Home // Posts tagged "Takata"

Revisitando a geek syndrome

The Geek Syndrome and Autism: Revisited

The Geek Syndrome and Autism: Revisited

The “Geek Syndrome” is a theory for the rising number of autism diagnoses that doesn’t have anything to do with vaccines or environmental factors. About a decade ago, Wired magazine suggested that the notable increase in autism cases among the computer programmers and engineers in Silicon Valley was because those who inhabit those “geek warrens” have a “genetic predisposition” for autism. Now, under Rosa Hoekstra of the Open University in Milton Keynes in the UK, researchers have found that in Eindhoven, a city that is the heart of the Dutch information technology industry, autism is diagnosed in twice as many children as in cities of the same size.

In the Wired article, Cambridge University psychology professor Simon Baron-Cohen described the autistic mind as having a “proclivity for systematizing” while, due to the lack of a theory of mind, autistic persons are “mindblind” and lack empathy. Baron-Cohen would go on to write a book promoting a theory of autism as an example of the “extreme male brain,” saying that the male brain is “systematizing” while the female one is “empathizing.” These theories are well-known but controversial (and his most recent book on empathy and the problem of evil contains some troubling theorizing about autism)

Hoekstra’s study, which was published in the Journal of Autism and Developmental Disorders, looked at the autism prevalence in 62,000 children in three Dutch cities. Eindhoven, Haarlem and Utrecht all have populations of about a quarter of a million; only Eindhoven has a heavy concentration of IT workers. As noted in New Scientist:

In Eindhoven, where 30 per cent of all jobs are in IT and computing industries, there were 229 cases of autism-spectrum disorders per 10,000 school-age children. This was more than double the corresponding figure of 84 in Haarlem and four times the figure of 57 in Utrecht. Each city has half as many IT jobs as Eindhoven.

By contrast, all three cities had the same prevalence of two other childhood psychiatric conditions unrelated to autism, namely attention-deficit hyperactivity disorder (ADHD) and dyspraxia.

Hoekstra notes that other reasons for the higher prevalence rate in Eindhoven could be greater awareness and the availability of better services. It’s been almost ten years since the Wired article on “the Geek Syndrome” was published and autism has certainly gotten a lot of attention in the public eye.

Some of Baron-Cohen’s earlier research found that fathers and grandfathers of children with autism are more likely to be engineers and scientists, and that mathematicians are more likely to have siblings on the autism spectrum.  Other studies in the UK, Japan and the Netherlands have found a higher than usual rate of autistic traits among engineering, science and mathematics students.

In my own household, the gender aspects of Baron-Cohen’s “extreme male brain” theory are reversed. I count several engineers (including my mother’s father, a civil engineer who was a bridge inspector for the state of California), computer programmers and IT types. There’s nary an engineer (or any one in the science or medical fields) in my husband’s family. Indeed, Jim tends to be more of what Baron-Cohen would call “empathetic,” with an intuitive feel for people’s (certainly Charlie’s) moods and states of mind. I’m no scientist myself, but definitely have “systematizing” tendencies, which helped me learn the complex grammar of ancient languages and music like Bach’s fugues (whereas, if Jim hadn’t become a historian, he had thoughts of being a courtroom lawyer, a profession that everyone in my family shies away from). I’ve often thought that if things had turned out differently, and I hadn’t discovered Latin and Greek in middle school, I could have been a coder. Charlie himself is quite the systematizer.

I’ve also wrote a bit more extensively about Charlie himself and Baron-Cohen’s “extreme male brain” theory of autism here and his theory of autism and mind-blindness here, with the caveat that these are theories that many do not agree with. Still, I find them helpful as we continue to try to understand why Charlie does what he does: He doesn’t just make arrangements like the one below without a lot of thought and care.

headphone suite

Read more: http://www.care2.com/causes/the-geek-syndrome-revisited.html#ixzz2RO5G7aZW

O Buldogue de Darwin e meu cachorro Darwin

DSCF0972Hoje eu pretendia comentar e fazer um link para o interessante blog Darwin e Deus, do editor-chefe de ciências da Folha, Reinaldo José Lopes. Mas não é um dia muito feliz. Soube hoje de manhã que meu cachorro Darwin (o nome foi colocado por meu filho Leonardo, OK?) foi atropelado e morreu. Triste isso.

