Home // Posts tagged "New Age"

Espírito Natalino: Doe para o [email protected]

Alguns teóricos da conspiração acham que Jesus era um ET e a estrela de Belém era um UFO. Já outros conspiracionistas creem firmemente que Jesus nunca existiu. OK, também tem aqueles que acham que Jesus era filho de Maria com um soldado romano. E, por que não, ele poderia ser um viajante do tempo também! Bom, eu sei que você tem que escolher entre alguma das teorias (e dizer por que a sua é melhor que a do vizinho), mas em todo caso, com espírito Natalino, doe para o…

SETI@home
 

 


Winter 2012
Dear OsameKinouchi:In 2012, Americans spent more than $6 billion on political campaigns. (That’s 15,000 times the annual [email protected] budget). And during the presidential campaign, none of the candidates mentioned [email protected] even once.

That’s OK. We understand that SETI isn’t a federal priority, and that no flood of federal dollars will be headed our way. But we hope that we’re still one of your priorities. [email protected] and the rest of the Berkeley SETI projects depend on your donations in order to keep going.

If you’ve already donated this fall, we thank you. If you haven’t, or if you liked the process so much you’d do it again, please consider making a donation by going to this link:

http://setiathome.berkeley.edu/sah_donate.php

We promise we won’t spend it on commercials.

– Eric Korpela, [email protected] Project Scientist

 

 

 

 

 

 


The University of California is a nonprofit educational and research organization governed by the provisions of Section 501(c)(3) of the Internal Revenue Code. Donations are tax deductible for residents of the United States and Canada.

Amit Goswami realmente existe!

Em minha palestra Ciência e Religião: Quatro Perspectivas, dada no IEA-RP, chamei de pseudocientífica toda crença que  afirma que possui evidências científicas a seu favor quando esse não é exatamente o caso. O melhor que uma opinião filosófica, ideológica ou religiosa deve afirmar é que ela é “compatível com” e não “derivada do” conhecimento científico. Essa também é a posição de Freeman Dyson.

Durante a palestra, fiz uma crítica a Amit Goswami que se revelou mais tarde bastante errada, e devo aqui registrar um “erramos” ou mea culpa.  Pelo fato de que Goswami não tem uma página na Wikipedia inglesa (mas apenas na Portuguesa) e devido a ter feito uma busca na Web of Science que não revelou nenhum artigo de física desse autor, fiz a inferência apressada de que talvez Amit Goswami fosse um pseudônimo de uma personagem menor (assim como Acharya S. é o pseudônimo de Dorothy M. Murdock, a propagadora da teoria da conspiração do Cristo Mítico).

Creio que os editores da Wikipedia foram demasiado rigorosos com Goswami. Afinal, embora ele seja um físico não notável, com índice de Hirsch igual a sete, ele pelo menos tem um PhD e é autor de um livro-texto sério de Física Quântica.  Sua migração para a New Age, seguindo os passos de Fritjof Capra, longe de ser um demérito, pode refletir grande inteligência social e financeira (ironia aqui!).  Assim, se deletaram Goswami da Wikipedia, deveriam deletar Acharya S. também, por coerência!

Wikipedia:Articles for deletion/Amit Goswami

From Wikipedia, the free encyclopedia
The following discussion is an archived debate of the proposed deletion of the article below. Please do not modify it. Subsequent comments should be made on the appropriate discussion page (such as the article’s talk page or in a deletion review). No further edits should be made to this page.

The result was delete. Guillaume2303’s research indicates that the early “keep” opinions likely apply to another, more notable person of the same name, which means that they are not taken into consideration here. The “keep” opinions by Jleibowitz101 and 159.245.32.2 are also not taken into account as they are not based on our inclusion rules and practices.  Sandstein  06:25, 11 April 2012 (UTC)

Amit Goswami

Amit Goswami (edit|talk|history|links|watch|logs) – (View log)
(Find sources: “Amit Goswami” – news · books · scholar · JSTOR · free images)

I’m just not convinced this article really demonstrates notability. He played a small role in a couple films, he wrote books outside his field for very minor publishers, and… er, that’s about it. I’m just not buying it, and the lack of good WP:RS – this has major primary sourcing issues – is another mark against it. Perhaps something can be salvaged, but I’m not convinced the case has been made. ETA: Guillaume2303’s point (below) that there are multiple people of this name, and this article appears to be on the much less notable one is rather significant. 86.** IP (talk) 21:07, 3 April 2012 (UTC) Read more [+]

Historiadores da Ciência rejeitam a tese de conflito entre Ciência e Religião

Mais material para o meu livro sobre Ateísmo 3.0

Conflict thesis

From Wikipedia, the free encyclopedia
For a socio-historical theory with a similar name, see Conflict theory.

Conflict: Galileo before the Holy Office, byJoseph-Nicolas Robert-Fleury, a 19th century depiction of the Galileo Affair, religion suppressing heliocentric science.

The conflict thesis is the proposition that there is an intrinsic intellectual conflict between religion and science and that the relationship between religion and science inevitably leads to public hostility. The thesis, refined beyond its most simplistic original forms, remains generally popular. However, historians of science no longer support it.[1][2][3][4]

Contents

Read more [+]

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

Ação e reação na manutenção de crenças

How facts backfire

Researchers discover a surprising threat to democracy: our brains

By Joe Keohane July 11, 2010

It’s one of the great assumptions underlying modern democracy that an informed citizenry is preferable to an uninformed one. “Whenever the people are well-informed, they can be trusted with their own government,” Thomas Jefferson wrote in 1789. This notion, carried down through the years, underlies everything from humble political pamphlets to presidential debates to the very notion of a free press. Mankind may be crooked timber, as Kant put it, uniquely susceptible to ignorance and misinformation, but it’s an article of faith that knowledge is the best remedy. If people are furnished with the facts, they will be clearer thinkers and better citizens. If they are ignorant, facts will enlighten them. If they are mistaken, facts will set them straight.

In the end, truth will out. Won’t it? Maybe not. Recently, a few political scientists have begun to discover a human tendency deeply discouraging to anyone with faith in the power of information. It’s this: Facts don’t necessarily have the power to change our minds. In fact, quite the opposite. In a series of studies in 2005 and 2006, researchers at the University of Michigan found that when misinformed people, particularly political partisans, were exposed to corrected facts in news stories, they rarely changed their minds. In fact, they often became even more strongly set in their beliefs. Facts, they found, were not curing misinformation. Like an underpowered antibiotic, facts could actually make misinformation even stronger. This bodes ill for a democracy, because most voters — the people making decisions about how the country runs — aren’t blank slates. They already have beliefs, and a set of facts lodged in their minds.

The problem is that sometimes the things they think they know are objectively, provably false. And in the presence of the correct information, such people react very, very differently than the merely uninformed. Instead of changing their minds to reflect the correct information, they can entrench themselves even deeper. “The general idea is that it’s absolutely threatening to admit you’re wrong,” says political scientist Brendan Nyhan, the lead researcher on the Michigan study. The phenomenon — known as “backfire” — is “a natural defense mechanism to avoid that cognitive dissonance.”

These findings open a long-running argument about the political ignorance of American citizens to broader questions about the interplay between the nature of human intelligence and our democratic ideals. Most of us like to believe that our opinions have been formed over time by careful, rational consideration of facts and ideas, and that the decisions based on those opinions, therefore, have the ring of soundness and intelligence. In reality, we often base our opinions on our beliefs, which can have an uneasy relationship with facts. And rather than facts driving beliefs, our beliefs can dictate the facts we chose to accept. They can cause us to twist facts so they fit better with our preconceived notions. Worst of all, they can lead us to uncritically accept bad information just because it reinforces our beliefs. This reinforcement makes us more confident we’re right, and even less likely to listen to any new information. And then we vote. Continua…

Para que servem os ateus?

 

Coelhos = religiosos, raposas = ateus?

Estou achando que preciso correr para escrever o meu livro intitulado “Deus e Acaso”, baseado em postagens deste blog. Alguns dos temas do livro já estão sendo discutidos em papers recentes, parece que existe um interesse cada vez maior sobre o assunto. Ver por exemplo o artigo abaixo, que foi um target article em um número inteiro dedicado a discussões desse tipo na revista Religion, Brain & Behavior.

