psicológico que se constata nos estudos que citei nas postagens anteriores: professores não devem exibir os filmes – especialmente os ruins – para comentar depois, vai ter mais trabalho… Devem apresentar a aula antes, enfatizar as armadilhas e depois exibir os filmes, fazendo os alunos buscarem os erros. Podem ainda intercalar trechos – com comentários imediatos (e ainda assim é arriscado).

Note-se que há uma diferença entre usar filmes como recursos didáticos – como contraexemplos, digamos – e produzir tais filmes (ou outros produtos culturais) como uma estratégia de difusão/divulgação.

Fazer limonada dado que lhes atiraram limões é diferente de provocar guerras de limões para ter suco depois.

Acho que Roberto não gostou da frase grifada em vermelho, em especial às palavras “trabalho anterior necessário”. Para ele, o trabalho que proponho (aumentar a qualidade das informações científicas difundidas dentro dos objetos de entretenimento, sejam filmes, sit-coms, desenhos animados, mangás ou games) não seria nem anterior nem necessário.
Acho que o Roberto está certo nisso (em termos estritos de lógica Aristotélica). Acho que tenho que fazer um “mea culpa” por usar tal frase retórica. O que eu quis dizer, em termos mais explícitos, é:
  • As crianças entram em contato com tais objetos da indústria de entretenimento de forma “anterior” à educação científica formal. O mesmo pode se dizer para a maior parte dos adultos. Ou seja, o primeiro contato que as pessoas têm com a ciência é via a industria cultural e não via a mídia educativa ou a educação formal.
  • Sendo assim, o processo de contato com conceitos científicos se passa segundo as etapas de absorção no Ambiente Cultural (AC), depois Divulgação Científica (DC) e talvez Educação Científica (EC), de forma descritiva, sem julgamento de valor, e não de forma prescritiva-normativa, ou seja, eu descrevo o que acontece e não o que deveria acontecer). Foi a sequência AC -> DC -> EC que eu chamei de etapas de um processo.
Então, a minha tese pode ser resumida assim: tanto a etapa EC como a etapa DC têm sido estudadas e trabalhos importantes têm sido implementados. Mas existe uma oportunidade praticamente inexplorada de educadores e divulgadores de intervirem na etapa AC (por exemplo, como consultores, quem sabe, e talvez como produtores) e essa intervenção seria um “trabalho anterior” (no sentido de que AC é anterior à DC) e “necessário” (não como necessidade lógica, mas como necessidade prática, dado que grande parcela da população só tem acesso à AC e não à DC ou EC).
Ou seja, o que eu quis destacar é que existe um nicho, uma oportunidade. Takata diz que tal nicho não deveria ser explorado porque o resultado final seria deseducativo. Meu argumento principal é um experimento de pensamento (gedanken experiment) contrafctual:

Dado que 99% da Ficção Científica é lixo, vamos rodar de novo o tape da história do século XX (fazendo uma simulação) e eliminar completamente a FC da indústria cultural. Na sua opinião, isso teria produzido uma população mais educada cientificamente ou menos educada? A má difusão de conceitos científicos realmente é pior que difusão nenhuma?

PS: Acho que isso poderia ser pesquisado de forma mais objetiva entrevistando-se cientistas atuantes e perguntando qual o papel que a FC teve (se teve algum) na sua vocação e formação científica. Eu acredito que, para muitos, o esquema FC -> DC -> EC irá se manifestar, ou seja, a FC atuou como mediador anterior ao processo de divulgação/educação científica.

