Home // Posts tagged "Theology"

Nosso universo vai congelar como uma cerveja super-resfriada…

SCIENTIFIC METHOD / SCIENCE & EXPLORATION

Finding the Higgs? Good news. Finding its mass? Not so good.

“Fireballs of doom” from a quantum phase change would wipe out present Universe.

by  – Feb 19 2013, 8:55pm HB

A collision in the LHC’s CMS detector.

Ohio State’s Christopher Hill joked he was showing scenes of an impending i-Product launch, and it was easy to believe him: young people were setting up mats in a hallway, ready to spend the night to secure a space in line for the big reveal. Except the date was July 3 and the location was CERN—where the discovery of the Higgs boson would be announced the next day.

It’s clear the LHC worked as intended and has definitively identified a Higgs-like particle. Hill put the chance of the ATLAS detector having registered a statistical fluke at less than 10-11, and he noted that wasn’t even considering the data generated by its partner, the CMS detector. But is it really the one-and-only Higgs and, if so, what does that mean? Hill was part of a panel that discussed those questions at the meeting of the American Association for the Advancement of Science.

As theorist Joe Lykken of Fermilab pointed out, the answers matter. If current results hold up, they indicate the Universe is currently inhabiting what’s called a false quantum vacuum. If it were ever to reach the real one, its existing structures (including us), would go away in what Lykken called “fireballs of doom.”

We’ll look at the less depressing stuff first, shall we?

Zeroing in on the Higgs

Thanks to the Standard Model, we were able to make some very specific predictions about the Higgs. These include the frequency with which it will decay via different pathways: two gamma-rays, two Z bosons (which further decay to four muons), etc. We can also predict the frequency of similar looking events that would occur if there were no Higgs. We can then scan each of the decay pathways (called channels), looking for energies where there is an excess of events, or bump. Bumps have shown up in several channels in roughly the same place in both CMS and ATLAS, which is why we know there’s a new particle.

But we still don’t know precisely what particle it is. The Standard Model Higgs should have a couple of properties: it should be scalar and should have a spin of zero. According to Hill, the new particle is almost certainly scalar; he showed a graph where the alternative, pseudoscalar, was nearly ruled out. Right now, spin is less clearly defined. It’s likely to be zero, but we haven’t yet ruled out a spin of two. So far, so Higgs-like.

The Higgs is the particle form of a quantum field that pervades our Universe (it’s a single quantum of the field), providing other particles with mass. In order to do that, its interactions with other particles vary—particles are heavier if they have stronger interactions with the Higgs. So, teams at CERN are sifting through the LHC data, checking for the strengths of these interactions. So far, with a few exceptions, the new particle is acting like the Higgs, although the error bars on these measurements are rather large.

As we said above, the Higgs is detected in a number of channels and each of them produces an independent estimate of its mass (along with an estimated error). As of the data Hill showed, not all of these estimates had converged on the same value, although they were all consistent within the given errors. These can also be combined mathematically for a single estimate, with each of the two detectors producing a value. So far, these overall estimates are quite close: CMS has the particle at 125.8GeV, Atlas at 125.2GeV. Again, the error bars on these values overlap.

Oops, there goes the Universe

That specific mass may seem fairly trivial—if it were 130GeV, would you care? Lykken made the argument you probably should. But he took some time to build to that.

Lykken pointed out, as the measurements mentioned above get more precise, we may find the Higgs isn’t decaying at precisely the rates we expect it to. This may be because we have some details of the Standard Model wrong. Or, it could be a sign the Higgs is also decaying into some particles we don’t know about—particles that are dark matter candidates would be a prime choice. The behavior of the Higgs might also provide some indication of why there’s such a large excess of matter in the Universe.

But much of Lykken’s talk focused on the mass. As we mentioned above, the Higgs field pervades the entire Universe; the vacuum of space is filled with it. And, with a value for the Higgs mass, we can start looking into the properties of the Higgs filed and thus the vacuum itself. “When we do this calculation,” Lykken said, “we get a nasty surprise.”

It turns out we’re not living in a stable vacuum. Eventually, the Universe will reach a point where the contents of the vacuum are the lowest energy possible, which means it will reach the most stable state possible. The mass of the Higgs tells us we’re not there yet, but are stuck in a metastable state at a somewhat higher energy. That means the Universe will be looking for an excuse to undergo a phase transition and enter the lower state.

What would that transition look like? In Lykken’s words, again, “fireballs of doom will form spontaneously and destroy the Universe.” Since the change would alter the very fabric of the Universe, anything embedded in that fabric—galaxies, planets, us—would be trashed during the transition. When an audience member asked “Are the fireballs of doom like ice-9?” Lykken replied, “They’re even worse than that.”

Lykken offered a couple of reasons for hope. He noted the outcome of these calculations is extremely sensitive to the values involved. Simply shifting the top quark’s mass by two percent to a value that’s still within the error bars of most measurements, would make for a far more stable Universe.

And then there’s supersymmetry. The news for supersymmetry out of the LHC has generally been negative, as various models with low-mass particles have been ruled out by the existing data (we’ll have more on that shortly). But supersymmetry actually predicts five Higgs particles. (Lykken noted this by showing a slide with five different photos of Higgs taken at various points in his career, in which he was “differing in mass and other properties, as happens to all of us.”) So, when the LHC starts up at higher energies in a couple of years, we’ll actually be looking for additional, heavier versions of the Higgs.