What are atheists for? Hypotheses on the functions of non-belief in the evolution of religion

DOI: 10.1080/2153599X.2012.667948

Dominic Johnsona*
pages 48-70

Version of record first published: 27 Apr 2012

Abstract

An explosion of recent research suggests that religious beliefs and behaviors are universal, arise from deep-seated cognitive mechanisms, and were favored by natural selection over human evolutionary history. However, if a propensity towards religious beliefs is a fundamental characteristic of human brains (as both by-product theorists and adaptationists agree), and/or an important ingredient of Darwinian fitness (as adaptationists argue), then how do we explain the existence and prevalence of atheists – even among ancient and traditional societies? The null hypothesis is that – like other psychological traits – due to natural variation among individuals in genetics, physiology, and cognition, there will always be a range of strengths of religious beliefs. Atheists may therefore simply represent one end of a natural distribution of belief. However, an evolutionary approach to religion raises some more interesting adaptivehypotheses for atheism, which I explore here. Key among them are: (1) frequency dependence may mean that atheism as a “strategy” is selected for (along with selection for the “strategy” of belief), as long as atheists do not become too numerous; (2) ecological variation may mean that atheism outperforms belief in certain settings or at certain times, maintaining a mix in the overall population; (3) the presence of atheists may reinforce or temper religious beliefs and behaviors in the face of skepticism, boosting religious commitment, credibility, or practicality in the group as a whole; and (4) the presence of atheists may catalyze the functional advantages of religion, analogous to the way that loners or non-participants can enhance the evolution of cooperation. Just as evolutionary theorists ask what religious beliefs are “for” in terms of functional benefits for Darwinian fitness, an evolutionary approach suggests we should also at least consider what atheists might be for.

Na USP, a Psicologia da Religião estuda agora o Ateísmo

Mais material para o livro sobre @teismo = estudo científico origens do ateísmo

Laboratório do IP analisa religiosidade e ateísmo do ponto de vista psicológico

Publicado em ComportamentoUSP Online Destaque por Diego Rodrigues em 22 de agosto de 2012   

Dinâmica psicológica de indivíduos religiosos e ateus é foco de estudos no IP Foto: Wikimedia

Como entender os fenômenos religiosos? Qual a ação da religião na psique das pessoas? Estudos do Instituto de Psicologia (IP) da USP buscam responder questões como essas, utilizando as abordagens da psicologia. Desde 2000, por iniciativa do professor Geraldo José de Paiva, o Laboratório de Psicologia Social da Religião concentra essas pesquisas.

O grupo é formado por 12 pessoas, todos doutores e doutorandos. Não apenas da USP. Instituições de ensino como a PUC e o Mackenzie trabalham em pareceria para desenvolver  pesquisas concretas sobre o fenômeno religioso. Alguns dos colaboradores do Laboratório têm ainda formação diversa,  como pós-graduação em Ciência da Religião, e em Semiótica, que é o estudo dos sistemas de significação.

Ateus

A mais recente pesquisa do Laboratório analisa diferenças entre religiosos e ateus. Os pontos estudados dizem respeito aos processos de enfrentamento das dificuldades, o bem-estar psicológico e fatores de personalidade. O grupo busca verificar se o enfrentamento dos problemas é influenciado pela opção religiosa; se há correlações entre fatores de personalidade e as opções religiosas feitas por cada indivíduo; e se o bem-estar é afetado por estas opções. Read more [+]

Sobre a validação de blogs científicos

Quais são os critérios usados para selecionar os blogs do ABC?

Por Osame Kinouchi

Por definição, a blogosfera científica é uma comunidade, e o objetivo do portal não é “patrulhar” a mesma, mas sim dar um acesso aos leitores, de forma concentrada em listas de links, para blogs científicos, quer sejam populares quer sejam pouco conhecidos. Entretanto,  é claro que a questão da qualidade dos blogs permanece pois ser incluído no portal implica pelo menos um aval do Laboratório de Divulgação Científica e Cientometria (LDCC-FFCLRP-USP).

Por outro lado, como poderíamos definir se um blog é científico, se não é possível definir ou demarcar (rigorosamente) o que é Ciência? Read more [+]

O Integralismo é Pós-Moderno e New Age?


Acho que estou cometendo uma falácia, mas é uma falácia divertida:

Achei na Wikipedia:

As idéias integralistas

O Integralismo defende, na linha do pensamento tradicionalista, que cada nação necessita de um sistema político adequado a própria história, cultura, religião e pensamento. Dá prioridade à preservação da cultura local, da tradição, dos costumes e ao desenvolvimento das zonas rurais, como forma de vencer o cosmopolitismo e o monoculturalismo. O Integralismo é contrário ao modernismo filosófico e prático, que entende como massificador e uniformizador.

Atualmente a F.I.B. “Frente Integralista Brasileira” representa o integralismo no Brasil, segundo afirmam os seus membros, defendem “o combate ao materialismo oriundo, tanto do capitalismo, assim como do comunismo, além da necessidade de uma reforma espiritual do homem brasileiro“.[19]

Sobre o gnosticismo feminista

Um ótimo artigo sobre O Código Da Vinci, traduzido por Kentaro Mori no Sedentário e Hiperativo.


por Robert Sheaffer

Um extrato:

Um Matriarcado Cristão Antigo provado nos Textos de Nag Hammadi? De acordo com Brown, antes de Constantino e seus capangas reescreverem a Bíblia para torná-la patriarcal, “Jesus era o feminista original” (248). O Cristianismo adorava o “sagrado feminino” da “deusa perdida”, baseado no princípio supostamente antigo do “Cálice e da Lâmina” (237–8). Na verdade, O Cálice e a Lâmina é o título de um livro de 1987 da feminista Riane Eisler promovendo alegações especulativas de que a antiga Creta era supostamente “não-patriarcal”. E Eisler fundamentou sua tese, em grande parte, nas interpretações da falecida arqueóloga Marija Gimbutas, que no início de sua carreira construiu uma excelente reputação profissional, mas depois vagou por interpretações feministas extremas de “deusas” em desenhos e ícones antigos que foram rejeitadas quase universalmente pelos seus colegas. Na introdução para seu livro, Eisler explica o simbolismo de “gênero-holístico” do “Cálice e Lâmina”, o qual ela inventou junto com Gimbutas.[15] Assim não há nenhum modo pelo qual qualquer sociedade secreta antiga poderia ter usado o simbolismo do “cálice e lâmina”, porque esse simbolismo não existia antes de 1987.

Vários livros populares convenceram muitos de que a descoberta dos textos de Nag Hammadi provam a existência de uma versão com orientação mais feminista do Cristianismo Gnóstico antigo. O mais proeminente deles é Os Evangelhos Gnósticosde Elaine Pagels, uma estudiosa que de fato trabalhou no Projeto Nag Hammadi.[16] O livro de Pagels não é um trabalho explicitamente feminista, e contém muita informação valiosa sobre os textos de Nag Hammadi. Ela sugere que Maria Madalena foi inserida em alguns textos gnósticos como uma “figura” literária para ilustrar o conflito entre aqueles que queriam ampliar o papel das mulheres dentro da igreja contra aqueles que queriam restringi-lo, uma sugestão que faz muito sentido. Ela adverte a respeito de tomar estes evangelhos posteriores como tendo muito conteúdo histórico: “Os antagonistas em ambos os lados recorreram à técnica polêmica de escrever literatura que supostamente derivava de tempos apostólicos, professando fornecer as visões originais dos apóstolos sobre os assuntos”. Em outras palavras, muitos dos textos não-canônicos cristãos, gnósticos ou não, foram escritos por zelotes religiosos para demonstrar que “os apóstolos concordavam comigo”.

Muitos feministas citams Os Evangelhos Gnóstico para apoiar as alegações de que os gnósticos eram antigos feministas, uma reivindicação que em verdade não é embasada pelo texto do livro. Pagels escreve que “os gnósticos não eram unânimes em afirmar as mulheres—nem os ortodoxos eram unânimes em denegri-las. Certos textos gnósticos inegavelmente falam do feminino em termos de desprezo”. Porém, ela sim sugere que, no saldo final, as mulheres estavam um pouco melhor na Igreja Gnóstica do que na ortodoxa. Depois, escrevendo em outros meios populares, Pagels adotou uma forte posição feminista, alegando que o feminismo gnóstico teria sido “suprimido”.

Quão “feministas” os gnósticos realmente eram é difícil de concluir com certeza, e a conclusão de cada um dependerá de quais textos escolhe para se concentrar em e quais resolve ignorar. Em vários trabalhos gnósticos, Deus o Pai é elogiado e celebrado como “muito másculo”,[17] o que dificilmente agradará a feministas. No Diálogo Gnóstico do Salvador, Jesus dirige seus discípulos para “Rezar no lugar aonde não há nenhuma mulher” e urge que “os trabalhos da feminilidade” sejam destruídos.[18] A Sofia [Sabedoria] Gnóstica de Jesus Cristo diz “Estes são todos perfeitos e bons. Por estes o defeito foi revelado na fêmea”.[19] E o mais claro de todos, no Evangelho Gnóstico de Tomás, Simão Pedro diz, “Permita que Maria nos deixe, já que mulheres não são merecedoras da Vida”. Jesus responde, “Eu mesmo a guiarei para torná-la masculina, de forma que ela também possa se tornar um espírito vivo que se assemelhe a vocês homens. Uma vez que toda mulher que se torne masculina entrará para o Reino dos Céus”.[20] É óbvio que qualquer interpretação do movimento gnóstico como proto-feminista requer uma leitura extremamente seletiva de seus textos.

