Home // Posts tagged "popular science" (Page 3)

Nerd Girls Blog

Achei este blog por puro acaso: Nerd Girls Blog. O Nerd Girls Movement foi tratado em uma reportagem na Newsweek:
Revenge of the Nerdette
As geeks become chic in all levels of society, an unlikely subset is starting to roar. Meet the Nerd Girls: they’re smart, they’re techie and they’re hot.
Um post do blog:

Chic Geek of the Week: Natalie Portman

Written by Amy Lynch on July 16, 2008

Starlets. They’re everywhere. On television, in magazines, splashed across the Internet, and constantly in our faces, the Hollywood It Girl is as ubiquitous as oxygen. We can’t seem to escape her, and some of us admittedly don’t want to. But to those of us who pride ourselves on our intelligence, aren’t some of these so-called role models rather… uninspiring?
Here at Nerd Girls, we like to give props to girls who say what they mean and mean what they say. And when they’re smart, isn’t what they say a whole lot more interesting? We think so too. That’s why we’ll be featuring a “Chic Geek of the Week” here on the pop culture section of our blog. Each week, we’ll highlight an intelligent force in the entertainment industry who’s making the world better with her brains. Why? Because smart is the new sexy.
First up, the holy grail of intelligent hotness. She sets the standard for smart young Hollywood. She’s a Harvard grad. She’s a vegetarian who speaks five languages. She’s given a counterterrorism lecture at Columbia University. And, oh yeah, she’s Queen Amidala too.

Although Natalie Portman made her screen debut at age 13 in The Professional, she refused to trade in her education for fame. A straight-A student throughout high school, her “Enzymatic Production of Hydrogen” paper was entered in the Intel Science Talent Search, and during her studies at Harvard, she served as a research assistant in a psych lab and, separately, as an assistant for respected legal and political pundit Alan Dershowitz. She also participated in a memory study entitled “Frontal Lobe Activation During Object Permanence.” She received her bachelor’s degree in psychology in 2003. Since then, she has taken an active role as the Ambassador of Hope for FINCA, a microfinance organization encouraging female entrepreneurialism in third world countries, all while pursuing her graduate studies and acting in feature films.
Why aren’t there any photos of her strolling down the red carpet at the American premiere of Star Wars: Episode I? Reportedly, she skipped out on the event to study for finals. Clearly, the girl who once told a reporter, “I’d rather be smart than a movie star” is decidedly both.

Rap do LHC

Uma das inovações em divulgação científica de 2008 certamente foi o Rap do LHC. Registro aqui a tradução enviada por João Carlos do Chi Vó, Non Pó.

Salve, Osame!



Você pediu… Claro que português não é língua para RAP, mas…



João Carlos, do Chi Vó, Non Pó.


Máquina do tempo

Parece que algum viajante esqueceu uma máquina do tempo (relógio) em um túmulo chinês. 

Do G1: Arqueólogos se mostraram surpresos após encontrarem um relógio suíço de cerca de 100 anos de idade em um túmulo que estava fechado há mais de 400 anos na China, segundo o jornal inglês “Daily Mail”.
Os arqueólogos acreditavam que eram os primeiros a visitar o túmulo da dinastia Ming, em Shangsi, na China. Mas, ao abrirem o túmulo, eles encontraram um relógio miniatura com um círculo escrito “Swiss”, objeto que acreditam ter um século de idade.

 

O misterioso relógio estava encravado no barro e na rocha e marcava 10h06. 
Segundo especialistas, relógios eram desconhecidos na dinastia Ming. Além disso, na época, a Suíça nem sequer existia como um país.

De acordo com a reportagem, os arqueólogos estavam fazendo um documentário com dois jornalistas quando fizeram a descoberta.

Bom, mas para especulações científicas sobre viagem no tempo, veja abaixo:

Averaged null energy condition in Loop Quantum Cosmology

(Submitted on 18 Dec 2008)

Wormhole and time machine are very interesting objects in general relativity. However, they need exotic matters which are impossible in classical level to support them. But if we introduce the quantum effects of gravity into the stress-energy tensor, these peculiar objects can be constructed self-consistently. Fortunately, loop quantum cosmology (LQC) has the potential to serve as a bridge connecting the classical theory and quantum gravity. Therefore it provides a simple way for the study of quantum effect in the semiclassical case. As is well known, loop quantum cosmology is very successful to deal with the behavior of early universe. In the early stage, if taken the quantum effect into consideration, inflation is natural because of the violation of every kind of local energy conditions. Similar to the inflationary universe, the violation of the averaged null energy condition is the necessary condition for the traversable wormholes. In this paper, we investigate the averaged null energy condition in LQC in the framework of effective Hamiltonian, and find out that LQC do violate the averaged null energy condition in the massless scalar field coupled model.

Comments: 5 pages
Subjects: General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc)
Cite as: arXiv:0812.3532v1 [gr-qc]

Física das religiões

Enviado pelo Alexandre Martinez. Talvez um dia eu aplique o modelo de evolução cultural da culinária para esse problema da evolução de religiões.

Statistical dynamics of religion evolutions

Authors: Marcel Ausloos, Filippo Petroni

(Submitted on 14 Dec 2008)

Abstract: A religion affiliation can be considered as a “degree of freedom” of an agent on the human genre network. A brief review is given on the state of the art in data analysis and modelization of religious “questions” in order to suggest and if possible initiate further research, … after using a “statistical physics filter”. We present a discussion of the evolution of 18 so called religions, as measured through their number of adherents between 1900 and 2000. Some emphasis is made on a few cases presenting a minimum or a maximum in the investigated time range, – thereby suggesting a competitive ingredient to be considered, beside the well accepted “at birth” attachement effect. The importance of the “external field” is still stressed through an Avrami late stage crystal growth-like parameter. The observed features and some intuitive interpretations point to opinion based models with vector, rather than scalar, like agents.

(Falsas) Memórias e rítmo: Bee Gees


Pesquisas recentes mostram que quando lembramos de alguma coisa, nossas memórias se tornam lábeis e depois se reconsolidam, eventualmente com elementos intrusos (falsas memórias etc). É por isso que não se deve confiar muito em testemunha ocular, seja de batida de automóvel seja de UFOs, e certamente, não quando submetido à hipnose (pois o efeito das sugestões e do contexto de crença fica maior), como no caso, de novo, de abduzidos, de terapia de vidas passadas e de abuso sexual. 