Reinaldo José Lopes, 34, jornalista de ciência nascido e criado em São Carlos (SP), hoje colabora com a Folha de sua cidade natal, depois de passar quase três anos como editor de “Ciência+Saúde” na capital paulista. É formado em jornalismo pela USP e mestre e doutor em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela mesma universidade, com trabalhos sobre a obra de J.R.R. Tolkien. Sobre evolução, já escreveu o livro “Além de Darwin” (editora Globo) e tem planos de escrever vários outros. É católico, são-paulino, casado e pai de um menino.

Reinaldo fez um post sobre o trecho em que Tomas Huxley reconhece que, em termos filosóficos e políticos, tanto a Bíblia como a Biologia sugere um certo ceticismo em relação as ideias do Bom Selvagem. Numa citação mais extensa encontrada por Roberto Takata (que está se tornando um verdadeiro e respeitado intelectual na Internet, sendo citado por jornalistas etc), temos:

“It is the secret of the superiority of the best theological teachers to the majority of their opponents, that they substantially recognise these realities of things, however strange the forms in which they clothe their conceptions. The doctrines of predestination; of original sin; of the innate depravity of man and the evil fate of the greater part of the race; of the primacy of Satan in this world; of the essential vileness of matter; of a malevolent Demiurgus subordinate to a benevolent Almighty, who has only lately revealed himself, faulty as they are, appear to me to be vastly nearer the truth than the ‘liberal’ popular illusions that babies are all born good and that the example of a corrupt society is responsible for their failure to remain so; that it is given to everybody to reach the ethical ideal if he will only try; that all partial evil is universal good; and other optimistic figments, such as that which represents ‘Providence’ under the guise of a paternal philanthropist, and bids us believe that everything will come right (according to our notions) at last. I thought I had substantially said all this in my ‘Prologue’; but if a reader of Mr. Harrison’s acumen and carefulness has been unable to discover it, I may be forgiven for the repetition.”
http://aleph0.clarku.edu/huxley/UnColl/Rdetc/IREN.html

O texto despertou considerável polêmica, com os extremistas de plantão dizendo que cristãos e ateus não devem dialogar, serem amigos ou namorados, etc…  Como isso cansa!

Tentei dar uma resposta nos comentários da FOLHA sobre o que entendi da intenção do Reinaldo: Read more [+]

Historiadores da Ciência rejeitam a tese de conflito entre Ciência e Religião

Mais material para o meu livro sobre Ateísmo 3.0

Conflict thesis

From Wikipedia, the free encyclopedia
For a socio-historical theory with a similar name, see Conflict theory.

Conflict: Galileo before the Holy Office, byJoseph-Nicolas Robert-Fleury, a 19th century depiction of the Galileo Affair, religion suppressing heliocentric science.

The conflict thesis is the proposition that there is an intrinsic intellectual conflict between religion and science and that the relationship between religion and science inevitably leads to public hostility. The thesis, refined beyond its most simplistic original forms, remains generally popular. However, historians of science no longer support it.[1][2][3][4]

Contents

Read more [+]

Ultimatum Game, empatia e geek syndrome

Mais referências para meu paper sobre relacão entre geek syndrome e ateísmo.

Testosterone Administration Decreases Generosity in the Ultimatum Game 

Paul J. Zak, Robert Kurzban, Sheila Ahmadi, Ronald S. Swerdloff, Jang Park, Levan Efremidze, Karen Redwine, Karla Morgan, William MatznerGenerosity in the Ultimatum Game Testosterone … Testosterone Administration Decreases Generosity in the Ultimatum Game … draws. Using the UltimatumGame from behavioralPLoS ONE: Research Article, published 16 Dec 200910.1371/journal.pone.0008330


Empathy Emerges Spontaneously in the Ultimatum Game: Small Groups and Networks

Jaime Iranzo, Luis M. Floría, Yamir Moreno, Angel Sánchezin the Ultimatum Game: Small Groups and Networks Empathy Emerges Spontaneously in Ultimatum Games Jaime Iranzo … Empathy Emerges Spontaneously in the Ultimatum Game: Small Groups and Networks … . TheUltimatum game, in which one subject proposes how to sharePLoS ONE: Research Article, published 26 Sep 201210.1371/journal.pone.0043781


Cognitive Control and Individual Differences in Economic Ultimatum Decision-Making

Wim De Neys, Nikolay Novitskiy, Leen Geeraerts, Jennifer Ramautar, Johan Wagemansin Economic Ultimatum Decision-Making Cognitive Control and Ultimatum Game Wim De Neys 1 * Nikolay … Cognitive Control and Individual Differences in EconomicUltimatum Decision-Making … ultimatum game, for example, most people turn downPLoS ONE: Research Article, published 09 Nov 201110.1371/journal.pone.0027107