Os historiadores profissionais e arqueólogos rejeitam quase universalmente reivindicações feministas de culturas antigas feministas/adoradoras de deusas no mediterrâneo ou em outros lugares. (Veja Goddess Unmasked de Philip G. Davis para uma excelente avaliação da pouca fundação acadêmica na qual estudiosos feministas construíram tais alegações).[21] Todas as sociedades humanas conhecidas, no passado e no presente, são “patriarcais” no sentido em que a liderança formal tanto na sociedade como em casa é predominantemente associada ao homem. As aulas de “Estudos sobre o Feminino” alegam haver muitas exceções, mas essas não sobrevivem a um escrutínio crítico.[22] Isto não significa que nenhuma líder exista, nem nega que as mulheres tenham freqüentemente poder informal enorme não considerado por medidas formais.

**********

Do artigo A Perturbadora Persistência do Determinismo Social (2001):

Minha intenção, aqui, é mostrar como uma tomada de posição dogmática pró `causas determinantes sociais’, principalmente quando relacionada aos transtornos psiquiátricos, pode ser muito perigosa neste tipo de debate `científico’ ideologicamente polarizado. Tentarei enfatizar que, se idéias científicas são construídas socialmente, muito mais longamente construído é o caminho que vai de uma hipótese científica particular até suas possíveis consequências políticas e ideológicas.

Assim, se idéias científicas não possuem consequências ideológicas diretas e inevitáveis, se tais `consequências’ são na verdade construídas socialmente (pela mídia, pelos intelectuais, políticos e cientistas), então parece ser mais promissor não só denunciar as motivações ideológicas dessas contruções mas também explorar leituras e implicações alternativas das mesmas idéias. É preciso evitar a armadilha de se ancorar posições éticas ou políticas na sobrevivência ou derrota de hipóteses científicas particulares.

Talvez um exemplo em forma de caricatura torne mais claro o que foi dito. Imaginemos que existisse uma esquerda acadêmica durante a Renascença e que esta, consciente de seus deveres de `vigilância’ (patrulhamento?) da ciência a fim de denunciar suas consequências políticas perniciosas, acabasse por concluir que a nova física de Galileu e as idéias heliocêntricas Copernicanas representassem uma ideologia burguesa de dominação. Isto poderia ser fartamente documentado, seja pelo financiamento à ciência feito pela burguesia mercantil dos Medici, seja pelo uso dessa nova física na produção de armamentos (telescópios militares, análise balística etc.).

Poderia até acontecer que uma seita de freiras feministas denunciasse o profundo significado machista do Heliocentrismo. Antes, o centro do Universo era a Grande Mãe Terra, princípio feminino; agora, propunha-se a visão patriarcal de um Sol-macho central em torno do qual orbitariam os planetas-fêmeas (Vênus, Terra-Gaia), machos jovens (Marte, Júpiter etc.) e filhotes-satélites. O Heliocentrismo também poderia ser criticado por apresentar um certo ranço aristocrático: uma de suas consequências será `legitimar’, séculos mais tarde, regimes autoritários como o do Rei-Sol Luis XIV…

Além disso, já que tanto o Geocentrismo quanto o Heliocentrismo constituem hipóteses necessariamente falíveis e transitórias (afinal, hoje sabemos que o Sol não é o centro do Universo) e uma vez que os epistemólogos já `demostraram’ (sic) que as hipóteses científicas nada mais são do que receitas de cálculo que não refletem necessariamente uma realidade exterior independente do observador humano (conforme a epistemologia do Cardeal Belarmino), fica claro que a atitude `realista’ e `intolerante’ de Galileu só poderia ter origem em uma ideologia reacionária sexista. Tudo muito interessante.

E no entanto, a Terra se move…

O ponto é que tais `consequências’ machistas, ideológicas etc. não decorrem diretamente do fato da Terra girar em torno de si e do Sol (em primeira aproximação), mas são construídas e elaboradas (consciente ou inconscientemente) pelas pessoas que as defenderam ou rejeitaram nesta situação imaginária. Implicações alternativas, em que se encarasse o Heliocentrismo como lbertário e o Geocentrismo como pensamento reacionário, oderiam ser (e historicamente foram) desenvolvidas. ssim, se nossos companheiros da `esquerda renascentista’ acoplassem
seu projeto ético-político à defesa intransigente do Geocentrismo, isto seria não apenas um enorme equívoco estratégico mas também levaria a um triste e progressivo abandono de sua honestidade intelectual. Não adianta se negar a olhar pelo telescópio! A atitude de permitir-se o auto-engano desde que seja por uma boa causa traz péssimos frutos
a médio prazo.

Nota de Rodapé: No caso do debate sobre a influência genética sobre a personalidade, talvez um dos novos telescópios seja a possibilidade de clonagem humana, que de uma hora para outra tornou altamente testáveis as afirmativas sociodeterministas, irritando profundamente tanto os ambientalistas comportamentais quanto os … reencarnacionistas! Reconhecer este fato não implica em nenhum endosso ético desse tipo de clonagem.

Por que 21 de dezembro de 2012?

A data 21 de dezembro de 1954 lhe diz alguma coisa? Bom, isso aconteceu há 55 anos atrás…

When Prophecy Fails

From Wikipedia, the free encyclopedia

When Prophecy Fails
1964 When Prophecy Fails Festinger.jpg
Book cover, 1964 edition.
Author Leon Festinger, Henry Riecken, Stanley Schachter
Country United States
Language English
Subject(s) Psychology
Genre(s) Non-fiction
Publisher Harper-Torchbooks
Publication date January 1, 1956
Media type Hardcover
Pages 253
ISBN ISBN 0061311324
OCLC Number 217969

When Prophecy Fails is a 1956 classic book in social psychology by Leon Festinger, Henry Riecken, and Stanley Schachter about a UFO cult that believes the end of the world is at hand.

Contents

[hide]

[edit]

Cognitive dissonance

Festinger’s theory of cognitive dissonance can account for the psychological consequences of disconfirmed expectations. One of the first published cases of dissonance was reported in the book,When Prophecy Fails (Festinger et al. 1956). Festinger and his associates read an interesting item in their local newspaper headlined “Prophecy from planet Clarion call to city: flee that flood.” A housewife from Michigan, given the name “Marian Keech” in the book, had mysteriously been given messages in her house in the form of “automatic writing” from alien beings on the planet Clarion. These messages revealed that the world would end in a great flood before dawn on December 21, 1954. Mrs Keech had previously been involved with L. Ron Hubbard‘s Dianetics movement, and her cult incorporated ideas from what was to become Scientology.[1] The group of believers, headed by Keech, had taken strong behavioral steps to indicate their degree of commitment to the belief. They had left jobs, college, and spouses, and had given away money and possessions to prepare for their departure on the flying saucer, which was to rescue the group of true believers.

[edit]

Premise of study

Festinger and his colleagues saw this as a case that would lead to the arousal of dissonance when the prophecy failed. Altering the belief would be difficult, as Keech and her group were committed at considerable expense to maintain it. Another option would be to enlist social support for their belief. As Festinger wrote, “If more and more people can be persuaded that the system of belief is correct, then clearly it must after all be correct.” In this case, if Keech could add consonant elements by converting others to the basic premise, then the magnitude of her dissonance following disconfirmation would be reduced. Festinger and his colleagues predicted that the inevitable disconfirmation would be followed by an enthusiastic effort at proselytizing to seek social support and lessen the pain of disconfirmation.

[edit]

Sequence of events

Festinger and his colleagues infiltrated Mrs. Keech’s group and reported the following sequence of events:[2]

  • Prior to December 20. The group shuns publicity. Interviews are given only grudgingly. Access to Keech’s house is only provided to those who can convince the group that they are true believers. The group evolves a belief system—provided by the automatic writing from the planet Clarion—to explain the details of the cataclysm, the reason for its occurrence, and the manner in which the group would be saved from the disaster.
  • December 20. The group expects a visitor from outer space to call upon them at midnight and to escort them to a waiting spacecraft. As instructed, the group goes to great lengths to remove all metallic items from their persons. As midnight approaches, zippers, bra straps, and other objects are discarded. The group waits.
  • 12:05 A.M., December 21. No visitor. Someone in the group notices that another clock in the room shows 11:55. The group agrees that it is not yet midnight.
  • 12:10 A.M. The second clock strikes midnight. Still no visitor. The group sits in stunned silence. The cataclysm itself is no more than seven hours away.
  • 4:00 A.M. The group has been sitting in stunned silence. A few attempts at finding explanations have failed. Keech begins to cry.
  • 4:45 A.M. Another message by automatic writing is sent to Keech. It states, in effect, that the God of Earth has decided to spare the planet from destruction. The cataclysm has been called off: “The little group, sitting all night long, had spread so much light that God had saved the world from destruction.”
  • Afternoon, December 21. Newspapers are called; interviews are sought. In a reversal of its previous distaste for publicity, the group begins an urgent campaign to spread its message to as broad an audience as possible.

