Home // Posts tagged "Física" (Page 3)

Ondas gravitacionais, energia escura e o Eixo do Mal…

arXiv blog

Gravitational Waves Can Explain Dark Energy And Axis of Evil, Says Cosmologist

Cosmos-sized gravitational waves would distort our view of the universe in a way that matches some of cosmologists’ most puzzling observation, says cosmologist

KFC 09/22/2011

  • 2 COMMENTS

Here’s an interesting idea that could explain some of the more puzzling features of our universe.

Cosmologists have long found evidence that the universe began in a big bang event and then expanded equally in all directions to become the cosmos we see today. They can see that distant galaxies are moving away from us, suggesting that the universe is expanding, and they can even see the echo of the big bang that caused this expansion.

That this echo seems evenly distributed around us has helped to back up the idea that we live in an ordinary part of the Universe that is more or less the same as every other part.

Neat and simple!

But in recent years, a number of strange observations have begun to make cosmologists think again. First, they’ve discovered that the universe is not just expanding but accelerating away form us. The evidence comes from observations of distant supernovas. And second, they’ve found that a closer examination of the echo of the big bang shows that it isn’t evenly distributed at all but stronger in some directions than in others, the so-called Axis of Evil.

Nobody has come up for a satisfactory explanation of these observations, which leaves physicists in a bind. Not least because the observations imply that the universe is not more or less the same everywhere, that there are preferred directions and that the laws of physics may be different elsewhere in ways that are hard ot imagine and even more difficult to measure.

That’s not so neat and not so simple.

Today, however, Edmund Schluessel at Cardiff University in Wales says that gravitational waves can explain all these observations. These are waves in the fabric of spacetime created by momentous events such as the collision of black holes and even the big bang itself.

Until now, cosmologists have considered only waves with relatively short wavelengths. But Schluessel’s idea is to imagine what the universe would look like if it contained much bigger waves with a wavelength of the order of the curvature of the cosmos itself, that’s some 10^10 light years. These would be waves left over from the big bang that continue to resonate slowly on a vast scale

Here’s the thing. Schluessel says these waves would distort the microwave back ground radiation in way that matches the preferred directions cosmologists see today. What’s more, it would also distort the light from distant objects in way that would make them look as if they were accelerating away.

Schluessel’s conclusion is that “Strong long-scale gravitational waves can explain cosmic acceleration within the context of general relativity without resorting to the assumption of exotic forms of matter such as quintessence.”

That’s impressive given the contorted models that others have come up with. Schluessel even makes predictions about what the next generation of telescopes are likely to see if his model is correct. In particular, he says that more comprehensive surveys of distant supernovas should reveal the imprint of the waves. In other words, the waves should make the universe look as if it is accelerating more quickly in some directions that in others.

Time will tell. But in the meantime, Schluessel’s model should give other cosmologists something to think about

Ref: arxiv.org/abs/1109.4315: Long-Wavelength Gravitational Waves And Cosmic Acceleration

Direções preferenciais no Cosmo?

the physics arXiv blog


More Evidence For A Preferred Direction in Spacetime

Posted: 06 Sep 2011 09:10 PM PDT

The evidence is growing that some parts of the Universe are more special than others

One of the cornerstones of modern astrophysics is the cosmological principle. This is the idea that observers on Earth have no privileged view of the Universe and that the laws of physics must be the same everywhere.

Many observations back up this idea. For example, the Universe looks more or less the same in every direction, having the same distribution of galaxies everywhere we look.

In recent years, however, some cosmologists have begun to suspect that the principle may be wrong. They point to evidence from the study of Type 1 supernovas, which appear to be accelerating away from us, indicating the Universe is not just expanding but accelerating away from us. The curious thing is that this acceleration is not uniform in all directions. Instead, the universe seems to be expanding faster in some directions than others.

But how good is this evidence? Is it possible that the preferred direction is a statistical mirage that will disappear with the right kind of data analysis

Rong-Gen Cai and Zhong-Liang Tuo at the Key Laboratory of Frontiers in Theoretical Physics at the Chinese Academy of Sciences in Beijing have re-examined the data from 557 supernovas throughout the Universe and recrunched the numbers.

Today, they confirm that the preferred axis is real. According to their calculations, the direction of greatest acceleration is in the constellation of Vulpecula in the Northern hemisphere. That’s consistent with other analyses and also with other evidence such as other data showing a preferred axis in the cosmic microwave background.

That will force cosmologists to an uncomfortable conclusion: the cosmological principle must be wrong.

But it also raises exciting questions: why does the Universe have a preferred axis and how do should we account for it in our models of the cosmos?

Answers below!

Ref: arxiv.org/abs/1109.0941: Direction Dependence Of The Acceleration In Type Ia Supernovae

Porque a ideia de Multiverso é científica?

“Physics is whatever physicists do”  – Richard Feynman

Sir Arthur Conan Doyle
… when you have eliminated the impossible, whatever remains, however improbable, must be the truth.

Sir Arthur Conan Doyle

 

arXiv.org Search Results

Back to Search form  | Next 25 resultsThe URL for this search is http://arxiv.org/find/all/1/all:+multiverse/0/1/0/all/0/1

Showing results 1 through 25 (of 183 total) for all:multiverse

1. arXiv:1108.6059 [pdfpsother]
2-point functions in quantum cosmology
Comments: 4 pages, based on a talk given at Loops ’11, Madrid, to appear in Journal of Physics: Conference Series (JPCS)
Subjects: General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc); High Energy Physics – Theory (hep-th)
2. arXiv:1108.4223 [pdfpsother]
The set-theoretic multiverse
Comments: 35 pages
Subjects: Logic (math.LO)
3. arXiv:1108.0665 [pdfother]
Eternal Inflation, Global Time Cutoff Measures, and a Probability Paradox
Comments: 32 pages, 10 figures, 1 table
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th); Cosmology and Extragalactic Astrophysics (astro-ph.CO); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc); High Energy Physics – Phenomenology (hep-ph); Quantum Physics (quant-ph)
4. arXiv:1108.0111 [pdfpsother]
Ab Initio Estimates of the Size of the Observable Universe
Comments: 10 pages, LaTeX
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc)
5. arXiv:1108.0040 [pdfpsother]
Bubble collisions and measures of the multiverse
Comments: 24 pages, two figures, plus 16-page appendix with one figure
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th)
6. arXiv:1107.4639 [pdfpsother]
Phenomenology of the CAH+ measure
Comments: 35 pages, including 6 figures and 2 appendices
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th)
7. arXiv:1107.3556 [pdfpsother]
The Cosmological Constant in the Quantum Multiverse
Comments: 17 pages, 4 figures
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th); Cosmology and Extragalactic Astrophysics (astro-ph.CO); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc); High Energy Physics – Phenomenology (hep-ph)
8. arXiv:1105.4278 [pdf]
Is the Multiverse Hypothesis capable of explaining the Fine Tuning of Nature Laws and Constants? The Case of Cellular Automata
Comments: 30 pages, 16 figures, 5 tables. To be submitted to “Journal for General Philosophy of Science”
Subjects: Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG); Cosmology and Extragalactic Astrophysics (astro-ph.CO); Neural and Evolutionary Computing (cs.NE)
9. arXiv:1105.3796 [pdfother]
The Multiverse Interpretation of Quantum Mechanics
Comments: 46 pages, 13 figures. v2, v3: references added
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th); Cosmology and Extragalactic Astrophysics (astro-ph.CO); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc); High Energy Physics – Phenomenology (hep-ph); Quantum Physics (quant-ph)
10. arXiv:1105.0244 [pdfother]
Making predictions in the multiverse
Comments: 20 pages, 3 figures; invited review for Classical and Quantum Gravity
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc); High Energy Physics – Phenomenology (hep-ph) Read more [+]

Qual era a montanha mais alta da Terra antes do Everest ser descoberto?

Qual era a montanha mais alta da Terra antes do Everest ser descoberto?

 Um longo update num antigo post de 2009.


Se você é um realista ingênuo, deverá responder “Ora bolas, é claro que é o Monte Everest!”.
Um realista com conhecimentos de história e menos etnocêntrico diria: Mount Everest, também chamado
Sagarmāthā (Nepali: सगरमाथा),
Chomolungma ou Qomolangma (Tibetan) ou
Zhumulangma (Chinese: 珠穆朗玛峰 Zhūmùlǎngmǎ Fēng).
Ou seja, para um realista filosófico, o Monte Everest era a montanha mais alta da Terra mesmo antes de qualquer cientista medir isso.
Se você é um positivista ou neo-positivista (especialmente se você for adepto do axioma fundamental do neo-ceticismo que é “não se deve crer em algo se não há evidências suficientes para isso”), você deve responder o nome de alguma outra montanha conhecida antes da mensuração de 1856.

Mount Everest – also called Sagarmāthā (Nepali: सगरमाथा),Chomolungma or Qomolangma(Tibetan🙂 orZhumulangma (Chinese: 珠穆朗玛峰 Zhūmùlǎngmǎ Fēng) – is the highest mountain onEarth, and the highest point on the Earth’s crust, as measured by the height above sea level of itssummit, 8,848 metres (29,029 ft). The mountain, which is part of the Himalaya range in Asia, is located on the border between Sagarmatha ZoneNepal, and TibetChina.