Dopamine D4 Receptor Gene Associated with Fairness Preference in Ultimatum Game

Songfa Zhong, Salomon Israel, Idan Shalev, Hong Xue, Richard P. Ebstein, Soo Hong ChewPreference in Ultimatum Game DRD4/Season of Birth/Fairness … Dopamine D4 Receptor Gene Associated with Fairness Preference in Ultimatum Game … of theultimatum game , in which two individuals decide on howPLoS ONE: Research Article, published 03 Nov 201010.1371/journal.pone.0013765


Rejection of Unfair Offers Can Be Driven by Negative Emotions, Evidence from Modified Ultimatum Games with Anonymity

Ning Ma, Nan Li, Xiao-Song He, De-Lin Sun, Xiaochu Zhang, Da-Ren Zhangby Negative Emotions, Evidence from Modified Ultimatum Games … Rejection of Unfair Offers Can Be Driven by Negative Emotions, Evidence from ModifiedUltimatum Games with Anonymity … is still controversial. With modified ultimatumgamesPLoS ONE: Research Article, published 28 Jun 201210.1371/journal.pone.0039619


Suffering Makes You Egoist: Acute Pain Increases Acceptance Rates and Reduces Fairness during a Bilateral Ultimatum Game

Alessandra Mancini, Viviana Betti, Maria Serena Panasiti, Enea Francesco Pavone, Salvatore Maria Agliotia Bilateral Ultimatum Game Suffering Makes You Egoist … Suffering Makes You Egoist: Acute Pain Increases Acceptance Rates and Reduces Fairness during a Bilateral Ultimatum Game … of the Ultimatum Game (UG) both in the role of responderPLoS ONE: Research Article, published 12 Oct 201110.1371/journal.pone.0026008


Mathematically Gifted Adolescents Have Deficiencies in Social Valuation and Mentalization

Kyongsik Yun, Dongil Chung, Bosun Jang, Jin Ho Kim, Jaeseung Jeongof the same age using the repeated Ultimatum Game. Twenty … participated in theUltimatum Game. Two adolescents … as a responder. Because of its simplicity, theUltimatum GamePLoS ONE: Research Article, published 04 Apr 201110.1371/journal.pone.0018224

Takata no Google images




Foto 4

Pois é… É duro entrar de férias e não ter nada para fazer antes do jogo do Brasil. Estou pensando se esse material sobre o Takata mítico poderia ser reunido em um livro ou pelo menos um paper…

Uma análise cética sobre a historicidade de Roberto Takata.

Outras fotos de Roberto Takata no Google images.
A “verdadeira” foto do presumido Takata seria a quarta. A segunda é uma foto modificada por fotoshop e sugere que Takata é um avatar de Sottomaior. Notar que a foto tratada é mais nítida que a original (isso pode ser visto pela melhor definição dos galhos das árvores). Notar também que a pele de Takata parece ser excessivamente branca para ser de uma pessoa real. Nenhuma dessas fotos bate com a descrição do presumido ator contratado para participar do II EWCLiPo, ver esta foto (não autenticada):

(Por questão de segurança, esta foto foi retirada do blog a pedido de Takata)

Foto 6. O suposto Takata, junto com Lacy Barca e Tatiana Nahas. Notar que o suposto Takata segura o copo com a mão esquerda, enquanto que é bem conhecido que o verdadeiro Takata não é canhoto.


Notem especialmente que, embora os personagens nas fotos 4 e 6 se parecem, na segunda foto o ator usa óculos. Mesmo que se considere que a foto 4 seja de um Takata mais jovem e sem barba, é muito improvável que em poucos anos esse Takata tivesse desenvolvido miopia.

Procurei “Roberto Takata” no Google images, mas a única foto que apareceu é aquela foto falsa. Acho que as evidências fotográficas da existência de Roberto Takata extremamente tênues. Se Takata realmente existisse, certamente existiriam fotos dele na Internet, pois ele é um blogueiro razoavelmente famoso.
Nessa busca, aparece mais fotos de mim mesmo (o que é claro, pois eu realmente existo!) do que de Takata. As duas fotos que aparecem são as mesmas, mas uma das fotos foi cortada lateralmente, ou mesmo tratada com fotoshop, não sei com que intenção.
Examinando essas cinco fotos, onde apenas quatro delas são independentes, tendo a concluir que Takata é uma figura mítica, uma combinação de pelo menos três pessoas diferentes. Para mais argumentos da Teoria do Takata Mítico, ver o post Roberto Takata existe mesmo?
Para entender o motivo sério para a Teoria do Takata Mítico, ver aqui.