[edit]

Conditions

Festinger stated that five conditions must be present, if someone is to become a more fervent believer after a failure or disconfirmation:

  • A belief must be held with deep conviction and it must have some relevance to action, that is, to what the believer does or how he behaves.
  • The person holding the belief must have committed himself to it; that is, for the sake of his belief, he must have taken some important action that is difficult to undo. In general, the more important such actions are, and the more difficult they are to undo, the greater is the individual’s commitment to the belief.
  • The belief must be sufficiently specific and sufficiently concerned with the real world so that events may unequivocally refute the belief.
  • Such undeniable disconfirmatory evidence must occur and must be recognized by the individual holding the belief.
  • The individual believer must have social support. It is unlikely that one isolated believer could withstand the kind of disconfirming evidence that has been specified. If, however, the believer is a member of a group of convinced persons who can support one another, the belief may be maintained and the believers may attempt to proselyte or persuade nonmembers that the belief is correct.

Minhas previsões para 2012

Continuando com o meu debate com o Gene Repórter, defendo agora uma relação mais tranquila (eu diria oportunista) com os milhões de sites dedicados a 2012 e filmes derivados tipo “2012‘. Explicarei melhor a seguir.
Se você analisar bem, esse tipo de clima apocalíptico, paranóico, conspiratório, é um grande fenômeno cultural de massa e que não vem de hoje. Provavelmente é um reflexo psicológico das ameaças ecológicas e econômicas que pairam sobre nosso modo de vida – os atentados de 2001 e a crise econômica de 2008 foram apocalípticos para muita gente. Imagino que seja parecido com o clima cultural pós I Guerra, na década de 20 de uma Alemanha hiperinflacionária (e deu no que deu…). Esse clima me lembra também os anos 1844-1848, com expectativas tanto revolucionárias como apocaliptico-religiosas.
Talvez tudo se resuma ao fato de que a humanidade seja um grande meio excitável e que, de tempos em tempos, ondas de excitação político-religiosa contagiosa se propagam nesse meio, pois as pessoas perderam a imunidade memética da onda anterior. Outra analogia poderia ser uma espécie de bolha sociopsicológicas similar às bolhas econômicas (que também têm seu lado sociopsicológico!). Eu acredito que a conexão político-revolucionária e religiosa se dê porque ambos são aspectos do pensamento utópico. Eu até chutaria um período médio de 30 anos (uma geração cultural?) para esse tipo de ciclo de Lotka-Volterra estocástico similar aos ciclos Romantismo-Realismo examinados por Stephen Brush no curioso livro “A Temperatura da História“.
Ou seja, os educadores e cientistas podem espernear a vontade, e devem fazer a sua parte para esclarecer o público (ver abaixo), mas o clima apocalíptico de 2012 só vai realmente desaparecer em 2013, digamos assim.
Mas isso é uma grande oportunidade, afinal de contas! Assim como 1844 foi o Ano da Grande Desapontamento dos Milleristas, 2012 será o Ano da Grande Decepção da Nova Era. O ano de 2013 é o estouro dessa bolha sociopsicológica. É claro que o pessoal já está preparando explicações via dissonância cognitiva para explicar por que a grande mudança terá acontecido apenas espiritualmente, mas tudo bem. O efeito pós-bolha de 2012 ainda continuará sendo ótimo para uma crítica (e auto-crítica) desse nosso desejo irracional e talvez egoísta de que o mundo acabe antes que nossa vida termine…
Enquanto isso, eu me contento pragmaticamente com a difusão (mesmo que deturpada) de vocabulário e conceitos científicos como “neutrinos“, “ciclo de atividade solar“, “tempestades solares” e “placas tectônicas” promovidos pelo filme (embora não exista conexão entre tempestades solares e emissão de neutrinos…). Sim, o filme podia ser melhor, tanto em roteiro (por que não explorar melhor os dilemas éticos no enfrentamento de uma extinção coletiva?) como cientificamente. Mas ainda acho que, por um simples efeito estatístico, o número de preconceitos formados é contrabalançado pelo fato de que existem agora muito mais pessoas que podem se interessar em ler sobre esses temas se baterem o olho em alguma manchete de jornalismo científico ou reportagem da Scientific American…

Cientistas criticam proposta de “2012” e indicam cenários de fim do mundo

(Assinalo em vermelho o vocabulário científico difundido)

Filme

O burburinho em torno do fim dos dias atingiu o auge com o lançamento do filme “2012”, dirigido por Roland Emmerich, que já trouxe desgraças fictícias para a Terra anteriormente, com alienígenas e geleiras, em “Independence Day” e “O Dia Depois de Amanhã”.

No filme, o alinhamento entre o Sol e o centro da galáxia, no dia 21 de dezembro de 2012, faz com que o astro fique ensandecido e lance na superfície da Terra inúmeras partículas subatômicas ambíguas conhecidas como neutrinos.

De alguma forma, os neutrinos se transformam em outras partículas [imagino que isso foi vagamente inspirado pelo fenômeno de oscilação entre diferentes tipos de neutrinos] e aquecem o centro da Terra. A crosta terrestre perde suas amarras e começa a se enfraquecer e deslizar por aí.

Los Angeles cai no oceano; Yellowstone explode, causando uma chuva de cinzas no continente. Ondas gigantes varrem o Himalaia, onde governos do planeta tinham construído em segredo uma frota de arcas, nas quais 400 mil pessoas selecionadas poderiam se abrigar das águas.

Porém, essa é apenas uma versão do apocalipse. Em outras variações, um planeta chamado Nibiru colide com o nosso ou o campo magnético da Terra enlouquece.

Existem centenas de livros dedicados a 2012, e milhões de sites, dependendo de que combinação de “2012” e “fim do mundo” você digite no Google.

“Tolices”

Segundo astrônomos, tudo isso é besteira.

“Grande parte do que se alega que irá ocorrer em 2012 está baseada em desejos, grandes tolices pseudocientíficas, ignorância de astronomia e um alto nível de paranoia”, afirmou Ed Krupp, diretor do Griffith Observatory, em Los Angeles, e especialista em astronomia antiga, em um artigo publicado na edição de novembro da revista “Sky & Telescope”.

Pessoalmente, adoro histórias sobre o fim do mundo desde que comecei a consumir ficção científica, quando era uma criança. Fazer o público se borrar nas calças é o grande lance, desde que Orson Welles transmitiu a “Guerra dos Mundos”, uma notícia falsa sobre uma invasão de marcianos em Nova Jersey, em 1938.

No entanto, essa tendência tem ido longe demais, disse David Morrison, astrônomo do Ames Research Center da NASA, em Moffett Field, Califórnia. Ele é autor do vídeo no YouTube refutando a catástrofe e um dos principais pontos de contato da agência sobre a questão das profecias maias prevendo o fim dos dias.

“Fico com raiva de ver como as pessoas estão sendo manipuladas e aterrorizadas para alguém ganhar dinheiro”, disse Morrison. “Não há direito ético que permita assustar crianças para ganhar dinheiro”.



Ciência e Religião 2.0

Ontem apresentei a versão bastante mudada da palestra “Ciência e Religião”, curso de difusão cultural aqui no DFM-FFCLRP-USP. A versão 2.0 em PDF pode ser encontrada aqui.

Está ficando cada vez mais claro que um grande problema para a Divulgação Científica, especialmente no caso dos blogs opinativos, é como se situar dentro da polarização ideológica entre neo-teístas (por exemplo os cientistas ganhadores do prêmio Templeton) e neo-ateístas (Dawkins, Dennet, Harris etc).

Uma coisa curiosa que noto é que a grande maioria dos novos teístas são físicos enquanto que a maioria dos novos ateístas são biólogos. Para provocar meus amigos biólogos, menciono uma frase de John D. Barrow em um debate com Richard Dawkins: “Richard, o problema com você é que você não é um cientista. Você é um biólogo.”

Eu tenho uma solução provisória que seria a de os jornalistas de ciência e blogueiros terem uma abordagem crítica e informativa, com maior profundidade histórica e filosófica, desmitificando argumentos dos dois campos.

Por exemplo, quando criticamos a Teoria da Terra Jovem (literalismo bíblico), acho que uma melhor idéia não é apenas apresentar as evidências que a contradizem (isso seria o nível básico da informação científica) mas também mostrar que a Teoria é irrefutável pois equivale à Teoria da Matrix = este mundo é uma ilusão criada por um Deus tecnológico, uma grande simulação que poderia ter se iniciado não apenas há 6.000 anos atrás, mas sim há 6 dias atrás… Este tipo de teoria meio solipsista é irrefutável e portanto não científica a priori.