If those are found, then the destruction of our Universe would be permanently put on hold. “If you don’t like that fate of the Universe,” Lykken said, “root for supersymmetry”

Planetas extra-solares, Kepler 62 e o Paradoxo de Fermi local

Conforme aumentam o número de planetas extra-solares descobertos, também aumentamos vínculos sobre as previsões do modelo de percolação galática (Paradoxo de Fermi Local).
A previsão é que, se assumirmos que Biosferas Meméticas (Biosferas culturais ou Tecnosferas) são um resultado provável de Biosferas Genéticas, então devemos estar dentro de uma região com pucos planetas habitáveis. Pois se existirem planetas habitados (por seres inteligentes) por perto, com grande probabilidade eles são bem mais avançados do que nós, e já teriam nos colonizado.
Como isso ainda não ocorreu (a menos que se acredite nas teorias de conspiração dos ufólogos e nas teorias de Jesus ET, deuses astronautas etc.), segue que quanto mais os astronomos obtiverem dados, mais ficará evidente que nosso sistema solar é uma anomalia dentro de nossa vizinhança cósmica (1000 anos-luz?), ou seja, não podemos assumir o Princípio Copernicano em relação ao sistema solar: nosso sistema solar não é tipico em nossa vizinhança.  Bom, pelo menos, essa conclusão está batendo com os dados coletados até hoje…
Assim, é possível fazer a previsão de que uma maior análise dos planetas Kepler 62-e e Kepler 62-f revelará que eles não possuem uma atmosfera com oxigênio ou metano, sinais de um planeta com biosfera.

Persistence solves Fermi Paradox but challenges SETI projects

Osame Kinouchi (DFM-FFCLRP-Usp)
(Submitted on 8 Dec 2001)

Persistence phenomena in colonization processes could explain the negative results of SETI search preserving the possibility of a galactic civilization. However, persistence phenomena also indicates that search of technological civilizations in stars in the neighbourhood of Sun is a misdirected SETI strategy. This last conclusion is also suggested by a weaker form of the Fermi paradox. A simple model of a branching colonization which includes emergence, decay and branching of civilizations is proposed. The model could also be used in the context of ant nests diffusion.

03/05/2013 – 03h10

Possibilidade de vida não se resume a planetas similares à Terra, diz estudo

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Com as diferentes composições, massas e órbitas possíveis para os planetas fora do Sistema Solar, a vida talvez não esteja limitada a mundos similares à Terra em órbitas equivalentes à terrestre.

Editoria de arte/Folhapress

Essa é uma das conclusões apresentada por Sara Seager, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), nos EUA, em artigo de revisão publicado no periódico “Science“, com base na análise estatística dos cerca de 900 mundos já detectados ao redor de mais de 400 estrelas.

Seager destaca a possível existência de planetas cuja atmosfera seria tão densa a ponto de preservar água líquida na superfície mesmo a temperaturas bem mais baixas que a terrestre. Read more [+]

Historiadores da Ciência rejeitam a tese de conflito entre Ciência e Religião

Mais material para o meu livro sobre Ateísmo 3.0

Conflict thesis

From Wikipedia, the free encyclopedia
For a socio-historical theory with a similar name, see Conflict theory.

Conflict: Galileo before the Holy Office, byJoseph-Nicolas Robert-Fleury, a 19th century depiction of the Galileo Affair, religion suppressing heliocentric science.

The conflict thesis is the proposition that there is an intrinsic intellectual conflict between religion and science and that the relationship between religion and science inevitably leads to public hostility. The thesis, refined beyond its most simplistic original forms, remains generally popular. However, historians of science no longer support it.[1][2][3][4]

Contents

Read more [+]

Palestra no Instituto de Estudos Avançados (RP) sobre Ciência e Religião

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ciência e Religião: quatro perspectivas

Escrito por 

Data e Horário: 26/11 às 14h30
Local: Salão de Eventos do Centro de Informática de Ribeirão Preto – CIRP/USP (localização)

O evento, que será apresentado por Osame Kinouchi, discutirá quatro diferentes visões sobre a interação entre Ciência e Religião: o conflito, a separação, o diálogo e a integração. Examinando as fontes de conflito recentes (Culture Wars), o professor sugere que elas têm origem no Romantismo Anticientífico, religioso ou laico.

Segundo Osame, a ideia de separação entre os campos Religioso e Científico já não parece ser viável devido aos avanços da Ciência em tópicos antes considerados metafísicos, tais como as origens do Universo (Cosmologia), da Vida (Astrobiologia), da Mente (Neurociências) e mesmo das Religiões (Neuroteologia, Psicologia Evolucionária e Ciências da Religião).
A palestra mostrará também que tentativas de integração forçada ou prematura entre Religião e Ciência correm o risco de derivar para a Pseudociência. Sendo assim, na visão do professor, uma posição mais acadêmica de diálogo de alto nível pode ser um antídoto para uma polarização cultural ingênua entre Ateísmo e Religiosidade.

Vídeo do evento

Mais Ateísmo 3.0

Livro 1 aqui. Livro 2 aqui.

Paper abaixo: Mais uma referência para meu livro sobre o estudo científico das origens da Religião e do Ateísmo. É curioso que, ao contrário do que se poderia esperar usando uma amostra de ateus na internet (que eu sei que é estatisticamente tendenciosa porque a amostra é auto-selecionada), esta pesquisa estatística mostra que, em geral, ateus americanos não escondem sua identidade religiosa por medo de retaliações ou discriminação social. Pelo contrário, a maior motivação é de certa forma paternalista, no sentido de preservar ou proteger parentes amados (por exemplo, mães e avós) de uma realidade que possivelmente eles não entenderiam. Eu acrescentaria aqui a motivação de preservar ou conservar relações amorosas quando um dos parceiros tem tendências religiosas ou espirituais, a exemplo de Penny e Leonard no The Big Bang Theory.

Open Peer Commentary

Insights from studying prejudice in the context of American atheists

Eric P. Charlesa1, Nicholas J. Rowlanda2, Brooke Longa3 and Fritz Yarrisona3

a1 Department of Psychology, The Pennsylvania State University, Altoona, PA 16602. [email protected]http://www.charlespsychology.com

a2 Department of Sociology, The Pennsylvania State University, Altoona, PA 16602. [email protected]http://www.sites.google.com/site/professorrowland/

a3 Department of Sociology, Kent State University, Kent, OH 44242.