É interessante que estes três contextos envolvem forte reativação da amídala (amigdala), envolvida principalmente nos circuitos de medo e de sexo, e acho que aí está a explicação de porque extraterrestres fazem abuso sexual,  em vez das mirabolantes teorias conspiratórias sobre manipulação genética.

Dia desses assisti os Embalos de Sába à Noite no Cineclube Cauim, junto com Angélica. No meio do filme, ela me pergunta: “Mas… cadê a Olívia Newton John?”

Do Yahoo:

Um dos maiores sucessos do grupo Bee Gees, “Stayin’ Alive”, música tema do filme “Os Embalos de Sábado à Noite”, pode ajudar a salvar vidas, informou a rede britânica BBC.

De acordo com um estudo feito pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, a música auxilia os médicos na realização da ressuscitação cardiopulmonar (CPR), utilizada em pacientes com paradas cardiorespiratórias.

Parece estranho, mas não é. O número de batidas por minuto é essencial para a boa realização do procedimento. A canção do grupo britânico tem 103 batidas por minuto, e os médicos recomendam que CPR seja realizado com um ritmo de 100 batidas por minuto.

O estudo, feito com dez médicos e cinco estudantes de medicina da universidade americana, mostrou que com a ajuda de “Stayin’ Alive”, lançada em 1977, eles mantiveram as compressões em 109 BPM, mais rápido que o ideal, mas no limite aceitável. A música já tem sido usada pela Associação Americana do Coração para treinar médicos de emergência há dois anos.

Testando o intestável

Via The Physics ArXiv blog:

How to test the many worlds interpretation of quantum mechanics

Posted: 07 Oct 2008 12:59 AM CDT

mwi1.jpg The many worlds interpretation of quantum mechanics holds that before a measurement is made, identical copies of the observer exist in parallel universes and that all possible results of a measurement actually take place in these universes.

Until now there has been no way to distinguish between this and the Born interpretation. This holds that each outcome of a measurement has a specific probability and that, while an ensemble of measurements will match that distribution, there is no way to determine the outcome of specific measurement.

Now Frank Tipler, a physicist at Tulane University in New Orleans says he has hit upon a way in which these interpretations must produce different experimental results.

His idea is to measure how quickly individual photons hitting a screen build into a pattern. According to the many worlds interpretation, this pattern should build more quickly, says Tipler.

And he points out that an experiment to test this idea would be easy to perform. Simply send photons through a double slit, onto a screen and measure where each one hits. Once the experiment is over, a simple mathematical test of the data tells you how quickly the pattern formed.

This experiment is almost trivial so we should find out pretty quickly which interpretation of quantum mechanics Tipler’s test tells us is right.

Then it boils down to whether you believe his reasoning.

(And not everybody does. When Tipler published his book The Physics of Immortality one reviewer described it as ” a masterpiece of pseudoscience”.)

Let’s hope this paper is received a little more positively than his books.

Ref: arxiv.org/abs/0809.4422: Testing Many-Worlds Quantum Theory By Measuring Pattern Convergence Rates

Tribo perdida na Galáxia

Um paper um pouco antigo mais interessante, por Ken D. Olum:

Conflict between anthropic reasoning and observation

Authors: Ken D. Olum
(Submitted on 19 Mar 2003 (v1), last revised 4 Feb 2004 (this version, v2))
Abstract: Anthropic reasoning often begins with the premise that we should expect to find ourselves typical among all intelligent observers. However, in the infinite universe predicted by inflation, there are some civilizations which have spread across their galaxies and contain huge numbers of individuals. Unless the proportion of such large civilizations is unreasonably tiny, most observers belong to them. Thus anthropic reasoning predicts that we should find ourselves in such a large civilization, while in fact we do not. There must be an important flaw in our understanding of the structure of the universe and the range of development of civilizations, or in the process of anthropic reasoning.
Comments:
7 pages, RevTeX. v2: New “lost colony” section. Corresponds to published version
Subjects:
General Relativity and Quantum Cosmology (gr-qc);

Physics and Society (physics.soc-ph)
Journal reference: Analysis 64 (2004),1
Cite as: arXiv:gr-qc/0303070v2

Vaca se orienta pelo campo magnético da Terra, diz estudo

Logo alguém irá fazer um modelo de Ising para isso…
Foto: cálculos (biliares?) encontrados em vacas (bovis bezoar). Qual a relação entre cálculos e Cálculo? Veja aqui.

da Associated Press

Fazendeiros e pessoas atentas do interior sabem que a maioria do gado, quando pasta, volta-se para a mesma direção. Muitos se perguntam o que determina esse alinhamento. Agora, um estudo publicado no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences” parece responder, pelo menos em parte, a essa questão. Para pesquisadores alemães e tchecos, o campo magnético da Terra é um dos principais fatores determinantes.
Morry Gash/AP
Vacas, que normalmente ficam na direção norte-sul, pastam em Wisconsin, nos EUA
De acordo com os cientistas, que analisaram fotos de satélite de milhares de bovinos ao redor do mundo e também fizeram estudos de campo, parece que o gado sabe como encontrar o norte e o sul.
A maior parte dos animais observados que pastava ou descansava tendia a alinhar os seus corpos em uma direção norte-sul, afirmou o estudo, conduzido por Hynek Burda e Sabine Begall, da Faculdade de Biologia na Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha.
A constatação se mantém verdadeira independentemente do continente em que o rebanho se localize, segundo eles. “O campo magnético da Terra tem de ser considerado como um fator”, declararam.
O tema desafia os cientistas a descobrir por que e como estes animais alinham o corpo ao campo magnético, disse Begall.
“Naturalmente, a questão levanta se os seres humanos também apresentam um comportamento espontâneo”, afirmou. O estudo levou Tina Hinchley, que cuida com o marido de uma fazenda leiteira no Estado de Wisconsin, EUA, a ter um novo olhar para uma foto aérea tomada de sua fazenda há alguns anos atrás. “As vacas estavam espalhadas por todos os lados do pasto e cerca de dois terços estavam na direção norte-sul”, disse Hinchley.
Essa proporção é próxima da verificada pelos investigadores ao olhar para 8.510 bovinos em 308 pastagens. No estudo, entre 60% e 70% dos bovinos ficaram virados para a direção norte-sul, o que Begall chamou de “desvio altamente significativo de distribuição aleatória”.
Meteorologia
A equipe de pesquisa observou que, quando há ventania, o gado tende a enfrentar o vento, e também tende a procurar o sol em dias frios. Mas os cientistas disseram que foram capazes de descontar os efeitos meteorológicos no estudo, analisando pistas como a posição do sol baseada em sombras.
“Esta é uma descoberta surpreendente”, disse Kenneth J. Lohmann, do Departamento de Biologia da Universidade da Carolina do Norte. Lohmann, que não fez parte do estudo, advertiu, porém, que a pesquisa “é inteiramente baseada em correlações”.
“Para demonstrar conclusivamente que os bovinos têm um senso magnético, algum tipo de manipulação experimental será eventualmente necessária”, disse.