In 1856, the Great Trigonometric Survey of India established the first published height of Everest, then known as Peak XV, at 29,002 ft (8,840 m). In 1865, Everest was given its official English name by theRoyal Geographical Societyupon recommendation of Andrew Waugh, the British Surveyor General of Indiaat the time. Chomolungma had been in common use by Tibetans for centuries, but Waugh was unable to propose an established local name because Nepal and Tibet were closed to foreigners.

Bom, é claro que tudo depende da definição de “altura” que você está usando. É necessário definir isso antes de fazer a pergunta, mas isso não muda a questão do positivismo versus realismo que estou discutindo neste post.

Summits farthest from the Earth’s center

Mount Everest is the point with the highest elevation above sea level on Earth but it is not the summit that is farthest from the Earth’s center. Because of the equatorial bulge, the summit of Mount Chimborazo in Ecuador is the point on Earth that is farthest from the center of the earth, and is 2,168 m (7,113 ft) farther from the Earth’s center than the summit of Everest.

Note: Chimborazo’s summit is about 25 metres farther from the earth’s centre than that of Huascaran.
Summit Distance from Earth’s center Elevation above sea level m Latitude Country
Chimborazo 6,384.4 km or 3,967.1 mi 6,268.2 (20,565 ft) 1°28’9″S Ecuador
Huascaran 6,384.4 km or 3,967.1 mi 6,748 (22,139 ft) 9°7′17″S Peru
Several other peaks in the Andes
Kilimanjaro (KiboSummit) ? 5,895 (19,341 ft) 3°4′33″S Tanzania
Everest 6,382.3 km or 3,965.8 mi 8,848 (29,035 ft) 27°59′17″N NepalChina(Tibet)
This list is incomplete; you can help by expanding it.

2 comentários:

Kentaro Mori disse…

Acredito que não há necessariamente uma dicotomia aí.

Antes do Everest ser descoberto, a resposta deveria frisar o conhecimento limitado sobre o tema. Algo como “a mais alta montanha conhecida cuja altura foi medida é XXX”, deixando implícito, ou mesmo explícito que “nem toda a superfície terrestre foi explorada e montanhas de maiores elevações podem ser descobertas”.

Hoje em dia podemos dizer com mais segurança que o Everest é de fato a montanha mais alta da Terra.

Ou não. Talvez exista uma região minúscula (Triângulo das Bermudas?) onde a gravidade não faça efeito e exista um pedaço de rocha de 1 m de largura, e 10km de altitude, que pela sua estreiteza jamais tenha sido visto ou detectado por instrumentos (estamos longe de ter catalogado toda a superfície terrestre com essa precisão).

O exemplo é absurdo, claro, mas ilustra como a dicotomia entre o realista filosófico e o cético não é tão grande. Ambos podem concordar que há uma realidade, e ambos devem conceder que as afirmações que podemos fazer a respeito devem estar baseadas em e serem proporcionais às evidências.

9:45 PM, Novembro 08, 2009

Osame Kinouchi disse…

Kentaro, acho que a dicotomia clássica é entre realistas e positivistas (embora não seja uma dicotomia mas um espectro, que eu sugeri pelos termos relativos realista ingênuo, realista sofisticado, positivista, neo-positivista etc). Mas concordo que o ceticismo está mais alinhado ao positivismo. por exemplo, Mach era cético em relação aos átomos, pois para ele (e ele estava correto na época) não havia evidência suficiente para se acreditar em átomos no século XIX.

Mas meus heróis (filosoficamente realistas) são outros: Boltzmann, Maxwell, Einstein, que acreditavam em átomos mesmo antes de terem evidências suficientes para tanto.

O que eu sempre discuto neste blog é a compatibilidade entre o princípio cético “não se deve crer em algo se não há evidências suficientes sobre isso” e a física teórica de ponta.

É que as pessoas interpretam este princípio no sentido restrito de “evidências empíricas” e esquecem das “evidências teóricas”.

Exemplo: Desde quando você acredita em planetas extra-solares? Desde as primeiras evidências empíricas da década de 90? Ou desde as evidencias teóricas (probabilisticas) válidas desde o tempo de Giordano Bruno? Será que Giordano morreu em vão? Sim, o Cardeal Belarmino era cético positivista, ele só acreditaria em mundos extra-solares se os pudesse ver pelo telescópio, ele precisava de evidencias empíricas e não apenas de possibilidades teóricas. Algo que Giordano Bruno e Galileu (sim, é possível que Galileu acreditasse que as outras estrelas eram sóis com seus próprios planetas, mas não encontrei uma referencia para isso, alguém conhece?) não poderiam oferecer.

Mas como pode uma evidência ser apenas teórica? O fato de ser teórica em vez de empírica não a invalida como evidência? Ainda mais se for apenas probabilística? OU seja, qual é a base da crença de Carl Sagan de que existem outras civilizações inteligentes em nossa Galáxia? Não existem evidências empíricas, você concorda? E não apenas evidências suficientes, mas mesmo qualquer evidência empírica.

Assim, dado que não podemos acreditar no Bule Voador dado que nos falta evidência empírica, também não podemos acreditar na existência de planetas com vida fora do sistema Solar, dado que não temos também evidência empírica sobre isso. E entretanto… todo cientista atualmente acredita que existam seres vivos em outros planetas da Galáxia, mas que ainda não podemos detetá-los. Ou seja, acreditam em algo que não podem ver, provar ou comprovar. Esses cientistas são menos científicos que aqueles que não acreditam em vida fora da Terra? Muito pelo contrário!

Ou seja, todos os cientistas acreditam no Bule Voador (em vida fora da Terra, no fato de que a origem da Vida é um fenômeno natural que ocorre rápido em geral – uma generalização temerária, dado que temos apenas n=1 exemplos de emergência de uma Biosfera, etc).

Eu sou fã dos seriados céticos tipo “O Mentalista”. Mas o nosso herói lá descobre o criminoso muito antes de ter evidências empíricas cientificamente aceitaveis. Ele usa intuição, leitura corporal, lógica, evidências circunstanciais.  Ele acredita (“tem fé”) em uma hipótese mesmo antes de ter evidências empíricas conclusivas.

Ele age como um cientista criativo, que baseia toda a sua trajetória de pesquisa em evidências circunstanciais, deixando para os cientistas menos criativos a tarefa de tornar tais evidências em evidências (temporariamente) conclusivas.

Você sabia, por exemplo, que quando Newton propõe a teoria da gravitação, ele já sabia que ela dava resultados errados por uma margem de 4% (na época…)? E mesmo assim, ele não usou o critério de Popper e refutou sua própria teoria. Por que? Por que Newton era um mau cientista? Não, pelo contrário, por que ele era um cientista criativo! E o caso de Milikan é exemplar, é a regra, não é excessão entre os cientistas criativos.

Quem fica esperando evidências conclusivas para acreditar em algo age apenas como um escritor de livro-texto, não é um cientista de verdade… É simples assim.

Descendente de Caticha (sobrinho-neto de Feynman), Simon, Wightman, Wheeler, Sommerfeld, Klein, Lipschitz, Dirichlet, Fourier, Lagrange, Euler, Johann Bernoulli, Jacob Bernoulli, Malebranche, Leibniz e Copérnico???

Meus ascendentes físicos e matemáticos (idéia: plotar árvores genealógicas de matemáticos e físicos, verificar a taxa de ramificação. Notar que Weeler foi o único estudante de Karl Ferdinand Herzfeld . Ou seja, se não fosse Hitler expulsando os cientistas judeus, talvez eu não tivesse feito meu doutorado com o Nestor Caticha!!!

Nicolaus (Mikołaj Kopernik) Copernicus

Biography


Juris utriusque Doctor Uniwersytet Jagielloński / Università di Bologna / Università degli Studi di Ferrara / Università di Padova 1499 Poland-Italy
Dissertation:
Mathematics Subject Classification: 85—Astronomy and astrophysics

Advisor 1: Leonhard (Leonard Vitreatoris z Dobczyc) von Dobschütz
Advisor 2: Domenico Maria Novara da Ferrara

Student:

Name School Year Descendants
Georg Joachim Rheticus Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1535 88549

According to our current on-line database, Nicolaus Copernicus has 1 student and 88550 descendants.

Georg Joachim von Leuchen Rheticus

Biography


Magister artium Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1535 Germany
Dissertation:
Mathematics Subject Classification: 85—Astronomy and astrophysics

Advisor 1: Johannes Volmar
Advisor 2: Nicolaus (Mikołaj Kopernik) Copernicus

Students:
Click here to see the students listed in chronological order.

Name School Year Descendants
Sebastian Dietrich Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1544 65813
Valentin Otto Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1570 65807
Caspar Peucer Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1545 65817
Moritz Steinmetz Universität Leipzig 1550, 1567 63689

According to our current on-line database, Georg Joachim Rheticus has 4 students and 88549 descendants.

Moritz Valentin Steinmetz

 


Magister artium, Medicinae Dr. Universität Leipzig 1550, 1567 Germany
Dissertation: De Peste Capita Disputationis Ordinariae
Mathematics Subject Classification: 85—Astronomy and astrophysics

Advisor 1: Georg Joachim von Leuchen Rheticus
Advisor 2: Johann Hoffmann

Students:
Click here to see the students listed in chronological order.

Name School Year Descendants
Sethus Calvisius Universität Leipzig 1582 5
Christoph Meurer Universität Leipzig 1582 63683

According to our current on-line database, Moritz Steinmetz has 2 students and 63689 descendants.