Do mesmo modo, o mito de que cientistas teriam sido mortos ou torturados pela Inquisição precisa ser desmitificado. É um mito inventado pelos iluministas do século XVIII como propaganda mas não possui a menor base histórica. Por exemplo, Giordano Bruno não era um cientista, nem exatamente um livre-pensador, mas sim um mago renascentista que via no Heliocentrismo o sinal de uma Nova Era onde o culto ao deus Sol egípcio Aton iria derrubar o cristianismo. Foi condenado por suas opiniões teológicas (que configuravam opiniões político-ideológicas) e não exatamente por suas opiniões científicas.

Outro exemplo é o caso Galileu, ver aqui, que os historiadores modernos consideram uma anomalia nas relações Igreja e Ciência (porque na época a Igreja patrocinava fortemente as pesquisas científicas e as artes em geral). Galileu era bastante sarcástico e acabou granjeando muitos inimigos dentro e fora da Igreja, mesmo entre universitários seculares. Alguns desses inimigos formam um complô para prejudicá-lo, e o meio para isso na época é denunciá-lo por heresia.

Deve-se lembrar que o Tribunal da Inquisição só tinha autoridade sobre católicos confessos (como era o caso de Galileu) e a discussão sobre o Heliocentrismo no caso Galileu era se ele tinha o direito de ensiná-lo como teoria comprovada ou como teoria especulativa. O cardeal Belarmino tinha uma visão instrumentalista da ciência (como a maior parte dos cientistas hoje) onde uma teoria científica é um modelo da realidade, mas não uma visão com acesso direto à realidade. Já Galileu era um realista convicto, pré-Kantiano.

Galileu afirmava que o Heliocentrismo estava comprovado (mas naquele momento realmente ainda não estava, pois não havia eliminado explicações e teorias alternativas). Sua versão do Heliocentrismo era empiricamente deficiente: órbitas circulares em vez de Keplerianas, que produziam previsões empíricas piores do que o sistema Ptolomaico. E a falta de efeitos de paralaxe nas estrelas (uma previsão do Heliocentrismo) parecia constituir uma forte evidência contra o modelo.

A natureza dos fenômenos astronômicos observados pelo telescópio também não era clara, pois ele não tinha uma teoria de como o telescópio funcionava (tópico bastante discutido por Thomas Kuhn): ou seja, para os céticos da época (o pessoal das universidades) o telescópio seria como uma máquina Kirlian cujas fotos “provariam” a existência da aura (o que não é o caso…). Também os céticos hoje não ficam perdendo seu tempo com máquinas Kirlian. A presença de efeitos de distorção cromática não ajudava muito seu caso: como distinguir os fenômenos reais das ilusões de ótica?

Uma coisa que aprendi esses dias foi que, na verdade, o principal fator que impediu a aceitação do Heliocentrismo foi a reputação de Ticho Brahe como astrônomo e sua defesa do seu modelo híbrido geocêntrico. Foi Ticho que também chamou a atenção da falta de paralaxe estelar como argumento contra o Helicentrismo. Esse fator, pelo que conheço do meio universitário, parece bastante plausível…

O esclarecimento de certos mitos e inverdades históricas seria um tema interessante para a Divulgação Científica. Lembro como achei um absurdo Marcelo Gleiser afirmar em seu primeiro livro que o Aristotelismo dominou o Ocidente por mil anos, dado que Aristóteles só foi redescoberto no Ocidente através da tradução dos trabalhos do filósofo árabe Averroes no século XIII.

E assim vai… Que tal este desafio, amigos blogueiros? Em nossos posts, nunca mostrasmos um conhecimento de história da ciência inferior ao que pode ser encontrado facilmente na Wikipedia? Acho que esse é o nível mínimo que podemos estabelecer para nós mesmos…

Ciência e Religião

Me pediram para colocar um link para o powerpoint da palestra Ciência e Religião. Ela pode ser encontrada aqui na STOA.
A palestra será reapresentada no dia 22 de abril (semana que vem) na sala 23 do Departamento de Física e Matemática da FFCLRP-USP. Faz parte curso de difusão cultural “Diálogos sobre o Pensamento e Prática Científica”.

O primeiro genocídio patrocinado pela Nova Era?

Isto é um extrato do livro BAD SCIENCE por Ben Goldacre

Publicado por Harper Perennial 2009.

Você tem a liberdade de copiar, colar, cozinhar, reimprimir, ler em voz alta, contanto que não modifique o conteúdo – inclusive esta parte – de forma que as pessoas saibam onde podem encontrar mais idéias de graça emhttp://www.badscience.net/

Sanção Penal Apropriada


Tendo em vista a escala e a gravidade do crime de Achmat e sua responsabilidade criminal direta pelas “mortes de milhares de pessoas”, para usar suas próprias palavras, respeitosamente propomos à Corte Criminal Internacional que deve ser imposta ao réu a pior sentença prevista no Artigo 77.1 (b) do
Estatuto de Roma, especificamente, o confinamento permanente em uma pequena jaula de concreto e aço, pintada de branco, com uma brilhante luz fluorescente ligada permanentemente para mantê-lo sob vigilância, com seus carcereiros pondo-o a trabalhar todos os dias na prisão para cultivar verduras ricas em nutrientes, inclusive quando estiver chovendo. Para que ele pague seu débito com a sociedade, que lhe sejam administradas diariamente as drogas ARV que ele alega tomar, sob supervisão médica, na totalidade da dosagem prescrita, pela manhã, tarde e noite, sem interrupção, para impedí-lo de fingir que está seguindo o tratamento, enfiadas, caso necessário, por sua goela abaixo com os dedos, ou, se ele morder, chutar e gritar demais, injetadas em seu braço, depois que ele tenha sido amarrado em uma padiola pelos tornozelos, pulsos e pescoço, até que ele entregue sua alma, de forma a erradicar este veneno, o mais desprezível, inescrupuloso e malevolente que já infestou e envenenou o povo da África do Sul, em sua maioria negros, em sua maioria pobres, por quase uma década atualmente, desde que sua TAC entrou em cena.
Assinado na Cidade do Cabo, África do Sul, em 1 de janeiro de 2007
a) Anthony Brink

Este documento foi descrito pela Fundação Rath como “inteiramente válido e já devido há muito tempo”.

Esta história não é sobre Matthias Rath, ou Anthony Brink, ou Zackie Achmat, ou mesmo sobre a África do Sul. Ela é sobre a noção cultural sobre como as idéias funcionam e como ela pode deixar de funcionar. Doutores criticam outros doutores, acadêmicos criticam acadêmicos, políticos criticam políticos: isso é normal e saudável, é como as idéias melhoram. Matthias Rath é um terapeuta alternativo, feito na Europa. Ele é semelhante em cada pedacinho aos operadores britânicos que vimos neste livro. Ele pertence ao mundo deles.

Apesar dos extremos deste caso, nem um único terapeuta ou nutricionista alternativo, em qualquer parte do mundo, se levantou para criticar um único aspecto das atividades de Matthias Rath e seus colegas. Na verdade, longe disso: ele continua sendo festejado até hoje. Eu fiquei perplexo em ver figuras eminentes no movimento de terapia alternativa no Reino Unido aplaudirem Matthias Rath em uma conferência pública (eu tenho ela em vídeo, só para o caso de alguém duvidar). Organizações de saúde natural continuam defendendo Rath. A propaganda dos homeopatas continua a promover o trabalho dele. A Associação Britânica de Terapeutas Nutricionais tem sido convidada por blogueiros a comentar, mas declina. A maior parte, quando interpelada, responde evasivamente: “Oh!… Eu não sei realmente muito sobre isso”. Nenhuma pessoa dá um passo à frente e discorda.

O movimento pela terapia alternativa, como um todo, se demonstrou ser tão perigosamente, sistematicamente incapaz de auto-crítica que não consegue fazer frente nem a um caso como o de Rath: nesta conta eu incluo dezenas de milhares de praticantes, escritores, administradores e outros. É assim que as idéias vão de mal a pior. Na conclusão deste livro, eu argumento que os piores perigos colocados pelo material abordado são de natureza cultural e intelectual.
Eu posso estar errado.

/.

Por favor divulguem

Este trabalho está licenciado sob uma Creative Commons Attribution-Non-Commercial-No Derivative Works License descrita aqui. Você é livre para copiar ele quando quiser, contanto que mantenha sua integridade e, por favor, aponte de volta aqui para badscience.net para que, quem gostar, saiba onde encontrar mais de graça.

O texto todo em português está no Chi Vó Non Pó, aqui.