apostas

Um estudo realizado por cientistas americanos sugere que imagens sensuais podem afetar o comportamento dos homens nas decisões financeiras e fazer com que eles arrisquem mais dinheiro.
De acordo com o estudo da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, publicado na edição desta semana da revista científica NeuroReport, as imagens sensuais estimulam a atividade no núcleo accumbens- área do cérebro responsável pela sensação de prazer e recompensa.
A pesquisa indica que a estimulação desta área afeta as decisões financeiras tomadas pelos homens imediatamente após serem estimulados visualmente com as imagens sensuais e eróticas.
Estímulo
Para estabelecer os resultados, os cientistas submeteram um grupo de estudantes universitários heterossexuais a exames de ressonância magnética para verificar a atividade do cérebro quando eram expostos a três grupos de imagens, cada um correspondente a um tipo de estímulo visual.
O primeiro grupo, utilizado para criar estímulos positivos, continha imagens de mulheres sensuais e cenas eróticas, enquanto o grupo feito para criar estímulos negativos era composto por imagens de cobras e aranhas. Os cientistas incluíram também imagens como objetos de papelaria – como grampeadores, réguas, etc – relacionados a estímulos considerados “neutros”.
Como parte da pesquisa, logo após serem expostos a cada uma das imagens, os voluntários tinham que fazer uma aposta. O montante variava entre US$ 0,10 e US$ 10. Depois de comparar a quantia apostada por cada voluntário e a imagem que estimulou a aposta, os cientistas verificaram que o estímulo visual positivo influenciou os homens a fazerem apostas mais altas.
“A descoberta mais interessante, do ponto de vista econômico, é que estes estímulos positivos, apesar de não estarem relacionados diretamente com a aposta, influenciam o comportamento na hora de arriscar o dinheiro”, disse Brian Knutson, que liderou a pesquisa.
De acordo com o estudo, os resultados ajudam a esclarecer quais os apelos emocionais e visuais podem ser eficazes em diversas áreas como publicidade, política e nos jogos de sorte.
“Em um cassino, por exemplo, as pessoas usam roupas sensuais, há luzes, música, bebidas alcoólicas e outros estímulos que não estão necessariamente relacionados com as apostas. Mas estas são pistas que podem encorajar os riscos financeiros e fazer com que as pessoas gastem mais”, explicou Knutson.
O cientista ressaltou ainda que há muita pesquisa a ser feita para decifrar os efeitos do estímulo visual no comportamento. Segundo ele, o próximo passo do estudo será analisar o comportamento das mulheres quando estimuladas visualmente.

Deu na Folha também…

Mas só pra quem é assinante. Mas depois do embargo de algumas horas, Marcelo Leite colocou em seu blog do UOL, o Ciência em Dia. Observação: o paper foi submetido agora ao New Journal of Physics e, se não der, será submetido ao Evolution and Human Behavior, que anda publicando coisas sobre evolução e culinária (veja próximo post).

São Paulo, domingo, 23 de março de 2008

MARCELO LEITE – A evolução do ovo – A evolução culinária se parece com a dos genes

No cardápio do almoço de Páscoa que se avizinha, existe mais de uma chance entre dez de se encontrar ovo. Não só o de chocolate, certeza e delícia ainda maior, mas também o substancial produto do esforço da galinha. Pode estar na farofa, ou na massa da macarronada. Ou, mais provável, na sobremesa. Nem mesmo a mania nutricionalmente correta de excomungar tudo que tenha colesterol foi capaz de banir essa maravilha de uma enorme quantidade de receitas. Se você acha que isso nada tem a ver com ciência, enganou-se. Esta coluna não muda de assunto, ou o faz só raramente. E, assim como não resiste a chocolate, tampouco deixaria de deliciar-se com um artigo científico que começa assim: “Comida é uma parte essencial da civilização”.

O artigo “A Natureza de Não-Equilíbrio da Evolução Culinária” foi recusado pelo editor do periódico “Physical Review E”, que o considerou um estudo de antropologia cultural, não de física. Dois de seus autores, porém, são físicos (Osame Kinouchi e Antônio Carlos Roque, ambos da USP de Ribeirão Preto). O texto pode ser localizado na internet (arxiv.org/ftp/arxiv/papers/0802/0802.4393.pdf.) Durante um jantar, eles e Rosa Garcia, nutricionista da mesma universidade, debatiam um assunto matemático trivial -redes complexas. Entre uma garfada e outra, surgiu a hipótese de que ingredientes e receitas culinárias guardem entre si o tipo de conexão estatística que caracteriza essas redes. Para testar a hipótese, o trio não se dirigiu a um laboratório, a “cozinha repugnante” de que fala Bruno Latour, onde se refogam conceitos com ninharias. Foram buscar seus dados nos livros. Mais precisamente: três edições do clássico “Dona Benta” (dos anos 1946, 1969 e 2004), um “Larousse Gastronomique”, um “New Penguin Cookery Book” e até o medieval “Pleyn Delit”. O passo seguinte foi laborioso: anotar à mão 3.394 ingredientes mencionados em 7.702 receitas. Em seguida, eles foram classificados num ranking de freqüência (em quantas receitas eram listados) para cada livro. Já com a ajuda de um especialista em informática (Adriano Holanda) e de outro físico (Pedro Zambianchi), iniciaram a busca por equações que descrevessem as freqüências relativas.

Acabaram descobrindo curvas de distribuição, similares entre todas as obras, que obedeciam às chamadas leis de potência. Noves fora, concluíram que um ingrediente na posição r do ranking é 2,6 vezes (2 elevado a -1,4) mais freqüente que outro na posição 2r. Um exemplo: na edição de 2004 do “Dona Benta”, o ovo é o oitavo ingrediente mais comum, aparecendo em 412 receitas; já o caldo de limão, na 16ª posição (r=8; 2r=16), comparece em 186 delas. Bem, 412 dividido por 186 dá 2,2, e não os 2,6 da lei de potência encontrada. Para corrigir distorções como essa, os gourmets de Ribeirão enriqueceram a receita com uma pitada de “aptidão” (“fitness”) para cada ingrediente, um valor entre 0 e 1 que poderia representar muitas coisas a influenciar sua posição no ranking -como a facilidade de encontrá-lo na feira.