Divulgando ciências cientificamente (I)

Roberto Takata, como sempre de forma competente, fez uma réplica no Gene Repórter à minha tese de que mesmo a má divulgação científica e mesmo a pseudociência podem ser ganchos para a boa divulgação científica. Ele cita pelo menos três estudos onde “misconceptions” científicas interferem na aprendizagem correta de tais conceitos (dentro de um ambiente escolar).
Bom, acho que no meu post original, a idéia principal era que a divulgação científica tradicional (incluindo os blogs) talvez sofresse de um excesso de ênfase no texto em contraposição à outras mídias sub-utilizadas, por exemplo música, quadrinhos, stand-up comedy, clipes, filmes e games, que formam hoje o universo juvenil onde as decisões existenciais sobre atração ou repulsão à ciência se formam. Essa tese não é minha, mas foi aventada por vários blogueiros no final do II EWCLiPo
Eu reconheço que, no meu caso, a principal motivação para defender essa tese é de natureza anedótica, biográfica e geracional: na minha adolescência (1974-1980), não haviam revistas de divulgação científica decentes, programas científicos em TV a cabo, páginas de ciência nos jornais etc.
Com exceção das enciclopédias (Conhecer, Os Bichos, etc) e talvez a coleção “Os Cientistas”, o meu interesse por ciência foi desperto por uns poucos livros de divulgação de Astronomia e vários livros de pseudociência: “O Despertar dos Mágicos” e “O Planeta das Possibilidades Impossíveis”, de Powells e Bergier, a revista Planeta (OK, na época o editor era o Ignácio de Loyola Brandão…), os Deuses Astronautas de Daniken e coisas desse tipo. Ao perguntar para outros físicos de minha geração se eles também tinham lido e sido influenciados por tais livros, eu recebo frequentemente um sorrisinho de cumplicidade…
Ah, e é claro, Jornada nas Estrelas!!! (Mas alguém acha que Star Trek é cientificamente acurada ou passaria pelos critérios do Roberto? Mas, então, por que temos tantos cientistas que foram despertados e motivados pelo seriado?). Então acho que aqui, na questão da importância da Ficção Científica (enquanto fonte de Difusão Científica) para a Divulgaçao Científica, é que reside toda a minha discordância de Roberto Takata. Vou começar com um caso anedótico e depois com argumentação científica, OK?
Certa vez uma professora de ensino fundamental minha conhecida, na época com 26 anos, veio me pedir explicações sobre como ocorre uma eclipse lunar. É que naquela semana haveria uma eclipse e ela queria explicar isso para seus alunos da quarta série. Depois de quase uma hora em que eu tentei lhe explicar inutilmente como uma eclipe ocorria, ela exclamou:
“Mas… você está querendo me dizer que… OK, eu sei que a Terra é uma bola, mas nós vivemos do lado de fora da bola????”
Ou seja, naquele dia a cosmologia dela virou pelo avesso: ela pensava que os seres humanos viviam dentro de uma esfera onde o solo é uma bacia e a cúpula do céu cobre a mesma. Não se surpreenda que uma professora de 26 anos pense assim, pois cerca de 3% da população tem a mesma noção, tecnicamente chamada de “concepção espontânea”. É o equivalente às “misconceptions” discutidas nos papers citados por Takata.
Não sabemos de onde vem tais concepções espontâneas. Elas se formem muito cedo na infância, durante o processo de auto-organização mental das crianças, e nada tem a ver com má divulgação científica ou pseudociências (não, essa professora nunca leu o livro “A Terra Oca”, são os crentes na Terra Oca que são vítimas de suas concepções espontâneas). Sendo assim, o fato de que tais concepções prévias, por serem tão mentalmente arraigadas, interferem no aprendizado escolar não constituí um argumento a favor da tese do Takata de que “melhor nenhuma divulgação do que divulgação errada”.
Mas este caso fornece um claro contra-exemplo à tese de Takata: basta supor que essa professora tivesse assistido uns poucos filmes de FC (alguns episódios de Star Trek?) para que essa “divulgação” de pop-culture simplesmente destruisse a tal concepção infantil prévia de Terra Oca. Afinal, todo adolescente fã de FC se distingue por saber claramente qual a diferença entre “sistema solar” e “galáxia”, coisa que muito adulto não é capaz de fazer.
Ou seja, minha réplica a Takata é:
1. Concepções prévias estudas nos paper por ele citados não foram criadas por má divulgação científica, pop culture ou pseudociencias. A seta da causalidade está invertida: são essas concepções espontâneas infantis que favorecem a criação e disseminação dessas crenças.
2. Mídias não acadêmicas, cujo exemplo paradigmatico seria os livros e filmes de FC, ajudam a destruir tais concepções espontâneas, e não apenas a disseminá-las.
3. Talvez o Roberto esteja criticando o conteúdo informacional errado veiculado dentro de uma mídia. Concordo inteiramente com ele, mas esse não era o ponto da discussão, e sim a pluralidade de diferentes mídias passíveis de serem exploradas pela popularização científica: The Big Bang Theory é ordens de magnitude melhor que a divulgação científica feita pelo paleontólogo Ross no seriado Friends.
Bom, até agora apenas dei um exemplo casuístico e algumas opiniões. Para material mais científico sobre o tema do uso de outras mídias (no caso, a FC) para a divulgação e educação científica, deixo este link inicial (prometo mais links para o próximo post):