Abstract

Our research on non-religion supports the proposed shift toward more interactive models of prejudice. Being nonreligious is easily hideable and, increasingly, of low salience, leading to experiences not easily understood via traditional or contemporary frameworks for studying prejudice and prejudice reduction. This context affords new opportunity to observe reverse forms of interactive prejudice, which can interfere with prejudice reduction. Read more [+]

Ateísmo Cristão 2.0

Com a ideia de transformar meus posts sobre ateísmo e religião em um livro, dou continuidade à série.

Talvez se o Ateísmo Cristão incorporasse as idéias do Allain de Botton sobre Religião para Ateus, ele poderia ganhar mais força e capacidade de sedução memética… Na verdade, se pensarmos bem, a Teologia da Libertação não incorporou direito essas ideias de Alain de Botton e talvez isto explique a sua decadência.

Christian atheism

From Wikipedia, the free encyclopediaChristian atheism is an ideology in which the belief in the God of Christianity is rejected or absent but the moral teachings of Jesus are followed. Read more [+]

Alain de Botton: Ateísmo 2.0

Via FACEBOOK do Mauro Copelli:

Detectando os Pseudo-Cientistas (e Pseudo-Historiadores!)

Precisamos urgentemente, como cientistas e céticos, aplicar esses critérios a Earl Doherty e Dorothy Murdock (aka Acharya S.). Não deveriamos deixar esse trabalho apenas para teólogos…

“Earl Doherty is a masterful writer and an indefatigable scholar who leaves no relevant stone unturned. Any critic who seeks (desperately) to write him off because he writes without establishment academic credentials only demonstrates how far he himself falls short of recognizing real scholarship when he sees it. Has Doherty had to resort to publishing his own books? So did Hume. That’s no excuse for anyone interested in the Christ Myth or the historical Jesus not to read this all-encompassing book…Earl Doherty’s masterpiece.” Robert M. Price, author of Deconstructing Jesus, The Incredible Shrinking Son of Man, and The Pre-Nicene New Testament.

Por que os teólogos não são criacionistas?

O debate com um leitor levantou um ponto interessante: por que a grande maioria dos teólogos não é criacionista? E por que a maioria dos criacionistas famosos não são teólogos, mas engenheiros? (como diria Sheldon, “hummm…. engenheiros…. está explicado…).
Embora a lista de criacionistas famosos dada na Wikipedia não cite os criacionistas judeus, muçulmanos, budistas ou new agers (acho que isto deveria ser revisto na Wiki), me parece uma amostra relevante em relação ao Criacinismo Bíblico. Assim, notamos o fato interessante de que apenas John Withcomb e Thomas E. Woodward estudaram teologia (em seminários fundamentalistas).
Por que a maioria dos criacionistas bíblicos famosos não são teólogos? E por que a maioria dos teólogos famosos não é criacionista? Acho que a resposta é muito simples: os criacionistas bíblicos são profundamente ignorantes em teologia, pois desde Agostinho ou mesmo Paulo de Tarso os teólogos reconhecem que a linguagem bíblica é metafórica, que não se deve fazer uma leitura literal da Bíblia e que o literalismo bíblico é teologicamente insustentável. 

Ao contrário dos criacionistas bíblicos, os teólogos estudam profundamente a Bíblia, sua origem, sua história, sua filologia, sua critica textual, a linguagem e a cultura da época, etc. Já os criacionistas bíblicos não possuem a mínima formação nessas áreas, ou pelo menos se comportam como se não tivessem.

Para mais informações, aqui vai a página da Wikipedia sobre o tema:

List of participants in the creation–evolution controversy

From Wikipedia, the free encyclopedia

This is a list of people and organisations involved in the creation-evolution controversy.

Contents

 [hide]

[edit]

Scientific Community

[edit]

Organizations and websites

  • The United States National Academy of Sciences has made a number of statements opposing creationism. They state, “Creationism, intelligent design, and other claims of supernatural intervention in the origin of life or of species are not science because they are not testable by the methods of science.”[1]
  • The American Association for the Advancement of Science (the world’s largest general scientific society) contrasts the “scientific robustness of the contemporary theory of biological evolution”[2] with the proposed teaching of intelligent design that will “confuse students about the nature of science.”[3]
  • The Royal Society is opposed to creationism being taught as science. The society is committed to the teaching of evolution as the best explanation for the history of life on earth.[4]
  • The National Science Teachers Association (NSTA) supports the teaching of evolutionary biology in schools, and opposes the teaching of creationism. They hold that science classes should teach evolution; that teachers should be “nonjudgmental” of students’ religious views; and that “creation science” and “intelligent design” should not be taught.[5]
  • The National Center for Science Education was founded in 1981 to oppose creationism and is led by Eugenie Scott. It has 4,000 members and operates a website. It also runsProject Steve, a list of 772+ certified Doctorate holding pro-evolution signatories named Steve (or Stephen or some variant thereof), as a parody of creationist attempts to collect signature lists of experts who doubt evolution.
  • The American Association of Physics Teachers states that “we do not endorse teaching the ‘evidence against evolution,’ because currently no such scientific evidence exists. Nor can we condone teaching “scientific creationism,” “intelligent design,” or other non-scientific viewpoints as valid scientific theories.”[6]
  • The American Astronomical Society supports teaching evolution, noting that many astronomical observations show changes in the universe over a long period of time consistent with evolution. They state that “‘Intelligent Design’ fails to meet the basic definition of a scientific idea” and “does not belong in the science curriculum.”[7]
  • The American Geophysical Union states that “Earth History and the Evolution of Life Must Be Taught: Creationism Is Not Science,” thus the AGU “opposes all efforts to require or promote teaching creationism or any other religious tenets as science.”[8] In addition, the American Geological Institute, the Association for Women Geoscientists, the Geological Society of America, the Paleontological Society, the Society of Vertebrate Paleontology and the Society for Organic Petrology all have position statements supporting the teaching of evolution and opposing the teaching of non-scientific ideas.
  • The Board of Directors of the American Chemical Society supports “evolution as the only scientifically accepted explanation for the origin and diversity of species.” [9]
  • The American Physical Society‘s governing Council has long expressed its opposition to the inclusion of religious concepts such as intelligent design and related forms of creationism in science classes.[10] APS is the world’s largest professional body of physicists, representing over 43,000 physicists in academia and industry in the US and internationally.
  • Kansas Citizens for Science is a group that is trying to fight the revision of science standards in Kansas.
  • CSICOP and The Skeptics Society are anti-pseudoscience organizations with creationism among their targets.
  • The Talk.Origins Archive is a large website of articles critiquing creationary ideas, plus a discussion forum; there is an extensive set of links to sites of interest on both sides of the debate – including True. Origins.
  • Talk Reason is a take-off of the talk.origins archive that deals exclusively with debunking intelligent design.