Kinouchi e equipe mostraram mais que uma curiosidade matemática: a evolução culinária se parece muito com a de genes. Observa-se, por exemplo, o dito “efeito fundador”. Um ingrediente comum nas primeiras receitas de um povo tende a permanecer em sua culinária por longo tempo, mesmo após intensa miscigenação. Assim como os brasileiros continuarão morenos por gerações a fio, vários de seus futuros quitutes também levarão ovos.
MARCELO LEITE é autor de “Promessas do Genoma” (Editora da Unesp, 2007) e de “Brasil, Paisagens Naturais – Espaço, Sociedade e Biodiversidade nos Grandes Biomas Brasileiros” (Editora Ática, 2007). Blog: Ciência em Dia ( www.cienciaemdia.zip.net ). E-mail: [email protected]

Food for Thought

Ainda sobre o paper noticiado na Nature News. Para quem ficou com preguiça de ir até o ArXiv Blog, reproduzo aqui o post com o comentário respondendo à crítica (ou dúvida) feita, que por sinal também nos foi feita por Mark Buchanan, autor de Ubiquity, um livro que eu recomendo para todos os meus orientados.

Food for thought

March 4th, 2008 by KFC

Food for thought

Evolution seems to crop up all over the place. In life, business, ideas. And now in recipes through the ages.

Yup, that’s recipes. For food. Osame Kinouchi from the Universidade de São Paulo in Brazil and buddies, have studied the way in which ingredients used in recipes vary around the world and through the ages. And they’ve found, they say, evidence of evolution.

The team studied the relationship betwen recipes and ingredients in four cookbooks: three editions of the Brazilian Dona Benta (1946, 1969 and 2004), the French Larousse Gastronomique, the British New Penguin Cookery Book, and the medieval Pleyn Delit.

They took the recipes from each book, counted the number of times each ingredient appeared in these recipes and ranked them according to frequency.

What’s remarkable is that the frequency-rank distribution they found is more or less the same for each cookbook. Kinouchi and co say this can be explained if recipes evolve in much the way that living organisms do–in a landscape in which some ingredients can be thought of as fitter than others, in which random mutations take place, and some ingredients die out while others prosper.

Very clever…unless they’ve missed something.

Perhaps it’s not ingredients that produce this distribution but words themselves. I’d be interested to see whether the results they get would be significantly diffierent were they to examine the frequency of adjectives or colours or numbers in these books rather than ingredients. If not, then recipes have nothing to do with the results they are presenting.

Of course, it’s possible that recipes have evolved in the way the group suggests. But the evidence they present here doesn’t look convicing to me.

Ref: arxiv.org/abs/0802.4393: The Nonequilibrium Nature of Culinary Evolution

One Response to “Food for thought”

  1. By Osame Kinouchi on Mar 14, 2008 Reply

    Hi, it is interesting that Mark Buchanan asked us with the same question this week. Here is our reply to him (and thanks for the comment about our work, anyway…):

    Dear Mark,

    We thank you for your interest in our paper and are available to give you any needed information for you to write your article.

    Answering your question, we are aware of the “ubiquity” of power laws (we have enjoyed very much reading your book). However, we think that our finding is not directly related with Zipf’s law as you seem to be suggesting.

    This is because there is a clear “physical” interpretation of f(r): it is the percentage of recipes where ingredient with rank r occurs, for example, thyme has rank 13 in the New Penguin Cookery Book not because it is a common word in English or in cookery books but because it is well used in the recipes of this particular book.

    We also would like to emphasize that we did not count how many times an ingredient name appears in a book but how many recipes use that ingredient.

    Of course, perhaps, there is a lexical Zipf’s law for ingredient names — as well as for adjectives, nouns, etc –, probably with a different exponent (the classic lexical exponent is about 1 and our exponent is about 1.4).

    We think that our law is not lexical but reflects the relative popularity of ingredients in each culture. As another example, the frequency of given names in the population probably follows a power law, which is not a Zipfian lexical law but reflects the copy-mutation mechanisms underlying name transmission within society.

    Best regards,
    Osame and Antonio

Cérebros culinários

OK, OK, o paper da culinária foi rejeitado, tentarei agora submetê-lo ao Physical Review E. Mas destaco abaixo esta notícia para os engraçadinhos que acham que culinária é um assunto de importância científica inferior (será isso um ranço sexista?)

Do blog Visões da Vida dr \reinaldo José Lopes, no G1:

Vida de macaco, pode acreditar, não é brincadeira. Ao pensar nos símios, a gente logo imagina os bichos descascando tranqüilamente uma banana e mastigando a guloseima. Acontece que, sem plantações gerenciadas por humanos por perto, os bichos são obrigados a deglutir coisas como esta ao lado.
Sim, ISSO aí em cima é uma BANANA. Ou ao menos uma banana em sua versão ancestral, antes que a invenção da agricultura a transformasse no acompanhamento perfeito para a farinha láctea. As outras frutas que os primatas precisam encarar na natureza não são muito melhores. Eis aqui as palavras do bioantropólogo americano Richard Wrangham, que não me deixa mentir. “As frutas típicas da dieta dos chimpanzés são muito desagradáveis, muito fibrosas, bastante amargas. O efeito geral delas é que você não vai querer comer mais de duas ou três antes de sair correndo para tomar um copão d’água e dizer: ‘Esse não foi um experimento agradável. Espero não ficar doente’. Contêm pouco açúcar, e algumas fazem seu estômago revirar”, declarou ele à revista “Scientific American”. O malfadado teste levou Wrangham, que trabalha na Universidade Harvard, a uma conclusão inescapável: nossa espécie precisou inventar a culinária para chegar aonde está hoje.
Para ser mais exato, argumenta o bioantropólogo, só o uso do fogo para tornar os alimentos palatáveis teria sido capaz de proporcionar aos nossos ancestrais remotos a comida de alta qualidade que alimentaria seus cérebros sedentos de energia. Cozinhar, segundo essa perspectiva inovadora, estaria longe de ser a cereja do bolo (com o perdão do trocadilho) da nossa humanidade. Pelo contrário: primeiro teríamos virado chefs para só depois darmos um salto de capacidade mental. Wrangham ainda não conseguiu provar sua hipótese, e algumas peças do quebra-cabeça traçado por ele não se encaixam (mais sobre isso daqui a alguns parágrafos). Mas a idéia de uma humanidade eminentemente culinária tem diversos pontos intrigantes a seu favor, como veremos a seguir.
Miolos famintos
Como já tive a ocasião de mencionar algumas vezes nesta coluna, nossos cérebros são órgãos sequiosos de energia. Uma comparação entre massas iguais de tecido cerebral e tecido muscular revela um consumo 22 vezes maior de energia no cérebro. O mais lógico é que essa mesma densidade de energia requerida pelo cérebro esteja presente na densidade de energia da comida que o alimenta.E aí começam os problemas. Quando a nossa massa encefálica não era muito maior que a de um chimpanzé (situação que perdurou até cerca de 2 milhões de anos atrás), não era tão limitante assim usar uma dieta relativamente pouco nutritiva. Há 1,7 milhão de anos, contudo, surge o ancestral humano conhecido como Homo erectus – uma criatura cujo cérebro tinha quase o triplo do tamanho do cérebro de um chimpanzé, e cujos dentes sofreram uma redução considerável se comparados aos dos hominídeos mais antigos. Algum fator importante permitiu que o cérebro do Homo erectus crescesse e seus dentes encolhessem. A pergunta é: qual?
Existe uma correlação bem conhecida entre o tamanho proporcional do cérebro de primatas e as dimensões de seus intestinos. Como o organismo nunca dispõe de recursos ilimitados, parece haver uma “escolha” (obviamente inconsciente) entre investimentos de energia. Ora, intestinos volumosos são, em geral, uma necessidade quando é preciso digerir alimentos relativamente pobres em proteínas. Quanto a isso, os dados recolhidos por Wrangham não mentem: até os mais vegetarianos entre os caçadores-coletores de hoje têm uma dieta com, no máximo, 10% de fibra não-digerível. Já os chimpanzés têm de enfrentar 32% de fibra não-digerível no seu cardápio, o qual se compõe basicamente de frutos (60%), folhas e uma pequena quantidade de carne crua.
Se um Homo erectus tivesse de alimentar seu cérebro descomunal (ao menos para padrões chimpanzescos) com a mesma dieta, teria de obter três quilos de comida por pessoa ao dia, além de gastar SEIS horas diárias mastigando tudo isso antes de engolir. Não é um estilo de vida muito viável, para dizer o mínimo.
A coisa muda radicalmente de figura se o dito hominídeo aprender a cozinhar, no entanto. Uma série de alimentos se tornam incrivelmente mais fáceis de mastigar (basta comparar uma mandioca crua com outra cozida para saber do que eu estou falando). E, mais importante, muito mais fácil de digerir. Tomemos como exemplo a proteína animal, explica Wrangham: no formato cru, ela tende a se organizar de forma rígida, com uma estrutura ordenada que atrapalha a ação dos sucos digestivos. Ao ser cozida, seu estado natural de desorganização desaparece. É como abrir uma brecha nos muros de um castelo: fica menos difícil invadi-lo.
Resumindo a ópera, Wrangham aposta que o domínio do fogo como instrumento de cozimento disponibilizou, de forma quase instantânea, uma quantidade vasta de nutrientes para os ancestrais do Homo erectus. A fartura recém-adquirida tirou os hominídeos da encruzilhada entre cérebros e intestinos: agora, sobrava energia e não era mais preciso investir tantas tripas em obtê-la. Cérebros maiores, portanto, tornaram-se viáveis e, quando mutações ligadas a essa característica deram as caras, foram selecionadas e passadas adiante. Cadê o fogo que estava aqui?
Apesar da série impressionante de “encaixes” biológicos por trás da idéia, o que ainda não está claro é se o uso controlado do fogo é mesmo tão antigo quanto o Homo erectus. Os pesquisadores ainda batem cabeça em relação às evidências dessa tecnologia. Há quem veja indícios de fogueiras controladas no leste da África de 1,6 milhão de anos atrás – o que funcionaria relativamente bem para Wrangham.
Muita gente, no entanto, ainda contesta essa data. Por enquanto, a mais antiga data aceita para uma fogueira feita por mãos hominídeas vem do norte de Israel e corresponde a apenas 800 mil anos – uma época em que o Homo erectus talvez já estivesse desaparecendo da África e do Oriente Médio. Por mais saborosa que seja a hipótese de Wrangham, ainda falta o ingrediente final.
PS: Se a evidência mais antiga de fogueira é de 800.000 anos, dado que ela é fruto de uma amostragem sobre uma quantidade de eventos bastante rara (fogueiras fósseis potencialmente encontráveis pelos cientistas), então podemos concluir que certamente existem fogueiras mais antigas. quanto mais? Idéia: plote o número N(t) de fogueiras fósseis encontradas até hoje em função do tempo, considere a probabilidade p de uma fogueira fossilizar, faça uma extrapolação para o passado. Acho que não seria dificil dobrar a antiguidade das fogueiras…

Tablóide?

As vezes penso se o SEMCIÊNCIA não seria um blog tablóide de ciência. Afinal isso explicaria a presença de Angelina Jolie e Natalie Portman por aqui. Mas o que eu fico realmente chateado é perceber que os jornalistas científicos de hoje ficam discutindo temas que já eram discutidos há décadas por escritores de ficção científica com muito mais informação, insight, imaginação e amplitude de análise. Afinal, como já disseram, para prever na década de 50 o aparecimento de super-rodovias bastavam os economistas e futurólogos de plantão, mas foram os escritores de FC que previram os engarrafamentos…

Do Editor do UOL Tablog:

Gente, esses filmes de ficção têm muita ficção!
Li uma notícia bem legal hoje: “Livro mostra Hollywood como universo à parte“. Sobre um livro que espinafra os filmes de ficção e fantasia que desafiam as leis da física: a conclusão do autor é que esses filmes têm muita ficção e fantasia!
Ah, vá!
O cara desce a lenha em “Jornada nas Estrelas”, “Guerra nas Estrelas” etc. Diz que o Homem-Aranha, se criasse a teia que dispara pelos punhos, perderia 33% do volume do seu corpo a cada 1,6 quilômetros (ou seja, no primeiro passeio já morreria esgotado). Reclama que o King Kong teria esmagado sem querer e matado a Naomi Watts (que desperdício!). E acusa que a trilogia “Matrix” esbarra na segunda lei da termodinâmica.
Ou seja: ele não estranha um cara ser picado por uma aranha radioativa, sobreviver e sair por aí pendurando-se pelas paredes; acha que é normal um macaco gigante apaixonado pela Naomi Watts (se bem que se apaixonar pela Naomi Watts é compreensível); e quanto ao “Matrix”…
Ele também reclama quando assiste ao “Superman”? “Ei, esse cara está voando!” Ou “O Dia em que a Terra Parou!”? “Que bobagem! Nenhum alienígena se pareceria com esse!” Aposto que esse cara é tão chato que chiou na cena da bicicleta de “E.T. – O Extra-Terrestre” e que reclama que “Os Simpsons” é inverossímil porque ninguém seria tão burro quanto Homer Simpson!
Será que ele não tem imaginação? Não gosta de se divertir?

Quem tem medo dos clones humanos I?

Quando der tempo, vou comentar as notícias recentes sobre uma equipe americana que teria obtido clones de embriões humanos. Por enquanto, vou esquentando os motores aqui.
A ética e os efeitos sociais da clonagem humana são discutidos há mais de 30 anos na literatura de ficção científica (Terra Imperial, de Arthur C. Clark sendo um clássico que merece ser lido). Mais recentemente, o filme A Ilha discutiu o tema com a premissa absurda de que só se poderiam obter orgãos para transplante de clones adultos plenamente desenvolvidos (sim, em FC, os livros sempre são melhores que os filmes, com excessão de Blade Runner, é claro!). Da Wikipedia:

Imperial Earth (ISBN 0-15-144233-9) is a novel written by Arthur C. Clarke, and published in time for the U.S. bicentennial in 1976 by Ballantine Books. It follows the protagonist (Duncan Makenzie) on a trip to Earth from his home on Titan, ostensibly for a diplomatic visit to the U.S. for its 500th birthday, but really in order to have a clone of himself produced.
The puzzle game Pentominos features in a prominent subplot of the novel.
The book offers socially liberal ideas about sexuality and racial attitudes. Duncan Makenzie is Black, which is not mentioned until approximately halfway through the book, because the fact is of no more importance to him than his hair color. At several points he also reminisces about sexual affairs with males, and that bisexuality is now considered the norm. Exclusive heterosexuality or homosexuality is not generally practiced.
It is common in science fiction to offer perspectives of social issues. Clarke addresses issues of racism, the spectre of cloning (which was a very new topic in the early 1970s), and the economics of energy production and control.
Clarke describes in great detail throughout the book a personal communications device called a ‘minisec’ combining mobile video phone and PDA with global data connectivity. He also describes a larger desk ‘comsole’ or communications console giving similar access to global information services.

(…)

Duncan Makenzie,is the latest generation of the ‘first family’ of Titan, a colonised moon of Saturn. Originally settled by Malcolm Makenzie in the early 23rd century, Titan’s economy has flourished based on the harvest and sale of hydrogen mined from the atmosphere, hydrogen that fuels the fusion engines of interplanetary spacecraft.
As the plot opens in 2276, a number of factors are combining to make a diplomatic visit to the ‘mother world’ of Earth a necessity. Firstly, the forthcoming 500th anniversary of US Independence which is bringing in colonists from the entire Solar System, obviously needs a suitable representative from Titan. Secondly, the Makenzie family carry a fatal damaged gene that means any normal continuation of the family line is impossible — so both Duncan and his father Colin are clones of his grandfather Malcolm. Human cloning is a mature technology, but is even at this time ethically controversial. And thirdly, technological advances in spacecraft drive systems — specifically the ‘asymptotic drive’ which improves the fuel efficiency by orders of magnitude — means that Titan’s whole economy is under threat as the demand for hydrogen is about to collapse.
A number of other sub-plots suggest some sort of greater mystery, but remain unexplored. The book ends with him returning home with his new “child” (who is a clone of brilliant but erratic former best friend Karl Helmer), leaving the other plot threads dangling.

A ser lido: The status of cosmological natural selection

Authors: Lee Smolin

(Submitted on 18 Dec 2006)

Abstract: The problem of making predictions from theories that have landscapes of possible low energy parameters is reviewed. Conditions for such a theory to yield falsifiable predictions for doable experiments are given. It is shown that the hypothesis of cosmological natural selection satisfies these conditions, thus showing that it is possible to continue to do physics on a landscape without invoking the anthropic principle. In particular, this is true whether or not the ensemble of universes generated by black holes bouncing is a sub-ensemble of a larger ensemble that might be generated by a random process such as eternal inflation.
A recent criticism of cosmological natural selection made by Vilenkin in hep-th/0610051 is discussed. It is shown to rely on assumptions about both the infrared and ultraviolet behavior of quantum gravity that are very unlikely to be true.

Comments: 25 pages, no figures
Subjects: High Energy Physics – Theory (hep-th)
Cite as: arXiv:hep-th/0612185v1

Estudantes que não dormem têm notas piores, diz estudo

14/12/2007 – 18h54

da Folha Online

Os alunos que nunca ficam estudando à noite toda têm notas ligeiramente maiores do que aqueles que optam por perder noites inteiras para estudar, diz um estudo norte-americano divulgado nesta sexta-feira.
Uma pesquisa com 120 estudantes na St. Lawrence University, em Nova York, revelou que os estudantes que nunca passavam noites em claro estudando tinham nota média 3,2. Já os que optavam por perder noites de sono para estudar tiveram nota 2,95.
O estudo será publicado em janeiro na revista “Behavioral Sleep Medicine”.
“Não é uma grande diferença, mas chama a atenção”, afirmou Pamela Thacher, professora-assistente da universidade e autora do estudo. “Eu estudo principalmente a questão do sono e sei que ninguém consegue pensar de forma clara às 4 da manhã. Você acha que sim, mas não consegue”, diz.
Um segundo estudo feito por Thacher mostra resultados “bastante similares”, com notas mais baixas entre os estudantes que deixam de dormir.
Howard Weiss, um médico do St. Peter’s Sleep Center, em Albany, afirma que os resultados do estudo fazem sentido.
“Certamente os dados mostram que um período curto de sono interfere na concentração, no desempenho e em testes objetivos”, disse ele.
No primeiro estudo de Thacher, 65 alunos afirmaram que passaram mais de uma noite toda sem dormir para estudar e 45 disseram que nunca haviam feito isso. A pesquisa foi feita com alunos de diversos cursos.