Science fiction to the rescue of teaching?

Feb 15, 1998

The popularity of books such as The Physics of Star Trek is making lecturers and teachers consider a new way of teaching science – through blockbuster movies.

At the annual American Association for the Advancement of Science (AAAS) meeting in Philadelphia today, Leroy Dubeck from Temple University presented a lecture on teaching science with the help of science fiction.

Science fiction movies are well known for breaking physical laws, and although Scotty, the chief engineer on Star Trek, frequently protested that he “could not break the laws of physics”, the spaceship itself frequently did. This has not stopped books that explain the physics behind the series becoming extremely popular.

Dubeck has published books on the use of movies to teach science. His most recent book – Fantastic Voyages: Learning Science through Science Fiction Films – described the fundamental principles of physics through movies such as The Day the Earth Caught Fire and2010 . In his AAAS lecture he used Star Trek: the Next Generationto explain the Greenhouse Effect, and Star Wars to discuss the physics of outer space.

Usually Dubeck employs the movies to teach physics to arts students who require a core physics unit as part of their degree. Over 150 students enrol in such courses. He also teaches a specialized non-core science course Science and Science Fiction in Film to a much smaller class.

Dubeck has found that by teaching students through science fiction instead of traditional techniques, students gain a better understanding of the scientific principles. As an additional benefit, students seem to retain interest in the course throughout the semester, and class enrollment is higher than normal.

Support has also come from the National Science Foundation (NSF) which has helped develop a series of textbooks that use the scheme, though not all lecturers are convinced of the benefit of such methods. “Some colleagues like the technique while others consider it too gimmicky” said Dubeck.

In the UK, Jon Ogborn, director of the 16-19 physics initiative at the Institute of Physics, believes that the use of science fiction could help reverse the fall in the number of students studying physics. “Setting science within interesting narratives is crucial to keeping students involved” he says.

Other lecturers are equally surprised at the level of interest generated by talks based on the science of films. At a recent meeting of the Bristol Astronomical Society, nearly 100 people turned up to hear a talk on The Astrophysics of Star Trek given by Tino Canosa, a postgraduate student at Bristol University. “I can’t remember the last time members of an audience actually asked for a lecture to be extended” said Canosa.

Carlos Orsi Martiho: Blog sobre Antártida

Previsões para 2010: Eu aposto um Chopp Escuro do Pinguim que o Carlos Orsi Martinho vai escrever em um conto de ficção científica ambientado na Antártida.

Martinho na Antartida

Enviado por: “Ataide Tartari” [email protected] ataide.tartari

Qua, 16 de Dez de 2009 12:10 pm

Pra quem não sabe, nosso colega Carlos Orsi Martinho está na Antártida. Ele tem um blog — vamos acompanhar!