[edit]

People

[edit]

Creationists

[edit]

Organizations and websites

  • The Creation Research Society, an organization that limits voting members to those with a postgraduate degree, supports the study of origins with regard to creation science.
  • The Institute for Creation Research is based in San Diego and was founded in 1970 by Henry Morris. It is now led by his son, John Morris. ICR publishes a number of books and newsletters, as well as producing radio spots and operating a website and a small museum.
  • Answers in Genesis (AiG) is a Christian apologetics organization devoted to the beliefs of Young Earth creationism, specifically a plain reading of the first chapters of the Book of GenesisKen Ham is a notable creationist from AiG.
  • The Center for Scientific Creation, founded by creationist Dr. Walter Brown, is dedicated to studying origins from two different perspectives. It studies the earth as it exists today and formulates theories about what past events could have occurred to generate what we see today. It also looks at the Genesis account of origins and history, and formulates theories and predictions (of which there are 38) that science has not yet discovered, but based on Dr. Brown’s theories, will be discovered when technology and research is applied in those areas. Creationists claim that some of his predictions of scientific discovery have already been found to be true, including his prediction about comet composition, discovered by the Deep Impact Mission on 4 July 2005.[11]
  • The Discovery Institute is a Seattle-based think tank which has been the primary driver behind intelligent design. Its members include Phillip E. Johnson – father of the intelligent design movementStephen C. MeyerMichael Behe and William Dembski. Its goal as stated in its Wedge strategy document is to “defeat [scientific] materialism” represented byevolution, “reverse the stifling materialist world view and replace it with a science consonant with Christian and theistic convictions” … “We are building on this momentum, broadening the wedge with a positive scientific alternative to materialistic scientific theories, which has come to be called the theory of intelligent design (ID). Design theory promises to reverse the stifling dominance of the materialist worldview, and to replace it with a science consonant with Christian and theistic convictions.”[12] The institute’s ultimate goal is to “renew” American culture by shaping public policy to reflect conservative Christian, namely evangelical Protestant, values.[13].
  • The American Scientific Affiliation is an organization of professional scientists who also have a commitment to the Christian faith and has been in existence since 1948. There has been long-standing dialog in this organization between members who believe that there is no conflict between evolutionary science and religious ideas and other members who believe that there is a conflict.
  • Reasons to Believe is a progressive creationist organisation founded in 1986 by Hugh Ross. It publishes a number of books and operates a website. Ross opposes biological evolution but accepts mainstream theories of geological and astronomical history.
  • Answers In Creation is an old-earth creationist website which supports both progressive creationists and theistic evolutionists. This is accomplished by examining young-earth creationist arguments and showing the flaws they contain.
  • The True.Origin Archive is a website set up to respond to claims made on the Talk.Origins Archive (see above); it includes a page of purchasable material of interest to creationists.
  • The Center for Origins Research, at Bryan College.
  • Probe Ministries is an evangelical Christian organization founded in 1973 by James F. Williams Jr. and Jon Buell, based in Richardson, Texas. It is a Christian worldview and apologetics ministry headed by Ray Bohlin, a fellow of the Discovery Institute.[14]
  • Christian Answers provides online access to “over 45-thousand files” of Christian apologetics (including creationist) materials in 42 languages. Team members behind Christian Answers include: AIIA Institute; Answers in Genesis; Associates for Biblical Research; Creation Research Society; Eden Communications/Films for Christ; Ray Comfort/Living Waters Summit Ministries. Christian Answers maintains a list of scientists that subscribe to creationism.[15]
  • The Creation Science Association of Mid America (CSAMA) is Young Earth creationist organizaton[16] based in St Louis, Missouri.[17] In 1999 the Kansas State Board of Educationrelied heavily on CSAMA material in constructing science standards that minimized the tuition of evolution.[18]

[edit]

People

[edit]

See also

Criacionismo Nova Era

Vou violar a regra de não alimentar trolls. É que aparentemente o leitor César Reis exemplifica um novo tipo de criacionismo, que não tem origem no fundamentalismo cristão, judeu ou muçulmano, mas sim em um fundamentalismo Nova Era.

Assim, vou tentar responder parágrafo por parágrafo.

Prezado Osame:


Não sei de onde você tirou este fantástico e massificador placar de 98% para teólogos cristãos favoráveis ao evolucionismo darwinista. Poderia indicar-me a fonte da pesquisa? E quantos seriam esses teólogos: 10, 15, 23? E de onde seriam os teólogos: do Brasil, da Tanzânia?

É tudo muito simples Osame, os céticos de modo geral fazem de tudo para provar suas teorias materialistas, inclusive mentir. Se você se der ao trabalho de num dia desses prestar atenção aos pastores evangélicos na TV – a grande maioria, senão todos, são teólogos – verá que são pelo criacionismo.