Christoph Meurer

 


Magister artium Universität Leipzig 1582 Germany
Dissertation: De Iride seu Arcu coelesti
Mathematics Subject Classification: 85—Astronomy and astrophysics

Advisor 1: Moritz Valentin Steinmetz

Student:

Name School Year Descendants
Philipp Müller Universität Leipzig 1604 63682

According to our current on-line database, Christoph Meurer has 1 student and 63683 descendants.

Philipp Müller

 


Magister artium Universität Leipzig 1604 Germany
Dissertation:

Advisor 1: Christoph Meurer

Student:

Name School Year Descendants
Erhard Weigel Universität Leipzig 1650 63681

According to our current on-line database, Philipp Müller has 1 student and 63682 descendants.

Erhard Weigel

 


Ph.D. Universität Leipzig 1650 Germany
Dissertation: De ascensionibus et descensionibus astronomicis dissertatio

Advisor 1: Philipp Müller

Students:
Click here to see the students listed in chronological order.

Name School Year Descendants
Heinrich Ebell 1674
Georg Eimmart Friedrich-Schiller-Universität Jena 1658
Philipp Gercken Friedrich-Schiller-Universität Jena 1667
Johann Klimm Friedrich-Schiller-Universität Jena / Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg 1689, 1694
Gottfried Leibniz Universität Leipzig 1666 63668
Samuel Pufendorf
George Schneider 1675
Johann Sturm Friedrich-Schiller-Universität Jena  1662 3
Christoph Vogel Universität Leipzig 1652
Theophilus Wildius Friedrich-Schiller-Universität Jena 1654

According to our current on-line database, Erhard Weigel has 10 students and 63681 descendants.

Gottfried Wilhelm Leibniz

Biography MathSciNet


Dr. phil. Universität Leipzig 1666 Germany
Dissertation: Disputatio arithmetica de complexionibus

Advisor 1: Jakob Thomasius
Advisor 2: Erhard Weigel

Dr. jur. Universität Altdorf 1667 Germany
Dissertation: Disputatio Inauguralis De Casibus Perplexis In Jure

Advisor 1: Bartholomäus Leonhard Schwendendörffer

Académie royale des sciences de Paris 1676 France
Dissertation:

Advisor 1: Christiaan Huygens

Students:
Click here to see the students listed in chronological order.

Name School Year Descendants
Nicolas Malebranche 1672 62172
Christian von Wolff Universität Leipzig 1703 3525

According to our current on-line database, Gottfried Leibniz has 2 students and 63668 descendants. Read more [+]

Vacas e humanos magnéticos

Acho que já está na hora de se fazer hipóteses sobre o papel desses detetores magnéticos na retina. Quem arrisca? Coloque sua hipótese na janela de comentários… Darei alguns palpites lá também.

Humanos podem ter sexto sentido

Um estudo aponta que a habilidade de sentir campos magnéticos, característica das aves migratórias, pode estar presente, em menor grau, também nos humanos

RCSB Protein Data Bank

Proteína do tipo criptocromo

Proteínas sensíveis ao campo magnético, com estrutura similar à que aparece nesta ilustração, são encontradas na retina humana

São Paulo – Prever o futuro ou falar com os mortos ainda são habilidades que estão longe de ser comprovadas pela ciência. Mas um estudo recente mostra que possuímos elementos que poderiam permitir o desenvolvimento de um sexto sentido: a habilidade de perceber campos magnéticos.

Uma nova pesquisa da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, mostra que uma proteína da retina humana pode funcionar como sensor magnético. Se você pensou em X-Men, Magneto e a habilidade de dobrar metais com a mente, esqueça. A descoberta, longe de lembrar elementos da ficção, está relacionada a seres vivos bastante reais.

É sabido que pássaros migratórios e tartarugas, por exemplo, possuem a habilidade de sentir o campo magnético da Terra para se guiar em suas grandes viagens. A mosca Drosophila também possui sensor similar. Estudos anteriores já haviam mostrado que uma proteína do tipo conhecido como criptocromo, presentes nessa espécie, funciona como sensor magnético quando em contato com a luz.

O que o grupo de pesquisadores americanos liderados por Steven Reppert descobriu foi que uma proteína da retina humana pode produzir a mesma capacidade de sentir o campo magnético quando implantada nas moscas. O trabalho, publicada nesta semana na revista Nature Communications, reabre a possibilidade de exploração dessa capacidade sensorial nos humanos. Read more [+]

Porque não somos uma colônia de ETs?

O Paradoxo de Fermi pode ser resumido no seguinte: dado que é aceito pela maior parte dos cientistas da atualidade de que planetas habitáveis são comuns na galáxia e que o surgimento da Vida é um processo natural que provavelmente ocorre rapidamente nos mesmos (no nosso planeta, levou apenas 400 milhões de anos, ou seja, praticamente assim que a Terra esfriou o suficiente para ter água líquida), por que ainda não fomos colonizados por ETs? (*).

Uma das respostas, de O. Kinouchi (unpublished no ArXiv, mas já contando com 7 citações!)

Mais alguns papers novos sobre o assunto, envolvendo automata celulares (dê uma olhada nisso, Sandro!)

Where is everybody? — Wait a moment … New approach to the Fermi paradox

I. BezsudnovA. Snarskii
(Submitted on 16 Jul 2010)

The Fermi Paradox is the apparent contradiction between the high probability extraterrestrial civilizations’ existence and the lack of contact with such civilizations. In general, solutions to Fermi’s paradox come down to either estimation of Drake equation parameters i.e. our guesses about the potential number of extraterrestrial civilizations or simulation of civilizations development in the universe. We consider a new type of cellular automata, that allows to analyze Fermi paradox. We introduce bonus stimulation model (BS-model) of development in cellular space (Universe) of objects (Civilizations). When civilizations get in touch they stimulate development each other, increasing their life time. We discovered nonlinear threshold behaviour of total volume of civilizations in universe and on the basis of our model we built analogue of Drake equation.

Comments: 14 pages, 5 figures
Subjects: Popular Physics (physics.pop-ph); Instrumentation and Methods for Astrophysics (astro-ph.IM); Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG)
Cite as: arXiv:1007.2774v1 [physics.pop-ph]

Estes caras me citaram, legal! Faz parte da ética científica citar bem os predecessores…

Cellular Automation of Galactic Habitable Zone

Branislav VukoticMilan M. Cirkovic
(Submitted on 26 Jan 2010)

We present a preliminary results of our Galactic Habitable Zone (GHZ) 2D probabilistic cellular automata models. The relevant time-scales (emergence of life, it’s diversification and evolution influenced with the global risk function) are modeled as the probability matrix elements and are chosen in accordance with the Copernican principle to be well-represented by the data inferred from the Earth’s fossil record. With Fermi’s paradox as a main boundary condition the resulting histories of astrobiological landscape are discussed.

Comments: 4 pages, one figure, to appear in Publication of the Astronomical Observatory of Belgrade (6th SREAC Meeting proceedings)
Subjects: Galaxy Astrophysics (astro-ph.GA); Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG)
Cite as: arXiv:1001.4624v1 [astro-ph.GA]

(*) Se você acredita em teorias conspiratórias sobre UFOs, Greys e governo norte-americano, considere o seguinte: a) Depois de milhões de supostos avistamentos e abduções, ninguém até hoje trouxe uma caneta BIC fabricada por ETs ou conseguiu descrever como é o banheiro dentro de um disco voador; b) Os ETs relatados parecem não ter medo de nossos micróbios e não têm o menor escrúpulo de abrir a porta do UFO e contaminar nossa biosfera com os micróbios deles… Por quê? c) Temos 97% de genes em comuns com os chimpanzés, então, a menos que os chimps também foram criados pelos ETs, nós não somos experiências genéticas extraterrenas, como tantos afirmam… d) OK, curiosamente, o filme 2001 – Uma Odisséia no Espaço é um (sensacional) filme religioso e teísta, feito por dois céticos (Kubrik e Arthur C. Clark). Mas… é apenas um filme, OK? e) Não, eu não faço parte da Grande Conspiração que esconde as evidências da presença dos UFOs no Brasil e no Mundo. Na verdade, quando eu era teen, eu era Ufólogo, responsável, junto com meu amigo Sinézio Inácio da Silva Jr., pelo C.E.F.A Sudeste (Centro de Estudos de Fenômenos Aéro-Espaciais), editava o UFO Report e o fanzine new age Novos Horizontes. Meu primeiro artigo publicado (que não está no Lattes!) é uma resenha do livro “Uma Breve História do Tempo” de Stephen Hawking, na Revista UFO do Gevaerd que, infelizmente, parece que virou espiritufólogo… Antigamente a Revista UFO era mais científica.

the physics arXiv blog


Astronomers Define New Class Of Planet: The Super-Earth

Posted: 02 Aug 2011 09:10 PM PDT

Rocky planets that are almost as big as Uranus seem far more common than anyone suspected

In our Solar System, planets fall into two types. First, there are the rocky planets like Earth, Mars and Venus, which are similar in size and support gaseous atmospheres. Then there are the gas giants, like Jupiter, Saturn and Uranus. These huge puff balls are two or more orders of magnitude bigger than their rocky cousins.

Perhaps strangest of all, there are no planets in between; nothing that sits on the borderline between rocky minnow and gas giant.