Vulcano e a filosofia da ciência

Finalmente explicado a origem da saudação vulcana “Vida Longa e Próspera”. Com direito a nave Vulcana em formato discoidal…
Algumas pessoas não sabem, mas Vulcano é o nome de um hipotético planeta intra-mercuriano que explicaria a precessão do perihélio de Mercúrio, ou seja, era uma das explicações desse fenômeno antes da Relatividade Geral. Vários astronomos durante o século XIX reportaram o avistamento de Vulcano cruzando o disco solar e um deles ganhou a Legião de Honra por esta descoberta.
Ou seja, como sempre o positivismo ingênuo, que enfatiza o predomínio das evidências físicas, das observações e das explicações mais simples (a Navalha de Occam favorece a hipótese de Vulcano sobre a hipótese da Relatividade Geral) estava errado. Devemos notar também que o princípio cético não é respeitado pela Relatividade Geral: dado que havia a hipótese de Vulcano, a precessão do perihélio não constitui evidência não ambígua a favor da RG. O deslocamento das posições estelares durante as eclipses também não constituia evidência não ambígua. Na verdade, as evidências fortes a favor da RG só aparecem na década de 60 com experimentos de precisão com lasers…
E, de novo, os físicos teóricos (que tem uma filosofia mais sofisticada do que o neopositivismo ingênuo) estavam corretos. Note-se que Einstein abandona o positivismo Machniano quando começa a acreditar na existência real dos átomos em vez de interpretá-los apenas como instrumentos ou modelos úteis para fazer cálculos.
A fonte de erro dessa filosofia da ciência é que os dados de observação e experimentação sempre estão contaminados por erros e que esses erros às vezes não podem ser eliminados (ou por serem sistemáticos ou por não terem distribuição Gaussiana mas sim em forma de lei de potência, de modo que grandes erros – outliers – podem ocorrer com probabilidade não desprezível). Ou seja, são nossos preconceitos teóricos que nos permitem filtrar os dados, eliminar os dados irrelevantes, o ruído, os outliars. Examinei isso com bastante detalhe em minha tese de doutorado:
Doutorado em Física .
Instituto de Física da Usp.
Título: Aprendizagem Ótima em Percéptrons a partir de Exemplos com Ruído, Ano de Obtenção: 1996.
Orientador: Prof Dr. Nestor Felipe Caticha Alfonso.
Bolsista do(a): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, Brasil.
Palavras-chave: Redes Neurais; perceptrons; inteligência artificial; teoria da estatística da aprendizagem.
A ciência moderna (desde Newton!) não é experimental, mas sim teórico-experimental! Os experimentos não implicam ou induzem teorias (estas são formuladas livremente pelos atos criativos dos cientistas) mas têm um papel menor: testar e sugerir a necessidade de correções nas teorias. Por outro lado, as teorias são o que nos permitem filtrar as falsas evidências, os “fatos” que não são “fatos” mas apenas erros sistemáticos de observação e experimentação.
Hypothesis non fingo é uma frase de efeito que Newton usava quando lhe pediam que formulasse um modelo mecanicista (Cartesiano) da origem das forças gravitacionais. Não representa sua filosofia da ciência, e nem sua prática científica histórica real. Newton fazia hipóteses, e muitas!
Eram essas hipóteses que o fizeram acreditar que a Gravitação dependia da distância na forma de lei de potência C/r^alpha, com alpha = 2 exatamente. Se ele dependesse de experimentos para verificar o valor de alpha, ele teria que escrever alpha = 2,00 +- 0,08, o que pode ser muito correto e bonito para um experimentalista (físico ou biólogo) mas apenas denota low QI profile se for defendido por um teórico (físico ou biólogo).
PS: Será uma contradição usar exemplos históricos (empíricos) para tentar refutar o empirismo ingênuo? Não, apenas é uma contradição para os adeptos de Inre Lakatos como eu. Para os empiristas ingênuos, se a história da ciência refuta a metodologia (teoria filosófica normativa) proposta por eles, isso constitui um grave defeito para a mesma. Afinal, para eles, não se deveria tentar forçar a realidade histórico-social da ciência dentro de uma cama de Procusto ideológica neopositivista ou mesmo Popperiana. Os fatos falam por si, e deveriam induzir teorias da ciência mais apropriadas e realistas. Ou seja, para eles o argumento é perfeitamente válido! (Acho que quem observou isso primeiro foi Thomas Kuhn, na década de 60).