César, estou considerando os teólogos profissionais, ou seja, o pessoal com pós-graduação em teologia, e não os pastores de TV que, se tanto, teriam apenas o bacharelado (na verdade, a imensa maioria deles não tem nem o bacharelado…). Assim como é melhor discutir cosmologia com cosmólogos proficionais em vez de professores do Telecurso 2 grau, acho que devemos discutir teologia com teólogos profissionais e scholars em vez de amadores, você não acha?

Dou a seguir uma lista de teólogos suficientemente famosos para constarem na wikipedia. Daí o César pode verificar a biografia de um por um e contar o número de teólogos criacionistas. Talvez encontre menos que 2%…

20th century

[edit]21st century



E há fortíssimas correntes do clero de ambos os lados que não aceitaram nem a pseudo aproximação e nem a homenagem esquisita ao Darwin, muito menos a teoria evolucionista (sempre a teoria, nunca provas concretas como amam os céticos. Paradoxo, não?). Não estou mentindo feito muitos céticos, é só pesquisar que achará. Se tiver dificuldades eu busco para você, mas antes, por favor, pesquise.

OK, César, pesquise e me mostre quem são as fortíssimas correntes do clero Católico e Anglicano que são criacionistas. OK, tem a Opus Dei, é fortíssima… em termos políticos, não em termos teológicos… Me parece que apenas a extrema direita da Igreja é criacionista…

Vou lhe dar uma boa dica: No livro “O Monoteísmo Bíblico e os Deuses da Criação” de Rayom Ra, publicado no Scribd, há o seguinte na pg 13:

“O próprio Eugene Dubois concluiria numa fase posterior de sua vida que a calota craniana de seu amado Pithecanthropus, pertencia a um grande Gibão, um símeo que os evolucionistas não consideram esteja tão intimamente relacionado aos humanos.” (A História Secreta da Raça Humana – Michael A. Cremo e Richard I. Thompson”.

Rayom Ra… rs…. OK, OK. Dado que houve meia duzia de fraudes na história da Paleontologia, ela está completamente errada, certo? Um argumento de uma lógica profunda. E como na história da Física houve bem mais que centenas de descobertas fraudadas, a Física está errada completamente, concorda? Agora, parece que o Dr. Ra está confundindo o Pithecantropus com o Homem de Piltdown (ver aqui), dado que o Pithecantropus de Dubois não é arrolado como fraude científica, ver aqui.

E há outras falcatruas e montagens mentirosas como de Teilhard de Chardin a que já me referi e da tal Lucy. Dê uma olhadinha, não custa nada. O link todo do autor: é http://www.scribd.com/Rayom%20Ra. Se der “oops …” clique no “take me back home” que abre lá a página.

César, acho que Lucy também não é considerada fraude científica, ver aqui.

Quanto aos biólogos evangélicos, é brincadeira desses malucos. Só pra começar e não fugir da regra do dízimo veja o que colocaram:
“Make a Donation Support BioLogos by making a contribution or supporting a project.”

Está explicado.

César, o biólogo evangélico maluco que defende o Darwinismo e que fundou a Fundação Biologos é Francis Collins, diretor do National Institutes of Health, o CNPq das pesquisas em Medicina dos EUA… Ver aqui.


Deus não criou Céu e Terra, diz pesquisadora

Em uma Lan House, Rua Boulevard com Copacabana…
“No princípio, Deus criou os Céus e a Terra” seria uma afirmação incorreta de acordo com o estudo de uma pesquisadora holandesa.
Ao contrário do que possa parecer, Ellen Van de Wolde, que explicou hoje sua tese na Universidade de Radbound, não é uma bióloga a favor teoria da evolução tentando argumentar contra o criacionismo.”
A professora que refuta as primeiras palavras da Gênesis ensina e pesquisa o Velho testamento e textos fonte do judaísmo na universidade. Para ela, houve um erro de tradução e interpretação da Bíblia.
Após uma análise do texto original hebraico, levando em conta seu contexto, ela afirma que a palavra “bara”, que é usada na primeira frase do Gênesis, não significaria “criar”, mas sim “separar”, de forma que o Velho Testamento começaria com: “No princípio, Deus separou os Céus da Terra”.
“Na sua interpretação, o Gênesis não fala sobre o princípio absoluto do tempo, mas sim do início de um determinado ato – o que significa que o início da Bíblia não é o princípio de tudo, mas o de uma narrativa.”

Coincidências e acidentes


Do G1:

Air France: raio é hipótese mais provável para desaparecimento de avião

PARIS, França, 1 Jun 2009 (AFP) – O Airbus A330 da Air France, que desapareceu nesta segunda-feira em uma viagem entre Rio de Janeiro e Paris, teria sido atingido por um raio, segundo a hipótese mais provável, afirmou François Brousse, diretor de comunicação da companhia aérea francesa.


“Provavelmente se trata de uma catástrofe aérea. Toda a companhia pensa nos familiares, com os quais divide a dor”, declarou o diretor-geral da Air France, Pierre-Henri Gourgeon, em uma entrevista coletiva no aeroporto parisiense de Roissy – Charles de Gaulle , onde o avião deveria ter pousado.


“O mais provável é que o avião tenha sido atingido por um raio”, declarou Brousse à imprensa. “O avião entrou em uma zona de tempestade com fortes turbulências, que provocaram falhas”, acrescentou.


O ministro francês de Ecologia e Energia, Jean Louis Borloo, declarou à AFP que haviam fortes tempestades tropicais na região. “São aeronaves habilitadas para este tipo de circunstâncias, mas deve ter sido um acúmulo de eventos”.