This sharp distinction has driven much of astronomers’ thinking about planet formation. One of the main challenges they have faced is to come up with a theory that explains the formation of two entirely different types of planet, but no hybrids that share characteristics of both.

That thinking will have to change. It now looks as if we’ve been fooled by our own Solar System. When astronomers look elsewhere, this two-tiered planetary division disappears.

Astrophysicists have now spotted more than 500 planets orbiting other stars and all of these systems seem entirely different to our Solar System. They’ve seen entirely new class of planets such as the Super-Jupiters that are many times larger than our biggest planet with orbits closer than Mercury.

But the one we’re interested here has a mass that spans the range from Earth to Uranus, exactly the range that is missing from our Solar System.

Astronomers are calling these new types of planet Super-Earths and they have so far found more than 30 of them.

Today, Nader Haghighipour at the University of Hawaii in Honolulu reviews what we know about SuperEarths and shows they are changing the way astronomers think about planet formation. Their mere existence, for example, should allow astrophysicists to reject a large portion of current theories about planet formation.

Of course, the question about Super-Earths that generates the most interest is whether they can support life. To that end, Haghighipour discusses the possibility that these planets may be rocky with relatively thin atmospheres, that they have dynamic cores that generate a magnetic field and that they may support plate tectonics. Above all, there is the question of whether they can support liquid water.

It makes for fascinating reading. But when all this new information has been absorbed by the community, astronomers will still be left with an important puzzle. That is why our Solar System is so different from all the others we can see, why it has this sharp distinction in planet type and what relevance this has to the question of habitability.

This is a mystery that astronomers are only just getting their teeth into.

Ref: http://arxiv.org/abs/1108.0031: Super-Earths: A New Class of Planetary Bodies

Divulgação científica em bares… Weissman Institute

‘Ficção Científica é maneira mais simples de gerar interesse na ciência’, diz o físico Michio Kaku

11/05/2011 06h45 – Atualizado em 11/05/2011 08h21

Há 150 anos, ao imaginar como seria a viagem do homem à Lua, o escritor Júlio Verne acertou quase na mosca três palpites: o primeiro voo sairia do estado norte-americano da Flórida, demoraria três dias para chegar ao destino e cairia no mar ao voltar à Terra. Tentando seguir seus passos, o físico teórico Michio Kaku também tenta adivinhar como ideias vindas da ficção científica, como colonizar galáxias distantes, seriam possíveis.

“O nosso desafio é mostrar para as pessoas como os conceitos científicos que vão governar o futuro no espaço podem ser compreendidos hoje mesmo, por qualquer pessoa”, afirma o cientista norte-americano de 64 anos, cocriador da teoria das cordas — agora, apresentador do programa “Física do Impossível”, no canal de TV a cabo Discovery Science.

“A ficção talvez seja a maneira mais simples de fazer as pessoas se interessarem por ciência”, afirma Kaku.

Michio Kaku 2 (Foto: Discovery / Divulgação)O físico Michio Kaku, apresentador do ‘Física do Impossível’. (Foto: Discovery / Divulgação)

Especializado em teoria das cordas – campo da física que enxerga os átomos como se fossem “fios” extremamente pequenos e oferece uma nova interpretação para como o espaço e as coisas se comportam -, o cientista usa o conhecimento disponível atualmente no mundo da física e tenta aplicá-los para explicar como seria possível captar mais energia das estrelas ou mesmo povoar o espaço.

Ao ser lembrado sobre como ideias como essas parecem estar distantes da realidade, Kaku cita o exemplo de Verne. Para o cientista, o escritor não contava com o dom de premonição e mostrou como ideias estranhas durante uma época podem apontar corretamente o futuro.

“Como ele conseguiu saber tudo isso? Não pode ser pura especulação. Ele conversava com cientistas e conseguiu, com o conhecimento da época, enxergar algo que parecia improvável”, afirma.

O ‘futuro’ nas crianças
Muito antes da fama de séries como ‘Jornada nas estrelas’ e ‘Guerra nas estrelas’, o físico norte-americano iniciou seu contato com ciência por meio de outra atração na TV: Flash Gordon, um dos primeiros herois espaciais.

“Foi a primeira vez que eu me interessei por naves, invisibilidade, aliens e viagens espaciais”, lembra o físico. A partir daí, Kaku nunca mais deixaria de espantar “como uma criança” e seguiria o caminho até virar um cientista profissional. Read more [+]

Amigos e seus papers

Two-level Fisher-Wright framework with selection and migration: An approach to studying evolution in group structured populations

Roberto H. SchonmannRenato VicenteNestor Caticha
(Submitted on 23 Jun 2011)

A framework for the mathematical modeling of evolution in group structured populations is introduced. The population is divided into a fixed large number of groups of fixed size. From generation to generation, new groups are formed that descend from previous groups, through a two-level Fisher-Wright process, with selection between groups and within groups and with migration between groups at rate $m$. When $m=1$, the framework reduces to the often used trait-group framework, so that our setting can be seen as an extension of that approach. Our framework allows the analysis of previously introduced models in which altruists and non-altruists compete, and provides new insights into these models. We focus on the situation in which initially there is a single altruistic allele in the population, and no further mutations occur. The main questions are conditions for the viability of that altruistic allele to spread, and the fashion in which it spreads when it does. Because our results and methods are rigorous, we see them as shedding light on various controversial issues in this field, including the role of Hamilton’s rule, and of the Price equation, the relevance of linearity in fitness functions and the need to only consider pairwise interactions, or weak selection. In this paper we analyze the early stages of the evolution, during which the number of altruists is small compared to the size of the population. We show that during this stage the evolution is well described by a multitype branching process. The driving matrix for this process can be obtained, reducing the problem of determining when the altruistic gene is viable to a comparison between the leading eigenvalue of that matrix, and the fitness of the non-altruists before the altruistic gene appeared. This leads to a generalization of Hamilton’s condition for the viability of a mutant gene.

Comments: Complete abstract in the paper. 71 pages, 20 figures
Subjects: Populations and Evolution (q-bio.PE)
Cite as: arXiv:1106.4783v1 [q-bio.PE]

Agent-based Social Psychology: from Neurocognitive Processes to Social Data

(Submitted on 31 May 2010 (v1), last revised 11 Feb 2011 (this version, v2))

Moral Foundation Theory states that groups of different observers may rely on partially dissimilar sets of moral foundations, thereby reaching different moral valuations. The use of functional imaging techniques has revealed a spectrum of cognitive styles with respect to the differential handling of novel or corroborating information that is correlated to political affiliation. Here we characterize the collective behavior of an agent-based model whose inter individual interactions due to information exchange in the form of opinions are in qualitative agreement with data. The main conclusion derived connects the existence of diversity in the cognitive strategies and statistics of the sets of moral foundations and suggests that this connection arises from interactions between agents. Thus a simple interacting agent model, whose interactions are in accord with empirical data on conformity and learning processes, presents statistical signatures consistent with those that characterize moral judgment patterns of conservatives and liberals.

Comments: 11 pages, 4 figures, submitted
Subjects: Physics and Society (physics.soc-ph); Social and Information Networks (cs.SI); Neurons and Cognition (q-bio.NC)
Cite as: arXiv:1005.5718v2 [physics.soc-ph]

Spike Avalanches Exhibit Universal Dynamics across the Sleep-Wake Cycle

(Submitted on 10 Jan 2011)

Scale-invariant neuronal avalanches have been observed in cell cultures and slices as well as anesthetized and awake brains, suggesting that the brain operates near criticality, i.e. within a narrow margin between avalanche propagation and extinction. In theory, criticality provides many desirable features for the behaving brain, optimizing computational capabilities, information transmission, sensitivity to sensory stimuli and size of memory repertoires. However, a thorough characterization of neuronal avalanches in freely-behaving (FB) animals is still missing, thus raising doubts about their relevance for brain function. To address this issue, we employed chronically implanted multielectrode arrays (MEA) to record avalanches of spikes from the cerebral cortex (V1 and S1) and hippocampus (HP) of 14 rats, as they spontaneously traversed the wake-sleep cycle, explored novel objects or were subjected to anesthesia (AN). We then modeled spike avalanches to evaluate the impact of sparse MEA sampling on their statistics. We found that the size distribution of spike avalanches are well fit by lognormal distributions in FB animals, and by truncated power laws in the AN group. The FB data are also characterized by multiple key features compatible with criticality in the temporal domain, such as 1/f spectra and long-term correlations as measured by detrended fluctuation analysis. These signatures are very stable across waking, slow-wave sleep and rapid-eye-movement sleep, but collapse during anesthesia. Likewise, waiting time distributions obey a single scaling function during all natural behavioral states, but not during anesthesia. Results are equivalent for neuronal ensembles recorded from V1, S1 and HP. Altogether, the data provide a comprehensive link between behavior and brain criticality, revealing a unique scale-invariant regime of spike avalanches across all major behaviors.