Eu sou um troll muito chato!

Coitado do Takata, eu estou me comportando de forma Trollistica no Never Asked Questions. É que está sendo muito divertido (pelo menos para mim!), e estou aprendendo um monte de coisas sobre os Pré-Socráticos, sobre historiagrafia antiga, sobre ceticismo e metodologia científica e histórica. Tudo isso com a ajuda sempre amável e respeitosa de Roberto Takata (ou pelo menos dos blogueiros de ciência que se escondem sob o pseudônimo de Roberto Takata…).

Vou listar os comentários do NAQ aqui, mas nao vou mais ser mais um Troll no NAQ. Os próximos comentários farei apenas aqui, para nao incomodar o Takata.

Disclaimer: Os comentários são feitos em tom de brincadeira, mas tenho enorme respeito e admiração por Takata, que considero um bom colega blogueiro e talvez até um amigo, pois troco emails com ele frequentemente. Ou seja, as brincadeiras são feitas por que julgo que tenho liberdade com ele para isso (e lhe dou liberdade para me chamar de Kino, etc.). Não são feitas e nem devem ser interpretadas como um tipo de gozação mal-intencionada em cima do Takata. Na verdade, toda a blogosfera científica brasileira ama Takata e seus onipresentes comentários, não conheço nenhum blogueiro que o desconsidere, e o tem em alta estima, com uma pontinha de inveja de suas capacidades analíticas, mesmo que às vezes ele se comporte de forma um pouco insistente (troll-like) nos blogs dos outros (especialmente o meu….!)

Blogger Osame Kinouchi disse…

Takata,

Leia a pagína sobre Pitágoras na Wikipedia, é MUITO interessante:

Voce está correto que Heráclito e Xenofanes foram quase contemporâneos a Pitágoras. Mas não consegui achar as breves referencias que eles fazem a Pitágoras.

Eu realmente nao entendi isso:

“(Também não é correto dizer que afirmei que as evidências da existência de Pedro e Tiago são menores do que as de JC. Eu disse: “Não sei se Tiago, José, Simão, etc eram ou não históricos. Mas parece q há até menos indícios a respeito deles.”)”

Ué, qual a diferença entre dizer “parece que há menos indicios a respeito deles” e dizer “as evidencias da existencia de Pedro e Tiago sao menores que JC”?

Acho que
e você está se tornando um verdadeiro jornalista, ou seja, daqueles que não gosta de escrever um Erramos… rs Tudo bem, eu sei que voce realmente acredita que nao errou… OK.

Mas… Menos indicios nao equivale a menores indicios?

Para um relato sobre minhas aventuras como troll no Pharingula, veja:

http://scienceblogs.com/pharyngula/2010/06/episode_lxxiv_sacred_music.php

Foi uma experiencia emocionalmente exaustiva (nunca fui tao insultado na minha vida, e nunca vi tanta falácia lógica por metro de texto!)

Minha análise dessa experiencia, junto com a exegese que Kentaro Mori faz da opiniao de PZMyers, está aqui:

http://comciencias.blogspot.com/2010/07/p-z-myers-e-os-libertarians-americanos.html

30 de junho de 2010 21:28

Excluir

Blogger none disse…

Quase não, foram efetivamente contemporâneos – suas linhas de vida se sobrepõem em boa extensão.

Eu tomo cuidado em registrar “talvez”, “parece”… e não é por questão meramente estilística. Eu afirmo que *parece* X, eu não afirmo que *X*.

É, eu tinha lido sua experiência. Sim, tem porções radiciais – eu já me fiz passar por religioso pra medir a pressão.

De não gostar de errar acho que não é preciso ser jornalista. Por isso tomo cuidado – qdo é só minha opinião a registro como tal, qdo é um argumento expresso os elementos de sustentação, etc. Se me mostrar onde errei, no entanto, registro meu erro.

Já fiz isso inúmeras vezes. Inclusive aqui no NAQ. http://neveraskedquestions.blogspot.com/2009/02/pesos-e-medidas.html

Sem contar as inúmeras edições com strike through.

[]s,

Roberto Takata

30 de junho de 2010 21:44

Blogger none disse…

Repare, no entanto, que, mesmo sem concordar com seus reparos até o momento, tenho-os registrados. (E, qdo acho necessário, rebatido.)

[]s,

Roberto Takata

30 de junho de 2010 21:45

Blogger none disse…

De Xenófanes sobre Pitágoras, Fragmento 7.

De Heráclito, Fragmento 129.