A ciência é o melhor caminho para o conhecimento?

Uma primeira resposta para Luciana, do SERPSICO.

Sim, a ciência é o melhor caminho para o conhecimento científico. Para outros tipos de conhecimento (por exemplo, como viver melhor), nós temos a literatura, a poesia, a filosofia, os conselhos da vovó, o aprendizado através de seus erros, os provérbios de sabedoria etc.

E, mesmo sendo cético, você também pode aproveitar (alguns) livros de auto-ajuda, espiritualidade e religião. Basta lembrar que o bom senso e os insights sobre a vida humana estão em todo lugar, não precisam de teste duplo cego para estarem corretos (precisam disso apenas quando queremos transformá-los em conhecimento científico).

Agora, o problema surge quando se afirma que “a ciência prova que X é verdade”, seja X o emaranhamento das conciências humanas, a homeopatia ou a teoria da reencarnação. Sorry, essas coisas não passaram pelos testes científicos, não, e você estará cometendo inverdades se espalhar isso para as pessoas. Você pode acreditar nisso e, se quiser afirmar que são verdades científicas, deve pesquisar duro para obter evidências científicas a favor mas… jogando o jogo da ciência, em vez de trapacear intelectualmente, como se faz, por exemplo, nos filmes “Quem somos nós?”

Embora o esoterismo de direita tenha inspirado os nazistas, continua sendo fato de que uma mentira, mesmo repetida mil vezes (por antiquíssimos livros que sejam) até pode se tornar “verdade social “mas não “verdade científica”. Pose-se enganar alguns por muito tempo, e muitos por pouco tempo, mas não todos por todo tempo.

Porque o treinamento básico do cientista é detetar erros, seus próprios e dos outros. Mais cedo ou mais tarde, os (as) cientistas vão separar o joio do trigo no conhecimento científico. O princípio espiritual do cientista é evitar a todo custo o auto-engano e o engano dos outros, a menos que ele queira usar o efeito placebo em si próprio (o que pode ser bom às vezes…).

Exemplo de conhecimento não-científico válido:


Vida

“Não coma a vida com garfo e faca. Lambuze-se!

Muita gente guarda a vida para o futuro.

É por isso que tantas pessoas se sentem emboloradas na meia-idade.

Elas guardam a vida, não se entregam ao amor, ao trabalho, não ousam, não

vão em frente.

Não deixe sua vida ficar muito séria, saboreie tudo o que conseguir:

as derrotas e as vitórias, a força do amanhecer e a poesia do anoitecer.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz

você precisa aprender a gostar de si, a cuidar de si e,

principalmente, a gostar de quem também gosta de você”.

Mário Quintana

Ciência da Fé

O Portal G1 mantém uma seção-blog interessante chamada Ciência da Fé, onde discute-se novas descobertas científicas que vêm questionar a visão tradicional de diversas religiões, em particular as religiões bíblicas. Conselho: antes de ler os comentários dos posts, tome um Engov a fim de aguentar o baixo nível intelectual dos leitores, tanto religiosos como arreligiosos.
Estou pensando em entrar de forma mais profissional nesse debate dos neo-ateístas (liberais) contra os evangélicos neocons (direita)  e neo pentecostais (neoliberais). Um debate curioso dado que tanto os neo-ateus como evangélicos brasileiros são fanáticos do mercado — e o mercado é o sistema econômico mais favorável à liberdade e proliferação religiosa, pois afinal as igrejas neopentecostais são regidas como empresas (as igrejas tradicionais são mais parecidas com ONGs). Mas alguém aí é contra empresas e empreendedorismo?
Já os ateus socialistas, que combatiam a religião usando legislação de Estado, parece que desapareceram de vista. E os católicos e evangélicos de esquerda, que não são poucos, infelizmente são ignorados e desprezados por todos… Bom, na verdade, eles ficaram abalados pelo fracasso do Sandinismo na Nicarágua, pela queda do Muro e pelo movimento carismático na década de 80, e foram finalmente massacrados pelo papa neocon e os neoliberais avivados nos últimos 15 anos…
Mas em vez de ficar colocando aqui achismos e preconceitos, vou fazer um estudo de primeira mão tentando entender as razões do sucesso de mercado das diversas igrejas. Acho que não dá mais pra ficar falando generalidades, é preciso saber o público que atendem, que necessidades satisfazem, e porque as religiões tradicionais, seja a Católica, sejam os protestantes históricos, os evangélicos e mesmo pentecostais tradicionais, e mesmo o Espiritismo Kardecista e os cultos afro-brasileiros não conseguem dar conta do recado. Até mesmo a New Age anda meio desunida e capenga!
Uma coisa que me impressionou muito ocorreu esta semana, quando entrei com minha namorada em uma loja New Age – esotérica e descobrimos que na verdade a dona era evangélica neopentecostal e o marido anglicano. Ela nos contou que embora tenha enfrentado críticas na Igreja, continua a manter a loja do mesmo jeito porque encara isso como seu ministério pessoal, ou seja, acha que as pessoas que vão comprar incenso, talismãs, cristais, decoração indiana etc, são pessoas psicologicamente necessitadas que podem ser aconselhadas e evangelizadas por ela. 
Quando ela falou isso, eu pensei duas coisas:
1. Meu Deus, os memes neopentecostais são tão mutáveis como o HIV.
2. Coitado do movimento New Age… está sendo invadido sem saber.
Um exemplo de notícia do Portal G1:
Crença no arrebatamento é colagem de textos bíblicos, dizem especialistas.
“Em caso de Arrebatamento, este veículo ficará desgovernado.” Adesivos com esses dizeres podem ser vistos nos carros de evangélicos do mundo inteiro, inclusive no Brasil. A ideia é que, no fim dos tempos, os cristãos realmente fervorosos serão arrebatados (daí o nome) de corpo e alma para o céu, enquanto uma série de catástrofes naturais e políticas afetarão a Terra durante sete anos. Ao fim desse período, Jesus voltará como conquistador ao nosso planeta, derrotando o Anticristo numa grande batalha em Israel. Esse cenário épico é inspirado em várias passagens da Bíblia — mas é preciso forçar consideravelmente a interpretação do texto sagrado para chegar a ele, de acordo com especialistas.

Em essência, a crença no Arrebatamento é uma colagem de trechos do Novo e do Antigo Testamento, cada um deles com perspectivas diferentes sobre o futuro da humanidade e o retorno glorioso de Jesus Cristo à Terra. “É uma tentativa de criar um mapa dos eventos futuros com base, por exemplo, no Apocalipse, no capítulo 13 do Evangelho de Marcos e na Primeira Carta de Paulo aos Tessalonicenses”, diz Paulo Augusto Nogueira, professor da pós-graduação em ciências da religião da Universidade Metodista de São Paulo.

 

De acordo com o americano Thomas Sheehan, estudioso do cristianismo primitivo e professor da Universidade Stanford, a ideia do Arrebatamento é relativamente recente. “Ela foi criada pela primeira vez no começo do século XIX, graças ao trabalho do pregador evangélico John Nelson Darby, e foi se tornando cada vez mais codificada ao longo do século XX, até chegarmos aos cenários detalhados que cristãos conservadores de hoje defendem”, diz Sheehan. As chamadas igrejas cristãs históricas, como a Igreja Católica, a Igreja Anglicana e as várias igrejas luteranas, não adotam as mesmas crenças. 

Da magia à tecnologia da seducão

(Post sem cedilhas, blogando da casa do Sidarta Ribeiro em Natal, no notebook, conserto depois.)

Em nossa visão Romântica (com R maiúsculo, ou seja, do Romantismo filosófico anti-modernista), sortilégios e simpatias do amor são permitidas (lembra o filme Da Magia à Seducão com Sandra Bullok e Nicole Kidman?). Mas, como já disse alguem (quem mesmo?), tecnologia é apenas “magia que nao depende de sugestao ou efeito placebo”.
Mas suportariamos que tal tipo de “magia eficaz” realmente afetasse nossa vida romântica (com r minúsculo)? Até que ponto? Já pensou alguém dissolvendo escondido pílula de oxiocina ou vasopressina no seu café da manhã (afirmativa não sexista, acho que um monte de homens fariam isso se estivessem com a pulga atrás da orelha)? Algo para pensar…
Médico cogita remédio para acelerar ou interromper relações amorosas. 
Capacidade de criar vínculos, diz ele, está ligada a hormônios e neurônios.

A ciência tem hoje uma série de pistas que ajudam a explicar por que umas pessoas só querem encontros casuais e outras se apaixonam com facilidade impressionante. Não é exatamente por causa da beleza, do charme ou da simpatia — pelo menos, não é só por causa disso.