Comments: 14 pages, 9 figures, supporting material included (published in Plos One)
Subjects: Neurons and Cognition (q-bio.NC); Data Analysis, Statistics and Probability (physics.data-an)
Journal reference: PLoS ONE 5(11): e14129, 2010
DOI: 10.1371/journal.pone.0014129
Cite as: arXiv:1101.2434v1 [q-bio.NC]

Collective oscillations of excitable elements: order parameters, bistability and the role of stochasticity

(Submitted on 31 Jan 2011)

We study the effects of a probabilistic refractory period in the collective behavior of coupled discrete-time excitable cells (SIRS-like cellular automata). Using mean-field analysis and simulations, we show that a synchronized phase with stable collective oscillations exists even with non-deterministic refractory periods. Moreover, further increasing the coupling strength leads to a reentrant transition, where the synchronized phase loses stability. In an intermediate regime, we also observe bistability (and consequently hysteresis) between a synchronized phase and an active but incoherent phase without oscillations. The onset of the oscillations appears in the mean-field equations as a Neimark-Sacker bifurcation, the nature of which (i.e. super- or subcritical) is determined by the first Lyapunov coefficient. This allows us to determine the borders of the oscillating and of the bistable regions. The mean-field prediction thus obtained agrees quantitatively with simulations of complete graphs and, for random graphs, qualitatively predicts the overall structure of the phase diagram. The latter can be obtained from simulations by defining an order parameter q suited for detecting collective oscillations of excitable elements. We briefly review other commonly used order parameters and show (via data collapse) that q satisfies the expected finite size scaling relations.

Comments: 19 pages, 7 figures
Subjects: Neurons and Cognition (q-bio.NC); Disordered Systems and Neural Networks (cond-mat.dis-nn); Statistical Mechanics (cond-mat.stat-mech); Cellular Automata and Lattice Gases (nlin.CG)
Journal reference: J. Stat. Mech. (2011) P01012
DOI: 10.1088/1742-5468/2011/01/P01012
Cite as: arXiv:1101.6054v1 [q-bio.NC]

Infinite-Period Phase Transition versus Nucleation in a Stochastic Model of Collective Oscillations

(Submitted on 16 Jun 2011 (v1), last revised 21 Jun 2011 (this version, v2))

A lattice model of three-state stochastic phase-coupled oscillators has been shown by Wood et al. [Phys. Rev. Lett. 96, 145701 (2006)] to exhibit a phase transition at a critical value of the coupling parameter, leading to stable global oscillations. In the complete graph version of the model, we show that, upon further increase in the coupling, the average frequency of collective oscillations decreases until an infinite-period (IP) phase transition occurs, at which collective oscillations cease. Above this second critical point, a macroscopic fraction of the oscillators spend most of the time in one of the three states, yielding a prototypical nonequilibrium example (without an equilibrium counterpart) in which discrete rotational (C_3) symmetry is spontaneously broken, in the absence of any absorbing state. Simulation results and nucleation arguments strongly suggest that the IP phase transition does not occur on finite-dimensional lattices with short-range interactions.

Comments: 15 pages, 8 figures
Subjects: Biological Physics (physics.bio-ph); Statistical Mechanics (cond-mat.stat-mech); Chaotic Dynamics (nlin.CD); Data Analysis, Statistics and Probability (physics.data-an)
Cite as: arXiv:1106.3323v2 [physics.bio-ph]

Chineses e hispânicos compartilham igreja a contragosto em Nova York

janeiro 12th, 2011 at 8:53


» by O Bruxo in: Religião

Via G1

A Igreja Metodista Unida, no bairro de Sunset Park, no Brooklyn, é tudo, menos unida.
Dois pastores pregam do mesmo púlpito e moram na mesma residência paroquial, mas mal se falam e criticam abertamente a abordagem da fé um do outro. Na ala social da igreja, dois grupos espiam um ao outro, desconfiados – um termina a refeição de arroz com feijão, enquanto o outro prepara frango asiático.
Duas congregações bem diferentes dividem o mesmo prédio: um pequeno edifício com cerca de 30 pessoas que falam espanhol e rezam aqui há décadas e uma multidão novata de mais de mil imigrantes chineses que aumenta toda semana – a congregação metodista que mais cresce em Nova York.

Os latinos dizem se sentir oprimidos e sob ameaça, enquanto os chineses, que são os locadores, afirmam se sentir reprimidos e subestimados. Mediadores foram enviados, mas com pouco sucesso. Na temporada de final de ano, houve até duas árvores de Natal.

“Este pastor é muito grosso conosco”, disse o reverendo Zhaodeng Peng, que lidera a congregação chinesa com a esposa.

O reverendo Hector Laporta, líder da igreja latina, respondeu: “Ele realmente tem um problema com a raiva.”

Esse impasse reflete um cabo de guerra que ocorre há várias gerações em Nova York, onde grupos de imigrantes -alguns estabelecidos, outros recém-chegados- se acotovelam em calçadas lotadas e em moradias apertadas, disputando espaço, casa e emprego.

Agora, essa luta está chegando até os silenciosos santuários das igrejas, à medida que congregações com restrições financeiras -especialmente aquelas de denominações mais populares, como as metodistas- encontram solução no compartilhamento do espaço. No Queens, uma igreja metodista dividida entre congregações latino-americanas e caribenhas acaba de dar espaço a uma pequena congregação paquistanesa.

Como colegas de quarto de qualquer lugar do mundo, os grupos metodistas que dividem o espaço entram em conflito quanto a banheiros sujos, música alta e luzes acesas, disse o reverendo Kenny Yi, coordenador do distrito da congregação que tentou intermediar a disputa em Sunset Park.

A igreja, construída há mais de um século por imigrantes noruegueses, oferece muita oportunidade para tensões. Há a barreira do idioma: poucos chineses falam inglês, e menos ainda falam espanhol. O espaço é apertado e precisa de reparos, e cada grupo tem uma missão diferente.

Laporta, de 55 anos, vem de uma tradição religiosa de ação social. Ele participar de reuniões para o controle do aluguel e pede a reforma da imigração em seus sermos. Laporta diz que Peng ignora o problema dos imigrantes ilegais em sua congregação. Peng, de 48 anos, foca mais nos livros sagrados. “As pessoas precisam da palavra de Deus”, ele disse.
Peng argumenta que Laporta deixa seus membros com fome espiritual. “Se a congregação precisa aprender política, pode ler o jornal”, disse Peng. “É por isso que a congregação não cresce.”

No meio estão Yi e outros membros da metodista, que devem decidir se mantêm a situação atual, intranquila, ou levam a congregação latina para outro local e dão o prédio a Peng e sua esposa e co-pastora, a reverenda Qibi She.
“Estamos apelando para Deus, para ver em que direção Ele aponta as duas congregações”, disse Yi. “Descobriremos mais cedo ou mais tarde.”

Enquanto isso, altos membros da metodista vêm tentando interferir no processo. Em 2009, Yi trouxe um mediador de fora, Kenneth J. Guest, professor de antropologia da Baruch College que estuda a religião em Chinatown, Nova York.
Guest ajudou a intermediar um contrato que estabelecia regras básicas: a igreja dos latinos teria uso exclusivo do hall social aos domingos das 12h30 às 14h. A congregação chinesa usaria o local das 14h às 19h. Nenhum dos grupos interromperia os sermos do outro.

Não funcionou. Recentemente, Laporta pegou o contrato e apontou para cada compromisso que, segundo ele, os chineses tinham violado. Eram muitos. “Eles não seguem nenhuma regra”, disse Laporta, com a voz cheia de resignação.
Peng contou que a igreja atraía tantos novos chineses que muitas pessoas não sabiam das regras. A vizinhança do lado de fora, um dos bairros mais vibrantes da cidade, de alguma forma reflete a divisão da igreja. Uma rua abriga barraquinhas de taco, bodegas equatorianas e igrejas mexicanas -enquanto na parte de cima vemos mercados de peixe e lojas de remédios de ginseng formando Chinatown.

Nos últimos anos, as empresas chinesas têm se expandido, chegando até o local da igreja. A população chinesa da área cresceu de 24 mil, no ano 2000, para 31 mil em 2009, de acordo com dados do censo.

“Eles estão por toda parte”, disse Laporta, nascido no Peru. “O que acontece aqui é o mesmo que acontece lá fora.”  A congregação latina está no prédio há cerca de 30 anos, mas diminuiu bastante passou de 60 membros para pouco menos da metade. Há seis anos a congregação começou a alugar o local para o grupo chinês.

A igreja chinesa paga a Laporta cerca de US$ 50 mil em aluguel, mais do dobro do que a congregação hispânica tem conseguido arrecadar por sua própria conta. Peng disse que pagaria mais de bom grado, e ajudaria a consertar a igreja desgastada, se pudesse expandir para o porão.

“Eles têm um prédio enorme, mas poucas pessoas”, disse Peng. “Temos as pessoas, mas não o prédio.” Read more [+]

O Biocosmo Egoísta, o Universo inteligente e o Darwinismo Cosmológico Forte

Resenha

QUAL É O DESTINO FINAL DO NOSSO UNIVERSO? Essa é a impactante questão abordada por James Gardner em O Universo Inteligente. Tradicionalmente, os cientistas oferecem duas respostas desanimadoras: fogo ou gelo. Gardner prevê uma terceira alternativa, muito mais surpreendente: um estado final do cosmos em que uma forma de inteligência grupal altamente evoluída produz uma renovação cósmica, o nascimento de um novo universo. A visão de Gardner é a de que a vida e a inteligência estão no cerne do intrincado mecanismo do universo. Esse ponto de vista ganhou elogios de uma série de cientistas de destaque, incluindo o Astrônomo Real da Grã-Bretanha, sir Martin Rees, e do físico e cosmologista Paul Davies.

Estou lendo este livro (que já está publicado em portugues!) com uma estranha sensação de deja vu. Pois é, eu formulei a idéia de um Darwinismo Cosmológico Forte em 1996 em um paper que não tive coragem de por no ArXiv porque me disseram que não era ciência, era ficção científica.