[]s,

Roberto Takata

30 de junho de 2010 22:09

Blogger Osame Kinouchi disse…

O fragmento 7 na verdade está nas obras de Diorgenes Laertio, do seculo 3 AC. Existe duvida se o “him” do texto se refere a Pitagoras, e mesmo que referisse, os experts acham que ele se refere a uma historia mitica (sobre Pitagoras detetar a alma de um amigo em um cachorrinho que latia).

Pelos seus criterios, acho que esse fragmento 7 nao conta para a historicidade de Pitagoras… Sinto muito.

Veja em detalhe aqui:

http://books.google.com.br/books?id=LxxJXTviacgC&pg=PA118&lpg=PA118&dq=%22fragment+7%22+xenophanes&source=bl&ots=Mc785_ZgsM&sig=8H6EVt6nVX5ivgRwLdEfI7vi5_8&hl=pt-BR&ei=ygItTKn_KoT68Aaj2ugH&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2&ved=0CBsQ6AEwAQ#v=onepage&q=%22fragment%207%22%20xenophanes&f=false

1 de julho de 2010 14:17

Excluir

Blogger none disse…

Pelos meus critérios o fragmento 7 serve. Veja como não é algo terrivelmente restritivo.

E é muito mais o q existe em relação a JC, p.e.

[]s,

Roberto Takata

1 de julho de 2010 15:12

Blogger Osame Kinouchi disse…

Sinceramente, nao vejo porque o fragmento 7 serve. Escrito 250 anos depois de Pitagoras, por Diogenes Laercio, e apenas atribuido a Xenofanes. E nao cita o nome Pitagoras. Poderia estar se referindo ao Pitagoras mitico. Nao há evidencia que Xenofanes conheceu Pitagoras. Quantos graus de separacao entre Pitagoras e Xenofanes? Pelo menos 3 graus, se Pitagoras existiu.

1 de julho de 2010 19:00

Excluir

Blogger none disse…

Serve porque o critério q defendo não tem esse grau de rigidez.

Novamente está atribuindo a mim algo q seria defendido pelos q defendem o embasamento da historicidade de Jesus – a questão temporal. Quem se encrenca com um relato de 300 anos depois dos acontecimentos são eles, não eu.

Se houver algo similar em relação a JC, aceito que terá um embasamento suficiente.

Q ‘min’ se refira a Pitágoras pode ser deduzido do contexto. Não é algo certo, mas em ciência não há nada 100% certo. É, porém, suficientemente embasado. O relato é mais credível porque não faz menção a nada que o descredite. Não se fala em elefantes invisíveis rosas, p.e. Se encontrarem porções mais completas do fragmento em que essas referências surjam, então a credibilidade do relato diminui.

[]s,

Roberto Takata

1 de julho de 2010 19:26

Blogger Osame Kinouchi disse…

Takata, esse assunto é muito interessante, nao é boring, porque se nao houve um Jesus histórico, isso é uma revolução Copernicana na História Ocidental. Não é um assunto de somenos importancia (se fosse, ou seja, se a existencia ou de Jesus fosse irrelevante, nao haveriam tantos livros e panfletos em sites ateistas sobre o tema, concorda?)

o fragmento afirma que Pitagoras era capaz de detetar a alma de um amigo reencarnado em um cachorrinho ouvindo os latidos do mesmo.

“O relato é mais credível porque não faz menção a nada que o descredite. Não se fala em elefantes invisíveis rosas, p.e”

Eu acho que é uma história mitica, pois é um relato de um milagre ou capacidade paranormal. Além disso, é claramente uma referencia a uma estória ouvida de segunda ou terceira mão. Não é possivel afirmar que

Acho que o fato de que este trecho se refere o Pitagoras histórico, ou seja, que Pitagoras realmente disse isso, não está além de uma dúvida (bastante) razoável (e portanto nao pode ser usado como evidência do Pitágoras histórico).
O nome de Pitágoras nem aparece no texto!

Ou seja, eu acho que esse fragmento é uma evidencia mais fraca do que a citação de Suetonius (da Wikipedia):

Gaius Suetonius Tranquillus (c. 69–140) wrote the following in his Lives of the Twelve Caesars about riots which broke out in the Jewish community in Rome under the emperor Claudius:
“As the Jews were making constant disturbances at the instigation of Chrestus, he [ Claudius ] expelled them [the Jews] from Rome”.[75]
The event was noted in Acts 18:2. The term Chrestus also appears in some later texts applied to Jesus, and Robert Graves,[76] among others,[77] consider it a variant spelling of Christ, or at least a reasonable spelling error.