Leia mais
Estudo identifica “gatilho” que aciona relógio biológico
Cérebro gerecia memória como o computador, diz estudo
Privação do sono realça experiências negativas, diz estudo
Cientistas descobrem mecanismo de perda de memória em ratos

Da Wikipedia:

[edit] Dream content
From the 1940s to 1985, Calvin S. Hall collected more than 50,000 dream reports at Western Reserve University. In 1966 Hall and Van De Castle published The content analysis of dreams in which they outlined a coding system to study 1,000 dream reports from college students.[26] It was found that people all over the world dream of mostly the same things. Hall’s complete dream reports became publicly available in the mid-1990s by Hall’s protégé William Domhoff allowing further different annylisis.

[edit] Emotions
The most common emotion experienced in dreams is anxiety. Negative emotions are more common than positive feelings.[26] Some ethnic groups like the Yir Yoront showed an abnormally high percentage of dreams of an aggressive nature. The U.S. ranks the highest amongst industrialized nations for aggression in dreams with 50 percent of U.S. males reporting aggression in dreams, compared to 32 percent for Dutch men.[26]

[edit] Gender differences
It is believed that in men’s dreams an average of 70 percent of the characters are other men, while a female’s dreams contain an equal number of men and women.[27] Men generally had more aggressive feelings in their dreams than women, and children’s dreams did not have very much aggression until they reached teen age. These findings parallel much of the current research on gender and gender role comparisons in aggressive behavior. Rather than showing a complementary or compensatory aggressive style, this study supports the view that there is a continuity between our conscious and unconscious styles and personalities.

[edit] Sexual content
The Hall data analysis shows that sexual dreams show up no more than 10 percent of the time and are more prevalent in young to mid teens[26]. Another study showed that 8% of men’s and women’s dreams have sexual content[28].

[edit] Recurring dreams
While the content of most dreams is dreamt only once, many people experience recurring dreams—that is, the same dream narrative is experienced over different occasions of sleep. Up to 70% of females and 65% of males report recurrent dreams.[29]

[edit] Common themes
Content-analysis studies scientists have identified common reported themes in dreams. These include: situations relating to school, being chased, running slowly/inplace, sexual experiences, falling, arriving too late, a person now alive being dead, teeth falling out, flying, embarrassing moments, failing an examination, or a car accident. Twelve percent of people dream only in black and white.[30]

Natalie Hershlag

Nelson me disse que ando colocando muita foto de mulher bonita aqui no SEMCIÊNCIA. Bom, mas o nome do blog diz exatamente que o mesmo não é muito sério. Em todo caso, para recuperar sua seriedade científica, anoto abaixo dois papers de Natalie Harshleg, vulgo Natalie Portman.

Da Wikipedia:

Portman has said that she was “used to A’s” but admits to reading about institutional grade inflation in the Ivy Leagues in the New York Times. She reported on a talk show, “I’d rather be smart than be a movie star” and that her goal was to graduate from college even if it ruined her acting career.

After high school, Portman enrolled at Harvard University where she graduated with a bachelor’s degree in psychology on June 5, 2003. In 2005, Portman pursued graduate studies at Hebrew University in Jerusalem. Portman is credited as a research assistant to Harvard Professor Alan Dershowitz‘s The Case for Israel. She was a research assistant to Dr. Stephen M. Kosslyn‘s psychology lab as well, and made a cameo appearance as a guest lecturer for the Terrorism and Counterterrorism course at Columbia University in early March of 2006, discussing themes from her film V for Vendetta.[8]

In addition to Hebrew[9] and English, Portman has studied or can speak French,[10] Japanese,[10] and German.[11] She has recently been learning to speak Arabic.[12] She also understands Spanish.[13]

As a student, Portman co-authored two research papers which were published in professional scientific journals. Her 1998 high school paper on the “Enzymatic Production of Hydrogen” was entered in the Intel Science Talent Search.[14] In 2002, she contributed to a study on memory called “Frontal Lobe Activation During Object Permanence” during her psychology studies at Harvard.[15]

Citações:

  • Going to a party, for me, is as much a learning experience as, you know, sitting in a lecture.
  • I don’t love studying. I hate studying. I like learning. Learning is beautiful.
  • There’s so much else to do in the world. To just be interested in doing films would limit my life.

Title: Frontal lobe activation during object permanence: Data from near-infrared spectroscopy


Author(s): Baird AA, Kagan J, Gaudette T, Walz KA, Hershlag N, Boas DA
Source: NEUROIMAGE 16 (4): 1120-1126 AUG 2002
Document Type: Article
Language: English
Cited References: 24 Times Cited: 23
Abstract: The ability to create and hold a mental schema of an object is one of the milestones in cognitive development. Developmental scientists have named the behavioral manifestation of this competence object permanence. Convergent evidence indicates that frontal lobe maturation plays a critical role in the display of object permanence, but methodological and ethical constrains have made it difficult to collect neurophysiological evidence from awake, behaving infants. Near-infrared spectroscopy provides a noninvasive assessment of changes in oxy- and deoxyhemoglobin and total hemoglobin concentration within a prescribed region. The evidence described in this report reveals that the emergence of object permanence is related to an increase in hemoglobin concentration in frontal cortex.

A Simple Method To Demonstrate the Enzymatic Production of Hydrogen from Sugar

Natalie Hershlag Syosset High School, Syosset, NY 11791
Ian Hurley Department of Obstetrics and Gynecology, North Shore University Hospital, Manhasset, NY 11030
Jonathan Woodward Chemical Technology Division, Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, TN 37831-6194
October 1998 Vol. 75 No. 10p. 1270

Full Text (PDF)

Abstract
There is current interest in and concern for the development of environmentally friendly bioprocesses whereby biomass and the biodegradable content of municipal wastes can be converted to useful forms of energy. For example, cellulose, a glucose polymer that is the principal component of biomass and paper waste, can be enzymatically degraded to glucose, which can subsequently be converted by fermentation or further enzymatic reaction to fuels such as ethanol or hydrogen. These products represent alternative energy sources to fossil fuels such as oil. Demonstration of the relevant reactions in high-school and undergraduate college laboratories would have value not only in illustrating environmentally friendly biotechnology for the utilization of renewable energy sources, such as cellulosic wastes, but could also be used to teach the principles of enzyme-catalyzed reactions. In the experimental protocol described here, it has been demonstrated that the common sugar glucose can be used to produce hydrogen using two enzymes, glucose dehydrogenase and hydrogenase. No sophisticated or expensive hydrogen detection equipment is required-only a redox dye, benzyl viologen, which turns purple when it is reduced. The color can be detected by a simple colorimeter. Furthermore, it is shown that the renewable resource cellulose, in its soluble derivative from carboxymethylcellulose, as well as aspen-wood waste, is also a source of hydrogen if the enzyme cellulase is included in the reaction mixture.