Bom, isso é pra eu aprender. Como diria a Arlene, mulher do Feynman: What Do You Care What Other People Think?

COSMOLOGICAL DARWINISM AND THE ANTHROPIC PRINCIPLE – Osame Kinouchi – 1996

We discuss the analogy between the cosmological problem considered by Anthropic Principle literature and the problem of complex behaviour in celular automata. We suggest that finding the automata parameters which leads to complex behaviour (Wolfram class IV) pertains to the same class of problems that the `fine-tunned universe’. Since it is a much more tratable problem perhaps it can gives us some heuristical ideas to be applied in cosmological considerations. One of these ideas is `fine-tuning’ by natural selection. It is know that complex automata (as Conway’s Life) need not be `designed’ but may be obtained by a genetic algorithm search. This search procedure is identical to Leo Smolin proposal of a `Cosmological Darwinism’ as an alternative to the `Unique Self-consistent World’ and `Random World Ensemble’ cosmological views. From Smolin ideas we elaborate  a `Strong Cosmological Darwinism’ where life is supposed to have some catalytic effect in the universe reproductive fitness.

(…) But for the inhabitants of this universe it is also a teleologie in the large because they have only access to the lifetime of their home universe. This does not means that, for example, the Earth biosphere will inevitably survive. An abort may occur in the process. Baby-universes may be generated by another biospheres elsewhere. But SCD (Strong Cosmological Darwinism) suggests that there is an open door for Earth-life expansion. The death of Earth-life is not inevitable, a entropy fluctuation which must to disappear. Life is not an irrelevant accident in the universe history but, perhaps, has an important cosmological role. Although the total mass of life is negligible this does not means that life is negligible.

Chemical catalysts also have desprezible mass compared with the total reaction mass, but without a catalyst the reaction may not even occur. So, Strong Anthropic Principle stated before (section 1) is a natural outcome of Cosmological Darwinism if restated as

The existent universes most probably (but not necessarily) have sufficient complexity for life since life is an efficient mechanism to assegurate their own reproduction.

Call these fine-tuned universes which pertain to V_0 biophilic universes.

Some people may complain that Cosmological Darwinism does not explain how the first biophilic universe appeared, so the problem has not been solved. But the same occurs with Biological Darwinism, which does not explain how the first form of life appeared. However, Darwinism gives us a mechanism of production of more complex organisms from less complex ones. We claim that Cosmological Darwinism gives us a similar mechanism for less complex (less fine-tuned) universes to evolve to more complex (fine-tuned) ones. So, SCD is responsible by evolutionary forces which mantain a whole population of universes within V_0.

To understand the appearance of the first biophilic universe we need some protoevolutive process (like the biological protoevolution theories). Perhaps Smolin proposal is this pre-biophilic process. We only argue that life may produce a more efficient autocatalytic loop than Smolin process (for example, life may induce artificialy a Smolin process). Perhaps, a Smolin pre-biophilic universe, by accident, may have minimal conditions for life to evolve so that a new lineage of efficient life-based (and not only black-hole-based) reproductive universes appeared.

To make an analogy with the celular automata model examined above, the density $m$ may be thought of as the cost function related with black-hole production and the presence of gliders as the cost function related with life production. Weak CD must occurs before Strong CD.

There is a last reason to advocate SCD. If artificial production of baby universes is an actual link in the reproductive chain then the life forms which appear in the universe must effectively achieve this know-how (must be capable of effectively compress algorithmically the cosmological process). Then, for these life forms, the universe must appear comprehensible to a large extend. This is not trivial, since we may imagine an universe which is algorithmically compressible (understanable) in principle but is not understanable in pratice by observers generated by its internal dynamics (This is a very interesting and non-trivial problem, see Davies [*] for a discussion of this point).

Then, Strong Cosmological Darwinism explains the efficiency of intelligence to understand the cosmic process, but Weak CD does not. Most importantly, the other cenarios also can not explain this `algorithmic compressibility by internal observers’. Einstein perplexity that `the incomprehensible about universe is that it is comprehensible’ (by human brains biologically selected to operate in paleolitic activities only!) has a new answer. Remember that the metaphysical assumption that it is possible to understand nature is fundamental to pure science but it has no firm foundation. SCD gives this foundation as a free bonus!

The selfish biocosm hypothesis is an evolutionary and developmental universe hypothesis originally proposed by complexity scholar James N. Gardner in 2000. Read more [+]

Tempo Entrópico

A ler:

Entropic Time

Ariel Caticha
(Submitted on 2 Nov 2010)
The formulation of quantum mechanics within the framework of entropic dynamics includes several new elements. In this paper we concentrate on one of them: the implications for the theory of time. Entropic time is introduced as a book-keeping device to keep track of the accumulation of changes. One new feature is that, unlike other concepts of time appearing in the so-called fundamental laws of physics, entropic time incorporates a natural distinction between past and future.
Comments: Presented at MaxEnt 2010, the 30th International Workshop on Bayesian Inference and Maximum Entropy Methods in Science and Engineering (July 4-9, 2010, Chamonix, France)
Subjects: Quantum Physics (quant-ph); Statistical Mechanics (cond-mat.stat-mech); General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc)
Cite as: arXiv:1011.0746v1 [quant-ph]

O Bolsa Família dos EUA

WSJ: 42.389.619 de americanos dependem do Bolsa Família para comer

November 4, 2010, 2:47 PM ET

In U.S., 14% Rely on Food Stamps

By Sara Murray, naquele jornal comunista, o Wall Street Journal

Um grande número de domicílios americanos ainda depende da assistência do governo para comprar comida, no momento em que a recessão continua a castigar famílias.

O número dos que recebem o cupom de comida [food stamps, a versão americana do Bolsa Família] cresceu em agosto, as crianças tiveram acesso a milhões de almoços gratuitos e quase cinco milhões de mães de baixa renda pediram ajuda ao programa de nutrição governamental para mulheres e crianças.

Foram 42.389.619 os americanos que receberam food stamps em agosto, um aumento de 17% em relação a um ano atrás, de acordo com o Departamento de Agricultura, que acompanha as estatísticas. O número cresceu 58,5% desde agosto de 2007, antes do início da recessão.

Em números proporcionais, Washington DC [a capital dos Estados Unidos] tem o maior número de residentes recebendo food stamps: mais de um quinto, 21,1%, coletaram assistência em agosto. Washington foi seguida pelo Mississipi, onde 20,1% dos moradores receberam food stamps, e pelo Tennessee, onde 20% dos residentes buscaram ajuda do programa de nutrição.

Idaho teve o maior aumento no número de recipientes no ano passado. O número de pessoas que receberam food stamps no estado subiu 38,8%, mas o número absoluto ainda é pequeno. Apenas 211.883 residentes de Idaho coletaram os cupons em agosto.

O benefício nacional médio por pessoa foi de 133 dólares e 90 centavos em agosto. Por domicílio, foi de 287 dólares e 82 centavos.

Os cupons se tornaram um refúgio para os trabalhadores que perderam emprego, particularmente entre os estadunidenses que já exauriram os benefícios do seguro-desemprego. Filas nos supermercados à meia-noite do primeiro dia do mês demonstram que, em muitos casos, o benefício não está cobrindo a necessidade das famílias e elas correm antes da chegada do próximo cheque.

Mesmo durante as férias de verão as crianças retornaram às escolas para tirar proveito da merenda, onde ela estava disponível. Cerca de 195 milhões de almoços foram servidos em agosto e 58,9% deles foram de graça. Outros 8,4% foram a preço reduzido. Este número vai aumentar quando os dados do outono forem divulgados já que as crianças estarão de volta às escolas. Em setembro passado, por exemplo, mais de 590 milhões de almoços foram servidos, quase 64% de graça ou com preço reduzido.

Crianças cujas famílias tem renda igual ou até 130% acima da linha da pobreza — 28 mil e 665 dólares por ano para uma família de quatro pessoas — podem ter acesso a almoços gratuitos. As famílias que tem renda entre 130% a 185% acima da linha da pobreza — 40 mil e 793 dólares para uma família de quatro — podem receber refeições a preço reduzido, não mais que 40 centavos de dólar de desconto.

Ps do Viomundo: Texto dedicado àqueles que acham chique os programas sociais na França, na Alemanha e nos Estados Unidos, mas tem “horror!” dos programas sociais brasileiros.

O voto dos físicos

Tactical Voting in Plurality Elections

Authors: Nuno A. M. Araújo, José S. Andrade Jr, Hans J. Herrmann
(Submitted on 16 Sep 2010)

Abstract: How often will elections end in landslides? What is the probability for a head-to-head race? Analyzing ballot results from several large countries rather anomalous and yet unexplained distributions have been observed. We identify tactical voting as the driving ingredient for the anomalies and introduce a model to study its effect on plurality elections, characterized by the relative strength of the feedback from polls and the pairwise interaction between individuals in the society. With this model it becomes possible to explain the polarization of votes between two candidates, understand the small margin of victories frequently observed for different elections, and analyze the polls’ impact in American, Canadian, and Brazilian ballots. Moreover, the model reproduces, quantitatively, the distribution of votes obtained in the Brazilian mayor elections with two, three, and four candidates.