Hoje eu ia escrever sobre coincidências estatísticas, mas deixarei para o próximo. Vou refletir agora sobre o acidente desta madrugada, porque eu o escutei na CBN de manhã e isso me comoveu: senti um pouco da dor e angústia dos familiares, que certamente a partir de agora estarão se perguntando: “Por quê?”
Se você acredita em Karma, vai responder que morrer desse jeito era o Karma dessas pessoas. Uma conspiração espiritual teria ajuntado todas elas no mesmo vôo, etc e tal. Afinal, “coincidências não existem” e “tudo tem uma causa”. O velho determinismo cartesiano francês que contaminou o espiritualismo racionalista de origem francesa: basicamente você coloca a culpa nas vítimas.
Se você é religioso mas não acredita em Karma, dirá que o mal e o sofrimento realmente existem, não são justificáveis, não são em princípio a “vontade de Deus”, mas derivam de um “mistério”: do ponto de vista dos seres vivos, o universo é imperfeito por permitir o sofrimento. Talvez você coloque a culpa não nas vítimas, mas em algum tipo de antagonista de Deus. Alternativamente, o seu Deus poderia não ser capaz de realizar coisas impossíveis (como diria Santo Agostinho) e não consegue otimizar o universo porque isso é um problema NP-completo.
Se você não é religioso, a explicação é o acaso: não existe “por quê”, apenas “como”. O raio atingiu o avião, que infelizmente não resistiu. Talvez atravessar aquelas nuvens de tempestade fosse algo temerário, talvez não. Se existem uma multiplicidade de fatores (“causas”), então nenhuma sozinha foi responsável pela tragédia.
Eu gostaria de dar uma idéia aqui de que esse “acaso”, esse “acidente”, tem dimensões cósmicas. Vejamos:
Uma das teorias sobre o processo de iniciação dos raios (que parece bastante plausível) é a do Runaway Breakdown. Basicamente ela diz que a avalanche elétrica que são os raios é iniciada por elétrons relativísticos produzidos por raios cósmicos de alta energia. Um complemento diz que tais raios cósmicos se originam em buracos negros supermassivos no centro de galáxias a milhões de anos-luz daqui.
Você consegue imaginar isso? Milhões de anos atrás um próton é acelerado em um buraco negro massivo, viaja esse tempo todo sem se chocar com nenhuma molécula, chega até nossa atmosfera, se choca produzindo um chuveiro de partículas (inclusive os elétrons relativísticos) que nucleiam o canal inicial de plasma (“lider”) que dará início ao raio (o processo todo é descrito aqui).
Bastaria uma pequeníssima diferença no campo magnético no buraco negro (ou no espaço intergalático) para fazer o tal próton se desviar da Terra. Como a criação de partículas é probabilista (em termos quânticos), o choque com a molécula de ar ou a criação do elétron responsável pela nucleação do raio também é totalmente aleatória. E mesmo que ele criasse o tal raio, bastaria um milissegundo de atraso do avião para que o mesmo não fosse atingido.
Você percebe agora que a simples palavra “acaso” envolve zilhões de pequenos eventos, com uma origem a milhões de anos-luz daqui, a maior parte deles não determinada (e quanticamente sem “causa”)? Estar ciente dessa dimensão cósmica do acidente não consola os familiares das vítimas, mas pode evitar que coloquemos a culpa nas próprias vítimas…

Ciência e Religião 2.0

Ontem apresentei a versão bastante mudada da palestra “Ciência e Religião”, curso de difusão cultural aqui no DFM-FFCLRP-USP. A versão 2.0 em PDF pode ser encontrada aqui.

Está ficando cada vez mais claro que um grande problema para a Divulgação Científica, especialmente no caso dos blogs opinativos, é como se situar dentro da polarização ideológica entre neo-teístas (por exemplo os cientistas ganhadores do prêmio Templeton) e neo-ateístas (Dawkins, Dennet, Harris etc).

Uma coisa curiosa que noto é que a grande maioria dos novos teístas são físicos enquanto que a maioria dos novos ateístas são biólogos. Para provocar meus amigos biólogos, menciono uma frase de John D. Barrow em um debate com Richard Dawkins: “Richard, o problema com você é que você não é um cientista. Você é um biólogo.”

Eu tenho uma solução provisória que seria a de os jornalistas de ciência e blogueiros terem uma abordagem crítica e informativa, com maior profundidade histórica e filosófica, desmitificando argumentos dos dois campos.

Por exemplo, quando criticamos a Teoria da Terra Jovem (literalismo bíblico), acho que uma melhor idéia não é apenas apresentar as evidências que a contradizem (isso seria o nível básico da informação científica) mas também mostrar que a Teoria é irrefutável pois equivale à Teoria da Matrix = este mundo é uma ilusão criada por um Deus tecnológico, uma grande simulação que poderia ter se iniciado não apenas há 6.000 anos atrás, mas sim há 6 dias atrás… Este tipo de teoria meio solipsista é irrefutável e portanto não científica a priori.

Do mesmo modo, o mito de que cientistas teriam sido mortos ou torturados pela Inquisição precisa ser desmitificado. É um mito inventado pelos iluministas do século XVIII como propaganda mas não possui a menor base histórica. Por exemplo, Giordano Bruno não era um cientista, nem exatamente um livre-pensador, mas sim um mago renascentista que via no Heliocentrismo o sinal de uma Nova Era onde o culto ao deus Sol egípcio Aton iria derrubar o cristianismo. Foi condenado por suas opiniões teológicas (que configuravam opiniões político-ideológicas) e não exatamente por suas opiniões científicas.

Outro exemplo é o caso Galileu, ver aqui, que os historiadores modernos consideram uma anomalia nas relações Igreja e Ciência (porque na época a Igreja patrocinava fortemente as pesquisas científicas e as artes em geral). Galileu era bastante sarcástico e acabou granjeando muitos inimigos dentro e fora da Igreja, mesmo entre universitários seculares. Alguns desses inimigos formam um complô para prejudicá-lo, e o meio para isso na época é denunciá-lo por heresia.

Deve-se lembrar que o Tribunal da Inquisição só tinha autoridade sobre católicos confessos (como era o caso de Galileu) e a discussão sobre o Heliocentrismo no caso Galileu era se ele tinha o direito de ensiná-lo como teoria comprovada ou como teoria especulativa. O cardeal Belarmino tinha uma visão instrumentalista da ciência (como a maior parte dos cientistas hoje) onde uma teoria científica é um modelo da realidade, mas não uma visão com acesso direto à realidade. Já Galileu era um realista convicto, pré-Kantiano.