 

Veja o site do Fantástico 

O nome do cupido que atua com mais intensidade sobre as mulheres é oxitocina. Sobre os homens, vasopressina. São hormônios produzidos naturalmente pelo nosso corpo, mas que reagem de maneira diferente em cada pessoa. 

Pesquisas indicam que a capacidade que temos de criar vínculos amorosos está relacionada à localização dos neurônios que recebem oxitocina e vasopressina em nossos cérebros. Se há uma concentração maior desses receptores na chamada área de recompensa – responsável pelo prazer e pelo vício – fica muito mais fácil se apaixonar. Mas se eles estão em outras áreas do cérebro, esqueça. 

A pesquisa comandada pelo doutor Larry Young, na Universidade de Emory, no estado americano da Georgia, acompanhou o comportamento de roedores e concluiu que as fêmeas que recebem injeções de oxitocina ficam muito mais apaixonadas. Larry Young diz que roedores que antes não estavam nem aí pros parceiros passaram a manter “relacionamentos duradouros”, logo depois da injeção. 

O pesquisador diz que a paixão tem a ver com genética, hormônios e também com a experiência de vida de cada um. Mas, se já inventaram as pílulas da potência sexual, as novas descobertas científicas sugerem que em breve poderemos ter também a pílula do amor. “É muito possível desenvolver drogas para acelerar o envolvimento com outras pessoas ou mesmo facilitar a procura por um amor.” 

Imagine só. As coisas esfriam e você quer dar um gás no relacionamento. Então, dá um pulo na farmácia e toma uma dose de oxitocina: tudo resolvido. Ou o contrário: o cara morre de amores por alguém que já tem compromisso, quer desistir mas não consegue. “Antivasopressina, por favor”. Algumas doses, e — que alívio — a paixão acaba.

 

Usuários

Viver um grande amor é um sonho que nos acompanha desde os primórdios da humanidade. Amores inspiraram sinfonias, poemas e inúmeras obras de arte. Mas o amor em excesso pode ser como andar perdido por uma floresta: já levou muita gente à loucura, foi motivo de guerras no passado. Não seria, então, arriscado atravessar a ponte que separa o amor natural daquele que poderia ser estimulado pela ciência? Quem ousaria tomar uma pílula do amor? 

Dois estudantes ouvidos pela reportagem são apenas amigos. Mas ela disse que não tomaria uma pílula do amor porque tem capacidade de sentir por conta própria. Já ele afirma que, se fosse pra melhorar os relacionamentos, “por que não”? 

Depois de 27 anos de casamento, um americano ouvido pela reportagem não tem dúvida: “é claro que eu tomaria uma pílula pra aumentar a dose de amor que tenho por alguém”, disse. 

E essa é exatamente uma das aplicações mais prováveis, segundo o doutor Young. “Um medicamento como esse poderia muito bem ser usado em terapia de casais”, prevê o cientista. “Você ingerindo um pouco de oxitocina poderia focar mais no parceiro e se relacionar melhor com ele.” 

Mas a pesquisa sobre a química do amor está só começando e Larry Young prefere não se arriscar num terreno tão ardiloso. Flores e jantares serão sempre a melhor maneira de se apaixonar.

Eu aposto R$ 10.000 reais que passaremos de 2012 e R$ 1.000 que Lula chega lá em 2014!

Não aposto mais de R$ 10.000 porque não tenho esse dinheiro… E você?

Seria Lula a besta do apocalipse?

Do Yahoo Respostas: Desde que lula entrou na presidência venho meio desconfiada dele, desde o início comentei com meu marido e minha irmã que lula poderia ser a besta do apocalipse, por que, se vc prestar atenção ele vem conquistando um grande espaço. o dólar caiu muito, quando ele pegou o Brasil estávamos no pior momento do desemprego. e dizem que já estão se preparando para acontecer um terceiro mandato. O banco do Brasil já está começando a fazer propaganda com mensagem”subliminar”. reparem quando verem o nº 3 que quer dizer o terceiro mandato. cheguei até comentar isso na minha igreja depois achei que estava sendo ridícula mas de um tempo pra cá venho ouvindo muitas coisas que me deixarão com a pulga atrás da orelha. PODERIA DIZER E ESCLARECER MUITAS COISAS MAS NO MOMENTO NÃO É POSSÍVEL. O que vc acha disso tudo?


“PROFECIAS QUE NÃO ACONTECERAM

Gilberto Schoereder

Por motivos que merecem uma análise profunda, profetas e outros visionários vêm falando sobre o fim dos tempos, que nunca chega. Alguns mudam datas previstas quando o evento não ocorre; outros simplesmente caem no ridículo e desaparecem.

Profecias vêm sendo feitas há milhares de anos, e sempre que uma data específica se aproxima elas são lembradas e novas profecias se multiplicam, como ocorreu na virada do milênio por exemplo. O final dos tempos, a destruição do mundo, a volta de Jesus – os temas são variados.

No entanto, quase nunca é lembrado que a maior parte das profecias não se cumpre. Aqui registramos algumas das mais famosas profecias não cumpridas ao longo dos séculos.

30/30
Uma interpretação literal do Novo Testamento levou algumas pessoas a entender que Jesus Cristo previra que o Reino de Deus iria chegar num período de tempo curto, na verdade durante a vida das pessoas que o escutavam. Em Mateus 16:28, por exemplo ele diz que o Filho do Homem chegaria durante o período de vida das pessoas que o ouviam. Em Mateus 24:34, ele repete que as coisas que está dizendo irão ocorrer naquela geração. Como a expectativa de vida na época era de pouco mais de 30 anos, Jesus teria predito sua segunda vinda ainda no século 1.

Seguindo o mesmo raciocínio, por volta do ano 60, Paulo de Tarso também profetizou que Jesus estaria para voltar.

90
São Clemente prevê que o fim do mundo pode ocorrer a qualquer momento.

365/ 375 a 400
Santo Hilário, também chamado Hilário, bispo de Poitiers (c. 300-367), anunciou que o mundo acabaria em 365. São Martin de Tours (c. 316-397), que estudou com Hilário, anunciou que o mundo acabaria antes do ano 400.

500
Hipólito de Roma (século 2), um antipapa (que não reconhecia o direito do papa eleito,e sim o seu), e o acadêmico cristão Sextus Julius Africanus (século 2) profetizaram o Armagedom para aquele ano. O pânico do fim do mundo iria acompanhar as chamadas datas redondas, ou cheias, como o ano 1000 e 2000.

1º de Janeiro de 1000
Na Europa, muitos cristãos profetizaram o fim do mundo nessa data e, quando mais próximo dela, exércitos cristãos entraram em guerra contra alguns dos países pagãos do norte da Europa, para convertê-los ao cristianismo à força antes que Cristo retornasse. Além disso, muitos cristãos doaram suas posses à Igreja.

1033
Tido como o milésimo aniversário da morte e ressurreição de Jesus, esperava-se sua segunda vinda.

1205
Gioacchino da Fiore (c. 1135-1202) previu, em 1190, que o Anticristo já estava no mundo e que o rei Ricardo I da Inglaterra iria derrotá-lo.

1284
O Papa Inocêncio III (1198-1216) chegou a essa data como o fim do mundo somando 666 anos à data de fundação do Islã.

1346 e anos seguintes
A Peste Negra, também chamada Morte Negra, devastou a Europa, vinda da Ásia. Calcula-se que até dois terços da população européia morreu, e no mundo todo, 75 milhões de pessoas, na maior pandemia da história humana. Esse evento foi considerado o prelúdio do fim imediato do planeta.

1496
Calculando a data de 1.500 anos após o nascimento de Cristo, alguns místicos profetizaram que o milênio iria começar nesse ano.

1524
Melchior Hoffman (c. 1495-1543), profeta anabatista e líder visionário do norte da Alemanha, disse que Jesus iria retornar em 1533 e que a Nova Jerusalém seria estabelecida na cidade de Estrasburgo, então parte da Alemanha.
1669
Os Velhos Crentes, na Rússia, acreditavam que o fim do mundo ocorreria nesse ano, e 20.000 deles queimaram a si mesmos entre 1669 e 1690, para se proteger do Anticristo. Os Velhos Crentes (staroveri, em russo) são vistos como os fundamentalistas cristãos ortodoxos russos.

1689
O Batista Benjamin Keach (c. 1640-1704) prediz o fim do mundo para esse ano.

1736
O Teólogo e matemático britânico William Whitson prevê um dilúvio semelhante ao de Noé, para o dia 13 de outubro daquele ano.

1792
Segundo alguns shakers, o mundo terminaria nesse ano. Shakers, na verdade, era um nome pejorativo para os protestantes da United Society of Belivers in Christ’s Second Appearing, devido à forma como se movimentavam em seus rituais, dançando, tremendo e sacudindo-se.