Comments: 7 pages, 4 figures
Subjects: Physics and Society (physics.soc-ph); Data Analysis, Statistics and Probability (physics.data-an)
Journal reference: PLoS One 5, e12446, 2010
DOI: 10.1371/journal.pone.0012446
Cite as: arXiv:1009.3099v1 [physics.soc-ph]

Statistics of opinion domains of the majority-vote model on a square lattice

Authors: Lucas R. Peres, Jose F. Fontanari
(Submitted on 22 Aug 2010)

Abstract: The existence of juxtaposed regions of distinct cultures in spite of the fact that people’s beliefs have a tendency to become more similar to each other’s as the individuals interact repeatedly is a puzzling phenomenon in the social sciences. Here we study an extreme version of the frequency-dependent bias model of social influence in which an individual adopts the opinion shared by the majority of the members of its extended neighborhood, which includes the individual itself. This is a variant of the majority-vote model in which the individual retains its opinion in case there is a tie among the neighbors’ opinions. We assume that the individuals are fixed in the sites of a square lattice of linear size $L$ and that they interact with their nearest neighbors only.
Within a mean-field framework, we derive the equations of motion for the density of individuals adopting a particular opinion in the single-site and pair approximations. Although the single-site approximation predicts a single opinion domain that takes over the entire lattice, the pair approximation yields a qualitatively correct picture with the coexistence of different opinion domains and a strong dependence on the initial conditions. Extensive Monte Carlo simulations indicate the existence of a rich distribution of opinion domains or clusters, the number of which grows with $L^2$ whereas the size of the largest cluster grows with $\ln L^2$. The analysis of the sizes of the opinion domains shows that they obey a power-law distribution for not too large sizes but that they are exponentially distributed in the limit of very large clusters. In addition, similarly to other well-known social influence model — Axelrod’s model — we found that these opinion domains are unstable to the effect of a thermal-like noise.

Subjects: Computational Physics (physics.comp-ph); Statistical Mechanics (cond-mat.stat-mech); Physics and Society (physics.soc-ph)
Cite as: arXiv:1008.3697v1 [physics.comp-ph]

Otimizando fazendas de vento

Isso aqui parece bem interessante e pode revolucionar

Order-of-magnitude enhancement of wind farm power density via counter-rotating vertical-axis wind turbine arrays

John O. Dabiri
(Submitted on 18 Oct 2010)
Modern wind farms require significant land resources to separate each wind turbine from the adjacent turbine wakes. These aerodynamic constraints limit the amount of power that can be extracted from a given wind farm footprint. We conducted full-scale field tests of vertical-axis wind turbines in counter-rotating configurations under natural wind conditions. Whereas wind farms consisting of propeller-style turbines produce 2 to 3 watts of power per square meter of land area, these field tests indicate that power densities approaching 100 W m^-2 can be achieved by arranging vertical-axis wind turbines in layouts that enable them to extract energy from adjacent wakes. In addition, we calculated that the global wind resource available to 10-m tall turbines based on the present approach is approximately 225 trillion watts (TW), which significantly exceeds the global wind resource available to 80-m tall, propeller-style wind turbines, approximately 75 TW. This improvement is due to the closer spacing that can be achieved between the smaller, vertical-axis wind turbines. The results suggest an alternative approach to wind farming, in which many, smaller vertical-axis wind turbines are implemented instead of fewer, large propeller-style turbines.
Comments: Manuscript subject to press embargo
Subjects: Fluid Dynamics (physics.flu-dyn)
Cite as: arXiv:1010.3656v1 [physics.flu-dyn]

Ciência e Fé

Mais uma reflexão para tentar explicar por que este é o mais religioso dos blogs céticos.

Definição de Fé (“emunah”) retirada daqui:

Para a mente Hebraica, fé é mais do que crença em alguma coisa; é fidelidade a alguém. Sim, emunah está claramente relacionada à palavra para verdade, e ela implica verdade ou crença, mas é mais do que assentimento mental a proposições verdadeiras ou a confiança que vem da convicção intelectual.

A fé é plenamente Hebraica apenas quando ela é plenamente fiel. Talvez possamos escrever desta forma: ela é “fé/fidelidade”. A fé bíblica é tanto ter confiança quanto ser digno de confiança;
tanto convicção quanto persistente determinação.

Ou seja, a minha definição de Fé, plenamente compatível com o sentido de “Emunah”, é:

Fé = confiar que se está no caminho certo e que vale a pena continuar e persistir, mesmo se você ainda não tiver evidências suficientes para provar isso.

Este tipo de Fé (perseverança, mesmo se as evidências estão temporariamente contra você) é essencial para todo bom cientista. Todo atomista (Newton, Maxwell, Boltzmann, Plank, Einstein), antes dos experimentos conclusivos de Perrin em 1912, andava pela fé, mesmo com as evidências contrária ao Atomismo (por exemplo, os resultados errados que as teorias Atomistas davam para o calor específico dos gases diatômicos no século XIX).

Eu andei pela Fé (na criticalidade auto-organizada em redes neurais) de 1996 até 2004 (quando as primeiras evidências de avalanches neuronais surgiram).

É assim que podemos entender esta citações de Plank e Einstein:

“Qualquer pessoa que tenha se envolvido seriamente com um trabalho científico de qualquer espécie entende que na entrada dos portões do templo da ciência estão gravadas as seguintes palavras: É preciso ter fé.”  Max Plank (Nobel de 1918)

The most beautiful and most profound experience is the sensation of the mystical. It is the sower of all true science. He to whom this emotion is a stranger, who can no longer wonder and stand rapt in awe, is as good as dead. To know that what is impenetrable to us really exists, manifesting itself as the highest wisdom and the most radiant beauty which our dull faculties can comprehend only in their primitive forms – this knowledge, this feeling is at the center of true religiousness.
Albert Einstein – The Merging of Spirit and Science)

“I am a deeply religious nonbeliever.… This is a somewhat new kind of religion.”

Albert Einstein, in a letter to Hans Muehsam, March 30, 1954; Einstein Archive 38-434; from Alice Calaprice, ed., The Expanded Quotable Einstein, Princeton, NJ: Princeton University Press, 2000, p. 218.


OK, mas se você gosta de usar a definição straw man de “Fé = aceitação intelectual acrítica de crenças que não possuem evidências a favor ou possuem evidências contrárias” e assim proclamar que um cientista não precisa ou não deve ter Fé, não tem problema. É apenas uma questão de qual definição você quer usar, a definição histórico-linguístico ou a definição que você acabou de criar para seus propósitos pessoais. É uma pena, porque você nunca entenderá o que Plank, Einstein e tantos outros cientistas criativos quiseram dizer quando usaram a palavra Fé.

Não que isso seja importante para se ser um cientista. Eu estava me referindo apenas aos cientistas criativos…

Leonard sim, Holowitz não, e o canal YOUTUBE do ABC

Recebi hoje estes links do Balu (Lucas Hypolito, gerente do Anel de Blogs Científicos):

Professor, consegui colocar sua entrevista da thathi tv no youtube.
Abaixo segue os links das 4 partes.




Esse é o nosso canal no youtube:
http://www.youtube.com/ldccabc

O que o senhor achou?

[]`s
Balu

Daqui a pouco o pessoal vai achar que eu gosto de dar entrevista e aparecer na mídia. Não, eu não gosto, isso já me causou muitos problemas, mas faz parte do Projeto de Divulgação Científica aprovado pelo CNPq (preciso fazer o relatório em dezembro!) e eu preciso me acostumar.

A explicação de por que os cientistas tem um pé atrás com entrevistas é dada na própria entrevista. Por exemplo, ao me entrevistar, Ricardo Mioto perguntou se eu preferia uma entrevista por telefone ou uma entrevista por escrito. Bom, eu não entendo essa obsessão dos jornalistas por entrevista por telefone (como é que eles gravam?) e respondi que preferia responde por email.

Eu entendo e concordo que a reportagem da Folha só podia pegar algumas frases de cada pesquisador mas… se você olhar bem, todas as minhas frases falam de mulher! Depois vão achar que eu sou um Feynman pegador (não, eu não sou!) ou um Wolowitz desesperado (OK, eu sei que coloquei o perfil desejado aqui, mas acho que estou mais para Leonard…).

Sendo assim, reproduzo a minha resposta completa ao Mioto:

Oi Mioto,

Bom, acho que o pessoal de ciências gosta do TBBT por causa justamente da caricatura (caricaturas são melhores do que fotos realistas para ressaltar as características de uma pessoa). Dado que o Gleiser nao é um geek tipico (definicao de geek = nerd com namorada), acho que ele nao se identifica com a série. Fazer o quê?

Outro elemento interessante é que, dado que a série tem a assessoria de um físico profissional, as piadas possuem vários níveis de leitura, desde o nerdsexualismo (como diria PC Siqueira) explicito que todo mundo entende até sutilezas sobre brigas sobre a ordem dos autores em papers, ou a discussao da Leslie com o Sheldon sobre qual teoria é melhor, se Superstrings ou Quantum Loop Gravitiy, que só quem é de dento ou lê Scientific American poderia entender, suponho.

Lembro também que Leslie não aceitou o argumento de Leonard de que as duas teorias tem seu mérito. Ela respondeu: “sim, mas criaremos nossas crianças acreditando em qual teoria?”, uma piada muito inteligente sobre o papel da fé na física de fronteira…

Minhas filhas adoram o Sheldon, embora me digam que não entendem nada do que ele fala. Riem de como ele fala… Ou seja, tem vários níveis de leitura, é diferente, neste aspecto, do Two and Half Man (do mesmo produtor).