Ou seja, essa passagem é constestada por alguns como referente a Jesus, porém ela é muito mais explicita que o Fragmento 7. E não fala de Elefantes invisíveis cor-de-rosa ou de poderes mediunicos de Jesus (ao contrário dos poderes mediunicos de Pitagoras). Logo, ela é mais confiavel que o Fragmento 7. Você concorda?

2 de julho de 2010 04:24

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Takata, esse assunto é muito interessante, nao é boring, porque se nao houve um Jesus histórico, isso é uma revolução Copernicana na História Ocidental. Não é um assunto de somenos importancia (se fosse, ou seja, se a existencia ou de Jesus fosse irrelevante, nao haveriam tantos livros e panfletos em sites ateistas sobre o tema, concorda?)

o fragmento afirma que Pitagoras era capaz de detetar a alma de um amigo reencarnado em um cachorrinho ouvindo os latidos do mesmo.

“O relato é mais credível porque não faz menção a nada que o descredite. Não se fala em elefantes invisíveis rosas, p.e”

Eu acho que é uma história mitica, pois é um relato de um milagre ou capacidade paranormal. Além disso, é claramente uma referencia a uma estória ouvida de segunda ou terceira mão. Não é possivel afirmar que Xenófanes conheceu pessoalmente Pitagoras.

2 de julho de 2010 04:25

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Acho que o fato de que este trecho se refere o Pitagoras histórico, ou seja, que Pitagoras realmente disse isso, não está além de uma dúvida (bastante) razoável (e portanto nao pode ser usado como evidência do Pitágoras histórico).
O nome de Pitágoras nem aparece no texto!

Ou seja, eu acho que esse fragmento é uma evidencia mais fraca do que a citação de Suetonius (da Wikipedia):

Gaius Suetonius Tranquillus (c. 69–140) wrote the following in his Lives of the Twelve Caesars about riots which broke out in the Jewish community in Rome under the emperor Claudius:
“As the Jews were making constant disturbances at the instigation of Chrestus, he [ Claudius ] expelled them [the Jews] from Rome”.[75]
The event was noted in Acts 18:2. The term Chrestus also appears in some later texts applied to Jesus, and Robert Graves,[76] among others,[77] consider it a variant spelling of Christ, or at least a reasonable spelling error.

Ou seja, essa passagem é constestada por alguns como referente a Jesus, porém ela é muito mais explicita que o Fragmento 7. E não fala de Elefantes invisíveis cor-de-rosa ou de poderes mediunicos de Jesus (ao contrário dos poderes mediunicos de Pitagoras). Logo, ela é mais confiavel que o Fragmento 7. Você concorda?

2 de julho de 2010 04:26

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Nao consegui achar o fragmento 129 de Heraclito. Voce teria algum link?

No livro Os Pré-Socráticos da coleção Pensadores, só temos até o fragmento 126. Por que?

2 de julho de 2010 04:27

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Takata, você poderia dar uma opiniao sobre esta página? Especialmente sobre a passagem de Josephus sobre Tiago?

http://www.earlychristianwritings.com/testimonium.html#reference

Ela parece séria, mas cita abundantemente Wells e Doharty como se estes fossem academicos serios (ou seja, que publicam em revistas com peer review).

2 de julho de 2010 04:50

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Posso copiar esta sequencia de comments para o meu blog?

Estou escrevendo aquele projeto para o Universal do CNPq. Na equipe já temos uma pos-doc e
Me adicione no SKYPE para batermos um papo sobre o projeto da revista.

SKYPE: osame.kinouchi

2 de julho de 2010 05:04

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Ops, eu queria dizer “uma pos-doc, Monica Campiteli, tres estudantes de informatica – o Zedy e o Lucas vc conheceu no II EWCLIPO, e possivelmente um amigo meu especialista em editoração eletronica, Carlos Mores, (responsável por varias revistas cientificas brasileiras).

Achei o fragmento 129 de Heráclito, vou analisá-lo!

2 de julho de 2010 05:07

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Primeiro: eu aceito os critérios dos historiadores da Antiguidade, mas farei aqui uma parafrase do método de Takata, que é mais cético:

Fragmento 129 de Heráclito:

Pythagoras, son of Mnesarchos, practised inquiry beyond all other men, and choosing out these writings, claimed for is own wisdom what was but a knowledge of many things and an art of mischief.