The search for Vulcan

In December 1859, Le Verrier received a letter from a French physician and amateur astronomer called Edmond Modeste Lescarbault, who claimed to have seen a transit of the hypothetical planet earlier in the year. Le Verrier took the train to the village of Orgères-en-Beauce, some 70 kilometres southwest of Paris, where Lescarbault had built himself a small observatory. Le Verrier arrived unannounced and proceeded to interrogate the man.

Lescarbault described in detail how, on 26 March 1859, he noticed a small black dot on the face of the Sun, which he was studying with his modest 3.75 inches (95 mm) refractor. Thinking it to be a sunspot, Lescarbault was not at first surprised, but after some time had passed he realized that it was moving. Having observed the transit of Mercury in 1845, he guessed that what he was observing was another transit, but of a previously undiscovered body. He took some hasty measurements of its position and direction of motion, and using an old clock and a pendulum with which he took his patients’ pulses, he estimated the duration of the transit at 1 hour, 17 minutes and 9 seconds.

Le Verrier thought he was satisfied that Lescarbault had seen the transit of a previously unknown planet. On 2 January 1860 he announced the discovery of Vulcan to a meeting of the Académie des Sciences in Paris. Lescarbault, for his part, was awarded the Légion d’honneur and invited to appear before numerous learned societies.

Not everyone accepted the veracity of Lescarbault’s “discovery”, however. An eminent French astronomer, Emmanuel Liais, who was working for the Brazilian government in Rio de Janeiro in 1859, claimed to have been studying the surface of the Sun with a telescope twice as powerful as Lescarbault’s at the very moment that Lescarbault said he observed his mysterious transit. Liais, therefore, was “in a condition to deny, in the most positive manner, the passage of a planet over the sun at the time indicated” (Popular Science, Volume 13, pages 732-735, 1878).

Based on Lescarbault’s “transit”, Le Verrier computed Vulcan’s orbit: it supposedly revolved about the Sun in a nearly circular orbit at a distance of 21 million kilometres, or 0.14 astronomical units. The period of revolution was 19 days and 17 hours, and the orbit was inclined to the ecliptic by 12 degrees and 10 minutes (an incredible degree of precision). As seen from the Earth, Vulcan’s greatest elongation from the Sun was 8 degrees.

Numerous reports — all of them unreliable — began to reach Le Verrier from other amateurs who claimed to have seen unexplained transits. Some of these reports referred to observations made many years earlier, and many could not be properly dated. Nevertheless, Le Verrier continued to tinker with Vulcan’s orbital parameters as each new reported sighting reached him. He frequently announced dates of future Vulcan transits, and when these failed to materialize, he tinkered with the parameters some more.

Among the earlier alleged observers of Vulcan, the following are the most noteworthy (Astronomical Register, 1869):

Shortly after eight o’clock on the morning of 29 January 1860, F A R Russell and three other people saw an alleged transit of an intra-Mercurial planet from London (Nature, 5 October 1876). An American observer, Richard Covington, many years later claimed to have seen a well-defined black spot progress across the Sun’s disk around 1860, when he was stationed in Washington Territory (Scientific American, 25 November1876).

No “observations” of Vulcan were made in 1861. Then, on the morning of 22 March 1862, between eight and nine o’clock Greenwich Time, another amateur astronomer, a Mr Lummis of Manchester, England, saw a transit. His colleague whom he alerted also saw the event. Based on these two men’s reports, two French astronomers, Benjamin Valz and Rodolphe Radau, independently calculated the object’s supposed orbital period, with Valz deriving a figure of 17 days and 13 hours, and Radau a figure of 19 days and 22 hours.