Outro aspecto é que os nerds ali são arrogantes o suficiente para estarem por cima, ao contrário de Friends, por exemplo, onde o cientista (o paleontólogo Ross) era um coitado (embora tenha ficado com a Jennifer Aniston!)

Vamos fazer o seguinte: eu faço um post no SEMCIENCIA perguntando para meus amigos fisicos do por que eles gostam da TBBT, envio pra eles, eles respondem e se vc quiser, você coleta os dados na janela de comentários.

Sobre outras séries, sou fã da Galactica (acho uma ótima discussao do sistema democrático, da guerra do Iraque etc – vc viu o primeiro episódio da terceira temporada onde os mocinhos são os homens bomba???)

Aprecio O Mentalista, House, CSI e outros dessa leva de séries onde “Smart is the new sexy”. É um refresco, depois de décadas de Charming, Buffy e outras séries New Age.

Mas, Galactica realmente precisaria de uma análise mais aprofundada (ela ganhou o EMMY de melhor série dramatica, acho). E tem agora o prequel CAPRICA, que ainda não assiti.

Se precisar de mais opiniões, estou por aqui, por que vc sabe que sou cheio das opiniões…. ahahahah

Abracos, e diga ao Reinaldo que não esqueci, pago o livro amanha!

Osame

PS: Ainda bem que reli o email… Agora lembrei que ainda não paguei o livro do Reinaldo Lopes!

Eu apareci na Folha! Obrigado Mioto…

 

Físicos aprovam “séries nerds” de TV como cientificamente precisas

Publicidade

RICARDO MIOTO
DE SÃO PAULO

“Todo mundo na faculdade de física adora “The Big Bang Theory”, a gente fala “bazinga!” toda hora, pra tudo”, diz Luiza Maurutto, 19, aluna de física na USP.

“Bazinga!” é a marca registrada de Sheldon Cooper, físico nerd que é protagonista dessa série de televisão. Ele usa a expressão sempre que quer deixar claro que está sendo irônico –físico estereotipado, entre as suas limitações sociais está o fato de ele não compreender o sarcasmo, e por isso achar que ninguém mais consegue.

Cientistas desenvolveram juntos fita adesiva inspirada em patas de lagartos
Físicos desvendam mistério das bolhas de sabão

Impressiona, então, que, em vez de irritar os físicos, a nerdice e a incapacidade de Sheldon de se relacionar com outros seres humanos normalmente tenham feito que ele ganhasse uma vasta legião de fãs nos departamentos de física.

Paulo Nussenzveig, professor de física da USP, conta, por exemplo, que é fã da série e já ter até levou cenas para a sala de aula.

A admiração pelo personagem e pelo programa de TV, que já vai para a sua quarta temporada nos EUA, tem ao menos dois grandes motivos.

PIADA, MAS COM RIGOR

O primeiro é que os físicos consideram –e eles se importam tremendamente com isso– que a série é cientificamente precisa. Os personagens, dizem, não cometem uma única impropriedade, e mesmo as piadas não perdem o rigor científico.

O grande responsável por isso é David Saltzberg, físico da Universidade da Califórnia em Los Angeles e consultor da série. Ele decide quais equações estarão nas lousas, quais livros-texto os personagens vão carregar e quais comentários científicos farão.

“The Big Bang Theory” é a série mais popular, mas outras com temática científica têm consultores semelhantes –e também conquistaram os pesquisadores. Uma delas é “Numb3rs”, em que um gênio da matemática usa o seu conhecimento para resolver crimes, mas há várias.

“Aprecio “The Mentalist”, “House”, “CSI” e outras dessa leva de séries no estilo “smart is the new sexy” [algo como “sexy agora é ser inteligente’]”, diz o professor de física da USP Osame Kinouchi. “É um refresco, depois de décadas de séries como “Buffy, a Caça-Vampiros”.”

ABRAÇO DE CIENTISTA

No caso de “The Big Bang Theory”, o segundo motivo pelo qual os físicos gostam da série é que, afinal, eles têm mesmo muitos colegas que lembram o Sheldon.

“Tenho vários amigos assim, a série é muito verdade. Bem nerds, que só falam de física. Amigos que, quando todos estão almoçando, ficam fazendo conta num papelzinho, que têm dificuldade para se relacionar, para abraçar, até para falar com mulher”, diz Maurutto.

Saltzberg, o consultor da série, comentou para a Folha esse fenômeno da onipresença de sheldons nas turmas de físicos pelo mundo.

“Todo mundo diz conhecer um Sheldon, mas ninguém diz ser um. A matemática não bate”, brinca. “Mas talvez surpreenda que aqui na minha universidade, a UCLA, eu tenho visto muitas jovens mulheres totalmente apaixonadas pelo Sheldon.”

FÍSICO NÃO É COITADO

Os físicos apontam, ainda, mais fatores que agradam nessas séries.

“Os nerds em “The Big Bang Theory”, por exemplo, são arrogantes o suficiente para estarem por cima. É diferente de Friends, em que o cientista, o paleontólogo Ross, era um coitado… embora ele tenha ficado com a Jennifer Aniston”, diz Kinouchi. “E acho que os físicos gostam também porque (quase) todos estamos procurando nossa Penny, não?”, brinca, em referência à atraente garçonete loira que é personagem da série e acaba se envolvendo com o físico que mora com Sheldon.

Alguns cientistas, porém, até gostam da série, mas fazem algumas ressalvas sobre a criação de estereótipos.

Um deles é o colunista da Folha e professor do Dartmouth College (EUA) Marcelo Gleiser, que acha que levar à televisão a imagem do cientista como um ser com dificuldades para se ajustar socialmente pode acabar ridicularizando a carreira.

A maioria dos cientistas ouvidos pela Folha, porém, discorda. “Estereótipo é parte da comédia. É ele que provê todo o pilar da piada. Eu não levo seu uso tão a ferro e fogo assim”, diz Daniel Doro Ferrante, físico brasileiro da Syracuse University (EUA).

Saltzberg segue essa linha. “Os físicos de “The Big Bang Theory” mostram uma profunda paixão pelo que eles fazem, a mesma paixão que os melhores cientistas têm.”

Divulgação

THE BIG BANG THEORY
Sinopse: Dois físicos, Sheldon e Leonard, dividem um apartamento. Eles são vizinhos de Penny, uma garçonete que não sabe nada de ciência, mas têm habilidades sociais bem maiores do que eles. A dupla tem dois amigos nerds, Howard e o indiano Raj, que não consegue falar com mulheres. Estreou em 2007, nos EUA. No Brasil, é transmitido pela Warner Channel

Divulgação

HOUSE
Sinopse: Gregory House é um médico mal humorado que faz os diagnósticos mais difíceis de um hospital dos EUA. Médicos reais, porém, lembram que “House”, apesar de dar uma boa ideia de como funciona um hopital, tem uma boa quantidade de “licenças poéticas”. Estreou em 2004 nos EUA. No Brasil é transmitido pela Universal Channel e pela Record

Divulgação

CSI
Sinopse: É uma das séries mais tradicionais com temática científica. Ela gira em torno das investigações realizadas por cientistas forenses nos EUA, que desvendam crimes e mortes em circunstâncias misteriosas. Estreou em 2000 nos EUA. No Brasil é transmitido pelo canal AXN e pela Record

Divulgação

THE MENTALIST
Sinopse: Patrick Jane vive na Califórnia e ajuda a agência de investigações local a resolver crimes. Para isso, usa e abusa da observação e do raciocínio lógico. Antes de ter esse trabalho, ele ganhava a vida como médium, mas não acreditava ter nenhum poder especial –tinha consciência que era uma fraude. Estreou em 2008 nos EUA. No Brasil, é transmitido pela Warner Channel e pelo SBT.

Divulgação

NUMB3RS
Sinopse: Charlie Eppes ajuda seu irmão Don Eppes, que é agente do FBI, a resolver crimes. Charlie é um gênio de matemática e, com seu brilhantismo, sempre encontra uma forma de solucionar o caso utilizando seu conhecimento. Estreou em 2005 nos EUA e deixou de ser produzido em maio de 2010. No Brasil, é transmitido pelo canal A&E

Phygg.com

the physics arXiv blog

Introducing Phygg.com
Posted: 10 Oct 2010 09:10 PM PDT
What do you get if you cross the Physics arXiv with the social networking site Digg.com?
Over the weekend, I received this email from Christine Corbett Moran, a theoretical physicist at the University of Zurich:
“I’m a big fan of http://www.technologyreview.com/blog/arxiv/ (I’m doing a PhD in astrophysics) and wanted to have a minute-by-minute best-of-the-arXiv site, so I built phygg.com on top of the open source CMS platform pligg. The content is identical to arXiv with a twist: voting papers up and down is enabled, and when a paper gets enough votes it moves from the upcoming section to the front page a la digg.com.
I was wondering if you would consider writing about it as I’m trying to build the user base so that it’s even more informative and useful. Currently only the sections relevant to my astrophysics work (astro-ph and gr-qc) are uploaded as thusfar I’ve only been reaching out to my own research group and collaborators but if a few people who have reach to a wider audience of physicists publicize the site I’m willing to expand to the entire physics arXiv.
“Done!
Ref: Phygg.com