1. O texto foi escrito por Diogenes Laercio no seculo III AC, e atribuido a Heráclito. Nao existe outra fonte independente que confirme que o texto é original de Heráclito. Da wikipedia: The main source for the life of Heraclitus is Diogenes Laërtius, although some have questioned the validity of his account as “a tissue of Hellenistic anecdotes, most of them obviously fabricated on the basis of statements in the preserved fragments.”[1]

2 de julho de 2010 05:12

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

2. Pythagoras, son of Mnesarchos, practised inquiry beyond all other men.

Dado que isso não é verdade (Pythagoras nao foi o maior inquiridor ou pesquisador da grecia antiga), o texto perde credibilidade.

3. O texto denigre Pitagoras, chamando-o de plagiador, e portanto nao é uma interpolacao de um Pitagorico. Mas, assim como as lendas do Rei Artur também denigrem o personagem em certas passagens, isso mostra que o argumento contra interpolação nao é extritamente valido.

4. Alem disso, o texto é autocontraditorio, louvando Pitagoras no começo e chamando-o de plagiador no fim.

2 de julho de 2010 05:21

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

5. Nao existe evidencia independente de que o texto seja original de Heráclito.

6. O texto nao sugere que Heráclito tenha conhecido Pitagoras pessoalmente. Pitagoras poderia ser uma figura mitica, criada pelos Pitagoricos, que eram religiosos tao exdruxulos (ou mais) que os cristaos primitivos. Os Pitagoricos acreditavam que Pitagoras era filho de Apolo.

2 de julho de 2010 05:24

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Da Enciclopedia Stanford de Filosofia (estou aprendendo um monte de historia antiga sobre os pré-socraticos, isto é MUITO interessante, nao boring…)

http://plato.stanford.edu/entries/pythagoras/

The Pythagorean question, then, is how to get behind this false glorification of Pythagoras in order to determine what the historical Pythagoras actually thought and did. In order to obtain an accurate appreciation of Pythagoras’ achievement, it is important to rely on the earliest evidence before the distortions of the later tradition arose. The popular modern image of Pythagoras is that of a master mathematician and scientist. The early evidence shows, however, that, while Pythagoras was famous in his own day and even 150 years later in the time of Plato and Aristotle, it was not mathematics or science upon which his fame rested. Pythagoras was famous (1) as an expert on the fate of the soul after death, who thought that the soul was immortal and went through a series of reincarnations; (2) as an expert on religious ritual; (3) as a wonder-worker who had a thigh of gold and who could be two places at the same time; (4) as the founder of a strict way of life that emphasized dietary restrictions, religious ritual and rigorous self discipline.

2 de julho de 2010 05:25

Excluir

Blogger Osame Kinouchi disse…

Desculpe pelo Trollismo. É que a sua caixa de comentarios nao permite textos mais extensos, entao é necessario quebrar em varias janelas.

O unico objetivo aqui nao é encher a sua caixa de comentários (voce pode deletar depois!). É que achei isso mais pratico para copiar depois para o meu Blog, OK?

Nao ficou ainda claro para mim. Vc defende a historicidade de Pitágoras ou acha possível que ele nunca tenha existido?

2 de julho de 2010 05:28


Quem é Roberto Takata?

Roberto é polemista e cético famoso, entrevistado pela Revista Galileu e citado aqui por um blog católico, nos seguintes termos:

A frase em destaque está espalhada pela blogosfera católica, numa resposta às críticas a respeito do movimento de ateus que defende a retirada de imagens sagradas e crucifixos das repartições públicas brasileiras. O movimento foi criado no final de 2006, é uma iniciativa de “céticos, inquisidores da razão” como o biólogo, Roberto Mitsuo Takata, e o engenheiro, Daniel Sottomaior Pereira.

O adjetivo entre aspas tomei emprestado do título de uma matéria da revista Galileu, n°116. A reportagem entrevistou Takata e Sottomaior, as poucas palavras deles são contextualizadas pelo seguinte subtítulo da matéria: Eles declararam guerra a astrólogos, religiosos, ufologistas, tarólogos, curandeiros e místicos em geral.

A revista científica, Galileu, informa que os céticos declaram GUERRA aos religiosos. E dentre os céticos que a matéria cita estão extamente aqueles que “de forma alguma [promovem] um movimento contra a religião cristã”, como diz exaustivamente Takata em respostas a vários católicos.

É uma contradição que Takata, “um crítico ferrenho da imprensa na área de ciência e de saúde”, não se deu ao trabalho de combater. Justo ele que, no site Observatório da Imprensa, analisa os discursos midiáticos com precisão.