A representacao social do cientista

Este texto pertence à discussão mensal na Roda de Ciência. Favor comentar lá no site da Roda.

Acredito que o estereótipo mais presente na cultura (popular ou não) é o cientista louco (ver aqui para o conceito e ver aqui para uma lista de personagens na industria cultural). Obviamente é um estereótipo que prejudica bastante os cientistas e o despertar de vocações científicas, especialmente entre mulheres.
Talvez seja tempo de discutir seriamente este estereótipo, pela carga de discriminação que contém: especialmente nos quadrinhos e desenhos animados dirigidos a crianças, em uma verdadeira lavagem cerebral, os vilões são intelectuais e muitas vezes cientistas, enquanto que os mocinhos possuem poderes “naturais” (não tecnológicos), mágicos, e pouco entendem de ciência. Na melhor das hipóteses, o cientista é um ajudante do herói, um ajudante meio atrapalhado por sinal.
Mas precisamos enxergar que este estereótipo não é a-histórico, ou seja, a representação social do cientista teve variações ao longo dos séculos. Um livro que traça essa evolução, os altos e baixos do status cultural da Ciência e dos cientistas, é “A Escalada da Ciência“, de Brian L. Silver. Eu o recomendo fortemente, pois faz tempo que não encontrava um livro de divulgação científica com prosa tão gostosa e profundidade nada desprezível. Vejam o sumário abaixo:

A ESCALADA DA CIÊNCIA
Autor: BRIAN L. SILVER
Editora: EDITORA DA UFSC
Edição: 1ª.
Núm. Páginas: 772
ISBN: 9788532802385

Os editores lembram que o autor, falecido em 97, um pouco antes da publicação do livro, “têm consciência de que a ciência pode ter conseqüências desastrosas e insiste num diálogo mais frutífero entre a ciência e a filosofia, insistência que assume maior urgência dados os atuais avanços em genética” (clonagem, por exemplo). O tradutor, professor Arno Blass, ex-membro do Conselho Editorial da EdUFSC, sublinha que para qualquer pessoa interessada, mas intimidada pelo empreendimento científico, o livro prevê uma convidativa visão da disciplina em 774 páginas escritas de forma atraente e acessível. O fato de Brian ter produzido o livro sem diminuir a complexidade ou o poder aterrorizador da ciência, na opinião de Blass, é um feito admirável, que abre a porta à maior aventura intelectual da humanidade, e que revela as muitas maneiras em que a ciência modificou o modo como vemos o mundo e a nós mesmos. A Escalada da Ciência, esclarece o tradutor, é um misto de história e de filosofia de ciência”. Misto quente. Quem quer divulgar a ciência, a tecnologia e a inovação tem obrigação de ler Brian L. Silver, por quem o tradutor teve, conforme confessa, uma “identificação à primeira leitura”. Ambos têm algo raro em comum: são cientistas que escrevem.

Estoque: Esgotado.
Preço:
R$ 66,00

Esgotado? Enquanto esperamos uma reedição em português, pode-se comprar em inglês aqui.

Polvo aprende a abrir garrafa na Nova Zelândia

Acho que este é um bom motivo para deixar de comer polvos…

da BBC Brasil

Um polvo na Nova Zelândia aprendeu a abrir uma garrafa de plástico para pegar seu alimento. Para quem não conhece, o polvo Octi parece um animal quieto, reservado.Ele passa um bom tempo escondido na concha que fez de casa no Aquário Nacional da Nova Zelândia. Mas os tratadores sabem que este é um polvo cheio de truques. Na verdade é uma fêmea, que sabe o que quer. Octi usa dois tentáculos e sucção para tirar a tampa da garrafa e um tentáculo para pegar carne de caranguejo que os tratadores colocam dentro.O tratador Libor Mach disse que Octi gosta de brincar com as mãos dele, com um sacarrolha, com vários tipos de objetos. Os polvos são considerados animais inteligentes, e os funcionários do aquário criam jogos para Octi.Mach jura que o polvo até subiu na superfície do tanque e jogou água nele. Octi foi levada para o aquário há três meses, por uma família que encontrou o animal em uma rocha na costa.

Ver video aqui.
De partida para São Lourenço – XXX Encontro Nacional de Física da Matéria Condensada. Fico fora uma semana, acho que vai ser dificil blogar.

Ora, bolhas!

Do G1:

Não é nada fácil a vida dos pesquisadores Robert MacPherson e David Srolovitz. Os dois passam boa parte do tempo de olho nos colarinhos espumantes dos copos de cerveja, mas sem poder entorná-los. Graças a esses esforços, MacPherson, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Princeton, e Srolovitz, da Universidade Yeshiva (ambas nos Estados Unidos), chegaram a uma formulação matemática que explica como o colarinho da bebida se desfaz ao longo do tempo.

A dupla seguiu uma equação resolvida nos anos 1950 por John von Neumann, um dos pioneiros da computação. O trabalho dele se referia à formação e ao desaparecimento de estruturas em duas dimensões, mas agora os pesquisadores conseguiram transformá-lo numa ferramenta matemática que descreve estruturas tridimensionais — justamente o caso das bolhas num colarinho de cerveja.

Em síntese, as bolhas de gás num colarinho de cerveja ou chope estão separadas por “fronteiras” de líquido, que se movem ao longo do tempo. As bolhas tendem a se fundir e a ficar mais grosseiras, até desaparecerem da bebida.

Os pesquisadores americanos descobriram que a taxa segundo a qual esse fenômeno acontece — ou seja, a taxa de desaparecimento do colarinho — não depende do número de bolhas, mas sim da largura de cada uma delas. A idéia é que, manipulando essa propriedade, seria possível controlar a duração e o tipo do colarinho nas bebidas.

A pesquisa etílica está na edição desta semana da revista científica “Nature”.