1830
A profetisa escocesa Margaret McDonald disse que o socialista galês Robert Owen seria o Anticristo. Ela fazia parte da congregação de Edward Irving e acreditava que todos os cristãos da Terra seriam arrebatados aos céus para juntar-se a Cristo.

21 de março de 1843 a 21 de março de 1844/ 18 de abril de 1844/ 22 de outubro de 1844
Segundo estudos que fez da Bíblia, William Miller (1782-1849), fundador do movimento Millerista, predisse que Jesus iria voltar no período entre março de 1843 e 1844. Como nada ocorreu naquela data, ele estendeu o prazo para abril do mesmo ano. A outra data passou e Miller confessou publicamente seu erro. Posteriormente, Samuel S. Snow apresentou outro estado e disse que a data seria 22 de outubro de 1844.

1850/ 1856
Ellen White (1827-1915), fundadora da Igreja Adventista do Sétimo Dia, fez várias profecias relacionadas ao fim do mundo. Acredita-se que sua primeira visão surgiu em 1844, logo após o Grande Desapontamento, o evento pelo qual ficou conhecido o fiasco das previsões de William Miller. Em junho de 1850, Ellen White previu que o mundo iria durar só mais alguns meses. Em 1856, após uma conferência da Igreja, em fez sua última profecia, dizendo que alguns dos que estavam presentes iriam ver a chegada de Jesus.
1891
Segundo profecia feita por Joseph Smith, fundador da Igreja Mórmon, em fevereiro de 1835, Jesus iria retornar dentro de 56 anos, ou seja, em fevereiro de 1891.

1914
As testemunhas de Jeová (Watchtower Bible and Tract Society) apontaram o ano de 1914 como o inícioda guerra do Armagedom, chegando à data após estudo do Livro de Daniel. Quando o ano terminou e o mundo continuou, apesar da guerra, 1914 passou a ser o ano em que Jesus invisivelmente começou seu reinado. Outras datas para o final dos tempos surgiram posteriormente: 1915, 1918, 1920, 1925, 1941, 1975 e 1994.

1919
O meteorologista Alberto Porta previu que uma conjunção de 6 planetas iria gerar uma corrente magnética que faria o Sol explodir, envolvendo a Terra, no dia 17 de dezembro. Falhou.

1936
Herbert W. Armstrong (1892-1986), fundador da Worldwide Chirch of God (Igreja Mundial de Deus), predisse que Jesus iria voltar em 1936. Depois, mudou a data para 1975.

1948
Durante o ano em que foi fundado o Estado de Israel, alguns cristãos acreditaram que esse acontecimento era o requisito que faltava para a volta de Jesus.

1953
No livro The Great Pyramid, Its Divine Message, o piramidologista David Davidson prevou que o fim do mundo ocorreria em 1953. Para chegar à data, realizou uma série de cálculos com as medidas das pirâmides.

Abril de 1957
Mais uma vez, a revista WatchTower citou um pastor, Mihran Ask, segundo o qual o mundo iria terminar entre 16 e 23 de abril de 1957.

1960
Charles Piazzi Smyth (1819-1900), astrônomo real da Escócia, foi o autor deo livro Our Inheritance in the Great Piramid (1864), e considerado como aquele que deu início à chamada ‘piramidologia’ em todo o mundo. Ele acreditava que segredos estavam escondidos nas pirâmides e, após muitas pesquisas, propôs datas para a segunda vinda de Cristo e o final dos tempos, datas que iam de 1882 a 1960.

1967
Durante a guerra dos seis dias o exército israelense tomou toda a cidade de Jerusalém e alguns cristãos entenderam que o arrebatamento logo ocorreria. O requisito final seria que os judeus realizassem um sacrifício de animal no Templo, o que, ao que se sabe, não ocorreu.
1970
David Brandt Berg (1919-1994), também conhecido como Moses David, fundador do grupo Meninos de Deus (The Children of God), previu que um cometa iria atingir a Terra, provavelmente em meados dos anos 1970, e destruir toda a vida nos Estados Unidos. Disse ainda que a segunda vinda de Cristo ocorreria em 1993. Nos anos 1970, Os Meninos de Deus atuaram bastante no Brasil, parando as pessoas na rua para propagar sua mensagem de paz e amor. Eram chatíssimos.

1978
Chuck Smith, pastor da Calvary Chapel, previu o arrebatamento para 1981.

1980
Leland Jensen, líder da Comunidade Mundial fé Baha’i, predisse que um desastre nuclear ocorreria nesse ano, o que poderia ser seguido por duas décadas de conflito, terminando com o estabelecimento do Reino de Deus na Terra.

1981
O reverendo Moon, da Igreja da Unificação, previu que o Reino dos Céus seria estabelecido nesse ano.

1982
O físico e escritor John Gribbin e o astrônomo Stephen Plagemann publicaram o livro Efeito Júpiter, em 1974. Nele, previam um alinhamento planetário para 1982 que iria provocar uma série de catástrofes como interrupções nas ondas de rádio, chuvas, distúrbios nas temperaturas, terremotos violentos, inclusive na falha de San Andréas, na Califórnia. O alinhamento realmente ocorreu, mas nada aconteceu.

1986
De novo Moses David, dos Meninos de Deus, previu que aBatalha do Armagedom iria ocorrer em 1986. A Rússia iria derrotar Israel e os Estados Unidos, estabelecendo uma ditadura comunista mundial. Em 1993, Cristo voltaria à Terra.

1987 a 2000
No livro I Predict 2000 AD, Lester Sumrall (1913-1996), fundador do lester Sumrall Evangelistic Association, previu que Jerusalém seria a cidade mais rica do planeta, que o Mercado Comum iria governar a Europa e que uma guerra nuclear iria ocorrer, envolvendo a Rússia e, talvez, os Estados Unidos.

1988
O escritor evangélico norte-americano Hal Lindsey previu, em seu livro The Late, Great Planet Earth, que o arrebatamento estava chegando em 1988 – uma geração ou 40 anos após a criação do estado de Israel.

A partir dos anos 1980 até hoje

Centenas, talvez milhares de previsões de pessoas ligadas aos mais diversos grupos religiosos e esotéricos fazem referência ao fim do mundo, catástrofes globais, a volta de Cristo, a chegada dos extraterrestres e sabe-se lá o que mais. “As datas freqüentemente vão sendo alteradas à medida que as previsões falham.” (Profecias e Profetas, Revista Sexto Sentido Especial, 2008, pág. 16-21).

O autor do apanhado de previsões disse: “nunca é lembrado que a maior parte das profecias não se cumpre”. Eu, agora, pergunto: se a maior parte das profecias não se cumpre, alguém sabe me informar sobre alguma que se cumpriu? Pelo menos até hoje, em todas as que dizem ter-se cumprido, não consegui ver nenhum cumprimento.

A mil chegarás, de dois mil não passarás!

Depois de ter sobrevivido aos cataclismas apocalípticos de 1982 (o grande alinhamento planetário) e 2000 (que chegou e passou), além do Big Brother de 1984 e todos os apocalípses da FC do século XX, toca agora esperar 2012. Leandro Tessler do blog Cultura Científica revela que os seguidores de José Arguëlles reconhecem que o tal calendário Maia não é Maia afinal de contas… Como é dito na página do movimento:

O Dr. José Argüelles e sua esposa Lloydine (hoje conhecidos mundialmente como Valum Votan e Bolon Ik), desenvolveram um trabalho exaustivo na investigação do erro que há no calendário que utilizamos, resultando na descoberta da “Lei do Tempo”. Foi através do entendimento da natureza do tempo que eles deram início ao Plano de Paz do Calendário de 13 luas. Eles concluiram que, através da compreensão do tempo natural, nós podemos retornar a uma existência que é espiritual na natureza. Eles preparam o caminho para um novo paradigma de amor e igualdade. Este calendário é o veículo que possibilita essa transformação e é inteiramente baseado em informações providas pelos Argüelles.

O princípio básico da Lei do Tempo é embasado na certeza de que “o tempo é a 4ª dimensão”. Este fato foi também descoberto por Einstein. Entretanto, ele não foi capaz de expandir essa assertiva.

A antiga cultura maia vivenciava o tempo tanto sob o aspecto físico quanto sob o aspecto espiritual. Sua compreensão do tempo ultrapassava qualquer entendimento que temos atualmente. Este calendário é baseado na percepção do tempo assimilada pelos Argüelles em razão de seus estudos sobre os antigos Maias. Cabe ressaltar, no entanto, que este não é o calendário maia. Nem tampouco constitui-se numa tentativa de reviver a cultura maia. De acordo com o Dr. Argüelles, este calendário constitui-se na “nova dispensação do tempo”. Portanto, trata-se de um calendário galáctico, para toda a humanidade, que serve para a sincronização dos seres humanos no tempo natural.

Meu Deus, depois dizem que os cientístas é que são arrogantes e megalomaníacos…