Acho que posso sair em defesa de Takata: Primeiro, o rapaz da foto não é o verdadeiro Roberto Takata, pelo menos o Takata que conheço (o verdadeiro Takata possui barba é é mais velho). Está claro que essa foto é um photoshop ou uma fraude. Talvez Takata seja um avatar de Daniel Sottomaior, mas também não tenho certeza que Sottomaior exista…


Roberto Takata existe?

Acho que isso vale um post sobre ceticismo e metodologia científica. O objetivo é tentar determinar, usando evidência científica, se Roberto Takata existe ou é um pseudônimo de um coletivo de blogueiros. Reproduzo abaixo o diálogo com o suposto Takata:

Osame Kinouchi disse…
Desculpe citar voce, Takata, mas acho que, se Shermer nao escapou do conspiracionismo dos ceticos do clima, em principio nenhum cetico está imune de cair em conspiracionismos quando os mesmos se alinham com sua ideologia:

“Mas o ponto central é que, só com esses dados, nós só saberíamos que Alexandre existiu ” – Mas a questão aqui é exatamente mostrar que uma figura supostamente histórica provavelmente existiu.

Então que tal Robert in the Hood?

[]s,

Roberto Takata

PS: Acho que no futuro Robert Takata será uma figura mítica. Colegas já comentaram que é impossivel para um ser humano estar onipresente em todos os blogs e jornais, twitar 24 h por dia, ter 30 blogs, etc, e que Takata é o pseudonimo de um grupo de escritores, tipo Bourbaki. Eu nao discuto a existencia historia de um tal Roberto Takata que conheci no Ewclipo, mas o Takata presencial nada tem a ver com o Takata internetico. Takata, prove que voce existe!

none disse…

Se vc não duvida da existência do Roberto Takata do euclipo, então vc tem bons indícios da existência de um Roberto Takata histórico. (Cuja existência, aliás, está documentada nos registros oficiais: carteira de identidade, certidão de nascimento, cadastro na Receita Federal, etc.)
[]s,

Roberto Takata
Osame Kinouchi disse…

O que eu disse é que um tal de roberto takata historico existe, mas tudo o que supostamente se credita a Takata (vários blogs, twitter 24h, onipresenca nos comentarios de blogs e jornais) é humanamente incompativel com o tempo livre disponivel por um estudante de doutorado que está escrevendo a tese, de modo que Takata deve ser um pseudonimo de um coletivo de blogueiros. Ou seja, nada do que está escrito por Takata é evidencia, para alem da duvida razoavel, de que foi escrito pelo Takata historico que está no RG. Takata deve ser um mito da internet…

Outras evidências de que Takata não existe são:

1. O Takata da internet é extremamente falador e articulado mas o Takata presencial (um ator contratado para ir no EWCLIPO?) é muito tímido e quase não fala.
2. O curriculum Lattes de Roberto Takata não é atualizado desde 2007. Isso seria impossível se Takata estivesse fazendo pós-graduação na USP. Existem rumores de que o Takata histórico emigrou para a Japão em 2008.
3. O pseudônimo NONE usado por Takata pode significar que ele “não é ninguém” (No-one), ou seja, não existe, é um grupo de blogueiros tipo Bourbaki.
4. Takata evita assinar seus comentários, usa pseudônimos, e quase nunca assina Roberto (e muito menos Mitsuo).
5. Se Takata realmente existisse, ele mereceria estar no Science Blogs Brasil, mas isso não aconteceu. Há rumores de que Carlos Hotta e Kentaro Mori são dois dos blogueiros participantes do coletivo Takata e que todos os participantes são descendentes de japoneses.
6. Em japonês, Takata significa “campo de arroz alto”, uma alusão cifrada ao fato de que é um coletivo (“campo”).
7. Takata é um nome de um cinto de segurança japonês, ilustrado na foto, ou seja, uma marca comercial, não um sobrenome. Se fosse um sobrenome, isso configuraria violação de Copyright.
8. O supostamente histórico Takata consegue detectar erros de ortografia em textos que seriam de impossível detecção por seres humanos reais. É possível que Takata também seja o acrônimo de um revisor ortográfico desenvolvido por estudantes da USP: Tradutor Alfabético de Kanjis e Analizador Tipográfico Automático.

UPDATE: 9. Evidência importantíssima! Takata não aparece no sistema Janus da USP!
UPDATE: 10. O nome japonês de Carlos Hotta é Takeshi, mais uma evidência de que Takata é um pseudônimo de Carlos Hotta.

Mais evidências poderão ser adicionadas aqui, sugeridas por blogueiros realmente existentes.