Galileu afirmava que o Heliocentrismo estava comprovado (mas naquele momento realmente ainda não estava, pois não havia eliminado explicações e teorias alternativas). Sua versão do Heliocentrismo era empiricamente deficiente: órbitas circulares em vez de Keplerianas, que produziam previsões empíricas piores do que o sistema Ptolomaico. E a falta de efeitos de paralaxe nas estrelas (uma previsão do Heliocentrismo) parecia constituir uma forte evidência contra o modelo.

A natureza dos fenômenos astronômicos observados pelo telescópio também não era clara, pois ele não tinha uma teoria de como o telescópio funcionava (tópico bastante discutido por Thomas Kuhn): ou seja, para os céticos da época (o pessoal das universidades) o telescópio seria como uma máquina Kirlian cujas fotos “provariam” a existência da aura (o que não é o caso…). Também os céticos hoje não ficam perdendo seu tempo com máquinas Kirlian. A presença de efeitos de distorção cromática não ajudava muito seu caso: como distinguir os fenômenos reais das ilusões de ótica?

Uma coisa que aprendi esses dias foi que, na verdade, o principal fator que impediu a aceitação do Heliocentrismo foi a reputação de Ticho Brahe como astrônomo e sua defesa do seu modelo híbrido geocêntrico. Foi Ticho que também chamou a atenção da falta de paralaxe estelar como argumento contra o Helicentrismo. Esse fator, pelo que conheço do meio universitário, parece bastante plausível…

O esclarecimento de certos mitos e inverdades históricas seria um tema interessante para a Divulgação Científica. Lembro como achei um absurdo Marcelo Gleiser afirmar em seu primeiro livro que o Aristotelismo dominou o Ocidente por mil anos, dado que Aristóteles só foi redescoberto no Ocidente através da tradução dos trabalhos do filósofo árabe Averroes no século XIII.

E assim vai… Que tal este desafio, amigos blogueiros? Em nossos posts, nunca mostrasmos um conhecimento de história da ciência inferior ao que pode ser encontrado facilmente na Wikipedia? Acho que esse é o nível mínimo que podemos estabelecer para nós mesmos…

Ciência da Fé

O Portal G1 mantém uma seção-blog interessante chamada Ciência da Fé, onde discute-se novas descobertas científicas que vêm questionar a visão tradicional de diversas religiões, em particular as religiões bíblicas. Conselho: antes de ler os comentários dos posts, tome um Engov a fim de aguentar o baixo nível intelectual dos leitores, tanto religiosos como arreligiosos.
Estou pensando em entrar de forma mais profissional nesse debate dos neo-ateístas (liberais) contra os evangélicos neocons (direita)  e neo pentecostais (neoliberais). Um debate curioso dado que tanto os neo-ateus como evangélicos brasileiros são fanáticos do mercado — e o mercado é o sistema econômico mais favorável à liberdade e proliferação religiosa, pois afinal as igrejas neopentecostais são regidas como empresas (as igrejas tradicionais são mais parecidas com ONGs). Mas alguém aí é contra empresas e empreendedorismo?
Já os ateus socialistas, que combatiam a religião usando legislação de Estado, parece que desapareceram de vista. E os católicos e evangélicos de esquerda, que não são poucos, infelizmente são ignorados e desprezados por todos… Bom, na verdade, eles ficaram abalados pelo fracasso do Sandinismo na Nicarágua, pela queda do Muro e pelo movimento carismático na década de 80, e foram finalmente massacrados pelo papa neocon e os neoliberais avivados nos últimos 15 anos…
Mas em vez de ficar colocando aqui achismos e preconceitos, vou fazer um estudo de primeira mão tentando entender as razões do sucesso de mercado das diversas igrejas. Acho que não dá mais pra ficar falando generalidades, é preciso saber o público que atendem, que necessidades satisfazem, e porque as religiões tradicionais, seja a Católica, sejam os protestantes históricos, os evangélicos e mesmo pentecostais tradicionais, e mesmo o Espiritismo Kardecista e os cultos afro-brasileiros não conseguem dar conta do recado. Até mesmo a New Age anda meio desunida e capenga!
Uma coisa que me impressionou muito ocorreu esta semana, quando entrei com minha namorada em uma loja New Age – esotérica e descobrimos que na verdade a dona era evangélica neopentecostal e o marido anglicano. Ela nos contou que embora tenha enfrentado críticas na Igreja, continua a manter a loja do mesmo jeito porque encara isso como seu ministério pessoal, ou seja, acha que as pessoas que vão comprar incenso, talismãs, cristais, decoração indiana etc, são pessoas psicologicamente necessitadas que podem ser aconselhadas e evangelizadas por ela. 
Quando ela falou isso, eu pensei duas coisas:
1. Meu Deus, os memes neopentecostais são tão mutáveis como o HIV.
2. Coitado do movimento New Age… está sendo invadido sem saber.
Um exemplo de notícia do Portal G1:
Crença no arrebatamento é colagem de textos bíblicos, dizem especialistas.
“Em caso de Arrebatamento, este veículo ficará desgovernado.” Adesivos com esses dizeres podem ser vistos nos carros de evangélicos do mundo inteiro, inclusive no Brasil. A ideia é que, no fim dos tempos, os cristãos realmente fervorosos serão arrebatados (daí o nome) de corpo e alma para o céu, enquanto uma série de catástrofes naturais e políticas afetarão a Terra durante sete anos. Ao fim desse período, Jesus voltará como conquistador ao nosso planeta, derrotando o Anticristo numa grande batalha em Israel. Esse cenário épico é inspirado em várias passagens da Bíblia — mas é preciso forçar consideravelmente a interpretação do texto sagrado para chegar a ele, de acordo com especialistas.