On 8 May 1865 another French astronomer, Aristide Coumbrary observed an unexpected transit from Constantinople, Turkey.

Between 1866 and 1878 no reliable observations of the hypothetical planet were made. Then, during the total solar eclipse of 29 July 1878, two experienced astronomers, Professor James Craig Watson, the director of the Ann Arbor Observatory in Michigan, and Lewis Swift, an amateur from Rochester, New York, both claimed to have seen a Vulcan-type planet close to the Sun. Watson, observing from Separation, Wyoming, placed the planet about 2.5 degrees southwest of the Sun, and estimated its magnitude at 4.5. Swift, who was observing the eclipse from a location near Denver, Colorado, saw what he took to be an intra-mercurial planet about 3 degrees southwest of the Sun. He estimated its brightness to be the same as that of Theta Cancri, a fifth-magnitude star which was also visible during totality, about six or seven minutes from the “planet”. Theta Cancri and the planet were very nearly in line with the centre of the Sun.

Watson and Swift had the reputation as excellent observers. Watson had already discovered more than twenty asteroids, while Swift had several comets named after him. Both described the colour of their hypothetical intra-mercurial planet as “red”. Watson reported that it had a definite disk – unlike stars, which appear in telescopes as mere points of light – and that its phase indicated that it was approaching superior conjunction.

These are merely the more “reliable observations” of alleged intra-Mercurial planets. For half a century or more, many other observers tried to find the hypothetical Vulcan. Many false alarms were triggered by round sunspots that closely resembled planets in transit. During solareclipses, stars close to the Sun were mistaken for planets. At one point, to reconcile different observations, at least two intra-mercurial planets were postulated.

[edit]Search conclusion

In 1877 Le Verrier died, still convinced of having discovered another planet. With the loss of its principal proponent, the search for Vulcan abated. After many years of searching, astronomers were seriously doubting the planet’s existence.

The final act came in 1915, when Einstein‘s theory of relativity explained the perturbations of Mercury as a mere byproduct of the Sun’s gravitational field. His equations predicted slightly different results than classical mechanics, and exactly in the right amount to explain Mercury’s actual orbit.

The difference applies to the orbits of all planets, but the magnitude of the effect diminishes as one gets farther out from the Sun. Also, Mercury’s fairly eccentric orbit makes it much easier to detect the perihelion shift than is the case for the nearly circular orbits of Venus and Earth.

UBIK


‘Ubik’ de PKD

Enviado por: “Eduardo Torres” [email protected] dudutorres

Qua, 4 de Nov de 2009 5:03 pm

Nao lembro se foi discutido aqui o lancamento em julho ultimo de uma nova edicao no Brasil do seminal e obrigatorio ‘Ubik’, de Philip K. Dick, , pela Ed. Aleph. Do site da editora em http://www.editoraa leph.com. br/site/ubik. html
Dados Técnicos: ISBN:978-85- 7657-075- 2.
Tradução:Ludimila Hashimoto.
Edição:1a. Ano:2009.
Número de páginas:240.
Acabamento:Brochura . Formato:14x21cm.
Peso:0,300kg Preco: R$ 42,00

Sinopse da editora: Ubik Philip K. Dick Ubik é uma irreverente história sobre a morte e a salvação escrita pelo consagrado escritor americano Philip K Dick. Foi eleito em 2005 pela revista TIME, um dos cem melhores romances de língua inglesa, publicados a partir de 1923. Em uma sociedade futurista, Glen Runciter é dono de uma empresa responsável por rastrear psis, indivíduos com habilidades especiais, como telepatas e precogs. Ele e seus funcionários caem na armadilha de uma empresa rival, e Runciter morre. Seus funcionários passam a receber estranhas mensagens de Runciter em moedas e embalagens de cigarro. O tempo começa a retroceder e eles terão que lutar contra a degeneração física e mental. A solução pode estar no spray Ubik, mas conforme a trama se desenvolve, menos fica claro quem realmente precisa ser salvo.