Em essência, a crença no Arrebatamento é uma colagem de trechos do Novo e do Antigo Testamento, cada um deles com perspectivas diferentes sobre o futuro da humanidade e o retorno glorioso de Jesus Cristo à Terra. “É uma tentativa de criar um mapa dos eventos futuros com base, por exemplo, no Apocalipse, no capítulo 13 do Evangelho de Marcos e na Primeira Carta de Paulo aos Tessalonicenses”, diz Paulo Augusto Nogueira, professor da pós-graduação em ciências da religião da Universidade Metodista de São Paulo.

 

De acordo com o americano Thomas Sheehan, estudioso do cristianismo primitivo e professor da Universidade Stanford, a ideia do Arrebatamento é relativamente recente. “Ela foi criada pela primeira vez no começo do século XIX, graças ao trabalho do pregador evangélico John Nelson Darby, e foi se tornando cada vez mais codificada ao longo do século XX, até chegarmos aos cenários detalhados que cristãos conservadores de hoje defendem”, diz Sheehan. As chamadas igrejas cristãs históricas, como a Igreja Católica, a Igreja Anglicana e as várias igrejas luteranas, não adotam as mesmas crenças. 

Perturbando a Blogosfera II

Reinaldo Lopes continua sua campanha heróica e mesopotâmica, como diria o Zé Simão, contra os Dom Quixotes do Ateísmo Radical (se sua luta contra os moinhos de vento da religião fosse baseada em análises antropológicas e sociológicas sérias, eu as respeitaria, mas como são apenas baseadas em “medinhos” de intelectual em torre de marfim, não posso respeitá-las). Neste sábado publicou no seu blog Visões da Vida:

Imagine que você é um cientista de renome, autor de um dos melhores livros didáticos de biologia do mundo. Você dedicou boa parte da carreira a explicar a teoria da evolução para um público amplo, com grande sucesso. Seu testemunho no tribunal foi decisivo para impedir que a chamada hipótese do Design Inteligente, uma forma de criacionismo com roupagem disfarçada, ganhasse a chance de ser ensinada como ciência nas escolas públicas. Diante desse currículo quase impecável, o que os seus colegas fazem? Condecoram você? Pedem que o governo o agracie com uma bolsa vitalícia por serviços prestados à ciência? Nada disso. Ultimamente, eles têm preferido dizer que você é igualzinho aos criacionistas.

Qualquer semelhança com a vida real não é mera coincidência, nobre leitor. A historinha do parágrafo acima espelha à perfeição o que tem acontecido com o biólogo americano Kenneth Miller, da Universidade Brown. Sob quase todos os aspectos, Ken Miller é um paladino da compreensão pública da teoria da evolução e um inimigo feroz da pseudociência. Mas, para alguns biólogos evolutivos proeminentes, como Jerry Coyne, da Universidade de Chicago, e P.Z. Myers, um dos cientistas-blogueiros mais populares do mundo, Miller tem o defeito imperdoável de ser católico e acreditar que não existe incompatibilidade essencial entre a teoria da evolução e a fé em Deus.

Enfatizo aqui: tenho ótimos amigos ateus e religiosos, e não quero perder nenhum deles. Mas, em termos de estratégia nessa Guerra Cultural, eu acredito firmemente que Dawkins e amigos estão equivocados e irão produzir em breve uma grande rejeição cultural (ainda mais?) da Ciência. 
Afinal, como dizem quase todo mundo, a Tecnologia destruiu o Ambiente e armou a arapuca do Terrorismo Nuclear (terrorista religioso armado de estilingue não faz mal a ninguém – com excessão de Davi contra Golias). 
Agora a Ciência (desde o Acaso e a Necessidade de Monod, na verdade) escancara a quatro ventos que o valores (por exemplo os Direitos Humanos) não tem fundamentos – OK, já sabiamos disso – e que um Hitler bem sucedido é o objetivo da evolução (pois seu grupo-comunidade teria maior fitness  – maior espaço vital e mais descendentes) enquanto que os judeus, sorry, tinham menos fitness (pois se tivessem mais fitness, teriam adotado a filosofia da Vontade de Nietzsche e teriam sobrevivido melhor aos campos de concentração…).

Assim, fico aqui de artilheiro ao lado de Reinaldo Lopes, nessa estúpida Guerra cultural onde as pessoas que deveriam estar juntas não estão, e o fogo amigo está matando muita gente boa…
Lembremos também que nossas posições (Reinaldo e eu) são bastante diferentes: ele é um católico progressista com teologia liberal, eu sou um autor de ficção-científica que acha que Teologia fornece ótimos roteiros para a FC (vide VALIS (1981), The Divine Invasion (1981), The Transmigration of Timothy Archer (1982) de Philip K. Dick). Ou seja, eu apenas acho que cientista quando fica rigorista e pede o bom humor e a autocrítica filosófica, é porque está precisando de uma dose de Freeman Dyson e talvez umas cervejas da Cervejaria Colorado de Ribeirão Preto.

PS: Reinaldo, acho que o conceito de “fé” está mais relacionado ao conceito jurídico de “confiança” (“dou fé”, etc) e no sentido do relacionamento familiar (os amantes tem fé um no outro, se entregam um ao outro sem reservas – Amar a Deus de todo coração, de toda alma etc parece ser um ato erótico – e isso pode ser observado tanto na poesia mística como na moderna música Gospel).

Assim, discordo do seu conceito cognitivo (ou melhor, gnóstico) de fé como intuição de uma verdade profunda. Sei que os cientistas possuem esse tipo de fé quando perseguem uma linha de pesquisa mesmo quando ela ainda não deu resultados – é uma “aposta de fé” em que a idéia é promissora, mas não me parece ser o uso mais adequado quando você cita a Bíblia: o Jesus histórico lembra mais um budista anarquista Mahayana, não um budista gnóstico Theravada.