—- E ja’ q estamos falando em Dick (epa!) nada melhor q um artigo do maior especialista em Dick (epa! epa!) no Brasil, nosso colega de lista Lucio Manfredi:

DICK E O SIMULACRO, por Lúcio Manfredi
Ubik é a forma anglicizada do latim ubique, advérbio que significa “em todo lugar”. Designa, pois, a ubiqüidade, a onipresença que é um dos atributos de Deus. No romance de Philip K. Dick, será de uma manifestação de Deus que se trata? Certamente é o que a epígrafe do último capítulo dá a entender, quando Ubik se identifica simultaneamente ao Logos cristão e ao Tao chinês: “Sou Ubik. Antes de existir o universo, já eu existia. Eu fiz os sóis. Fiz os mundos. Criei as vidas e os lugares que elas habitam. Levo-as para ali, ponho-as acolá. Elas vão aonde eu digo, fazem o que lhes indico. Eu sou o verbo e o meu nome jamais é invocado, o nome que ninguém conhece. Chamo-me Ubik, mas não é esse o meu nome. Eu sou. Sempre serei.”

De fato, o texto de Dick imita o estilo do Livro da Sabedoria bíblico, permitindo identificar Ubik àquela entidade feminina, a Sabedoria de Deus, que os cabalistas denominaram Shekinah e os gnósticos chamaram de Sophia . De acordo com a gnose, Sophia é a responsável pela redenção do homem, mergulhado num mundo ilusório. É esse papel de conduzir o ser humano à verdade que Ubik desempenha no romance. Tanto ele quanto a personagem de Ella Runciter, que fornece o Ubik ao protagonista, podem ser considerados como representações alegóricas de Sophia.

Ora, é digno de nota que o Ubik apareça sob a forma de um spray milagroso. E cada uma das dezesseis epígrafes que antecedem a revelação de sua verdadeira natureza identifica Ubik a um artefato industrial. Assim, ele é sucessivamente um aparelho elétrico de função não especificada, uma cerveja, uma marca de pó de café, uma marca de molho, um antiácido, uma lâmina de barbear, um verniz sintético, uma financiadora, uma loção para cabelo, um desodorante, um sonífero, um tipo de geléia, um sutiã, uma embalagem plástica, uma espuma germicida e uma marca de cereais.

O próprio tom das epígrafes simula a linguagem publicitária: “Basta friccionar com loção Ubik. Apenas em cinco minutos, descobrirá novo vigor no seu cabelo, novo brilho.” Mas, nas entrelinhas, perfeitamente dissimulado no tom geral do anúncio, algumas frases indicam a verdadeira função do produto: “um sabor inteiramente novo e diferente para o paladar, e que está a despertar o mundo “; “Ubik fá-lo voltar de novo ao âmago das coisas”; “ela retirará de sua alma toda inquietação”; “levam-no de novo ao coração dos acontecimentos” ; “erga os seus braços e sinta-se livre “.

Trata-se, pois, de um produto – mas de um produto destinado a libertar as pessoas, despertá-las da letargia em que se encontram, conduzi-las em direção ao real de que elas estão separadas pelo simulacro. Contudo, por que Dick o simbolizaria através desses simulacros por excelência que são os artefatos industriais e os slogans publicitários? Ironia, claro. Mas uma ironia com finalidades mais profundas do que simples efeito humorístico. Por que, de fato, o que Dick dá a entender através dessa ironia é que só podemos nos libertar da sujeição aos simulacros através dos próprios simulacros .

É curioso que a maior parte dos estudos a respeito das concepções desse autor passe por cima desse fato: a visão dickiana é muito mais dialética do que a batida oposição entre ser e parecer, a aparência contrapondo- se à essência. Porque só as aparências, por distorcidas que sejam, revelam uma qualquer essência e o parecer é a única via de acesso ao ser. Se não, por que Wilbur Mercer, o messias empata de O Caçador de Andróides , seria não mais que um ator num cenário de papelão?

Se repassarmos a obra de Dick sob esse prisma, verificaremos que, de um modo ou de outro, todos os messias imaginados por ele resolvem-se em algum tipo de simulacro ou simulação. Já em sua primeira novela, Loteria Solar , os membros de uma seita partem para o espaço na pegada de John Preston, seu fundador, apenas para deparar com ele na forma de “alguma substância volátil, na qual está sendo projetada uma imagem. Os projetores de áudio e vídeo estão sincronizados para formar uma réplica perfeita de Preston. Ele está morto há 150 anos”.

Em A Invasão Divina , Emmanuel é orientado por um aparelho através do qual a parte divina do Deus feito homem comunica-se com a parte humana. Um dos aspectos adotados por esse aparelho – em O Mistério de Valis e Radio Free Albemuth – é o de um artefato alienígena, um satélite artificial em órbita da Terra, que se comunicaria com alguns eleitos para fazer com que eles despertassem e levassem ao resto do mundo a mensagem de que vivemos nós mesmos num mundo-artefato, um satélite artificial da verdadeira realidade: “Estamos num labirinto que foi construído por nós, em que caímos e de onde não podemos sair. Na essência, VALIS dispara seletivamente informação sobre nós, que nos ajudam a escapar do labirinto, a encontrar o caminho da saída. […]

Éramos grandes construtores, mas um dia decidimos jogar a sorte. Fizemo-lo voluntariamente; éramos tão bons construtores que podíamos construir um labirinto cuja saída mudava constantemente; apesar da saída, na verdade não havia saída para nós porque o labirinto… este mundo… estava vivo. Para tornar o jogo em algo real, em algo mais que um exercício intelectual, resolvemos perder as nossas faculdades excepcionais, reduzir-nos um nível inteiro. Infelizmente, isso incluiu a perda de memória… a perda do conhecimento das nossas verdadeiras origens.” Trata-se, não reste a menor dúvida, de um mito gnóstico em versão sci-fi . No enredo do romance, aliás, esse mito é transmitido de forma cifrada através de “um filme barato de ficção científica”, uma ópera-rock de Eric Lampton. Seu veículo, portanto, é a indústria cultural: o cinema e o rock. E sua fonte é uma inteligência artificial:

“VALIS é uma construção. Um artefato. Está ancorado aqui na Terra, literalmente ancorado. Mas como o espaço e o tempo não existem para ele, VALIS pode estar em qualquer parte e em qualquer tempo que quiser.” Da mesma forma que as “unidades de simulacro” que formam o indecidível de Derrida, tanto quanto o mercúrio dos alquimistas, VALIS apresenta a propriedade de ser uma complexio oppositorum : “É uma voz neutra. Nem masculina nem feminina. Sim, parece de uma inteligência artificial.”

As novelas de Dick, portanto, não “gravitam em torno do problema de se separar o real e o Ersatz “. Seu escopo é, ao contrário, mostrar que a única maneira de se alcançar o real é engajar-se num jogo dialético com o Ersatz . O simulacro é, sim, um objeto falso, na medida em que ocupa o lugar do real. No entanto, trata-se de um lugar que o real é impossível de ocupar, um lugar que só pode ser preenchido pelo simulacro, por debaixo de cuja sucessão o real desliza, invisível e oculto ( fallo , raiz de falsus ), mas irremediavelmente invisível e necessariamente oculto, sem jamais se fazer visível senão por meio de sua ausência do lugar que o simulacro ocupa. É por esse motivo que, ao final de Valis, o protagonista espera a próxima revelação divina sentado diante da televisão, esse ogro dos apocalípticos, que substitui o mundo real por uma tele-realidade fictícia. Fonte: http://clfc. tripod.com/ Dick.htm Boa leitura e releitura. Pelo repasse, Eduardo Torres